Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

Fonte de meteoritos escurecidos é identificada em cinturão de asteroides

Por Isabela Valukas Gusmão, editado por André Lucena 

Olhar Digital

Um artigo apontou que um asteroide, chamado 1998 OR2, foi identificado como uma fonte potencial de meteoritos escurecidos por choque. Esse objeto, localizado no cinturão de asteroides, próximo à Terra, tem cerca de 2,4 quilômetros de largura e se aproximou da Terra em abril de 2020.

De acordo com o principal autor do estudo, Adam Battle, “o escurecimento do choque é um processo de alteração causado quando algo impacta um corpo planetário com força suficiente para que as temperaturas derretam parcial ou totalmente essas rochas e, assim, alterem sua aparência tanto para o olho humano quanto em nossos dados”.

Battle complementa o raciocínio ao alegar que “este processo foi visto em meteoritos muitas vezes, mas só foi visto em asteroides em um ou dois casos no cinturão principal de asteroides, que é encontrado entre Marte e Júpiter.”

O coautor do estudo Vishnu Reddy declarou que os “impactos são muito comuns em asteroides e em qualquer corpo sólido no Sistema Solar porque vemos crateras de impacto nesses objetos a partir de imagens de naves espaciais”. Reddy alega que “encontrar um meteorito oriundo desses asteroides na Terra é bem raro”.

Para realizar esse estudo, Battle e Reddy usaram o sistema RAPTORS, um telescópio localizado no topo do edifício Kuiper Space Sciences, para coletar dados sobre a composição superficial de 1998 OR2. Com esses dados, eles conseguiram determinar que ele parecia um asteroide condrito comum, ou seja, compostos por minerais como olivina e piroxeno. Entretanto, quando a equipe executou os dados, a ferramenta de classificação sugeriu que o asteroide era, em vez disso, um asteroide carbonáceo, caracteristicamente escuro e sem maiores informações.

Incompatibilidade de informações do meteoro

Surpreso com a incompatibilidade, Battle decidiu ir mais a fundo na investigação. Uma possível causa para a discrepância poderia ser o clima espacial, no qual a exposição ao ambiente espacial causa alterações na superfície do asteroide. Entretanto, se esse fosse o caso, o asteroide pareceria ser ligeiramente mais vermelho em cores do que é.

Em 2013, quando a bola de fogo sobre a Rússia produziu meteoritos com características escurecidas, o interesse dos pesquisadores ficou ainda mais acentuado. Com essa descoberta, juntamente com os dados prévios, Reddy logo descobriu que há asteroides escurecidos no cinturão principal de asteroides entre Marte e Júpiter.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.