Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Eta Aquáridas: Chuva de meteoros atinge pico nesta quinta; evento é visível no céu do Brasil

Estimativa é que o melhor horário para observar o fenômeno seja na madrugada, entre 2h e 4h, quando a constelação de Aquário estará um pouco mais alta no céu.

Por G1

A chuva de meteoros Eta Aquáridas alcançara seu pico nesta quinta-feira (6) no Hemisfério Sul. Esses meteoros são resquícios da passagem do cometa Halley. A chuva de meteoros começou em 19 de abril e deve ser visível até 28 de maio, mas seu pico ficou concentrado entre os dias 4, 5 e 6 deste mês, sendo possível observar até 30 meteoros por hora.

No Brasil, assim como nos demais países da América Latina, a visão a visão do fenômeno é favorecida devido à posição da constelação em relação aos países do hemisfério sul.

A estimativa é que o melhor horário para observar o fenômeno seja entre 2h e 4h, quando a constelação de Aquário estará um pouco mais alta no céu.

Como as chuvas de meteoro ocorrem

A chuva de meteoros acontece quando o nosso planeta atravessa o rastro de poeira e detritos deixado por um cometa ao se aproximar do Sol.

No caso da Eta Aquaridas, a Terra cruza o caminho feito pelo cometa Halley, que fez sua mais recente passagem pelo sistema solar em 1986. As partículas deixadas pelo Halley não são apenas de sua última passagem, mas também de resquícios deixados pela sua trajetória há centenas de anos. Sua próxima aparição na Terra será no ano de 2061.

Quando essas partículas entram na atmosfera terrestre, elas se desintegram deixando um rastro colorido e brilhante no céu.

A Terra cruza a trajetória do Halley duas vezes ao ano. A primeira ocasiona a chuva Eta Aquáridas e a segunda, a Oriónidas, que ocorre em outubro.

Como observar a chuva Eta Aquáridas

Cometa Halley — Foto: NASA Blueshift

Cometa Halley — Foto: NASA Blueshift

Não é necessário nenhum equipamento para ver o fenômeno, apenas olhar para o céu. Entretanto, quanto mais escuro estiver o céu, melhor será a observação da chuva de meteoros.

Por isso, é importante saber a posição da Lua e quão brilhante ela estará, além de evitar interferência luminosas artificiais, como luzes da cidade.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Olhos para cima: Parte de foguete chinês pode cair em área habitada da Terra

Redação

Olhar Digital

Um imenso pedaço de um foguete chinês vai cair de volta à Terra “em breve”, e ninguém pode dizer com certeza onde. O componente em questão é o primeiro estágio do Longa Marcha 5B que foi utilizado para colocar em órbita o primeiro módulo da estação espacial chinesa Tiangong, na semana passada.

Após cumprir a missão, a peça foi descartada em uma órbita elíptica ao redor de nosso planeta, mas a gravidade puxa ela de volta, em uma reentrada descontrolada.

Objetos de pequeno porte reentrando a atmosfera geralmente são incinerados pelo calor gerado com o atrito, mas o primeiro estágio do Longa Marcha 5B não pode ser considerado “pequeno”: ele tem 33 metros de comprimento e 5 metros de diâmetro, pesando 21 toneladas. Isso significa que uma parte considerável pode atingir “algum lugar” da Terra.

Segundo o site SpaceNews, esta será uma das maiores reentradas descontroladas de uma espaçonave, e os destroços têm o potencial de atingir uma área habitada.

Os locais mais prováveis são Nova York, Madri e Beijing, região sul do Chile e Nova Zelândia.

Considerando que 70% da superfície de nosso planeta é coberta por oceanos, é provável que o primeiro estágio do Longa Marcha 5B atinja um deles. Mas a possibilidade de que ele atinja terra firme, ou uma região habitada, ainda existe: em 1979, um erro de cálculo fez com que pedaços da primeira estação espacial norte-americana, a Skylab, atingissem o oeste da Austrália.

No início de março parte do foguete francês Ariane 44L, que decolou em 1992, reentrou nossa atmosfera sobre o norte do Brasil, gerando uma bola de fogo que foi vista nos céus do Ceará e do Pará, mais especificamente na região da capital, Belém. Não há registro de pedaços chegando ao solo.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Estudantes de Nova York vão conversar com astronautas na ISS

Karol Albuquerque

Olhar Digital

Estudantes da Universidade Estadual de Nova York em Plattsburgh vão conversar com astronautas presentes na Estação Espacial Internacional (ISS, a sigla em inglês), nesta quinta-feira (6), às 11h30 (horário de Brasília. A “ligação” será transmitida pela Nasa TV, pelo aplicativo e pelo site da agência aeroespacial.

Vão participar da conversa com as alunas do programa Shine-On! os astronautas Megan McArthur, da Nasa, e Thomas Pesquet, da Agência Espacial Europeia (ESA). As perguntas respondidas por eles lá de cima já foram gravadas pelas estudantes.

A grade do programa objetiva incentivar meninas resilientes e confiantes, ensinando alfabetização midiática, habilidades de comunicação e caráter. A conversa com os astronautas é o destaque de uma conferência do sistema de aprendizado científico para mais de 5 mil estudantes do jardim de infância à oitava série do estado de Nova York.

Megan McArthur é uma das astronautas a participar da conversa. Imagem: NASA/Divulgação

Para a Nasa, essa ligação entre os alunos e os astronautas à bordo da ISS oferece “experiências únicas e autênticas, projetadas para aprimorar o aprendizado, o desempenho e o interesse dos estudantes por ciências, tecnologia, engenharia e matemática”.

Afinal, as alunas dessa semana e outros estudantes conversam com astronautas que vivem no laboratório em órbita. Diariamente, os habitantes do espaço se comunicam com o Centro de Controle de Missão, em Houston, através de Satélites de Rastreamento e Retransmissão de Dados da Rede Espacial.

A Nasa quer também inspirar a próxima geração de “exploradores”, chamados de Geração Artemis, nome referente ao Programa Artemis, que vai recolocar a humanidade no solo da Lua e, posteriormente, explorar Marte.

A ISS já está na órbita da Terra há mais de 20 anos, tendo sido lançada em 1998 e ocupada em 2000. Lá, os astronautas trabalham testando tecnologias, realizando pesquisas e desenvolvendo habilidades para outros programas espaciais.

Atualmente, a Estação Espacial Internacional é ocupada por sete astronautas. No mês de abril, o local chegou à capacidade máxima, com 11 pessoas a bordo, pois os membros da Crew-2 chegaram e o retorno da tripulação da Crew-1 precisou atrasar o retorno à Terra.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Cientistas descobrem maior felino ‘dente-de-sabre’ da história nos EUA

Por Gabriel Sérvio,Editado por André Lucena

Pesquisadores descobriram que um felino gigante com mais de 400 kg viveu na América do Norte há milhões de anos. O animal era capaz de abater presas com mais que o dobro do seu peso, indicou um novo estudo publicado nesta segunda-feira (3) pela Sociedade para o Estudo da Evolução dos Mamíferos nos EUA.

De início, os estudiosos compararam fósseis e amostras de ossos (cotovelos e dentes) de todo o mundo para tentar identificar o grande felino, cujo antebraço é uma de suas principais armas para dominar suas presas. O coautor do estudo foi Jonathan Calede, professor assistente de evolução, ecologia e biologia orgânica da Universidade Estadual de Ohio. Ele revelou que esses animais eram capazes de caçar presas “do tamanho de bisões” e indica que este era “o maior felino vivo” naquela época.

Quem iniciou o projeto foi John Orcutt, professor assistente de biologia na Gonzaga University. Ele determinou que a nova espécie é um parente antigo do Smilodon (tigre dente-de-sabre), extinto há 10 mil anos. Ossos do felino gigante foram encontrados em escavações nas terras da tribo indígena Cayuse, no estado de Oregon.

Calede e Orcutt nomearam a nova espécie como: ‘Machairodus lahayishupup’. ‘Machairodus’ é um gênero de grandes felinos dente-de-sabre que viveram na África, Eurásia e na América do Norte. Já ‘Laháyis Húpup’ significa “gato selvagem antigo” no idioma Cayuse.

“Estamos bastante confiantes de que é um felino dente-de-sabre, uma nova espécie do gênero Machairodus (tigre dente-de-sabre)”, informou Orcutt. Os pesquisadores calcularam o tamanho da nova espécie de “gato gigante” associando as medidas das amostras de seus ossos com a massa corporal dos grandes felinos modernos. Suas presas foram determinadas com base nos animais que viviam na região naquela época, ou seja, rinocerontes, camelos gigantes e preguiças-gigantes.

Orcutt e Calede encontraram fósseis semelhantes no Museu de História Natural de Idaho, no Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia e no Museu Memorial do Texas. Algumas suposições baseadas em sua idade, indicam que o animal viveu entre 5 e 9 milhões de anos atrás. O maior dos ossos disponível para a análise tinha mais de 45 cm de comprimento e 4,3 cm de diâmetro. Em comparação, o mesmo osso (o úmero médio) de um leão adulto mede 33 cm.

Cotovelo pode distinguir espécies de felinos

Os pesquisadores ainda levantaram outra hipótese: se um osso foi suficiente para distinguir o felino de grande porte, isso também poderia funcionar para outras espécies. Sendo assim, Calede e Orcutt visitaram vários museus ao redor do mundo catalogando leões, pumas, panteras, onças e tigres, bem como fósseis de outros felinos extintos. Para isso, eles usaram um software que colocava pontos de referência em cada amostra. Quando comparadas, o programa criava um modelo digitalizado do cotovelo dos animais. “Descobrimos que podíamos quantificar as diferenças em uma escala bastante precisa”, disse Calede.

Estabelecer que apenas uma porção do cotovelo é suficiente para identificar um felino tem implicações importantes, já que os ossos do antebraço dos felinos dentes-de-sabre, por exemplo, são os mais comuns encontrados nas escavações. Ainda assim, o estudo conclui que apenas uma reconstrução da história evolutiva dos felinos pode determinar onde essa nova espécie se encaixa. Orcutt e Calede acreditam que o ‘Machairodus lahayishupup’ existiu logo no início da evolução dos grandes felinos.

Fonte: Phys.org

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Como um derivado cítrico faz a madeira transparente 100% renovável

Kaique Lima

Olhar Digital

Pesquisadores do KTH Royal Institute of Technology, na Suécia, já trabalham há pelo menos quatro anos no desenvolvimento da madeira transparente, um material estrutural inovador para a construção civil. Este tipo de madeira permite a entrada de luz natural nos ambientes e tem até a capacidade de armazenar energia térmica em si mesma. 

A construção desse material se dá após a retirada da lignina, o principal componente de absorção de luz da madeira, tornando o composto transparente. No entanto, os poros vazios deixados pela ausência da lignina precisam ser preenchidos com alguma substância que restaure a resistência da madeira e permita a penetração da luz.

Em outras versões, foram usados polímeros baseados em materiais fósseis, no entanto, agora, os pesquisadores restaram uma alternativa 100% renovável para sua substituição. “O novo acrilato de limoneno é feito de frutas cítricas renováveis, como resíduos de casca que podem ser reciclados da indústria de suco de laranja”, declarou a autora do artigo, Céline Montanari ao Phys.org

Esse novo composto oferece uma taxa de transmitância de 90% com uma espessura de apenas 1,2mm e uma neblina consideravelmente baixa, de 30%. Ao contrário dos compostos anteriores desenvolvidos pela equipe de Montanari, esse material é pensado ao uso estrutural e demonstra desempenho mecânico satisfatório para serviços pesados. 

Foco em sustentabilidade

A questão da sustentabilidade sempre foi um foco dos pesquisadores, desde os primeiros protótipos da madeira transparente, por isso, a descoberta do acrilato de limoneno e a substituição dos polímeros com base em fósseis é considerada uma grande vitória para a equipe. 

Com exceção desses polímeros agora substituídos, a chamada química verde permeou todo o trabalho de desenvolvimento da madeira transparente. O material é construído sem o uso de solventes e todos os demais produtos químicos são derivados de matérias-primas de base biológica.

Com isso, uma nova gama de possibilidades se abre para usos desse material no setor de construção civil. Os principais são a nanotecnologia da madeira, que inclui janelas inteligentes, armazenamento de calor, madeira com função de iluminação embutida e até um laser feito de madeira. “Vimos para onde vai a luz e o que acontece quando atinge a celulose”, disse Lars Berglund, coautor da pesquisa. 

Segundo ele, parte da luz atravessa a madeira, tornando o material transparente, enquanto parte da luz é refratada e espalhada em diferentes ângulos, o que dá bons efeitos em aplicações de iluminação. 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Astrônomo diz que algumas estrelas literalmente viajam no tempo

Kaique Lima

Olhar Digital

O astrônomo Avi Loeb, ex-presidente do departamento de astronomia da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, escreveu um artigo para a revista Scientific American onde defende que algumas estrelas literalmente viajam no tempo. Segundo eles, esses corpos estão próximos a buracos negros supermassivos no centro de uma galáxia distante

Essas viagens podem acontecer por diferentes razões, sendo a principal delas o fato dessas estrelas serem ejetadas por campos gravitacionais super potentes. Outra possibilidade são explosões cósmicas massivas, que podem fazer essas estrelas serem lançadas pela galáxia em uma velocidade próxima à da luz. Por conta disso, é possível dizer que elas viajam no tempo nesse processo.

Loeb defende que viajar a uma velocidade tão grande traz uma série de efeitos físicos instáveis a essas estrelas, além de trazer à tona um efeito conhecido como dilatação do tempo. Isso acontece quando um objeto viaja em alta velocidade e percebe o tempo passando mais devagar em relação a um objeto parado. 

Esse efeito foi exemplificado em um experimento mental chamado “paradoxo dos gêmeos”, onde é proposto que um gêmeo parte em uma viagem espacial em alta velocidade. Ao voltar para a Terra, o irmão que viajou ainda é mais jovem do que aquele que ficou por aqui. 

Tanto a dilatação do tempo quanto a contração do espaço, que é um fenômeno parecido, em que as distâncias de viagem percebidas mudam, acontecem em qualquer velocidade. No entanto, a percepção efetiva delas só se dá quando se atinge uma velocidade tão alta quanto a da luz. 

Vida extraterrestre

Além de ter ocupado um cargo importante em uma das universidades mais prestigiadas do mundo, Avi Loeb também é muito conhecido por seu fascínio por vida extraterrestre. Neste artigo em específico, o astrônomo defende que estrelas em fase de crescimento podem ser destinos interestelares para alienígenas em viagem pelo universo.

Além disso, segundo ele, essas estrelas também podem proporcionar um show pirotécnico que deixa o réveillon de Copacabana no chinelo. “Ao todo, os núcleos galácticos oferecem locais de lançamento para as plataformas habitáveis mais rápidas que a natureza oferece gratuitamente”, escreveu Loeb. 

“Não seria surpreendente se civilizações tecnológicas avançadas optassem por migrar em direção aos centros galácticos pela mesma razão que os astronautas e espectadores migram para o Cabo Canaveral da Flórida durante o lançamento de foguetes”, completa o astrônomo. 

Com informações do Futurism 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

‘Star Wars’: Disney revela oficialmente o sabre de luz “real” e é incrível

Arthur Henrique

Olhar Digital

Em pleno ‘Star Wars Day’ (“May The 4th be with you”), a Disney finalmente revelou, de forma oficial, o sabre de luz retrátil “real” que começou a ser desenvolvido em abril. Por meio das redes sociais e canais oficiais dos parques Walt Disney World, foi divulgado um novo vídeo mostrando a arma em ação – e cá entre nós, parece muito, muito incrível!

Conforme rumores previamente divulgados na internet, o sabre de luz (de brinquedo) apresenta uma lâmina iluminada retrátil, que se estende para fora do cabo (de uma forma bem real) – assim como as armas de energia pulsante dos filmes e séries do universo de George Lucas.

Os sabres de luz reais, como já anunciado, farão parte do hotel de luxo e interativo ‘Star Wars: Galactic Starcruiser’, todo desenhado para parecer uma nave espacial dentro dos Walt Disney World. A ideia é pegar a premissa inicial das áreas temáticas do parque Galaxy’s Edge e expandi-la para uma aventura realista e “de níveis gigantescos” em duas noites.

Porém, ainda conforme a Disney, os novos sabres ainda estão em desenvolvimento pelo setor de criação e desenvolvimento, mas provavelmente estarão prontos para os hóspedes comprarem quando a experiência do ‘Galactic Starcruiser’ for lançada, em 2022.

Informações sobre o preço das armas de brinquedo não foram divulgadas, mas considerando que cada sabre de luz “normal” dentro das atrações de ‘Star Wars’ nos parques da Disney já custa US$ 200 (mais de R$ 1 mil), é esperado que os modelos “reais” custem algo semelhante (se não mais).

Como vai funcionar o sabre de luz “real” da Disney?

Sabre de luz Star Wars de verdade será lançado pela Disney
‘Star Wars’: Disney revela oficialmente o sabre de luz “real” e é incrível. Imagem: Walt Disney World/Divulgação

O anúncio oficial também não entra em muitos detalhes sobre como os sabres retráteis realmente funcionam, mas informações vazadas na internet anteriormente mostram como “a Força” age na patente utilizada pela Disney para o objeto.

Primeiro: os sabres da Disney não vão derreter portas de metal ou decepar membros. Serão apenas as lâminas iluminadas que vão estender e retrair após o botão ser acionado. E o conceito por trás parece ser bastante simples: trenas.

“Uma trena de metal é firme quando estendida a curtas distâncias. A curva no metal proporciona força e até a mais reta das trenas pode ser enrolada dentro do corpo do objeto. Isso é importante”, afirmou o desenvolvedor de realidade aumentada Ben Ridout nas redes sociais. Inclusive, ele fez até uma animação (veja abaixo) para explicar, em detalhes, como é o design do sabre de luz.

Na arte, Ridout colocou duas trenas frente a frente, presas a uma tampinha. “Depois, deixe as trenas mais largas e aumente a curvatura, permitindo que elas se toquem, formando um cilindro. O sistema funciona com um motor que faz as duas se estenderem e retraírem em sincronia através do botão. Pronto, agora você tem um sabre de luz”, detalhou.

As duas “lâminas” presas juntas, cada uma um pouco maior que um semicírculo, formam o cilindro em um plástico flexível de material quase transparente. A tampa no fim do produto da Disney guia as trenas para fora e as mantém presas quando dentro do cabo.

“O material também serve para espalhar a luz, providenciada através de uma fita flexível de LED, que ficará contido no punho em um terceiro carretel e será puxado para fora junto quando a lâmina for acionada. Enquanto ela vai subindo, o LED desenrola e passa a iluminar”, completou Ridout.

O sistema inteiro conta, ao todo, com três carreteis – sendo dois para as fitas da lâmina e um para o LED, além de um motorzinho para acionar e desligar o sabre, a bateria e os eletrônicos. A patente ainda afirma que o sabre ficará com mais de 60 centímetros em menos de um segundo.

Fonte: The Verge

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Como uma enzima pode ajudar 700 milhões de pessoas?

Kaique Lima

Olhar Digital

Um grupo de pesquisadores da Universidade do Sul da Austrália identificou uma enzima que pode conter a doença renal crônica que afeta aproximadamente 700 milhões de pessoas ao redor do mundo. De acordo com os cientistas, a enzima NEDD4-2 é bastante crítica para a saúde renal e pode ajudar na prevenção e no tratamento dessa patologia. 

A equipe liderada por Jantina Manning, cientista do Centro de Biologia do Câncer, mostrou através de um estudo em animais que existe uma correlação entre uma dieta rica em sal e baixos níveis de NEDD4-2 com doenças renais crônicas em estágio avançado. Até o momento, sabia-se apenas que o excesso de sal podia potencializar os danos nos rins. 

No entanto, ainda não se tinha percebido nada sobre o papel desempenhado pela deficiência do NEDD4-2 na promoção dos danos induzidos pelo consumo de sal. “Agora sabemos que tanto uma dieta rica em sódio quanto baixos níveis de NEDD4-2 promovem a progressão da doença renal, mesmo na ausência de pressão alta“, disse a Dra. Manning ao Medical Xpress. 

A enzima NEDD4-2 tem a função de regular a via necessária para a reabsorção de sódio pelos rins e garantir que os níveis corretos de sal sejam mantidos. Quando essa enzima é reduzida ou inibida, a absorção do sal pode aumentar, o que causa danos aos rins. Até mesmo pessoas que consomem pouco sal podem ter danos renais por conta de deficiência de NEDD4-2. 

O próximo passo

Com a descoberta, os pesquisadores enxergam um terreno fértil para o possível desenvolvimento de uma droga que possa aumentar os níveis da enzima em pessoas com doença renal crônica. “estamos testando diferentes estratégias para garantir que essa proteína seja mantida em um nível normal o tempo todo para a saúde geral dos rins”, disse o professor Sharad Kumar, que participou do estudo. 

O papel da NEDD4-2 em distúrbios renais também está ligado a outras causas de doenças renais. “Na nefropatia diabética os níveis de NEDD4-2 são severamente reduzidos. Isso ocorre mesmo quando o sal não é um fator”, diz o professor Kumar.

Em um estudo publicado em 2020 na revista científica The Lancet, um outro grupo de cientistas estimou que cerca de 700 milhões de pessoas, o que representa 10% da população mundial, sofrem de doença renal crônica. Os cientistas estimam que isso represente um aumento de 29% na incidência da doença só nos últimos 30 anos. 

Esse aumento pode estar ligado ao crescimento global do número de obesos nas últimas décadas, o que causou um aumento no número de diagnósticos de diabetes, que é uma das principais causas de doenças renais junto com a hipertensão. 

“Obesidade e estilo de vida sedentários são dois fatores principais que impulsionam a doença renal crônica, mas há outras coisas em jogo também”, diz a Dra. Manning. “Lesões renais agudas, medicamentos tomados para outras doenças, hipertensão e uma predisposição genética também podem causar isso”, completa.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Farinha produzida com larvas é aprovada para consumo humano na Europa

Por Lucas Soares,Editado por André Lucena

Olhar Digital

União Europeia aprovou o primeiro alimento derivado de insetos para o consumo humano. A farinha é feita usando larvas de um escaravelho e é considerada uma fonte alternativa de proteína.

“Os Estados-membros aprovaram uma proposta da Comissão Europeia, que autoriza a utilização de larvas de farinha amarelas secas como novo alimento“, disse a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA). “Pode ser usado como um inseto inteiro desidratado como lanche ou como ingrediente de diversos produtos alimentícios, como pó em produtos proteicos, biscoitos ou massas”, completou ainda.

A farinha de larvas faz parte da iniciativa “Do Prado ao Prato”, que identifica alimentos comestíveis com base no estudo de insetos. Os produtos derivados de insetos são ricos em proteínas e minerais e, segundo o órgão, podem ajudar a prevenir deficiências de nutrientes.

Apesar de ser o primeiro alimento do tipo aprovado pela União Europeia, muitos países do bloco já comercializaram produtos do tipo antes pois entendiam que eles não estavam sob a cobertura alimentar da EFSA.

O maior consumo de insetos da Europa é no setor de pecuária, onde muitos desses alimentos são usados para alimentar peixes e outros animais. Agora, a expectativa é de que outros produtos semelhantes sejam aprovados pela UE.

Além da farinha de larvas, outros onze pedidos de comercialização de alimentos feitos de insetos foram apresentados à União Europeia. Um dos mercados mais visados é nas barras de proteínas para atletas.

Via France 24

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Samsung supera Apple em vendas globais de celulares

Karol Albuquerque

Olhar Digital

O primeiro trimestre de 2021 mudou o ranking de marcas que mais venderam smartphones pelo mundo. A Samsung tomou o lugar da Apple como líder de vendas nesses três meses, de acordo com relatório da Canalys, com 76,5 milhões de celulares comercializados.

A quantidade de telefones vendida pela marca sul-coreana representa 22% do mercado. A Apple, por sua vez, foi responsável pela introdução de 52,4 milhões de smartphones nos meses analisados, chegando a 15% do total. Ainda segundo a Canalys, a empresa da maçã vendeu menos iPhone 12 Mini do que o esperado.

Por outro lado, outros modelos do iPhone 12 ganharam força, assim como a demanda pelo iPhone 11, modelo anterior. Por outro lado, a Apple ainda gera mais receita que a Samsung, de acordo com o relatório da Counterpoint Research. Os ganhos da empresa subiram graças ao aumento de vendas de iPhones em 65%.

A medalha de bronze ficou com a chinesa Xiaomi. De janeiro a março de 2021, a companhia vendeu 49 milhões de unidades, chegando a 14% do total comercializado no período. Os três primeiros representam, juntos, mais da metade dos aparelhos. No total, 347 milhões de celulares foram vendidos, um aumento de 27% na comparação com o ano anterior.

Outras duas empresas chinesas fecham o Top 5. A Oppo ficou em 4º lugar, com 37,6 milhões de celulares comercializados. Fechando o grupo que tem vendas representativas está a Vivo, com 36 milhões de smartphones entregues ao mercado.

Huawei deixou os destaques do ranking, ficando agora em 7º lugar, com 18,6 milhões de unidades vendidas. Ela entra no bolo de 28% com a soma das outras empresas do segmento.

A LG, que vai deixar o mercado de smartphones neste ano de 2021, ainda é a dona do maior percentual das Américas. Para Sanyam Chaurasia, analista da Canalys, isso representa uma nova oportunidade para marcas como Motorola, TCL, Nokia e ZTE. “Esta não será a última vez que os fornecedores lutam pelos restos de uma marca derrotada”, disse.

Via: C|Net

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.