Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Giovanni, Parraguez e mais… Sport usa semana para tentar recuperar de desfalques

Rubro-negro aciona escalação reformulada após encontrar melhor formação e trabalha para tentar retomar jogadores titulares; equipe enfrenta Tombense na sexta-feira, pela Série B

Por Camila Alves — Recife

globo esporte

O tempo tornou-se algo crucial para o Sport nesta rodada da Série B. O Rubro-negro tem pouco menos de uma semana antes de volta ao campo – diante do Tombense, na sexta-feira – e acumula jogadores que precisam de recuperação.

Foram três desfalques por questões físicas na última rodada da Série B do Brasileiro, além de um quarto nome – que saiu no decorrer da partida contra o CSA.

A preocupação trata-se do atacante Bill. “Amuleto” na Ilha do Retiro – com gols decisivos pelo Leão -, ele foi titular na última partida e deixou o campo após 15 minutos por conta de dores na coxa direita. Ele será reavaliado ao longo da semana.

Aos 35 min do 2º tempo – gol de dentro da área de Bill do Sport contra o Ituano

No meio de campo, o Rubro-negro acompanha os casos do meia Giovanni e do volante William Oliveira.

Giovanni deixou a relação no fim de semana por conta de um desconforto muscular, mas permaneceu no Recife para priorizar o tratamento e tem chances de voltar ao time na sexta-feira. William Oliveira, por sua vez, desfalcou por conta de uma contusão no joelho direito. Ele terminou não se recuperando a tempo para a partida. Na segunda-feira, fez uma movimentação no campo do CT.

Aos 44 min do 1º tempo – finalização errada de Giovanni Piccolomo do Sport contra o Ituano

Aos 10 min do 2º tempo – finalização errada de William Oliveira do Sport contra o Guarani

Além da dupla, o Sport também trabalha pela volta de Javier Parraguez – que está afastado há mais tempo. O centroavante desfalcou nas últimas duas partidas, por conta de desgaste muscular, e segue no Recife em tratamento para tentar voltar.

O Rubro-negro ainda está com o lateral-esquerdo Sander no departamento médico, mas que só volta em três a quatro semanas – após sofrer uma fratura no nariz.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Após 15 dias fora, Mateus Anderson se diz pronto e celebra retorno ao Santa Cruz

Atacante perdeu as duas primeiras partidas do clube na Série D e volta a figurar como opção para Leston Júnior

Por Camila Sousa — Recife

Depois de pouco mais de 15 dias se recuperando de uma nova lesão na panturrilha, Mateus Anderson voltará a jogar pelo Santa Cruz. No jogo contra a Juazeirense, que acontece nesta quarta-feira, pela Série D, o atacante vai pegar relação – no mínimo, fica no banco de reservas, onde, de fato, deve iniciar o duelo, até pelo tempo parado.

Mateus relembrou o período de molho e garantiu nunca ter passado tanto tempo sem jogar.Logona estreia coral na temporada, diante do Caruaru City, pelo Estadual, o jogador se chocou contra uma placa de publicidade, machucando o joelho.

Ficou de fora por um mês, mas nunca havia se recuperado plenamente. Ele mesmo confessa.

– Primeiro jogo do ano tive uma lesão, consegui voltar e ter uma sequência de bons jogos, mas ainda vinha sentindo um desconforto na panturrilha. Acabei fazendo exame e constatou a lesão, que infelizmente me tirou dos dois primeiros jogos da Série D. Foi um período difícil nessas lesões, fiquei muito triste porque nunca tinha passado tanto tempo parado na minha carreira – disse.

Agora, Mateus se diz pronto fisicamente e 100% para ajudar o Santa Cruz. O duelo com a Juazeirense acontece no Adauto Moraes, onde o time pernambucano vai buscar a primeira vitória no Brasileiro.

– Agora estou me sentido muito bem, feliz em poder voltar a treinar e me sinto 100% pra poder ajudar o Santa Cruz. Temos um confronto difícil contra a Juazeirense, que é uma equipe qualificada, mas vamos em busca da nossa primeira vitória para dar os primeiros passos visando nosso principal objetivo, que é o acesso – completou.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Jean Carlos pode desfalcar Náutico por três meses na Série B por confusão com árbitra; entenda

Caso seja punido em jogos, meia cumprirá apenas no Campeonato Pernambucano de 2023, mas se a suspensão for em dias, meia desfalcará o Timbu no Brasileiro

Por João de Andrade Neto — Recife

globo esporte

A confusão envolvendo o meia Jean Carlos e a árbitra Déborah Cecília na final do Campeonato Pernambucano pode render uma suspensão de pelo menos três meses ao camisa 10 do Náutico na Série B do Campeonato Brasileiro. Esse é o entendimento do advogado especializado em direito esportivo, Luís Eduardo Barbosa, procurado pelo ge para analisar as possíveis punições que poderão ser impostas ao jogador por conta do episódio.

A súmula da final contra o Retrô deve ser encaminhada ainda nesta segunda-feira ao Tribunal de Justiça Desportiva de Pernambuco. A partir desse momento, será sorteado um procurador responsável por fazer a denúncia contra o meia alvirrubro, também por conta da expulsão na decisão do Estadual. Não há data para um possível julgamento.

No documento, Deborah Cecília informa que Jean Carlos recebeu o cartão vermelho por “desferir uma cotovelada fora da disputa de bola no rosto do seu adversário” e em seguida partiu em sua direção “na tentativa de me agredir, sendo contido pelo árbitro assistente Clóvis Amaral e por seus companheiros de equipe”.

Segundo Luís Eduardo Barbosa, pela expulsão em si, Jean Carlos deve ser denunciado no artigo 254-A, que fala em “praticar agressão física durante a partida, prova ou equivalente”, cuja pena é de suspensão de quatro a doze partidas, que nesse caso seriam cumpridas apenas em outro campeonato organizado pela Federação Pernambucana de Futebol, pelo fato do jogo ser válido pelo Estadual.

Já caso seja denunciado pela “tentativa de agressão”, a situação pode ser diferente. E de acordo com o Luís Eduardo Barbosa, há a possibilidade de uma punição mais branda ou mais pesada.

O primeiro cenário pode acontecer caso o procurador entenda que não houve uma tentativa de agressão e ai Jean Carlos seria enquadrado no artigo 258, que fala em “assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código”, com pena de uma a seis partidas, que também só seria cumprida no Pernambucano de 2023.

Já caso o procurador leve em consideração o que foi relatado na súmula, no caso a tentativa de agressão, Jean Carlos volta a ser denunciado no artigo 254-A, mas com o agravante do ato ter sido praticado “contra árbitros, assistentes ou demais membros de equipe de arbitragem”, cuja pena passa a ser de suspensão por cento e oitenta dias, no mínimo.

Porém, por se tratar de uma “tentativa”, essa punição é diminuída pela metade. Nesse caso, uma suspensão de 90 dias, que passa a valer imediatamente e se aplica em todas as competições.

No entendimento de Luís Eduardo Barbosa, a tendência é que o procurador faça essa denúncia.Cabe a interpretação dos dois lados. Ele saiu de forma acintosa para desrespeitá-la, mas em nenhum momento tomou uma posição de dar um soco. Mas se vê que ele está muito alterado. E uma coisa complicada é que a árbitra colocou na súmula como tentativa de agressão e raramente um procurador denuncia de forma diferente. É quase certeza dele ser denunciado no artigo 254-A. Mas isso não quer dizer que ele vai ser punido— Luís Eduardo Barbosa, advogado

Em entrevista para a Rede Globo, Jean Carlos admitiu o receio com um possível julgamento, mas voltou a negar a tentativa de agressão à Deborah Cecília.

– Claro que pela proporção eu tenho receio, mas espero que eles vejam e analisem as imagens e não o que as pessoas estão falando. As imagens estão ali. Não falei nada demais, não a xinguei e não fiz nenhum gesto que poderia agredi-la. Vou ser punido pelo o que? A atitude da reclamação? Ok. A expulsão? Ok, eu assumo o risco ali. Mas em nenhum momento houve sequer agressão verbal ou tentativa de agredir fisicamente – afirmou.

O que diz o Código Brasileiro de Justiça Desportiva:

Pela expulsão:

Art. 254-A. Praticar agressão física durante a partida, prova ou equivalente. (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009).

PENA: suspensão de quatro a doze partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de trinta a cento e oitenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código. (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009).

§ 1º Constituem exemplos da infração prevista neste artigo, sem prejuízo de outros:

I – desferir dolosamente soco, cotovelada, cabeçada ou golpes similares em outrem, de forma contundente ou assumindo o risco de causar dano ou lesão ao atingido; (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009)

Pela denúncia de tentativa de agressão

Caso o procurador entenda que houve uma tentativa de agressão

Art. 254-A. Praticar agressão física durante a partida, prova ou equivalente. (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009).

§ 3º Se a ação for praticada contra árbitros, assistentes ou demais membros de equipe de arbitragem, a pena mínima será de suspensão por cento e oitenta dias. (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009).

Art. 157. Diz-se a infração:

§ 1º Salvo disposição em contrário, pune-se a tentativa com a pena correspondente à infração consumada, reduzida da metade.

Caso o procurador entenda que não houve uma tentativa de agressão

Art. 258. Assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código. (Redação dada pela Resolução CNE nº 29 de 2009).

PENA: suspensão de uma a seis partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de quinze a cento e oitenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código. (NR).

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Parceria com IFPE, novas receitas em caso de acesso… Santa Cruz apresenta relatório administrativo

CEO Abdias Venceslau pontuou as ações feitas pela diretoria executiva desde que assumiu o cargo de diretor do clube, no meio do ano passado

Por Camila Sousa — Recife

globo esporte

A reunião do Conselho Deliberativo do Santa Cruz da última semana, pautada para deliberar sobre o orçamento do clube, também teve outro fim: a apresentação de um extenso relatório administrativo. Nele, o CEO Abdias Venceslau traçou uma diagnóstico das ações organizadas pela diretoria executiva ao longo do último ano, desde a posse do ex-presidente Joaquim Bezerra.

Algumas delas foram listadas pelo ge. Veja abaixo:

Criação de setor de cotação e compras

Controle de tudo que se compra no Santa Cruz, a quem compra e por quanto compra. Todas as demandas efetivas do clube cotadas e passadas pelo financeiro, com posterior aprovação do executivo, possibilitando um maior controle do recurso que passa diariamente pelo Santa Cruz.

Parceria com o IFPE

Formalização de uma parceria com o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) para uso do equipamento do instituto – contrato deve ser assinado no mês de maio, dando “legalidade” à utilização. As categorias de base e a equipe de esportes amadores do clube terão todos os equipamentos à disposição para treino no IFPE – antes se treinava em locais variados.

Captação de receitas

Desde o início da gestão de Abdias como CEO, em meados de maio do ano passado, até o início deste ano, a diretoria executiva do Santa Cruz conseguiu arrecadar R$ 1.831.000 em patrocínios – tais como Energiclin, Weebet e MCor – com possibilidade de mais R$ 250 mil em caso de acesso para a Série C ao fim da temporada 2022.

Fomento de esportes amadores

Outro ponto também apresentado por Abdias Venceslau, além do fomento aos esportes amadores já praticados no clube, foi a criação de uma diretoria voltada para o setor. O Santa Cruz firmou parceria com a paratleta Abinaecia Maria da Silva, de Parabadminton, e garantiu o retorno do futebol feminino, mantido através de ajuda de patrocinadores.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Náutico chega a quinto bicampeonato estadual, e em dois deles sequência se tornou maior

Nos anos de 1950 e 1960, time se sagrou tri e hexacampeão pernambucano; último bi havia sido em 2002 até vitória sobre o Retrô, sábado, na Arena de Pernambuco

Por Redação ge — Recife

globo esporte

Um título para marcar uma geração inteira de torcedores. Com a vitória sobre o Retrô no tempo normal e nos pênaltis, sábado, na Arena de Pernambuco, o Náutico voltou a ser bicampeão pernambucano após vinte anos. Conquista de uma simbologia histórica também pelo fato dessa ser apenas a quinta vez que o Timbu conseguiu emendar uma sequência de títulos estaduais. Sendo que em duas delas, a série se tornou ainda maior.

Foi o caso do primeiro bicampeonato alvirrubro, obtido em 1950 e 1951, e que se transformaria em tri em 1952. Tempo da dupla de zaga formada por Caiçara e Lula, para muitos, até hoje, a melhor da história do Náutico. O título de 1950 foi conquistado em cima do América, enquanto o de 1951 em uma melhor de três contra o Sport. O tri, no ano seguinte, foi obtido de forma invicta.

Diario de Pernambuco noticia o primeiro bicampeonato do Náutico, em 1951 — Foto: Reprodução

Diario de Pernambuco noticia o primeiro bicampeonato do Náutico, em 1951 — Foto: Reprodução

Na década seguinte, mais um bicampeonato para os alvirrubros. Que, novamente, era apenas o início de uma sequência ainda maior. No caso, o lendário hexacampeonato, que começou com as conquistas de 1963 e 1964.

Página do Diario de Pernambuco sobre o bicampeonato do Náutico em 1964 — Foto: Reprodução

Página do Diario de Pernambuco sobre o bicampeonato do Náutico em 1964 — Foto: Reprodução

No primeiro ano, o título veio após duas vitórias sobre o Sport nos dois primeiros jogos da chamada “melhor de três”. Já no ano seguinte, a taça veio de forma mais tranquila, com o Náutico mais uma vez terminando a competição de forma invicta.

Era apenas o início da década de ouro do clube, de ídolos imortais como Lula Monstrinho, Ivan Brondi, Salomão, Nado, Bita, Nino e que culminaria com o sexto título seguido, em 1968.

Globo Esporte resgata imagens raras do Hexa do Náutico

Foi preciso esperar mais vinte anos até um novo bicampeonato timbu. Com a base da equipe que havia terminado o Campeonato Brasileiro (disputado no primeiro semestre) em sexto lugar, sua melhor colocação na história, o Náutico confirmou o favoritismo no Estadual de 1984 ao vencer o Santa Cruz, no Arruda. O primeiro título alvirrubro obtido no Arruda.

No ano seguinte, por conta do confuso regulamento, o Náutico chegou a disputar uma espécie de “segunda divisão” dentro do próprio estadual, mas chegou à final novamente contra o Santa Cruz, com a história se repetindo. Dessa vez, porém, não houve um tri.

Náutico vence Sport na final do terceiro turno de 1985

O último bicampeonato veio no início do novo milênio. Após voltar a ser campeão em 2001, ano do seu centenário e que pôs fim a um jejum de 11 anos sem conquistas, o Náutico repetiu a dose no ano seguinte, curiosamente no mesmo dia em que o Brasil se sagrava pentacampeão mundial na Copa da Coreia e do Japão. As duas finais foram contra o Santa, no Arruda, e em ambas, os alvirrubros tiveram como técnico Muricy Ramalho e Kuki no comando do ataque. Mais dois ídolos eternos do clube.

00:00/04:15

Em 2002, Náutico ganhou Pernambucano no mesmo dia em que Brasil foi pentacampeão; Relembre

Mesmo com derrota por 2 a 1 para Santa Cruz, Náutico é bicampeão pernambucano em 2002

Os bicampeonatos do Náutico

  • 1950 e 1951 (virou tri em 1952)
  • 1963 e 1964 (virou hexa em 1968)
  • 1984 e 1985
  • 2001 e 2002
  • 2021 e 2022

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Técnico do Sport “vira chave” para duelo com o Tombense: “Temos que retomar o caminho da vitória”

Gilmar Dal Pozzo começa nesta segunda-feira a preparar o Leão para o próximo compromisso na Série B, confiante no retorno do time ao G-4

Por Redação do ge — Recife

globo esporte

O técnico Gilmar Dal Pozzo não poupou críticas ao desempenho do Sport na derrota contra o CSA, no último sábado, por 1 a 0. Reclamou até da própria atuação – cogitou a possibilidade de a escalação inicial do time “não ter sido a melhor”. Deu, contudo, 24 horas para ele e o elenco lamentarem o resultado adverso.

Quer o time, a partir desta segunda-feira, com a “chave virada” para o jogo contra o Tombense – sexta-feira, na Ilha do Retiro. Focado no desafio de voltar ao G-4 da Série B.

– Nós já temos que retomar o caminho da vitória. Nós temos um jogo importante na sexta-feira contra o Tombense, e é dessa forma. O campeonato é longo e a gente tem que saber administrar esse tipo de situação. A gente venceu um jogo duro contra o Ituano, eu pedi para eles comemorarem no dia. No dia seguinte é trabalho. E agora também a gente não tem muito tempo para lamentar – declarou.

Após o jogo contra o CSA, Dal Pozzo evitou lamentar a derrota por conta da circunstância de o Sport ter sofrido o gol no fim. Atribuiu o resultado à superioridade da equipe alagoana, à falta de competitividade rubro-negra.00:00/00:00

Aos 42 min do 2º tempo – gol de dentro da área de Lourenço do CSA contra o Sport

– Foi a pior atuação no meu comando. O CSA foi bem melhor no jogo, os números mostram isso. Jogou mais do que nós, competiu mais do que o Sport e por isso que venceu. A gente ficou muito abaixo na questão de competitividade – avaliou, incluindo a própria atuação nas críticas.O grupo todo perdeu, inclusive o técnico também. Talvez a estratégia não tenha sido melhor, a escalação não tenha sido a melhor, e a produção dentro de campo não foi boa.— Gilmar Dal Pozzo, técnico do Sport

Mesmo questionado sobre atuações individuais na partida, o treinador fez questão de destacar que ninguém foi bem na partida. O único poupado foi o goleiro Mailson, que, curiosamente, falhou no gol marcado pelo CSA.00:00/00:00

Maílson: “Quando o goleiro sai com muitas defesas, temos que melhorara”

– Foi o melhor jogo dele (Mailson). E aí, quando o goleiro é o melhor em campo já responde a todo qualquer tipo de situação, (mostra) que o adversário foi muito superior, foi melhor. Então admito isso, o grupo de jogadores no vestiário também estava muito abalado, lógico pelo resultado, mas principalmente pelo desempenho – afirmou.Nós não merecíamos, talvez, nem o empate por aquilo que a gente produziu.— Gilmar Dal Pozzo, técnico do Sport, ao analisar a derrota para o CSA

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Luciano Juba, do Sport, vence enquete do gol mais bonito da terceira rodada da Série B do Brasileiro

Atacante supera Rafael Elias, do Ituano, e Rafael Vila, do Sampaio Corrêa na votação popular

Por Redação do ge — Campinas, SP

globo esporte

Aos 7 min do 2º tempo – gol de fora da área de Luciano Juba do Sport contra o Criciúma

O atacante Luciano Juba, do Sport, venceu a enquete do gol mais bonito da terceira rodada da Série B, com 62% dos votos.

Juba marcou o gol do empate em 1 a 1 com o Criciúma, no Heriberto Hulse, aos oito minutos do primeiro tempo (assista ao vídeo acima).

Enquete do gol mais bonito da terceira rodada da Série B  — Foto: ge

Enquete do gol mais bonito da terceira rodada da Série B — Foto: ge

Na votação popular, o atacante superou Rafael Elias, do Ituano, e Rafael Vila, do Sampaio Corrêa.

Após cada rodada, o ge vai trazer a enquete do gol mais bonito. Ao fim das 38 rodadas da Série B, será eleito o gol mais bonito da competição.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Werdum manda recado para Dal Pozzo após voadora em gol do Sport: “Quero aprender contigo”

Campeão do peso-pesado no UFC tem voadora famosa em luta de 2016, e deixa recado para treinador do Leão, que atacou bandeirinha de escanteio: “Chamou na experiência”

Por Redação do ge — Recife

globo esporte

Fabrício Werdum manda recado para Dal Pozzo, técnico do Sport, após voadora

Gilmar Dal Pozzo virou assunto nas redes sociais, na última terça-feira, após comemorar a vitória do Sport com uma voadora na bandeirinha de escanteio. O técnico roubou a cena com a celebração inusitada e terminou recebendo um recado do especialista no golpe: Fabrício Werdum, lutador de artes marciais e ex-campeão do peso-pesado do UFC.

“Que é isso, Dal Pozzo? Aí chamou na experiência, hein?! Encolheu a perna de baixo, chamou na voadora… Leveza no movimento. Está com curso, hein?! Quero aprender contigo, de treinador para lutador.”

Lutador Werdum manda recado para Dal Pozzo após voadora do técnico na bandeira de escanteio — Foto: Reprodução

Lutador Werdum manda recado para Dal Pozzo após voadora do técnico na bandeira de escanteio — Foto: Reprodução

Voadora de Gilmar Dal Pozzo, do Sport, marca abertura do Globo Esporte

Técnico do Sport, Dal Pozzo, se empolga em gol e dá voadora na bandeira de escanteio

Werdum especializou-se no jiu-jítsu, mas tornou-se um fã das “voadoras”. A mais famosa aconteceu em setembro de 2016, durante o UFC 203, quando o brasileiro partiu para cima e acertou o queixo do americano Travis Browne.

Técnico do Sport, Gilmar Dal Pozzo, dá voadora em bandeirinha de escanteio — Foto: Reprodução

Técnico do Sport, Gilmar Dal Pozzo, dá voadora em bandeirinha de escanteio — Foto: Reprodução

Fabricio Werdum voadora — Foto: Reprodução

Fabricio Werdum voadora — Foto: Reprodução

Antes disso, no entanto, Werdum havia repetido o golpe em outras ocasiões. Uma delas aconteceu no primeiro encontro com Alistair Overeem, no Pride de 2006. Outra ganhou os ringues três anos antes, no Jungle Fight de 2003, contra Gabriel Gonzaga, conhecido como “Napão”.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Santa Cruz consegue efeito suspensivo, e Elyeser está liberado para enfrentar Juazeirense

Volante foi punido com quatro jogos no STJD após expulsão por agressão, mas Tricolor recorreu da decisão e atleta poderá atuar até novo julgamento

Por Redação do ge — Recife

globo esporte

O Santa Cruz conseguiu efeito suspensivo e o volante Elyeser está apto a enfrentar o Juazeirense, na próxima quarta-feira, pela terceira rodada da Série D. O jogador havia sido punido com suspensão por quatro jogos no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) após agressão a jogador do Lagarto, na estreia coral pelo Brasileiro.

Agora, o atleta está liberado para defender o Tricolor até o recurso do clube ser julgado – já que cumpriu a automática na partida contra o ASA, no Arruda. Ainda não há data marcada para que isso aconteça. O relator do processo na tarde desta quarta-feira foi o auditor Maurício Neves Fonseca.

O volante recebeu cartão vermelho direto aos 29 minutos do segundo tempo da partida contra o Lagarto, quando, fora do lance de disputa de bola, desferiu um soco no rosto de Davi Ceará. Nas redes sociais, Elyeser pediu desculpas pelo ato. Disse que a atitude fugiu dos seus princípios, mas citou que Dudu havia sido desleal com ele.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Um dos artilheiros do Náutico no ano, meia Juninho Carpina vive ostracismo: “Perdeu espaço”

Roberto Fernandes revela que, pelas informações colhidas na comissão técnica do clube, prata da casa perdeu espaço no elenco; mas técnico afirma acreditar em recuperação

Por Redação ge — Recife

globo esporte

Um dos artilheiros do time na temporada, com cinco gols, o prata da casa Juninho Carpina vive um momento de ostracismo no Náutico. O jogador, de 22 anos, ficou de fora, por opção técnica, das últimas cinco partidas da equipe – em algumas delas sem ser relacionado.

Questionado sobre o assunto, o treinador Roberto Fernandes foi direto. Com pouco mais de uma semana no clube, disse que as informações internas são de que o prata da casa precisa recuperar espaço. Na partida desta terça-feira, diante do CRB, em Maceió, o meia deve figurar como opção no banco de reservas.

– Treinou-se muito pouco desde a minha chegada aqui (no último dia 18) e vai se treinar muito pouco com relação aos jogos. Então, o que a gente tem feito nesse primeiro momento é escutar muito. A participação dos profissionais da casa que compõem a comissão técnica tem sido principalmente para os atletas que já estavam no clube há mais tempo. E, neste momento, o Carpina, que é um menino de muita qualidade, tem que recuperar espaço – pontou Roberto Fernandes.

O treinador fez questão de deixar claro que espera uma recuperação do prata da casa. No profissional do Náutico desde 2020, essa é a temporada em que Juninho Carpina foi mais aproveitado. São 17 partidas, sendo oito delas como titular.

Gol do Náutico! Juninho Carpina cobra falta no ângulo do goleiro aos 12′ do 1º tempo

Além dos cinco gols marcados (quatro no Campeonato Pernambucano e um na Copa do Nordeste), o meia também conta com uma assistência (na derrota para o Retrô na primeira fase do Estadual).

– Ele perdeu espaço assim outros jogadores já passaram por isso e se recuperaram. E outros acabam não se recuperando. Pela qualidade dele, por ser um jovem e prata da casa, a gente torce para que ele recupere esse espaço. Porque o que a gente quer é um Náutico forte – concluiu Roberto Fernandes.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.