Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Clubes das Séries A e B formam bloco, convocam nova reunião e pretendem conversar com Libra

Carta-proposta declara ausência de representantes na reunião do dia 12 de maio, na sede da CBF. Atlético-MG, Bahia, Botafogo, Grêmio, Internacional e Vasco não assinaram documento

Por Camila Alves

globo esporte

Os 23 clubes das Séries A e B que não assinaram a Liga do Futebol Brasileiro, a Libra, divulgaram uma nova carta proposta nesta segunda-feira. Agora, declaram-se como bloco e afirmam que não estarão presentes na reunião convocada para o dia 12 de maio, na sede da CBF.

As equipes agendaram outro encontro, para o dia 16 do mesmo mês, e posteriormente pretendem convidar os oito assinantes da Libra para conversar – a ideia é que isso aconteça quando houver uma proposta detalhada por escrito.

As assinaturas contam com 11 clubes que estão disputando a Série A do Brasileiro, além de outros 12 da Série B. Um fato curioso é que a ideia de convocar a reunião para o dia 12 na CBF partiu de um dos clubes que estavam alinhados com o Forte Futebol, o Internacional, mas que agora não incluiu seu nome entre os signatários do bloco.

Ao mesmo tempo, contudo, há clubes fortes das Séries A e B que não assinaram o documento em questão. É o caso de Atlético-MG, Botafogo, Bahia, Internacional, Grêmio e Vasco. Alguns deles, inclusive, haviam se pronunciado na semana passada com motivos para não aderirem à Libra.

Prêmio Brasileirão 2021 na sede da CBF — Foto: Divulgação / CBF

Prêmio Brasileirão 2021 na sede da CBF — Foto: Divulgação / CBF

A escolha da nova data aconteceu por uma questão de logística com os clubes envolvidos, além de tempo hábil para avaliação dos documentos. É o que explica o presidente do Sport, Yuri Romão, responsável pela articulação dos clubes na Série B.

– Não é retaliação. Esse bloco está formado e vamos fazer a assinatura formal dessa carta na segunda-feira. É possível que tenhamos outras pautas até lá, e convidamos também para que os oito clubes participem. Para se ter um futebol organizado, precisa ter equilíbrio de receitas – afirma.

Em meio às referências da Série B, o Grêmio não assinou a contraproposta e também não assinou com a Libra. Procurado nesta segunda-feira, o presidente Romildo Bolzan explica que o clube ainda analisa o cenário e não definiu se participará das reuniões (para a Libra ou para o novo bloco).

– Não está maduro para nós ainda. O Grêmio não está participando ativamente dessa discussão. Conheço o documento, mas não temos decisão sobre avançar ou não. São muitas questões envolvidas – explica.

Em relação à carta divulgada, o intuito das equipes envolvidas é abrir debate para tentar chegar a um consenso com os oito clubes que assinaram a criação da Libra. Foram eles: Corinthians, Red Bull Bragantino, Flamengo, Palmeiras, Santos, São Paulo, Ponte Preta e Cruzeiro.

Os pontos apresentados para discussão nesta contraproposta, por sua vez, são os mesmos anteriormente divulgados:

  1. Divisão de receita de 50% igualitário, 25% por performance e 25% comercial, com parâmetros objetivos e mensuráveis;
  2. Diferença de receita menor entre os clubes que recebem mais e os que recebem menos. O alvo limite será de 1.6 – em referência à Premier League -, mas começaria com o teto de 3.5 neste primeiro ano.
  3. Compromisso de que a Série B receba 20% dos recursos de venda de direitos de transmissão.

Internamente, há um entendimento de que – caso não se chegue a um consenso com os clubes da Libra – esse novo bloco deve se unir para negociar questões relativas às receitas. Algo citado no pronunciamento desta segunda-feira, inclusive.

CARTA-PROPOSTA PARA FORMAÇÃO DA LIGA DE CLUBES BRASILEIROS

Diante dos últimos acontecimentos, os Clubes signatários reafirmam o interesse na formalização da Liga de futebol profissional, com o intuito de elevar o nível de qualidade do futebol brasileiro, construindo um campeonato forte, revitalizado e, notadamente, com um padrão de equanimidade nas condições de disputa.

É preciso, porém, pontuar que não haverá Liga sem a união dos 40 (quarenta) clubes participantes das atuais Séries A e B.

Algumas premissas devem ser observadas, tendo como referência que: (i) a Premier League divide igualmente 68% da receita, somando todos os direitos domésticos, internacionais e de marketing; (ii) as Ligas Alemã, Espanhola, Francesa e Italiana distribuem 50% da receita de forma igualitária; e (iii) a diferença de receita entre o primeiro e último clubes respeitam os seguintes limites: Inglaterra (1.6x), Itália (2.1x), Alemanha (3.2x) e Espanha (3.5x).

Para a formalização da Liga de Clubes de futebol brasileiro, os Signatários acreditam no modelo abaixo apresentado:

(i)Divisão de receita de 50% igualitário, 25% performance e 25% comercial, com parâmetros objetivos e mensuráveis;

(ii)Diferença de receita entre maior e menor clube tendo como alvo o limite de 1.6 ao longo do tempo (referência Premier League), com o teto de 3.5 a partir do primeiro ano;

(iii)Compromisso de que a Série B receba 20% dos recursos de venda de direitos de transmissão.

Os Signatários envidarão todos os esforços possíveis para reunir os 40 (quarenta) clubes e formatar a Liga, sempre na base do diálogo e da razoabilidade, firmando também o compromisso de que, caso não haja a efetiva formalização, irão avaliar, em conjunto, a negociação dos direitos de transmissão e demais propriedades inerentes ao futebol e suas respectivas competições para os anos posteriores a 2024.

Os Clubes informam, ainda, que no dia 16 de maio de 2022 se reunirão presencialmente no Rio de Janeiro para formalizar o compromisso em busca de uma composição equilibrada, e que, por tal razão, não se farão presentes na reunião previamente agendada na CBF, no dia 12 de maio de 2022.

O encontro com os 8 (oito) clubes, no que depender da vontade dos Signatários, acontecerá futuramente para que seja apresentada e debatida a proposta descrita nesta carta, na tentativa de alcançar o consenso.

  1. América Futebol Clube
  2. Associação Chapecoense de Futebol
  3. Atlético Clube Goianiense
  4. Avaí Futebol Clube
  5. Brusque Futebol Clube
  6. Ceará Sporting Club
  7. Centro Sportivo Alagoano – CSA
  8. Club Athletico Paranaense
  9. Clube de Regatas Brasil – CRB
  10. Clube Náutico Capibaribe
  11. Coritiba Foot Ball Club
  12. Criciúma Esporte Clube
  13. Cuiabá Esporte Clube
  14. Esporte Clube Juventude
  15. Fluminense Football Club
  16. Fortaleza Esporte Clube
  17. Goiás Esporte Clube
  18. Londrina Esporte Clube
  19. Operário Ferroviário Esporte Clube
  20. Sampaio Corrêa Futebol Clube
  21. Sport Club do Recife
  22. Tombense Futebol Clube
  23. Vila Nova Futebol Clube

Confira os clubes que ainda não assinaram com nenhum dos lados:

Bahia
Vasco
Grêmio
Guarani
Ituano
Novorizontino
Botafogo
Grêmio
Internacional

Confira os oito integrantes da Libra:

Bragantino
Corinthians
Cruzeiro
Flamengo
Palmeiras
Ponte Preta
Santos
São Paulo

*Errata: a reportagem informou equivocadamente às 17h03 que os clubes da Libra seriam convidados para o encontro no dia 16. Porém, a informação foi corrigida às 17h19, já que os integrantes da Libra serão convidados para uma conversa posterior, ainda sem data definida.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Dal Pozzo alivia pressão no Sport após vitória na Série B e diz: “Quero me dar o direito de comemorar”

Técnico recebe críticas da torcida sobre desempenho do time e melhora momento após vencer Tombense, por 2 a 0, na última sexta-feira

Por Camila Alves — Recife

globo esporte

Gilmar Dal Pozzo subiu ao gramado da Ilha do Retiro, na última sexta-feira, sob vaias da torcida – mesmo antes da partida começar. Afinal, vinha sendo pressionado no cargo por uma melhora de desempenho do Sport. Após a vitória sobre o Tombense, por 2 a 0, ouviu-se uma mistura de aplausos e novas críticas nas arquibancadas. Mas o cenário alivia a pressão sobre o técnico no Rubro-negro.

– Quero me dar o direito de comemorar essa vitória. A torcida do Sport é de mais de quatro milhões. Está comemorando essa vitória e voltando ao G-4. É dessa forma que trabalho. E os que me criticam, eu tenho que trabalhar para agradar esses também – explica.

O Rubro-negro havia iniciado a Série B do Brasileiro com uma sequência invicta de quatro partidas e quebrou o momento após a derrota para o CSA, na semana passada. Ali, o técnico reconheceu o desempenho do time como o pior desde a chegada na Ilha do Retiro.

Dessa vez, o Sport dominou as ações ofensivas – com 20 finalizações contra 10 do Tombense – e conseguiu a vitória com gols de Javier Parraguez e Luciano Juba. Com o resultado, chegou a 11 pontos e assumiu a vice-liderança provisória do campeonato.

– Criamos uma identidade dentro e fora de campo. Estamos trabalhando muito duro. Os atletas têm esse entendimento – celebra Dal Pozzo.

Os gols de Sport 2 x 0 Tombense, pela 6ª rodada do Brasileirão Série B 2022

Em meio às cobranças, chamou a atenção no campo o momento da comemoração após o primeiro gol. Quando Parraguez balançou as redes, o volante William Oliveira e o atacante Jáderson correram para abraçar o treinador.

– Não teve nada de anormal na comemoração. Um dia vou dar um caratê na bandeira, outro dia William vem me abraçar, no outro vou dar um mortal. É normal.

O caratê: Técnico do Sport, Dal Pozzo, se empolga em gol e dá voadora na bandeira de escanteio

Na sequência, no entanto, o treinador complementou a resposta. Disse talvez houvesse uma explicação, no fato de que o Sport conseguiu marcar através de um fundamento que vinha sendo trabalhado com frequência – segundo o comandante.

– Eu trabalho muito bola parada, muito. E a gente fez um gol de bola parada. Tivemos um aproveitamento muito bom dessa bola parada no treino, talvez por isso a atitude do William.

O Sport entra em campo novamente em uma semana, às 21h30 da próxima sexta-feira, diante da Chapecoense.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Náutico encerra maratona de jogos, e Roberto comemora semana cheia para trabalhar

Após o revés para o Vila Nova, na sexta-feira, Timbu terá seis dias até o jogo contra a Raposa, nos Aflitos, pela sétima rodada da Série B; Alvirrubro jogou seis vezes em 15 dias

Por Redação do ge — Recife

globo esporte

Depois de entrar em campo seis vezes em 15 dias – média de uma partida a cada três dias -, o elenco do Náutico tem, enfim, a possibilidade de “descansar” por uma semana. Mais precisamente, seis dias, até o jogo contra o Cruzeiro, nos Aflitos, pela sétima rodada da Série B, no dia 15.

Tempo destacado pelo técnico Roberto Fernandes como importantíssimo para “encaixar melhor” o seu jogo. A mencionar, para além disso, a possibilidade de recuperar clinicamente jogadores como Rhaldney, Eduardo Teixeira, Carlão e Kieza, que sequer viajaram com a delegação para o duelo contra o Vila Nova.

– O Náutico vem numa sequencia muito grande de jogos, jogamos uma decisão no final de semana, terça já teve Guarani, depois viagem para Goiânia. Esses sete dias que vamos ter até o jogo contra o Cruzeiro vão ser importantes para recuperar e, claro, para poder treinar. Porque não adianta recuperar sem treinar e não adianta treinar sem recuperar. Agora a gente tem um tempo para encaixar melhor o jogo – destacou.

Vila Nova x Náutico – Melhores Momentos

Após a derrota por 2 a 0 para o Vila Nova, o elenco alvirrubro retornou de Goiânia na última sexta-feira e só retorna aos treinos nesta segunda pela manhã. Com o revés para o Tigre, o Náutico caiu na tabela da Série B.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Everton Felipe volta a jogar dois meses após cirurgia e agrada técnico do Sport: “Surpreendeu”

Meia-atacante estava sem atuar desde março, após sofrer uma lesão no joelho esquerdo, e voltou como titular, na vitória sobre o Tombense, na última sexta-feira

Por Camila Alves — Recife

globo esporte

Aos 8 min do 2º tempo – finalização errada de Everton Felipe do Sport contra o Tombense

Everton Felipe estava há dois meses sem atuar – após sofrer uma lesão no joelho esquerdo e precisar passar por cirurgia. Ele reapareceu na relação do Sport durante o fim de abril, mas só na última sexta-feira conseguiu voltar a jogar. Foi titular na vitória sobre o Tombense, por 2 a 0, e agradou o técnico Gilmar Dal Pozzo.

– Me surpreendeu positivamente. Não pela qualidade, mas pelo tempo parado.

O meia-atacante havia virado desfalque no início de março, ainda na Copa do Brasil, e perdeu a reta final do Pernambucano e Copa do Nordeste.

Na retomada, a ideia da comissão técnica era de que Everton permanecesse em campo apenas durante o primeiro tempo – substituindo Giovanni, que também ainda não está 100% fisicamente. Apesar disso, o prata da casa terminou ficando até os 20 minutos do segundo tempo. Foi acionado em uma função diferente, inclusive, e agradou o comandante.

– Ele teve uma participação técnica e tática muito boa, com movimentações. A gente trabalhou muito ele por dentro. Sabemos que ele trabalha pelo lado esquerdo e direito, mas na ausência desse homem de ligação, a gente insistiu e trabalhou bastante para ele fazer essa função – explica Dal Pozzo.

O trabalho existiu, segundo o treinador, porque Everton tem características de sair bastante da área. E caso isso acontecesse, o centroavante em questão ficaria isolado.

Everton fez 45 passes durante o tempo em que permaneceu em campo, com 73% de precisão. Arriscou uma finalização, sofreu duas faltas e ainda fez dois desarmes – auxiliando na marcação. Agora, ele tem chances de ganhar continuidade na equipe.

– Ele cumpriu muito bem a questão tática, técnica tem apurada e fisicamente ele sustentou até os 20 do segundo tempo. Estou muito satisfeito com ele.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Thássio é defendido por Roberto Fernandes no Náutico: “Tem que ter paciência”

Prata da casa de 21 anos foi muito cobrado pela torcida durante empate contra Guarani; técnico lembrou desempenho melhor do lateral-direito em partida anterior, contra o CRB

Por Redação do ge — Recife

globo esporte

O Náutico teve um mau primeiro tempo no empate por 1 a 1 com o Gurani, terça, pela Série B. E um dos jogadores mais cobrados pela torcida foi o lateral-direito Thássio. O prata da casa de 21 anos acabou substituído no intervalo e defendido pelo técnico Roberto Fernandes após o jogo.

“Tem que ter paciência. Estou cansado de ver no futebol casos como o dele, que pela impaciência, acaba perdendo espaço, começa a rodar e daqui a dois anos ele vem contra o Náutico aqui dentro defendendo uma Ponte, Guarani, Chapecoense e arrebenta no jogo. E vão dizer sabe o quê? Também, não teve chance aqui… E não é assim”, disse Roberto Fernandes.

– A coisa tem que ser bem avaliada. Ele tem potencial. Fez um jogo bem equilibrado contra o CRB e (contra o Guarani) abaixo daquilo que pode render. Então é ter paciência e ir trabalhando por evolução, não podemos cortar a cabeça do cara – acrescentou o técnico.

Na partida contra o Bugre, o Náutico não teve o lateral-direito Hereda, poupado com desgaste muscular. Outro lateral-direito do elenco, Victor Ferraz, substituiu Thássio no segundo tempo e melhorou o setor. Mas sua condição física o impede – pelo menos agora – de ser teitular.

– Victor é de importância e qualidade indiscutíveis, mas pela condição, tem que ir ganhando minutagem até estar em uma situação segura. Não posso começar com um jogador já sabendo que é uma substituição certa – disse Roberto.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Técnico do Santa Cruz assume responsabilidade por derrota e elogia “agressividade” do time

Pressionado, técnico tem aval da diretoria de futebol para seguir no comando tricolor para o jogo deste domingo, contra o Atlético de Alagoinhas, no Arruda

Por Camila Sousa — Recife

globo esporte

O técnico Leston Júnior assumiu a responsabilidade pela derrota do Santa Cruz por 1 a 0 para a Juazeirense, na última quarta-feira, no Adauto Moraes. O resultado deixa a equipe pernambucana na dividindo a última colocação do Grupo 4 com o Atlético de Alagoinhas-BA, próximo adversário coral – estão empatadas em todos os critérios.

Admite a responsabilidade, mas com ressalvas. Leston voltou a destacar virtudes da equipe. Mencionou que o time foi agressivo em campo, criando oportunidades. Disse, ainda, que o “futebol não é um meio justo”, onde quem “joga melhor vence”. Defendeu, nesse caso, que o Santa Cruz apresentou o seu melhor desempenho na Série D até o momento.

– O que falar? É dizer que a responsabilidade é minha na condição de comandante. Quando o resultado não acontece, eu preciso trazer para mim. Analisar jogo de futebol é sempre muito difícil porque o futebol não é um meio justo, um segmento justo onde quem joga melhor, vence. Talvez, dos três jogos, o jogo que a equipe foi mais agressiva foi esse – argumentou.

Melhores momentos de Juazeirense 1 x 0 Santa Cruz, pela Série D

Na avaliação da partida, o técnico do Santa Cruz lembrou chances que o time produziu e desperdiçou – como na finalização para fora de Rafael Furtado, cara a cara com Rodrigo Calaça, ainda no primeiro tempo. Acrescentou ainda que a Juazeirense fez um gol em um “lance isolado”, afastando o cenário de “terra arrasa”.

– Tivemos chances clara. No segundo tempo, Klever não pegou na bola. Fizemos um jogo com volume forte. (…) Nós tomamos um gol num lance isolado, e o menino teve a felicidade da finalização. Para o torcedor entender isso é impossível, afinal de contas temos que entregar mais para eles. Mas não vamos entender que em função disso é terra arrasada – concluiu.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport reencontra Tombense em má fase e três anos após vexame na estreia da Copa do Brasil

Rubro-negro enfrenta equipe mineira na Ilha do Retiro, às 21h30 da sexta-feira; será segundo confronto entre as equipes após a derrota do Leão por 3 a 0, em 2019

Por Redação do ge — Recife

globo esporte

Magrão, Adryelson e Hernane Brocador estavam em campo na última vez que Sport e Tombense se enfrentaram. Era a primeira fase da Copa do Brasil de 2019, e o Leão terminou sendo eliminado em uma derrota marcada como vexame do clube na estreia da competição. Nesta sexta-feira, três anos depois do episódio, os times se reencontram. Agora, na Ilha do Retiro.

Trata-se de uma partida inédita na Série B do Brasileiro. Até porque as equipes se enfrentaram apenas uma vez ao longo da história.

Do outro lado do campo, o Rubro-negro encontra uma equipe que está em má fase na temporada. O Tombense não vence há oito partidas, com seis empates e duas derrotas neste período. Na Série B do Brasileiro, inclusive, só tem empates e todos por 1 a 1. A última vitória aconteceu em março, ainda na semifinal do Troféu Inconfidência, do Campeonato Mineiro.

Os preparativos do Sport para o jogo contra o Tombense

Há três anos – no primeiro confronto entre as equipes -, Sport contava com um elenco melhor que o adversário, tinha maior capacidade financeira e só precisava do empate para avançar à segunda fase da Copa do Brasil.

A equipe era comandada pelo técnico Milton Cruz e fez o maior número de investidas, mas não conseguiu traduzir o volume em gols. Assim, assistiu o Tombense marcar com Juan, Denilson e Marquinhos – para selar o placar de 3 a 0. Foi a primeira vez que o Gavião Carcará avançou da fase inicial da competição.

Milton Cruz durou cinco dias no comando depois da eliminação. A partida havia acontecido no dia 13 de fevereiro, ele ainda conduziu o time em uma derrota para o Santa Cruz e pediu demissão no dia 18 daquele mês.

Técnico Milton Cruz se demite do Sport e Santa Cruz e Náutico se preparam para jogo

Sport, por sua vez, iniciou ali uma sequência de frustrações na Copa do Brasil. Desde aquele momento, o time não avançou mais para a segunda fase da competição. Acumula agora quatro eliminações seguidas ainda na estreia – contra Tombense, Brusque, Juazeirense e Altos.

Agora, a equipe tem apenas três remanescentes da escalação titular no elenco: o zagueiro Rafael Thyere, o lateral-esquerdo Sander (lesionado) e o volante Ronaldo. O goleiro Mailson também esteve na delegação da partida em 2019, mas como reserva – e não saiu do banco.

Em 2022, a expectativa do Rubro-negro é conseguir fazer diferente. Principalmente porque tem o técnico Gilmar Dal Pozzo sob pressão e uma vitória pode recolocar a equipe no G-4 da Série B.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Diretoria banca permanência de Leston Júnior, mas decisão final será do presidente do Santa Cruz

Antônio Luiz Neto não viajou com a delegação para a Bahia e terá palavra final sobre o futuro do treinador em reunião nesta quinta-feira; Tricolor ainda não venceu na Série D

Por Camila Sousa — Recife

globo esporte

Até segunda ordem, Leston Júnior segue no comando técnico do Santa Cruz, mesmo após novo revés na Série D, desta vez para a Juazeirense, na noite desta quarta-feira. É unânime, segundo apuração do ge, a posição da diretoria de futebol em bancar a permanência do treinador – em meio a pressão da torcida pelo desempenho apresentado no Brasileiro.

Entretanto, o cenário pela continuidade ou interrupção do trabalho só vai ser 100% consolidado com a decisão do presidente Antônio Luiz Neto, em reunião nesta quinta-feira, quando a delegação tricolor volta da Bahia e reinicia os trabalhos para enfrentar o Atlético de Alagoinhas, no domingo.

Em entrevista à Rádio Jornal, inclusive, o executivo de futebol Marcelo Segurado garantiu que o técnico do Santa Cruz fica no cargo. Na semana passada, após a derrota para o ASA, usou o mesmo discurso.

“Não vejo de outra forma. Vamos trazer outro treinador? Tudo o que foi planejado foi em cima disso aí. O torcedor está chateado e quer mudança. Mas qual treinador vai mudar? Vou poder trazer quais atletas?”, disse Segurado.

– O nosso orçamento é o mínimo possível dentro das condições. Essa é a realidade do Santa Cruz e esse é o grupo que vai tirar o time desta situação – completou.

A “nova chance” dada a Leston Júnior pelo futebol, ainda que dependa do aval de Antônio Luiz Neto, muito em parte se explica, para além da convicção no trabalho do treinador, na proximidade com o duelo diante do Atlético de Alagoinhas, no domingo.

Um confronto que é direto, uma vez que o time baiano também figura na sétima posição, como o Santa Cruz. Os times estão empatado em todos os critérios na lanterna do grupo 4. Pós-jogo, o próprio Leston admitiu que a vitória contra o Carcará teria que vir “a qualquer custo”.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Giovanni e William Oliveira treinam e têm chances de reforçar o Sport

Meia desfalcou por desgaste muscular, e volante por contusão no joelho; Bill ainda faz trabalhos na academia e tem menos chance de voltar para confronto da sexta-feira, contra o Tombense

Por Camila Alves — Recife

globo esporte

Giovanni e William Oliveira retomaram os treinos nesta semana. Assim, tornam-se esperança de reforço para o Sport no confronto da sexta-feira – diante do Tombense, às 21h30. O departamento médico do clube só tem atualizado o boletim de lesionados às vésperas de cada partida, mas a dupla tem participado da movimentação durante esta semana.

O meia desfalcou a equipe no fim de semana por conta de um desconforto muscular, mas permaneceu no Recife para priorizar o tratamento. Assim, tem chances de retomar o posto de titular diante do Tombense.

O volante William Oliveira, por sua vez, desfalcou por conta de uma contusão no joelho direito. Ele iniciou a semana com uma movimentação a parte – na preparação física – e agora espera-se que fique à disposição novamente.

O atacante Bill – por outro lado – tem realizado apenas treinos físicos na academia. Ele havia sido titular diante do CSA, mas saiu de campo com 15 minutos de bola rolando – por conta de dores na coxa direita.

O centroavante Javier Parraguez, por sua vez, ainda não teve a situação atualizada pelo departamento médico. Ele está fora há duas partidas – contra Ituano e CSA – por conta de desgaste muscular.

Além dos quatro casos citados, o Sport tem o lateral-esquerdo Sander no departamento médico. Ele sofreu uma fratura no nariz e só volta em três a quatro semanas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Assim como no profissional, sub-20 do Náutico bate Retrô nos pênaltis e é bicampeão pernambucano

Goleiro Bruno defende cobrança de Hebert e Timbu vence por 5 a 3, após empate por 1 a 1 no tempo normal, no Arruda; enredo é parecido com conquista alvirrubra de sábado, no profissional

Por Redação do ge — Recife

globo esporte

enredo do futebol profissional no Campeonato Pernambucano se repetiu no sub-20 nesta quarta-feira. O Náutico venceu o Retrô nos pênaltis, no Arruda, e conquistou o bicampeonato da categoria. Destaque para o goleiro Bruno, que defendeu uma cobrança nas penalidades, sendo decisivo para o título alvirrubro.

Pelo Timbu, todos os cinco pênaltis entraram na meta do goleiro Lucas Menino. Café, Kauan Maranhão, Jhon Kennedy, Fernando Neto e Júlio marcaram. Do lado da Fênix, Alencar, Braga e Diego Guerra marcaram, mas Hebert parou em Bruno.

Com a bola rolando, o Náutico teve um bom início. Logo aos 3, após tabela, Cauê entrou na área, limpou a marcação e finalizou na saída do goleiro adversário para abrir o placar. O Retrô esteve melhor na segunda etapa e conseguiu empate com Braga – atacante que terminou como vice-artilheiro do Pernambucano profissional, com cinco gols, atuando pelo Vera Cruz.

No último sábado, o time profissional alvirrubro bateu justamente o Retrô para conquistar o bicampeonato pernambucano. E também nos pênaltis, com brilho do goleiro Lucas Perri. A diferença principal em relação à conquista desta quarta é que o jogo, em questão, foi na Arena de Pernambuco.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.