Um quarto dos norte-americanos tem receio de vacina contra coronavírus, diz pesquisa

Menos de dois terços dos entrevistados disseram estar ‘muito’ interessado ou ter algum interesse em uma vacina

Por Reuters

Um quarto dos norte-americanos tem pouco ou nenhum interesse em tomar uma vacina contra coronavírus, revelou uma pesquisa Reuters/Ipsos publicada nesta quinta-feira (21). Alguns expressaram o receio de que a rapidez recorde com que candidatas a vacina estão sendo desenvolvidas possa comprometer a segurança.

Embora especialistas de saúde digam que uma vacina para evitar infecções é necessária para se voltar à vida normal, a pesquisa aponta para uma possível questão de confiança no governo de Donald Trump, já criticado por suas orientações de segurança frequentemente contraditórias durante a pandemia.

Cerca de 36% dos entrevistados disseram estar menos dispostos a tomar uma vacina se o presidente disser que ela é segura e 14% ficariam mais interessados.

A maioria dos participantes da pesquisa feita com 4.428 adultos entre 13 e 19 de maio disse que seria muito influenciada por orientações da Agência de Alimentos e Remédios ou resultados de estudos científicos de larga escala que mostrassem que a vacina é segura.

Menos de dois terços dos entrevistados disseram estar “muito” interessado ou ter algum interesse em uma vacina. Alguns especialistas de saúde esperavam que o interesse fosse maior, dada a grande conscientização a respeito da Covid-19 e as mais de 92 mil mortes relacionadas ao coronavírus só nos Estados Unidos.

“É um pouco menor do que pensei que seria com toda a atenção na Covid-19. Eu esperaria algo em torno de 75%”, disse o doutor William Schaffner, especialista em doenças infecciosas e vacinas do Centro Médico da Universidade Vanderbilt de Nashville.

Quatorze por cento dos consultados disseram que não têm nenhum interesse em tomar uma vacina, e 10% disseram não estar muito interessados. Outros 11% não tinham certeza.

Estudos estão em andamento, mas especialistas estimam que ao menos 70% dos norte-americanos precisariam estar imunes por meio de uma vacina ou uma infecção anterior para se chegar ao que é conhecido como “imunidade de rebanho” – quando uma quantidade suficiente de pessoas é resistente a uma doença infecciosa para evitar sua disseminação.

Trump prometeu ter uma vacina pronta até o final do ano, mas normalmente é preciso 10 anos ou mais para se desenvolver e testar a segurança e a eficiência destes medicamentos. Muitos especialistas acreditam que uma vacina totalmente testada e aprovada pelo governo não estará amplamente disponível antes de meados de 2021.

Existem mais de 100 candidatas a vacina contra a Covid-19 sendo desenvolvidas globalmente, inclusive algumas já nos testes clínicos em humanos.

A pesquisa Reuters/Ipsos foi realizada pela internet, em inglês, em todo o território norte-americano, e tem intervalo de credibilidade, uma medida de precisão, de mais ou menos 2 pontos percentuais.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.