Polícia apreende caça-níqueis que valem R$ 3,5 milhões, em Olinda

Três mil e quinhentas máquinas do tipo caça-níquel foram apreendidas, na noite desta quarta-feira (11), em um depósito na PE-15, no bairro de Jatobá, em Olinda. De acordo com o delegado Gilmar Rodrigues, a polícia chegou ao endereço após indicação de um dos presos durante a operação Última Jogada, desencadeada nesta manhã. “Cada equipamento desses custa R$ 1 mil, o que totaliza um apreensão no valor de R$ 3,5 milhões”, disse. Rodrigues também afirma que a apreensão é uma das maiores no País. “Esse é um recorde no Brasil, desse tipo de máquinas encontradas em um só local”, assegura.

A operação de combate à exploração de máquinas caça-níquel prendeu um delegado da Polícia Civil, três comissários e cinco policiais militares, entre eles um capitão. As investigações da Delegacia de Crimes contra a Administração e Serviços Públicos (Decasp) apontam que os suspeitos davam cobertura a esse tipo de crime.

De acordo com a polícia, a apuração começou há um ano, após denúncias de corrupção policial na Delegacia de Casa Amarela, na Zona Norte do Recife. Os suspeitos estariam envolvidos em crimes de corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha e violação de sigilo funcional.

Segundo a delegada Cláudia Freitas, os policiais ganhavam, por semana, entre R$ 100 e 300 dos donos das casas de jogos de azar para protegê-los. “Existia uma mudança de acordo com o grau de repressão. Eles fechavam o local e iam para outro bairro”, explicou. O esquema estaria funcionando há cerca de três anos.

Foram expedidos 15 mandados de prisão preventiva e 18 de busca e apreensão domiciliar pela Vara dos Crimes Contra a Administração Pública e a Ordem Tributária da Capital. Ao todo, foram presos quatro policias civis, cinco policiais militares e três donos de casas de jogos. Está foragido um comissário de 55 anos, um cabo de 48 anos e mais um proprietário de 40 anos.

Os presos foram encaminhados para a sede do Grupo de Operações Especiais, no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife. Os policiais militares serão levados para o Centro de Reeducação da Polícia Militar (Creed), em Paulista, e os policiais civis, para o Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana da capital.

Os policiais vão responder a um processo administrativo disciplinar e podem ser expulsos da corporação.  “Nossa corregedoria tem agido no sentido de coibir desvios de conduta, no entanto, alguns insistem usar dessa prática, e esse é o caminho: Cotel ou Creed”, disse o secretário de Defesa Social, Wilson Damázio.

 

G1 PE

Foto: Reprodução / TV Globo

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.