Para Adalberto, autocobrança explica atual boa fase no Náutico de Givanildo

Por Rômulo Alcoforado

Recife

Globo Esporte

Contratado há pouco mais de um mês, o zagueiro Adalberto chegou “para vestir” camisa do Náutico. Virou titular imediatamente, já disputou sete jogos na Série B e se tornou referência na zaga. Ele justifica a boa fase com a cobrança a que ele mesmo se impõe.

– Sou um cara dedicado, trabalho em cada treino como se fosse o último. Pela minha dedicação, pela minha simplicidade, procuro me cobrar bastante. Fico muito chateado quando levo um drible, para baixo mesmo. Então, procuro aprimorar no treino e ficar mais ligado para me recuperar me imediatamente – disse.

O jogador afirma que essa dedicação não é exclusividade sua. Ele vê isso em todo o grupo do Náutico – característica que, na opinião de Adalberto, se intensificou com a chegada do técnico Givanildo Oliveira.

– O grupo está mais confiante. É natural que, com a chegada de um novo treinador, até quem não está jogando tem mais motivação. Todo mundo está se doando ao máximo. Rony, que não é muito de marcar, está marcando, dando carrinho. Renan Oliveira, que também não tem essa característica de marcação, está se entregando, dando carrinho. Isso faz a diferença – afirmou.

Por fim, o zagueiro prega que o time do Náutico tem de manter esse espírito até o fim para buscar o acesso.

– Temos que colocar na cabeça que são 12 finais a partir de agora. E que nós não dependemos de ninguém. Só dependemos de nós mesmos.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.