Operação Sépsis em PE apreendeu pendrives, celulares e computadores

Do G1 PE

A Polícia Federal em Pernambuco (PF) divulgou no domingo (3) o balanço final das apreensões feitas durante a Operação Sépsis, mais um desdobramento da Operação Lava Jato, deflagrada na sexta-feira (1º), no Grande Recife. Na lista de materiais recolhidos, estão papéis referentes a investimentos no exterior e bancários, seis celulares, seis computadores, 16 pendrives, dois cartões de memória, além de documentos da empresa de logística Cone S/A, que tem como um dos investidores o Fundo de Investimentos do Fundo de Garantia Por Tempo de Serviço (FGTS).

Logo depois do encerramento das ações da Operação Sépsis, ainda na sexta-feira, a PF já tinha divulgado a apreensão de R$ 330 mil em moedas estrangeiras (dólares, libras e euros). Todo esse material estava em apartamentos de luxo na Avenida Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, onde residem dois empresários: Marcos José Roberto Moura Dubeux, um dos donos da Construtora Moura Dubeux, e o filho dele, Marcos Roberto Bezerra de Mello Moura Dubeux, presidente da Cone S/A, localizada no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife.

Em nota, a Cone S/A informou que, atualmente, a companhia possui capital próprio e tem como investidor o Fundo de Investimento do Fundo de Garantia Por Tempo de Serviço (FGTS). A nota também foi enviada em nome dos empresários e da Moura Dubeux. A Cone esclarece que Marcos José Dubeux não é sócio na empresa. Atua apenas na Moura Dubeux. Marcos Roberto Bezerra de Melo Dubeux tem ligação apenas com a Cone. Ele é o presidente da empresa.

A empresa também informou que só vai se manifestar quando tiver conhecimento de todo o conteúdo da denúncia. A companhia afirma que está à disposição das autoridades e colaborando para que todas as questões sejam esclarecidas o mais breve possível.

Todo o material foi enviado para Brasília  e passará por avaliação da coordenação da Operação Sépsis. O dinheiro estrangeiro foi depositado numa conta judicial no Banco Central de Recife/PE onde ficará à disposição do Supremo Tribunal Federal.

Na ação realizada no Grande Recife, participaram 25 policiais federais, distribuídos em três equipes. Os agentes federais foram acompanhados por três procuradores da República. A ação foi batizada de Sépsis, que significa uma infecção geral grave do organismo causado por germes.

A operação também teve alvos em outros estados e no Distrito Federal. A PF informou que, ao todo, cumpriu 19 mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva. O alvo da prisão preventiva, efetuada em São PauloP, foi encaminhado para a custódia da Polícia Federal em Brasília.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

[email protected]
[email protected]