Kerry diz que irá a Cuba para abrir embaixada ‘quando for apropriado’

O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, disse nesta quarta-feira (21) que viajará para Cuba “quando for apropriado” para abrir formalmente uma embaixada americana em Havana, mas que ainda restam alguns passos a dar na normalização de relações antes de realizar essa visita histórica.

“Estou preparado, no momento adequado, para reunir-me em algum lugar com meu colega, o ministro das Relações Exteriores (Bruno Rodríguez). Falamos várias vezes por telefone e nos reuniremos quando for apropriado”, disse Kerry aos jornalistas após um encontro com a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

“E quando seja o momento, quando seja apropriado, estou preparado para viajar para Cuba para abrir formalmente uma embaixada e começar a avançar. Mas temos algumas coisas a conseguir antes de chegar a isso”, acrescentou Kerry.

A secretária de Estado adjunta dos EUA para a América Latina, Roberta Jacobson, se transformou nesta quarta na funcionária americana de maior categoria a visitar a Cuba castrista, ao chegar a Havana para conversas sobre migração e sobre a normalização de relações anunciada por ambos países no último dia 17 de dezembro.

No diálogo sobre o reatamento dos laços diplomáticos, que começará nesta quinta-feira (22), Estados Unidos e Cuba abordarão a reabertura de suas respectivas embaixadas em Havana e Washington, fechadas em 1961 como consequência da ruptura de relações. “Há várias coisas que temos que negociar, como a suspensão de restrições de viagem aos diplomatas e a eliminação dos limites ao número de pessoal diplomático”, afirmou Kerry.

“Necessitamos de um acesso livre dos cubanos à missão, da mesma forma que proporcionaremos livre acesso à missão cubana aqui em Washington aos americanos ou a qualquer um que chegue”, acrescentou.

Kerry ressaltou que esses acordos requerem um “consentimento mútuo”, e assegurou que a delegação liderada por Jacobson se esforçará para conseguir esse objetivo. “Esperamos que a política de normalização nos ponha em uma posição mais forte para impulsionar nossos interesses e valores e para empoderar o povo de Cuba”, concluiu o chefe da diplomacia americana.

 

 

Da EFE

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

contato@encartenoticias.com
jencartnoticias@gmail.com