Grupo de 31 refugiados venezuelanos chega ao estado para morar em Carpina

Por G1 PE

Pernambuco recebeu mais 31 imigrantes venezuelanos através da interiorização de refugiados realizada pelo governo federal devido à crise que atinge a Venezuela desde 2015.

As nove famílias que chegaram ao Recife foram acolhidas em Carpina, na Zona da Mata Norte, pela instituição Ação Missionária para Áreas Inóspitas (Amai). Com eles, o estado passa a abrigar 291 refugiados venezuelanos.

Entre os imigrantes que chegaram na sexta (19), estão 13 crianças, um adolescente, 16 adultos e um idoso. Eles saíram de Pacaraima, cidade de Roraima que faz fronteira entre o Brasil e a Venezuela, e desembarcaram de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) no Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre.

A chegada deles foi divulgada nesta segunda (22) pela Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ). Segundo a pasta, o governo realiza ações para identificar as principais demandas dos imigrantes e todos os refugiados chegaram ao estado portando carteira de trabalho, solicitação de refúgio e CPF.

O governo de Pernambuco informou, ainda, que articula ações de atendimento de saúde, inclusão em escolas para as crianças em idade escolar, bem como estratégias de qualificação profissional e inserção no mercado de trabalho para os refugiados venezuelanos.

Venezuelanos em Pernambuco

primeiro desembarque de refugiados venezuelanos em Pernambuco aconteceu em 3 de julho de 2018, quando 114 chegaram ao Recife. Desses, 69 foram acolhidos pela ONG Aldeias Infantis, em Igarassu, no Grande Recife, sendo 39 adultos e 30 crianças e adolescentes. Os outros 45 foram para João Pessoa (PB).

Dois meses após a transferência, eles lamentaram a falta de trabalhoe a onda de violência em Pacaraima. Em 18 de setembro, outros 30 venezuelanos foram recebidos nas Aldeias Infantis. No dia 9 de novembro, mais 18 venezuelanos também foram encaminhados para Igarassu.

Em 17 de dezembro, 117 imigrantes chegaram ao estado e, desses, 102 foram acolhidos pela Cáritas Brasileira, organismo da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), no Recife, e outros 15 foram às Aldeias Infantis. O quinto grupo, de 23 venezuelanos, chegou em março de 2019, para morar nas Aldeias Infantis.

Com o fechamento das fronteiras com o Brasil e a Colômbia, eles viram o sonho de trazer a família cada vez mais distante.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.