Chuva no mês de fevereiro anima pequenos produtores de Orocó, no Sertão de PE

Por Emerson Rocha, G1 Petrolina — Orocó, PE

De acordo com a Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC), Orocó é o município do Sertão de Pernambuco onde mais choveu no mês fevereiro. Até o momento, foram registrados 103 milímetros de chuva, superando a marca histórica do local, que é de 80 milímetros. A ajuda vinda do céu animou os pequenos produtores da região.

Com a terra molhada, o agricultor Adelmo Alves de Santana acompanha com alegria o crescimento dos pés de feijão, plantados em dezembro.

“Eu estou me sentindo muito feliz, por causa que deu essa chuvinha, porque eu estava muito triste esses dias pra trás. Quando eu cheguei na roça e vi a roça toda molhadinha, eu disse: Graças a Deus, agora nós temos uma roça que vai ter um futuro pela frente”, comemora Adelmo, lembrando que os feijões colhidos serão utilizados no sustento da família.

A plantação de Adelmo fica na Fazenda Olho D’água, na zona rural. Lá, em apenas um dia, choveu cerca de 40 milímetros. Assim como ele, outros produtores da região temiam perder tudo aquilo que haviam plantando em dezembro.

“O agricultor quando vê a chuva cair, ele quer aproveitar. Plantamos [em dezembro], mas teve esse intervalo e só veio chover agora no início de fevereiro. Estamos aí na expectativa pra que dê certo”, afirma o produtor José Gilvan da Silva.

Na mesma época que plantaram o feijão, os produtores também apostaram no cultivo do milho. No entanto, com a estiagem em janeiro, os milhos foram perdidos. Como atuam em uma área de sequeiro, onde não há o auxílio da irrigação, a chuva torna-se essencial para manter as plantas vivas.

“Aqui é Deus que ajuda nós. Se aqui tivesse irrigação, todo mundo trabalhava por conta. Nosso patrão aqui é Deus, que quando manda [chuva], manda pra todo mundo”, acredita Adelmo.

A expectativa dos agricultores é que o período chuvoso na região permaneça. Se isso acontecer, os pés de feijão podem produzir até julho. Em caso de nova estiagem, tudo pode ser pedido. “Ele [feijão] aguenta mais um mês. Se nesse tempo der mais uma chuvinha, que é o tempo que ele está floreando, a carga está segura. Estamos pedindo a Deus que continue assim”, diz Adelmo

“Esperamos que dê mais chuva pra ver se vai vingar. É um momento de muita necessidade de chuva”, completa José Gilvan.

Segundo o meteorologista e professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Mario de Miranda, a tendência é que continue chovendo na região. “Até o dia 19 nós vamos ter possibilidades concretas de ocorrências de chuvas aqui na região. Depois dá uma paradinha e volta até o final do mês. Nós vamos ter mais chuvas”, afirma o especialista.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.