Facebook enfrenta processo por escanear mensagens de usuários

Facebook corte 690 (Foto: BBC)

Facebook deve enfrentar processo por escanear mensagens de usuários (Foto: BBC)

 

O Facebook irá enfrentar uma ação coletiva que acusa a rede social de violar a privacidade dos seus usuários ao escanear, com objetivos publicitários, o conteúdo de mensagens trocadas, de acordo com a decisão de um juiz norte-americano.

O juiz Phyllis Hamilton, de Oakland, Califórnia, rechaçou na terça-feira (23) algumas acusações contra a rede social, baseadas em leis estaduais, mas negou o pedido do Facebook de arquivar o processo.

O Facebook argumentou que o suposto escaneamento das mensagens de seus usuários estaria protegido por uma exceção no Ato de Privacidade em Comunicação Eletrônica, que permitiria interceptações desde que ligadas à natureza dos negócios de uma empresa.

Mas Hamilton disse que o Facebook “não explicou de forma satisfatória como a acusação pode ser caracterizada como parte da natureza do seu negócio”. O Facebook e o advogado da acusação não responderam a pedidos de comentários nesta quarta-feira (24).

O processo, registrado em 2013, alega que o Facebook escaneou o conteúdo de mensagens privadas enviadas entre os usuários em busca de links. A rede social, então, somaria qualquer link encontrado em uma contagem de “curtidas de páginas”.

Essas “curtidas” eram usadas para compilar perfis de usuários, que por sua vez eram utilizados para enviar propaganda direcionada a eles, segundo o processo. A acusação alegou que essa prática viola a lei federal e da Califórnia.

De acordo com o documento publicado na terça (23), o Facebook encerrou essa prática em outubro de 2012. Mas a companhia afirma que ainda faz algum tipo de análise de mensagens para proteger os usuários de vírus e spam, segundo o processo.

 

Da Reuters

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Em cinco anos, 150 milhões de automóveis serão conectados à internet

carros-importados-brasil-e-america-do-sul-foto-Miguel-Riopa-AFP1

Em 2020, cerca de 150 milhões de automóveis serão conectados à internet. Esta é a previsão do Gartner, que aponta que entre 60% e 75% desta frota será capaz de consumir, criar e compartilhar dados através de web móvel.

Além de conectados à internet, a geração de ‘carros inteligentes’ poderá se locomover sem a necessidade de um motorista, otimizando o tempo das pessoas que passam horas no trânsito.

A Gartner diz também que 58% dos proprietários de veículos nos Estados Unidos e 53% dos alemães querem que as empresas de tecnologia, e não os fabricantes de automóveis, desenvolvam as ferramentas necessárias para que estes carros sejam criados.

Foto: Divulgação.

Para que fossem desenvolvidas tecnologias para os automóveis pelas empresas como o Google e a Apple, poderia haver uma integração com os serviços já existentes: o Android Auto e o CarPlay. Ambos os sistemas foram lançados este ano pelas empresas e permitem uma integração entre o veículo e o smartphone do usuário. No caso da empresa da maçã, é como um Siri para o automóvel.

Divulgação.

O CarPlay integra as funcionalidades do iPhone ao painel do motorista e aos alto-falantes, podendo ser controlado por voz ou toque, tanto pela tela de bordo quanto por botões do carro. Já o Android Auto procura tornar a navegação GPS mais fluída e intuitiva, além de exibir na tela do painel do carro mensagens, chamadas e outras notificações recebidas no celular.

 

 

MundoBit

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Ataque que infectou 100 mil sites WordPress evolui

Especialistas da empresa de segurança Sucuri alertaram nesta segunda-feira (22) sobre uma mudança no ataque já invadiu mais de 100 mil sites que usam a plataforma “WordPress”. O ataque está melhor elaborado e está mudando mais um arquivo nos sites infectados.

A mudança está em uma segunda onda de ataques que foi detectada pela Sucuri neste domingo (21).

O objetivo do ataque é comprometer blogs da plataforma WordPress.org para dar aos hackers o controle das páginas e incluir um código malicioso que tenta atacar internautas que visitarem os sites invadidos para instalar um vírus. A onda de invasões foi batizada de “SoakSoak”, porque esse é o nome do site de onde as páginas infectadas carregam o código malicioso.

A Sucuri explicou que o código incluído nos sites carrega um arquivo Flash contendo códigos que serão executados no Firefox e no Internet Explorer 11. Segundo a companhia, é provável que brechas de segurança estejam sendo exploradas pelo código. A recomendação é que internautas mantenham o navegador atualizado instalando correções de segurança para ficarem protegidos do ataque.

Donos de site terão de substituir os arquivos “wp-includes/js/json2.min.js”,  “wp-includes/template-loader.php” e “wp-includes/js/swfobject.js”. Outros arquivos também podem ter sido alterados. Além disso, o plug-in “RevSlider”, usado como porta de entrada dos hackers, precisa ser atualizado.

Entenda o ataque
O WordPress é um sistema usado por sites de internet para gerenciar conteúdo e montar as páginas que serão enviadas aos visitantes. Projetado para facilitar a criação de blogs, o WordPress é usado por sites de todos os tamanhos. Uma de suas características é a possibilidade de acrescentar funções extras por meio de “plugins” e de alterar facilmente o visual do site com “temas”.

O “wordpress.com” oferece hospedagem de blogs usando uma versão própria e limitada do WordPress. Sites hospedados nesse serviço não devem ser afetados.

O plugin atacado se chama Revslider e a vulnerabilidade é explorada desde setembro, mas em escala menor. O plugin foi corrigido em julho, mas o desenvolvedor não comunicou a existência da falha. O WordPress inclui uma função para atualizar plugins, mas o Revslider é incluído como parte de “temas” (mudanças de visual). Muitos temas não foram atualizados, segundo a Sucuri, o que deixou os sites vulneráveis.

A versão avulsa do Revslider não é gratuita, o que dificulta uma atualização manual dos temas que usam o código vulnerável. O download do plugin custa 18 dólares (cerca de R$ 50).

 

Altieres Rohr

Especial para o G1

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Protótipo de carro autônomo do Google está pronto para ir às ruas

Da AFP

"Não terá volante, pedal acelerador, nem pedal de freio", disse comunicado da empresa / Foto: AFP“Não terá volante, pedal acelerador, nem pedal de freio”, disse comunicado da empresaFoto: AFP

O Google anunciou, nesta segunda-feira (22), que seu primeiro protótipo de carro autônomo já está pronto para ser testado nas ruas. “Vamos passar as festas natalinas na nossa pista de provas e esperamos nos ver nas ruas do norte da Califórnia no ano que vem”, escreveu a equipe que desenvolve o veículo autônomo na rede social Google+.

Em maio, o Google tinha informado que fabricaria seu próprio carro autônomo com a menor quantidade de peças possível. “Não terá volante, pedal acelerador, nem pedal de freio (…) porque não precisam deles. Nosso software e nossos sensores farão todo o trabalho”, escreveu na ocasião Chris Urmson em um blog do Google.

A empresa sediada na Califórnia (oeste dos EUA) informou que os protótipos a bateria poderiam andar a 40 Km por hora e que foram projetados como utilitários e não como carros de luxo.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Antivírus na calça jeans

Calça será útil contra sistemas que invadem cartões e passaportes / Divulgação

Calça será útil contra sistemas que invadem cartões e passaportes

Divulgação

Com o aumento de dispositivos capazes de realizar transferências de dados sem a necessidade de contato físico, cresce também o risco de roubo dessas informações pelas mesmas vias.  Uma marca de roupas encontrou uma solução para amenizar o problema: bolsos com antivírus. Ou quase isso.

A Betabrand está tentando financiar uma calça jeans cujos bolsos serão capazes de bloquear as frequências utilizadas na tecnologia RFID (Identificação por rádio frequência, na sigla em inglês), usada em alguns passaportes e cartões de crédito para transações sem contato.

Para isso, a marca se associou à Symantec, conhecida marca de antivírus, que certificou os bolsos da peça contra roubos de dados via RFID. Batizada de Ready Active Jeans, a calça conta com dois bolsos de proteção máxima (um na frente e outro atrás).

No resto, ela é uma calça como qualquer outra: feita de algodão e poliéster. E pode ser lavada na máquina normalmente. O segredo da Ready Active jeans está no tecido usado nos bolsos especiais.

Para desenvolver o produto, a Betabrand está recorrendo ao chamado crowdfundig, ou seja, está fazendo o financiamento coletivo pelo próprio site da empresa. Até a conclusão deste texto, na última sexta-feira, a empresa já havia superado em 66% a meta. O valor da contribuição é de US$ 150 e a estimativa de entrega é fevereiro do ano que vem.

 

Do Jornal do Commercio

com agências

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

As ‘estações numéricas’ de rádio que sobreviveram à Guerra Fria

Vivemos na era da espionagem ultratecnológica e dos e-mails criptografados. No entanto, nas rádios de ondas curtas, ainda é possível escutar uma forma de espionagem muito antiquada…

São as 13h03 de uma terça-feira em um quarto cheio de equipamentos de rádio relativamente avançados. De repente, se houve uma mensagem de 10 minutos em código Morse.

Há uma pequena comunidade de fãs que acreditam que este tipo de mensagens são vestígios da Guerra Fria. São as misteriosas “estações numéricas”.

‘Ein… zwei… drei…’

No clímax da Guerra Fria, os amantes da rádio em todo o mundo começaram a perceber a transmissões surpreendentes.

Elas começam com uma música estranha ou o som de diversos apitos, que podem se seguir do som inquietante de uma voz de mulher contando em alemão ou da voz de uma criança recitando letras em inglês.

Algumas estações numéricas ainda funcionam (Foto: Thinkstock)

Algumas” estações numéricas” ainda funcionam (Foto: Thinkstock)

Ao encontrar essas mensagens em ondas curtas, muitos entusiastas do rádio concluíram que elas estavam sendo usadas para enviar informação codificada através de distâncias muito longas.

Escutar esse tipo de mensagem era uma experiência curiosa. Os ouvintes logo começaram a chamá-las com nomes pitorescos como “A rapsódia sueca”, “A estação gong” e “Nancy Adam Susan”.

Os tempos mudaram e a tecnologia se desenvolveu, mas há indicações de que este método de comunicação aparentemente antiquado ainda pode estar sendo utilizado.

De acordo com alguns especialistas em espionagem, estações numéricas em ondas curtas podem parecer de baixa tecnologia, mas elas provavelmente continuam sendo a melhor opção para transmitir informação a agentes secretos.

“Ninguém encontrou até hoje uma maneira mais conveniente de se comunicar com um agente”, diz Rupert Allason, um autor especializado em espionagem, que escreveu sob o pseudônimo Nigel West.

“Para agências de inteligência, o único propósito é comunicar-se com seus agentes em áreas proibidas – territórios onde é difícil usar uma forma de comunicação normal”, diz Allason.

Um ex-oficial do Quartel-general de Comunicações do governo britânico (GCHQ, na sigla em inglês) – que pediu para não ser nomeado e cuja tarefa era interceptar sinais enviados ao Reino Unido e procurar por essas estações numéricas nos anos 1980 –, acredita que as transmissões eram destinadas a agentes em campo ou a embaixadas.

Era uma “via de mão única”: as emissoras transmitiam números para os destinarários. Eles não respondiam.

Um espião e um rádio
Para que as estações numéricas seriam usadas? “O sistema é completamente seguro porque as mensagens não podem ser rastreadas. O destinatário poderia estar em qualquer lugar”, diz à BBC Akin Fernandez, criador do Projeto Conet – um arquivo abrangente do fenômeno das estações numéricas.

“É fácil. Você manda os espiões para um país e pede que eles comprem um rádio. Eles saberão em que estação sintonizar e quando.”

Fernandez ficou fascinado pelo mistério das estações. Dedicou três anos de sua vida a compilar um arquivo coerente sobre elas.

“Era tão estranho que eu quis saber mais sobre elas. Uma vez que você as escuta, elas te afetam”, afirma.

“Nunca imaginei que estaria falando sobre isso 17 anos depois de ouvir (uma estação numérica) pela primeira vez – quando o Projeto Conet começou.”

Ao contrário de outros aspectos da Guerra Fria, as estações numéricas não deixaram uma impressão forte na cultura popular. “É um assunto sem graça… até você escutá-las”, diz Fernandez.

Para Philip Davies, professor de política e história na Universidade Brunel, em Londres, o método é “uma forma de comunicação segura entre o serviço secreto de inteligência e seus agentes e é incompreensível”.

Mas a espionagem não foi a única explicação que se considerou para as estações. Algumas pessoas chegaram a argumentar que o fenômeno não passava de uma brincadeira bem elaborada.

No entanto, a escala das emissoras – são diversas frequências em idiomas diferentes – faz com que a explicação pareça improvável. Segundo Fernandez, a pessoa que elaborou tal brincadeira teria gasto milhões em equipamentos de transmissão.

Rastros
Apesar da aura de mistério que rodeia a espionagem, algumas indicações do propósito das estações numéricas já foram descobertas.

“Houve vazamentos anônimos, histórias de pessoas sendo presas com rádios, ‘chaves de uso único’ e outras pequenas provas, além de livros e revistas secretos”, diz Fernandes.

A chave de uso único é uma técnica de criptografia na qual um algoritmo ajuda a criar um código que só pode ser usado uma vez, impedindo que outras pessoas pudessem decifrar a mensagem.

Uma das histórias que confirmou o objetivo das estações aconteceu em 1989, quando um espião tcheco foi preso no Reino Unido porque seu equipamento estava com defeito e era possível escutar as mensagens de rádio em outros apartamentos no edifício em que ele morava.

“E também em 1989, quando o regime (comunista) de Ceaucescu caiu na Romênia, as transmissões que vinham de lá pararam”, diz o ex-funcionário do GCHQ.

Especialistas têm certeza que as estações de rádio numéricas ainda existem, mesmo que sejam poucas.

“É um método antiquado, mas é seguro. O perigo de um computador é que, se o capturam, é possível encontrar os dados. Mas um papel com uma chave de uso único a pessoa pode jogar na privada ou até comer”, diz o radioamador Al Bolton.

Nas operações que descobriram uma rede de espiões russos no Estados Unidos em 2010, os documentos apresentados no tribunal afirmavam que eles usavam “transmissões de rádio codificadas e informações criptografadas”, uma indicação de que eles podem ter recebido ordens por estações numéricas de ondas curtas.

Apesar de todas as pistas, nenhum governo ou serviço de inteligência admitiu ou negou oficialmente o uso dessas estações.

“Quando lançamos o Projeto Conet, algumas agências de espionagem admitiram que as estações ‘não eram para o consumo do público’. Isso é o mais perto que chegamos de uma confirmação”, diz Fernandez

Entusiastas e céticos continuam debatendo o verdadeiro propósito das estações misteriosas. Mas já se sabe que elas não são apenas fruto da imaginação.

 

 

Da BBC

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Cientistas criam sensores autoadesivos para implantes em seres vivos

Inovação abre a possibilidade dos médicos acompanharem de perto órgãos do corpo do paciente de perto.  / Foto: AFPInovação abre a possibilidade dos médicos acompanharem de perto órgãos do corpo do paciente de perto.Foto: AFP

Cientistas japoneses desenvolveram uma folha adesiva dotada de pequenos sensores que pode ser colocada diretamente em tecidos vivos, inclusive em partes do corpo com movimentos como as articulações ou o coração.

“Simplesmente colocando-o no corpo como uma compressa, nosso novo sensor detecta a informação biométrica de forma extremamente precisa”, informaram os cientistas da Universidade de Tóquio, em um comunicado publicado nessa sexta-feira (19).

Esta invenção abre a possibilidade de implantar sensores que quase não são notados dentro do corpo, o que permite aos médicos fazer um acompanhamento preciso, por exemplo, de um órgão com problemas.

A chave desta inovação é que os especialistas criaram um autoadesivo que impede que os sensores se soltem, mesmo quando o tecido sobre o qual está colocado se movimente, explicaram os cientistas, integrantes de uma equipe do Departamento de Engenharia Elétrica e de Sistemas da Informação, chefiada pelo acadêmico Takao Someya.

Os dispositivos convencionais costumam usar silicone e outros materiais mais rígidos, que podem ser incômodos para quem faz uso deles.

Os sensores são impressos com um intervalo de 4 milímetros em um plástico muito fino, o que permite ao fabricante colocar até 144 sensores individuais em uma folha um pouco maio que uma pastilha de menta.

“Embora atualmente estejamos na fase de experiências com animais, este sensor tipo compressa foi colocado de forma bem sucedida, inclusive em tecidos internos”, afirmaram os cientistas, que conseguiram testá-lo no coração de um rato.

Este estudo, realizado com o apoio da Agência de Ciência e Tecnologia, que pertence ao governo, foi publicado na edição de 19 de dezembro da revista Nature Communications.

 

Do NE10

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Cosmonauta russo e astronauta americano vão passar um ano na ISS

Foto: AFP

Dois veteranos do espaço, o astronauta russo Scott Kelly e o cosmonauta russo Mikhail Kornienko, apresentaram nesta quinta-feira, em Paris, a missão científica que os levará em março à Estação Espacial Internacional (ISS) durante um ano para estudar os efeitos de uma permanência prolongada no espaço.

A missão de Kelly e Kornienko, feita em conjunto pela Rússia e os Estados Unidos, apesar das tensões diplomáticas, será a permanência mais longa de um ser humano na ISS desde a chegada do primeiro astronauta no ano 2000. No entanto, o recorde absoluto continua sendo do russo Valeri Poliakov, que passou mais de 14 meses seguidos na estação espacial Mir, em 1995.

“Gosto de desafios”, disse Scott Kelly, de 50 anos, durante coletiva de imprensa na sede da Unesco, em Paris, ao lado de Kornienko, de 54 anos. Ao final da missão, se tudo correr bem, Kelly se tornará o americano com mais tempo no espaço. O astronauta americano, que já ficou seis meses seguidos no espaço, considerou “interessante” passar “o dobro do tempo”.

As missões de longa duração representam “um desafio” em nível médico, pois podem provocar atrofia muscular, perda de massa óssea e problemas de visão, assim como um impacto no sistema imunológico e consequências no corpo devido às radiações, afirmou.

“Se chegar o dia em que serão necessários três anos para viajar a Marte, será preciso entender o que vai acontecer com o nosso corpo”, afirmou. Os americanos planejam fazer uma primeira viagem ao planeta vermelho por volta de 2030, graças à nova base espacial Orion, que está em fase de teste.

Mikhail Kornienko, por sua vez, pensa que a viagem a Marte poderia, inclusive, ocorrer antes. “Sou otimista”, disse o cosmonauta russo, que defendeu “unir” esforços. “Não deve ser um país só. Temos que chegar juntos”, acrescentou. [Da AFP]

 

 

MundoBit

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sistema de compartilhamento de carros elétricos é lançado no Recife

(Foto: Mayra Cavalcanti)

Recife agora conta com o primeiro sistema de compartilhamento de carros elétricos (car sharing) do Brasil. A cerimônia de lançamento aconteceu na manhã desta segunda, na sede do Porto Digital, no Centro do Recife.

A partir desta tarde, os 20 participantes previamente cadastrados no sistema poderão utilizar os automóveis. Até março, o projeto passa por uma fase de teste, em que serão inseridos, aos poucos, novos usuários escolhidos pelo Porto Digital. Somente daqui a três meses o público em geral poderá fazer uso dos carros elétricos.

(Foto: Mayra Cavalcanti)

A coordenadora do Porto Mídia, Mariana Valença, é uma das usuárias escolhidas pelo Porto Digital para participar desta primeira fase. Para Mariana, o transporte será útil para levá-la do local onde estaciona o seu carro até o Porto Digital. “Todos os dias tenho que andar uns 10 a 15 minutos, mas a partir de agora vou fazer esse percurso com o carro compartilhado. Já o dirigi e achei bem confortável”, declarou.

Serão três carros compartilhados, todos produzidos por uma empresa chinesa, 100% elétricos. Os veículos são automáticos, apenas com os pedais de acelerador e freio, não têm marchas e atingem uma velocidade máxima de 60 km/h. A autonomia da sua bateria é de, aproximadamente, 120 quilômetros sem uma nova recarga.

Estacionamento da rua do Lima, em Santo Amaro (Foto: Mayra Cavalcanti)

Neste primeiro momento serão apenas três estações, sendo uma na sede do Porto Digital, outra em frente ao Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R), ambas no Centro do Recife e, a última, em frente ao número 421 da rua do Lima, em Santo Amaro.

Quando for aberto ao público, as estações contarão com postes de alimentação, para que os usuários façam a recarga do veículo caso necessário. Até lá, as estações só contam com uma placa para “veículo compartilhado autorizado”. A partir da março, outras três estações serão adicionadas, sendo elas na Prefeitura do Recife, na Casa da Cultura e na Praça do Derby.

De acordo com Francisco Saboya, presidente do Porto Digital, a intenção é que o projeto siga a mesma trajetória das bicicletas compartilhadas do Porto Leve. “No começo nós só contávamos com 100 bicicletas. Hoje, com a expansão do projeto, temos 700 bikes espalhadas pela cidade. Nesta fase de testes do sistema de compartilhamento de carros nós pretendemos aperfeiçoar o sistema. Especialistas estimam que, cada veículo compartilhado nas ruas traz a redução de seis a nove automóveis individuais”, explica.

(Foto: Mayra Cavalcanti)

O sistema custará aos usuários um valor fixo, por mês, de R$ 30. No entanto, a pessoa terá que pagar cada vez que utilizar os carros. Quem quer andar sozinho, são R$ 20 por corrida. Se o usuário oferecer carona a outros cadastrados no sistema, o valor cai para R$ 10. Se outra pessoa aceitar a carona, os usuários pagarão apenas R$ 5 por corrida cada um.

A gerente de projetos do Porto Digital, Cidinha Gouveia, ressalta que esta é uma maneira de incentivar a carona. “Queremos inserir na sociedade essa prática de dar carona, por isso as pessoas que de fato compartilham o carro com outras são ‘premiadas’ com a redução do valor”, comentou.

O usuário precisará baixar o aplicativo do Porto Leve para 'alugar' um carro (Foto: Mayra Cavalcanti)

Para utilizar, também é preciso que o usuário baixe o aplicativo do Porto Leve no celular. É através dele que será feito o ‘aluguel’ e o destravamento do carro. Quando aberto ao público, as pessoas que desejarem usar o sistema precisarão fazer um pré-cadastro presencial no Porto Digital, apresentando a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), um comprovante de residência e cartão de crédito.

Além do anúncio do lançamento do sistema, durante a cerimônia de apresentação do projeto, Ângelo Leite, presidente da Serttel, empresa responsável pela tecnologia utilizada no sistema de compartilhamento de carros afirmou que, se for bem sucedido, em breve o sistema será ampliado. Segundo ele, para trazer estes três veículos que serão utilizados agora, foi assinado um convênio entre o Governo, a empresa chinesa e o Porto Digital.

“Em primeiro momento temos que desenvolver, junto ao governo, políticas para facilitar a vinda deste carro para o Brasil, com a redução de taxas. Em seguida, fazer uma produção local, em que possamos trazer partes importantes do carro importadas, mas também tenhamos produção local do que é possível de ser nacionalizado”, disse.

 

 

MundoBit

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Hackers roubam 1ª versão do roteiro do novo filme de James Bond

Daniel Craig e o elenco de 'Spectre': Andrew Scott, Dave Bautista, Monica Belucci, Lea Seydoux e Christoph Waltz (Foto: Stefan Wermuth/Reuters)

Daniel Craig e o elenco de ‘Spectre’: Andrew Scott, Dave Bautista, Monica Belucci, Lea Seydoux e Christoph Waltz (Foto: Stefan Wermuth/Reuters)

A primeira versão do roteiro do novo filme de James Bond, “Spectre”, que estreará no final do próximo ano, foi roubada por hackers, informou neste domingo (14) a produtora do longa, Eon Productions.

Os produtores indicaram que o roubo aconteceu em um ataque cibernético à Sony no último mês de novembro e temem que o roteiro do novo filme do agente 007 seja divulgado na internet.

“A Eon Productions se inteirou esta manhã que uma primeira versão do roteiro do novo filme de Bond, ‘Spectre’, está entre o material roubado e tornado público ilegalmente por hackers que se infiltraram no sistema informático do Sony Pictures Entertainment (distribuidora)”, afirma um comunicado dos produtores.

“A Eon Productions teme que terceiras partes que receberam o roteiro roubado queiram publicá-lo”, acrescenta a nota.

A filmagem de “Spectre” começou na semana passada em Londres depois da divulgação do nome do novo filme.

A produção, que estreará em 23 de outubro de 2015, será o quarta protagonizada pelo ator britânico Daniel Craig, após “Cassino Royale”, “Quantoum of Solace” e “Operação Skyfall”, enquanto uma das “bond girls” será a atriz italiana Monica Bellucci, e o papel de vilão estará a cargo do ator austríaco Christoph Waltz.

 

Da EFE

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.