Oi é multada em mais de R$ 3 millhões por violações de direitos

A empresa de telefonia Oi foi multada em R$ 3,5 milhões pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) por violação ao direito à informação, à proteção contra a publicidade enganosa, além do direito à privacidade e intimidade.

 

16vvvvvvvvvvvvvejfwhfuwigvivgv33t433De acordo com o DPDC, órgão vinculado ao Ministério da Justiça, o serviço Navegador, disponibilizado aos consumidores do Velox, serviço de banda larga da Oi, mapeava dados de usuários para compor um perfil de navegação. Segundo as investigações, esses perfis eram comercializados com anunciantes, agências de publicidade e portais da web, para oferecer publicidade e conteúdo personalizados.

Em nota, o departamento informou que houve “violação aos princípios da boa-fé e transparência, além de publicidade enganosa”. O documento informa ainda que a Oi, “com o pretexto de melhorar a experiência de navegação, omitiu do consumidor informações essenciais sobre o serviço e suas implicâncias para a privacidade e segurança de dados pessoais.”

De acordo com o DPDC, o serviço da Oi violou também princípios fundamentais definidos pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, como a neutralidade da rede e o princípio da padronização e interoperabilidade. “A tecnologia do Navegador redireciona o tráfego do consumidor na internet e filtra seus dados, de modo a compor seu perfil de navegação, contrariando padrões da rede”, diz nota do departamento.

O valor da multa foi calculado, de acordo com o departamento, considerando critérios do Código de Defesa do Consumidor, como a “vantagem econômica auferida, a condição da empresa e a gravidade da conduta”.

O valor deverá ser depositado no Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD) e será revertido para ações de proteção do meio ambiente, do patrimônio público e da defesa dos consumidores.

A reportagem da Agência Brasil tentou contato com a empresa Oi, mas não obteve resposta.

 

 

 

Da Agência Brasil

Foto: Divulgação

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Kindle Unlimited pode transformar Amazon em Netflix dos livros

16yyyyyyyyyyyyyyrebygebyheiuyg895ybyb4r5y6ynn

O paraíso para os amantes de livros baratos e na palma da mão. Este é o Kindle Unlimited, serviço que ofereceria acesso a uma biblioteca de mais de 600 mil e-books para Kindle a um custo de 10 dólares mensais.

Apesar de página que anunciava o serviço ter sido rapidamente tirada do ar, o GigaOm conseguiu registrar. Se realmente for criado, o Kindle Unlimited será como o Netflix de livros, em que o cliente pagará uma taxa fixa por mês e terá a liberdade de ler o livro que quiser.

Apesar de toda a expectativa, a Amazon não confirmou o lançamento do serviço. [Via GigaOm, Brainstorm]

 

 

MundoBit

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Microsoft vai demitir até 18 mil funcionários

16fffffffguhgebhrgbhre´beb eebeçebçtgbçebçebA gigante de tecnologia Microsoft vai demitir 18 mil funcionários no próximo ano. É a maior rodada de corte de pessoal na empresa em cinco anos, à medida que a desenvolvedora de software busca integrar a unidade de aparelhos móveis. O corte foi anunciado pelo presidente da empresa, Satya Nadella, em carta enviada aos funcionários nesta quinta-feira (17).

Desde a absorção do negócio de aparelhos móveis da Nokia neste ano, a Microsoft conta com 127 mil funcionários, muito mais do que as rivais Apple e Google. A reestruturação é a maior na história da companhia, superando os 5.800 postos de trabalho cortados em 2009.

Na semana passada, Nadella circulou um memorando a empregados no qual prometeu otimizar a organização e “desenvolver processos de negócios mais enxutos”, mas não quis comentar sobre os amplamente esperados cortes de empregos na companhia.

“Do total, nosso trabalho em direção a sinergias e alinhamento estratégico na Nokia deve representar cerca de 12,5 mil postos de trabalho, entre profissionais e trabalhadores de fábrica”, disse Nadella na carta. “Vamos começar reduzindo os primeiros 13 mil postos, e a vasta maioria dos trabalhadores cujos postos serão eliminados serão notificados nos próximos seis meses”.

“É importante notar que, enquanto estamos eliminando postos em algumas áreas, estamos adicionando postos em outras áreas estratégicas. Minha promessa para vocês é que vamos atravessar esse processo da forma mais transparente possível. Vamos oferecer benefícios a todos os funcionários impactados por essas mudanças, assim como ajuda para transição para outros empregos em muitos locais, e todos podem esperar ser tratados com o respeito que merecem por suas contribuições para esta companhia”, diz a carta.

Em comunicado, a empresa informou que a reestruturação deverá custar entre US$ 1,1 bilhão e US$ 1,6 bilhão nos próximos quatro trimestres.

 

 

Do G1, em São Paulo

Foto: Divulgação/Microsoft

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Smartphones já são três a cada quatro celulares vendidos no Brasil

A cada quatro aparelhos de celular vendidos no Brasil, três eram smartphones, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) divulgados na sexta-feira.

Nos primeiros cinco meses do ano, foram vendidos 28,2 milhões de celulares, um avanço de 8% sobre o mesmo período de 2013. Os dados são da consultoria especializada IDC e foram analisados pela Abinee.

Desse volume total, 69% eram aparelhos (19,5 milhões) que rodavam um sistema operacional, capazes de baixar aplicativos e mais refinados do que os modelos tradicionais, chamados de “feature phones”. Os modelos tradicionais representaram 41%.

Em maio deste ano, a proporção de celulares inteligentes avançou e chegou a 76% do total das vendas.

A previsão para o ano é que o mercado chegue a 64,9 milhões de unidades. A distância entre smartphones e “feature phones” deve arrefecer um pouco, segundo as estimativas da IDC. Os aparelhos mais complexos devem fechar o ano com 72% do mercado (46,8 milhões), enquanto os modelos convencionais devem ficar com 28% do total (18 milhões).

 

 

Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Pâncreas artificial, que será testado em 2016, é esperança para diabéticos

16ggggggg4vr3vr340t3-t3-54-b4byn6nnyUm disco ultrafino de polímero, pouco maior do que um CD, implantado no abdômen poderia mudar a vida de milhões de diabéticos que dependem de insulina. O pâncreas bioartificial, desenvolvido por pesquisadores franceses, será testado pela primeira vez em humanos em 2016. Com o dispositivo, os pacientes não terão mais de receber injeções diárias de insulina: o hormônio será fabricado naturalmente pelas células do pâncreas (obtidas por engenharia genética a partir de células-tronco), dispostas dentro do bolso artificial. Este projeto, cuja aplicação em grande escala não deve ocorrer antes de 2020, “levanta muitas esperanças e expectativas” para 25 milhões de pessoas com diabetes do tipo 1 em todo o mundo, diz Séverine Sigrist, pesquisadora da start-up francesa Defymed, responsável pelo protótipo. A ideia de um pâncreas bioartificial foi inspirada na técnica de transplante de células pancreáticas, destinadas a suprir a deficiência do pâncreas e fazer com que o organismo passe a fabricar a insulina por conta própria, regulando assim a quantidade de açúcar no sangue. O problema dessa técnica é que, com a escassez de células para transplante, ela só pode beneficiar uma pequena minoria de doentes. Ela também exige o tratamento com medicamentos imunossupressores, que trazem vários efeitos colaterais. “Daí a ideia de projetar um tipo de uma pequena caixa dentro da qual seriam colocadas as células pancreáticas, para que elas fiquem abrigadas contra o ataque do sistema imunológico”, diz Séverine. O desafio foi projetar uma membrana semipermeável, que garanta tal proteção ao mesmo tempo em que permita a passagem da insulina e também dos açúcares, para que as células pancreáticas “saibam” o quanto de insulina devem produzir. O disco de polímero será implantado no abdômen durante uma pequena cirurgia, e deve ser substituído a cada 4 ou 6 anos. No interior, as células pancreáticas serão renovadas, por meio de uma injeção subcutânea, a cada 6 ou 12 meses. Os pesquisadores observam que essa quantidade de injeções não tem nem comparação com o tanto de picadas que um paciente que depende de insulina tem que levar ao longo da vida. 20 anos de pesquisa O desenvolvimento dessa membrana levou mais de 20 anos de pesquisa e 6 milhões de euros. O valor corresponde ao imenso potencial econômico da inovação, estimado em 4 bilhões de dólares. Depois de testes em animais, um estudo com 16 voluntários deverá começar no fim de 2015 ou início de 2016, em Montpellier, no sul da França e em Oxford, no Reino Unido. Os primeiros resultados devem estar disponíveis no final de 2017. Se for bem-sucedido, o tratamento poderá libertar os diabéticos do “fardo” que representa o tratamento diário com insulina, diz o médico Michel Pinget, diretor do Centro Europeu para o Estudos da Diabetes (CEED), que lidera o projeto em Estrasburgo. “Quando você é diabético, gosta de toda novidade que possa melhorar o cotidiano”, diz Éric Dehling, presidente da associação Insulib, que reúne mais de uma centenda de pacientes do leste da França. Para ele, as novas tecnologias, como as canetas e as bombas de insulina, já melhoraram a vida dos diabéticos. Mas o pâncreas bioartificial permite que eles sonhem com uma “qualidade de vida ainda melhor”.       Da AFP Foto: AFP Photo/Frederick Florin

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Oito jovens iranianos condenados por mensagens contra o regime no Facebook

Um tribunal iraniano condenou oito jovens a um total de 127 anos de prisão pela publicação de mensagens contra o regime no Facebook, anunciou a imprensa local.

As oito pessoas, que não tiveram os nomes divulgados, foram condenadas por “atos contra a segurança nacional, propaganda contra o regime, insultos aos valores religiosos e aos líderes iranianos”, segundo a imprensa.

Os jovens, das cidades de Teerã, Yazd, Shiraz, Abadan e Kerman, receberam penas de entre 11 e 21 anos de prisão. Todos podem apelar das sentenças.

O governo do Irã costuma filtrar o conteúdo do Twitter e do Facebook, além de outras páginas consideradas anti-islâmicas ou contrárias ao regime.

Desde que chegou ao poder há um ano, o presidente Hassan Rohani, que se declara moderado, promete mais tolerância em questões sociais e culturais, mas esbarra nas figuras mais conservadoras do regime religioso iraniano.

Em maio, oito pessoas foram condenadas a penas de entre sete e 20 anos por crimes que também incluíam propaganda contra o regime no Facebook, segundo a página de oposição Kaleme. [Da AFP]

 

 

MundoBit

Foto: Reprodução/3News

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Cientistas descartam existência de dois planetas semelhantes à Terra

16yyyyyy4r34r303-v304rv4-30v93rv4vbnunkllCientistas dos Estados Unidos informaram nessa quinta que dois planetas distantes, mas semelhantes à Terra, e que alguns acreditavam que pudesse abrigar vida inteligente, na verdade não existem e foram confundidos com manchas solares.

O polêmico par de planetas, denominados Gliese d e Gliese g, a 22 anos-luz de distância, integram um conjunto de planetas potencialmente similares à Terra, que foram identificados por astrônomos.

Distantes demais para ser observados a olho nu ou com um telescópio, foram descobertos graças a uma técnica chamada de “velocidade radial Doppler”, na órbita de uma estrela fria e vermelha chamada Gliese 581.

O método capta luz estelar (a mais sensível) do telescópio e analisa seus comprimentos de onda. Ele pode, inclusive, revelar a massa de um planeta.

Mas astrônomos da Universidade Estadual da Pensilvânia (nordeste) agora descobriram que Gliese 581 g e d não eram planetas, mas um sinal confuso de uma estrela.

“O que acreditávamos anteriormente que fosse um sinal planetário, foi causado por uma atividade estelar”, disse Suvrath Mahadevan, coautor do estudo, publicado na revista Science e professor assistente do departamento de Astronomia e Astrofísica.

Em outras palavras, os campos magnéticos ou as manchas solares podem ter interferido no sinal que os astrônomos estavam interpretando. O estudo destacou que “a intensa atividade magnética estelar (…) criou falsos sinais planetários para (Gliese) d e g”.

Os cientistas já tinham descartado a existência de um terceiro planeta, Gliese f. Os astrônomos têm duas formas de detectar planetas remotos.

A missão Kepler, da Nasa, observa a luz tênue de uma estrela quando um planeta passa em frente a ela. Essa técnica pode indicar aos astrônomos o tamanho aproximado de um planeta, mas não a massa.

Outra forma, a única usada no estudo da Science, é a mencionada velocidade radial Doppler.

“Os astrônomos fizeram um grande avanço, sendo capazes de detectar planetas similares à Terra (de pequeno tamanho, massa leve e com distâncias similares às suas estrelas)”, disse Eric Ford, professor de Astronomia na Universidade da Pensilvânia e que não participou do estudo.

Mahadevan disse que são necessários mais estudos para determinar quantos planetas semelhantes à Terra descobertos poderiam ser um único sinal equivocado, disse.

 

 

 

MundoBit

Foto: AFP/European Southern Observatory)

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

O “direito ao esquecimento” do Google já foi pedido por 70 mil internautas na Europa

16yyy4rc22-c2-c287crt2r87c2t-c2-c2O gigante americano da internet Google anunciou nessa quinta ter recebido 70.000 pedidos de internautas europeus para suprimir seus dados pessoais do site de buscas desde 30 de maio, quando adotou o “direito ao esquecimento”, imposto pelo Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE).

O principal motor de buscas na internet pôs em 30 de maio um formulário online, acessível aos europeus, para solicitar a supressão dos links a dados de usuários em cumprimento à sentença da justiça europeia. O TJUE considerou que as pessoas físicas têm direito a ter suprimidos os links para páginas com informação pessoal antiga ou inexata.

No primeiro dia da entrada em vigor da nova regulamentação, o Google recebeu mais de 12 mil pedidos e agora está se estabilizando em aproximadamente “uma média de 1.000 por dia em toda a Europa”, prosseguiu o comunicado.

Os países mais representativos são França, com 14.086 pedidos, Alemanha, com 12.678, Reino Unido, com 8.497, Espanha, com 6.176, e Itália, com 5.934.

No total, os pedidos abrangem 267.550 links, que devem ser tratados individualmente, acrescentou a empresa. O Google se reserva o direito de apagar todos os links sem exceção, já que “tomará as decisões em função da pertinência de cada uma delas”.

Para pedir para ser apagado dos links, o usuário deve acessar a ajuda na página do Google, identificar-se e solicitar a desativação dos endereços eletrônicos em questão. [Da AFP]

 

 

MundoBit

Foto: AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Estudo aponta Twitter como possível causa de divórcio

O uso exagerado do microblog Twitter pode causar conflitos e outros efeitos nocivos às relações a dois, revelou nesta quinta-feira (3) um estudo divulgado nos Estados Unidos.

A pesquisa seguiu os passos de trabalhos anteriores, que já davam mostras do impacto do Facebook no casamento e nos relacionamentos afetivos em geral.

Publicado na revista especializada “Cyberpsychology, Behavior and Social Networking”, o estudo revelou que “o uso ativo do Twitter pode gerar muitos conflitos entre casais vinculados à rede social, o que a longo prazo pode levar à infidelidade, à separação e ao divórcio”.

O autor da pesquisa, Russell Clayton, da Universidade do Missouri, concluiu que essa descoberta se soma ao grande número de evidências pré-existentes sobre o lado obscuro das redes sociais e seu papel nas relações interpessoais.

Outro estudo de Clayton, publicado na mesma revista no ano passado, revelou que o uso excessivo de Facebook tinha consequências negativas nos relacionamentos afetivos.

A editora-chefe da revista, Brenda Wiederhold, acrescentou que essas pesquisas destacam a necessidade de estudar mais o impacto do uso das redes sociais.

“Como as pesquisas sobre as redes sociais ainda estão engatinhando, não sabemos se outros meios, como o Instagram, por exemplo, também podem ter um impacto negativo nas relações humanas”, escreveu em um comunicado.

Para o último estudo, os pesquisadores entrevistaram 581 usuários do Twitter. Entre as perguntas estava a frequência com que usavam a rede social e o tipo de conflito que os usuários enfrentavam com seus parceiros por causa do uso do microblog.

Clayton concluiu que, quanto mais ativo é o usuário do Twitter, maiores são as chances de haver conflitos com o companheiro ou companheira por causa da rede social.

Essas conclusões “vão, em parte, no mesmo sentido” das apresentadas na pesquisa anterior de Clayton sobre o Facebook.

“Com base nas descobertas dos dois estudos, tanto o Twitter quanto o Facebook têm efeitos nocivos nos casais”, escreveu Clayton.

Fonte: AFP

Foto: Reprodução Internet

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Google recebe 70.000 pedidos de direito ao esquecimento na Europa

O gigante americano da internet Google anunciou nesta quinta-feira (3) ter recebido 70.000 pedidos de internautas europeus para suprimir seus dados pessoais do site de buscas desde 30 de maio, quando adotou o “direito ao esquecimento”, imposto pelo Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE).

O principal motor de buscas na internet pôs em 30 de maio um formulário online, acessível aos europeus, para solicitar a supressão dos links a dados de usuários em cumprimento à sentença da justiça europeia. O TJUE considerou que as pessoas físicas têm direito a ter suprimidos os links para páginas com informação pessoal antiga ou inexata.

No primeiro dia da entrada em vigor da nova regulamentação, o Google recebeu mais de 12 mil pedidos e agora está se estabilizando em aproximadamente “uma média de 1.000 por dia em toda a Europa”, prosseguiu o comunicado.

Os países mais representativos são França, com 14.086 pedidos, Alemanha, com 12.678, Reino Unido, com 8.497, Espanha, com 6.176, e Itália, com 5.934.

No total, os pedidos abrangem 267.550 links, que devem ser tratados individualmente, acrescentou a empresa.

O Google se reserva o direito de apagar todos os links sem exceção, já que “tomará as decisões em função da pertinência de cada uma delas”.

Para pedir para ser apagado dos links, o usuário deve acessar a ajuda na página do Google, identificar-se e solicitar a desativação dos endereços eletrônicos em questão.

Fonte: AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.