Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

PM faz operação contra roubo de carros e carga no Morro da Serrinha, Zona Norte do Rio

Agentes do 41°BPM (Rocha Miranda) retiram barricadas colocadas por criminosos no meio da rua para dificultar o acesso dos policiais.

Por Genilson Araújo, Bom Dia Rio

PM faz operação no Morro da Serrinha, na Zona Norte do Rio, na manhã desta quinta-feira (8) — Foto: Reprodução

PM faz operação no Morro da Serrinha, na Zona Norte do Rio, na manhã desta quinta-feira (8) — Foto: Reprodução

A Polícia Militar faz operação contra roubo de carros e cargas no Morro da Serrinha, na Zona Norte do Rio, na manhã desta quinta-feira (8).

Desde o início da manhã, os agentes do 41°BPM (Rocha Miranda) tentavam retirar barricadas colocadas por criminosos no meio da rua para dificultar o acesso dos policiais.

Imagens do Globocop mostraram que os bandidos ainda atearam fogo em muitas dessas barricadas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Fumaça de queimadas cobre 5 milhões de km² do Brasil e chega a outros países; veja foto de satélite

Desde 1º de janeiro até domingo (4), Amazônia teve 58 mil focos de queimadas, total que representa 20% a mais do que o registrado no mesmo período do ano anterior.

Por Ardilhes Moreira, g1

Fumaça sobre área de cinco milhões de km² do território brasileiro no Dia da Amazônia — Foto: Inpe

Fumaça sobre área de cinco milhões de km² do território brasileiro no Dia da Amazônia — Foto: Inpe

Uma “nuvem” de fumaça provocada pelas queimadas se espalha pelo Norte do Brasil e por países vizinhos nesta segunda-feira (5), data em que é celebrado o Dia da Amazônia.

Uma imagem registrada nesta tarde pelo satélite geoestacionário Goes-16 mostra os seguintes estados sob o impacto da dispersão dos poluentes: Acre, Amazonas, Rondônia, Roraima, Mato Grosso e Pará.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a área coberta pela fumaça abrange cinco milhões de km².

Campanha reúne artistas e personalidades pedindo Amazônia Livre, Democracia Viva

A destruição acumulada em 2022 no bioma já é pior do que a verificada no ano passado: desde o começo do ano até domingo (4), Amazônia teve 58 mil focos de queimadas, total que representa 20% a mais do que o registrado no mesmo período do ano anterior.

Dados que ainda serão contabilizados na série histórica mostram a situação nesta tarde de segunda-feira (5): o satélite Aqua detectou 2.706 focos, sendo 913 (34%) no Amazonas, 725 (27%) no Mato Grosso, 638 (24%) em Rondônia, 227 (8%) no Acre, 197 (7%) no Pará e 6 (0,2%) no Maranhão.

Poluição causada pela fumaça em registro de sábado, 3 de setembro de 2022 — Foto: Inpe

Poluição causada pela fumaça em registro de sábado, 3 de setembro de 2022 — Foto: Inpe

Ao contrário das imagens que mostram a situação do solo em tempo quase real, os dados sobre a poluição causada pelas fumaças demoram dois dias para serem consolidados pelo Inpe. Na mais recente (veja acima), feita no sábado (3), é possível visualizar um corredor de poluição cobrindo o Norte, o Centro Oeste e o Sudeste do país. Na imagem, a fumaça aparece em marrom, e os focos de queimadas estão sinalizadas com pequenas cruzes vermelhas aglomeradas.

Queimadas no Pará

Um dos estados mais afetados é o Pará (ver imagens abaixo), onde em apenas quatro dias foram registradas 27% mais queimadas do que em todo o mês de setembro de 2021. No ano passado, foram 3.828 focos de queimadas no mês no Pará. Até domingo, dia 4, os satélites registraram 4.889 pontos de fogo na floresta neste começo de setembro, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Fumaça gerada pelas queimadas cobre o Acre, Amazonas, Bolívia, Rondônia, Mato Grosso e Pará — Foto: Inpe

Fumaça gerada pelas queimadas cobre o Acre, Amazonas, Bolívia, Rondônia, Mato Grosso e Pará — Foto: Inpe

É no Pará que um incêndio resiste a mais de 10 dias em Jacareacanga, no sudoeste do estado. O fogo começou em uma área particular e fugiu do controle, afetando o Refúgio de Vida Silvestre “Rios São Benedito” e “Azul”, chegou ao Onçafari e ao Instituto Raquel Machado, além de provocar a evacuação de pousadas e atingir áreas particulares.

A região atingida pelo fogo fica na divisa do Pará com o Mato Grosso, cerca de 100 km da cidade de Paranaita (MT) às margens do Rio São Benedito, na bacia hidrográfica dos rios Teles Pires e Tapajós, e tem como atrativo o ecoturismo, o turismo de pesca esportiva, além de possuir unidades de conservação, que atrai pesquisadores.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

A inovadora solução da Suécia para lidar com lixo nuclear

O país nórdico planeja enterrar os resíduos nucleares em rochas no subsolo e deixá-los lá para sempre, enquanto os cientistas discutem os riscos e os benefícios dessa estratégia.

Por BBC

Os resíduos nucleares acumulados por décadas na Suécia estão estocados em piscinas de águas incrivelmente claras e iluminadas a cerca de 40 metros de profundidade abaixo da superfície.

Trata-se de uma visão estranhamente bela e assustadora. Longas fileiras de contêineres de metal, cheios de combustível nuclear usado nos reatores deste país nórdico, ficam abaixo da superfície perto da cidade de Oskarshamn, na costa báltica.

Essa estrutura é, ao mesmo tempo, mortal e completamente segura.

Mortal porque este material é intensamente radioativo. E seguro porque ele está a oito metros abaixo da água, uma barreira para lá de eficaz contra a radiação.

Os resíduos podem ser mantidos assim por décadas. Na verdade, esse é o método recomendado para mantê-los.

A radioatividade intensa gera muito calor, e esse tipo de material deve ser resfriado por longos períodos antes de ser transferido para qualquer outro tipo de armazenamento.

Os resíduos

A questão do que fazer com esse lixo é algo que muitos governos vem enfrentando há anos.

O problema nem é a quantidade: mesmo após cerca de 60 anos de programas nucleares com propósitos comerciais e militares, o estoque de resíduos altamente perigosos no Reino Unido, por exemplo, alcança alguns milhares de toneladas, embora também existam várias centenas de milhares de toneladas de resíduos de risco intermediário que precisam ser tratados.

O verdadeiro problema é o tempo.

“Os combustíveis usados ​​são intensamente radioativos, e essa radioatividade leva muito tempo para decair”, explica o professor Neil Hyatt, consultor científico dos Serviços de Resíduos Nucleares do Reino Unido.

“Após cerca de mil anos, cerca de 10% da radioatividade original permanece, e o resto decairá lentamente ao longo de 100 mil anos.”

Esse prazo prolongado cria dificuldades únicas.

“Não podemos confiar no controle institucional para escalas de tempo muito mais longas do que alguns séculos”, aponta Hyatt.

“O Império Romano durou cerca de cinco séculos. A última era glacial terminou há cerca de 10 mil anos.”

“Ou seja, a superfície da Terra e as civilizações humanas estão mudando muito mais rápido do que a taxa na qual a radioatividade desse combustível nuclear gasto pode decair”, explica o especialista.

Para resolver o desafio, a Suécia já chegou às próprias conclusões. O país planeja enterrar os dejetos nucleares em rochas no subsolo — e deixá-los lá para sempre.

Trata-se de um processo conhecido como descarte geológico, e há décadas cientistas do país estudam diferentes formas colocá-lo em prática.

A chave está nas cavernas

Grande parte da pesquisa sobre o tema foi realizada no Laboratório Aspo Hard Rock, uma instalação construída perto de Oskarshamn, no sul do país.

Centenas de metros abaixo da superfície, uma rede de enormes cavernas foi escavada na rocha.

Essa estrutura subterrânea está sendo usado para experimentos, analisando como os resíduos podem ser embalados e enterrados e como os materiais usados ​​podem se degradar com o tempo.

Essa enorme pedra está rachada devido à água salgada, e possui uma espécie de salmoura antiga que flui do Mar Báltico há milhares de anos.

Um ambiente tão úmido não seria adequado para a real instalação de descarte nuclear. Mas, de acordo com Ylva Stenqvist, gerente de projetos da SKB, a operadora nuclear do país, esse é um lugar perfeito para realizar os testes.

“Este local foi escolhido por ser bastante úmido”, explica.

“Se fizermos nossos experimentos em uma área realmente seca, teremos que esperar anos para obter qualquer tipo de resultado.”

“Escolhemos conscientemente esta região para acelerar alguns dos experimentos, para realmente avaliar os materiais e os métodos e ver como eles se comportam num ambiente bastante hostil”, justifica.

A decisão final

No início deste ano, o governo sueco aprovou planos para construir uma estrutura conhecida como disposição geológica real (GDF) em Forsmark, cerca de 150 quilômetros ao norte de Estocolmo.

O projeto deve custar cerca de US$ 1,8 bilhão e criar 1,5 mil empregos. A construção leverá décadas. O trabalho de criar uma estrutura semelhante, no mar Báltico próximo da Finlândia, foi iniciado em 2015.

Esses desenvolvimentos são acompanhados de perto por outros países, como o Reino Unido, que também pretendem construir um GDF, embora as repetidas tentativas de encontrar um local adequado tenham sido prejudicadas pela intransigência política, bem como pela intensa oposição de manifestantes e ambientalistas.

Os esforços atuais para encontrar um local e uma população disposta a hospedar experimentos do tipo seguem uma abordagem “baseada em consentimento”, na qual a agência governamental estabelece parcerias com as comunidades locais para envolvê-las em todo o processo.

Como incentivo, essas comunidades recebem US$ 1,17 milhão em investimentos para iniciativas locais quando se registram, e esse número aumenta para quase US$ 3 milhões se as operações de perfuração profunda acontecerem realmente.

Desde que esse processo começou em 2018, quatro dessas alianças foram criadas.

No entanto, nas áreas onde as associações foram estabelecidas, continua a existir uma forte oposição aos projetos.

“Opomo-nos veementemente à eliminação geológica de resíduos nucleares geradores de calor”, diz Marianne Birkby, do grupo Cumbrian Radiation Free Lakeland, no Reino Unido.

“Os resíduos precisam ficar onde podem ser monitorados, reembalados e recuperados se algo der muito errado”, insiste.

“Abaixo do solo, não haveria absolutamente nenhuma chance de contenção se ocorresse um vazamento.”

Incerteza científica

É improvável que um GDF comece a ser construído logo em outros países. E alguns especialistas questionam se essa estrutura deva mesmo virar realidade.

Entre os críticos está Paul Dorfman, da Unidade de Pesquisa em Políticas Científicas da Universidade de Sussex e presidente do Grupo de Consultoria Nuclear, no Reino Unido.

“O descarte geológico é um conceito, não uma realidade”, avalia.

“Há uma incerteza científica significativa sobre se os materiais usados ​​podem sobreviver às degradações do tempo.”

Ele acredita que o entusiasmo do governo por novas usinas nucleares é o motivo pelo qual se aumentou a pressão para construir um GDF no país.

“Se você não consegue se livrar do lixo, não pode produzir mais, o que significa que a energia nuclear, que é ecologicamente correta, mas depende completamente de novas ideias de como se livrar desse descarte”, completa.

– Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62751324

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Exército chinês faz simulação de ataques a navios de guerra dos EUA, diz Taiwan

Segundo Taipei, exercícios militares das forças de Pequim próximos à costa da ilha estão treinando impedir que embarcações norte-americanas auxiliem Taiwan em caso de uma guerra com a China.

Por g1

China está simulando ataques a navios da Marinha dos Estados Unidos para bloquear ajuda estrangeira em caso de uma eventual guerra com Taiwan , afirmou o Ministério da Defesa taiwanês em um relatório divulgado nesta quinta-feira (1º) sobre os exercícios militares que forças de Pequim têm feito perto da ilha.

Segundo o documento, a China vem fazendo “exercícios de combate para realizar ataques simulados a navios dos EUA que entram na primeira cadeia de ilhas” que fazem parte de Taiwan.

As tensões entre Taiwan e a China aumentaram após uma visita a Taipei no mês passado da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, que enfureceu Pequim. O governo chinês reivindica Taiwan como parte de seu território e, por isso, considerou a viagem de Pelosi uma provocação por parte de Washington.

O Ministério da Defesa de Taiwan, no relatório que foi entregue ao Parlamento taiwanês e revisado pela agência de notícias Reuters, afirma que os exercícios se concentram na primeira cadeia de ilhas taiwanesas, que vai do Japão até Taiwan, Filipinas e Bornéu, que Pequim pretende obter o controle estratégico até 2035.

Os Estados Unidos têm navegado regularmente com navios de guerra no Mar da China Meridional, às vezes perto de ilhas controladas pela China, e também pelo Estreito de Taiwan no que chama de missões de liberdade de navegação que sempre irritam a China.

Pequim ainda não havia se posicionado sobre o relatório até a última atualização desta notícia.

Entenda a importância de Taiwan

A partir deste ano, o ministério disse que a China aumentou sua intimidação militar, incluindo exercícios que visam minar o moral de Taiwan e “forçar negociações com uma guerra” e “forçar uma unificação com armas”.

A China pode usar forças ou agentes especiais para “decapitar” os sistemas de comando de Taiwan e danificar a infraestrutura em um ataque, e é capaz de lançar ataques eletrônicos para interromper as comunicações e os sistemas de comando, disse o relatório datado de quinta-feira.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Censo tem 52,4% dos setores com coleta de dados em andamento; IBGE diz que Pernambuco está em 2º lugar no país

Primeiro balanço dos trabalhos foi divulgado nesta terça (30). No estado, foram recenseadas 3.669.878 pessoas, em 1.279.897 domicílios, entre 1º e 29 de agosto.

Por g1 PE

Entre 1º de agosto e segunda (29), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em Pernambuco atingiu a marca de 52,4% dos setores censitários com coleta de dados em andamento. Isso coloca o estado na segunda posição no país, após o primeiro balanço do Censo 2022. Em primeiro lugar, ficou o Rio Grande do Norte.

De acordo com os dados divulgados nesta terça (30), foram recenseadas 3.669.878 pessoas, em 1.279.897 domicílios. O IBGE informou que Pernambuco tem 17.560 setores censitários.

O instituto explicou que os setores censitários são uma divisão interna para estabelecer a área de trabalho dos recenseadores.

Informou, ainda, que o resultado do primeiro balanço não significa que esses setores estão encerrados nem que mais da metade da população foi coletada.

O balanço aponta que, até agora, entre a população já recenseada, 1.721.988 (46,9%) são homens e 1.947.890 (53,1%) são mulheres.

“Além disso, 41.503 pessoas se declararam indígenas e 29.814 pernambucanos se disseram quilombolas”, informou.

O IBGE ressaltou que os dados apresentados “são uma fotografia do momento”, por causa da ‘complexidade da pesquisa’.

No Brasil, foram entrevistadas 59.616.994 pessoas em mais de 20 milhões de domicílios. Por unidades da Federação, 36,51% dos entrevistados estavam no Nordeste, 35,51% no Sudeste, 11,87% no Sul, 9,44% no Norte e 6,67% no Centro-Oeste.

Detalhes

Ao todo, 89,2% dos domicílios (1.130.402) responderam ao questionário básico e 10,8% (136.382) ao formato ampliado. Isso significa um “percentual consistente” com a amostra definida pelo Instituto.

A maior parte dos questionários (99,7%) foi respondida de forma presencial, 1.442 domicílios optaram por responder pela internet e 1.689 pelo telefone.

O tempo médio de preenchimento chegou a seis minutos para o questionário básico e de 18 minutos para o questionário ampliado.

Até agora, 1,86% dos domicílios em todo o estado se recusou a responder o Censo 2022. Para o IBGE, é esperada uma redução desse percentual até o final da operação, após aplicados todos os protocolos de coleta.

“Muitas dessas recusas têm se concentrado em locais como condomínios verticais ou localidades de alto padrão, informou o IBGE.

Alerta

O IBGE aproveitou a divulgação parcial dos dados do censo para ressaltar como é feita a coleta das informações.

É que os recenseadores têm enfrentado dificuldades na para trabalhar em alguns locais do Grande Recife por causa da desconfiança de moradores.

De acordo com o instituto, os recenseadores se apresentam sempre uniformizados, com o colete do IBGE e boné do Censo 22, além de crachá de identificação.

O instituto informou que é possível confirmar a identidade do agente no site Respondendo ao IBGE ou pelo telefone 0800 721 8181.

O entrevistador também tem um QR code que leva à área de identificação no site. Para realizar a confirmação, o cidadão deve fornecer o nome, matrícula ou CPF do agente.

Após receber o recenseador no domicílio, é possível optar por um melhor horário ou dia para responder, como também realizar a pesquisa por telefone ou pela internet.

“Ressaltamos que o IBGE, em hipótese alguma, solicita dados bancários, números de cartão de crédito, senhas via aplicativos de mensagens nem pede a assinatura de qualquer termo por parte do informante”, afirmou.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

PF e MPF fazem operação contra quadrilha suspeita de cobrar propina de empresários da área da saúde

Os investigadores estimam que o grupo criminoso tenha causada um prejuízo de R$ 664 milhões.

Por g1 Rio

Agentes da Polícia Federal (PF) saíram às ruas, na manhã desta quarta-feira (10), para desarticular uma quadrilha suspeita de cobrar propina de empresários do ramo hospitalar. Os investigadores estimam que o prejuízo causado pelos criminosos chegue a R$ 664 milhões.

O esquema, segundo informações da PF, ocorreu entre 2014 e 2019, e envolveu a gestão de uma operadora de planos de saúde para servidores públicos.

Nesta manhã, cerca de 40 policiais foram a endereços no Rio e em Petrópolis, na Região Serrana, cumprir nove mandados de busca e apreensão.

As ordens judiciais foram expedidas pela 2ª Vara Federal Criminal.

A Justiça Federal também determinou que fossem sequestrados bens e valores que cheguem à soma de R$ 664 milhões – o que segundo a investigação equivale ao prejuízo causado pela quadrilha.

A ação desta quarta foi batizada de “Operação Glosa”. O nome faz referência a um ato administrativo para checar se procedimentos hospitalares estão de acordo com os protocolos estabelecidos pela unidade de saúde e pela operadora.

Quando ocorre a glosa de determinado item, o pagamento por ele não é feito.

Pagamentos mais rápidos

A investigação aponta que, em troca de propinas, os integrantes da quadrilha:

  • aceleravam pagamentos a hospitais,
  • deixavam de bloquear valores
  • e facilitavam o reajuste de tarifas de hospitais também suspeitos de integrar o esquema.

Os policiais federais e procuradores da República que investigaram o grupo criminoso afirmam que a quadrilha recebeu “dezenas de milhões de reais ao longo de cinco anos por meio de propina”.

O pagamento ocorria, de acordo com a apuração, em “percentuais previamente definidos e aplicado sobre o faturamento da empresa com a operadora do plano de saúde”.

A PF informou que criminosos vão responder por corrupção passiva , corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Rentabilidade dos bancos se recupera em 2021 e lucro bate recorde, revela Banco Central

Informações constam do Relatório de Estabilidade Financeira do 1º semestre. De acordo com BC, análises indicam que ‘não há risco relevante para a estabilidade financeira’.

Por Alexandro Martello, g1 — Brasília

A rentabilidade das instituições financeiras se recuperou no ano passado, após tombo registrado em 2020 com a pandemia da Covid-19, e o lucro dos bancos bateu recorde no último ano.

As informações foram divulgadas pelo Banco Central nesta terça-feira (9) por meio do Relatório de Estabilidade Financeira.

Segundo o BC, o chamado retorno sobre o patrimônio líquido do sistema bancário nacional alcançou 15,1% em dezembro do ano passado, contra 11,5% no fechamento de 2020 (quando caiu por conta dos efeitos da pandemia).

Em meados do ano passado, a rentabilidade dos bancos já havia retornado ao patamar pré-pandemia.

O aumento da rentabilidade dos bancos foi registrado em um ano de alta na taxa básica de juros pelo Banco Central, na tentativa de conter as pressões inflacionárias. A taxa Selic avançou de 2% ao ano, em janeiro de 2021, para 9,25% ao ano no fechamento do ano passado.

O juro bancário médio de pessoas física e empresas, por sua vez, registrou em 2021 a maior alta em 6 anos, ao atingir 33,9% ao ano. Essa taxa não considera os setores habitacional, rural e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Lucro recorde

De acordo com o relatório do BC, o lucro líquido dos bancos somou R$ 132 bilhões e bateu novo recorde no ano passado. A série histórica do Banco Central para este indicador começa em 1994.

De acordo com o Banco Central, após recuperação em 2021, os resultados do sistema financeiro nacional “devem evoluir de forma mais moderada”.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

PF alerta para golpe que utiliza nome do PicPay e promete R$ 200 via PIX; saiba como se proteger

De acordo com alerta feito pela Superintendência Regional da Polícia Federal em Pernambuco, golpistas enviam link ‘malicioso’ via WhatsApp e oferecem promoção falsa de aniversário do PicPay.

Por g1 PE

Golpistas usam o nome da PicPay para prometer R$ 200 via pix e enganar as pessoas — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Golpistas usam o nome da PicPay para prometer R$ 200 via pix e enganar as pessoas — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Um novo golpe aplicado por meio de plataformas de mensagens privadas utiliza o nome da empresa de serviços financeiros PicPay para prometer R$ 200 via PIX e enganar as pessoas.

De acordo com um alerta feito pela Superintendência Regional da Polícia Federal em Pernambuco, golpistas enviam um link “malicioso” via WhatsApp e oferecem a promoção falsa de aniversário do PicPay.

Os criminosos pedem que as pessoas respondam quatro perguntas gerais e, ao final, compartilharem um link com amigos no aplicativo de mensagens.

Depois que as perguntas são respondidas, é enviada uma mensagem de parabéns, afirmando que a pessoa ganhou R$ 200, via PIX, e pedindo que siga orientações como clicar em um botão, selecionar grupos de WhatsApp e enviar mensagens.

“Envie nossa promoção de aniversário para seus amigos ou grupos até que a barra abaixo esteja completa. Após enviar, volte para essa página para continuar com seu PIX. Assim que você completar a barrinha, clique em Receber Pix Agora!”, diz o texto preparado pelos golpistas.

Para dar veracidade a essa mensagem, eles chegam a exibir relatos falsos em redes sociais de supostas pessoas que já receberam os R$ 200 via PIX. Por nota, a PF reforçou que, como em tantos outros casos, a promoção que está circulando em nome da PicPay é falsa.

“Todo o modus operandi, com mensagem chamativa, site com domínio estranho [russo], quiz genérico e pedido de compartilhamento denota um golpe muito parecido com tantos outros. Com o intuito de roubar dados, às vezes com softwares maliciosos nas páginas”, informou, no comunicado.

A Polícia Federal lembrou que, além de serem vítimas, as pessoas podem terminar espalhando a fraude ao compartilhar o link com os seus contatos.

“O perigo dessa barra ser preenchida é que ela pode estar instalando no celular um programa espião [malware] que vai dominar o teclado, a câmera, o microfone e ter acesso a todos os dados pessoais e financeiros e todas essas informações estarão sendo repassadas automaticamente para o bandido”, informou.

Quando as vítimas se dão conta, são surpreendidas com empresas e contas em seu nome que não fizeram e dívidas que não contraíram.

Em alguns casos, os criminosos chegam bloquear totalmente o celular instalando um programa [ransomware] para que ele fique sem funcionar até que se pague um valor em dinheiro.

Saiba como se proteger

  • Desconfie antes de clicar em links de mensagens recebidas nas redes sociais;
  • Não compartilhe links duvidosos com seus contatos sem antes saber se são autênticos;
  • Cuidado com o imediatismo de mensagens como: agendamentos liberados até hoje, último dia para o saque, urgente, não perca essa oportunidade;
  • Certifique-se no site oficial da empresa ou órgão governamental sobre a veracidade do que está sendo oferecido;
  • Nunca preencha nenhum cadastro, formulário ou pesquisa fornecendo seus dados financeiros ou pessoais através de links enviados por redes sociais;
  • Ao entrar em uma página verifique se existe um cadeado cinza no canto superior esquerdo atestando que sua conexão não foi interceptada e o site está criptografado para impedir golpes;
  • Links que levem direito ao cadastro tem que haver o HTTPS onde o “S” corresponde a uma camada extra de segurança.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

‘Não temos que nos envolver’, diz general que preside Superior Tribunal Militar sobre eleições

Forças Armadas devem garantir processo legítimo e com respaldo popular, afirma general Gomes Mattos. Ministério da Defesa tem encampado ataques de Bolsonaro às eleições.

Por Márcio Falcão e Fernanda Vivas, TV Globo — Brasília

General Luís Carlos Gomes Mattos em sessão do Superior Tribunal Militar, em 2021 — Foto: STM/Divulgação

General Luís Carlos Gomes Mattos em sessão do Superior Tribunal Militar, em 2021 — Foto: STM/Divulgação

O presidente do Superior Tribunal Militar, general Luís Carlos Gomes Mattos, afirmou nesta quarta-feira (27) que a instância responsável pelo funcionamento das eleições é a Justiça Eleitoral.

Segundo Mattos, a missão das Forças Armadas é diferente: garantir que o processo seja legítimo e tenha respaldo popular.

“Nós temos uma Justiça Eleitoral, e ela é a responsável pelo funcionamento real daquilo [eleições]. Nossa missão é diferente, não temos que nos envolver. Temos que garantir que o processo seja legítimo e tudo. Essa é a missão das Forças Armadas”, afirmou Gomes Mattos a jornalistas na cerimônia em que se despediu do tribunal.

Nos últimos meses, o presidente Jair Bolsonaro tem usado o Ministério da Defesa – convidado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para a comissão de transparência das eleições – para encampar suspeitas infundadas sobre as urnas eletrônicas e propor alterações, já incorporadas ou rejeitadas, ao sistema eleitoral.

Questionado sobre a preocupação com a violência política durante o período eleitoral, Gomes Mattos afirmou que o fenômeno “é do nosso país, é do mundo”.

O general reforçou ainda que os militares “vão atuar dentro daquilo que está previsto para garantir que aquele processo [eleitoral] seja legítimo, e realmente que tenha respaldo popular”.

Gomes Mattos conversou com jornalistas após a solenidade de despedida do STM. O general vai se aposentar compulsoriamente ao completar 75 anos – idade máxima permitida para o cargo.

Luís Carlos Gomes Mattos ingressou no Superior Tribunal Militar em 19 de outubro de 2011 e estava na presidência da Corte desde 17 de março de 2021. O ministro citou como legado o maior reconhecimento da Justiça Militar.

Fachin diz que Justiça Eleitoral não irá tolerar violência nas eleições

Ataques às urnas

Nos últimos meses, o presidente Jair Bolsonaro – candidato à reeleição – tem feito uma série de ataques, sem fundamentos, às eleições e à segurança das urnas.

Parte desses questionamentos foi encaminhada também pelo Ministério da Defesa ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no âmbito da Comissão de Transparência das Eleições, criada em 2021. O TSE acolheu parte das sugestões e, ao rejeitar três pontos, apontou limitações técnicas e justificativas.

Na última semana, o blog do Valdo Cruz no g1 mostrou que militares do Alto Comando do Exército entraram em contato com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para informar que não endossam as tentativas de desacreditar as urnas eletrônicas. O grupo se disse insatisfeito com a postura do ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira.

Além da insistência nas sugestões enviadas ao STM, Bolsonaro tem feito ataques às eleições em outras ocasiões. No último dia 18, o presidente usou o Palácio da Alvorada e a estrutura do governo para apresentar, a embaixadores de vários países, suspeitas já desmentidas por órgãos oficiais sobre o tema.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Ataques sem provas de Bolsonaro às urnas eletrônicas: o que dizem os pré-candidatos à Presidência

Presidente usou Palácio da Alvorada e estrutura do governo para questionar o processo eleitoral e atacar o rival Lula e ministros do Supremo Tribunal Federal.

Por g1

Pré-candidato à reeleição, o presidente Jair Bolsonaro (PL) usou nesta segunda-feira (18) o Palácio da Alvorada e a estrutura do governo a fim de organizar uma apresentação para embaixadores de vários países na qual repetiu suspeitas já desmentidas por órgãos oficiais sobre as eleições de 2018 e a segurança das urnas eletrônicas.

Ele também aproveitou o evento para atacar o adversário Luiz Inácio Lula da Silva (PT), pré-candidato à Presidência e primeiro colocado em todas as pesquisas de intenção de voto, e os ministros Edson Fachin (presidente do Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Lula, Ciro Gomes (PDT), André Janones (Avante) e Simone Tebet (MDB) criticaram as declarações de Bolsonaro. Veja o que disseram a respeito:

Lula (PT)

O ex-presidente criticou Bolsonaro por contar “mentiras contra nossa democracia”:

“É uma pena que o Brasil não tenha um presidente que chame 50 embaixadores para falar sobre algo que interesse ao país. Emprego, desenvolvimento ou combate à fome, por exemplo. Ao invés disso, conta mentiras contra nossa democracia.”

Ciro (PDT)

Ciro defende o impeachment pelo novo ataque de Bolsonaro às urnas eletrônicas:

“Depois do horrendo espetáculo promovido, hoje, por Bolsonaro, ele não pode ser mais presidente de uma das maiores democracias do mundo ou o Brasil não pode mais se dizer integrante do grupo de países democráticos. Nunca, em toda a história moderna, o presidente de um importante país democrático convocou o corpo diplomático para proferir ameaças contra a democracia e desfilar mentiras tentando atingir o Poder Judiciário e o sistema eleitoral. Bolsonaro cometeu vários crimes de responsabilidade e temos que buscar instrumentos legais para retirá-lo do cargo. Sei que se trata de uma tarefa delicada porque temos uma figura como Arthur Lira na presidência da Câmara, a quem caberia dar andamento a um pedido de impeachment. Não há mais paciência política nem armadura institucional capazes de suportar tamanho abuso. Muito menos complacência de se interpretar organização clara e deliberada de golpe como arroubos retóricos ou desatinos de um presidente desqualificado.”

Janones (Avante)

André Janones alertou para o risco de Bolsonaro não aceitar a derrota e tentar um golpe:

“Se o presidente não sofrer nenhuma consequência por seus atos criminosos na data de hoje, ele vai ter certeza absoluta de que poderá fazer qualquer coisa. De demonizara pleito, a tentar um golpe”.

Tebet (MDB)

Simone Tebet disse que o discurso de Bolsonaro a embaixadores fez o Brasil passar “vergonha diante do mundo”.

“O Brasil passa vergonha diante do mundo. O presidente convocou embaixadores e utilizou de meios oficiais e públicos para desacreditar mais uma vez o sistema eleitoral brasileiro. Reforço minha confiança na Justiça Eleitoral e no sistema de votação por urnas eletrônicas”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.