Centenas de perfis falsos teriam tentado influenciar eleições no Brasil  

LUCAS CARVALHO

Do Olhar Digital

Uma extensa reportagem publicada nesta sexta-feira, 8, pela BBC Brasil denuncia a existência de um suposto “exército” de perfis falsos em redes sociais que teriam sido usados para influenciar eleições no Brasil em ao menos duas ocasiões.

A estratégia seria a mesma que agentes russos usaram para manipular o debate online nas eleições dos EUA no ano passado, e que obrigou Mark Zuckerberg a pedir desculpas pelo papel do Facebook nessa história. Aparentemente, a mesma ideia está em prática no Brasil desde 2012.

A reportagem da BBC Brasil identificou diversos ex-funcionários de uma empresa que disseram ter sido pagos para criar perfis falsos no Facebook e no Twitter. Esses perfis eram encarregados de elogiar certos políticos e criticar seus oponentes em períodos de eleição.

O salário dos chamados “ativadores” ia de R$ 800 a R$ 2.000 por mês. Um deles chegou a gerenciar 17 perfis ao mesmo tempo no Facebook. Além de postar a favor e contra certos políticos, ele precisava também fazer postagens genéricas, como “bom dia”, “boa noite” e comentários do cotidiano, para driblar o sistema anti-fakes do Facebook.

Além disso, os fakes também adicionavam pessoas reais para influenciar o debate nas redes. A prática é um pouco diferente da utilizada pelos chamados bots, que são perfis gerenciados por máquinas e programados para influenciar determinados assuntos online, inflando o volume de certas hashtags, por exemplo.

Neste caso, porém, o que esta empresa teria usado são os chamados “ciborgues”: perfis robôs gerenciados por humanos, e não por um programa de computador. Desse modo, eles tinham menos chances de serem pegos no pente fino do Facebook e ainda tinham mais chance de enganar outros usuários.

De acordo com a BBC Brasil, ao menos 13 políticos brasileiros teriam se beneficiado destas ações de fakes. No entanto, “não há evidências de que os políticos soubessem” da atuação dessa empresa. Os nomes citados pelos perfis falsos incluem os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Renan Calheiros (PMDB-AL) e o atual presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

A empresa supostamente responsável pelo tal exército fake seria a Facemedia, uma agência de comunicação digital sediada no Rio de Janeiro. O empresário Eduardo Trevisan, dono da companhia, negou que tenha contratado pessoas para criar perfis fakes e manipular o debate político nas redes dessa forma.

“A gente nunca criou perfil falso. Não é esse nosso trabalho. Nós fazemos monitoramento e rastreamento de redes sociais”, disse Trevisan à BBC Brasil. “Os serviços em campanhas eleitorais prestados pela Facemedia estão descritos e registrados pelo TSE, de forma transparente. Por questões éticas e contratuais, a Facemedia não repassa informações de clientes privados.”

Os políticos e partidos citados também negaram saber do que se trata o tal exército de fakes, mas alguns admitiram ligação com a Facemedia. A assessoria do PSDB disse que contratou a empresa de Trevisan em 2014 para o “monitoramento e análises de movimentos e tendências em redes sociais”, e que “desconhece o suposto uso de perfis falsos”.

Eunício Oliveira, Renan Calheiros e Aécio Neves disseram que não conhecem a Facemedia e nem têm conhecimento do uso de perfis falsos em campanhas do tipo. Ainda de acordo com a reportagem, há risco de essa tática ser enquadrada no crime de falsidade ideológica.

Facebook e Twitter dizem que perfis falsos são proibidos e que atuam para derrubar o maior número possível deles. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no entanto, ainda não definiu regras claras sobre o que pode e o que não pode ser feito em termos de campanha eleitoral nas redes sociais.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

EUA ordenam a revelação de identidade de 14 mil usuários de bitcoins  

RENATO SANTINO

Do Olhar Digital

A comunidade de investidores e especuladores em bitcoin ficou surpresa nesta semana com o anúncio de que a Coinbase, uma das maiores casas de corretagem de criptomoedas, recebeu uma intimação do governo dos Estados Unidos para revelar a identidade de todos os usuários que movimentaram mais de US$ 20 mil em suas contas nos anos entre 2013 e 2015.

Como informa o site The Verge, a ordem do IRS (órgão equivalente à Receita Federal nos EUA) solicita a revelação de todas as pessoas que compraram, venderam, enviaram ou receberam quantias iguais ou superiores a US$ 20 mil, o que corresponde a 14.355 usuários, segundo a Coinbase.

A decisão sacode o mercado de bitcoins justamente pela promessa de anonimato, ainda que ela deixe de ser anônima a partir do momento em que você leva a moeda para uma casa de câmbio para trocá-la por dinheiro convencional. Além disso, os maiores entusiastas das criptomoedas veem na tecnologia uma forma justamente de se livrar das amarras de um governo, criando uma moeda descentralizada.

O problema é que muitos não estariam declarando seus ganhos com criptomoedas em suas declarações de imposto de renda. A Coinbase diz ter 6 milhões de usuários, mas apenas 1.000 cidadãos americanos declararam ter posse de moedas como a bitcoin em suas contas, o que é uma grande discrepância. O IRS diz que a medida não é uma ação contra nenhuma pessoa específica.

Na ordem judicial, o órgão governamental solicitou informações como nome, data de nascimento, endereço, número de identificação do contribuinte e um registro de todas as atividades na conta, o que é o suficiente para saber exatamente quem está movimentando quanto dinheiro com bitcoins. Isso dito, a ordem inicial era ainda mais ampla, mirando absolutamente todos os usuários, e não apenas os que movimentaram mais de US$ 20 mil.

A ação é apontada como um dos motivos causadores da queda súbita da bitcoin nas últimas 24 horas. Depois de romper os US$ 11 mil e chegar a uma máxima de US$11,3 mil, a moeda viu uma desvalorização repentina de cerca de 20%, chegando à casa US$ 9.000.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Google hospedou anúncio que usava nome da Amazon para aplicar golpe  

LEONARDO PEREIRA

Do Olhar Digital

Hackers usaram a credibilidade de Amazon, Google, Facebook e Microsoft para aplicar um engenhoso golpe na quinta-feira que antecedeu a Black Friday, na semana passada.

Internautas que procuravam o link para o site da Amazon nos Estados Unidos encontravam um anúncio no topo do buscador do Google que, embora parecesse legítimo, era a porta de entrada para o esquema.

Conforme revelado pela CBS, o anúncio redirecionava o internauta para um aplicativo que rodava dentro de uma página no Facebook. O app, então, redirecionava para uma página falsa de suporte da Microsoft que alertava a pessoa sobre uma falsa infecção por malware.

Essa página continha um telefone de suporte. Quando a pessoa ligava, o atendente dizia que precisaria controlar a máquina remotamente para resolver o problema — e que isso custaria US$ 149,99.

Todo esse malabarismo foi feito para contornar os sistemas de detecção do Google. Como o anúncio redirecionava para um link legitimamente hospedado no Facebook, o buscador não viu problemas. E como o app não continha nenhum vírus, o Facebook também não viu problemas.

O Google não informou quantas pessoas foram impactadas pelo anúncio fraudulento e nem explicou como alguém conseguiu alcançar o topo das buscas — algo que não costuma sair barato para anunciantes.

A tal publicidade foi tirada do ar e a conta responsável, banida do Google. A página que hospedava o app no Facebook também não está mais operando.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Hemope celebra 40 anos e homenageia grandes doadores de sangue

Por G1 PE

Hemope celebra 40 anos de fundação, em 2017 (Foto: Reprodução/Google Street View)

Hemope celebra 40 anos de fundação, em 2017 (Foto: Reprodução/Google Street View)

A partir desta segunda-feira (20), o Hemocentro de Pernambuco (Hemope) dá início a uma série de eventos para marcar a Semana do Doador. Em 2017, a instituição celebra 40 anos de fundação e, por isso, vai homenagear mais de 380 pessoas que doaram sangue entre 25 e 100 vezes. A campanha deste ano terá como mote “O Hemope e você juntos, 40 anos salvando vidas”.

Na quarta-feira (22), a Assembleia Legislativa do Estado (Alepe) realiza, a partir das 18h, uma homenagem ao hemocentro. Durante a solenidade, haverá o depoimento de um doador fidelizado de sangue e plaquetas, além da fala de uma ex-paciente que foi salva por meio de uma transfusão sanguínea.

Na sexta-feira (24), está prevista uma cerimônia no auditório da Secretaria de Saúde (SES), no Recife. Haverá uma homenagens ao servidor mais antigo da casa, ao doador com o maior número de doações, a um paciente tratado no Hospital de Hematologia, além de um parceiro representando a importância da contribuição solidária. Todos receberão um certificado de agradecimento.

Importância

O sangue é um recurso essencial, tanto para tratamentos planejados como para intervenções urgentes. Ajuda os pacientes que sofrem de doenças crônicas graves a viver por mais tempo e com mais qualidade, além de servir de apoio para procedimentos médicos e cirúrgicos complexos. Ele também é vital para tratar de feridos durante todos os tipos de emergência.

Como doar

Para doar sangue, a pessoa deve ter entre 16 anos e 69 anos e 11 meses (59 anos e 11 meses para a primeira doação). Os menores de 18 anos precisam da presença do responsável legal (pai ou mãe), bem como levar xerox da identidade.

É necessário ter mais de 50 kg, estar alimentado e em boas condições de saúde, além de apresentar um documento original, com foto. São exemplos: identidade, carteira de habilitação ou carteira de trabalho. Crachás não são aceitos. Também é necessário respeitar os intervalos entre as doações de sangue, que são de três meses, para homens, e quatro meses, para mulheres.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Esquema para justificar troca de tornozeleira eletrônica de ex-prefeito de Catende envolve políticos, diz polícia

Por Bruno Fontes e Wagner Sarmento, TV Globo

 

A Polícia Civil descobriu que políticos e secretários do governo estadual ajudaram o ex-prefeito de Catende, Otacílio Alves Cordeiro (PSB), a omitir que a tornozeleira eletrônica utilizada por ele durante a prisão domiciliar foi trocada mesmo sem apresentar defeito. O ex-chefe da administração desse município da Zona da Mata Sul de Pernambuco foi um dos presos da Operação Tsunami, deflagrada em junho de 2016, e deixou de cumprir a determinação judicial para usar o dispositivo de monitoramento, segundo a corporação.

Durante o período da operação, Otacílio foi acusado pela Polícia Civil de ter desviado R$ 15 milhões de contratos de licitações. Na época, os policiais encontraram, na casa do prefeito e no posto de gasolina do filho dele, armas e R$ 1 milhão. Também foram apreendidos documentos de operações bancárias. Ao receber voz de prisão, o político passou mal e foi socorrido para um hospital no Recife em uma ambulância.

Depois de ser preso, Otacílio Alves Cordeiro passou 19 dias no Centro de Observação e Triagem Professor Everaldo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. De acordo com a defesa dele, o ex-gestor do município de Catende tinha problemas de saúde, era idoso e podia esperar o julgamento do processo em prisão domiciliar. Com o pedido acatado pela Justiça, Otacílio seguiu para casa com uma tornozeleira eletrônica, para ser monitorado pela Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres).

Armas apreendidas na casa do prefeito de Catende na época da Operação Tsunami (Foto: Artur Ferraz/ G1 PE)

Armas apreendidas na casa do prefeito de Catende na época da Operação Tsunami (Foto: Artur Ferraz/ G1 PE)

De acordo com um documento da Seres, a tornozeleira eletrônica usada pelo ex-prefeito estava sem o sinal de localização no dia 5 de julho porque Otacílio não estaria carregando a bateria do equipamento. No dia 6 do mesmo mês, ele foi chamado ao Centro de Monitoramento de Reeducandos, no Recife, e foi advertido sobre as violações nas regras de monitoramento.

No mesmo documento da Seres, o secretário executivo de ressocialização, Cícero Márcio, afirmou que, apesar de não haver nenhum defeito na tornozeleira eletrônica, foi realizada a troca do equipamento por uma questão administrativa. Dessa forma, Otacílio voltou para casa com um novo dispositivo. No dia 13 de julho, segundo a Seres, o novo equipamento deixou de funcionar e, por 20 minutos, o ex-prefeito não foi localizado. Diante disso, a prisão domiciliar foi revogada e ele voltou para o Cotel.

Investigações policiais

Com a chegada desses documentos ao Fórum Thomás de Aquino, no Recife, a Polícia Civil descobriu a interferência de políticos e secretários do governo a favor do ex-prefeito de Catende. No inquérito policial, o filho de Otacílio, Paulo Cordeiro, pediu ao secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, um ofício dizendo que houve a troca da tornozeleira. O documento, no entanto, não saiu da forma desejada pelo parente do ex-gestor.

Ainda no inquérito da Polícia Civil, o secretário executivo de Ressocialização, Cícero Márcio de Souza Rodrigues, disse que não atendeu ao pedido de Paulo Cordeiro, mas depois, a pedido de Pedro Eurico, retirou a frase que “desagradava o ex-prefeito de Catende”.

Em depoimento, Cícero Rodrigues afirmou que ele e Pedro Eurico chegaram a um consenso para retirar a frase “apesar de não haver nenhum defeito técnico, por uma questão de rotina administrativa, foi realizada a troca de equipamento de monitoramento”. Eles também concordaram que o novo ofício teria a mesma data do primeiro documento, emitido em 15 de julho de 2016.

No texto do segundo documento, o motivo da troca do equipamento não fica claro. Segundo as investigações, o filho do ex-prefeito, Pedro Cordeiro, recebeu a ajuda de um coronel aposentado da Polícia Militar, Adalberto Carvalho de Souza, e de Geílson Sátiro dos Santos e André Magno Guimarães, ambos funcionários de uma empresa que presta serviço ao Tribunal de Justiça de Pernambuco, para que eles trocassem os documentos.

De acordo com o inquérito, os dois funcionários, procurados pelo oficial, não efetuaram a troca. Ao final das investigações, a polícia indiciou o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico; o secretário executivo de Ressocialização, Cícero Rodrigues; o filho do ex-prefeito de Catende, Paulo Cordeiro; o coronel Adalberto Carvalho de Souza e os funcionários da prestadora de serviço ao TJPE, Geílson Sátiro e André Magno.

O processo foi remetido ao Ministério Público e, na decisão enviada ao Tribunal de Justiça, o subprocurador geral do estado, Clênio Valença Avelino de Andrade, denunciou os indiciados por organização criminosa. O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, não foi indiciado por falta de provas, segundo o MPPE.

Respostas

Procurado pela reportagem, o secretário executivo de ressocialização, Cícero Márcio de Souza Rodrigues, não quis falar sobre o assunto, e afirmou que o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, poderia falar por ele.

“Eu fui procurado pelos advogados no meu gabinete e o que foi solicitado é que se declarasse claramente, de forma inequívoca, que a tornozeleira estava sem defeito. Depois identificamos que havia um defeito e a empresa corroborou com essa afirmativa, daí porque se fez um novo documento”, explica Pedro Eurico.

Ainda segundo o secretário, a preparação de um novo documento não teve o objetivo de privilegiar o ex-prefeito de Catende. “Não houve nenhuma tentativa de beneficiar ou privilegiar quem quer que seja. Neste caso, estou muito à vontade porque fui excluído, porque se comprovou claramente que não pratiquei nenhum ilícito”, assegura.

Secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, diz que defeito em tornozeleira foi comprovado posteriormente (Foto: Marina Meireles/G1)Secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, diz que defeito em tornozeleira foi comprovado posteriormente (Foto: Marina Meireles/G1)

Secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, diz que defeito em tornozeleira foi comprovado posteriormente (Foto: Marina Meireles/G1)

A reportagem não conseguiu contato com o coronel Adalberto Carvalho de Souza e com os funcionários da empresa que presta serviço ao TJPE, Geílson Sátiro dos Santos e André Magno Guimarães dos Santos.

Por meio de nota, o Tribunal de Justiça afirmou que, enquanto não há decisão referente ao recebimento da denúncia contra Geílson Sátiro dos Santos e André Magno Guimarães dos Santos, eles permanecem atuando normalmente nas funções da autarquia. Ainda no texto, o TJPE esclareceu que o processo que tramita na comarca de Catende contra Otacílio Alves Cordeiro, Maria José Alves Cordeiro, Ronaldo Alves Cordeiro e Paulo Alves Cordeiro está em fase de apresentação de defesa prévia para fins de recebimento da denúncia.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Homem é preso com 2,8 toneladas de maconha escondidas em fundo falso de caminhão

Por G1 PR

Homem foi preso em flagrante; droga estava escondida em um fundo falso no caminhão  (Foto: Divulgação/PRF )

Homem foi preso em flagrante; droga estava escondida em um fundo falso no caminhão (Foto: Divulgação/PRF )

Um homem foi preso em flagrante com 2,8 toneladas de maconha nesta segunda-feira (13) em Marechal Cândido Rondon, no oeste do Paraná. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a droga estava escondida em um fundo falso de um caminhão com carga de frango.

Além da maconha, os policiais também apreenderam uma metralhadora calibre 9 milímetros, 450 cápsulas de munição e quatro frascos de anabolizantes.

Esta é a terceira maior apreensão já feita pela corporação desde o início do ano, segundo a PRF.

A maior apreensão foi registrada no último dia 26 de julho, em Toledo, quando 4,3 toneladas de maconha foram apreendidas.

O motorista disse aos policiais que saiu de Caarapó, no Mato Grosso do Sul, e que entregaria os produtos em Sorocaba, em São Paulo.

Maconha foi apreendida em Marechal Cândido Rondon  (Foto: Divulgação/PRF)

Maconha foi apreendida em Marechal Cândido Rondon (Foto: Divulgação/PRF)

Maconha abandonada em área rural

Policiais da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) também apreenderam 1,5 tonelada de drogas entre a tarde de segunda e madrugada desta terça-feira (14) em Céu Azul, no oeste do Paraná.

Na primeira apreensão, os policiais encontraram uma tonelada de maconha abandonadas em uma área rural. Ninguém foi preso.

A segunda apreensão foi feita após uma denúncia anônima de que havia droga escondida em um caminhão em um posto de combustíveis. No local, os policiais apreenderam mais 500 quilos de maconha.

O motorista disse que levaria o entorpecente para São Paulo. Ele foi autuado em flagrante por tráfico de drogas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Integrante do MST é morto a golpes de facão em assentamento de Caruaru, PE

Por G1 Caruaru

Corpo do jovem integrante do MST foi encontrado neste galpão na noite da segunda-feira (6), em Caruaru (Foto: Reprodução/TV Asa Branca)

Corpo do jovem integrante do MST foi encontrado neste galpão na noite da segunda-feira (6), em Caruaru (Foto: Reprodução/TV Asa Branca)

Um jovem de 23 anos foi morto a golpes de facão em um assentamento do Movimento Sem Terra (MST) em Caruaru, Agreste de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar, a vítima, que era integrante do MST, estava desaparecida desde o domingo (5). O corpo foi encontrado na noite da segunda-feira (6) em um galpão da comunidade.

Parentes e amigos do jovem informaram que ele havia saído de casa no domingo para ir à missa e não retornou. A comunidade onde a vítima morava tem cerca de 40 famílias.

À TV Asa Branca, os amigos do jovem disseram que ele era atuante no MST, participava de cursos e ajudava a comunidade. Por meio de nota, o MST informou que vai exigir a apuração dos fatos e também pediu agilidade nas investigações.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

App falso se passando pelo WhatsApp teve mais de 1 milhão de downloads  

RENATO SANTINO

Do Olhar Digital

Um dos pontos fortes do Android é a liberdade para publicação de aplicativos no Google Play. No entanto, a mesma liberdade pode ser vista como um ponto negativo. Um exemplo é um aplicativo chamado “Update WhatsApp” publicado por um desenvolvedor chamado “WhatsApp Inc.” que enganou pelo menos 1 milhão de pessoas.

Como você deveria suspeitar, não se trata do aplicativo verdadeiro do WhatsApp, mas algo que tenta enganar os usuários na loja do Google replicando tanto o nome do app quanto do desenvolvedor. Vale notar também que os criadores do app falso mascararam o título da “empresa” como “WhatsApp Inc.”, mas incluíram um símbolo unicode invisível após o nome para diferenciar da empresa original sem permitir que o usuário percebesse.

O app falso foi alvo de uma campanha de denúncias por parte de usuários do Reddit, que fizeram o caso ganhar notoriedade, o que forçou o desenvolvedor a se mexer e mudar o nome do aplicativo. O aplicativo passou de “Update WhatsApp Messenger” para “Dual Whatsweb Update”; o nome do desenvolvedor mudou para “Live Update Apps”. No entanto, o Google parece ter agido e agora o app está inacessível.

Reprodução

Depois de instalado, o aplicativo tenta se esconder no celular sem apresentar um título e ostentando um ícone em branco. Ele também é capaz de baixar um segundo APK, chamado “whatsapp.apk”, que provavelmente é um aplicativo funcional para o usuário conseguir acessar o serviço e não perceber seu engano.

Isso dito, o estrago que o app causa poderia ser maior. O aplicativo falso tinha como objetivo gerar receita para seus desenvolvedores por meio de publicidade, e não parece tentar roubar informações para desfalcar suas vítimas. Normalmente as pessoas que caem nesse tipo de golpe acabam tendo um destino muito mais complicado.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Duas americanas são resgatadas após meses perdidas no oceano Pacífico

Por France Presse

 

 

Duas americanas e seus cães foram resgatados após passar meses perdidas no oceano Pacífico, informou a Marinha dos Estados Unidos nesta quinta-feira.

Jennifer Appel, Tasha Fuiaba e seus dois cães partiram do Havaí na primavera boreal, para uma viagem de mais de 2 mil milhas (3.200 km) em direção ao Taiti a bordo de um veleiro.

No dia 30 de maio ocorreu uma pane no motor, mas as navegantes apostaram em concluir a viagem apenas com as velas.

“Mas após dois meses de travessia e passado o tempo estimado para chegar ao Taiti, elas começaram a enviar pedidos de socorro”, informou a Sétima Frota americana, baseada no Pacífico.

Após o dia 24 de outubro, um pesqueiro de Taiwan finalmente descobriu o veleiro a cerca de 900 milhas a sudeste do Japão, entrando em contato com as autoridades americanas. No dia seguinte, as duas mulheres e seus cães foram resgatados.

“Nos salvaram a vida. Sentimos orgulho e alegria quando vimos (o navio) no horizonte. Foi realmente um alívio”, disse Appel.

A dupla sobreviveu bebendo água dessalinizada e com uma provisão “para mais de um ano” de alimentos desidratados.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia procura pedreiro suspeito de estuprar e engravidar enteada de 12 anos no Recife

Por Thays Estarque, G1 PE

Conselho Tutelar de Areias, no Recife (Foto: Reprodução/Google Maps)

Conselho Tutelar de Areias, no Recife (Foto: Reprodução/Google Maps)

A Polícia Civil de Pernambuco procura um pedreiro, de 58 anos, suspeito de estuprar e engravidar a enteada, de 12 anos. O caso foi registrado na delegacia de Afogados, na Zona Oeste do Recife, na quinta-feira (19). De acordo com a corporação, os abusos teriam começado em 2015, na comunidade de Souza Luna, na mesma região da capital pernambucana.

Segundo o conselheiro tutelar João Luiz da Silva, que acompanha o caso, a suspeita da gestação começou quando a irmã, de 30 anos, percebeu um crescimento anormal da barriga da jovem. “Ela falou com a mãe, que não deu importância e disse que deveria ser prisão de ventre. Já padrasto dizia que a menina estava com um mioma”, pontuou.

A irmã insistiu que havia algo errado e tentou conversar com a vítima. Porém, a jovem não contou sobre os abusos. A garota confessou para o conselheiro tutelar que era ameaçada pelo padrasto. O homem teria dito que, se ela falasse a verdade, queimaria a casa com toda a família dentro.

A denúncia ao Conselho Tutelar foi feita pela irmã na segunda-feira (16). No local, os conselheiros suspeitaram do comportamento da vítima e da atitude do homem, que se mostrou bastante revoltado com a situação.

“Fizemos o convite para levarem ela a uma maternidade para fazer o exame e, posteriormente, para a delegacia. Confirmada a gravidez, ela mentiu, a pedido do padrasto. Ela disse que o pai era um rapaz da escola”, relembra João Luiz.

Contrariando o pedido dos conselheiros, o homem não foi até a delegacia com a enteada. Ele voltou para casa, mentiu que fez o Boletim de Ocorrência na unidade de saúde e saiu para trabalhar. O suspeito não foi mais visto desde então.

A vítima é a caçula de oito irmãos e está grávida de seis meses de um menino. Ela foi encaminhada para uma unidade da rede de proteção à criança e ao adolescente. A gestação é acompanhada por uma equipe médica.

O caso é investigado pela delegada Ana Izabel e está sendo acompanhado pelo Conselho Tutelar de Areias, na Zona Oeste da capital pernambucana. O caso também foi encaminhado para o Ministério Público.

“Tudo será investigado. Inclusive, se houve conivência por parte da mãe, mas eu acho difícil, porque ela é, realmente, uma pessoa sem instrução. Porém, tem que ser investigado porque o homem alegava que era um mioma. Ora, se fosse um mioma por que não a levaram no médico?”, questiona o conselheiro tutelar.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.