Polícia procura pedreiro suspeito de estuprar e engravidar enteada de 12 anos no Recife

Por Thays Estarque, G1 PE

Conselho Tutelar de Areias, no Recife (Foto: Reprodução/Google Maps)

Conselho Tutelar de Areias, no Recife (Foto: Reprodução/Google Maps)

A Polícia Civil de Pernambuco procura um pedreiro, de 58 anos, suspeito de estuprar e engravidar a enteada, de 12 anos. O caso foi registrado na delegacia de Afogados, na Zona Oeste do Recife, na quinta-feira (19). De acordo com a corporação, os abusos teriam começado em 2015, na comunidade de Souza Luna, na mesma região da capital pernambucana.

Segundo o conselheiro tutelar João Luiz da Silva, que acompanha o caso, a suspeita da gestação começou quando a irmã, de 30 anos, percebeu um crescimento anormal da barriga da jovem. “Ela falou com a mãe, que não deu importância e disse que deveria ser prisão de ventre. Já padrasto dizia que a menina estava com um mioma”, pontuou.

A irmã insistiu que havia algo errado e tentou conversar com a vítima. Porém, a jovem não contou sobre os abusos. A garota confessou para o conselheiro tutelar que era ameaçada pelo padrasto. O homem teria dito que, se ela falasse a verdade, queimaria a casa com toda a família dentro.

A denúncia ao Conselho Tutelar foi feita pela irmã na segunda-feira (16). No local, os conselheiros suspeitaram do comportamento da vítima e da atitude do homem, que se mostrou bastante revoltado com a situação.

“Fizemos o convite para levarem ela a uma maternidade para fazer o exame e, posteriormente, para a delegacia. Confirmada a gravidez, ela mentiu, a pedido do padrasto. Ela disse que o pai era um rapaz da escola”, relembra João Luiz.

Contrariando o pedido dos conselheiros, o homem não foi até a delegacia com a enteada. Ele voltou para casa, mentiu que fez o Boletim de Ocorrência na unidade de saúde e saiu para trabalhar. O suspeito não foi mais visto desde então.

A vítima é a caçula de oito irmãos e está grávida de seis meses de um menino. Ela foi encaminhada para uma unidade da rede de proteção à criança e ao adolescente. A gestação é acompanhada por uma equipe médica.

O caso é investigado pela delegada Ana Izabel e está sendo acompanhado pelo Conselho Tutelar de Areias, na Zona Oeste da capital pernambucana. O caso também foi encaminhado para o Ministério Público.

“Tudo será investigado. Inclusive, se houve conivência por parte da mãe, mas eu acho difícil, porque ela é, realmente, uma pessoa sem instrução. Porém, tem que ser investigado porque o homem alegava que era um mioma. Ora, se fosse um mioma por que não a levaram no médico?”, questiona o conselheiro tutelar.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Construtores de PE exigem retomada de financiamentos do Programa Minha Casa Minha Vida

Por G1 PE

Trator foi usado em protesto de pequenos contrutotres de peranbmcuco, que exigiram retomada de financiamentos do Programa Minha Casa Minha Vida (Foto: Diógenes Nascimento/Divulgação)

Trator foi usado em protesto de pequenos contrutotres de peranbmcuco, que exigiram retomada de financiamentos do Programa Minha Casa Minha Vida (Foto: Diógenes Nascimento/Divulgação)

Representantes da Associação dos Construtores de Pernambuco (ACP) realizaram, nesta quinta-feira (19), um protesto no Centro do Recife. Filiada à Federação Nacional das Pequenas Construtoras (FENAPC), a entidade exige ao Governo Federal a retomada dos financiamentos para o Programa Minha Casa Minha Vida.

A categoria informa que chegou a firmar, em média, seis mil contatos por ano com a Caixa Econômica Federal (CEF). Em virtude do corte de recursos, atualmente, não é possível assinar nem 20% esse total de acordos.

A manifestação contou com a participação de cerca de 500 pessoas. Elas saíram, às 9h30, do Parque Treze de Maio, no Centro, e seguiram até a Agência Central da Caixa. Por volta das 11h30, eles foram recebidos pela gerência da instituição financeira.

Os pequenos construtores solicitam a retomada dos financiamentos para construção de imóveis para a população carente, inscrita no programa federal. “Protocolamos um documento com as nossas queixas para mostrar que a suspensão dos financiamentos atinge cerca de 30 mil pessoas em Pernambuco.”, afirma o vice-presidente da ACP, Leonardo Batista.

Segundo ele, com a crise no programa, foram afetados construtores, trabalhadores e até donos de cartórios e de restaurantes. “Todos participam de uma cadeia produtiva muit grande. Levamos um trator para simbolizar o movimento, já que a falta de rercuros afeta quem prepara os terrenos para as novas moradias”, acrescentou.

Batista afirma que os pequenos construtores estão com cerca de duas mil unidades do Minha Casa Minha Vida prontas para entregar. Há, ainda, outros imóveis para ser finalizados, à espera de repasses financeiros.

Resposta

A Caixa Econômica Federal esclareceu, por meio de nota, que a contratação do crédito imobiliário este ano está cerca de 20% superior em relação ao mesmo período do ano passado. A Caixa já emprestou mais de R$ 62 bilhões até final de agosto em todas suas modalidades de crédito.

A CEF informou, ainda, que o banco adotou a estratégia de execução mensal do orçamento para todas linhas de crédito imobiliário com objetivo de cumprir o orçamento anual disponível até dezembro. Quanto às modalidades de créditos que possuem orçamento segregado por estado, a instituição esclarece que, em alguns deles, o orçamento esgotou, mas poderá ser retomado em novembro.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Policial militar é assaltado em frente a banco e tem arma roubada no Grande Recife

Por G1 PE

Crime aconteceu na Avenida Ayrton Senna da Silva, em Piedade, Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife (Foto: Reprodução/Google Street View)

Crime aconteceu na Avenida Ayrton Senna da Silva, em Piedade, Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife (Foto: Reprodução/Google Street View)

Um policial militar foi assaltado na tarde desta terça-feria (17), no bairro de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife. De acordo com a Polícia Militar, os bandidos levaram a arma particular e o dinheiro do militar durante a abordagem.

O crime aconteceu em frente ao banco Bradesco da Avenida Ayrton Senna da Silva, segundo a corporação. O policial, que estava a paisana e é lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv), foi abordado por três suspeitos. A corporação não repassou mais detalhes da investida.

Ainda segundo a Polícia Militar, o militar se direito à Delegacia de Prazeres logo após ser assaltado e prestou queixa do crime. Não há informações sobre o paradeiro dos bandidos.

Assaltos

Em agosto, um policial militar reformado, de 47 anos, foi baleado ao reagir a um assalto quando chegava em casa no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Dias antes, um policial militar do 11º Batalhão foi assaltado próximo a Igreja de Apipucos, na Zona Norte do Recife, quando saía do trabalho.

Um policial rodoviário federal, de 40 anos, foi assaltado e teve o carro roubado ao sair de casa também em agosto. De acordo com a PRF, dois homens armados desceram de um veículo branco e abordaram a vítima na esquina de uma rua no bairro do Prado, Zona Oeste do Recife.

No dia anterior, o titular da Delegacia de Santa Cruz do Capibaribe, delegado Rodolfo Bacelar, reagiu a uma investida criminosa e baleou o suspeito em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. O policial foi socorrido, mas já teve alta. O suspeito morreu na unidade de saúde.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

PF deflagra a 2ª fase de operação contra quadrilha especializada em roubos de dinheiro de clientes da Caixa Econômica Federal

Por Adriana Justi, G1 PR, Curitiba

A Polícia Federal (PF) cumpre mandados judiciais da segunda fase da Operação Duas Caras, que investiga uma quadrilha suspeita de roubar mais de R$ 1 milhão em contas poupança de clientes da Caixa Econômica Federal, na manhã desta quarta-feira (11). O mandados estão sendo cumpridos em Curitiba, São José dos Pinhais e Colombo.

A ação investiga saques em contas com grandes saldos e que não apresentavam histórico de retiradas, ainda de acordo com a PF. A atual fase mira novos suspeitos de participar do esquema.

Ao todo foram expedidos nove mandados, sendo quatro de busca e apreensão, um de prisão preventiva, dois de prisão temporária e dois de condução coercitiva, que é quando a pessoa é levada para prestar depoimento.

Até as 7h26, apenas os mandados de busca e apreensão não tinham sido cumpridos.

O esquema contava com a ajuda do funcionário de carreira da Caixa Francisco Casamasmo Júnior. Ele foi preso em João Pessoa na primeira fase da operação, deflagrada no dia 15 de setembro, e está detido na carceragem da PF, em Curitiba.

De acordo com as investigações, ao menos 400 transações financeiras teriam sido realizadas através do esquema criminoso, entre saques e transferências.

Entenda como funcionava o esquema

O funcionário que facilitava o esquema, de acordo com a PF, pesquisava e identificava contas poupança de clientes com grandes saldos e que não apresentava histórico de retiradas. Ele repassava os dados dos clientes ao líder do grupo criminoso.

Por sua vez, o líder solicitava a emissão de documentos falsos e complementava os demais dados necessários com outros participantes do grupo, que geralmente possuíam acesso a banco de dados, em razão de suas profissões.

Na sequência, os investigados entravam em contato com a central de cartões da Caixa e, se passando pelos clientes, informavam a “falsa” perda do cartão para gerar outro.

Os cartões eram retirados nos centros de distribuição dos Correios também com o uso de documentos falsos. Depois, os criminosos faziam uma série de saques nos caixas eletrônicos, compras em débito automático e saques e transferências na boca do caixa até que o dinheiro nas contas se esgotasse.

O nome da ação é uma referência a atuação do funcionário da Caixa investigado, que “age de um jeito ou de outro dependendo com quem está”, ainda conforme a PF.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Chineses fazem montagem-teste para reconstrução de estação brasileira na Antártica

Por Carolina Dantas, G1

Estrutura em montagem para a Estação Antártica Comandante Ferraz em Xangai; foto de agosto de 2017 (Foto: Marinha do Brasil/Divulgação)

Estrutura em montagem para a Estação Antártica Comandante Ferraz em Xangai; foto de agosto de 2017 (Foto: Marinha do Brasil/Divulgação)

A construtora chinesa CEIEC, vencedora de edital para a reconstrução da Estação Antártica Comandante Ferraz, está terminando a pré-montagem da estrutura que deverá ser levada ao continente gelado e servir de base para o novo espaço. O transporte será feito em navio, com previsão de saída de Xangai em outubro deste ano.

De acordo com a Marinha do Brasil, essa fase é um teste, já que depois o material deverá ser desmontado novamente e levado por mar. Os contêineres e estruturas serão pintados para embarque no navio, que só deverá chegar na Antártica no final de novembro.

Com a estrutura em terra, a equipe irá iniciar a montagem real daestação a partir das fundações já instaladas no local, com previsão de término para março de 2018. Ainda vai faltar a verificação dos sistemas elétrico, hidráulico, aquecimento e ventilação para funcionamento de acordo com o projeto definitivo da base científica do Brasil no continente. Tudo deverá estar pronto em 2019.

Foto aérea da Estação Antártica Comandante Ferraz em março deste ano (Foto: Marinha do Brasil/Divulgação)

Foto aérea da Estação Antártica Comandante Ferraz em março deste ano (Foto: Marinha do Brasil/Divulgação)

A Marinha do Brasil informou que mantém quatro engenheiros navais fiscalizando todas as etapas na China. A empresa CEIEC recrutou mais de 200 trabalhadores, sete dias por semana. Segundo a instituição militar brasileira, o projeto não foi afetado pelos cortes nos custos nos ministérios brasileiros.

A Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, vinculada à Marinha, chegou a lançar um edital exclusivo para empresas brasileiras no projeto, mas nenhuma proposta local foi enviada. Com isso, companhias estrangeiras se candidataram para o projeto em 2014,um investimento de mais de US$ 110 milhões.

Incêndio em 2012

Em fevereiro de 2012, um incêndio destruiu a estação e provocou a morte de dois militares que trabalhavam na região. O acidente ocorreu no local onde ficam os geradores de energia da base e causou prejuízo estimado em R$ 24,6 milhões. O Ministério Público denunciou um sargento da Marinha por homicídio culposo (sem a intenção de matar) e dano — ele foi condenado pelo Superior Tribunal Militar (STM) a dois anos de prisão em maio de 2016. A pena deve ser cumprida em regime aberto, quando o detento trabalha durante o dia e à noite retorna ao presídio.

Após o incêndio, as pesquisas brasileiras no continente passaram a ser feitas em uma base provisória da Marinha inaugurada em abril de 2013.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

WhatsApp teria se recusado a criar brecha proposital para o governo britânico  

RENATO SANTINO

Do Olhar Digital

Não é só no Brasil que o WhatsApp enfrenta o Estado e impede que autoridades tenham acesso a conversas de seus usuários, mesmo com mandado judicial. Segundo a publicação britânica Sky News, o aplicativo se recusou a criar uma “porta secreta” para o governo do Reino Unido acessar as mensagens trocadas pelo público.

A matéria menciona uma estatística de que 80% das investigações relacionadas a crimes graves e terrorismo acabam afetadas pela criptografia de aplicativos como WhatsApp e Telegram. A proteção às mensagens oferecida por esses serviços tem sido aproveitada para que extremistas consigam organizar seus planos sem intervenção policial.

Do outro lado, as empresas como o WhatsApp têm se oposto fortemente a criar brechas propositais em seus serviços para quem quer que seja. A justificativa é sempre a mesma: uma vulnerabilidade deixada de propósito para usos “nobres” poderá e provavelmente vai ser descoberta por quem quer usá-la para fins escusos, o que acaba expondo uma base gigantesca de pessoas a uma série de ameaças que podem causar roubos de informações privadas e prejuízos financeiros sérios.

Foi a mesma justificativa que a Apple usou quando se recusou a criar uma brecha para destravar um iPhone 5c usado pelo responsável por um atentado na cidade americana de San Bernardino, na Califórnia. Tim Cook alega que o enfraquecimento da criptografia era danoso apenas aos usuários legítimos, enquanto terroristas e autores de outros crimes graves encontrariam outras formas de se comunicar.

No caso específico do WhatsApp, a empresa costuma alegar ainda que não pode entregar o que não possui. A empresa usa criptografia de ponta a ponta, que significa que as mensagens saem embaralhadas do celular do remetente e só são decifradas no celular do destinatário. O conteúdo não pode ser compreendido por qualquer intermediário, incluindo a empresa, que acaba descartando as mensagens de seus servidores assim que elas encontram seu destino. Desta forma, quando as autoridades pedem informações, a única coisa que o WhatsApp pode fornecer são metadados, que são os dados sobre as mensagens, e não o conteúdo em si, como quem mandou mensagem para quem, a que horas, nome do usuário, endereços de IP, que ajudam a identificar alguém, mas estão longe de ser tão úteis para investigadores quanto o conteúdo total das mensagens trocadas.

A empresa também afirma que coopera com as autoridades sempre que possível, mas apenas depois de uma análise cuidadosa. “Nós verificamos cautelosamente, validamos e respondemos às solicitações das autoridades baseadas em leis e políticas aplicáveis e priorizamos respostas em situações de emergência”, diz o WhatsApp em seu site.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Comércio de Caruaru pode funcionar no feriado da Padroeira da cidade

Por G1 Caruaru

 

O comércio de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, vai poder funcionar na próxima sexta-feira (15), data de feriado municipal em homenagem a padroeira da cidade, Nossa Senhora das Dores. De acordo com o diretor financeiro do Sindicato dos Lojistas da cidade, Manoel Santos, a situação é possível devido ao que foi acordado em convenção coletiva entre Sindloja e Sindecc.

No entanto, para garantir o funcionamento, os lojistas devem comunicar até esta terça-feira (12) aos dois sindicatos sobre a abertura, como explica Manoel Santos. “Junto com o comunicado o lojista deve enviar a lista dos funcionários que vão trabalhar. Ele deve cumprir ainda as obrigações junto aos funcionários, ajuda de custo, vale transporte e em 30 dias uma folga para compensar”, disse.

Ainda de acordo com o diretor do Sindloja, o funcionário tem direito a uma ajuda de custos de R$ 43,50 e uma hora de intervalo para o almoço. A mesma regra vale para as lojas que funcionam nos centros de compras.

Feira
Por meio de nota, a secretaria de Serviços Públicos informou que a feira do bairro São Francisco funcionará normalmente na próxima sexta-feira (15), das 6h às 12h.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

PF identifica fraudes em aposentadorias que somam R$ 10 milhões na região de Ribeirão Preto

Por G1 Ribeirão e Franca

A Polícia Federal descobriu que nos últimos quatro anos ao menos 3,5 mil aposentadorias foram pagas indevidamente pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) devido a fraudes na região de Ribeirão Preto (SP). O valor total desviado dos cofres públicos chega a R$ 10 milhões.

Na maioria dos casos, familiares recebiam os benefícios em nome dos verdadeiros favorecidos, que já haviam morrido. O delegado Guilherme Biagi diz que os investigados respondem por estelionato, cuja pena varia de um a cinco anos de prisão.

“O benefício se extingue com a morte da pessoa. Salvos os casos em que é permitido legalmente um dependente continuar recebendo. Mas, na maioria dos casos, as pessoas não têm direito a continuar com o benefício, mas vão ao banco e fazem os saques”, explica.

Biagi afirma que esse tipo de fraude é identificado quando o beneficiário não comparece à prova de vida anual, feita no banco onde a aposentadoria é sacada. Ele destaca que a pena pode ser aumentada em um terço por se tratar de crime contra entidade pública federal.

O delegado da Polícia Federal em Ribeirão Preto Guilherme Biagi (Foto: Maurício Glauco/EPTV)

O delegado da Polícia Federal em Ribeirão Preto Guilherme Biagi (Foto: Maurício Glauco/EPTV)

O gerente executivo do INSS em Ribeirão, Rui Brunini Junior, diz que a Previdência também cruza os dados com os cartórios: quando uma certidão de óbito é registrada, automaticamente a aposentadoria é cancelada. Entretanto, nem sempre isso ocorre.

“Existem casos em que não houve a elaboração da certidão de óbito, ou os dados não conferem entre o sistema e a certidão de óbito, ficando assim o benefício ativo. Quando a pessoa não faz a prova de vida no banco, a gente recebe a relação”, diz.

Brunini Junior explica que também é comum a fraude de aposentadorias por invalidez. Nesse caso, o trabalhador que tem direito ao benefício retorna às atividades profissionais, mas sem registro formal, o que também constitui crime.

“Também acontece e a gente faz a apuração. Identificando que ela já tem capacidade de trabalho, vamos cobrar dela todos os valores que ela recebeu do auxílio doença”, afirma o gerente do INSS.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia investiga suposto envenenamento de professora na Zona da Mata de PE

Por G1 PE

Professora foi encaminhada ao Hospital Hermírio Coutinho, no Centro de Nazaré da Mata  (Foto: Reprodução/Google Street View)

Professora foi encaminhada ao Hospital Hermírio Coutinho, no Centro de Nazaré da Mata (Foto: Reprodução/Google Street View)

A Polícia Civil abriu um inquérito nesta quinta-feira (31) para investigar o suposto envenenamento de uma professora de uma escola particular localizada em Nazaré da Mata, na Zona da Mata Norte de Pernambuco. A vítima foi internada após consumir água contaminada com uma substância inicialmente apontada como chumbinho. Testemunhas relataram que o suspeito é uma criança de dez anos que estuda no local.

A professora passou mal ao consumir a água, segundo o relato de testemunhas à polícia, e foi encaminhada ao Hospital Ermírio Coutinho, no Centro do município. Procurada pelo G1, a unidade de saúde informou que a paciente recebeu alta médica às 17h40 desta quinta.

Ainda segundo a polícia, a delegacia do município tomou conhecimento do caso às 17h desta quinta e compareceu, em seguida, à instituição de ensino. No local, a água consumida pela professora foi recolhida para perícia. Segundo informações coletadas na escola, há suspeitas de que o líquido tenha sido envenenado com chumbinho.

O estudante apontado por testemunhas como suspeito de envenenar a professora e os responsáveis por ele serão chamados para prestar depoimento na Delegacia de Nazaré da Mata. O delegado Rommel Ricardo, titular da unidade, está à frente das investigações.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Robôs conduzem boa parte do debate político brasileiro na internet  

LEONARDO PEREIRA

Olhar Digital

Um estudo divulgado nesta quinta-feira, 24, pela Fundação Getulio Vargas (FGV) serve de alerta para quem costuma acompanhar debates políticos pelas redes sociais: no Brasil, as discussões que ocorrem pelo Twitter são parcialmente conduzidas por robôs extremistas.

De acordo com o levantamento, que foi realizado pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da fundação, há indícios de que os chamados bots tenham gerado parcelas consideráveis das conversas na rede em momentos importantes da nossa história política recente. Essa constatação corrobora um estudo da Universidade de Oxford, que, há poucos meses, fez uma afirmação semelhante sobre o Brasil.

Em abril de 2017, por exemplo, a FGV descobriu que mais de 20% das interações entre usuários favoráveis à greve geral foram provocadas por contas automatizadas. Na campanha presidencial de 2014, eles representavam mais de 10% dos perfis envolvidos nas discussões.

E esses bots não circulam pelo campo mais conciliador, sendo geralmente usados pelas parcelas mais radicais dos debates — seja qual for o tema. “A análise (…) sugere que grupos com diferentes interesses, especialmente os localizados nos extremos do espectro político, se inflam e se atacam mutuamente com esta prática”, explica a fundação.

A FGV estudou seis casos para tentar entender o comportamento e o uso que se faz dessas ferramentas: os debates na Globo no primeiro e no segundo turno das eleições presidenciais de 2014, as manifestações pró-impeachment de março de 2016, o debate das eleições municipais em São Paulo em setembro de 2016, a greve geral deste ano e a votação da Reforma Trabalhista no Senado, em julho.

“O surgimento de contas automatizadas permitiu que estratégias de manipulação, disseminação de boatos e difamação, comumente usadas em disputas políticas, ganhassem uma dimensão ainda maior nas redes sociais”, alerta a FGV. “A participação ostensiva de robôs no ambiente virtual tornou urgente a necessidade de identificar suas atividades e, consequentemente, diferenciar quais debates são legítimos e quais são forjados. Esse discernimento é essencial para que os processos sociais originados nas redes sejam efetivamente compreendidos.”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.