Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Novas doses das vacinas de Oxford e CoronaVac: veja a distribuição por estado

Na terça, 3,2 milhões de unidades dos novos imunizantes foram entregues por fabricantes ao governo federal. Ministério da Saúde ainda não divulgou calendário de distribuição.

Por Gabriela de Palhano, TV Globo

O Brasil recebeu, na terça-feira (23), 3,2 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19: 2 milhões são de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca e 1,2 milhão, da CoronaVac.

Veja, abaixo, a distribuição por estado. As informações constam em documentos obtidos pela reportagem da TV Globo:

Doses de vacina/UF

EstadoDOSES OXFORDDOSES CORONAVACTOTAL
BRASIL2.000.0001.200.0003.200.000
Rondônia4.0001.4005.400
Acre13.5008.40021.900
Amazonas78.00042.000120.000
Roraima1.5001.0002.500
Pará61.00037.20098.200
Amapá2.0008002.800
Tocantins3.5002.4005.900
NORTE163.50093.200256.700
Maranhão49.50029.60079.100
Piauí25.50015.40040.900
Ceará80.50049.200129.700
Rio Grande do Norte35.50019.40054.900
Paraíba39.50023.80063.300
Pernambuco82.00048.000130.000
Alagoas24.00013.40037.400
Sergipe16.5009.00025.500
Bahia129.50079.200208.700
NORDESTE482.500287.000769.500
Minas Gerais220.000137.400357.400
Espírito Santo38.00023.00061.000
Rio de Janeiro196.000118.800314.800
São Paulo480.500278.600759.100
SUDESTE934.500557.8001.492.300
Paraná102.50064.800167.300
Santa Catarina59.50048.200107.700
Rio Grande do Sul135.00084.200219.200
SUL297.000197.200494.200
Mato Grosso do Sul22.50013.20035.700
Mato Grosso21.00011.80032.800
Goiás53.50028.80082.300
Distrito Federal25.50011.00036.500
CENTRO-OESTE122.50064.800187.300

O Ministério da Saúde não informou quando as doses chegarão a cada estado.

Vacinas em falta

As novas doses representam, para alguns estados, o primeiro grande carregamento desde a distribuição inicial de vacinas pelo país. Várias cidades tiveram que suspender ou restringir a vacinação por falta de doses.

Até agora, apenas 6 milhões de brasileiros receberam a primeira dose de alguma das duas vacinas. O total representa menos de 8% das cerca de 77 milhões de pessoas que integram os grupos prioritários de imunização, e menos de 3% da população do país.

Na terça-feira (23), a Anvisa autorizou o registro definitivo da vacina da Pfizer no Brasil, o que permite a importação do imunizante. Apesar de ter sido testada no país, ela ainda não está disponível para a população.

No início do ano, a farmacêutica disse ter oferecido 70 milhões de doses da vacina ao governo brasileiro para entrega ainda em dezembro, mas a oferta foi recusada. O Ministério da Saúde disse que as doses propostas pela Pfizer causariam “frustração” aos brasileiros.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Desde início da vacinação, Brasil registra pelo menos 4,7 mil denúncias de fura-filas

Levantamento foi feito nos Ministérios Públicos Estaduais e na Ouvidoria Nacional do órgão. Apenas os MPs de Minas Gerais e Paraná não disponibilizaram os dados.

Por Clara Velasco, Profissão Repórter

O Brasil registrou pelo menos 4,7 mil denúncias de fura-filas desde o início da vacinação contra a Covid-19, que começou em 17 de janeiro. Os dados são de um levantamento feito pelo ‘Profissão Repórter‘ com base nas reclamações recebidas pelos Ministérios Públicos Estaduais e pela Ouvidoria Nacional do Ministério Público. Apenas os MPs de Minas Gerais e Paraná não disponibilizaram os dados.

O número de denúncias é ainda mais alto em todo o país, já que elas também podem ser feitas em outros órgãos, como nas ouvidorias dos governos dos estados e nas secretarias de saúde.

Além disso, alguns Ministérios Públicos Estaduais apenas conseguiram passar dados parciais para o levantamento, de apenas algumas cidades ou setores do órgão, por conta da falta de consolidação das reclamações.

Da denúncia à responsabilização

As denúncias de fura-filas são reclamações sobre supostas fraudes na imunização contra a Covid-19, em que pessoas que não fazem parte dos grupos prioritários foram vacinadas antes das outras.

Foram 4.675 casos recebidos pelos Ministérios Públicos — mas isso não quer dizer que estas denúncias envolvem 4.675 pessoas que furaram a fila da prioridade. Isso porque, depois que as denúncias são recebidas, os órgãos geralmente fazem um processo de triagem para identificar quais casos devem ser, de fato, encaminhados às Promotorias de Justiça competentes para serem investigados.

A triagem é necessária para eliminar casos duplicados, incoerentes ou que não apresentem indícios de ilegalidades.

No Rio de Janeiro, por exemplo, o MP recebeu 519 reclamações sobre fura-filas. Após a análise desses casos, as promotorias instauraram 27 procedimentos administrativos, 3 inquéritos civis e 1 procedimento investigatório criminal.

Já no Rio Grande do Sul, das 787 denúncias recebidas, 58 foram devolvidas aos destinatários para complementação de informação, 58 foram enviadas aos Centros de Apoio Operacional Cível e Criminal, 30 foram devolvidas aos denunciantes por não se tratar de caso de fura-fila e 641 foram enviadas às promotorias competentes.

Se a investigação desses casos apontar que realmente houve ilegalidade na aplicação da vacina, o Ministério Público pode oferecer uma denúncia criminal ou entrar com uma ação por improbidade administrativa contra a pessoa que furou a prioridade da vacinação.

Há também casos em que o órgão se reúne com integrantes da secretaria de Saúde da cidade para solicitar o cumprimento dos critérios de prioridade na campanha de vacinação local.

Falta de dados

Não é possível saber quantas denúncias ou casos de fura-filas foram registrados em todo o Brasil como um todo desde o início da vacinação, pois, como já foi explicado, há diversos órgãos que podem receber esse tipo de reclamação.

Mesmo entre os Ministérios Públicos, há dificuldade para a consolidação do número total de denúncias recebidas. O MP de Minas Gerais, por exemplo, afirma que “não existe um canal centralizado de recebimento de denúncias” e que elas podem chegar “tanto pela ouvidoria, quanto diretamente à promotoria de justiça da comarca”.

“Como os promotores têm independência funcional, não há uma centralização desses dados com o nível de detalhe necessário para saber se a denúncia é referente a fura-fila de vacina ou a outra questão referente ao programa de imunização. Por isso, mesmo quando solicitamos dados na ouvidoria, eles não representam a realidade devido a essa forma pulverizada de recebimento de denúncias”, afirma o MP-MG em nota.

O Ministério Público do Paraná também afirma que não há centralização de recebimento de denúncias. “Aqui, no Ministério Público, cada promotoria tem um procedimento para acompanhar a aplicação das vacinas, e, no âmbito desses procedimentos, são investigadas eventuais denúncias. Mas essas denúncias são recebidas em cada comarca”, diz o órgão.

Veja o número de denúncias recebidas pelos MPs de cada estado e pela Ouvidoria Nacional do MP:

Levantamento mostra número de denúncias de fura-fila na vacinação — Foto: Profissão Repórter

Levantamento mostra número de denúncias de fura-fila na vacinação — Foto: Profissão Repórter

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil registra 3ª maior média móvel de mortes por Covid da pandemia, com 1.370 anotadas no último dia

País contabilizou 10.260.621 casos e 248.646 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Média móvel é de 1.095 mortes por dia; marca está acima de 1 mil há 34 dias.

Por G1

Brasil tem mais de 6 milhões de pessoas que receberam pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus.

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h desta terça-feira (23).

O país registrou 1.370 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 248.646 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 1.095Já são 34 dias com essa média acima da marca de 1 mil. A variação foi de +4% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de estabilidade nos óbitos pela doença.

A média móvel de 1.095 mortes por dia é a terceira maior registrada até aqui. Fica atrás apenas de 14 de fevereiro, quando estava em 1.105, e de 25 de julho, quando chegou a 1.097. Das cinco maiores médias da série histórica, quatro delas foram anotadas ao longo dos últimos 10 dias.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 10.260.621 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 63.090 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 48.469 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de +5% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade também nos diagnósticos.

Doze estados estão com alta nas mortes: PR, RS, SC, GO, AC, PA, RO, RR, BA, CE, PB e RN.

Brasil, 23 de fevereiro

  • Total de mortes: 248.646
  • Registro de mortes em 24 horas: 1.370
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.095 (variação em 14 dias: +4%)
  • Total de casos confirmados: 10.260.621
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 63.090
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 48.469 por dia (variação em 14 dias: +5%)

Estados

  • Subindo (12 estados): PR, RS, SC, GO, AC, PA, RO, RR, BA, CE, PB e RN
  • Em estabilidade (9 estados e o Distrito Federal): ES, MG, RJ, SP, DF, MT, AL, MA, PE e PI
  • Em queda (5 estados): MS, AM, AP, TO e SE

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

Vacinação

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta terça-feira (23) aponta que 6.087.811 de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 2,87% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 1.429.618 pessoas (0,68% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal. No total, 7.517.429 doses foram aplicadas em todo o país.

Variação de mortes por estados

Estados com mortes em alta — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em alta — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em estabilidade — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em estabilidade — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em queda — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em queda — Foto: Editoria de Arte/G1

Sul

  • PR: +19%
  • RS: +53%
  • SC: +47%

Sudeste

  • ES: +5%
  • MG: -5%
  • RJ: -1%
  • SP: -13%

Centro-Oeste

  • DF: 0%
  • GO: +36%
  • MS: -28%
  • MT: +13%

Norte

  • AC: +78%
  • AM: -47%
  • AP: -25%
  • PA: +73%
  • RO: +31%
  • RR: +39%
  • TO: -20%

Nordeste

  • AL: +10%
  • BA: +63%
  • CE: +95%
  • MA: +14%
  • PB: +53%
  • PE: -1%
  • PI: 0%
  • RN: +70%
  • SE: -27%

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil tem 247,2 mil mortos por Covid; média móvel é de 1.055 óbitos por dia

País contabilizou 10.197.531 casos e 247.276 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Já são 33 dias com a média móvel acima da marca de 1 mil mortes por dia.

Por G1

No total, 247.276 pessoas já perderam a vida por causa da doença no Brasil.

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h desta segunda-feira (22).

O país registrou 716 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 247.276 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 1.055. Já são 33 dias com essa média acima da marca de 1 mil. A variação foi de +2% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de estabilidade nos óbitos pela doença.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 10.197.531 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 30.231 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 47.374 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de +5% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade também nos diagnósticos.

Doze estados estão com alta nas mortes: RS, SC, GO, AC, PA, RO, RR, BA, CE, PB, PE e RN.

Brasil, 22 de fevereiro

  • Total de mortes: 247.276
  • Registro de mortes em 24 horas: 716
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.055 (variação em 14 dias: +2%)
  • Total de casos confirmados: 10.197.531
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 30.231
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 47.374 por dia (variação em 14 dias: +5%)

Estados

  • Subindo (12 estados): RS, SC, GO, AC, PA, RO, RR, BA, CE, PB, PE e RN
  • Em estabilidade (10 estados e o Distrito Federal): PR, ES, MG, RJ, SP, DF, MT, AP, AL, MA e PI
  • Em queda (4 estados): MS, AM, TO e SE

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

Vacinação

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta segunda-feira (22) aponta que 5.982.640 de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 2,83% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 1.269.005 pessoas (0,60% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal. No total, 7.251.645 doses foram aplicadas em todo o país.

Variação de mortes por estados

Estados com mortes em alta — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em alta — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em estabilidade — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em estabilidade — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em queda — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em queda — Foto: Editoria de Arte/G1

Sul

  • PR: -4%
  • RS: +28%
  • SC: +31%

Sudeste

  • ES: +3%
  • MG: -2%
  • RJ: -6%
  • SP: -6%

Centro-Oeste

  • DF: +1%
  • GO: +37%
  • MS: -29%
  • MT: -5%

Norte

  • AC: +54%
  • AM: -39%
  • AP: -5%
  • PA: +61%
  • RO: +71%
  • RR: +25%
  • TO: -28%

Nordeste

  • AL: +14%
  • BA: +65%
  • CE: +21%
  • MA: +13%
  • PB: +39%
  • PE: +17%
  • PI: -5%
  • RN: +31%
  • SE: -31%

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil já aplicou ao menos uma dose de vacina em mais de 5,98 milhões, aponta consórcio de veículos de imprensa

Levantamento junto a secretarias de Saúde aponta que 5.982.640 pessoas tomaram a primeira dose e 1.269.005 a segunda, num total de 7,25 milhões aplicadas. G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL divulgam diariamente os dados de imunização no país.

Por G1

No total, 247.276 pessoas já perderam a vida por causa da doença no Brasil.

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta segunda-feira (22) aponta que 5.982.640 de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 2,83% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 1.269.005 pessoas (0,60% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal.

No total, 7.251.645 doses foram aplicadas em todo o país.

A informação é resultado de uma parceria do consórcio de veículos de imprensa, formado por G1, O Globo, Extra, O Estadão de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL. Os dados de vacinação passaram a ser acompanhados a partir de 21 de janeiro.

Brasil, 22 de fevereiro

  • Total de pessoas que receberam ao menos uma dose: 5.982.640 (2,83% da população)
  • Total de pessoas que receberam duas doses: 1.269.005 (0,60% da população)
  • Total de doses aplicadas: 7.251.645 (62,02% das doses recebidas pelos estados)
  • Divulgaram dados novos (22 estados): AC, AM, BA, CE, ES, GO, MA, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PI, PR, RO, RR, RS, SC, SE, SP e TO
  • Divulgaram dados em dias anteriores (4 estados e Distrito Federal): AL, AP, DF, RJ e RN

Vacinados por estado

Vacinação nos estados nesta segunda-feira — Foto: Arte G1

Vacinação nos estados nesta segunda-feira — Foto: Arte G1

Total de vacinados, segundo os governos, e o percentual em relação à população do estado:

  • AC: 1ª dose – 16.775 (1,88%); 2ª dose – 2.247 (0,25%)
  • AL: 1ª dose -89.141 (2,66%); 2ª dose – 4.456 (0,13%)
  • AM: 1ª dose -218.652 (5,20%); 2ª dose – 27.146 (0,55%)
  • AP: 1ª dose – 23.398 (2,72%); 2ª dose – 1.351 (0,16%)
  • BA: 1ª dose -415.778 (2,78%); 2ª dose – 58.322 (0,39%)
  • CE: 1ª dose – 262.501 (2,86%); 2ª dose – 49.482 (0,54%)
  • DF: 1ª dose – 115.369 (3,78%); 2ª dose – 19.525 (0,64%)
  • ES: 1ª dose -108.515 (2,67%); 2ª dose – 10.284 (0,25%)
  • GO: 1ª dose -187.456 (2,64%); 2ª dose – 20.879 (0,29%)
  • MA: 1º dose -134.123 (1,89%); 2ª dose – 22.164 (0,31%)
  • MG: 1ª dose – 499.928 (2,35%); 2ª dose – 178.051 (0,84%)
  • MS: 1ª dose -107.102 (3,81%); 2ª dose – 37.948 (1,35%)
  • MT: 1ª dose -79.372 (2,25%); 2ª dose – 24.394 (0,69%)
  • PA: 1ª dose -116.711 (1,34%); 2ª dose – 17.431 (0,20%)
  • PB: 1ª dose -98.947 (2,45%); 2ª dose – 15.840 (0,39%)
  • PE: 1ª dose – 264.973 (2,76%); 2ª dose – 76.213 (0,79%)
  • PI: 1ª dose – 65.163 (1,99%) ; 2ª dose – 5.842 (0,18%)
  • PR: 1ª dose – 284.460 (2,47%); 2ª dose – 69.993 (0,61%)
  • RJ: 1ª dose -427.482 (2,46%); 2ª dose – 80.876 (0,47%)
  • RN: 1ª dose -80.977 (2,29%); 2ª dose – 19.594 (0,55%)
  • RO: 1ª dose -43.407 (2,42%); 2ª dose – 3.832 (0,21%)
  • RR: 1ª dose – 24.461 (3,88%); 2ª dose – 5.638 (0,89%)
  • RS: 1ª dose – 420.713 (3,68%); 2ª dose – 43.379 (0,38%)
  • SC: 1ª dose -156.827 (2,16%); 2ª dose – 47.305 (2,16%)
  • SE: 1ª dose -43.593 (1,88%); 2ª dose – 19.817 (0,85%)
  • SP: 1ª dose – 1.661.459 (3,59%); 2ª dose – 404.006 (0,87%)
  • TO: 1ª dose -34.694 (2,18%); 2ª dose – 2.720 (0,17%)

Quantas doses cada estado recebeu até 22 de fevereiro:

  • AC: 57.640
  • AL: 162.660
  • AM: 555.044
  • AP: 54.800
  • BA: 736.900
  • CE: 449.900
  • DF: 204.060
  • ES: 207.420
  • GO: 356.280
  • MA: 306.540
  • MG: 1.171.180
  • MS: 222.746
  • MT: 191.760
  • PA: 315.640
  • PB: 223.680
  • PE: 511.560
  • PI: 133.380
  • PR: 538.900
  • RJ: 1.040.320
  • RN: 113.940
  • RO: 107.008
  • RR: 95.920
  • RS: 704.400
  • SC: 298.140
  • SE: 100.480
  • SP: 2.700.000
  • TO: 106.500

Origem dos dados

  • Total de doses: números divulgados pelos governos estaduais.
  • As informações sobre população prioritária e doses disponíveis são do Ministério da Saúde.
  • As estimativas populacionais são do IBGE.

Consórcio

O consórcio de veículos de imprensa foi formado em junho de 2020, em resposta a uma decisão do presidente Jair Bolsonaro de, na ocasião, restringir acesso a dados sobre a pandemia. Os boletins informam, atualmente, o número de pessoas mortas por coronavírus, a quantidade de contaminados e a média móvel, indicador segundo o qual é possível verificar em quais estados a pandemia do novo coronavírus está aumentando, diminuindo ou em estabilidade.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil registra 554 mortes por Covid em 24 horas; média móvel supera 1 mil pelo 32º dia seguido

País contabilizou 10.167.300 casos e 246.560 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa.

Por G1

Foram 554 vítimas nas últimas 24 horas. Curva de mortes sobe em 11 estados.

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h deste domingo (21).

O país registrou 554 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 246.560 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 1.038. Já são 32 dias com essa média acima da marca de 1 mil. A variação foi de 2% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de estabilidade nos óbitos pela doença.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 10.167.300 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 29.035 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 47.658 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de 4% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade também nos diagnósticos.

Onze estados estão com alta nas mortes: RS, SC, GO, AC, PA, RO, RR, BA, PB, PE e RN.

Brasil, 21 de fevereiro

  • Total de mortes: 246.560
  • Registro de mortes em 24 horas: 554
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.038 (variação em 14 dias: +2%)
  • Total de casos confirmados: 10.167.300
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 29.035
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 47.658 por dia (variação em 14 dias: +4%)

Estados

  • Subindo (11 estados): RS, SC, GO, AC, PA, RO, RR, BA, PB, PE e RN
  • Em estabilidade (9 estados e o Distrito Federal): PR, ES, MG, SP, DF, MT, AP, AL, CE e PI
  • Em queda (5 estados): RJ, MS, AM, TO e SE
  • Sem atualização dos dados (1 estado): MA

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

Vacinação

Balanço da vacinação contra Covid-19 deste domingo (21) aponta que 5.811.528 de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 2,76% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 1.172.208 pessoas (0,55% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal. No total, 7.025.961 doses foram aplicadas em todo o país.

Variação de mortes por estados

Sul

  • PR: +5%
  • RS: +25%
  • SC: +21%

Sudeste

  • ES: +3%
  • MG: -4%
  • RJ: -19%
  • SP: -3%

Centro-Oeste

  • DF: +3%
  • GO: +42%
  • MS: -28%
  • MT: -10%

Norte

  • AC: +110%
  • AM: -31%
  • AP: 0%
  • PA: +64%
  • RO: +65%
  • RR: +56%
  • TO: -33%

Nordeste

  • AL: +12%
  • BA: +65%
  • CE: +1%
  • MA: não atualizou dados neste domingo (22)
  • PB: +27%
  • PE: +30%
  • PI: -12%
  • RN: +50%
  • SE: -31%

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil já aplicou ao menos uma dose de vacina em mais de 5,85 milhões, aponta consórcio de veículos de imprensa

Levantamento junto a secretarias de Saúde aponta que 5.853.753 pessoas tomaram a primeira dose e 1.172.208 a segunda, num total de 7,02 milhões aplicadas. G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL divulgam diariamente os dados de imunização no país.

Por G1

Balanço da vacinação contra Covid-19 deste domingo (21) aponta que 5.853.753 de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 2,76% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 1.172.208 pessoas (0,55% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal.

No total, 7.025.961 doses foram aplicadas em todo o país.

A informação é resultado de uma parceria do consórcio de veículos de imprensa, formado por G1, O Globo, Extra, O Estadão de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL. Os dados de vacinação passaram a ser acompanhados a partir de 21 de janeiro.

Brasil, 21 de fevereiro

  • Total de pessoas que receberam ao menos uma dose: 5.853.753 (2,76% da população)
  • Total de pessoas que receberam duas doses: 1.172.208 (0,55% da população)
  • Total de doses aplicadas: 7.025.961 (60,09% das doses recebidas pelos estados)
  • Divulgaram dados novos (14 estados): AC, BA, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PI, RJ, RN, RS e SP.
  • Divulgaram dados em dias anteriores (12 estados e Distrito Federal): AL, AM, AP, CE, DF, ES, MA, PR, RO, RR, SC, SE e TO.

Vacinados por estado

Vacinados por estado — Foto: Editoria de Arte/G1

Vacinados por estado — Foto: Editoria de Arte/G1

Total de vacinados, segundo os governos, e o percentual em relação à população do estado:

  • AC: 1ª dose – 16.611 (1,86%); 2ª dose – 1.969 (0,22%)
  • AL: 1ª dose -89.141 (2,66%); 2ª dose – 4.456 (0,13%)
  • AM: 1ª dose -215.521 (5,12%); 2ª dose – 22.951 (0,55%)
  • AP: 1ª dose – 23.398 (2,72%); 2ª dose – 1.351 (0,16%)
  • BA: 1ª dose -414.372 (2,78%); 2ª dose – 49.428 (0,33%)
  • CE: 1ª dose – 259.525 (2,82%); 2ª dose – 44.447 (0,48%)
  • DF: 1ª dose – 115.369 (3,78%); 2ª dose – 19.525 (0,64%)
  • ES: 1ª dose -105.780 (2,6%); 2ª dose – 4.329 (0,11%)
  • GO: 1ª dose -187.456 (2,64%); 2ª dose – 18.970 (0,27%)
  • MA: 1º dose -134.123 (1,89%); 2ª dose – 22.164 (0,31%)
  • MG: 1ª dose – 454.030 (2,13%); 2ª dose – 177.817 (0,84%)
  • MS: 1ª dose -106.865 (3,79%); 2ª dose – 36.739 (1,21%)
  • MT: 1ª dose -78.974 (2,24%); 2ª dose – 23.603 (0,67%)
  • PA: 1ª dose -113.738 (1,31%); 2ª dose – 15.693 (0,18%)
  • PB: 1ª dose -97.986 (2,43%); 2ª dose – 14.941 (0,37%)
  • PE: 1ª dose – 259.031 (2,69%); 2ª dose – 70.894 (0,74%)
  • PI: 1ª dose – 64.790 (1,97%) ; 2ª dose – 4.763 (0,15%)
  • PR: 1ª dose – 277.707 (2,41%); 2ª dose – 53.553 (0,46%)
  • RJ: 1ª dose -427.482 (2,46%); 2ª dose – 80.876 (0,47%)
  • RN: 1ª dose -80.977 (2,29%); 2ª dose – 19.594 (0,55%)
  • RO: 1ª dose -42.768 (2,38%); 2ª dose – 2.906 (0,16%)
  • RR: 1ª dose – 24.021 (3,81%); 2ª dose – 4.622 (0,73%)
  • RS: 1ª dose – 416.379 (3,65%); 2ª dose – 39.814 (0,35%)
  • SC: 1ª dose -150.761 (2,08%); 2ª dose – 41.949 (0,58%)
  • SE: 1ª dose -42.702 (1,84%); 2ª dose – 18.378 (0,79%)
  • SP: 1ª dose – 1.625.029 (3,51%); 2ª dose – 375.408 (0,81%)
  • TO: 1ª dose -29.217 (1,84%); 2ª dose – 1.038 (0,07%)

Quantas doses cada estado recebeu até 21 de fevereiro:

  • AC: 57.640
  • AL: 162.660
  • AM: 555.044
  • AP: 54.800
  • BA: 736.900
  • CE: 449.900
  • DF: 204.060
  • ES: 207.420
  • GO: 356.280
  • MA: 306.540
  • MG: 1.171.180
  • MS: 222.746
  • MT: 191.760
  • PA: 315.640
  • PB: 223.680
  • PE: 511.560
  • PI: 133.380
  • PR: 538.900
  • RJ: 1.040.320
  • RN: 113.940
  • RO: 107.008
  • RR: 95.920
  • RS: 704.400
  • SC: 298.140
  • SE: 100.480
  • SP: 2.700.000
  • TO: 106.500

Origem dos dados

  • Total de doses: números divulgados pelos governos estaduais.
  • As informações sobre população prioritária e doses disponíveis são do Ministério da Saúde.
  • As estimativas populacionais são do IBGE.

Consórcio

O consórcio de veículos de imprensa foi formado em junho de 2020, em resposta a uma decisão do presidente Jair Bolsonaro de, na ocasião, restringir acesso a dados sobre a pandemia. Os boletins informam, atualmente, o número de pessoas mortas por coronavírus, a quantidade de contaminados e a média móvel, indicador segundo o qual é possível verificar em quais estados a pandemia do novo coronavírus está aumentando, diminuindo ou em estabilidade.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sintomas de Covid: pesquisadores britânicos ampliam para 7 os sinais que deveriam levar a exame de coronavírus

Autoridades de saúde, por outro lado, resistem à ideia por temerem que aumento da demanda por diagnósticos possa sobrecarregar o sistema.

Por BBC

Pesquisadores no Reino Unido querem que o governo do país inclua quatro sintomas à lista que orienta os pedidos de exame diagnóstico para Covid-19.

A ideia é acrescentar fadiga, dor de cabeça, dor de garganta e diarreia à lista que hoje se restringe a tosse, febre e perda de paladar ou olfato.

Ao ampliar o rol de sintomas, seriam identificados 40% mais casos da doença, dizem os autores da proposta, que estão à frente do aplicativo Zoe, um amplo estudo de sintomas da Covid feito em parceria com a universidade King’s College London.

As autoridades de saúde, entretanto, temem que um aumento no número de testes possa sobrecarregar o sistema da saúde.

Como os sintomas são bastante comuns e podem surgir a partir das mais diferentes causas, um volume maior de pessoas que não estão infectadas com o coronavírus também serão testadas.

Os próprios pesquisadores envolvidos no estudo estimam que o total de resultados negativos para cada positivo aumentaria de 46 para 95, mas argumentam que o país hoje tem condições de fazer frente ao aumento de demanda.

“Os principais sintomas foram cuidadosamente selecionados para identificar aqueles com maior probabilidade de terem Covid-19, ao mesmo tempo em que excluem uma grande quantidade daqueles que não têm a doença”, afirmou um porta-voz do Departamento de Saúde e Serviço Social.

A equipe do app Zoe esteve entre as primeiras a identificar a perda de olfato e paladar como sintomas da Covid-19.

Isso foi possível graças ao volume de informações cadastradas no aplicativo, onde britânicos com sintomas da doença compartilham o que estão sentindo e, posteriormente, se tiveram diagnóstico positivo ou negativo para a doença.

Os sete principais sintomas foram filtrados a partir dos dados fornecidos por 120 mil adultos ao app. Do total, 1,2 mil foram efetivamente diagnosticados com a doença.

Para os pesquisadores, o paciente que apresente qualquer um dos sete sintomas deveria estar elegível ao teste de PCR, o “padrão ouro” do diagnóstico de Covid-19, que investiga a presença de material genético do vírus na região da orofaringe e nasofaringe.

“Quando os testes de PCR eram escassos, fazia sentido uma maior restrição”, afirma Claire Steves, que lidera o estudo.

Sintomas da Covid-19 — Foto: BBC

Sintomas da Covid-19 — Foto: BBC

“Agora, o Reino Unido tem testes o suficiente, graças ao esforço feito pelos laboratórios em todo o país, e cada diagnóstico positivo ajuda a salvar vidas.”

“Sabemos desde o início que focar a testagem apenas nos três sintomas clássicos – tosse, febre e anosmia [perda de olfato] — significa perder uma proporção significativa dos casos positivos”, acrescenta Tim Spector, que também coordena o projeto.

“Para nós, a mensagem para o público é clara: ‘Se você não estiver se sentindo bem, isso pode ser Covid e você deveria ser testado’.”

Spector acrescenta que esse aspecto ganhou nova importância recentemente, com a identificação no país de variantes mais transmissíveis do Sars-CoV-2.

Estudo conduzido pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês) identificou que tosse, fadiga, dor de garganta e dor muscular estão entre os sintomas mais comuns entre aqueles infectados pela nova variante.

Para a médica Margaret McCartney, a conduta poderia chegar a um meio termo, de forma mais pragmática. Em entrevista ao programa Inside Health, da BBC Radio 4, ela propôs que se levasse em conta a gama mais ampla de sintomas para requisição de testes em regiões onde há sabidamente maior circulação do vírus.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil ultrapassa marca de 10 milhões de casos registrados de Covid; foram 1.432 mortes nas últimas 24 horas

País contabilizou 10.028.644 casos e 243.610 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Já são 29 dias com a média móvel de mortes acima da marca de 1 mil.

Por G1

País contabilizou 10.028.644 casos e 243.610 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Já são 29 dias com a média móvel de mortes acima da marca de 1 mil.

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h desta quinta-feira (18).

O país registrou 1.432 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 243.610 óbitos desde o começo da pandemia. É a quinta maior marca de óbitos em 24 horas registrada até aqui. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 1.030. Já são 29 dias com essa média acima da marca de 1 mil. A variação foi de -2% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de estabilidade nos óbitos pela doença.

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 10.028.644 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 49.368 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 44.621 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de -5% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade nos diagnósticos.

Onze estados estão com alta nas mortes: RS, GO, AC, AP, PA, RO, RR, BA, PB, PE e RN.

Brasil, 18 de fevereiro

  • Total de mortes: 243.610
  • Registro de mortes em 24 horas: 1.432
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.030 (variação em 14 dias: -2%)
  • Total de casos confirmados: 10.028.644
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 49.368
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 44.621 por dia (variação em 14 dias: -5%)

Estados

  • Subindo (11 estados): RS, GO, AC, AP, PA, RO, RR, BA, PB, PE e RN
  • Em estabilidade (11 estados e o Distrito Federal): PR, SC, ES, MG, SP, DF, MS, MT, AL, CE, MA e PI
  • Em queda (4 estados): RJ, AM, TO e SE

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados.

Vacinação

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta quinta-feira (18) aponta que 5.558.105 de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 2,62% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 837.094 pessoas (0,40% da população do país). No total, 6.395.199 doses foram aplicadas em todo o país.

Variação de mortes por estados

Estados com mortes em alta — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em alta — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em estabilidade — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em estabilidade — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em queda — Foto: Editoria de Arte/G1

Estados com mortes em queda — Foto: Editoria de Arte/G1

Sul

  • PR: -4%
  • RS: +16%
  • SC: +1%

Sudeste

  • ES: -10%
  • MG: 0%
  • RJ: -24%
  • SP: -6%

Centro-Oeste

  • DF: +1%
  • GO: +42%
  • MS: -10%
  • MT: +3%

Norte

  • AC: +78%
  • AM: -35%
  • AP: +59%
  • PA: +66%
  • RO: +53%
  • RR: +120%
  • TO: -44%

Nordeste

  • AL: +7%
  • BA: +66%
  • CE: +12%
  • MA: -3%
  • PB: +24%
  • PE: +24%
  • PI: -4%
  • RN: +27%
  • SE: -21%

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil já aplicou ao menos uma dose de vacina em mais de 5,61 milhões, aponta consórcio de veículos de imprensa

Levantamento junto a secretarias de Saúde aponta que 5.614.633 pessoas tomaram a primeira dose e 883.379 a segunda, num total de 6,49 milhões aplicadas. G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL divulgam diariamente os dados de imunização no país.

Por G1

País contabilizou 10.028.644 casos e 243.610 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Já são 29 dias com a média móvel de mortes acima da marca de 1 mil.

Balanço da vacinação contra Covid-19 desta quinta-feira (18) aponta que 5.614.633 de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 2,65% da população brasileira.

A segunda dose já foi aplicada em 883.379 pessoas (0,42% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal.

No total, 6.498.012 doses foram aplicadas em todo o país.

A secretaria de saúde do Pará afirma que está fazendo uma auditoria nos números de doses aplicadas pelas prefeituras, por isso, aparecem menos segundas doses aplicadas do que em dias anteriores. O Rio de Janeiro estava divulgando apenas o total de doses aplicadas no estado e, nesta quinta-feira, começou a divulgar as duas doses aplicadas.

A informação é resultado de uma parceria do consórcio de veículos de imprensa, formado por G1, O Globo, Extra, O Estadão de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL. Os dados de vacinação passaram a ser acompanhados a partir de 21 de janeiro.

Brasil, 18 de fevereiro

  • Total de pessoas que receberam ao menos uma dose: 5.614.633 (2,65% da população)
  • Total de pessoas que receberam duas doses: 883.379 (0,42% da população)
  • Total de doses aplicadas: 6.498.012 (55,70% das doses recebidas pelos estados)
  • Divulgaram dados novos (25 estados e o Distrito Federal): AC, AL, AP, AM, BA, CE, DF, ES, GO, MA, MG, MS, MT, PA, PB, PE, PI, PR, RJ, RO, RN, RS, RR, SC, SE e SP
  • Divulgaram dados em dias anteriores (1 estado): TO

Vacinados por estado

Vacinação nos estados nesta quinta-feira — Foto: Arte G1

Vacinação nos estados nesta quinta-feira — Foto: Arte G1

Total de vacinados, segundo os governos, e o percentual em relação à população do estado:

  • AC: 1ª dose – 14.811 (1,66%); 2ª dose – 803 (0,09%)
  • AL: 1ª dose -86.687 (2,59%); 2ª dose – 3.572 (0,11%)
  • AM: 1ª dose -209.767 (4,99%); 2ª dose – 15.072 (0,36%)
  • AP: 1ª dose – 19.314 (2,24%); 2ª dose – 1.118 (0,13%)
  • BA: 1ª dose -398.850 (2,67%); 2ª dose – 22.298 (0,15%)
  • CE: 1ª dose – 247.319 (2,69%); 2ª dose – 26.445 (0,29%)
  • DF: 1ª dose – 114.471 (3,75%); 2ª dose – 15.072 (0,49%)
  • ES: 1ª dose -105.133 (2,59%); 2ª dose – 462 (0,01%)
  • GO: 1ª dose -186.335 (2,62%); 2ª dose – 9.144 (0,13%)
  • MA: 1º dose -127.747 (1,80%); 2ª dose – 14.844 (0,21%)
  • MG: 1ª dose – 433.353 (2,04%); 2ª dose – 145.602 (0,68%)
  • MS: 1ª dose -101.684 (3,62%); 2ª dose – 28.390 (1,01%)
  • MT: 1ª dose -76.115 (2,16%); 2ª dose – 18.290 (0,52%)
  • PA: 1ª dose -93.272 (1,07%); 2ª dose – 9.649 (0,11%)
  • PB: 1ª dose -93.414 (2,31%); 2ª dose – 8.602 (0,21%)
  • PE: 1ª dose – 251.570 (2,62%); 2ª dose – 57.650 (0,60%)
  • PI: 1ª dose – 63.379 (1,93%) ; 2ª dose – 2.851 (0,09%)
  • PR: 1ª dose – 271.275 (2,36%); 2ª dose – 37.697 (0,33%)
  • RJ: 1ª dose -418.419 (2,41%); 2ª dose – 49.407 (0,28%)
  • RN: 1ª dose -78.807 (2,23%); 2ª dose – 14.878 (0,42%)
  • RO: 1ª dose -40.372 (2,25%); 2ª dose – 196 (0,01%)
  • RR: 1ª dose – 24.227 (3,84%); 2ª dose – 2.609 (0,41%)
  • RS: 1ª dose – 380.694 (3,33%); 2ª dose – 14.097 (0,12%)
  • SC: 1ª dose -143.754 (1,98%); 2ª dose – 32.727 (0,45%)
  • SE: 1ª dose -41.973 (1,81%); 2ª dose – 28.259 ( 1,22%)
  • SP: 1ª dose – 1.562.747 (3,38%); 2ª dose – 323.350 (0,70%)
  • TO: 1ª dose -29.144 (1,83%); 2ª dose – 295 (0,02%)

Quantas doses cada estado recebeu até 18 de fevereiro:

  • AC: 57.640
  • AL: 162.660
  • AM: 555.044
  • AP: 46.000
  • BA: 736.900
  • CE: 449.900
  • DF: 204.060
  • ES: 207.420
  • GO: 356.280
  • MA: 306.540
  • MG: 1.171.180
  • MS: 222.746
  • MT: 191.760
  • PA: 315.640
  • PB: 223.680
  • PE: 511.560
  • PI: 133.380
  • PR: 538.900
  • RJ: 1.040.320
  • RN: 113.940
  • RO: 107.008
  • RR: 95.920
  • RS: 704.400
  • SC: 298.140
  • SE: 100.480
  • SP: 2.700.000
  • TO: 106.500

Origem dos dados

  • Total de doses: números divulgados pelos governos estaduais.
  • As informações sobre população prioritária e doses disponíveis são do Ministério da Saúde.
  • As estimativas populacionais são do IBGE.

Consórcio

O consórcio de veículos de imprensa foi formado em junho de 2020, em resposta a uma decisão do presidente Jair Bolsonaro de, na ocasião, restringir acesso a dados sobre a pandemia. Os boletins informam, atualmente, o número de pessoas mortas por coronavírus, a quantidade de contaminados e a média móvel, indicador segundo o qual é possível verificar em quais estados a pandemia do novo coronavírus está aumentando, diminuindo ou em estabilidade.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.