Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Australianos prestam homenagem a vítimas de sequestro em café

Os australianos prestaram homenagens, nesta terça-feira (16), aos dois reféns mortos durantesequestro no Lindt Café de Martin Place, no centro financeiro de Sydney. Katrina Dawson, uma barista de 38 anos, e Tori Johnson, gerente da cafeteria, 34, morreram juntamente com o sequestrador, o iraniano Man Haron Monis, num drama que durou 16 horas.

Centenas de pessoas depositaram flores perto da cafeteria onde ocorreu a tragédia. Mais cedo, uma missa foi celebrada em homenagem às vítimas do sequestro.

A polícia da Austrália invadiu na madrugada de terça (horário local) a cafeteria, e, após ação de 30 segundos e diversos disparos, encerrou o sequestro no local. Além dos três mortos, seis pessoas ficaram feridas, informou a polícia. Uma brasileira estava entre os reféns e foi libertada com ferimentos num dos pés.

Ao todo, 17 reféns estavam no café na hora do sequestro. Cinco conseguiram fugir um pouco antes. A imprensa local australiana identificou o clérigo muçulmano Man Haron Monis como o sequestrador. Ele já foi acusado de enviar cartas de ódio e abuso sexual.

Durante uma cerimônia na catedral St Mary’s, que fica perto do local da tragédia, o distrito de Martin Place, no coração de Sydney, o arcebispo Anthony Fisher citou o “coração partido’ da cidade. “Aparentemente, durante uma tentativa, Tori Johnson tomou a arma do sequestrador, mas tragicamente aconteceu um disparo que o matou. No entanto, isto precipitou a intervenção da polícia e, no fim, a libertação da maioria dos reféns”, disse o religioso.

“Também, ao que parece, Katrina Dawson tentava proteger uma amiga grávida. Estes heróis estavam dispostos a sacrificar suas vidas para que outros pudessem viver”, afirmou o arcebispo. Katrina era estudante de direito e mãe de três filhos.

A polícia não confirmou a luta entre o gerente do café e o sequestrador e destacou que a investigação sobre os acontecimentos ainda está em curso.

Segundo Andrew Scipione, chefe de polícia de Nova Gales do Sul (estado do qual Sydney é a capital), vários tiros foram disparados enquanto o sequestro estava em andamento, o que levou os policiais a tomarem a decisão de invadir o local.

Policiais fortemente armados são vistos do lado de fora do café Lindt, onde pessoas eram mantidas reféns, no centro de Sydney, na Austrália (Foto: Jason Reed/Reuters)
Policiais fortemente armados são vistos do lado de fora do café Lindt, onde pessoas eram mantidas reféns, no centro de Sydney, na Austrália (Foto: Jason Reed/Reuters)

Motivações desconhecidas
“Acreditamos que ninguém tinha sido ferido até a polícia entrar”, acrescentou. Entre os feridos, há um policial, que está no hospital em boas condições. O policial foi ferido no rosto, segundo a TV “ABC”. Ele estaria animado e “feliz por estar vivo”.

As motivações do ataque ainda são desconhecidas.

Nas primeiras horas do sequestro, imagens da emissora de TV Channel 7 mostraram pessoas com as mãos para o alto e uma bandeira negra fixada em uma vidraça da lanchonete com um texto em árabe no qual se lia “Não há outro Deus que Alá e Maomé é o mensageiro de Deus”.

Imagem de arquivo sem data cedida pela TV australiana ABC mostra o iraniano Man Haron Monis, identificado como sequestrador do Cafe em Sydney, durante uma entrevista (Foto: ABC TV/Reuters)
Imagem de arquivo sem data cedida pela TV australiana ABC mostra o iraniano Man Haron Monis, identificado como sequestrador do Cafe em Sydney, durante uma entrevista (Foto: ABC TV/Reuters)

Mais de 40 grupos muçulmanos australianos condenaram a tomada de reféns. “Nós rejeitamos qualquer tentativa de tirar vidas inocentes de seres humanos ou de instilar medo e terror em seus corações”, afirmam em um comunicado, que chamou a tomada de reféns de “ato desprezível”.

Brasileira refém
A família da brasileira Marcia Mikhael afirmou que ela foi libertada do sequestro com ferimento no pé e que passa bem.

A brasileira Marcia Mikhael (Foto: Reprodução/Facebook)

A brasileira Marcia Mikhael (Foto: Reprodução)

O sequestro começou por volta das 21h de domingo (14) no horário de Brasília – 10h da manhã de segunda no horário local. Cerca de sete horas depois, cinco reféns deixaram o local.

Após horas sem movimento, outro refém conseguiu escapar, seguido por mais cinco pessoas.

Logo depois equipes da polícia invadiram o local. Diversos disparos foram feitos no local, e também foram ouvidos outros sons altos. Em seguida os disparos cessaram e a movimentação policial diminuiu, restando apenas o barulho de um alarme de incêndio.

Após a movimentação, um robô do esquadrão antibombas foi visto entrando no prédio. Houve relatos mais cedo de que o sequestrador estaria com uma bomba.

Sequestrador
A imprensa local identificou o clérigo muçulmano Man Haron Monis como o sequestrador. Segundo a rede australiana “9News”, Monis nasceu Manteghi Bourjerdi e se mudou do Irã para a Austrália em 1996. Ele teria sido processado em 2009 após uma campanha de cartas de ódio para protestar contra a presença das tropas australianas no Afeganistão e foi condenado a 300 horas de trabalho comunitário em setembro de 2013.

Em novembro do ano passado, segundo a mesma emissora, ele voltou aos noticiários após ser suspeito de ter orquestrado o assassinado da ex-mulher Noleen Pal, que foi encontrada esfaqueada em um apartamento. Em abril deste ano, ele foi acusado de abusar sexualmente de sete mulheres enquanto trabalhava como um “curandeiro espiritual” em Wentworthville. Em outubro ele foi acusado de outros 40 crimes sexuais relacionados ao seu trabalho como líder espiritual.

Ainda de acordo com a rede de notícias, o xeique Haron, como é conhecido, estava em liberdade mediante fiança.

Reféns libertados
Por volta das 2h45, três homens saíram da lanchonete. Dois deles deixaram o local pela entrada da lanchonete e outro pela saída de emergência. Por volta das 4h15, duas mulheres deixaram a cafeteria.

Prédios ao redor do café foram esvaziados, dentre eles o Consulado dos Estados Unidos no país e também a Ópera House, principal ponto turístico da cidade, que cancelou suas apresentações até esta terça. O Consulado dos EUA também ficará fechado nesta terça.

O Consulado do Brasil, que fica na área isolada pela polícia, estava fechado nesta segunda, mas mantinha contato com seus funcionários para obter e conceder informações.

 

 

Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Policial envolvido em morte de brasileiro na Austrália é condenado

Roberto Laudisio Curti, de 21 anos, morto pela polícia de Sydney (Foto: Reprodução/TV Globo)

Roberto Laudisio Curti, de 21 anos, morto pela polícia de Sydney (Foto: Reprodução/TV Globo)

Um tribunal australiano considerou culpado nesta terça-feira (16) um dos policiais envolvidos na morte do estudante brasileiro Roberto Curti, que foi atingido por disparos de taser durante uma perseguição em Sydney em março de 2012, mas o agente não cumprirá pena na prisão.

A juíza Claire McFarlane de um tribunal local condenou o policial Damian John Ralph, mas optou por deixá-lo em liberdade condicional após pagamento de fiança. Com isso, o agente não poderá cometer nenhum crime durante os próximos dois anos, informou a agência local ‘AAP’.

Outros três policiais envolvidos no incidente, Eric Lim, Scott Edmondson e Daniel Barling, foram absolvidos, segundo a ‘AAP’.

Roberto morreu após ser perseguido por mais de dez policiais, que o atingiram com choques elétricos por 14 vezes. Os policiais foram atrás do jovem depois que ele roubou dois pacotes de biscoitos em uma loja no centro de Sydney.

Antes do incidente, o estudante brasileiro, de 21 anos, tinha sofrido um surto psicótico e estava correndo pelo centro da cidade após tomar LSD.

Em dezembro de 2013, a Comissão de Integridade da polícia da Austrália anunciou sua decisão de indiciar Lim e Ralph por agressão, e Edmondson e Barling por agressão, com agravante de lesão corporal.

A promotoria do estado de Nova Gales do Sul, cuja capital é Sydney, recomendou que os agentes fossem indiciados por considerar que as provas contra eles eram suficientes, após avaliar um relatório da própria comissão policial.

A perícia médica sobre a morte de Roberto determinou em novembro de 2012 que os agentes agiram de forma brutal, imprudente e perigosa ao deter o jovem utilizando taser e aerossóis paralisantes de pimenta.

As pistolas elétricas – taser – provocam descargas de 400 volts e são utilizadas pelas forças de segurança em países como Austrália, Reino Unido e Estados Unidos para dominar suspeitos em situações que não justificam o uso de armas de fogo.

No entanto, organizações como a Anistia Internacional denunciam que a arma já causou dezenas de mortes e podem ser utilizadas para torturar os detidos.

Imagem do vídeo de circuito interno da loja de departamentos no dia da morte do brasileiro (Foto: Reprodução de vídeo)
Imagem do vídeo de circuito interno da loja de departamentos no dia da morte do brasileiro (Foto: Reprodução de vídeo)
Da EFE

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Espanha e Marrocos detêm suspeitos de recrutar mulheres para o EI

Sete pessoas foram detidas nesta terça-feira (16) na Espanha e em Marrocos em uma operação contra o recrutamento de mulheres que seriam enviadas para a Síria e o Iraque, para atuar pelo grupo Estado Islâmico (EI), anunciou o ministério espanhol do Interior.

Quatro mulheres, incluindo uma menor de idade, e três homens foram detidos em Barcelona, nos territórios espanhóis de Ceuta e Melilla e na cidade marroquina de Castillejos, a 2 km de Ceuta.

A operação em coordenação com o governo marroquino prosseguia nesta terça-feira, segundo um comunicado oficial.

Os detidos são acusados de integrar uma rede de recrutamento e envio de mulheres para a frente Síria-Iraque do EI.

Quase 100 espanhóis teriam viajado para integrar o EI nos dois países, informou no mês passado o embaixador da Espanha no Iraque, José María Ferré.

O fenômeno preocupa Madri. Em agosto, uma adolescente de 14 anos foi detida em Ceuta quando se preparava para viajar ao Oriente Médio.

 

Da France Presse

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Filipinas acham banheira, PlayStation 4 e até boneca inflável em presídio

As autoridades das Filipinas descobriram até uma boneca inflável nas celas do presídio New Bilibid, em Muntinlupa. Durante a checagem, também foram encontrados diversos outros objetos proibidos, como uma banheira de hidromassagem, equipamentos de música, uma TV de tela plana de 48 polegadas e um aparelho PlayStation 4, segundo a imprensa local.

Autoridades das Filipinas descobriram até boneca inflável nas celas do presídio New Bilibid (Foto: Reprodução/YouTube/ABS-CBN News )
Autoridades das Filipinas descobriram até boneca inflável nas celas do presídio New Bilibid (Foto: Reprodução/YouTube/ABS-CBN News )
Banheira de hidromassagem foi um dos itens encontrados (Foto: Reprodução/YouTube/ABS-CBN News)
Banheira de hidromassagem foi um dos itens encontrados (Foto: Reprodução/YouTube/ABS-CBN News)
Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Há possibilidade de ter uma brasileira sequestrada em Sydney, diz estudante

Polícia australiana faz cerco à cafeteria onde homem mantém mais de 40 reféns (Foto: Reprodução/GloboNews)

Polícia australiana faz cerco à cafeteria onde homem mantém reféns (Foto: Reprodução/GloboNews)

 

O estudante Vinicius Fonseca conta que os brasileiros que vivem na Austrália estão preocupados. Há mais de doze horas, um homem mantém mais de 40 pessoas reféns em uma cafeteria no centro financeiro de Sydney. “Há possibilidade ter uma brasileira lá dentro”, conta Fonseca.

O brasileiro relata que estava na aula quando a ação começou. “De repente, a escola começou a avisar que estava tendo um ataque terrorista. Fui trabalhar com medo. O tráfego de ônibus está parado. Há um medo de andar na rua”, diz o estudante. Ele ressalta que o principal medo na cidade é de que aconteçam explosões em Martin Place.

Antes de liberar cinco reféns, o sequestrador obrigou um deles a exibir na janela uma bandeira preta com inscrições em árabe onde se lia “Não existe nenhum Deus além do Deus Alah”. O número exato de reféns na cafeteria não foi divulgado.

 

 

Do G1 – Globo News

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Bélgica tem greve geral contra austeridade

Rede de transporte de trens de passageiros em Bruxelas foi afetada pela greve geral na Bélgica nesta segunda, 15 de dezembro, contra planos de cortes do governo  (Foto: Francois Lenoir/Reuters)

Rede de transporte de trens de passageiros em Bruxelas foi afetada pela greve geral na Bélgica nesta segunda, 15 de dezembro, contra planos de cortes do governo (Foto: Francois Lenoir/Reuters)

Os sindicatos belgas convocaram para esta segunda-feira (15) uma greve geral contra a política de austeridade do governo, que deve paralisar grande parte do transporte aéreo e terrestre no país.

Quase 600 voos com destino e chegada a Bruxelas serão cancelados durante o dia, em consequência da greve de 24 horas dos controladores aéreos.

Os aeroportos de Charleroi, Liege, Antuérpia também serão afetados.

As ferrovias belgas cancelaram as viagens a partir da noite de domingo.

As viagens dos trens Eurostar e Thalys até Bruxelas também foram canceladas.

A greve também afeta os ônibus, bondes e metrô, assim como as escolas, comércios, fábricas e prédios do governo em todo o país.

O movimento de protesto começou no mês passado com uma passeata de 10 mil pessoas em Bruxelas que terminou com mais de 100 agentes de polícia feridos.

Os sindicatos protestam contra os planos do primeiro-ministro de centro-direita Charles Michel para reduzir o ajuste de salários automático de acordo com a inflação, realizar cortes no setor público e aumentar a idade para a aposentadoria.

 

 

Da France Presse

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

China admite ter executado um inocente em 1996

As autoridades chinesas admitiram nesta segunda-feira que executaram em 1996 um rapaz de 18 anos por um crime que não cometeu, um reconhecimento pouco comum em um país com frequentes erros judiciais.

O rapaz de etnia mongol, condenado à morte por violência e assassinato na região da Mongólia Interior, foi executado de imediato, mas, em 2005, outro homem confessou o mesmo crime.

As provas que levaram ao veredicto de execução eram insuficientes e não determinantes, afirmou o júri de Hohhot em um novo julgamento divulgado nesta segunda-fera.

O tribunal decidiu então declarar o réu executado, de nome Hugjiltu, inocente.

A família do condenado lutou durante dez anos para provar sua inocência.

As redes sociais chinesas mostraram imagens do vice-presidente do tribunal pedindo desculpas aos pais e oferecendo 30.000 yuanes (3.900 euros) em termos de indenização. As desculpas, no entanto, não foram confirmadas pela imprensa oficial.

 

Da France Presse

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Pais de desaparecidos são feridos em confronto com a polícia no México

Veículos incendiados na entrada da academia de polícia de Guerrero, durante protesto no domingo (14) (Foto: AP Photo/Alejandrino Gonzalez)

Veículos incendiados na entrada da academia de polícia de Guerrero, durante protesto no domingo (14) (Foto: AP Photo/Alejandrino Gonzalez)

Os pais de dois dos 43 estudantes mexicanos desaparecidos desde setembro foram feridos no domingo (14) em um confronto com policiais durante os preparativos para um evento de solidariedade na capital do estado de Guerrero, denunciou a ONG Tlachinollan.

Lambertino Cruz Antonio e Mario César González Cabrera, pais de dois dos 43 alunos da escola rural de magistério de Ayotzinapa, foram atingidos durante a confusão. Lambertino foi hospitalizado, segundo a ONG.

Seis estudantes da escola, dois professores e dois jornalistas também sofreram agressões de policiais.

A ONG denunciou uma “operação premeditada e que mostra uma grave contradição entre o discurso e a prática do Estado”.

O confronto aconteceu no domingo em Chilpancingo, capital de Guerrero, quando os estudantes isolavam uma área para a realização do concerto “Uma luz na escuridão”, que pretendia exigir das autoridades que encontrem os estudantes.

Os jovens desapareceram em 26 de setembro, após um ataque de policiais locais e narcotraficantes na cidade de Iguala. De acordo com depoimentos ouvidos pela Procuradoria-Geral, os estudantes teriam sido brutalmente assassinados e seus corpos queimados.

O corpo de um jovem foi identificado há duas semanas.

 

Da France Presse

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Comilão americano devora 15 salsichas sem mastigar

O americano Kevin Strahle, conhecido como “L.A. Beast”, devorou 15 salsichas de cachorro-quente sem mastigar. Comilão profissional, Strahle publicou um vídeo no YouTube no qual engole uma salsicha de cada vez. No final, ele ainda vomita salsichas inteiras. Publicada no dia 3 de dezembro, gravação alcançou mais de 380 mil visualizações. Assista ao vídeo.

Kevin Strahle devorou 15 salsichas de cachorro-quente sem mastigar (Foto: Reprodução/YouTube/Skippy62able )
Kevin Strahle devorou 15 salsichas de cachorro-quente sem mastigar (Foto: Reprodução/YouTube/Skippy62able )
Da AP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Homem armado faz reféns em café em Sydney, na Austrália

Refém corre em direção ao policial após deixar café na Austrália (Foto: AP Photo/Rob Griffith)

Refém corre em direção ao policial após deixar café na Austrália (Foto: AP Photo/Rob Griffith)

 

Um homem armado mantém dezenas de reféns no Lindt Chocolat Cafe, em Martin Place, em Sydney, desde as 21h (horário de Brasília) de domingo (14), 10h de segunda-feira (15) na Austrália. A polícia está em contato com o sequestrador, mas ainda não soube precisar o número de reféns, que pode chegar a 50, entre funcionários e clientes. Cinco deixaram a cafeteria até o momento.

As motivações do ataque ainda são desconhecidas. Por volta das 2h45, três homens saíram da lanchonete e ainda não se sabe se foram liberados ou conseguiram escapar. Dois deles deixaram o local pela entrada da lanchonete e outro pela saída de emergência. Por volta das 4h15, duas mulheres deixaram a cafeteria.

A vice-chefe de polícia local, Catherine Burn, informou que os cinco reféns libertados estão sendo avaliados por médicos para garantir que eles estão bem. Em seguida, eles serão ouvidos pela polícia.

Ela não confirmou quantas pessoas permanecem no café. Ao que parece, não há feridos, segundo a polícia.

A emissora local Network 10 afirmou que duas reféns mulheres disseram que o sequestrador tem duas bombas plantadas em outros locais da cidade.

Nas primeiras horas do sequestro, imagens da emissora de TV Channel 7 mostraram pessoas com as mãos para o alto e uma bandeira negra fixada em uma vidraça da lanchonete com um texto em árabe no qual se lia “Não há outro Deus que Alá e Maomé é o mensageiro de Deus”.

Imagem do Channel 7 mostra bandeira sendo erguida em vidro do café (Foto: AP Photo/Channel 7 via AP Video)

Imagem do Channel 7 mostra bandeira sendo erguida em vidro do café (Foto: AP Photo/Channel 7 via AP Video)

Informações da emissora de TV local davam conta de que existiam pelo menos 13 reféns no local. O gerente da Lindt na Australia, Steve Loane, disse ao site australiano “News.com.au” que entre 40 a 50 pessoas estavam dentro do café sob poder do sequestro, incluindo clientes e funcionários. A polícia não confirmou o número de vítimas.

O mesmo site diz ainda que o atirador afirma ter “dispositivos” espalhados pela cidade e exige falar com o premiê Tony Abbott em uma conversa transmitida ao vivo por uma estação de rádio.

De acordo com uma emissora local de televisão, o homem armado pediu que seja entregue uma bandeira do grupo Estado Islâmico (EI) e advertiu que quatro bombas estão escondidas na cidade.

A informação foi divulgada pela emissora “Channel 10”, segundo a qual o homem armado teria conversado com dois reféns no café e teria apresentado duas demandas. A polícia não confirmou os relatos.

Também houve informações de que reféns fizeram contato pelas redes sociais. A polícia pediu que se isso ocorrer, as autoridades devem ser avisadas, por apenas elas devem negociar com o sequestrador.

Prédios ao redor do café foram esvaziados, dentre eles o Consulado dos Estados Unidos no país e também o Ópera House, principal ponto turístico da cidade. Informações iniciais não confirmadas relatavam que um pacote suspeito estava no local. A polícia confirmou uma operação no Ópera House, mas não forneceu mais detalhes.

Reações
Em uma entrevista coletiva, o primeiro-ministro disse que não estava claro se a invasão ao café tem motivação política, mas que há indicações disso. “Este é um incidente muito preocupante. Compreendo a preocupação e a angústia do povo australiano. Há pessoas que querem nos fazer mal. A violência só serve para assustar. A Austrália é um lugar pacífico”, assinalou Abbott ao pedir aos australianos para continuar o dia com normalidade e, em caso de observar movimentos suspeitos, chamar as autoridades locais.

Na página oficial da Lindt Chocolate Cafe Austrália no Facebook, a companhia agradeceu o apoio e disse estar “profundamente preocupada com o grave incidente”. “Nossos pensamentos e orações estão com a equipe e os clientes envolvidos e todos os seus amigos e famílias”, diz o comunicado.

Autoridades muçulmanas na Austrália emitiram um comunicado condenando a ação, que classificou como “ato criminoso” e reiteram que tais práticas são condenadas em parte e em todo o Islã. As autoridades também expressam seu apoio e solidariedade para com as famílias das vítimas e dizem esperar uma solução pacífica para o caso.

Polícia retira pessoas de prédios em área próxima ao café onde um homem armado faz reféns na Austrália (Foto: Rob Griffith/AP Photo)

Polícia retira pessoas de prédios em área próxima ao café. (Foto: Rob Griffith/AP Photo)

Operação

Desde o início da ação, o premiê está reunido com o Comitê Nacional de Segurança para acompanhar a operação. Ao redor da área há mais de 20 homens de unidades especiais e cerca de 50 agentes e detetives à paisana e com coletes à prova de balas.

Ônibus que transitam pela região foram desviados. O espaço aéreo na região também foi bloqueado, de acordo com as autoridades de Aviação Civil e Segurança. O trânsito e linhas de

A Martin Place, praça onde fica o Lindt Chocolat Cafe, está localizada no centro financeiro de Sidney, onde fica também o escritório do primeiro-ministro, a emissora de TV Channel 7, o Reserve Bank of Australia e alguns dos maiores bancos do país. O Parlamento australiano fica a apenas algumas quadras dali.

O sequestro coincide com a detenção, em uma operação em separado, de um homem de 25 anos no noroeste de Sydney por supostos delitos por terrorismo. A detenção está ligada a um plano para realizar um ataque terrorista em solo australiano e a facilitação do deslocamento de cidadãos australianos para a Síria, segundo a imprensa local.

Em setembro, as autoridades australianas elevaram o alerta terrorista para ‘alto’, devido à possibilidade de possíveis ataques terroristas a cargo de uma só pessoa, pequenos grupos ou grandes organizações.

Policiais cercam área onde está localizado café invadido por um homem armado na Austrália (Foto: Rob Griffith/AP Photo)
Policiais cercam área onde está localizado café invadido por homem armado na Austrália (Foto: Rob Griffith/AP Photo)
Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.