Morre o ator James Avery da série ‘Um Maluco no Pedaço’

O ator americano James Avery, conhecido pela série ‘Um Maluco no Pedaço’ (‘The Fresh Prince of Bel-Air’), faleceu na última terça-feira (31) aos 68 anos.Ele faleceu no hospital de Glendale, na região de Los Angeles, por complicações após uma cirurgia cardíaca.

Famoso pela voz grave, Avery interpretou regularmente juízes, professores e médicos em séries de TV nas décadas de 1980 e 1990. Mas seu papel mais conhecido foi o de Philip Banks, o tio do personagem de Will Smith na sitcom “The Fresh Prince of Bel-Air”.

Fonte: AFP

Foto: Jason Merrit/ Getty Images North America / AFP

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Terremoto no sul do Irã deixa 1 morto e feridos

Uma pessoa morreu e várias ficaram feridas em um terremoto de 5,5 graus de magnitude registrado nesta quinta-feira (2) no sul do Irã, informou a agência oficial iraniana “Irna”.

O terremoto ocorreu às 6h43 (horário local, 1h13 de Brasília) no distrito de Kujerd, na província de Hormozgan, situada entre o Golfo Pérsico e o mar de Omã.

O epicentro do terremoto foi localizado a 54,45 graus de longitude e 27,14 graus de latitude, segundo dados do Instituto de Geofísica da Universidade de Teerã.

Dezenas de casas ficaram danificadas e boa parte da população deixou suas casas por temor de novos tremores, apesar das baixas temperaturas.

As autoridades iranianas enviaram equipes de resgate à região.

 

Da Agência Efe

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Mulher convive com cobra em seu sofá por dois meses sem fazer ideia

Uma mulher foi surpreendida ao descobrir que por dois meses conviveu com uma cobra dentro de casa. O animal estava o tempo todo embaixo do assento do sofá.

O sofá foi encontrado por Holly Wright em uma rua de Grand Rapids, Michingan, EUA. Ela, então, decidiu leva-lo para casa por conta da sua aparente boa condição, sem saber que a espécie se encontrava dentro. Ela contou que tirou as almofadas, o limpou e nunca percebeu nada. Mas no último final de semana acabou se surpreendendo ao ver uma jiboia de quatro meses deslizar para fora do mesmo. O réptil passou todo o tempo sem se alimentar, e estava fraco. Ele acabou morrendo antes mesmo de Holly conseguir leva-lo a um reabilitador animal. “Eu usei o sofá diversas vezes para checar e-mails, ler livros”, contou a mulher. Seu cachorro de estimação também o adorava, e poderia ter sido presa fácil para a cobra.

Assista ao vídeo AQUI.

Do TechMestre

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

República Centro-Africana registra novos conflitos

A capital da República Centro-Africana, Bangui, amanheceu com trocas de tiros entre muçulmanos e cristãos, em meio a um crescente episódio de violência sectária no país. O ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, declarou que uma intervenção no país é iminente.

“Nós temos que acabar com essa catástrofe humanitária e restaurar a segurança”, afirmou em entrevista à rede de televisão BFM-TV. O ministro disse que a França deverá enviar reforços ao país logo após a votação das Nações Unidas. O país terá um total de 1.200 soldados na República Centro-Africana, sendo que 600 tropas já estão no local.

A França pediu que o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) vote a resolução nesta quinta-feira. As tropas seriam lideradas pela União Africana em uma missão de um ano, com o objetivo de proteger os civis e restaurar a ordem pública. A resolução também autorizaria a presença de forças francesas por um período temporário, de modo a “tomar todas as medidas necessárias” para apoiar as forças africanas, cujo número de combatentes deve subir de cerca de 2.500 para 3.500.

Essas tropas substituiriam uma missão de paz regional, cuja presença tem sido limitada principalmente à capital e a algumas cidades ao norte do país.

Os muçulmanos assumiram o controle da República Centro-Africana em março, enquanto os cristãos apoiam o ex-presidente, François Bozizé. Depois que milhares de rebeldes cercaram a capital Bangui em março, Bozizé fugiu e os rebeldes nomearam o líder do grupo, Michel Djotodia, como presidente.

No entanto, Djotodia tem tentando se distanciar dos então rebeldes após o grupo ter sido acusado de atrocidades em Bangui. Entre as acusações estão denúncias de assassinatos, estupros e roubos de grupos de caridade e orfanatos. A formação do grupo cristão anti-balaka ocorreu há alguns meses.

Os primeiros disparos desta manhã foram registrados às 6h (horário local). Três horas depois, alguns tiros ainda podiam ser ouvidos esporadicamente perto do aeroporto de Bangui. Também ocorreram relatos de tiroteio nos subúrbios norte e leste da capital.

“Não está exatamente claro, mas nós acreditamos que os ataques vieram de membros anti-balaka”, disse o porta-voz do governo, Gaston Mackouzangba. Anti-balaka é o nome adotado pelos grupos que pegaram em armas contra a antiga coalizão rebelde conhecida como Seleka, que agora afirma ter controle do governo. Até o momento, esse último conflito resultou em cerca de uma dúzia de mortes de crianças e mulheres em uma comunidade remota.

A quantidade de mortos na República Centro-Africana desde o início dos conflitos tem sido impossível de estimar, mas o ministro francês afirmou que a nação africana está “à beira de um genocídio”.

Fonte: Agência Estado

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Congresso dos Estados Unidos se aproxima de acordo orçamentário

Os negociadores do Congresso estão se aproximando de um acordo orçamentário em pequena escala, possivelmente até o final desta semana, disseram vários assessores parlamentares nessa quarta-feira (4).

De acordo com assessores de democratas e republicanos, as negociações estão progredindo, mas reforçaram que nenhum acordo final tinha sido alcançado.

A presidente da Comissão do Orçamento do Senado, a democrata Patty Murray, se reuniu com o presidente do Comitê do Orçamento da Câmara, o republicano Paul Ryan, e ambos expressaram otimismo de que poderiam intermediar um acordo. O acordo seria um passo importante para praticamente eliminar a possibilidade de uma nova paralisação do governo norte-americano nos próximos 10 meses.

“Ela está otimista”, disse Eli Zupnick, porta-voz de Murray. “Ryan, Murray e suas equipes continuarão em comunicação nesta semana”, afirmou Will Allison, porta-voz do republicano. “Ryan está empenhado em encontrar uma solução em comum. Ele espera que ambos possam trabalhar juntos para reduzir os gastos de uma forma mais inteligente”, completou Allison.

Se Murray e Ryan chegarem a um acordo, ainda enfrentarão alguns obstáculos. Eles precisarão obter o apoio das comissões que presidem e, posteriormente, conseguir a aprovação do plano pela Câmara e pelo Senado.

Fonte: Agência Estado

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Milhares de ucranianos protestam no centro de Kiev

Milhares de pessoas estão nesta quinta-feira (5) no centro de Kiev, na Ucrânia, depois de mais uma noite nas ruas para exigir a demissão do presidente Viktor Ianukovich, devido à recusa do acordo com a União Europeia.

A Praça da Independência de Kiev está envolta em fumaça, provocada por, pelo menos, uma centena de fogueiras acesas em barris, caixotes ou no chão.

Os protestos contra a decisão do governo ucraniano de abandonar os planos para um acordo político e comercial com a União Europeia deram origem às maiores manifestações na ex-república soviética desde a Revolução Laranja de 2004.

Em entrevista divulgada nesta quinta pela televisão Piaty Kanal, o vice-primeiro-ministro Sergei Arbuzov disse que não exclui a possibilidade de discutir eleições antecipadas com a oposição.

 

Fonte: Agência Brasil

Foto: AFP

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia prende homem com mais de 800 arquivos pedófilos na Espanha

A Guarda Civil espanhola anunciou nesta quarta-feira a detenção de um homem que possuía mais de 800.000 arquivo com conteúdo pedófilos, nos quais os menores eram vítimas de violência física e sexual, assim como um manual com conselhos para “buscar menores e técnicas para abusar deles”.

O detido possuía “uma coleção de 846.400 arquivos de imagens e vídeos nos quais apareciam menores de idade, muitos deles com menos de 13 anos, sendo vítimas de violência física e sexual, inclusive, mantendo relações de zoofilia e sadomasoquismo”, explicou a Guarda Civil em um comunicado.

A apreensão do material, realizada em dois domicílios suspeitos, em Madri e Valladolid, ao norte da capital, “é uma das maiores intervenções de arquivos pedófilos conhecidas na Espanha em países vizinhos em poder da mesma pessoa”, explicou à AFP um porta-voz da Guarda Civil.

O detido, cuja identidade não foi divulgada, contava com um manual de 170 páginas, escrito em inglês, com conselho para localizar menores e técnicas para abusar deles sem ser detectado, segundo o comunicado.

O homem foi indiciado por “delitos de posse e distribuição de pornografia infantil através da internet”.

A polícia descobriu em sua casa “diversos dispositivos informáticos com conteúdo pedófilo, vários HDs, um computador portátil e uma coleção ordenada e estruturada de 68 DVD”, acrescentou o comunicado.

A operação policial começou depois que o departamento americano de segurança Nacional alertou a Guarda Civil sobre um usuário espanhol que estava trocando, através de correio eletrônico, fotos e vídeos de menores de 13 anos, nas quais se via práticas de abusos, humilhações e estupros.

 

Fonte: AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Paul Walker morreu por causa de traumatismo e queimaduras

O ator Paul Walker, protagonista da saga “Velozes e Furiosos”, morreu de “lesões traumáticas e queimaduras” sofridas no acidente automobilístico no final de semana passado, revelaram os legistas nesta quarta-feira (4).

Walker, 40 anos, morreu no sábado na colisão do Porsche guiado por seu amigo Roger Rodas contra uma árvore na cidade californiana de Santa Clarita, ao norte de Los Angeles.

Rodas morreu de “traumatismos múltiplos”, segundo os resultados preliminares da autopsia, enquanto Walker faleceu de uma “combinação de efeitos de lesões traumáticas e queimaduras”.

Os resultados das provas toxicológicas devem ser divulgados no prazo de seis a oito semanas, informou um legista do Condado de Los Angeles.

A morte do ator levou os produtores de “Velozes e Furiosos 7” a suspender as gravações do filme, que seria lançado em julho.

Walker, que era de fato apaixonado por carros e alta velocidade, curtia o feriado do Dia de Ação de Graças entre as gravações do filme.

“Neste momento, todos nós da Universal estamos voltados a dar apoio à família de Paul e a nossa família de atores, equipe técnica e diretores de Velozes e Furiosos”, revela um comunicado citado na revista Variety.

“Sentimos que é nossa responsabilidade suspender a produção de ‘Velozes e Furiosos 7’ por um tempo para avaliar todas as opções possíveis sobre o prosseguimento da saga.

A produtora se comprometeu a “manter informados os fãs de Velozes e Furiosos (…), que, sabemos, nos acompanham no luto pela morte de nosso querido amigo Paul Walker”.

 

Fonte: AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Maduro assina decreto que fixa preços de veículos na Venezuela

O presidente Nicolás Maduro assinou na noite de terça-feira (3) o decreto que fixa os preços dos automóveis na Venezuela e com o qual o governo passa a supervisionar a produção.

As medidas são parte das tomadas com os poderes especiais atribuídos a Maduro para combater o que ele chama de “guerra econômica”.

“Estamos estabelecendo a proibição de especular com veículos usados a preços superiores de veículos novos. Tanto produzidos aqui como importados”, afirmou o presidente.

Na Venezuela, os veículos usados costumam superar o preço dos novos pela baixa produção, segundo empresários do setor, que reclamam que os dólares concedidos pelo governo para importação são insuficientes.

“Estamos atuando com muita clareza para que se avance na produção, para que se coloque o preço do produto justo do carro”, afirmou o presidente.

O decreto, assinado poucos dias antes das eleições municipais de 8 de dezembro, contempla que os particulares – muitos que compram carros como investimento ou proteção da inflação – vendam seus carros no limite das normas estabelecidas.

Outra medida é que as montadoras deverão reportar aos ministérios da Indústria e Comércio a produção semanal e as necessidades para manter e ampliar os resultados.

Maduro também assinou um decreto que permite aos venezuelanos abrir contas em dólares no país para adquirir carros no exterior durante os próximos seis meses, uma medida que será detalhada nos próximos dias.

 

Da AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Manifestantes antigoverno atacam sede da polícia na capital da Tailândia

Manifestantes antigoverno atacaram nesta quarta-feira (4) a sede da Polícia Nacional em Bangcoc, capital da Tailândia, após derrubarem os blocos de concreto que protegiam uma das entradas e não encontrarem resistência por parte dos agentes de segurança.

O incidente acontece um dia depois que milhares de manifestantes ocuparam momentaneamente a sede do governo e da Polícia Metropolitana do país, onde no domingo (1°) e na segunda-feira (2) houve confrontos com a polícia, que usou gás lacrimogêneo e canhões com jatos d’água.

No quartel da Polícia Nacional, dezenas de opositores do governo arrastaram blocos de cimento e retiraram as cercas de arame farpado que protegiam o local. Os manifestantes foram observados por cerca de mil policiais, que tinham ordens de não intervir.

No interior da Tailândia, um dos líderes do movimento leu um comunicado em frente a um representante policial para expor suas reivindicações, que incluem a renúncia do governo da primeira-ministra do país, Yingluck Shinawatra, a quem acusam de corrupção.

Estava previsto que os manifestantes deixassem o local logo e paralisassem as atividades para respeitar a celebração do 86º aniversário do monarca tailandês Bhumibol Adulyadej, nesta quinta-feira (5).

O líder do movimento opositor, o ex-vice-primeiro-ministro Suthep Thaugsuban, revelou que os protestos serão retomados nesta sexta-feira (6) para erradicar o que ele classifica como “regime de Thaksin”, em referência ao ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, deposto em 2006 em um golpe militar.

Suthep acusa a atual premiê de ser um “fantoche” de seu irmão mais velho, Thaksin, que segundo os opositores governa a partir do exílio em Dubai, onde vive para evitar a prisão após ter sido condenado a dois anos por corrupção.

Yingluck disse que seu governo quer evitar novos episódios de violência e se propôs a dialogar com acadêmicos, empresários, especialistas e manifestantes para discutir sobre reformas políticas e estipular uma saída democrática para a crise.

“A situação política atual em nosso país ainda não voltou à normalidade, mas está mais tranquila”, disse Yingluck em um breve pronunciamento televisivo.

A primeira-ministra fez um pedido de união ao povo para celebrar o aniversário do monarca tailandês – autoridade moral, sem papel político, venerada pela maioria dos cidadãos.

Na terça-feira (3) à noite, Suthep voltou a insistir em sua proposta de substituir o governo por um “conselho popular” não eleito, opção que Yingluck rejeitou dias antes, por considerar inconstitucional.

A polícia prendeu sete estudantes por terem supostamente incendiado vários veículos policiais durante os distúrbios que ocorreram na madrugada de terça-feira perto da sede do governo.

Segundo o jornal “Bangcoc Post”, os agentes também apreenderam garrafas e bolsas de plástico com gasolina e álcool, navalhas, tacos de golfe, pequenos explosivos e munição.

 

Da EFE

Foto: Pornchai Kittiwongsakul/AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.