Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Incêndios tiram mais de 13 mil pessoas de suas casas na Califórnia

Mais de 13.000 pessoas foram retiradas de suas casas no estado da Califórnia, no sudoeste dos Estados Unidos, para fugir do fogo, que já arrasou milhares de hectares e calcinou dezenas de casas em uma região onde 21 incêndios se mantêm ativos nas últimas horas.

Segundo os últimos dados do Departamento Florestal e Proteção Anti-Incêndios (CAL FIRE), a situação de alerta máximo continua no norte da Califórnia devido aos ventos e às tempestades elétricas que se repetem na região desde a semana passada.

A grave seca que atinge o estado e as altas temperaturas transformam a região em “um barril de pólvora”, segundo o governador da Califórnia, o democrata Jerry Brown.

O maior incêndio ativo neste momento, chamado Rocky Fire, se encontra em uma área agreste entre os condados de Lake, Yolo e Colusa, ao norte de Sacramento e da área vitivinícola do vale de Napa.

O porta-voz do CAL FIRE, Daniel Berlant, informou que as chamas tinham calcinado mais de 25.090 hectares e que as equipes de extinção tinham controlado 12% do incêndio, que arde desde o dia 29 de julho e já destruiu 24 residências e outras 26 estruturas.

As autoridades preveem que o fogo será completamente apagado apenas na segunda-feira (10).

Mais de 3.100 pessoas trabalham em sua extinção, um terço do total espalhado por todo o território californiano para conter o avanço das chamas que em 30 de julho tiraram a vida de David Ruhl, um capitão do serviço de bombeiros.

O condado de Trinity, perto da fronteira com o Oregon, no norte do estado, registra neste momento dois dos incêndios mais extensos da Califórnia, sendo que o maior deles, chamado Fork Complex, já queimou 10.200 hectares e só está contido em 5%.

Da EFE

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Invasão de gafanhotos destrói 7 mil ‘Maracanãs’ na Rússia

Uma invasão de gafanhotos destruiu milhares de hectares no sudoeste da Rússia e obrigou o Ministério da Agricultura do país a declarar estado de emergência na região de Stavropol (Foto: BBC)
Uma invasão de gafanhotos destruiu milhares de hectares no sudoeste da Rússia e obrigou o Ministério da Agricultura do país a declarar estado de emergência na região de Stavropol (Foto: BBC)

Uma invasão de gafanhotos destruiu milhares de hectares no sudoeste da Rússia e obrigou o Ministério da Agricultura do país a declarar estado de emergência na região de Stavropol.

Segundo autoridades locais, a área devastada chega a 900 quilômetros quadrados, o equivalente a mais de 7 mil vezes o estádio do Maracanã. Veja o vídeo.

Os gafanhotos costumam aparecer na região todos os anos, mas normalmente são exterminados antes de nascer.

Desta vez, a estratégia parece não ter dado certo, mas o governo local diz que a infestação está sob controle.

Da BBC

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

CEO divide US$ 27 milhões com funcionários após vender a empresa

Funcionários de uma empresa de alimentação na Turquia receberam uma surpresa após a venda da companhia. O CEO e co-fundador da Yemeksepeti, Nevzat Aydin, decidiu que, após a transação, US$ 27 milhões seriam divididos entre 114 empregados. A empresa, que trabalha com entrega de comida pedida pela internet, foi vendida por US$ 589 milhões para a companhia alemã Delivery Hero.

“A história de sucesso da Yemeksepeti não aconteceu do dia para a noite e muitas pessoas participaram nesta jornada com seu trabalho duro e talento”, disse Aydin em entrevista à CNNMoney.

Mas nem todos os 370 funcionários da empresa irão receber o bônus. Aydin explicou o critério de distribuição à CNN: a quantia que cada um irá receber dependerá de sua performance, tempo na empresa e “potencial futuro na compaanhia”. Apenas quem trabalha há pelo menos 2 anos na Yemeksepeti poderá participar.

A notícia da decisão de Aydin repercutiu na imprensa internacional. O jornal britânico “The Independent”, por exemplo, chegou a questionar se ele é “o melhor chefe do mundo”. Já a “Time” noticiou que o bônus de US$ 27 milhões representa aproximadamente 150 vezes o salário mensal médio da empresa atualmente.

Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Criatura bizarra achada na Índia faz sucesso nas redes sociais

Uma criatura bizarra que teria sido encontrada por moradores de Jodhpur, no estado indiano de Rajastão, gerou debate nas redes sociais depois que uma foto foi postada no Facebook. Moradores teriam achado a criatura enquanto cavavam em busca de água.

Criatura bizarra teria sido encontrada em Jodhpur, no estado indiano de Rajastão (Foto: Reprodução/Facebook)
Criatura bizarra teria sido encontrada em Jodhpur, no estado indiano de Rajastão (Foto: Reprodução/Facebook)

Na imagem que se tornou viral na internet, um homem é visto segurando a suposta criatura, que teria quatro dedos nas mãos. A imprensa indiana levantou a possibilidade de que poderia ser o feto de algum animal.

Alguns usuários chegaram a dizer que seria um ET. No entanto, de acordo com o jornal India Times, não foi possível se certificar que a foto seja real.

Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Após cinco semanas fechada, Bolsa de Atenas volta a operar

A Bolsa de Valores de Atenas, na Grécia, reabriu nesta segunda-feira (3) com queda de mais de 22%. Esta será a primeira vez que a bolsa retoma suas operações depois de ficar fechada por um período de cinco semanas, desde que o governo do país impôs o controle de saques em bancos no auge da crise econômica.

O Banco Nacional da Grécia, o maior banco comercial do país, atingiu o limite diário com queda de 30%.

Ao longo da semana passada, investidores afirmavam esperar grandes perdas devido ao temor em relação à possível piora na economia da Grécia.

As ações de bancos devem ser as mais atingidas pois o setor financeiro da Grécia precisa de uma injeção de capitais.

Mercado de ações grego ainda está à espera de um decreto do Ministério das Finanças que detalhará novas regras de negociação, segundo o presidente da Comissão de Valores Mobiliários da Grécia.

No início da semana passada, o Banco Central Europeu (BCE) deu sinal verde aos planos apresentados pela Grécia para a reabertura – com limitações, apesar de não terem decidido o momento em que as negociações, suspensas há um mês, seriam retomadas.

Segundo informações da imprensa local, os planos, que o Ministério das Finanças ainda deverá transformar em decreto, permitirão aos investidores estrangeiros fazer transações ilimitadas na Bolsa de Atenas.

Os investidores gregos, por outro lado, não poderão ainda vender ações e as compras estarão submetidas a severas limitações.

Os investidores nacionais terão direito apenas a comprar ações com dinheiro transferido de contas bancárias do exterior ou mediante o pagamento em dinheiro.

Estas restrições e o impedimento de utilizar dinheiro de depósitos bancários para a compra de ações provocaram críticas entre os corretores de Bolsa.

Vários corretores expressaram preocupação de que as restrições possam provocar uma queda violenta no preço das ações.

Contexto
A Bolsa de Atenas fechou em 29 de junho, mesmo dia em que os bancos gregos, após a recusa do BCE de elevar o teto dos empréstimos através do mecanismo de liquidez de emergência, em resposta a ruptura das negociações entre a Grécia e seus credores.

Os bancos reabriram em 20 de julho, após três semanas fechados, mas funcionam com restrições às transações bancárias e com controle do limite de saques.

Do G1, em São Paulo, com agências internacionais

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Dentista que matou leão no Zimbábue já tinha sido multado por caçar urso

O que faz uma pessoa planejar, perseguir e matar um animal só por diversão? A foto com o leão morto que correu o mundo talvez explique. A expressão dos caçadores é de prazer, mas prazer de quê? Por que a caça a animais de grande porte é vista como um ato de crueldade por alguns e, ao mesmo tempo, um esporte para outros?

Milhares de caçadores de vários países, a maioria milionários, têm como hobby abater animais de grande porte. E essa prática, que chamou a atenção do mundo, movimenta na África uma indústria que dá muitos lucros.

Cecil tinha 13 anos de idade e era um dos leões mais famosos de toda a África. Desde a infância, ele era monitorado por pesquisadores da tradicional Universidade de Oxford, na Inglaterra. Turistas de várias partes do mundo iam até o Parque Nacional de Hwange, noZimbábue, só para vê-lo de perto. Mas nem a fama, nem o fato de viver em uma área onde a caça é proibida, impediram que ele fosse morto.

No início do mês passado, restos do leão Cecil foram encontrados por autoridades africanas. Segundo a investigação, três homens participaram da caçada: o dentista americano Walter Palmer e dois guias locais. O Zimbábue exige uma licença especial para esse tipo de caçada, mas eles não tinham.

Os caçadores amarraram a carcaça de um animal na traseira de uma caminhonete para atrair Cecil para fora da área de proteção. Quando chegaram a uma fazenda, o dentista americano Walter Palmer acertou Cecil com uma flecha de um tipo especial, usada por caçadores. O leão agonizou por horas, e, por fim, foi morto a tiros. Os caçadores arrancaram a pele do animal, cortaram a cabeça e levaram embora.

O americano pagou o equivalente a mais de R$ 150 mil para os guias. Os dois foram identificados, pagaram fiança e vão ser julgados ainda este ano. A cabeça do leão, que é considerada um troféu pelos caçadores, foi entregue à polícia.

O americano virou alvo de uma revolta nas redes sociais. Pessoas postaram xingamentos na página do dentista. A reação foi tão forte que o dentista e a família dele desapareceram. Ele admitiu em nota ter caçado Cecil, mas afirmou que “não sabia da importância do leão para a ciência”.

O Fantástico foi até a região onde o dentista Walter Palmer mora e trabalha e a revolta das pessoas continua bastante forte. O dentista de 50 anos e pai de dois filhos mantém a porta do consultório fechada desde o início da semana. E, a todo momento, as pessoas chegam para deixar cartazes e fazer todo tipo de protesto. Definitivamente, a morte do leão Cecil transformou o caçador na caça.

Bichos de pelúcia foram deixados na porta do consultório em protesto. Uma mãe vestiu o filho com uma fantasia de leão. Um paciente diz que até gostava do dentista, mas depois da morte de Cecil, mudou de opinião. “Não quero mais ser paciente dele”, afirma.

Manifestantes querem que o governo americano permita a extradição do dentista para que ele seja julgado no Zimbábue. O pedido tem apoio de um abaixo-assinado na internet que já passou de um milhão de nomes.

Mas onde está Palmer? O Fantástico foi até a casa do dentista, tocou a campainha, mas ninguém atendeu. Para evitar tumultos na frente da casa do dentista, a polícia proibiu qualquer carro de estacionar nas redondezas.

Um homem que mora na casa ao lado diz que o dentista sempre foi uma pessoa fechada, distante, e que não cumprimentaria Palmer na rua. “Seguir um animal por 40 horas para depois matar, isso não é esporte”, diz.

Outro vizinho dá um voto de confiança. “Talvez ele não soubesse que o leão era monitorado. Acho que ele contratou o guia, e o guia atraiu o leão para fora do parque. Mas quem sabe?”, questiona.
Essa não foi a primeira vez que o dentista teve problemas. Anos atrás, ele foi condenado a pagar uma multa de US$ 3 mil por ter matado um urso em uma área onde a caça a esses animais é proibida nos Estados Unidos. Em um outro processo, a multa foi bem mais cara. O dentista foi acusado de assédio sexual por uma ex-recepcionista que trabalhou na clínica dele durante cinco anos. Ele negou, mas pagou uma multa de US$ 127 mil.

O dentista gosta de usar arco e flecha para caçar, e de exibir suas conquistas em fotos. Palmer era um caçador de troféus. A caçada por troféus é o tema de um documentário britânico. O tal troféu é a cabeça ou o corpo inteiro de um animal morto que, depois de limpo e empalhado, é levado pelo caçador para casa, como se fosse um desses souvenires de viagem. O caçador é movido pelo risco. “É um animal que pode te matar numa mordida”, diz um caçador.

Além da África do Sul, a prática é permitida em pelo menos mais dez países africanos, desde que o animal não esteja numa área de proteção ambiental.

Na África do Sul, existem mais de 150 fazendas dedicadas a este negócio. Na maioria delas, os leões não são selvagens, ou seja, foram criados em cativeiro com a finalidade de serem caçados quando adultos. Um turista paga, em média, US$ 30 mil (ou mais de R$ 100 mil) para abater um animal desses.

Os defensores da ideia dizem que esta é uma forma de proteger a população de leões selvagens, que não estão nessas fazendas. “A gente tira o foco dos que estão livres e ainda podemos repor os que foram mortos”, diz o criador de leões Koos Erasmus.

Uma ambientalista discorda. Ela diz que o número de leões selvagens na África diminuiu 80% nos últimos vinte anos. Então, uma coisa não compensa a outra.

Algumas dessas fazendas oferecem um serviço a mais: turistas podem acariciar filhotes de leão ou ainda trabalhar como voluntários para estar perto dos bichos.

Uma australiana pagou US$ 3 mil para ficar no parque durante um mês. Mas, depois de um tempo, começou a se perguntar: o que acontece com os filhotes quando eles crescem? “Fiz uma pesquisa e descobri que eles estavam sendo levados para as fazendas de caça”, conta. O presidente da associação de criadores admite que alguns filhotes viram mesmo presas quando adultos.

Ambientalistas alertam: os leões que cresceram acostumados com a presença humana nunca vão ver os caçadores como uma ameaça e, portanto, não vão se defender. “O turista que estimula o contato físico com os filhotes está dando dinheiro para a indústria da caça em cativeiro”, aponta o ambientalista Chris Mercer.

A ONU alerta que cerca de 700 leões são caçados por ano na África, um número que preocupa o biólogo David MacDonald, o fundador do Instituto de Conservação da Vida Selvagem de Oxford. Há 20 anos, ele se dedica ao estudo dos leões africanos. Desde 2008, ele monitorava cada passo de Cecil usando um sistema de GPS. “Fiquei com o coração partido de saber que ele foi morto, aparentemente, de forma ilegal”, diz o biólogo.

David teme que o episódio desencadeie outro tipo de matança: leões que vivem na região podem atacar os machos da família de Cecil, numa tentativa de dominar seu território. O biólogo tem esperança de que tudo isso sirva para chamar a atenção do mundo e ajude o trabalho de proteção dos leões.

No Zimbábue, um homem diz que a culpa também é daqueles que não fazem nada para impedir que os caçadores atuem livremente na África.

Na cidade onde o dentista trabalha, um jovem levou a música do filme “Rei Leão” para a porta do consultório dele e disse: o gesto é uma homenagem a Cecil.

Do Fantástico

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Califórnia sofre com mais de 20 incêndios durante seca histórica

Mais de 9 mil bombeiros lutavam neste domingo contra mais de 20 incêndios que provocaram a morte de um oficial e obrigaram a retirada de milhares de pessoas do estado da Califórnia, nos Estados Unidos, afetado pela seca mais grave de sua história.

“Desde quinta-feira milhares de raios desencadearam pequenos incêndios”, anunciou o Calfire, organismo de prevenção de incêndios do estado, em um comunicado.

A previsão é de tempestades na região montanhosa nas próximas horas, mas com pouca chuva. Os raios podem iniciar novos focos de incêndio em um solo coberto por vegetação seca, após quatro anos de uma seca recorde.

Disseminados ao longo de todo o estado da costa oeste dos Estados Unidos, os 21 focos de incêndio forçaram pelo 12 mil habitantes a abandonar 5,2 mil casas.

O número inclui apenas as áreas de atuação do Calfire, que recebeu o reforço de muitos bombeiros de outros estados, especialmente do limítrofe Nevada. A Guarda Nacional da Califórnia também foi mobilizada.

Um dos incêndios mais devastadores, no condado de Lake, devastou 186 quilômetros quadrados e 24 casas em três dias. As chamas foram controladas em apenas 5%, segundo o Calfire.

Além dos incêndios provocados por raios, as autoridades abriram uma investigação para determinar a origem de ouros, mas não existem até o momento indícios de atos deliberados.

Outro incêndio, nos condados de Napa e Solano, foi controlado em 95% no sábado à noite, depois de ter devastado 32 quilômetros quadrados desde 22 de julho.

Na sexta-feira, o governador da Califórnia, Jerry Brown, decretou estado de emergência no estado.

“A severa seca e o clima extremo transformaram toda a Califórnia em um paiol”, afirmou o governador em um comunicado, antes de anunciar a morte de Dave Ruhl, um bombeiro de 38 anos que viajou de Dakota do Sul para combater as chamas na floresta nacional de Modoc, ao noroeste da Califórnia.

A seca recorde que afeta o estado há quatro anos levou o governo local a impor fortes restrições ao consumo de água. Até 15 de julho foram registrados mais de 3,4 mil incêndios no estado, 900 a mais que no mesmo período em 2014.

Da France Presse

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Israel prende extremistas judeus sem julgamento após incêndio terrorista

O gabinete de segurança israelense aprovou neste domingo (2) a prisão, sem direito a julgamento, de cidadãos suspeitos de propagar a violência contra palestinos, em uma ofensiva voltada à captura dos responsáveis por um incêndio criminoso letal na Cisjordânia atribuído a extremistas judeus.

A extensão a israelenses da chamada “detenção administrativa”, uma prática normalmente aplicada a militantes palestinos suspeitos e condenados internacionalmente, evidencia a frustração das autoridades com as falhas na missão de deter os ataques ultra-nacionalistas judeus.

O incêndio criminoso de uma casa palestina na sexta-feira, que deixou uma criança morta e feriu gravemente seus pais e irmão, ecoou no exterior e fez até com que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu prometesse reprimir o que ele chamou de “terrorismo” por “criminosos em nosso próprio país.”

Ninguém assumiu responsabilidade pelo incêndio na vila de Duma, na Cisjordânia ocupada. Mas uma mensagem na parede em que se lia “vingança” em hebreu liga o crime a episódios passados de vandalismo e outros crimes de ódio promovidos por bandos de jovens fanáticos judeus que perseguem árabes, cristãos, ativistas pela paz ou propriedades do exército israelense.

O gabinete de segurança de Netanyahu agora decidiu estender as prisões administrativas aos israelenses, de forma a “dar os passos necessários para trazer os responsáveis à Justiça e prevenir novos ataques no futuro”, segundo comunicado divulgado à imprensa. O gabinete classificou o incêndio em Duma de “ataque terrorista sob todos os aspectos”.

De acordo com o grupo israelense de direitos humanos B’Tselem, 5.442 palestinos estão atualmente detidos sem direito a julgamento. O dado é do mês de junho.

A “detenção administrativa”, que críticos estrangeiros veem como um duro golpe no devido processo legal, praticamente não havia sido aplicada contra cidadãos israelenses.

 

Reuters

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Príncipe Harry estaria saindo com brasileira, diz jornal

O príncipe Harry, do Reino Unido, estaria namorando uma brasileira, segundo reportagem publicada pelo jornal “Daily Mail” neste domingo (2).

A jovem foi identificada como a socialite Antonia Packard. “Harry estava saindo com Antonia antes de ir para a África”, disse um de seus amigos ao jornal. “Eles estavam muito próximos. Se conheceram através de amigos comuns. Antonia conhece uma prima de Harry, a princesa Eugenie.”

Harry viajou para a África em junho para passar três meses na Namíbia, África do Sul, Tanzânia e Botsuana participando em programas de conservação da natureza.

A última namorada assumida por Harry foi Cressida Bonas, também apresentada ao príncipe por sua prima Eugenie. Os dois passaram dois anos juntos e se separaram em abril de 2014.

Antes de conhecer Harry, a jovem, que estudou na Universidade de Edimburgo, na Escócia, publicou uma foto no Facebook beijando um sapo, fazendo piada com a transformação do animal em um príncipe.

Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Homem tem pé amputado após acidente em escada rolante na China

Um operário de limpeza de um shopping em Xangai, na China, ficou preso em uma escada rolante no fim de semana e seu pé teve que ser amputado devido aos ferimentos sofridos. Este é o segundo acidente em escadas rolantes no país registrado em uma semana, informou nesta segunda-feira (3) a televisão estatal “CFTV”.

O fato aconteceu na noite do sábado (1º), quando o homem, de sobrenome Zhang, 35 anos, estava limpando escadas rolantes no centro comercial Cloud Nine.

No extremo superior das escadas, seu pé esquerdo ficou preso entre os degraus e a prancha metálica onde estes terminam, o que obrigou equipes médicas e de bombeiros a ir até o local e resgatar Zhang. Câmeras de segurança registraram o ocorrido.

O homem foi levado para um hospital, onde seu pé teve que ser amputado devido aos graves ferimentos sofridos, segundo informaram fontes do centro médico.

Um comunicado do shopping onde o fato aconteceu culpa o próprio Zhang pelo acidente, por colocar-se “de forma inadequada” em cima da escova e deixar que esta ficasse travada entre os degraus e as pranchas metálicas da parte superior, o que causou uma avaria na maquinaria.

Trata-se do segundo acidente grave com uma escada rolante em menos de uma semana, depois que no dia 26 de julho uma mulher de 30 anos, Xiang Liujuan, morreu ao cair na parte superior de outro destes aparelhos, porque a prancha metálica do alto estava solta.

Em ambos os casos os acidentes foram gravados por câmeras de segurança e foram divulgadas rapidamente pela internet, o que contribuiu para gerar um amplo debate na China sobre possíveis falhas na manutenção de escadas rolantes e elevadores de todo o país.

Também no fim de semana passado uma criança de seis anos ficou presa em uma escada rolante de um centro comercial de Pequim, embora em seu caso só tenha sofrido ferimentos leves, segundo o jornal local “Beijing News”.

 

Da EFE

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.