Menino vira herói após salvar seis parentes e morrer em incêndio

Bombeiros trabalham no trailer que pegou fogo em Penfiel, Nova York, na segunda-feira (20). Um menino de 8 anos morreu após salvar seis parentes do incêndio (Foto: Rochester Democrat and Chronicle, Jamie Germano/AP).

 

Um menino de 8 anos morreu em um incêndio no estado de Nova York, nos Estados Unidos, após salvar seis de seus parentes do fogo. O menino tentava resgatar seu avô com dificuldades de movimento quando acabou sucumbindo ao fogo.

O caso aconteceu na segunda-feira (20). Segundo os bombeiros de Penfield, um subúrbio da cidade de Rochester, Tyler Doohan é um herói – quatro adultos e duas crianças com 4 e 6 anos forma salvos pelas atitudes do garoto, que acordou com o fogo. Além dele, seu avô e um tio também morreram.

De acordo com os bombeiros, nove pessoas estavam dentro de um trailer quando o fogo começou, por volta das 4h15. Tyler, que havia passado a noite com seu avô porque não teve aula, acordou quando o cobertor que cobria seu primo de 4 anos pegou fogo.

Ele acordou seis se seus parentes e todos conseguiram sair. O menino então correu de volta para resgatar seu avô, que usa cadeira de rodas após ter uma perna amputada. Mas ele não conseguiu sair novamente.

Os bombeiros encontraram o corpo de Tyler perto do de seu avô. Um tio do menino foi encontrado morto em outra parte do trailer – que a princípio não tinha detector de fumaça.

A causa do incêndio parece ter origem elétrica, mas a polícia ainda investiga o caso.

Uma campanha foi criada na internet para arrecadar dinheiro para o funeral do menino. Mais de US$ 5 mil já haviam sido arrecadados até a tarde de quarta-feira (22).

Os seis sobreviventes tiveram apenas ferimentos leves.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Conselho tribal indiano ordena estupro grupal de jovem como castigo

Uma mulher de 20 anos foi estuprada em grupo pelos membros de um conselho tribal como castigo por manter uma relação com um homem de outra cidade em um povoado do leste daÍndia, informou nesta quinta-feira (23) a polícia.

As forças de segurança detiveram 13 homens supostamente envolvidos com o crime, que ocorreu na noite da segunda-feira em Labhpur, na província de Bengala, disse o superintendente da polícia Prashanta Chowdhury à agência PTI.

O chefe do povoado e outros homens organizaram um conselho tribal para “julgar” a mulher e o homem, que estava em sua casa.

O tribunal informal ordenou que cada um deles pagasse multa de 25 mil rúpias (US$ 400) para cada um dos jovens. Mas, como eles não tinham o dinheiro, o conselho decidiu então estuprar a jovem como castigo.

“O chefe da tribo ordenou que eu fosse desfrutada pelos homens da cidade. Seguindo suas ordens, pelo menos 10 ou 12 pessoas, entre eles vários membros de uma mesma família, me estupraram. Perdi a conta de quantas vezes fizeram isso”, declarou a jovem à emissora NDTV.

Muitos povoados da Índia mantêm um sistema de conselhos rurais que fazem justiça com as próprias mãos.

Suas decisões se baseiam em tradições que diante da justiça indiana são inaceitáveis, como os “crimes de honra”, a proibição de casamentos entre pessoas do mesmo povoado ou condenações de exílio.

Informações sobre estupros na Índia são divulgadas frequentemente na imprensa indiana. A situação começou a perturbar a população a partir do estupro em grupo e morte de uma estudante universitária, em Nova Déli, em 16 de dezembro de 2012.

O crime provocou protestos e um debate sem precedentes sobre a situação da mulher no país asiático, o que levou o governo a endurecer as leis contra as agressões sexuais.

 

 

Da EFE

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Manifestantes na Ucrânia fazem barricadas de fogo contra polícia

Opositores ucranianos impediram o avanço da força policial durante a madrugada desta quinta-feira (23), no centro de Kiev, com uma imponente barricada de fogo, alimentada com madeira, pneus e destroços dos ônibus carbonizados.

“Não temos medo dos Berkut (polícia antidistúrbio). Isso é uma revolução. Resistiremos até o fim, mas não somos fascistas como diz o governo. Queremos uma vida normal, com trabalho e filhos, e não uma ditadura”, disse nesta quinta-feira, à agência EFE, o operário de construção Vladimir.

Vladimir, natural do leste da Ucrânia, é um dos manifestantes que estão na linha de frente dos protestos, que enfrentaram as forças policiais com escudos e paus nas imediações do lendário estádio Valeri Lobanovski, do clube de futebol Dínamo de Kiev.

Os opositores, na maioria jovens, lançam – com a ajuda de catapultas – coquetéis molotov, paralelepípedos e pedras contra os agentes antidistúrbios que estão em formação do outro lado das barricadas e protegidos pela escuridão da noite.

Nem a morte de 5 manifestantes nos distúrbios, segundo a oposição, nem as baixas temperaturas que rondam os 10 graus negativos, assustam os manifestantes.

Alguns pedem desesperadamente a ajuda do Ocidente, inclusive militar, já que temem que as autoridades recorram em breve à força para acabar com protestos após declarar estado de exceção.

Policiais e membros do Ministério do Interior ficam em linha para conter manifestantes em Kiev, na Ucrânia. Na quarta-feira, primeiro-ministro diss euqe os protestos são terroristas. (Foto: Stringer/Reuters)
Policiais e membros do Ministério do Interior ficam em linha para conter manifestantes em Kiev,
na Ucrânia. Na quarta-feira, primeiro-ministro diss euqe os protestos são terroristas.
(Foto: Stringer/Reuters)
Agência EFE
Foto: David Mdzinarishvili/Reuters

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Suprema Corte nega apelação, e mexicano é executado nos EUA

O mexicano Edgar Tamayo, 46 anos, foi executado nos Estados Unidos nesta quarta-feira (22) após a Suprema Corte rejeitar recursos apresentados pelos advogados, que alegam que Tamayo não teve direito à assistência consular e à defesa plena.

“Se tivesse tido a assistência do consulado mexicano durante o processo, Tamayo nunca teria sido sentenciado à morte”, afirmaram seus advogados, em nota.

A execução, que estava prevista para as 18h locais (22h de Brasília), havia sido adiadaporque os advogados de defesa aguardavam a análise de um recurso apresentado para a Justiça. O estado do Texas cumpriu a sentença por volta das 2h (horário de Brasília).

Uma chuva de telefonemas e intervenções diplomáticas e judiciais tentavam no último minuto evitar a morte do mexicano, condenado pelo assassinato de um policial em 1994 em Houston.

A execução, que estava prevista para as 18h locais (22h de Brasília), havia sido adiadaporque os advogados de defesa aguardavam a análise de um recurso apresentado para a Justiça. O estado do Texas cumpriu a sentença por volta das 2h (horário de Brasília).

Uma chuva de telefonemas e intervenções diplomáticas e judiciais tentavam no último minuto evitar a morte do mexicano, condenado pelo assassinato de um policial em 1994 em Houston.

No entanto, várias organizações sociais e instituições políticas e humanitárias consideram que o prisioneiro não teve defesa adequada, além de sofrer de uma deficiência mental leve. Assim, consideram que o caso violou a Convenção de Viena.

A Convenção de 1963, ratificada por 175 países incluindo os Estados Unidos, prevê que todo estrangeiro deve receber assistência de seus representantes consulares, após ser informado de seus direitos.

Crime
Em 1994, o policial Houston Guy Gaddis, 24, prendeu Tamayo por suspeita de roubo de carro. Enquanto algemado no carro da polícia , Tamayo puxou uma pistola e atirou três vezes na parte de trás da cabeça do policial. Tamayo arrombou uma janela e fugiu de carro, mas foi novamente preso a poucos quarteirões do local.

O governo mexicano afirma que Tamayo não foi informado do seu direito, consagrado na Convenção de Viena.

Em 2004, o Tribunal Internacional de Justiça das Nações Unidas ordenou que os Estados Unidos reconsiderasse as concenações de 51 mexicanos, incluindo Tamayo, que tinha sido enviado para o corredor da morte sem ser informado de seus direitos.

Até agora, dois deste grupo foram executados. Tamayo, que estava nos Estados Unidos ilegalmente no momento da sua prisão, será o terceiro.

20 anos no corredor da morte
Nas horas que antecederam a execução, Tamayo confessou que estava “pronto” para morrer e que vinte anos no corredor da morte “são muito”, explicou o porta-voz do Departamento de Justiça Criminal do Texas , Jason Clark.

Tamayo não solicitou nada especial e contentou-se com o menud isponível na prisão : costeletas de porco , arroz, legumes, milho, café e chá.

O Texas já executou 508 prisioneiros desde o restabelecimento da pena de morte pela Suprema Corte dos EUA em 1976, mais do que qualquer estado dos EUA.

 

 

Do G1, em São Paulo

 

Foto: Reprodução/Texas
Department of Criminal Justice)

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Chefe da Al-Qaeda pede fim imediato de combates entre islamitas na Síria

O líder da rede terrorista da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, fez nesta quinta-feira (23) um apelo em uma mensagem sonora na internet pedindo que os jihadistas coloquem fim imediatamente aos seus combates fratricidas na Síria.

Zawahiri se dirigiu “a todos os grupos jihadistas e a todo homem livre que luta pela queda do regime (do presidente sírio Bashar al) Assad”, convocando-os a “parar imediatamente com os combates entre irmãos”.

Várias coalizões de insurgentes sírios, revoltadas com as atrocidades atribuídas aos jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL) e com o desejo do EIIL de hegemonia, começaram a combater no início de janeiro este grupo vinculado à Al-Qaeda nas zonas controladas pela rebelião no norte da Síria.

Estes confrontos entre antigos aliados na luta contra o regime do presidente Bashar al-Assaddeixaram desde então 1.100 mortos, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

O apelo de Zawahiri ocorre em meio às negociações entre governo e oposição sírios, em Genebra, na Suíça, que busca uma solução política para a guerra civil que já matou mais de 130 mil em três anos.

Ayman Al-Zawahiri, em imagem de arquivo (Foto: AFP Photo / Site Intelligence Group)
Ayman Al-Zawahiri, em imagem de arquivo (Foto: AFP Photo / Site Intelligence Group)
Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Moeda argentina sofre maior desvalorização em 12 anos

A moeda argentina sofreu nesta quarta-feira (22) a maior desvalorização em um único dia desde 2002 e acumula uma queda de 8,43% no ano, em uma agitada jornada financeira marcada por um ambiente de incerteza. O governo da presidente Cristina Kirchner impulsiona a depreciação monetária diante das pressões de grandes corporações econômicas, que observam uma perda de competitividade de seus produtos perante uma inflação anual de 28%, de acordo com consultoras privadas.

Segundo os analistas, a terceira economia da América Latina precisa recuperar a confiança da comunidade internacional e decidiu frear a sangria de reservas monetárias com medidas draconianas, como proibir a venda de dólares para poupança, limitar as importações e por um tributo de 35% ao turismo no exterior.

A última decisão, adotada nesta quarta-feira, foi aumentar os controles e restrições às compras pela internet ao exterior, um mercado que movimenta 350 milhões de dólares anuais, e sobre o qual pesa um encargo de 50% sobre compras superiores aos 25 dólares.

A presidente Kirchner ressurgiu nesta quarta-feira pela primeira vez em mais de um mês em ato público e durante sua intervenção, transmitida por cadeia nacional, omitiu fazer referência a estes temas. “Este ano a desvalorização vai superar a inflação. O problema é que só com a desvalorização não se corrigem falhas da macroeconomia”, disse à AFP o economista chefe da consultora Econométrica, Ramiro Castiñeira.

Mas na Argentina não se observa ainda um cenário de crise como em 2001, quando entrou na maior cessação de pagamentos contemporânea, com uma recessão brutal, desemprego e pobreza estimada em 57%, já que o entorno regional e internacional não é o mesmo. A economia argentina agora conserva alta dinâmica de consumo, baixo desemprego, desendividamento e subsídios que atenuam a pobreza.

Se a tendência continuar, as finanças cambaleiam

A incerteza cambiária fez cair as reservas monetárias de 42 a 30 bilhões de dólares em 2013 e situá-las agora em 29,5 bilhões de dólares, nível que tinham em 2006.

Os analistas consideram que se a tendência de perda de divisas continuar, a Argentina poderia ter problemas para honrar a dívida e as importações de energia, com um cenário de crises no setor externo (divisas). “O tipo de câmbio ficou atrasado. O dólar oficial é um dos bens mais baratos do país. Tudo subia menos o dólar e em algum momento, isto aconteceria. Era previsível”, disse Castiñeira ao falar da desvalorização em curso.

Surpreendentemente, o Banco Central, que administra o tipo de câmbio oficial em coordenação com o governo, deixou fluir o mercado na quarta-feira, sem intervir com compras ou vendas, o que disparou o preço da moeda americana após uma forte demanda.

As tabelas oficiais mostraram um valor do dólar que rompeu a barreira dos 7 pesos, a 7,12 pesos, com um nível de depreciação em um dia que não se registrava desde 18 de abril de 2002, em plena sequência do colapso econômico de 2001.

Mas “por enquanto a Argentina tem um melhor perfil de vencimentos da dívida que nações da Europa. E o nível de reservas ainda previne qualquer ataque especulativo”, disse à AFP Pablo Tigani, diretor da consultoria Hacer.

ENTRAVES – Nas últimas 48 horas, a Argentina impôs novos entraves e restrições às compras varejistas no exterior pela internet. O governo limitou na quarta-feira a duas vezes por ano a possibilidade de comprar no exterior pela web, sem pagar impostos, artigos que custem até 25 dólares.

“A medida será impopular. Aqueles que colocarem uma nova pedra no caminho para desanimar as pessoas. Pra mim, dá igual. Chegam milhares de pacotes no correio e não vai poder controlá-los todos”, comentou à AFP Miguel Ramírez, um médico de 55 anos.

 

Fonte: AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Itamaraty não tem permissão para fazer contato com filha de pernambucana presa nos EUA

O Itamaraty informou nesta quarta-feira (23) que conseguiu entrar em contato a pernambucana Karla Janine Albuquerque, 43 anos, que está presa na cidade de Brownsville, no Texas, Estados Unidos, acusada de sequestrar a filha de seis anos. O órgão brasileiro informou que, infelizmente, não poderá visitar a criança que está sob a guarda da Justiça americana e nem acompanhar a situação da menor, já que ela não tem o registro de nacionalidade brasileira. Sem o documento que garante a dupla nacionalidade, a menina é considerada cidadã norte-americana.

LEIA MAIS

» Pernambucana foge com filha devido a agressões e acaba presa nos EUA

“Para requerer a dupla nacionalidade, é necessária a autorização do pai. Petrick nunca autorizou a minha sobrinha a fazer o registro da filha”, justificou a tia de Karla, Kilma Sarmento, que mora no Recife e lamentou a situação. Segundo os familiares de Karla, ela fugiu de casa, na Flórida, após sofrer agressão física por parte do ex-marido, que é americano, e constatar que a criança havia sido violentada pelo próprio pai.  A pernambucana será julgada pela Justiça americana nesta quinta-feira (23). Por enquanto, a menina está sob a guarda da Justiça do Texas no Department of Children and Families (DCF), similar ao Conselho Tutelar no Brasil.

Sobre a situação da pernambucana, o Itamaraty explicou que irá acompanhar o processo e verificar se Karla teve o seu direito cerceado pelo fato ter outra nacionalidade, mas que não poderá interferir na decisão da Justiça. O órgão brasileiro informou ainda que Karla já contratou um advogado americano, que conhece as leis do País, para defendê-la, como recomendado pelo consulado brasileiro.

Além de pedir ajuda ao Itamaraty, os familiares de Karla entraram em contato com o Governo de Pernambuco. A gerente geral da secretaria Executiva de Articulação Internacional do Estado, Amparo Araújo, informou que o secretário da pasta, Rodolfo Ramirez, solicitou ao Ministério das Relações Exteriores providências sobre o caso.

“Acredito que eles irão analisar o caso com cuidado e, se necessário, fazer uma intervenção, respeitando os procedimentos diplomáticos. Foi desta forma que conseguimos repatriar a pernambucana Vitória, que também enfrentou problemas com a guarda da filha na Noruega. São casos distintos, mas acredito que a situação de Karla também pode ser resolvida”, disse.

ENTENDA O CASO – A pernambucana Karla Albuquerque foi morar nos EUA em 2001 e conheceu o seu ex-marido em 2005. Alguns meses depois, engravidou e os dois resolveram casar. Poucos meses após o nascimento da filha, Karla, segundo a família, começou a sofrer agressões de Patrick. O marido também teria violentado a filha, na época com três anos de idade. A criança relatou o caso na escola, e exames constaram o abuso sexual. Patrick também está fichado no Departamento de Polícia da Flórida como “sex offender”. O termo define alguém que comete ou estimula atos sexuais com ou na presença de menores de 16 anos.

A pernambucana denunciou o ex-marido à Justiça. Enquanto o processo estava em andamento, Patrick só podia visitar a filha sob supervisão. Apesar disso, ainda segundo a família, em 2011 o processo criminal foi arquivado. Por isso, a pernambucana teria fugido.

DOAÇÕES – Os familiares de Karla criaram uma campanha para arrecadar recursos para as custas processuais. Contribuições podem ser feitas no sitehttp://igg.me/p/653510, ou por meio de depósito na conta da mãe de Karla, Kátia Sarmento Martins de Albuquerque. (Banco do Brasil, agência 3201-8 / CC 0174551-4). Página no Facebook: Welovekarlamy.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Presidente do Irã duvida de sucesso da conferência de paz sobre a Síria

O presidente do Irã, Hassan Rohani, mostrou-se pessimista sobre o êxito da conferência de paz sobre a Síria, que começou nesta quarta-feira (22) na Suíça, indicou a agência de notícias Mehr.

“Todos os sinais mostram que não podemos ter muitas esperanças de que a conferência Genebra II encontre uma solução para os problemas do povo sírio e para a luta contra o terrorismo”, disse Rohani antes de viajar à cidade suíça de Davos, onde é realizado o Fórum Econômico Mundial.

“Também temos poucas esperanças sobre a eficácia desta conferência para estabelecer uma estabilidade, já que participam dela alguns dos apoios dos terroristas”, acrescentou.

O Irã, principal aliado regional do regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, classifica os membros da oposição síria de terroristas e acusa as monarquias do Golfo, a Turquia e os países ocidentais de armar e financiar os rebeldes.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, inaugurou nesta quarta-feira (22) a conferência de paz sobre a Síria na localidade suíça de Montreux. Esta conferência reúne pela primeira vez os representantes do regime sírio e os da oposição no exílio após quase três anos de guerra.

 

Fonte: AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Nova onda de frio e neve paralisa o nordeste dos Estados Unidos

Uma nova onda de frio polar tingiu de branco o nordeste dos Estados Unidos nesta terça-feira (21), e cidades como Nova York e Washington registraram um acúmulo histórico de neve em um único dia, uma situação que obrigou o fechamento de escritórios do governo federal e de escolas, além do cancelamento de mais de 3 mil voos.

No Brasil, a nevasca levou a TAM a alterar os horário de voos para Nova York.

Para quarta-feira (22), estão previstos que cerca de 900 voos sofram eventuais cancelamentos ou atrasos.

Espera-se que as complicações provocadas por esta nova nevasca continuem até sexta-feira.

A onda de frio é causada por uma frente fria polar que afetará toda a área compreendida entre a Carolina do Norte (sudeste) e o sul da Nova Inglaterra (nordeste).

Nevasca
Depois que a tempestade Hércules derrubou os termômetros para mínimos recordes de temperatura no começo do ano, o nordeste do país viveu nesta terça-feira um dia de muita nevasca, que deixou milhares de trabalhadores e estudantes em casa e transformou as estradas em um pesadelo.

As condições meteorológicas obrigaram que os estados de Nova York, Nova Jersey e Delaware declarassem situação de emergência, enquanto áreas de Pensilvânia, Maryland, Virgínia e Virgínia Ocidental permanecem em alerta.

O famoso Central Park de Nova York ficou coberto com a maior quantidade de neve de sua história em um único dia, 19,3 centímetros, um número que supera o recorde anterior, quando em 2001 a cobertura de neve chegou aos 15,2 centímetros.

Homem atravessa a Broad Street durante tempestade de neve em Filadélfia, EUA, nesta terça-feira (21). (Foto: Matt Rourke/AP)
Homem atravessa a Broad Street durante tempestade de neve em Filadélfia, EUA, nesta terça-feira (21).
(Foto: Matt Rourke/AP)

Políticos mudaram agenda
Uma amostra da paralisia vivida hoje no nordeste foi a capital do país, Washington, onde o governo ordenou que seus funcionários ficassem em casa e o mesmo foi feito por boa parte dos escritórios da cidade, o que, junto com o fechamento das escolas, transformou a capital em uma cidade fantasma durante a tarde.

A nevasca também afetou a agenda do próprio presidente Barack Obama, que foi obrigado a atrasar suas reuniões programadas para esta terça-feira, segundo a Casa Branca. A tradicional entrevista coletiva diária do porta-voz da Presidência, Jay Carney, também foi cancelada.

Além disso, o mau tempo roubou o protagonismo do personagem do dia no país, o governador de Nova Jersey, Chris Christie, que ficou sem poder celebrar a festa de inauguração de seu segundo mandato, prevista na ilha de Ellis, em frente à Nova York.

Christie, considerado um potencial candidato republicano à Casa Branca, contínua no centro da polêmica nacional pelo escândalo do ‘Bridgegate’. O caso começou quando, há algumas semanas, vazou uma informação sugerindo que sua equipe de governo decidiu bloquear várias pistas da ponte George Washington, localizada em Fort Lee, em setembro, como uma retaliação contra o prefeito da cidade, do Partido Democrata, que não apoiou o governador em sua reeleição.

Segundo a imprensa local, toda a comida que seria servida na festa de Christie será doada para refeitórios públicos em Jersey City.

Um cavalo atravessa um campo coberto de neve em em fazenda de Upson Downs. No local, caíram de 3 a 6 centímetros de neve. (Foto: Timothy D. Easley/AP)

Um cavalo atravessa um campo coberto de neve em em fazenda de Upson Downs. No local,
caíram de 3 a 6 centímetros de neve. (Foto: Timothy D. Easley/AP)
Da EFE
Foto: AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Familiares de dirigentes da China acumulam bens em paraísos fiscais

Os parentes de pelo menos cinco dirigentes do alto escalão do governo da China contam com ativos em paraísos fiscais do Caribe, segundo as informações de uma base documental divulgada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês).

Os dados, que foram publicados por vários meios internacionais como a ‘BBC’ e os jornais ‘The Guardian’, ‘Le Monde’ e ‘El País’, revelam que pelo menos 13 familiares dos principais dirigentes da China, entre eles o presidente Xi Jinping e o ex-primeiro-ministro Wen Jiabao, utilizam esses paraísos fiscais.

.

O presidente da China, Xi Jinping, faz seu discurso de Ano Novo para a mídia estatal em Pequim (Foto: Lan Hongguang/Xinhua/Reuters)
O presidente da China, Xi Jinping, faz seu discurso
de Ano Novo para a mídia estatal em Pequim
(Foto: Lan Hongguang/Xinhua/Reuters)

A eles se somam 15 grandes empresários e companhias estatais chinesas.

No total, as informações do ICIJ, que foram baseados em 2,5 milhões de documentos vazados de duas companhias de serviços financeiros nas Ilhas Virgens Britânicas, mostram que mais de 21 mil clientes da China e Hong Kong utilizaram os paraísos fiscais.

Além disso, mencionam o papel de grandes bancos e empresas financeiras ocidentais como mediadores no estabelecimento de empresas nesses paraísos.

Na China, ter contas em paraísos fiscais não é uma prática ilegal, mas suscita dúvidas sobre a riqueza acumulada pela elite chinesa no poder.

Segundo o ‘Guardian’, alguns cálculos estimam que, desde o ano 2000, saíram da China ativos não detectados de US$ 1 a 4 trilhões.

As autoridades chinesas não têm obrigação de divulgar seus ativos, e nos últimos tempos endureceram sua oposição aos movimentos populares que tentam pressionar em favor de uma maior transparência dos dirigentes, em um país com profundas desigualdades sociais.

Ativista
De fato, os dados do ICIJ foram divulgados no mesmo dia do julgamento em Pequim do proeminente ativista Xu Zhiyong, fundador do movimento ‘Novo Cidadão’, que reivindica o respeito à Constituição chinesa e um maior controle sobre os líderes do país.

Xu foi detido em julho de 2013 e é acusado de alterar a ordem pública, podendo ser condenado a cinco anos de prisão e existem poucas dúvidas de que será declarado culpado.

Os envolvidos
Entre os parentes de dirigentes que aparecem citados no relatório do ICIJ se encontra o cunhado do presidente Xi Jinping, Deng Jiahui, que possui a metade de uma companhia imobiliária baseada nas Ilhas Virgens.

Além disso, é citado o filho de Wen Jiabao, Wen Yunsong, e o genro do ex-primeiro-ministro Liu Chunhang.

O ex-primeiro-ministro já estava sob escrutínio depois que em 2012 o jornal ‘New York Times’ publicou que sua família tinha acumulado bens no valor de US$ 2,7 bilhões durante sua etapa no poder (2003-2013).

Outros familiares de dirigentes com contas em paraísos fiscais são a filha do ex-primeiro-ministro Li Peng, Li Xiaolin, alta executiva de uma empresa estatal de eletricidade, e o genro do antigo líder chinês Deng Xiaoping, Wu Jianchang.

O relatório menciona também que vários dos empresários de destaque na China, inclusive a mulher mais rica do país, Yang Huiyan, promotora imobiliária, e o fundador do gigante tecnológico Tencent, Pony Ma.

Muitas empresas chinesas recorreram a subsidiárias em paraísos fiscais para evitar impostos e as restrições aos fluxos de capital existentes na República Popular e para vender produtos a um custo mais baixo.

 

 

Agência EFE

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.