Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Trump incentivou ‘tentativa de golpe’, diz comitê que investigou ataque ao Capitólio

O presidente do comitê, Bennie Thompson, acusou Trump de estar ‘no centro de uma conspiração’.

Por France Presse

O comitê que investigou o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos em 2021 informou nesta quinta-feira (9) que o ex-presidente Donald Trump estava por trás de uma “tentativa de golpe” para se manter no poder no país, logo após perder as eleições para Joe Biden .

Em uma audiência televisionada em horário nobre sobre as descobertas da investigação, o comitê especial mostra aos americanos a existência de uma trama, ainda em andamento, orquestrada por Trump para reverter o resultado da eleição de 2020.

Trump pode ser processado e, se condenado, pode se tornar inelegível.

“O presidente Trump convocou a multidão, reuniu a multidão e acendeu a chama deste ataque”, disse a vice-presidente republicana do painel, Liz Cheney, em seu discurso de abertura.

Minutos antes, abrindo a primeira audiência pública, o presidente democrata do comitê, Bennie Thompson, acusou Trump de estar “no centro dessa conspiração”.

“O dia 6 de janeiro (2021) foi o culminar de uma tentativa de golpe, uma tentativa descarada, como disse um manifestante pouco depois de 6 de janeiro, de derrubar o governo. A violência não foi um acidente.”

No dia do ataque, os manifestantes invadiram o Capitólio por “incentivo do presidente dos Estados Unidos“, acrescentou.

Em sua apresentação, o painel usou depoimentos prestados a portas fechadas por alguns dos conselheiros mais próximos e confiáveis de Trump, incluindo o ex-procurador-geral, Bill Bar, e seu genro e principal conselheiro, Jared Kushner.

Além disso, foram divulgadas imagens, algumas inéditas, da violência que tomou conta da sede do governo, que deixou cinco mortos.

“A democracia continua em perigo”, advertiu Thompson, em comentários preparados e divulgados pouco antes da audiência. “A conspiração para frustrar a vontade do povo não acabou. Há aqueles que têm sede de poder neste país, mas não têm amor ou respeito pelo que tornam os EUA grandes”, disse ele.

Caça às bruxas

Durante a sessão desta quinta e nas cinco audiências seguintes, serão ouvidos pela primeira vez depoimentos-chave, enquanto os advogados mostrarão textos, fotografias e vídeos para trazer à luz supostos planos que o governo Trump começou a desenvolver antes das eleições.

Trump chamou a investigação de uma “caça às bruxas” sem fundamento e, através de sua rede social, a Truth Social, defendeu a insurreição, que classificou como “o maior movimento na história do país” para fazer com que os Estados Unidos “voltem a ser grande”.

“Tratava-se de uma eleição fraudada e roubada, e um país que estava prestes a ir para o inferno”, acrescentou.

O líder republicano na Câmara dos Deputados, Kevin McCarthy, afirmou nesta quinta que esta comissão é “a mais política e a menos legítima da história dos EUA”.

“Não vejo uma sessão no horário nobre sobre o preço da gasolina, sobre como combater a inflação, alimentar nossas crianças e tornar nossas ruas mais seguras”, disse ele em entrevista coletiva.

Seu partido já prometeu enterrar o trabalho da comissão se ela assumir controle do Congresso nas eleições de meio de mandato em novembro.

‘Atores ilegais’

Posteriormente, o comitê, que entrevistou mais de 1.000 testemunhas, deverá agendar audiências a partir das 10h locais nos dias 13, 15, 16 e 21 de junho.

O grupo analisará diferentes esquemas ilegais que, segundo assegura, foram orquestrados pelo governo Trump para mantê-lo no poder.

Os investigadores querem examinar com detalhe o atraso de 187 minutos que levou para que mais policiais entrassem para reforçar o Capitólio e determinar por que há uma lacuna de quase oito horas nos registros telefônicos das ligações feitas da Casa Branca enquanto a violência se espalhava.

Um dos principais desafios do comitê é demonstrar a existência de uma relação direta entre a suposta conspiração para reverter a eleição, o discurso de Trump que incentivou a turba a marchar até a sede do Congresso e a posterior captura do Capitólio.

A questão de saber se Trump infringiu a lei já foi respondida em alguns aspectos. O juiz federal David Carter decidiu em março que “a ilegalidade do plano era óbvia”.

As pesquisas de opinião colocam essa investigação muito abaixo na lista de preocupações dos americanos.

Pré-candidato preso

O FBI prendeu nesta quinta o principal pré-candidato republicano a governador do Michigan, acusado de ter participado, em janeiro de 2021, da invasão ao Capitólio. Segundo o Departamento de Justiça, Ryan Kelley, 40, participou do ataque.

Membro da Comissão de Planejamento da cidade de Allendale, Michigan, e fundador do Conselho Patriota dos EUA, um grupo de extrema direita, Kelley foi acusado de entrar ilegalmente no Capitólio e participar de atos de violência contra a propriedade.

Uma declaração apresentada à corte federal de Washington detalha a participação de Kelley nos distúrbios de 6 de janeiro, por meio de informações publicadas nas redes sociais, bem como de registros telefônicos. Em alguns momentos, ele chegava a pedir à multidão que entrasse no Capitólio.

Kelley foi preso em sua residência, em Allendale, na madrugada desta quinta, segundo o FBI. Os motivos que levaram à sua prisão quase um ano e meio após os fatos não estão claros.

Agente imobiliário e ligado a uma milícia local que protestou contra a remoção de estátuas de generais confederados e as restrições anti-Covid, Kelley entrou na corrida para se tornar governador do Michigan. Em pesquisa divulgada no fim de maio, após a invalidação de outras candidaturas, Kelley liderava as intenções de voto para as primárias republicanas de 2 de agosto.

Na página de Kelley no Facebook, havia uma declaração de duas palavras: “preso político”. Ele está entre as mais de 840 pessoas presas por participação no ataque à sede do Congresso americano.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Vídeo mostra depoimento de brasileiro morto na guerra na Ucrânia: ‘daqui eu só saio com a vitória’

Família confirma que homem que aparece nas imagens é André Luis Hack Bahi, morto aos 44 anos no país europeu. Gravação foi enviada à família por WhatsApp. Itamaraty confirmou óbito nesta quinta-feira (9).

Por Gustavo Chagas, g1 RS

‘Daqui eu só saio com a vitória’, diz brasileiro morto na Ucrânia em vídeo

A família de André Luis Hack Bahi recebeu um vídeo em que o brasileiro, morto aos 44 anos na guerra na Ucrânia, aparece falando sobre os combates na Europa. A autoria e a data da gravação são desconhecidas, mas a irmã de André confirmou ao g1 se tratar do brasileiro. Nesta quinta-feira (9), o Ministério das Relações Exteriores comunicou os parentes do óbito.

“Desde que eu cheguei aqui, eu dediquei a minha vida até o fim. Daqui eu só saio com a vitória. Vim proteger o povo aqui”, diz Hack no vídeo.

Logo em seguida, Hack repete “slava Ukraini”, frase que significa “glória à Ucrânia” no idioma local. O vídeo ainda mostra a preparação de militares antes do embarque em um veículo de guerra.

A família recebeu as imagens com riscos e diz não saber o motivo das rasuras.

O Itamaraty afirma que Hack morreu “em decorrência do conflito naquele país”. A diplomacia brasileira ainda afirma que “mantém contato com familiares para prestar-lhes toda a assistência cabível, em conformidade com os tratados internacionais vigentes e com a legislação local”.

André faria parte da Legião Internacional de Defesa Territorial da Ucrânia. De acordo com a irmã, ele morava no Ceará antes de ir para a Europa. O corpo de Hack deve ser cremado e, as cinzas, jogadas em Quixadá, onde vivia.

Foto de André Luis Hack Bahi, na Ucrânia, enviada a familiares no Brasil — Foto: Arquivo pessoal

Foto de André Luis Hack Bahi, na Ucrânia, enviada a familiares no Brasil — Foto: Arquivo pessoal

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Tiroteio deixa pelo menos 3 mortos em Smithsburg, nos EUA

Ataque aconteceu dentro de uma empresa da região. Atirador morreu no local, após confronto com a polícia.

Por g1

Um tiroteio que começou dentro de uma fábrica da Columbia Machine deixou pelo menos 3 mortos nesta quinta-feira (9) na cidade de Smithsburg, no estado de Maryland, nos EUA, segundo a imprensa local.

Autoridades disseram que atirador foi morto no local, após confronto com policiais.

Relatórios iniciais divulgados pelo Washington County Sheriff’s Office, o departamento de polícia local, confirmam a morte de três pessoas, sem especificar se o atirador estaria entre elas ou se há outros feridos. Ainda não se sabe a motivação do ataque.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

As mortes de trabalhadores migrantes sob calor de 50°C no Catar

Investigação da BBC aponta subnotificação em mortes do tipo no país que vai sediar a próxima Copa do Mundo.

Por BBC

Ao menos 571 trabalhadores nepaleses morreram no Catar vítimas de parada cardíaca nos últimos oito anos – e mais de 200 desses casos provavelmente se devem à insolação, segundo indica um estudo recente.

Ou seja, essas mortes talvez pudessem ter sido prevenidas se esses trabalhadores não tivessem tido de trabalhar sob altas temperaturas – que chegam a 50°C no Catar, país que vai sediar a Copa do Mundo deste ano.

O país proíbe trabalhos do tipo no verão ou quando o calor supera 32,1°C, mas uma investigação da BBC aponta que parte das mortes por insolação está subnotificada.

Dhan Bahadur morreu oficialmente de parada cardíaca, mas tinha apenas 31 anos e sua mulher diz que ele sofria constantemente com os efeitos do calor.

Outro trabalhador diz que foi detido no Catar depois de se queixar de suas condições de trabalho.

Por conta das mudanças climáticas, países do Golfo Pérsico – incluindo os Emirados Árabes Unidos – estão esquentando a uma taxa duas vezes maior que a média global.

Ao mesmo tempo, há mais de 14 milhões de trabalhadores migrantes no Golfo, que usam o dinheiro para enviar a suas famílias, a maior parte delas na Ásia e na África.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Avião militar cai no sul da Califórnia, nos EUA

Não há informação de quantas pessoas estavam no avião e nem qual é o estado dos passageiros e tripulantes.

Por g1

Uma aeronave da Marinha dos Estados Unidos caiu no sul do estado da Califórnia nesta quarta-feira (8).

O avião caiu em uma região de deserto.

Não há informação de quantas pessoas estavam no avião e nem qual é o estado dos passageiros e tripulantes.

O avião é um MV-22B Osprey. A base dessa aeronave é na cidade de San Diego, no sul da Califórnia.

Inicialmente, houve relatos, que rapidamente foram negados, de que havia material nuclear no avião.

Um porta-voz confirmou que houve uma queda perto da cidade de Glamis. Equipes de resgate foram ao logal.

Há uma base aérea de fuzileiros navais situada próxima do local do acidente, em Yuma, no Arizona, que abriga um certo número de aviões MV-22 Osprey de decolagem vertical.

O exército americano já sofreu diversos acidentes envolvendo este tipo de avião, entre eles um que deixou quatro mortos em março na Noruega durante um exercício da Otan.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Prefeito é morto a tiros no sul do México

O homicídio foi cometido duas semanas depois da divulgação de vídeos que mostravam uma gangue, provavelmente de traficantes de drogas, passando pela cidade.

Por France Presse

Um prefeito de uma cidade no estado de Chiapas, no sul do México, foi assassinado a tiros nesta quarta-feira (8), informou o Ministério Público regional. Com este crime, são 94 prefeitos mortos no país desde o ano 2000.

Rubén de Jesús Valdez Díaz, prefeito do município de Teopisca, estava saindo de carro de sua casa quando foi surpreendido por dois homens que chegaram de moto.

O Ministério Público anunciou a abertura de uma investigação.

Segundo versões de moradores e jornalistas, logo após o crime um grupo armado chegou à localidade e invadiu algumas casas. O comércio e escolas foram fechados, segundo estes relatos.

O homicídio foi cometido duas semanas depois da divulgação de vídeos que mostravam uma gangue, provavelmente de traficantes de drogas, passando pela cidade.

Valdez foi eleito em 6 de junho de 2021.

César Valencia, prefeito de Aguililla, no estado de Michoacán (oeste), morreu a tiros em 11 de março nesta região gravemente afetada pelos cartéis de drogas.

Entre 2000 e 2022, 94 prefeitos mexicanos foram assassinados, segundo uma publicação da consultora Etellekt nesta quarta-feira no Twitter.

“Com o assassinato de Rubén de Jesús Valdez Díaz (…) são 17 os prefeitos assassinados” desde dezembro de 2018, quando o presidente de esquerda Andrés Manuel López Obrador assumiu o poder, acrescentou a postagem.

Esse número é “21% maior que o mesmo período do governo de Enrique Peña Nieto (2012-2018)”, do Partido Revolucionário Institucional, PRI, detalhou a Etellekt.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Simone Biles e dezenas de ginastas norte-americanas exigem US$ 1 bi do FBI em escândalo de abuso sexual

Ela acusou os policiais do FBI de ‘trabalhar’ com a Federação de Ginástica dos EUA e o Comitê Olímpico dos EUA ‘durante 421 dias para esconder esta informação do público, permitindo que Nassar continuasse a agredir meninas e mulheres jovens’.

Por RFI

A ginasta campeã Simone Biles e mais de 90 outras ginastas norte-americanas processaram, nesta quarta-feira (8), o FBI em US$ 1 bilhão por “negligência” no escândalo do abuso sexual cometido pelo ex-médico Larry Nassar, quando ele atuava na seleção de ginástica dos Estados Unidos.  

“O FBI sabia que Larry Nassar era um perigo para as jovens quando o ataque contra mim foi relatado pela primeira vez, em setembro de 2015”, disse a ginasta Maggie Nichols, citada em uma declaração do escritório de advocacia Manly, Stewart & Finaldi.

Ela acusou os policiais do FBI de “trabalhar” com a Federação de Ginástica dos EUA e o Comitê Olímpico dos EUA “durante 421 dias para esconder esta informação do público, permitindo que Nassar continuasse a agredir meninas e mulheres jovens”.

Vítimas de abuso sexual do ex-médico Larry Nassar vão receber indenização, nos EUA

O ex-médico da equipe feminina norte-americana Larry Nassar, 58 anos, está cumprindo uma pena de prisão perpétua após ter sido condenado, em 2017 e 2018, por agressão sexual a mais de 250 ginastas, a maioria delas menores, na federação de ginástica, na Michigan State University e em um clube de ginástica.

As acusações iniciais contra ele foram encaminhadas em julho de 2015 ao escritório do FBI, em Indianápolis. A investigação foi rapidamente abandonada e foi necessário outro relatório, em maio de 2016, para que a polícia federal lançasse novas investigações.

Erros fundamentais do FBIOs agentes “cometeram inúmeros e fundamentais erros e violaram várias regras do FBI”, decidiu a Inspetoria Geral do Departamento de Justiça, mais tarde, em um relatório condenatório. Entretanto, o departamento anunciou, no final de maio, que não processaria os agentes infratores.

“As outras vítimas e eu fomos traídas por todas as instituições que deveriam nos proteger”, disse a ex-campeã olímpica McKayla Maroney, também citada na declaração, referindo-se à federação, ao comitê olímpico, ao FBI e ao Departamento de Justiça.

“É claro que nosso único caminho para a Justiça e a cura é através do processo legal”, acrescentou ela. Em setembro de 2021, Maroney, Biles e Nichols disseram a uma comissão do Senado que as autoridades esportivas e legais não haviam agido com base nas acusações contra Larry Nassar.

O FBI não comentou, lembrando o testemunho do diretor do FBI, Christopher Wray, perante a comissão do Senado no ano passado. Naquela época, ele pediu desculpas às vítimas do médico, admitindo que “os erros fundamentais cometidos em 2015 e 2016 nunca deveriam ter sido cometidos”.

Em dezembro de 2021, as autoridades esportivas norte-americanas concordaram em pagar US$ 380 milhões em indenização às vítimas de Larry Nassar.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Confronto entre mineiros por uma jazida deixa 14 mortos no Peru

Jazida de ouro e cobre foi objeto de uma briga que terminou com 14 mortos. Corpos foram enviados ao necrotério de Arquipa.

Por France Presse

Imagem da fachada do instituto legal de Arequipa — Foto: Reprodução/g1

Imagem da fachada do instituto legal de Arequipa — Foto: Reprodução/g1

Um confronto entre grupos de mineiros que disputavam uma jazida de ouro e cobre em uma área no sul do Peru deixou 14 mortos, informaram as autoridades nesta quarta-feira (8).

Todos os mortos são homens. Os confrontos começaram no fim de semana, no distrito de Atico, na região de Arequipa, 1.000 quilômetros a sudeste de Lima.

Como o local é remoto, só se soube que havia 14 mortos em um confronto três dias depois da ocorrência.

Esse tipo de conflito entre mineiros é frequente em áreas remotas do Peru, onde a presença do Estado é quase nula.

“Os corpos estão no necrotério da cidade de Arequipa, primeiro encontramos sete e depois outros sete em um barranco de 70 metros de profundidade”, acrescentou o oficial do Atico, que pediu para não mencionar seu nome.

O Ministério Público confirmou que o confronto entre estes grupos deixou 14 mortos e disse que foram detidos 31 mineiros, aos quais foram apreendidas armas de fogo, incluindo uma espingarda, munições e coletes à prova de bala.

“Há catorze mortos, esta é uma informação confiável”, disse a promotora María Lozada, encarregada de investigar os fatos, à rádio RPP.

Os confrontos foram causados pela disputa por um depósito de ouro e cobre que ambos os grupos pretendiam explorar em um setor conhecido como Huanaquita, segundo a mídia local.

Nessa área montanhosa, os confrontos ocorrem há anos devido à disputa pelas jazidas de ouro e cobre, mas é a primeira vez que se registram mortes, segundo a mídia de Arequipa.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Menina relata no Congresso dos EUA que fingiu estar morta para escapar de massacre em escola: ‘Peguei o sangue e espalhei sobre mim’

Miah Cerrillo é uma das sobreviventes do tiroteio na escola primária de Uvalde, no Texas. Onda de tiroteios desencadeou nova rodada de debates sobre comércio de armas no Senado dos EUA.

Por g1

Uma menina de 11 anos que sobreviveu ao tiroteio em massa em uma escola primária em Uvalde, no Texas, contou nesta quarta-feira (8) a membros do Congresso dos Estados Unidos como ela se cobriu com o sangue de um colega morto para evitar ser baleada.

Miah Cerrillo, uma aluna do quarto ano da escola Robb Elementary, disse em um depoimento pré-gravado como ocorreu o ataque na sala em que ela estava. (Veja no vídeo acima)

“Ele falou ‘boa noite’ para minha professora e deu um tiro na cabeça dela”, disse a garota. “Eu pensei que ele ia voltar , então peguei o sangue e espalhei sobre mim.”

Questionada sobre o que ela queria que acontecesse em sua escola, ela respondeu: “Ter segurança”. Quando perguntada se ela se sentia segura no colégio, balançou a cabeça e disse: “Não quero que isso aconteça de novo”.

A aluna e pais de jovens mortos e feridos em tiroteios em massa falaram nesta quarta-feira em um painel do congresso americano. O objetivo da audiência é propor um projeto de lei de segurança para a venda e porte de armas.

O debate acontece depois que um atirador de 18 anos matou 19 alunos e duas professoras na escola Robb Elementary em Uvalde, no Texas, no dia 24 de maio.

O massacre de Uvalde faz parte de uma onda de tiroteios em massa nos Estados Unidos nas últimas semanas que mataram dezenas e desencadearam uma nova rodada de debates no senado americano.

Com democratas e republicanos profundamente divididos sobre a questão das armas, as conversas se concentraram em objetivos modestos, entre eles encorajar os estados a aprovarem leis que neguem a venda de armas de fogo a pessoas que possam oferecer risco para si mesmas ou para os outros.

Os republicanos, que apoiam fortemente o direito de manter e portar armas, como prevê a Constituição dos EUA, se opuseram a propostas como a venda limitada dos rifles usados nos massacres de Uvalde, no Texas, e de Buffalo, em Nova York.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Quatro migrantes, entre eles uma criança, morrem em naufrágio perto da Espanha

Vítimas estavam em embarcação precária que virou a 40 km de praia espanhola. Só em 2021, mais de 40 mil pessoas chegaram às costas espanholas em embarcações ilegais vindas da África. Cerca de 4.400 morreram no caminho, afirma ONG local.

Por g1

Quatro migrantes, entre eles uma criança, morreram nesta quarta-feira (8) quando a embarcação com a qual tentavam chegar na Espanha naufragou no mar Mediterrâneo. Um outro passageiro está desaparecido.

No total, 17 pessoas viajavam a bordo da embarcação, que tinha condições precárias, segundo o governo espanhol. Os outros 12 passageiros sobreviveram ao naufrágio e foram resgatados com vida pela Guarda Costeira da Espanha.

O naufrágio aconteceu no início da manhã perto da costa de Murcia, no sudoeste da Espanha. A embarcação, segundo a Guarda Costeira, estava a apenas 40 quilômetros de uma praia espanhola.

Há cerca de cinco anos, a região tem recebido um dos maiores fluxos de migrantes que saem do norte da África em direção a praias espanholas, na tentativa de chegar à Europa. Só em 2021, mais de 40.000 migrantes chegaram às costas espanholas, vindas principalmente do Marrocos, segundo o Ministério do Interior.

A ONG espanhola Caminando Fronteras, que monitora as ligações feitas por migrantes ou seus parentes para seus números de emergência, calcula que 4.404 migrantes morreram ou desapareceram no ano passado no mar Mediterrâneo quando tentavam chegar à Espanha. O número é o pior número desde 2015.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.