Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

Superministro da Economia da Argentina nomeia principais assessores

Sergio Massa deve renunciar ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados na terça-feira, antes de assumir o novo posto na quarta.

Por Reuters

O novo superministro da Economia da Argentina, Sergio Massa, nomeou seus principais assessores nesta segunda-feira, prometendo frear a inflação elevada e a deterioração da economia do país.

Eduardo Setti, economista com experiência em mercado de capitais, será o secretário da Fazenda. Daniel Marx fará parte da equipe de monitoramento da dívida pública, e Raúl Rigo será o secretário do Tesouro.

A decisão vem dias depois que Massa foi nomeado para liderar o novo ministério, que supervisionará as políticas econômica, industrial e agrícola. Massa deve renunciar ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados na terça-feira, antes de assumir o novo posto na quarta.

O índice Merval, referência para o mercado acionário argentino, caiu 4,03%, para 117.586,78 pontos, depois de ganhar quase 8% na semana passada.

Com a remodelação do gabinete, o governo, cujo índice de aprovação está em queda, espera conter a agitação social por causa dos altos preços e evitar mais deterioração antes das eleições presidenciais de 2023.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Ex-assessor de Putin que se demitiu é internado com doença imune rara

Anatoly Chubais, o maior responsável pelas privatizações na Rússia pós-URSS, deixou seu posto no Kremlin após a invasão da Rússia à Ucrânia. Agência de inteligência europeia investiga envenenamento.

Por g1

O ex-assessor direto de Vladimir Putin e hoje um dos principais opositores ao governo da Rússia Anatoly Chubais foi internado com uma doença imune rara em um hospital europeu nesta segunda-feira (1º).

Segundo a agência de notícias Reuters, uma agência de inteligência europeia está investigando o caso para saber se se trata de envenenamento, mas Chubais suspeita sofrer da síndrome de Guillain-Barre, doença que danifica o sistema nervoso.

Ex-vice de Boris Yeltsin e eesponsável pela política de privatizações das estatais russas após o fim da União Soviética, Chubais era bem próximo a Putin até o início da guerra da Ucrânia. Foi ele quem deu ao presidente russo seu primeiro emprego dentro do Kremlin.

O ex-dirigente também chefiou a empresa estatal de tecnologia Rusnano até 2008 e é considerado o “pai” dos oligarcas russos.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que a condição de Chubais é “triste” e o desejou uma rápida recuperação.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Conservadores começam a votar para definir sucessor de Boris Johnson

Até o final desta semana, os partidários devem receber suas cédulas. Eles podem votar até o dia 2 de setembro pelo correio.

Por France Presse

Os membros do Partido Conservador britânico começam a votar nesta semana para definir seu novo líder e sucessor do primeiro-ministro Boris Johnson. Na disputa estão a ministra das Relações Exteriores Liz Truss considerada favorita à frente de Rishi Sunak, ex-ministro das Finanças.

Truss lançou sua campanha com uma proposta de cortes em larga escala de impostos que ganha cada vez mais adeptos.

Os membros do partido que está no poder há 12 anos, cerca de 200 mil (equivalente a 0,3% da população), têm até 2 de setembro para votar pelo correio. Até o final desta semana, os partidários devem receber suas cédulas.

O corpo eleitoral é composto majoritariamente por homens, brancos e mais velhos. O resultado está previsto para ser divulgado em 5 de setembro.

Depois de um início de campanha com muitos candidatos e cinco votações restritas aos representantes no Parlamento para definir os dois finalistas, o suspense parece ter se dissipado.

Sunak, que ficou em primeiro lugar nas votações internas dos parlamentares por sua elogiada gestão da pandemia, é menos popular entre a base do partido, onde Truss espera ganhar terreno.

Antes da votação, Truss recebeu grandes apoios do ex-ministro da Irlanda do Norte Brandon Lewis, do candidato derrotado a líder do partido Tom Tugendhat e o elogio mais importante, o do ministro da Defesa Ben Wallace, que é muito respeitado dentro do partido.

Ben Wallace destacou a “experiência” da atual chanceler, em um momento de guerra na Ucrânia.

Nesta segunda-feira Truss também recebeu o apoio do atual ministro das Finanças, Nadhim Zahawi.

“A disputa está muito acirrada e lutamos por cada voto”, afirmou Truss no fim de semana.

A ministra pareceu um pouco rígida e incomodada em alguns debates nas primeiras fases da disputa, mas agora se mostra mais tranquila e segura, um revés para Sunak, que contava com sua capacidade oratória para ganhar terreno.

Truss saiu mais forte na quinta-feira na primeira de uma série de 12 encontros contra os militantes da base conservadora. A próxima reunião está marcada para segunda-feira à noite na cidade de Exeter, no sudoeste do Reino Unido.

Desde o início desta campanha interna, na qual o meio ambiente quase não foi mencionado, os finalistas discordam sobre os impostos.

Por um lado, Truss promete uma redução de impostos “a partir do primeiro dia” e afirma que vai anular o aumento das contribuições sociais impostas este ano para financiar o sistema nacional de saúde, que foi prejudicado pela pandemia.

Já Sunak critica os “contos de fadas” de sua rival e advertiu que é melhor esperar que a inflação – que atingiu um recorde em 40 anos – diminua antes de reduzir a pressão fiscal. No entanto, desde o início da campanha, ele anunciou uma redução do imposto sobre a energia para aliviar as famílias.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Novas chuvas dificultam resgates em inundações no sul dos EUA

Inundações transformaram estradas em rios, destruíram pontes, varreram casas e mataram 28 pessoas, segundo os dados oficiais mais recentes.

Por France Presse

Socorristas realizavam um resgate porta a porta no Kentucky, sob condições climáticas cada vez piores, enquanto continuavam as buscas por vítimas das inundações que devastaram o leste do estado americano, informou o governador Andy Beshear neste domingo (31).

Algumas áreas da região montanhosa permaneciam inacessíveis, depois que as inundações transformaram estradas em rios, destruíram pontes, varreram casas e mataram 28 pessoas, segundo os dados oficiais mais recentes. A instabilidade no sistema de telefonia celular dificulta os esforços.

“Esta é uma das inundações mais devastadoras e mortais que já vimos em nossa história (…) E no momento em que estamos tentando cavar, está chovendo”, disse Beshear ao programa “Meet the Press”, da NBC.

“Vamos trabalhar para ir de porta em porta. Trabalhar para encontrar, novamente, o máximo de pessoas que pudermos. Vamos até trabalhar na chuva. Mas o clima está dificultando”, disse Beshear.

O governador percorreu hoje áreas inundadas em três condados. Mais de 350 pessoas estão em abrigos temporários devido aos danos causados pelas chuvas em todo o estado, disse ele.

Socorristas locais e federais distribuíram água para pessoas necessitadas na cidade de Jackson, onde a subida das águas deixou uma espessa camada de lama, enquanto nuvens ameaçadoras anunciavam mais chuva.

Ameaças de novas inundações

As inundações repentinas causadas pelas chuvas torrenciais que começaram na quarta-feira atingiram uma região do estado que já sofria de extrema pobreza. A crise é impulsionada pelo declínio da indústria do carvão, que era o coração de sua economia. “Destruiu áreas onde as pessoas já não tinham muito”, disse Beshear.

Algumas áreas do estado registraram mais de 200 milímetros de chuva em um período de 24 horas. O nível da água na bifurcação norte do rio Kentucky, na cidade de Whitesburg, bateu seu recorde em poucas horas, chegando a 7 metros.

O Centro de Previsão do Tempo do Serviço Nacional de Meteorologia alertou hoje para a possibilidade de inundações em uma faixa dos Estados Unidos, incluindo o centro e o leste de Kentucky.

“A ameaça de inundações repentinas aumentará ao longo do dia à medida que chuvas fortes e trovoadas se desenvolvem e se expandem”, anunciou em sua conta no Twitter.

O presidente Joe Biden emitiu uma declaração de desastre pelas inundações, permitindo que a ajuda federal complementasse as operações estaduais e locais de resgate e recuperação.

As inundações no Kentucky são a mais recente de uma série de fenômenos meteorológicos extremos que cientistas associam às mudanças climáticas.

Os termômetros ultrapassaram os 40ºC pela primeira vez na capital britânica, temperatura que o diretor do instituto de meteorologia do país disse que seria impossível na região em tempos normais.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Califórnia registra maior incêndio do ano, e 2.000 moradores deixam casas

Chamas estão fora de controle no parque nacional de Klamath, no norte do estado dos EUA. Governador declarou estado de emergência no fim de semana.

Por France Presse

O maior incêndio registrado desde o início do ano na Califórnia obriga milhares de pessoas a abandonar suas residências, depois de destruir casas e devastar o terreno seco do estado, afetado no domingo por ventos fortes e tempestades elétricas.

Este é o maior incêndio na Califórnia em 2022, e mais de 2.000 moradores receberam ordem para abandonar suas casas, de acordo com o Serviço de Emergência da Califórnia (OES), principalmente no condado de Siskiyou.

O incêndio, batizado por autoridades do estado de McKinney, permanece fora de controle nesta segunda-feira (1º) na parque nacional de Klamath, norte da Califórnia, informou o Departamento Florestal e de Proteção contra Incêndios, depois de atingir mais de 51.000 acres perto da cidade de Yreka.

O governador do estado, Gavin Newsom, declarou estado de emergência no sábado e advertiu que o as chamas “destruíram casas e ameaçavam infraestruturas críticas”.

O fogo se “intensificou e se propagou por causa de combustíveis secos, condições de seca extrema, temperaturas elevadas, ventos e tempestades elétricas”, afirmou Newsom em um comunicado.

Quase 650 pessoas trabalham para tentar controlar o incêndio, segundo o Grupo Nacional de Coordenação de Incêndios Florestais.

Nos últimos dias, a Califórnia e outras áreas da região oeste dos Estados Unidos foram afetadas por grandes incêndios de rápida propagação.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Primeiro navio com grãos deixa porto de Odessa desde a invasão russa

Acordo conseguiu destravar o escoamento dos produtos ucranianos pelo Mar Negro.

Por Reuters

Um navio que transportava grãos ucranianos deixou o porto de Odesa na segunda-feira (01), o primeiro a fazê-lo como parte de um acordo para desbloquear os portos ucranianos do Mar Negro, disse o ministro da Infraestrutura, Oleksandr Kubrakov.

“O primeiro navio de grãos desde a agressão russa deixou o porto. Graças ao apoio de todos os nossos países parceiros e da ONU, conseguimos implementar totalmente o acordo assinado em Istambul”, escreveu ele no Twitter.

Ucrânia, Rússia, Turquia e as Nações Unidas chegaram a um acordo para garantir a exportação segura de grãos dos portos ucranianos do Mar Negro, que foram bloqueados depois que a Rússia invadiu o país em 24 de fevereiro.

“Desbloquear os portos fornecerá pelo menos US$ 1 bilhão em receita cambial para a economia e uma oportunidade para o setor agrícola planejar a temporada de semeadura do próximo ano”, disse Kubrakov em comunicado separado do ministério.

Exportação do milho brasileiro cresce sem a concorrência da Ucrânia

O ministro disse ainda que outros 16 navios aguardam para partir. “Hoje a Ucrânia, junto com seus parceiros, dá mais um passo para evitar a fome no mundo”, disse ele.

Colheita ameaçada

No sábado (30), o presidente Volodymyr Zelensky disse que mesmo com os esforços para a exportação, a safra deste ano na Ucrania poderia cair pela metade.

‘A colheita ucraniana este ano está sob a ameaça de ser duas vezes menor. Nosso principal objetivo — evitar a crise alimentar global causada pela invasão russa. Os grãos ainda encontram uma maneira de serem entregues alternativamente’, escreveu ele em sua conta de Twitter.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Homem é executado nos EUA apesar da oposição da família da vítima

Filhas de Faith Hall, assassinada pelo condenado, disseram não querer a pena de morte. ‘Nós não somos Deus’, disse uma delas. Justiça rejeitou pedido.

Por France Presse

Um homem condenado pelo assassinato de sua ex-namorada foi executado na quinta-feira (28) no estado americano do Alabama, apesar de a família da vítima se opor à pena de morte.

Joe Nathan James, 49 anos, foi condenado à morte em 1996 pelo assassinato de Faith Hall, 29, em 1994.

De acordo com a Procuradoria-Geral do Alabama, às 21h27 (22h27 no horário de Brasília), James morreu por injeção letal.

James pediu à Suprema Corte dos Estados Unidos que suspendesse sua execução “de acordo com os desejos dos parentes sobreviventes da vítima”.

“As vítimas e suas famílias são as mais importantes em nosso sistema judicial e merecem ser ouvidas sobre a punição de seus perpetradores”, disse o advogado de James em um apelo ao tribunal superior.

As filhas de Hall, que tinham 6 e 3 anos quando sua mãe foi morta, disseram que queriam que a vida de James fosse poupada.

“Eu não quero continuar com isso. Nós não somos Deus”, Terryln Hall, 42, disse à CBS. “Olho por olho nunca foi uma boa premissa para a vida”, acrescentou sua irmã Toni.

James foi condenado por atirar em Faith Hall até a morte depois que ela terminou um curto relacionamento com ele.

Em nota, o procurador-geral do Alabama, Steve Marshall, disse que “a justiça foi feita”.

“Joe James foi condenado à morte pelo ato hediondo que cometeu há três décadas: o assassinato a sangue frio de uma jovem mãe inocente”, disse ele. James se tornou a oitava pessoa executada nos Estados Unidos até agora em 2022.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Incêndio em albergue de Moscou deixa 8 mortos

Turistas que estavam no prédio, no sudeste da capital russa, não conseguiram fugir por conta de grades instaladas em janelas. Alarme falhou, e autoridades apontaram falha de segurança no local.

Por g1

Um incêndio em um albergue de Moscou deixou ao menos oito pessoas mortas nesta sexta-feira (29), informaram autoridades locais.

O fogo afetou o térreo do edifício, que tem 15 andares, no fim da madrugada. Duzentas pessoas que estavam no albergue conseguiram deixar o local às pressas, que fica no sudeste da capital russa.

O caso foi agravado porque o alarme de incêndio do albergue não funcionou, e alguns turistas não conseguiram escapar por conta de grades instaladas nas janelas, segundo o chefe interino dos serviços de socorro de Moscou, Andrei Roumiantsev. Em 2019 e em junho deste ano, os controles administrativos de Moscou indicaram violações das regras de segurança do local, indicou o comitê de investigação.

A polícia ainda não sabe o que causou o incêndio.

“De acordo com informações preliminares, oito pessoas morreram e quatro foram hospitalizadas”, disse em nota a Comissão de Investigação, responsável pelos principais assuntos criminais.

O fogo foi rapidamente controlado, mas “as grades nas janelas impediram que as pessoas escapassem”,

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Ao menos 8 pessoas morreram após inundações em Kentucky, nos Estados Unidos

Serviço Nacional de Meteorologia prevê alta probabilidade de chuva nas próximas horas, principalmente nas regiões já gravemente afetadas.

Por g1

Inundações repentinas deixaram pelo menos 8 mortos no leste de Kentucky, nos Estados Unidos, informou Andy Beshear, governador do estado, nesta quinta-feira (28). As enchentes foram causadas por chuvas torrenciais e deixaram moradores ilhados em telhados e árvores.

“Esta será a pior enchente da memória recente, devastadora e mortal”, disse o governador à emissora WLEX. “Vamos acabar com um número de mortos de dois dígitos. No momento, acho que podemos confirmar pelo menos oito, mas o número está aumentando, ao que parece, a cada hora.”

Em coletiva à imprensa, Beshear afirmou que as inundações deixaram 23 mil famílias sem energia e que várias pessoas estão desaparecidas. A Guarda Nacional e a polícia do estado foram acionadas para resgatar os habitantes da região.

De acordo com as autoridades, algumas cidades do Kentucky registraram 20 centímetros de chuva em apenas 24 horas. O rio North Fork Kentucky, geralmente com 30 ou 60 centímetros de profundidade, está agora com quase 6 metros, bem acima do recorde anterior de 4,5 metros.

O Serviço Nacional de Meteorologia prevê alta probabilidade de chuva nas próximas horas, principalmente nas regiões já gravemente afetadas.

“Em uma palavra, este evento é devastador, e acredito que acabará sendo uma das inundações mortais mais significativas que tivemos em Kentucky em muito tempo”, disse Beshear. “Isso não é apenas um desastre. É um desastre natural contínuo. Estamos no meio disso, e em alguns lugares vai continuar até esta noite.”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Detentas denunciam estupro após guarda permitir acesso de presos a ala feminina em prisão nos EUA

De acordo com denúncias feitas por 28 presas, objetos pessoais das mulheres foram confiscados nos dias posteriores aos crimes.

Por g1

Várias detentas de uma prisão de Indiana, nos Estados Unidos, dizem ter sido agredidas sexual e fisicamente por horas em outubro do ano passado. Segundo a denúncia apresentada por elas à Justiça Federal, os presos da ala masculina pagaram US$ 1.000 a um agente penitenciário por chaves para acessar as unidades habitacionais das mulheres.

Ainda em outubro, oito presas abriram um processo no qual detalharam alegações de estupro, agressão e intimidação na prisão do condado de Clark, na cidade de Jeffersonville. Outro processo foi aberto na segunda-feira, cerca de um mês depois que 20 mulheres entraram na Justiça com uma ação separada com acusações semelhantes.

De acordo com os documentos do tribunal, os homens cobriram seus rostos e as violentaram durante horas. Ao menos duas delas foram estupradas. “Curiosamente, apesar da presença de câmeras de vigilância […], nenhum dos agentes de segurança apareceu para ajudar naquela noite”, afirmam as denunciantes.

Um guarda, que chegou logo depois que os agressores saíram, manteve as prisioneiras com as luzes acesas por 72 horas. Nos dias posteriores, objetos pessoais das detentas foram confiscados.

As mulheres exigem na Justiça uma indenização pela “violação de seus direitos civis” e processos contra o guarda David Lowe e o xerife do condado, Jamey Noel, que, segundo elas, falhou com seu dever de protegê-las.

Lowe foi demitido e acusado pelo departamento de Justiça de Indiana por negligência no cumprimento do dever e por fazer acordo com um detento.

“As falhas sistêmicas permitiram que vários assediadores do sexo masculino andassem livremente pela prisão por várias horas, resultando em uma noite de terror para as acusadoras e outras vítimas”, afirma o processo mais recente.

Stephen Wagner, advogado do primeiro processo, afirmou que as mulheres não denunciaram imediatamente o ataque por causa das ameaças feitas pelos prisioneiros do sexo masculino.

“Elas estavam com medo de que os presos cumprissem suas ameaças e voltassem naquela noite”, afirmou ele. “As mulheres não se sentiram nada confortáveis ​​ou seguras em relatar o que aconteceu nos dias que se seguiram a este incidente.”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.