Duas cartas-bombas explodem na Holanda

Por Reuters

Imagem de edifício de escritórios para onde uma carta-bomba foi enviada, em Amsterdam, em 12 de fevereiro de 2020 — Foto: Lorenzo Derksen/Inter Visual Studio/Reuters

Imagem de edifício de escritórios para onde uma carta-bomba foi enviada, em Amsterdam, em 12 de fevereiro de 2020 — Foto: Lorenzo Derksen/Inter Visual Studio/Reuters

Duas cartas-bombas explodiram na Holanda nesta quarta-feira (12) pela manhã: uma em um setor do banco ABN Amro em Amsterdã, e a outra, em um cômodo para correspondência de uma empresa de eletrônicos japonesa, a Ricoh.

A polícia disse que ninguém ficou ferido. Ela investiga se as explosões estão ligadas a uma série de cartas-bombas interceptadas no país desde janeiro.

Um funcionário no banco ouviu um som semelhante a um apito que vinha de um pacote. Ele jogou a carta fora e houve uma pequena explosão, segundo a polícia.

O empregado não ficou ferido, de acordo com o chefe executivo do ABN, Kees Van Dijkhuizen.

A segunda explosão aconteceu na cidade de Kerkrade, no escritório da Ricoh, a empresa de eletrônicos.

Em um comunicado, a companhia afirmou que não há feridos.

A polícia holandesa tem investigado uma série de cartas-bombas desde o dia 3 de janeiro. Aparentemente, elas forma enviadas pela mesma pessoa e todas foram interceptadas antes da explosão.

Um hotel, um posto de gasolina, uma garagem, uma imobiliária e uma empresa de cobrança já foram alvos.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Músico de black metal é preso após queimar três igrejas nos EUA


Por BBC

Matthews se declarou culpado das acusações federais e estaduais contra ele — Foto: Divulgação via BBC

Matthews se declarou culpado das acusações federais e estaduais contra ele — Foto: Divulgação via BBC

Um homem de 22 anos se declarou culpado por incendiar intencionalmente três igrejas afro-americanas no Estado americano de Louisiana.

Holden Matthews, de 22 anos, admitiu ter colocado fogo nos templos para “melhorar seu perfil” como músico de “black metal”, segundo a promotoria.

Em um período de dez dias, ele queimou três igrejas batistas na região de Opelousas, começando os ataques no final de março de 2019.

Ele pode ser condenado a uma pena de 10 a 70 anos de prisão no julgamento marcado para o dia 22 de maio.

As três igrejas que Matthews admitiu incendiar tinham predominantemente congregações afro-americanas.

Os promotores federais não especificaram se havia uma motivação racial para os crimes de Matthews, mas crimes de ódio estavam entre as acusações pelas quais ele se declarou culpado.

Matthews, que é filho de um xerife da região, incendiou essas igrejas “pelo caráter religioso desses prédios”, disseram os investigadores.

“Sua conduta vergonhosa violou os direitos civis dos paroquianos da igreja e prejudicou as comunidades”, disse o assistente do procurador-geral Eric Dreiband.

O que Holden Matthews admitiu?

Na segunda-feira (10), Matthews se declarou culpado de quatro acusações criminais federais, incluindo três de danos intencionais a propriedade religiosa. Ele também se declarou culpado de seis acusações em nível estadual.

As três igrejas batistas que ele atacou foram a de Saint Mary Baptist em Port Barre (no dia 26 de março), a Greater Union Baptist, em Opelousas (no dia 2 de abril), e a Mount Pleasant, também em Opelousas (no dia 4 de abril).

As igrejas foram destruídas, mas ninguém ficou ferido, já que os ataques ocorreram durante a noite.

Na audiência da segunda-feira, Matthews disse que atacou os templos para “tentar imitar” as queimas de igrejas realizadas por fãs de black metal na Noruega na década de 1990.

Nos anos 90, pelo menos 50 igrejas cristãs na Noruega foram atacadas por incendiários em nome do black metal, um subgênero da música heavy metal. Varg Vikernes estava entre os mais famosos músicos de black metal a serem condenados pelos incêndios criminosos contra igrejas nesse período.

Membro de uma banda de black metal, Matthews disse aos promotores que acreditava que os atos “elevariam seu status”.

Ele admitiu ter postado fotos e vídeos das igrejas incendiadas no Facebook “em um esforço para se promover na comunidade de black metal”.

A prisão dele ocorreu mais de duas semanas após o primeiro incêndio.

O site de notícias Daily Beast relatou que Matthews comentou em postagens de redes sociais sobre Vikernes, um conhecido neonazista preso em 1994.

A música black metal geralmente contém referências ao satanismo e crenças pagãs. Alguns extremistas dentro do gênero, como Vikernes, também são defensores do nacionalismo branco.

Durante a busca por um suspeito, o governador de Louisiana, John Bel Edwards, disse que os ataques eram um lembrete “de um passado muito sombrio de intimidação e medo”.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Promotores que acusaram aliado de Trump deixam caso após impasse com governo dos EUA

Por G1

Os quatro promotores que atuaram no processo que condenou Roger Stone deixaram o caso nesta terça-feira (11). Eles alegam que altos funcionários do governo dos Estados Unidos pretendem diminuir a pena imposta a Stone — aliado político e amigo de longa data do presidente Donald Trump.

Stone foi considerado culpado em todas as sete acusações a que respondia em um tribunal federal, em novembro. Ele foi o sexto conselheiro de Trump condenado após o processo sobre o conluio com a Rússia liderado pelo promotor Robert Mueller, caso encerrado ainda em 2019 (leia mais no fim da reportagem).

Os promotores haviam recomendado uma pena entre sete e nove anos, o que o próprio presidente Trump rejeitou. Na segunda-feira, o republicano disse que a sentença recomendada era “horrível e injusta”.

“Os crimes de verdade ocorreram do outro lado, e nada aconteceu com eles. Não posso permitir essa falha na Justiça!”, tuitou Trump.

Amigo de Trump

Roger Stone foi acusado por mentir e coagir testemunhas em um processo sobre suposta influência da Rússia nas eleições de 2016. O secretário de Justiça, William Barr, decidiu ao fim não acusar o presidente de conluio nem de obstrução nas investigações

Veterano da política, Stone trabalha com os republicanos desde os anos 1970 e, segundo a emissora britânica BBC, tem uma tatuagem do ex-presidente Richard Nixon nas costas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Derrubada de helicóptero na Síria reacende tensão com Turquia


Por France Presse

Milícias rebeldes do norte da Síria abateram um helicóptero militar do regime de Bashar al-Assad nesta terça-feira (11). O governo sírio acusa o grupo armado de ter apoio da Turquia e respondeu à ofensiva com bombardeios na região de Idlib. No ataque, soldados turcos morreram, em um episódio que aumentou a tensão entre os dois países.

Helicóptero abatido em Idlib, na Síria, nesta terça-feira (11) — Foto: Ghaith Alsayed/AP Photo

Helicóptero abatido em Idlib, na Síria, nesta terça-feira (11) — Foto: Ghaith Alsayed/AP Photo

O governo de Assad tenta retomar o controle do norte da Síria, enquanto a Turquia tem apoiado a presença dos grupos rebeldes e inclusive mantém soldados na região. Recentemente, as forças pró-Assad reconquistaram o último trecho da rodovia que liga a capital, Damasco, à cidade de Aleppo — uma das mais importantes do país.

Para aumentar a tensão, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que o regime sírio “pagaria muito caro” por qualquer ataque contra as forças turcas.

Como foi a ofensiva?

Helicóptero militar sírio pega fogo após ser atingido por míssil em Idlib, na Síria, nesta terça-feira (11) — Foto: Ghaith Alsayed/AP Photo

Helicóptero militar sírio pega fogo após ser atingido por míssil em Idlib, na Síria, nesta terça-feira (11) — Foto: Ghaith Alsayed/AP Photo

Pela manhã, forças apoiadas pela Turquia abateram com um foguete um helicóptero do Exército da Síria perto de Qaminas, cidade a sudeste de Idlib, afirma o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH). Os dois pilotos morreram. O governo da Turquia chamou o caso de “acidente aéreo”, sem reivindicar qualquer responsabilidade.

A agência de imprensa oficial síria, Sana, disse que “o avião foi atingido por um míssil hostil na região de Al Nayrab, no sul de Idlib, o que levou à queda da aeronave e à morte de sua tripulação”. Depois disso, forças do regime bombardearam áreas perto de um posto de observação turco na mesma cidade.

Pelo menos três pessoas morreram nesses ataques, informou o Observatório, que no entanto não sabia especificar se eram soldados turcos ou combatentes rebeldes aliados.

Com o conflito, quase 700 mil pessoas fugiram da ofensiva militar lançada em dezembro pelo regime Assad e pelo governo da Rússia na na região de Idlib. Esta é a onda mais significativa de pessoas deslocadas em nove anos de guerra, informou a ONU na terça-feira.

Aumento das tensões

A Turquia, que tem 12 postos de observação no noroeste da Síria, enviou reforços para a área nos últimos dias. Já o Exército sírio reafirmou na terça-feira sua determinação em “responder às agressões do Exército turco”.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, manifestou nesta terça-feira seu apoio à Turquia e disse, em um tuíte, que “as agressões em andamento do regime de Assad e da Rússia devem terminar”. Além disso, ele anunciou que o enviado especial dos EUA para a Síria, James Jeffrey, visitaria a Turquia “para coordenar as medidas de resposta”.

O governo da ainda está em contato com Moscou, o principal aliado do regime de Bashar al-Assad, com quem fechou um acordo para estabelecer uma “zona desmilitarizada” sob o controle da Rússia e da Turquia em Idlib, que, na prática, não deu em nada.

Operação humanitária

Metade da província de Idlib e setores vizinhos nas regiões de Aleppo, Hama e Latakia, controlados pelos jihadistas de Hayat Tahrir al-Cham (HTS, ex-Al Qaeda síria), constituem a última fortaleza rebelde que escapa ao poder do regime de Assad na Síria.

Diante do êxodo de civis, o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários anunciou uma “enorme operação humanitária” com a remessa, em fevereiro, de mais de 230 caminhões com comida através de dois pontos de passagem na fronteira turca, para servir 400 mil pessoas.

A maioria dos civis fugiu para o norte de Idlib, perto da fronteira com a Turquia, que Ancara fechou com medo de uma nova onda de migrantes.

Mais de 3,5 milhões de sírios encontraram refúgio na Turquia desde 2011, quando começou o conflito sírio, que já deixou mais de 380 mil mortos.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Atentado no Afeganistão deixa mortos e feridos

Por G1

Seis pessoas morreram e outras 12 ficaram feridas em um ataque suicida nesta terça-feira (11) ocorrido em uma área militar nos arredores de Cabul, no Afeganistão. O número de mortos pode aumentar, pois há feridos graves.

“Como resultado do ataque, seis pessoas, incluindo quatro integrantes das forças de segurança e dois civis, morreram, e 12 ficaram feridas, incluindo cinco civis”, disse a porta-voz do Ministério do Interior, Marwa Amini.

O ataque ocorreu na área de Charah-e-Qambar, perto da Academia Militar Marhall Fahim.

Até o momento, nenhum grupo assumiu a autoria do atentado.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Uso de militares para pressionar Congresso de El Salvador é ‘tentativa de golpe de Estado’, diz presidente do Legislativo


Por France Presse

A ida de militares acompanhados do presidente de El SalvadorNayib Bukele, ao Congresso não repercutiu bem entre os congressistas, de maioria oposicionista. O presidente do Legislativo, Mario Ponce, chamou nesta segunda-feira (10) de “tentativa de golpe de Estado” a pressão exercida pelo governo para a aprovação de um crédito para as forças de segurança salvadorenhas.

“Nós nos reunimos [os líderes das bancadas legislativas] para agir em relação à tentativa de golpe de Estado contra o órgão legislativo”, disse Ponce à imprensa.

No domingo, soldados do Exército e policiais entraram na sede do Congresso usando coletes à prova de balas e carregando fuzis. Em seguida, cercaram o plenário, onde atuam os 84 deputados. Fora da sede do Legislativo, também havia uma forte presença militar.

O presidente Nayib Bukele entrou no local, protegido por uma grande comitiva de segurança de sua equipe presidencial, e permaneceu ali por alguns minutos para discursar e depois se retirou do local.

“Como presidente do Órgão Legislativo, e em nome dos 84 deputados, estamos protestando vigorosamente contra esta atitude (…), não é possível que 28 anos após os acordos de paz tenhamos nossas Forças Armadas invadindo o órgão legislativo”, destacou Ponce.

Impasse em El Salvador

A situação foi gerada pela recusa dos legisladores em aprovar um empréstimo de US$ 109 milhões que o executivo exige para a compra de equipamentos para o Exército e Polícia, que seriam usados em um plano para combater gangues violentas.

O gesto do presidente foi criticado também pelo Supremo Tribunal de Justiça de El Salvador, que lembrou que o presidente não pode usar as Forças Armadas além do estabelecido na Constituição.

Além disso, o Supremo salvadorenho deixou sem efeito “a convocação da sessão extraordinária da Assembleia Legislativa”, que ocorreu no domingo, feita pelo conselho de ministros.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

EUA dizem que mais de 100 militares sofreram lesões cerebrais após ataque do Irã

Por G1

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos confirmou nesta segunda-feira (10) que 109 militares norte-americanos foram diagnosticados com lesões cerebrais leves após um ataque do Irã com mísseis a uma base dos EUA no Iraque no mês passado, informou a agência Reuters.

Por meio de comunicado, o Pentágono afirmou que 76 desses militares feridos já retornaram às atividades.

Em 24 de janeiro, o governo dos EUA havia informado que 34 soldados tiveram lesão cerebral depois do ataque do Irã. O presidente Donald Trump disse que os ferimentos “não são muito graves”.

“Eu ouvi que eles tiveram dores de cabeça e algumas outras coisas… e eu posso dizer que não é muito grave”, declarou Trump, em janeiro.

Bases iraquianas sofrem ataques — Foto: Cido Gonçalves/G1

Bases iraquianas sofrem ataques — Foto: Cido Gonçalves/G1

Ataque iraniano

O ataque do Irã foi uma retaliação à ofensiva norte-americana que matou o general iraniano Qassem Soleimani, em 2 de janeiro. O militar morreu em um ataque aéreo em Bagdá, no Iraque, depois de uma série de ofensivas entre Irã e EUA:

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Avião com 100 pessoas a bordo aterriza com trem de pouso quebrado na Rússia


Por France Presse

Um avião da companhia russa Utair, com 100 pessoas a bordo, fez um pouso no domingo (9) com o trem de pouso quebrado na pista de um aeroporto no norte da Rússia. Segundo as autoridades, ninguém ficou ferido.

“Um Boeing da Utair fez um pouso brutal”, disse um comunicado divulgado no site da República de Komis, região do Grande Norte da Rússia onde o avião, que vinha de Moscou, pousou.

Avião pousou com problema no trem de pouso — Foto: Ruptly

As imagens mostram o Boeing 737 na beira da pista coberta de neve do aeroporto da cidade de Usinsk.

Segundo as autoridades, nenhum dos 94 passageiros e seis tripulantes ficaram feridos, e apenas uma pessoa solicitou assistência médica.

De acordo com a Utair, o avião sofreu “uma variação violenta e inesperada do vento” quando ocorreu o pouso, que “quebrou” o trem de pouso.

Avião aterrizou na Rússia com problema no trem de pouso — Foto: G1

Avião aterrizou na Rússia com problema no trem de pouso — Foto: G1

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Irã fracassa em pôr satélite em órbita

Por France Presse

O Irã lançou um satélite ao espaço “com sucesso” neste domingo (9), mas não conseguiu colocá-lo em órbita. A falha representa um revés para programa espacial do país, acusado pelos Estados Unidos de encobrir o desenvolvimento de mísseis.

Segundo o Irã, a “missão principal” do satélite era coletar imagens para estudar e prevenir terremotos e desastres naturais, além de desenvolver a agricultura.

“O Simorgh (foguete) lançou com sucesso o satélite Zafar ao espaço, mas o lançador não atingiu velocidade suficiente para colocar o satélite na órbita desejada”, disse Ahmad Hoseini, porta-voz do Ministério da Defesa, segundo uma fonte de televisão.

O ministro iraniano de telecomunicações, Mohamad Javad Azari Jahromi, admitiu no Twitter que o lançamento “falhou”.

“Mas somos imparáveis! Temos outros grandes satélites iranianos por vir!”, acrescentou.

MJ Azari Jahromi@azarijahromi

🛰

Today “Zafar” satellite launch failed. Like many scientific projects, Failure happened. FALCON 9, Juno II, ATLAS, PROTON M, ANTARES are just few samples of US launch failures.
But We’re UNSTOPPABLE! We have more Upcoming Great Iranian Satellites! 1,5492:19 PM – Feb 9, 2020Twitter Ads info and privacy1,340 people are talking about this

O satélite foi lançado às 19h15 (horário local, 12h45 horário de Brasília) e cumpria os planejados “90% de sua trajetória”, a 540 km de altura, disse Hoseini.

“Com a ajuda de Deus e as melhorias que faremos nos próximos lançamentos, essa parte da missão também se desenvolverá bem”, disse.

“Atingimos a maioria dos objetivos que tínhamos e adquirimos dados e, em um futuro próximo, analisando esses dados, prosseguiremos para as próximas etapas”, afirmou Hoseini.

‘Provocação’

O lançamento, que os Estados Unidos chamaram de “provocação”, ocorreu em um contexto de tensões entre Teerã e Washington, depois que os Estados Unidos se retiraram unilateralmente de um acordo sobre o programa nuclear iraniano em maio de 2018, e restabeleceram uma série de sanções contra a República Islâmica.

Os Estados Unidos acusam o Irã de violar a resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU, que determina que “não se realize nenhuma atividade ligada a mísseis balísticos projetados para transportar cargas nucleares, o que inclui disparos de projéteis que utilizam a tecnologia desses mísseis”.

O programa de satélites da República Islâmica preocupa os ocidentais, mas o chefe da agência espacial nacional, Morteza Berari, afirmou que o Irã defende o “uso pacífico do espaço”.

“Todas as nossas atividades no campo espacial são transparentes”, afirmou.

O satélite

O satélite lançado pesava 113 quilos e deveria ser capaz de fazer 15 voltas completas por dia em torno da Terra. Ele deveria ser colocado em órbita a 530 km da Terra pelo lançador Simorgh, que não conseguiu atingir a velocidade necessária para fazê-lo.

Sua “missão principal” era “coletar imagens”, em particular para estudar e prevenir terremotos, “prevenir desastres naturais” e desenvolver a agricultura.

O chefe da agência espacial iraniana também indicou que sua organização planeja a construção de “cinco outros satélites antes do final do ano [iraniano] de 1399”, ou seja, março de 2021.

Novo míssil balístico

Neste domingo, a Guarda Revolucionária, o exército ideológico do regime, também lançou um míssil balístico de curto alcance que, segundo ela, poderia ser impulsionado por um reator de “nova geração” projetado para colocar satélites em órbita.

“As conquistas reveladas hoje são a nossa chave para entrar no espaço”, disse o general Hossein Salami, chefe da Guarda, citando o míssil e o novo reator, equipado com um “bico móvel” que permitiria “manobrabilidade além da atmosfera”.

Em janeiro de 2019, Teerã fracassou em colocar em órbita seu satélite Payam, que as autoridades disseram ter como objetivo coletar dados ambientais.

Neste domingo, respondendo a um tuíte perguntando o que o Irã faria se o lançamento de Zafar falhar, o ministro Jahromi disse: “Vamos tentar novamente”.

O lançamento de Zafar acontece dois dias antes do 41º aniversário da Revolução Islâmica e quase duas semanas antes das eleições legislativas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Tempestade com ventos de 140 km/h atinge a Europa

DW Por Deutsche Welle

Ondas batem contra murada em Newhaven, East Sussex, Inglaterra; tempestade com ventos de até 150 km/h atinge o país	 — Foto: Matt Dunham/AP

Ondas batem contra murada em Newhaven, East Sussex, Inglaterra; tempestade com ventos de até 150 km/h atinge o país — Foto: Matt Dunham/AP

O norte da Europa está sendo atingido por uma forte tempestade neste domingo (09), com ventos com intensidade de furacão e chuvas pesadas. Denominada Ciara no Reino Unido e Sabine na Alemanha, ela se move em direção ao sul do continente e já fez suas primeiras vítimas – felizmente apenas serviços de viagem e eventos públicos, como um jogo da Bundesliga.

Alemanha

Em amplas áreas da Alemanha foi acionado o segundo nível mais alto de alerta de tempestade. Em partes da Floresta Negra vigora o alerta máximo, grau 4. Ao longo da noite está previsto que a intempérie se deslocará em direção ao sul. Foram registrados ventos de até 140 km/h no centro do país. Há quedas de árvores e impedimentos de trânsito.

O aeroporto de Frankfurt, o maior da Alemanha, cancelou cerca de 150 partidas e chegadas, ou 13% de um total de cerca de 1.200 voos. O de Munique cancelou 80 voos, e o de Colônia-Bonn anunciará cancelamentos para a tarde. Os aeroportos de Hamburgo, Berlim, Dusseldorf, Hannover e Bremen também preveem que suas operações serão afetadas.

A partir do meio-dia, a companhia ferroviária nacional Deutsche Bahn (DB) cancelou os trens de longa distância para áreas fortemente afetadas, como as regiões litorâneas, incluindo as cidades de Emden e Norddeich, no noroeste; Kiel, no norte; e a Ilha de Sylt, no Mar do Norte. No início da tarde, os serviços ferroviários regionais da Baixa Saxônia ficaram prejudicados.

Equipes móveis equipadas de serras elétricas estiveram de prontidão para manter livres os trilhos e fiações elétricas. Segundo informe da DB, os clientes que preferirem cancelar suas passagens terão reembolso integral.

Na cidade de Colônia, no Oeste alemão, uma partida da Bundesliga com ingressos esgotados, entre o Borussia Mönchengladbach e o Colônia, foi cancelada. A Copa do Mundo de Salto de Esqui em Willingen, no estado de Hessen, já fora suspensa no sábado.

Reino Unido

A tormenta é a mais forte a atingir o Reino Unido desde 2013, com ventos de até 150 km/h no País de Gales. O departamento meteorológico britânico previu inundações de prédios e estradas, destroços levados pelo vento e ondas fortes nas regiões costeiras. Até o meio da tarde, o órgão já emitira mais de 170 advertências e alertas de inundação. Na Escócia, três pessoas ficaram feridas quando o teto de um pub desmoronou.

Dezenas de voos foram cancelados, com a British Airways oferecendo aos passageiros a possibilidade de transferir suas viagens. As companhias ferroviárias operam com frequência reduzida, e a empresa nacional apelou para que se evitem viagens de trem, por enquanto. Vários serviços de barcas foram interrompidos devido às ondas fortes, inclusive as conexões Dover-Calais.

Foram suspensas dezenas de eventos esportivos, de partidas de futebol e rúgbi a corridas de cavalos, e uma de dez quilômetros, que deveria reunir 25 mil participantes humanos em Londres. Para esta segunda-feira (10) está prevista neve no país.

Por outro lado, os fortes ventos propiciaram velocidades recorde a alguns voos de passageiros. Como o Boeing 747-436 que completou as 3.500 milhas da travessia transatlântica Nova York-Londres em apenas 4h56m, aterrissando 102 minutos antes do horário previsto, tendo alcançado velocidade máxima de 1.327 km/h.

Bélgica

Segundo as previsões, a Bélgica será atingida durante 24 horas, a partir das 10 horas da manhã (hora local), sendo esperados ventos de até 110 km/h. Cerca de 60 voos foram cancelados no aeroporto de Bruxelas, inclusive das companhias Lufthansa e Eurowings.

A liga de futebol belga adiou os jogos de campeonato deste domingo.

França

As autoridades da França alertaram contra inundações e danos causados pela intempérie, desaconselhando a frequentar bosques ou estacionar debaixo de árvores. Parques e cemitérios estão fechados. As regiões Norte e Noroeste serão as mais atingidas por ventos fortes, nas Montanhas Vosges estão previstos até 140 km/h.

Holanda

Holanda está sujeita a ventos de até 140 km/h. A associação nacional de futebol desmarcou todos os jogos de suas ligas profissionais neste domingo. A companhia aérea KLM cancelou dezenas de voos europeus de e para o Aeroporto Schiphol, de Amsterdã.

Irlanda

Segundo a emissora RTE, cerca de 10 mil lares da Irlanda ficaram sem eletricidade devido a inundações, que são esperadas sobretudo nas regiões litorâneas. Um evento em Galway, como Capital Europeia da Cultura 2020, já fora cancelado na noite de sábado.

Dinamarca

As autoridades da Dinamarca pediram à população que evite atravessar grandes pontes, inclusive a do Grande Belt, que liga o Leste e o Oeste. O diário Jyllands Posten noticiou que ondas arrastaram uma mulher e uma criança de um pier para o Mar do Norte, mas ambas foram salvas. Houve diversos acidentes de trânsito, contudo a maioria do país aparentemente foi poupada pela pior parte de tempestade.

Noruega

O Instituto Meteorológico da Noruega emitiu alerta amarelo para o Norte e Leste, até as 22h00. Ventos fortes impediram uma barca de passageiros dinamarquesa de atracar em Oslo. Várias embarcações para a Suécia e a Dinamarca pararam de trafegar, e estradas foram fechadas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.