Imagens de líder norte-coreano a cavalo em monte sagrado multiplicam interpretações políticas


Por France Presse

Imagem sem data divulgada no dia 3 de dezembro mostra Kim Jong-un a cavalo em — Foto:  KCNA via Reuters

Imagem sem data divulgada no dia 3 de dezembro mostra Kim Jong-un a cavalo em — Foto: KCNA via Reuters

A mídia da Coreia do Norte difundiu nesta quarta-feira (3) fotografias de Kim Jong-un a cavalo nos campos nevados no Monte Paektu, lugar considerado sagrado, levantando especulações sobre o significado político dessas imagens.

Alguns especialistas afirmam que as visitas do dirigente a este lugar, berço do povo norte-coreano, precedem anúncios políticos importantes. Em outubro, Kim visitou essa montanha e foram publicadas várias fotografias suas a cavalo nesse vulcão inativo na fronteira com a China.

As fotografias dessa quarta-feira (3) coincidem com o bloqueio das negociações com os Estados Unidos sobre o tema nuclear. Pyongyang deu a Washington até o final do ano para que faça alguma concessão.

O dirigente norte-coreano, sobre um cavalo branco, foi fotografado à frente de um grupo de apoiadores, entre eles sua mulher, Ri Sol Ju.

A tradição diz que essa montanha teria sido local de nascimento do lendário rei Tangun, neto de Cielo e fundador do primeiro reino coreano.

Mito fundador

A propaganda norte-coreana assegura também que foi onde nasceu o pai de Kim Jong Un, Kim Jong Il, filho e sucessor do fundador do regime, Kim Il Sung, em um acampamento secreto que este último dirigia durante a ocupação japonesa.

Essa hipótese foi desmentida por historiadores, que consideram que Kim Jong Il nasceu no povoado de Vyatskoye, na Sibéria, em 1941.

Segundo a agência oficial KCNA, durante sua visita a leste do monte, Kim Jong Un deixou “uma pegada sagrada nos lugares onde se travaram batalhas revolucionárias”.

Couro simboliza resistência

Para os especialistas, essas fotografias querem reafirmar a liderança e a legitimidade de Kim, que costuma visitar o monte Paektu duas vezes por ano.

Em 2013 visitou o local antes da disputa que resultou na queda de seu poderoso tio Jang Song-thaek. Em dezembro de 2017 visitou o lugar pouco antes da histórica abertura da Coreia do Norte que resultou no encontro com Donald Trump em junho de 2018 em Singapura.

Há especialistas que interpretam como uma mensagem implícita a roupa de Kim. “O couro simboliza a resistência da Coreia do Norte”, apontou nesta quarta-feira o pesquisador Ahn Chan-il, referindo-se ao casado do dirigente nas fotografias.

O fato de estar no local onde seu avô resistiu frente ao Japão pode ser uma mensagem de que “seu descendente pode fazer o mesmo, mas desta vez frente aos Estados Unidos”, acrescentou.

Em 1 de janeiro, Kim pronunciará um esperado discurso de Ano Novo. Sem dúvida, mencionará as negociações sobre o tema nuclear, que estão paralisadas desde o fracasso da segunda cúpula de Trump em fevereiro em Hanói.

Programa nuclear e balístico

A Coreia do Norte é alvo de múltiplas sanções da comunidade internacional devido a seus programas nucleares e balístico. Nesta semana, Kim inaugurou uma nova cidade nos confins do país como demonstração de resiliência frente aos estragos financeiros provocadas pelas sanções.

Há alguns dias, a KCNA publicou declarações do ministro norte-coreano das Relações Exteriores, Ri Thae Song, em que assegurou que “o presente de Natal que os Estados Unidos receberão dependerá totalmente da decisão tomada”.

Na quarta-feira (3), a agência KCNA anunciou também que o comitê central do Partido dos Trabalhadores se reunirá nos próximos dias para “falar de temas cruciais vinculados à necessidade de desenvolvimento da revolução coreana e às mudanças ocorridas na Coreia e no exterior”.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Líderes na Otan são filmados aparentemente rindo de Trump

Por G1

Os governantes do Reino Unido, Canadá, França e Holanda foram flagrados pelas câmeras no Palácio de Buckingham aparentemente rindo do presidente americano, Donald Trump, por suaslongas aparições à imprensa na cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

As imagens, filmadas pelo anfitrião britânico na noite de terça-feira (3), foram divulgadas com legenda pela rede de televisão canadense CBC, segundo a France Presse. Os aliados permanecem reunidos nesta quarta-feira em Watford, nos arredores de Londres.

Nelas, pode-se escutar o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, perguntando ao presidente francês, Emmanuel Macron: “Foi por isso que chegou tarde?”.

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, intervém: “Chegou tarde porque sua coletiva de imprensa durou 40 minutos”.

No começo da terça-feira, a reunião bilateral entre Macron e Trump foi precedida por uma longa atenção à imprensa, quando os líderes demonstraram publicamente suas divergências sobre a estratégia da Otan e sobre comércio.

No vídeo, Macron parece contar uma piada sobre o encontro, diante dos olhares da princesa Anne e do primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, mas ofrancês vira de costas para a câmera e suas palavras não podem mais ser ouvidas.

“Oh, sim, sim, anunciou…”, reage Trudeau em um tom brincalhão, acrescentando: “Você acaba vendo sua equipe boquiaberta”.

Como na reunião da Otan do ano passado, Trump quebrou o protocolo da cúpula e usou suas aparições públicas com aliados para responder a dezenas de perguntas dos jornalistas.

dirigente americano classificou de “insultantes” as críticas de Macron sobre a morte cerebral da Otan, criticou novamente os países europeus por não gastarem os suficiente e a investigação pela qual ele poderá sofrer um impeachment.

Após o segundo dia de cúpula, que deverá terminar com uma declaração comum para reiterar a unidade dos aliados, Trump deve dar outra coletiva de imprensa, dessa vez sozinho, ainda de acordo com a France Presse.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Surfista de 7 anos tromba com tubarão em uma praia na Florida

Por G1

Menino que praticava surfe na Flórida, EUA, se apavora e foge ao ver tubarão

Menino que praticava surfe na Flórida, EUA, se apavora e foge ao ver tubarão

O garoto Chandler Moore, de 7 anos, surfava na Florida, nos Estados Unidos, durante o feriado de Ação de Graças, quando ele trombou com um tubarão.

O pai do garoto, Shaun Moore, também estava na água. O menino surfa desde os 4 anos de idade, e sua prancha tem uma câmera na ponta.

O garoto se firmava na prancha em uma onda quando foi atingido. Ele pensou inicialmente que era um peixe normal.

Eles só perceberam que o jovem surfista tinha trombado com um tubarão quando eles olharam o vídeo capturado pela câmera.

Mapa mostra localização da praia de New Smyrna — Foto:  G1

Mapa mostra localização da praia de New Smyrna — Foto: G1

O menino não foi mordido e não se machucou.

Foi possível identificar a espécie como um tubarão-galha-preta. Ela é comum na praia de New Smyrna, onde pai e filho surfavam.

Na Florida, há uma entidade que registra ataques de tubarão, a International Shark Attack File. Pelas estimativas dessa organização, quem já nadou nas águas de New Smyrna já esteve a 3 metros de distância de um tubarão.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

EUA ameaçam sobretaxar produtos da França por conta de imposto digital


Por France Presse

O governo dos Estados Unidos ameaçou nesta segunda-feira (2) aplicar tarifas de até 100% sobre US$ 2,4 bilhões movimentados por produtos franceses em retaliação a uma taxa sobre serviços digitais cobrada por Paris que Washington considera discriminatória para as empresas do país.

Vinhos espumantes e queijos estão na lista de produtos do país europeu que seriam afetados a partir de meados de janeiro, após um relatório do Representante de Comércio dos Estados Unidos (USTR), Robert Lighthizer, apontar que o imposto francês pune empresas americanas como Google, Apple, Facebook e Amazon.

O anúncio “envia um sinal claro de que os Estados Unidos agirão contra tarifas digitais que discriminam ou impõem encargos indevidos às empresas norte-americanas”, afirmou Lighthizer através de um comunicado. O USTR alertou que Washington está considerando ampliar sua análise a medidas similares aplicadas na Áustria, Itália e Turquia.

Washington lançou essa ameaça um dia antes do presidente Donald Trump se encontrar em Londres com seu colega francês, Emmanuel Macron, durante a reunião de cúpula da Otan.

taxa francesa de serviços digitais, conhecida como “Gafa” (Google, Apple, Facebook e Amazon), foi promulgada este ano e impõe um imposto de cerca de 3% sobre o faturamento de empresas de tecnologia na França, que geralmente vem de publicidade online e venda de dados para fins publicitários.

O imposto atinge empresas com mais de 25 milhões de euros de receita na França e com receita anual de pelo menos 750 milhões de euros (cerca de US$ 830 milhões) em suas atividades digitais globais,. A taxa francesa aplica-se à arrecadação e não aos lucros, que os gigantes da tecnologia costumam declarar em países com baixos impostos como a Irlanda, uma prática que irrita cada vez mais os governos da Europa.

A investigação aberta pelo USTR em julho “concluiu que a taxa de serviços digitais da França discrimina as empresas americanas, é incompatível com os princípios vigentes na política fiscal internacional e é incomumente onerosa para as empresas americanas afetadas”. Após a aprovação do imposto, Trump prometeu uma retaliação “significativa”.

O escritório de Lighthizer anunciou a abertura de consultas públicas nos Estados Unidos sobre a proposta de aplicar “tarifas de 100% sobre determinados produtos franceses” e a possibilidade de “impor taxas ou restrições aos serviços franceses”. A última data para decidir sobre essas medidas é 14 de janeiro, e o USTR espera agir rapidamente a partir de então.

A proposta de sanções deve ser endossada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e envolve o risco de aumentar o atrito com a União Europeia.

A lista de produtos franceses que pode ser taxados em 100% inclui produtos cosméticos, porcelana, sabão, bolsas, manteiga e muitos tipos de queijos, incluindo Roquefort, Edam e Gruyere.

O ministro francês da Economia, Bruno Le Maire, considerou “inaceitáveis” as ameaças de represálias dos Estados Unidos e espera que União Europeia responda “com força”. “O projeto, que pode ser aplicado em 30 dias, de novas sanções contra a França é inaceitável”, afirmou Le Maire a uma emissora de rádio.

“Não é o comportamento que esperamos dos Estados Unidos em relação a um de seus principais aliados, a França, e de maneira geral a Europa”, apontou. “Em caso de novas sanções norte-americanas, a União Europeia estará pronta para retaliar”. Mais tarde ele disse em uma coletiva de imprensa: “Não estamos mirando nenhum país”.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Duas pessoas são resgatadas depois de passar 12 dias perdidas no deserto da Austrália

Por G1

Tamra e sua cachorra, Raya, foram encontradas no domingo (1º). — Foto: Polícia do Território do Norte

Tamra e sua cachorra, Raya, foram encontradas no domingo (1º). — Foto: Polícia do Território do Norte

Uma mulher que ficou perdida no deserto australiano foi resgatada com vida, junto com sua cachorra, neste domingo (1º). Tamra McBeath-Riley, de 52 anos, saiu com dois amigos de Alice Springs, no Território do Norte, no dia 19 de novembro.

Um de seus amigos, Phu Tran, de 40 , foi localizado na terça-feira (3).

Os três pretendiam passar a tarde fora, mas, durante o percurso, o carro em que estavam atolou. Uma pessoa, Claire Hockridge, de 46 anos, continua desaparecida.

Polícia resgata segunda pessoa perdida em deserto na Austrália

Polícia resgata segunda pessoa perdida em deserto na Austrália

Segundo Tamra, os três acharam uma fonte de água.

Na última quinta (28), Claire e Phu começaram uma caminhada noturna de 20 km em direção a uma estrada, tentando evitar o calor do deserto – que chegou perto dos 40ºC nos últimos dias.

Tamra McBeath-Riley saiu de Alice Springs no dia 19 de novembro — Foto: G1

Tamra McBeath-Riley saiu de Alice Springs no dia 19 de novembro — Foto: G1

Tamra decidiu ficar perto da fonte de água com sua cachorra, Raya, que ela acreditava não ser capaz de andar até a estrada.

Os três não sabiam que havia gente procurando por eles, relatou à agência de notícias Associated Press.

“Quando o helicóptero me encontrou, eu achei que Claire e Phu tinham alcançado a estrada. Foi meu pensamento imediato. Descobrir que não foi esse o caso foi preocupante”, disse Tamra.

Os três tinham apenas um pacote de biscoitos e miojo de carne para comer.

Marcas de pneu

Tamra foi encontrada a cerca de 1,5 km de onde o carro estava atolado, depois que um morador local afirmou ter visto marcas de pneu no chão.

Segundo o jornal americano “The New York Times”, Tamra foi levada de avião para um bar a cerca de 80 km de Alice Springs – onde os paramédicos a encontraram rompendo o jejum com cerveja, refrigerante e batata frita.

“É uma história incrível de sobrevivência, de verdade”, disse Andrew Everingham, gerente regional da St. John Ambulance. Embora Tamra tenha tido alguns problemas gastrointestinais, Everingham explicou que ela estava “de muito bom humor e fisicamente muito bem”.

Tamra teve alta do hospital na segunda-feira (2), onde recebeu tratamento para desidratação e exposição ao calor.

Austrália Central é conhecida por ser um lugar remoto – onde o sinal de telefone é raro e achar a próxima cidade pode levar horas de carro. Também é seco e quente, com temperaturas que ultrapassam os 43ºC em alguns dias de verão e caem rapidamente à noite.

Segunda pessoa localizada

Phu Tran foi encontrado por um pecuarista em uma região no sul de Alice Springs. Ele foi levado para um hospital.

Phu disse ao fazendeiro que sobreviveu porque achou água.

As buscas por Claire Hockridge continuam.

A polícia encontrou pegadas de uma pessoa. “É um terreno muito diverso: há dunas de areia, áreas com muitas árvores, mas também pedras e cordilheiras”, disse a superintendente da polícia Pauline Vicary.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Tempestade de neve nos EUA fecha escolas e cancela voos

Por G1

Uma tempestade de neve que atingiu o nordeste dos Estados Unidos no fim de semana e que deve continuar nos próximos dias provocou estragos também nesta segunda-feira (2). Em algumas regiões, meteorologistas esperam um acúmulo de até 60 centímetros no chão.

As aulas e as atividades extracurriculares foram canceladas nas escolas de Boston nesta terça-feira, para quando as autoridades esperam grandes transtornos nas rodovias da região. Quatro escolas também ficaram fechadas na Virgínia Ocidental.

Segundo a polícia de Nova York, houve mais de 740 ocorrências de trânsito causadas pela nevasca desde o início das tempestades de neve.

Além disso, segundo a Associated Press, mais de 780 voos nos EUA foram cancelados, e houve ainda mais de 5,6 mil atrasos registrados nos aeroportos somente nesta segunda-feira. Justamente quando milhares de passageiros voltariam para casa após o feriado de Dia de Ação de Graças.

No estado de Nova York, o governador Andrew Cuomo declarou estado de emergência em cinco condados e deslocou 300 pessoas da Guarda Nacional para ajudar a remover a neve acumulada. “Somos fortes, vimos de tudo e podemos lidar com tudo”, disse.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

A decisão polêmica da loja que deu crachá para identificar funcionárias menstruadas


Por BBC

Uma loja japonesa deu a suas funcionárias a opção de usar uma etiqueta que identifica quando estão menstruadas. Mas a ideia gerou polêmica — Foto: WWD JAPAN

Uma loja japonesa deu a suas funcionárias a opção de usar uma etiqueta que identifica quando estão menstruadas. Mas a ideia gerou polêmica — Foto: WWD JAPAN

Uma empresa de varejo do Japão decidiu implementar o uso de um crachá para indicar quais de suas funcionárias que estão menstruadas. Ele tem a imagem de um desenho apelidado de “Miss Period” (“Senhorita Menstruação”).

A companhia disse que a ideia por trás dessa política é que funcionárias que optassem por usar esse indicativo pudessem ter ajuda adicional ou pausas mais longas durante a jornada de trabalho.

No entanto, a decisão de expor o período menstrual das funcionárias mulheres inclusive aos clientes despertou controvérsia no país asiático. Muitos clientes reclamaram da iniciativa.

“Nunca houve a intenção de compartilhar informações menstruais com os clientes”, disse Yoko Higuchi, porta-voz da loja de departamentos japonesa Daimaru, à BBC News.

Agora, diante da repercussão negativa, a empresa disse que “vai repensar” sua política em relação à pequena identificação.

Por que a loja criou o crachá menstrual?

Em outubro, a filial Daimaru em Umeda, um importante distrito comercial e de entretenimento na cidade Osaka, criou os crachás para cerca de 500 funcionárias da seção de roupas femininas.

Os crachás, entregues com a intenção de serem utilizados voluntariamente, foram introduzidos após uma sugestão dos próprios funcionários. A identificação foi vinculada à abertura de uma nova seção da loja.

Em uma parte, o crachá informava que a nova seção, dedicada ao “bem-estar das mulheres”, foi inaugurada em 22 de novembro.

Do outro lado estava o animal de estimação “Seiri-chan” (seiri significa “menstruação”).

A ideia, disse a porta-voz da empresa, era “melhorar o ambiente de trabalho”.

O que a equipe e os clientes fizeram?

Quando a loja informou a imprensa sobre os crachás, em 21 de novembro, alguns meios de comunicação publicaram que o objetivo era conscientizar os clientes e os colegas sobre o período menstrual das funcionárias.

Um executivo da Daimaru que teve o nome preservado disse à imprensa local que havia “muitas queixas” do público e que “algumas delas estavam relacionadas a assédio”.

Já Higuchi apontou que alguns membros da equipe “não entendiam” o objetivo dos crachás ou estavam “relutantes” em usá-los.

“Mas outros funcionários disseram que a identificação era positiva”, diz a porta-voz da empresa. “Se você perceber que uma colega está menstruada, pode oferecer serviços menos pesados para ela ou sugerir que ela faça intervalos mais longos, e esse apoio seria mútuo.”

Higuchi também disse que clientes telefonaram para oferecer apoio à iniciativa.

Após a controvérsia, a empresa decidiu não cancelar sua política, embora tenha anunciado que está reavaliando a estratégia. Higuchi disse que uma maneira diferente de compartilhar informações será testada, sem alertar o público, no entanto.

‘A conversa está mudando’

Análise de Yuko Kato, jornalista da BBC em Tóquio:

Como em muitos países, a menstruação no Japão é uma espécie de tabu: as mulheres não falam sobre o assunto em público, nem os homens. O tema está sempre rodeado de vergonha.

Mas isso está mudando.

Alguns dias atrás, um programa de TV matutino com uma grande audiência no canal público NHK passou mais de uma hora discutindo como falar francamente sobre menstruação com familiares e amigos. Havia comentaristas homens e mulheres.

Quando a taxa de imposto sobre o consumo passou de 8% para 10% em outubro, os produtos menstruais também foram incluídos nesse pacote de reajuste. Isso causou indignação entre muitas mulheres e aumentou o diálogo social sobre a menstruação.

Enquanto as redes sociais contribuíram para essa abertura ao tema, outro impulso veio da experiência de muitas mulheres em abrigos durante desastres naturais no país.

Houve muitas histórias nas redes sociais sobre mulheres que, nesses abrigos, eram instruídas a controlar o sangramento ou que tinham dificuldades para conseguir absorventes, embora não haja comprovação de que essas informações eram verdadeiras.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Evo Morales foi vítima de golpe de Estado, diz presidente do México


Por France Presse

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, afirmou neste domingo (1º) que Evo Morales, asilado no país após renunciar à presidência da Bolívia por pressão de militares, foi “vítima de um golpe de Estado”.

Essa é a primeira vez que o presidente esquerdista mexicano, que completa um ano de governo, expressa-se de maneira direta sobre as circunstâncias que levaram à saída de Morales do poder na Bolívia.

“Evo foi vítima de um golpe de Estado! Do México para o mundo, sustentamos: Democracia, sim! Militarismo, não!”, bradou López Obrador durante um ato para dezenas de milhares de apoiadores no Zócalo (praça central) da Cidade do México.

O presidente fez um balanço do seu primeiro ano de governo, e, ao citar brevemente a política externa do México, evocou a decisão do seu governo de receber Morales como asilado em 12 de novembro: “Morales é nosso irmão, que representa com dignidade o povo majoritariamente indígena da Bolívia.”

Morales foi recebido no México pelo chanceler Marcelo Ebrard, mas, até agora, não se reuniu, pelo menos publicamente, com López Obrador.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Unidade de elite alemã afasta sargento acusado de neonazismo


Por Deutsche Welle

Um novo escândalo envolvendo a presença de neonazistas eclodiu nas Forças Armadas da Alemanha (Bundeswehr). Desta vez, o caso envolve membros da unidade de elite militar Comando de Forças Especiais (KSK), segundo reportagem publicada neste domingo (1º) pelo jornal “Bild am Sonntag”.

Um sargento da unidade militar foi apontado como suspeito de participação na cena extremista de direita e deve ser afastado nos próximos dias. O caso surgiu após uma operação do Serviço alemão de Contrainteligência Militar (MAD). O sargento, que cumpriu várias missões no Afeganistão, passou a ser secretamente investigado pelo serviço depois que um informante fez uma denúncia.

Após um mês de investigações, o MAD recomendou que o oficial fosse imediatamente removido do Comando de Forças Especiais e impedido e de continuar a servir na Bundeswehr. Ele deve deixar o posto na próxima semana.

Um porta-voz do Ministério da Defesa confirmou que a investigação.

Dois outros oficiais no Comando de Forças Especiais também estão no radar dos investigadores por suspeitas de ligação com extremistas de direita.

Eles foram acusados de fazer a saudação nazista em uma festa privada organizada pelo sargento do KSK que deve que ser deligado da unidade. Fazer a saudação nazista e exibir publicamente símbolos nazistas é ilegal na Alemanha.

Um dos oficiais já foi suspenso de serviço há algumas semanas, informou a “Bild am Sonntag”. O outro ainda está sendo investigado.

Resgate de pessoas sequestradas

O Comando de Forças Especiais é responsável por resgatar pessoas sequestradas, reféns ou que sofrem ameaças terroristas no exterior. Apenas 1.100 militares fazem parte deste comando, que é frequentemente solicitado pela Otan e pelos Estados Unidos para auxiliarem em operações conjuntas antiterrorismo nos Bálcãs e no Oriente Médio.

Christof Gramm, chefe da MAD, informou recentemente que atualmente estão investigando 20 soldados da unidade de elite por suspeitas de ligações com extremistas de direita.

Em setembro, os jornais do grupo Redaktionsnetzwerk Deutschland já haviam revelado que um memorando confidencial do vice-ministro da Defesa, Gerd Hoofe, enviado a um painel de supervisão parlamentar, havia alertado que o número crescente de extremistas na unidade necessitava de “investigações futuras”.

Segundo o Redaktionsnetzwerk Deutschland, o problema seria particularmente grave entre paraquedistas e na base Franz Joseph Strauss, em Altenstadt, na Baviera. A base ficou conhecida na década de 1990 quando o MAD descobriu soldados celebrando o aniversário de Adolf Hitler e entoando hinos do partido nazista.

Fontes de segurança também haviam dito à revista alemã Der Spiegel que o número de soldados na unidade das forças especiais que tem simpatia pela extrema direita seria “extraordinariamente alto”.

A pressão para investigar militares alemães suspeitos de ligação com grupos neonazistas e com a cena de extrema direita no país vem aumentando desde que a eclosão do caso de Franco A, um soldado que chocou a Alemanha e a Áustria ao ser preso em 2017 tentando recuperar uma arma e munição que havia escondido no aeroporto de Viena. Explosivos também foram encontrados na ocasião.

O caso de Franco A. atraiu atenção generalizada em toda a Alemanha depois que informações surgiram de que ele armazenou memorabilia nazistas em seu quartel, incluindo uma caixa de fuzil com uma suástica gravada. Ele foi acusado de planejar ataques a políticos do alto escalão e figuras públicas que acreditava serem “favoráveis a refugiados”. Ele foi absolvido das acusações de terrorismo, mas condenado por violar a legislação sobre armas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Bomba da Segunda Guerra paralisa a cidade italiana de Turim

Por Deutsche Welle

A descoberta de uma bomba da Segunda Guerra Mundial em Turim, na Itália, levou 10 mil pessoas a deixarem suas casas neste domingo (1º) para a remoção do artefato por especialistas. O explosivo de fabricação britânica foi encontrado no centro histórico da cidade.

Todos os habitantes da “zona vermelha” ao redor da Via Nizza, no coração da cidade, foram evacuados. Outras 50 mil pessoas que vivem próximo à região que foi isolada foram convidadas a sair ou permanecer em suas casas das 7h às 16h (horário local).

De acordo com as autoridades, a bomba encontrada é britânica inglesa e contém 65 quilos de dinamite. Ela foi lançada há mais de 70 anos por aviões aliados durante a Segunda Guerra Mundial.

A prefeita de Turim, Chiara Appendino, participou do início da operação de desarmamento do explosivo. Ela ainda visitou os habitantes que foram evacuados para prédios de um parque de diversões nos arredores da cidade.

Durante a remoção, o espaço aéreo de Turim foi fechado e o tráfego de trens na estação Porta Nuova interrompido.

O comandante Elvio Pascale, que coordena as operações, contou que a primeira parte do procedimento consiste em desativar o detonador. “Será a parte mais delicada que durará até sete horas”, disse o policial. Em seguida, um caminhão transportará bomba para Cirie, onde ela será explodida numa pedreira desativada.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.