Estado Islâmico assume ataque contra prédio do governo no Afeganistão


Por France Presse

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria, neste domingo (21), do letal ataque cometido contra o Ministério da Comunicação na capital afegã, Cabul, que deixou sete pessoas mortas.

Quatro jihadistas lançaram explosivos perto do Ministério, antes de invadir o prédio e “enfrentar as forças de segurança afegãs com metralhadoras e granadas durante várias horas”, afirmou o grupo, em um comunicado.

Entre os mortos estão quatro civis e três policias, segundo a Reuters. Outros oito civis ficaram feridos, de acordo com uma fonte do governo.

Ação

“Às 11h40 locais (4h10 em Brasília), ouviu-se uma explosão perto do Ministério da Comunicação e também foram ouvidos disparos esporádicos na área”, declarou o porta-voz do Ministério do Interior, Nasrat Rahimi.

A explosão, que não havia sido reivindicada, aconteceu um dia depois do adiamento por tempo indeterminado de uma reunião entre talibãs e representantes do governo afegão. O encontro seria no Catar, no fim de semana.

Mais de 30 minutos depois da explosão, ainda era possível ouvir disparos intermitentes. A polícia isolou a área afetada.

Vimos um homem armado tentando abrir um escritório e, enquanto fugíamos, ele tentou nos alvejar, gritando: Eu vou matar todos”, disse Syeda Rashid, que trabalha no ministério e escapou com vários colegas.

Imagens televisivas mostraram pessoas fugindo após o tiroteio e as explosões começarem a serem ouvidas na torre estatal de 18 andares.

Ofensiva de primavera

O Ministério da Comunicação fica no centro de Cabul, a dois quilômetros da Zona Verde, um perímetro muito protegido da capital.

Na semana passada, os talibãs anunciaram o início de sua ofensiva de primavera. Desde então, foram registrados ataques em várias províncias do Afeganistão.

O braço afegão do grupo extremista Estado Islâmico (EI) também cometeu atentados em Cabul, recentemente.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia da Rússia encontra menino de 8 anos que desapareceu ao sair de casa para ‘viajar pelo mundo’

Por G1

Menino russo de 8 anos deixou carta antes de fugir de casa para dar volta ao mundo — Foto: Ministério de Assuntos Internos da Rússia/Reprodução

Menino russo de 8 anos deixou carta antes de fugir de casa para dar volta ao mundo — Foto: Ministério de Assuntos Internos da Rússia/Reprodução

Policiais encontraram, no início do mês, um menino russo de 8 anos que resolveu sair de casa para “viajar pelo mundo”. Apesar do desejo de fazer essa grande viagem, o garoto foi encontrado a poucos quilômetros de casa, na cidade de Astrakhan, no sudoeste da Rússia.

O Ministério de Assuntos Internos russo contou que o menino – não identificado por questões de segurança – deixou um bilhete avisando a mãe da viagem. Ele ainda tomou três táxis até decidir seguir viagem a pé.

A polícia local mobilizou equipes para tentar localizar o garoto, visto ao longo de uma das pontes sobre o rio Volga.

Ao ser encontrada, a criança disse que já estava viajando “mas estava cansada e precisando de descanso”, disse o ministério.

As autoridades russas constataram que não houve nenhum crime ou motivo para processar a mãe. No entanto, segundo o governo local, os policiais conversaram com o garoto e a família para que uma viagem dessas não voltasse a acontecer.

Mas por que ele quis viajar?

Os policiais de Astrakhan dizem que o menino resolveu sair de casa depois de ler um livro. Ele tinha, em casa, enciclopédias e miniaturas de avião, um sinal de que ele sonhava em dar a volta ao mundo.

De acordo com as autoridades russas, a criança levou para a “viagem” apenas alguns dos livros, brinquedos, o dinheiro guardado em um cofrinho e uma banana.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Primeiro-ministro do Mali renuncia

Por France Presse

O primeiro-ministro do Mali, Soumeylou Boubèye Maïga, apresentou sua renúncia nesta quinta-feira (18) à noite, após a Assembleia Nacional discutir uma moção de censura pela má gestão da intensa insatisfação da população.

Em nota oficial, o presidente Ibrahim Boubacar Keita anunciou que aceitou a renúncia de Maiga, e disse que um novo primeiro-ministro será nomeado “em breve” após uma rodada de consultas com as forças do governo e da oposição.

Maiga tem estado no centro das críticas ao governo nas últimas semanas, e influentes líderes muçulmanos exigiram sua saída do cargo.

Em uma tentativa de encontrar uma saída para a crise, o próprio presidente Keita se reuniu com representantes religiosos e vários partidos da oposição.

A capital, Bamako, foi abalada em 5 de abril por enormes manifestações, o que levou a uma reação marcadamente violenta por parte do governo.

Na terça-feira, Keita pronunciou um discurso à nação no qual disse que tinha “ouvido toda a raiva, todos os sinais” da população, e anunciou o início de um processo de “consenso nacional” de 23 a 28 abril.

Esse grande debate nacional incluiria uma revisão da Constituição que mais tarde seria submetida a um referendo.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

‘Catedral efêmera’ de madeira será erguida durante reconstrução de Notre-Dame

Por Deutsche Welle

O incêndio que destruiu parcialmente a Catedral de Notre-Dame exigirá um amplo e duradouro trabalho de reconstrução. Enquanto isso, porém, católicos e turistas impossibilitados de visitar o monumento serão recebidos numa “catedral efêmera” de madeira, a ser erguida na praça em frente à Notre-Dame.

“Não será necessário dizer que a catedral ficará fechada por cinco anos”, disse Patrick Chauvet, reitor da catedral, em entrevista à emissora francesa CB News nesta quinta-feira (18/04). “Este foi o motivo por que perguntei se uma catedral efêmera poderia ser construída.”

“Quero um lugar agradável, um lugar que seja um pouco simbólico, que atraia”, disse Chauvet. O religioso pretende dar a fiéis e turistas um ambiente de consolo e no qual possam se reunir próximos da Notre-Dame.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, apoiou a ideia e concordou em disponibilizar parte da esplanada à Igreja para uma estrutura de madeira.

Chauvet explicou que a catedral provisória de madeira deve abrigar sacerdotes dispostos a dialogar com devotos e também servir para receber alguns dos cerca de 13 milhões de turistas que visitavam a catedral gótica a cada ano.

Ainda de acordo com o reitor, a construção da catedral de madeira será feita rapidamente, assim que a esplanada estiver liberada pelas autoridades, e a construção provisória ficará no local até a reconstrução completa da Catedral de Notre-Dame.

Na terça-feira, o presidente da França, Emmanuel Macron, estabeleceu uma meta de cinco anos para a conclusão dos trabalhos de reconstrução. Uma campanha de arrecadação lançada pelo governo francês já angariou quase 1 bilhão de euros em promessas de doações.

Além disso, foi anunciado um concurso arquitetônico internacional para reconstruir o pináculo da Notre-Dame.

O desabamento da chamada flecha, torre de 93 metros, foi uma das imagens mais marcantes do incêndio.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Relatório diz que Donald Trump ordenou interferência em investigação, mas não foi obedecido

Por G1

O presidente dos Estados UnidosDonald Trump, escapou da acusação de ter interferido nas investigações sobre o suposto conluio com a Rússia. Entretanto, o relatório do procurador especial Robert Mueller divulgado nesta quinta-feira (18) mostra que só não houve interferência justamente porque assessores de Trump desobedeceram ordens do presidente que obstruiriam o inquérito.

Com 448 páginas, o relatório também não encontrou indícios suficientes para acusar Trump de ter agido em coordenação com a Rússia durante campanha presidencial de 2016. Porém, o texto relata também que o então candidato do Partido Republicano aceitaria a ajuda dos russos por “interesses em comum”.

Além disso, o texto final apresenta alguns trechos censurados, com uma tarja preta sobre eles. Em alguns casos, eles apareceram com uma justificativa “risco à matéria em análise”, o que levantou críticas e suspeitas por partes dos opositores de Trump. Veja imagem abaixo:

Quase dois anos de investigação

A investigação durou 22 meses – o resultado era aguardado pelas lideranças do Partido Democrata para, caso o inquérito incriminasse Trump, abrir processo de impeachment contra ele. No entanto, em março o procurador Mueller enviou a Barr o relatório final com a recomendação de inocentar o presidente dos EUA.

A preocupação do presidente norte-americano era tanta que, de acordo com o próprio relatório, Trump se assustou ao saber que Robert Mueller havia recebido a nomeação como procurador-especial, em maio de 2017:

“Meu Deus, é terrível. É o fim da minha Presidência. Estou f…”.

Veja as principais conclusões da investigação, segundo o resumo do relatório concluído no mês passado:

  • A Rússia interferiu nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA, hackeando computadores de democratas e através do uso de mídias sociais;
  • Trump e pessoas ligadas a ele não participaram dos esforços russos e são inocentes;
  • Não ficou provado que Trump obstruiu a justiça durante a investigação;
  • A decisão se Trump obstruiu ou não a justiça ficou na mão do procurador-geral e de outro procurador, e eles avaliaram que o presidente é inocente.

E agora?

Formalmente inocentado, Trump comemora o fim de uma batalha judicial que poderia derrubá-lo do cargo. A própria liderança do Partido Democrata no Congresso norte-americano admitiu não haver motivos para abrir processo de impeachment contra o presidente.

Entretanto, a oposição ainda quer entrar a fundo na conclusão de que Trump ordenou a equipe que obstruísse a investigação. Além disso, parte dos democratas não está satisfeita com a declaração de que não houve conluio do presidente com a Rússia quando ele ainda era candidato.

“Uma coisa é clara: o procurador-geral Barr apresentou uma conclusão de que o presidente não obstruiu a justiça enquanto o relatório de Mueller parece ter cortado essa constatação”, escreveram os líderes democratas em declaração conjunta.

A oposição também deve levar em frente o pedido para revelar os trechos do relatório que foram divulgados borrados.

Em entrevista coletiva nesta tarde, o chefe do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes, Adam Schiff, criticou a investigação. “Barr não é o advogado do presidente”, ironizou.

“As atitudes da equipe de Trump foram desonestas, antiéticas, amorais e não patrióticas”, acusou Schiff.

Faltou combinar com os russos

O relatório mostrou que o governo da Rússia considerava que haveria benefícios se Trump vencesse as eleições de 2016 – o que acabou se confirmando. A investigação também concluiu que a campanha tinha esperanças em ganhar eleitoralmente com as informações roubadas pelos russos.

A equipe de Mueller, no entanto, “não confirmou que membros da campanha de Trump conspiraram ou coordenaram com os russos atividades para interferir”.

Para que isso tivesse acontecido, os russos e o time de campanha de Trump teria de ter trocado informações e que um reagisse às ações do outro. A investigação, porém, não encontrou evidências disso.

Trump reage com meme

'Sem conluio, sem obstrução. Aos que me odeiam e à esquerda radical do Partido Democrata: o jogo acabou', diz mensagem publicada por Donald Trump — Foto: Donald Trump/Twitter/Reprodução

‘Sem conluio, sem obstrução. Aos que me odeiam e à esquerda radical do Partido Democrata: o jogo acabou’, diz mensagem publicada por Donald Trump — Foto: Donald Trump/Twitter/Reprodução

Logo após o pronunciamento desta quinta-feira, Trump postou um tuíte para dizer que era fim de jogo para os “haters” (inimigos que o detestam) e democratas radicais.

Antes mesmo da entrevista coletiva de Barr, Trump foi ao Twitter para protestar. Uma das mensagens foi “assédio presidencial!”, que ele escreveu com todas as letras maiúsculas.

Depois, publicou um vídeo em que ele mesmo afirma, em diversos momentos e situações, que não houve conluio com a Rússia. No vídeo, comentaristas de TV surgiram para dizer o mesmo.

Ele já havia publicado a mensagem: “Maior embuste político de todos os tempos! Crimes foram cometidos por policiais sujos e corruptos e pelos democratas e seu partido!”.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Coreia do Norte pede aos EUA que Pompeo deixe negociações sobre desnuclearização

Por Agência EFE

A Coreia do Norte solicitou nesta quinta-feira (18) aos Estados Unidos que substituam seu secretário de Estado, Mike Pompeo, como líder nas negociações sobre desnuclearização para que o diálogo sobre o tema possa prosseguir, segundo a agência “KCNA”.

Kwon Jong-gun, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano, afirmou que, “caso as conversas sejam retomadas no futuro”, o papel de Pompeo seja assumido por “alguém que mostre maior tato e maturidade na hora de se comunicar” com Pyongyang.

O porta-voz acrescentou que o relacionamento pode “ficar complicado se Pompeo estiver envolvido nas negociações” e observa que, toda vez que o secretário de Estado “põe o nariz, o diálogo piora e fica sem resultados”.

Ao mesmo tempo, Kwon ressaltou que “felizmente” a relação entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder Kim Jong-un “continua sendo boa”.

A declaração acontece no mesmo dia em que o governo norte-coreano anunciou que Kim supervisionou o teste de uma arma tática (de curto alcance para campos de batalha), sem fornecer mais detalhes.

Os especialistas acreditam se tratar de um míssil de cruzeiro, um projétil de curto alcance cujo uso por parte da Coreia do Norte não sanciona nenhuma das resoluções das Nações Unidas.

No entanto, o gesto poderia ser um alerta a Trump, que disse estar muito satisfeito com o fato de Pyongyang não ter testado mísseis balísticos, nem armas atômicas em um ano e meio, para que opte por flexibilizar sua postura negociadora após a fracassada cúpula de Hanói.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Forte terremoto sacode Taiwan e assusta população

Por G1

Um terremoto de magnitude 6 sacudiu Taiwan nesta quinta-feira (18), informa o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês).

O tremor foi sentido na cidade de Hualien, a cerca de 200 km de Taipé, capital do Taiwan.

Por enquanto não há relatos sobre vítimas ou grandes danos materiais.

De acordo com o Escritório Central de Meteorologia da ilha, o tremor ocorreu a 18,8 km de profundidade, às 13h01 (horário local, 2h01 de Brasília).

O terremoto seguido por duas réplicas de magnitude 4,1 e 3,1 após 16 e 31 minutos, respectivamente.

Em Taipé, o terremoto provocou pânico e deixou dezenas de pessoas trancadas em elevadores. Além disso, um edifício na capital do Taiwan recebeu o impacto do terremoto e ficou inclinado, apoiando-se em outro.

O trem de alta velocidade e o sistema de metrô de Taipé interromperam suas operações.

Em fevereiro do ano passado, um terremoto de magnitude 6,4 castigou essa mesma cidade causando 17 mortos.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sobreviventes sofrem com devastação causada por ciclone em Moçambique

Profissão Repórter – G1

O ciclone Idai foi o mais devastador a atingir Moçambique nos últimos dez anos. Ele saiu do Oceano Índico e atingiu a costa africana com ventos de 140 km/h. Mil pessoas morreram, 600 em Moçambique, e 90% da cidade de Beira, a segunda maior cidade do país, foi destruída. Parte da população ainda não recebeu ajuda do governo.

Além das mortes, o ciclone levou doenças ao país. Cerca de quatro mil casos de cólera foram notificados. A água contaminada por bactéria causa forte diarreia e vômito. O doente precisa ser rapidamente hidratado e medicado.

Para os sobreviventes, faltam abrigos, roupas, água limpa e comida. Diversos países, incluindo o Brasil, enviaram ajuda humanitária para o país. Os sobreviventes do ciclone se agridem na disputa pelas doações distribuídas sem critério e segurança.

Vila de Buze

A vila de Buze foi uma das regiões mais afetadas da cidade de Beira. Cerca de 30 mil moradores foram retirados do local. A informação é que mais de 100 pessoas morreram por lá com a passagem do ciclone.

A passagem do Idai também dividiu famílias. O pescador Janeiro Simões tinha saído pra trabalhar quando foi surpreendido pelo ciclone. Quando foi resgatado, foi levado diretamente para um abrigo em Beira e, desde então, não tinha nenhuma notícia da mulher, Rosa, e dos filhos, que estavam em Buze.

A equipe do Profissão Repórter encontrou Rosa. Ela conseguiu salvar seus três filhos do ciclone, mas perdeu tudo. Sem ajuda, Rosa não consegue erguer um barraco para abrigar os filhos.

O agricultor Jacob Matombuzama, outro sobrevivente, ficou três dias pendurado com os filhos em uma árvore para escapar da enchente trazida pelo ciclone.

Ajuda humanitária

Missionários brasileiros participam dos esforços para ajudar o povo moçambicano. A gaúcha Jordana do Amaral faz um alerta: nos próximos meses, a população não terá renda e comida porque as plantações foram perdidas. As doações internacionais precisam continuar a ser enviadas por muito mais tempo.

Quézia Monteiro é uma médica brasileira que há seis meses trabalha em Moçambique pela Organização Médicos Sem Fronteiras. Saiba mais sobre a ajuda da médica na luta contra a cólera na região.

Na vila chamada Lamego, os mortos sequer foram contabilizados. Em um dos barracos, uma criança chorava sem parar no colo do pai. A menina sentia falta do leite materno da mãe que morreu na passagem do ciclone. O nome dela e de dezenas de moradores não estão nos registros de vítimas do Idai. Veja a reportagem completa no vídeo acima.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Reino Unido exigirá que sites verifiquem idade de consumidores de pornografia

Por Reuters

O Reino Unido será o primeiro país do mundo a exigir verificação de idade para pessoas que vêem pornografia online, quando novas checagens entrarem em vigor dentro de três meses, disse o governo nesta quarta-feira (17).

A partir de 15 de julho, os provedores comerciais de pornografia online terão de fazer verificações de idade aos usuários para garantir que tenham 18 anos ou mais. Para isso, terão que contratar empresas que fornecem esse tipo de checagem.

Vários métodos de verificação estarão disponíveis, incluindo a compra offline de passes de visualização em lojas ou o uso de um passaporte ou cartão de crédito online.

Sites que quebram a nova lei correm o risco de ter seus serviços de pagamento retirados ou bloqueados no Reino Unido.

Autoridades do governo reconhecem que o uso de redes privadas, que mascaram a localização de um computador, permite superar verificações de idade, mas que o objetivo principal da lei é dificultar o acesso das crianças a pornografia.

“Atualmente, o conteúdo adulto é fácil demais para as crianças acessarem online”, afirmou a ministra britânica de indústrias digitais e criativas, Margot James.

“A introdução da obrigatoriedade da verificação da idade é uma novidade mundial, e aproveitamos para equilibrar as preocupações com a privacidade com a necessidade de proteger as crianças do conteúdo inadequado”.

Sites em que a pornografia representa menos de um terço do conteúdo estarão isentos dos novos requisitos, desde que não se apresentem como possuidores de conteúdo pornográfico.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Kim Jong-un supervisiona novo teste com armamento militar na Coreia do Norte

Por G1

O ditador da Coreia do Norte,Kim Jong-un, supervisionou o lançamento teste de uma nova arma tática guiada no país nesta quarta-feira (17), informou a agência estatal norte-coreana KCNA. Não se sabe, no entanto, que tipo de armamento é esse.

Segundo a agência local, Kim apontou que cientistas e militares têm feito “um bom trabalho para melhorar as capacidades de defesa” da Coreia do Norte. O líder norte-coreano também visitou uma base da força aérea do país, e supervisionou um exercício de voo.

De acordo com a agência Yonhap, da Coreia do Sul, é a primeira vez que Kim participa de inspeção às atividades militares em cinco meses.

Pouco depois da divulgação do teste, o Comando Estratégico e Comando Norte dos EUA informou que não detectou nenhum lançamento de míssil com origem na Coreia do Norte.

Impasse na relação com os EUA

As conversas entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte estão sob impasse desde que a segunda reunião entre Donald Trump e Kim Jong-un terminou sem nenhum acordo firmado. Há uma semana, em Washington, o presidente norte-americano disse que estava disposto a ter um novo encontro com o líder norte-coreano.

No sábado, porém, Kim afirmou que só está interessado em se reunir novamente com Trump se os EUA adotarem uma nova atitude. Ele disse que esperará até o fim deste ano para os norte-americanos flexibilizarem as medidas contra o regime norte-coreano, reportou a agência estatal KCNA.

“É essencial que os EUA parem com seu atual método de cálculos e nos abordem com um novo”, disse Kim em discurso à Assembleia Popular Suprema.

Trump e Kim se reuniram duas vezes, em Hanói (fevereiro) e em Singapura (junho). Apesar da demonstração de boa vontade, os dois líderes fracassaram em entrar em um acordo sobre o fim dos programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte e a retirada das sanções econômicas sobre o país.

Kim concordou em extinguir os programas, mas não existe prazo para que isso aconteça nem critérios claros para verificação. Os Estados Unidos impõem o fim do programa como condição para a retirada de sanções contra o país.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.