Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

EUA e Turquia fecham acordo para treinar e equipar rebeldes sírios

Os Estados Unidos e a Turquia alcançaram um acordo de princípio para treinar e equipar opositores moderados em território turco, embora os detalhes finais ainda devam ser concluídos, anunciou o Departamento de Estado americano na terça-feira (17).

“Chegamos a um acordo de princípio para treinar e equipar grupos da oposição síria”, disse a porta-voz do Departamento de Estado, Jennifer Psaki, acrescentando que Washington espera “concluir e assinar em breve o acordo com a Turquia”.

A porta-voz não deu maiores detalhes sobre este processo para definir os detalhes do acordo, que deveria começar em março.

O anúncio de um acordo turco-americano põe fim a meses de conversações difíceis entre os dois aliados sobre o enfrentamento de rebeldes sírios moderados, que supostamente lutarão depois contra os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI).

“Como anunciamos anteriormente, a Turquia aceitou ser um dos anfitriões regionais do programa ‘Formação e Equipamento’ para as forças da oposição moderada síria”, lembrou Psaki.

Plano para combater jihadistas
O Pentágono anunciou, em meados de janeiro, o próximo envio de centenas de militares americanos para treinar membros da oposição síria modernada que, em seguida, estarão encarregados de combater os jihadistas do EI.

Além disso, Arábia Saudita e Catar se disseram favoráveis para abrigar locais de treinamento e fornecer instrutores.

O acordo entre estes países é fruto de meses de negociações. O governo Obama espera que o treinamento dos primeiros sírios possa começar ‘no fim de março’, de forma que os primeiros formados possam estar operando ‘no fim do ano’, segundo o Pentágono.

O objetivo dos Estados Unidos e seus parceiros é formar mais de 5.000 sírios no primeiro ano.

 

Da France Presse

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Jornalista do Washington Post preso no Irã admite espionagem

Jason Rezaian em foto de 11 de abril de 2013 (Foto: AP Photo/Vahid Salemi, File)

Jason Rezaian em foto de 11 de abril de 2013 (Foto: AP Photo/Vahid Salemi, File)

O correspondente do jornal norte-americano Washington Post no Irã, Jason Rezaian, preso há quase sete meses em Teerã, sem nenhuma acusação clara, admitiu a prática de “atividades de espionagem”, afirmou na terça-feira (17) um deputado ultraconservador iraniano.

O jornalista iraniano-americano, que colabora com o jornal desde 2012, foi detido em 22 de julho de 2014 com a esposa, Yeganeh Salehi, uma jornalista que foi libertada sob fiança, por motivos que nunca foram informados claramente.

Seu dossiê de acusação foi passado em janeiro ao tribunal revolucionário, que costuma julgar casos de crimes políticos ou relacionados com a segurança nacional. Nenhuma data foi anunciada para seu julgamento.

Os Estados Unidos, assim como as associações internacionais de defesa dos jornalistas, pediram sua libertação em várias oportunidades.

“As autoridades americanas afirmaram que Rezaian está detido já 200 dias sem qualquer processo, mas se eles escutassem suas confissões sobre suas atividades de espionagem no nosso país (…), entenderiam as razões de sua presença no Irã”, declarou o deputado de Teerã Hamid Resaie, citado pela agência de notícias oficial iraniana Fars.

O deputado denunciou no sábado ‘que certas pessoas no âmbito da presidência’ iraniana teriam facilitado o acesso de Jason Rezaian e de sua esposa “aos locais mais sensíveis da presidência”. Sem citar nomes, questionou “um diretor” no âmbito da presidência.

O Washington Post considera estas acusações de espionagem “uma farsa e um simulacro”.

 

Da AFP

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Juiz bloqueia medidas de alívio migratório e Casa Branca prevê apelação

Da AFP

 "A lei está do nosso lado e a História está do nosso lado. Vamos recorrer", afirmou Obama / Foto: Divulgação
“A lei está do nosso lado e a História está do nosso lado. Vamos recorrer”, afirmou ObamaFoto: Divulgação

Um juiz federal americano acatou nessa terça-feira (17) um pedido de 26 governadores e bloqueou a aplicação dos decretos migratórios anunciados em novembro passado pelo presidente Barack Obama, embora a Casa Branca tenha afirmado que irá recorrer da decisão. “A lei está do nosso lado e a História está do nosso lado. Vamos recorrer”, afirmou Obama, denunciando a decisão tomada ontem pelo juiz Andrew Hanen, do tribunal federal de Brownsville, Texas.

Hanen questionou a autoridade do presidente para aprovar medidas por decreto, e, por isso, bloqueou todo o processo de regularização de imigrantes até que uma corte decida sobre a constitucionalidade da iniciativa presidencial. Desta forma, suspendeu provisoriamente um processo colocado em prática pelo governo para evitar a deportação de um número estimado em mais de 4 milhões dos 11 milhões de imigrantes em situação irregular nos Estados Unidos.

“É preferível determinar a legalidade destas ações antes de que se decida o destino de mais de 4 milhões de pessoas”, sentenciou o juiz na terça (17). O Serviço de Imigração e Cidadania (USCIS, que responde ao Departamento de Segurança Interna) deveria começar amanhã a receber e processar os pedidos de regularização de imigrantes. O secretário de Segurança, Jeh Johnson, anunciou a suspensão, “até nova ordem”, da aceitação dos pedidos.

O presidente Obama disse que os técnicos do Departamento de Segurança Interna estarão “preparados para implementar isto plenamente assim que as questões legais forem resolvidas”. Os estados e juízes responsáveis pela demanda ao juiz Hanen consideram que, ao ordenar ações executivas sobre a questão migratória, Obama violou a Constituição. Estas ações, segundo os estados, “provocarão danos dramáticos e irreparáveis”. Ativistas convocaram passeatas e protestos de hoje até domingo em várias cidades americanas, para criticar a decisão.

Obama anunciou em novembro um pacote de medidas para regularizar a situação de milhões de imigrantes, por considerar que o Congresso se mostrou incapaz de aprovar uma reforma migratória completa. O Senado aprovou em 2013 um ambicioso projeto de reforma migratória, bloqueado na Câmara dos Representantes. Com a oposição republicana agora no controle das duas câmaras do Congresso, o projeto é considerado morto.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Indonésia adia execução de brasileiro

 Segundo imprensa local, execução de Gularte deveria ocorrer ainda neste mês  (Foto: AFP)

Segundo imprensa local, execução de Gularte deveria ocorrer ainda neste mês (Foto: AFP)

A Indonésia adiou a execução de prisioneiros, inclusive do paranaense Rodrigo Muxfeldt Gularte, prevista para este mês, alegando que a prisão onde as sentenças de morte seriam cumpridas não está pronta.

Rodrigo, de 42 anos, está preso desde julho de 2004, após tentar entrar na Indonésia com 6kg de cocaína escondidos em pranchas de surfe. Ele foi condenado à morte no ano seguinte.

O porta-voz do procurador-geral da Indonésia, Tony Spontana, disse à BBC que “está quase certo” que as execuções não serão realizadas neste mês, mas não anunciou quando elas irão ocorrer. As penas de morte por fuzilamento são realizadas na ilha de Nusakambangan e, segundo ele, os preparativos se atrasaram.

A família de Rodrigo, no entanto, tenta impedir que ele seja executado, solicitando a transferência do brasileiro para um hospital psiquiátrico, após um médico do governo indonésio tê-lo diagnosticado com esquizofrenia.

A família espera que o diretor do presídio onde Rodrigo é mantido assine o laudo médico na quarta-feira. O documento, então, deverá ser enviado ao procurador-geral da Indonésia, que poderá solicitar a transferência do brasileiro para umk hospital, disse à BBC Brasil Angelita Muxfeldt, prima de Rodrigo, que está na Indonésia.

Este é o último recurso para evitar a morte de Rodrigo, já que seus dois pedidos de clemência foram negados e, segundo a família, a lei indonésia proíbe a morte de um prisioneiro que não esteja em plenas condições mentais. Na Indonésia, a execução é por fuzilamento.

“A pressão está fazendo efeito”, disse ela, por telefone. “Ele realmente está doente e precisa de tratamento, não estamos inventando”.

A mãe de Rodrigo, Clarisse Gularte, esteve com ele na prisão nesta terça-feira. Segundo Angelita, Rodrigo teve “conversas desconexas e falava nada com nada”.

“O mundo dele é outro, a realidade dele é outra. Não adianta falar (com ele). Ele não acredita em nada”, disse ela.

No mês passado, outro brasileiro condenado à morte por tráfico de drogas na Indonésia – o carioca Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos – foi executado com outros cinco prisioneiros, apesar do pedido por clemência feito pela presidente Dilma Rousseff.

O presidente indonésio, Joko Widodo, se elegeu no ano passado após prometer rigor no combate ao crime e que negaria pedidos de clemência. O governo tem defendido o direito de usar a pena de morte para enfrentar o que chama de situação de emergência causada pelo tráfico de drogas.

O adiamento também beneficia outros prisioneiros, inclusive dois australianos – Myuran Sukumaran e Andrew Chan – condenados à morte em 2006 por liderar um grupo de tráfico de drogas conhecido como “Os Nove de Bali”. Eles são mantidos em Bali e ainda têm que ser transferidos para Nusakambangan.

Mais cedo, o procurador-geral H.M. Prasetyo disse que a transferência dos australianos havia sido adiada para que eles pudessem passar mais tempo com seus familiares.

* Colaborou Alice Budisatrijo, da BBC em Jacarta

 

Da BBC Brasil em Londres

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Equipe da BBC escapa de explosão de morteiro na Ucrânia

Equipe da BBC escapa de explosão de morteiro na Ucrânia (Foto: BBC)

Equipe da BBC escapa de explosão de morteiro na Ucrânia (Foto: BBC)

No segundo dia de trégua na Ucrânia, disparos de artilharia atingiram o aeroporto de Donetsk, controlado por rebeldes separatistas.

Jornalistas da BBC trabalhavam próximo ao local e tiveram que sair às pressas. Veja o vídeo.

Tanto as autoridades ucranianas como os rebeldes pró-Russia culpam uns aos outros pelas agressões.

Da BBC

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Névoa misteriosa em Marte intriga cientistas

 Damian Peach foi um dos primeiros astrônomos amadores a capturar imagens do fenômeno (Foto: Grupo Ciencias Planetarias (GCP) - UPV/EHU)

Damian Peach foi um dos primeiros astrônomos amadores a capturar imagens do fenômeno: névoa é vista no detalhe (Foto: Grupo Ciencias Planetarias (GCP) – UPV/EHU/Nature)

 

Uma descoberta feita por astrônomos amadores que passam horas estudando Marte deixou cientistas com a pulga atrás da orelha.

Descoberta pela primeira vez em 2012, uma espécie de névoa apareceu orbitando ao redor do planeta apenas uma outra vez e depois desapareceu.

Ao analisar imagens da misteriosa neblina, os cientistas da Agência Espacial Europeia (ESA) descobriram que ela é a maior já vista e se estende por mais de 1.000 quilômetros.

Em artigo publicado na revista “Nature”, eles dizem que a pluma poderia ser uma grande nuvem ou uma aurora excepcionalmente brilhante. Mas deixam claro que ambas as hipóteses são difíceis de serem comprovadas.

“Essa descoberta traz mais perguntas do que respostas”, disse Antonio Garcia Munoz, cientista da Agência Espacial Europeia.

Telescópios
Em todo o mundo, uma rede de astrônomos amadores mantém seus telescópios calibrados para analisar o “planeta vermelho”.

Eles viram essa misteriosa formação pela primeira vez em março de 2012, logo acima do hemisfério sul de Marte.

Damian Peach foi um dos primeiros astrônomos amadores a capturar imagens do fenômeno.

“Eu notei essa formação saindo ao lado do planeta, mas eu primeiro achei que havia um problema com o telescópio ou câmera”, disse.

“Mas, à medida que eu ia verificando as imagens de perto, percebi que era algo real – e foi uma grande surpresa.”

A neblina brilhante durou cerca de 10 dias. Um mês mais tarde, ela reapareceu e perdurou o mesmo período de tempo. Mas nenhuma formação do tipo foi vista desde então.

Nuvens
Os cientistas que comprovaram o fenômeno buscam agora uma explicação para ele, mas, por enquanto, só têm hipóteses.

Uma teoria é a de que a névoa é uma nuvem de dióxido de carbono ou partículas de água.

“Sabemos que há nuvens em Marte, mas até hoje elas foram observadas apenas até uma altitude de 100 km”, disse Garcia Munoz.

Segundo ele, a misteriosa névoa está bem acima dessa altitude, o que coloca em xeque essa possibilidade.

Outra explicação é a de que esta ela é uma versão local das auroras polares.

“Nós sabemos que nesta região em Marte nunca foram relatados auroras antes”, disse Muñoz. “Além disso, a intensidade registrada nessa névoa é muito, mas muito maior do que qualquer aurora já vista em Marte ou na Terra.”

Para o cientista, se qualquer uma dessas teorias estiver certa, isso significaria que a nossa compreensão da atmosfera superior de Marte está errada.

Ele espera que, ao publicar o estudo, outros cientistas também colaborem com explicações para o fenômeno. Mas, se isso não ocorrer, os astrônomos terão de esperar para as névoas retornarem à Marte.

Fotos de telescópios ou naves que estão atualmente em órbita ao redor do planeta também podem ajudar a desvendar esse mistério.

 

Rebecca Morelle

Repórter de Ciência da BBC News

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Hackers roubaram R$ 3 bilhões dos maiores bancos do mundo

17oooo-o-o-oo-vo-ow-v-owc-o23c2

Uma quadrilha internacional de ladrões montou um sistema sofisticado capaz de invadir o caixa dos maiores bancos do mundo. O assalto já atingiu o equivalente a R$ 3 bilhões.

Este é o maior ataque cibernético da história contra o sistema bancário. É o que  diz a Kaspersky Lab, uma empresa global especializada em segurança na rede.

Segundo a companhia, hackers invadiram computadores de mais de 100 bancos de 25 países da Ásia, Europa, Estados Unidos e também do Brasil.

Segundo a investigação, o grupo é formado por hackers de vários países como China, Rússia eUcrânia. Nos últimos dois anos eles roubaram pelo menos US$ 1 bilhão.

A lista dos clientes prejudicados, a maioria grandes empresas, ainda não foi divulgada. Bancos várias partes de todo o mundo convocaram seus melhores especialistas para investigar o caso. A polícia e os serviços de inteligência de países da Europa e dos Estados Unidos também. Agora, todos fazem a mesma pergunta é: como os hackers conseguiram agir durante quase dois anos sem que ninguém percebesse o que estava acontecendo?

Os ataques começaram de um jeito bem comum. Os ladrões da internet enviaram e-mais infectados com vírus espiões para os funcionários dos bancos. Com essa porta de entrada, eles chegaram aos computadores dos administradores do sistema, responsáveis pelas transferências de dinheiro.

Para não levantar suspeitas, os hackers primeiro inflavam uma conta, como se tivessem feito um depósito. Depois concluíam a transferência criminosa com o programa espião, eles conseguiram até controlar remotamente caixas eletrônicos. Que soltavam grandes quantias em dinheiro sem que ninguém estivesse por perto.

Os investigadores russos conseguiram detectar o roubo mas ainda não sabem como impedir a ação dos bandidos.

 

Do Bom Dia Brasil

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Pacote suspeito leva policiais a local onde ocorreu ataque em Copenhague

Policial de esquadrão antibombas inspeciona pacote suspeito achado em centro cultural que foi alvo de atentado no fim de semana nesta segunda-feira (17); nenhum explosivo foi encontrado (Foto: Hannibal Hanschke/Reuters)

Policial de esquadrão antibombas inspeciona pacote suspeito achado em centro cultural que foi alvo de atentado no fim de semana nesta segunda-feira (17); nenhum explosivo foi encontrado (Foto: Hannibal Hanschke/Reuters)

 

A polícia dinamarquesa isolou nesta terça-feira (17) a área em torno do centro cultural em Copenhague onde houve o atentado sábado (14) devido a um pacote suspeito, mas não encontrou nenhum explosivo no local, informaram as autoridades, segundo a Reuters.

Policiais com cães farejadores foram até o café após terem sido alertados sobre o pacote, e imagens de televisão mostraram três oficiais tirando fotos do que parecia ser um grande envelope transparente antes de sair do local.

A polícia não informou qual o conteúdo do pacote.

Segundo a imprensa dinamarquesa, funcionários do centro que alertaram os agentes que protegem a área desde o atentado porque a carta continha mensagens vinculadas com os atentados do fim de semana.

Neste fim de semana, um atirador de 22 anos abriu fogo contra um café em que acontecia um debate sobre liberdade de expressão, matando um, e atacou uma sinagoga, matando um guarda. Mais tarde, ele foi morto em uma troca de tiros com a polícia em seu bairro de Nørrebro, uma parte da cidade ocupada principalmente por imigrantes com reputação de violência entre gangues.

A polícia prendeu duas outras pessoas sob a suspeita de auxiliar os ataques, mas afirmou que não havia indicação de que o atirador fizesse parte de uma célula ou havia viajado à Síria ou ao Iraque.

A polícia também informou ter realizado uma vasta operação em um cibercafé e em outros imóveis do bairro de Nørrebro, onde o atirador foi morto no domingo.

 

Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Presidente da LG é acusado de vandalizar máquina de lavar da Samsung em feira

Executivos da LG foram acusados pela Samsung de danificar máquinas da concorrente (Foto: BBC)

Executivos da LG foram acusados pela Samsung de danificar máquinas da concorrente (Foto: BBC)

Dois dos maiores fabricantes de eletrodomésticos do mundo, as sul-coreanas LG e Samsung, travarão na Justiça uma inusitada disputa pela “honra”.

Três altos executivos da LG foram acusados pela Samsung de terem vandalizado uma máquina de lavar sua durante uma feira de eletrodomésticos na Alemanha.

A Samsung alega que os executivos da LG, entre eles o presidente da divisão de Utilidades Domésticas, visitaram o estande da empresa na feira – realizada em em 2014 – e “entortaram” a porta da máquina de lavar.

Executivos da LG foram acusados pela Samsung de danificar máquinas da concorrente (Foto: BBC)

Executivos da LG foram acusados pela Samsung de danificar máquinas da concorrente (Foto: BBC)

Já os executivos da LG alegam que só houve dano porque as dobradiças da porta eram “muito fracas”.

Como resposta à acusação da Samsung, a LG divulgou imagens de câmeras de segurança da feira que mostram o suposto incidente.

O presidente da divisão de utilidades domésticas da LG, Jo Sung Jin, disse que divulgou as imagens por uma questão de “defesa da honra”.

“Se eu for culpado ou não, vamos saber no tribunal, mas para proteger minha honra pessoal – a honra de alguém que devotou a vida nos últimos 40 anos para o desenvolvimento de máquinas de lavar, e também a honra da companhia a que pertenço – decidi tornar públicas as imagens das câmeras de segurança do local”, afirmou.

Segundo o correspondente da BBC em Seul, na Coreia do Sul, Stephen Evans, não se sabe ainda se as duas companhias – as maiores do mundo no setor – calcularam o risco de serem ridicularizadas pela opinião pública por terem levado o caso aos tribunais.

Executivos da LG foram acusados pela Samsung de danificar máquinas da concorrente (Foto: BBC)
Executivos da LG foram acusados pela Samsung de danificar máquinas da concorrente (Foto: BBC)
BBC

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Egito bombardeia alvos do Estado Islâmico na Líbia

O Egito informou na madrugada desta segunda-feira (16) que bombardeou alvos do Estado Islâmico. A ação foi divulgada por fontes militares na TV estatal, de acordo com a agência de notícias Reuters. O ataque é uma resposta à divulgação de um vídeo por parte dos extremistas que supostamente mostra o grupo decapitando pelo menos 20 cristãos coptas egípcios sequestrados na Líbia.

Nas imagens, os egípcios, vestidos em macacões laranja, teriam sido decapitados depois de serem forçados a se ajoelharem no chão. O vídeo foi publicado no Twitter de um site que apoia o Estado Islâmico. A autenticidade das imagens ainda não foi verificada.

A gravação, intitulada “Uma mensagem assinada com sangue para a nação da cruz”, assinala que é dirigida aos “seguidores da hostil Igreja egípcia”, segundo a agência France Presse.

Segundo a imprensa egípcia, fotos que supostamente mostram os egípcios sequestrados foram publicadas pela 7ª edição da revista Dabiq, associada ao Estado Islâmico. Imagens da revista estavam circulando nas redes sociais nos últimos dias.

Imagem de revista ligada ao Estado Islâmico supostamente mostra alguns dos reféns cristãos egípcios, sequestrados na Líbia (Foto: Reprodução/Twitter/VictorSalama)
Imagem de revista ligada ao Estado Islâmico supostamente mostra alguns dos reféns cristãos egípcios sequestrados na Líbia (Foto: Reprodução/Twitter/VictorSalama)
Do G1, em São Paulo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.