Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Presidente italiano Giorgio Napolitano renuncia

Da AFP

Giorgio Napolitano permaneceu quase uma década à frente da terceira economia da zona do euro, a Itália / Foto: AFPGiorgio Napolitano permaneceu quase uma década à frente da terceira economia da zona do euro, a ItáliaFoto: AFP

O presidente italiano, Giorgio Napolitano, de 89 anos, renunciou nesta quarta-feira (14) após quase uma década à frente da terceira economia da zona do euro.

“O presidente da República, Giorgio Napolitano, assinou nesta manhã às 10h35 (07h35 de Brasília) sua carta de demissão”, disse o gabinete do presidente em um comunicado.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Senadores republicanos querem deter libertação de presos de Guantánamo

Senadores republicanos propuseram, nesta terça-feira (13), um projeto de lei para retardar em dois anos a transferência da maioria dos presos em Guantánamo, argumentando que sua libertação só provocará  mais ataques.

O senador John McCain se reuniu com o senador Kelly Ayotte para promover uma lei visando adiar, em dois anos, a transferência internacional de presos considerados de médio e alto risco, assim como a de presos iemenitas. Dos 127 detidos em Guantánamo, 81 são do Iêmen.

Ayotte justificou a suspensão das libertações pelos atentados cometidos na semana passada na França, que deixaram 17 mortos. As autoridades francesas determinaram que um dos três islamitas suspeitos tinha sido detido e, em seguida, libertado.

“Não deveríamos libertá-los nesta situação de insegurança, na qual eles podem voltar a nos atacar”, disse Ayotte aos jornalistas, acrescentando que uma “maioria avassaladora” dos presos em Guantánamo é de médio a alto risco.

Nos últimos meses, Washington acelerou as deliberações para fechar definitivamente esta prisão que abriu há 14 anos, meses depois dos atentados de 11 de setembro de 2001, em uma tentativa de cumprir uma das principais promessas de gestão de Barack Obama.

O projeto de lei de Ayotte deverá ser aprovado pelo Comitê de Serviços Armados do Senado, cujo presidente é McCain. O senador avaliou que não há prazo para discutir a lei, mas assegurou que existe um forte apoio no Senado, controlado pelos republicanos.

“Sabemos de fato que 30% dos libertados voltaram à luta e normalmente a um alto nível porque é um sinal de honra ter ficado preso em Guantánamo”, afirmou McCain.

O senador, um ex-prisioneiro de guerra, disse que vai avaliar qualquer plano de Obama para o fechamento responsável de Guantánamo. “Mas em mais de seis anos, esta administração nunca apresentou um plano concreto e coerente”, criticou.

O senador Lindsey Graham afirmou que os ataques na França revelaram a necessidade de manter alguns dos presos da guerra contra o terror em Guantánamo por toda a vida. “A ideia de que possam ser libertados sob a supervisão é ilusória”, disse, advertindo que “a supervisão tem seus limites”.

O projeto de lei estende por dois anos a proibição de transferir presos de Guantánamo ao solo americano, assim como a construção de centros para receber estes presos.

 

Do NE10

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Preços do petróleo caem ao menor valor em quase 6 anos

Fábrica petroquímica perto de Tóquio, no Japão. Preço do petróleo cai com menor demanda (Foto: Thomas Peter/Reuters)

 

Fábrica petroquímica perto de Tóquio, no Japão. Preço do petróleo cai com menor demanda (Foto: Thomas Peter/Reuters)

 

As cotações do petróleo caíram para seus menores valores em quase seis anos nesta terça-feira (13), após os Emirados Árabes Unidos reforçarem a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de não cortar produção para dar sustentação aos preços.

Os preços já acumulam perdas de 60% desde o pico de junho de 2014, pressionados principalmente pelo aumento de produção, em especial nas áreas de xisto dos EUA, além de uma demanda menor que a esperada na Europa e na Ásia.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o petróleo Brent, negociado em Londres, caía 3,12% ou US$ 1,48, a US$ 45,95 por barril, após alcançar o valor mínimo de US$ 45,23 mais cedo, menor patamar desde março de 2009.

Já o petróleo WTI, negociado nos EUA, recuava 1,71% ou US$ 0,79, a US$ 45,28, com mínima intradia (no mesmo dia) de US$ 44,21.

“O mercado está um pouco em pânico neste momento, e a tendência é bastante negativa”, disse Ole Hansen, estrategista sênior de commodities do Saxo Bank.

Decisão
A Opep não vai reduzir sua produção para dar sustentação aos preços da commodity, mas espera que produtores de maior custo o façam, reafirmou o ministro de energia dos Emirados Árabes Unidos nesta terça-feira.

Enquanto o ministro Suhail bin Mohammed al-Mazroui falava, o Brent caía 4%, abaixo de US$ 46 por barril, após marcar queda de 5% na segunda-feira (12), ampliando uma derrocada que já reduziu o preço do petróleo em mais de metade nos últimos seis meses.

Mazroui não deu nenhum sinal de que a Opep mudará sua postura em relação à questão. A organização tem insistido para que outros produtores, particularmente os de óleo não convencional de xisto nos Estados Unidos, reduzam sua produção.

“A estratégia não vai mudar”, disse ele em uma conferência do setor de energia em Abu Dhabi.

Ao não reduzir a produção, “nós estamos dizendo ao mercado e a outros produtores que eles precisam ser racionais e, como a Opep, precisam observar o crescimento do mercado internacional de petróleo e precisam atender a esse crescimento com produção adicional”.

A Opep reúne 12 países, entre eles, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Irã, Iraque, Venezuela e Angola.

 

 

Da Reuters

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Francês é detido na Bulgária suspeito de vínculos com jihadistas de Paris

Da AFP

Suspeito disse que viajava com seu filho e sua companheira para passar férias em Istambul / Foto: AFP 

Suspeito disse que viajava com seu filho e sua companheira para passar férias em IstambulFoto: AFP

Um francês detido na Bulgária no dia 1º de janeiro por ter tentado viajar à Síria é suspeito de ter mantido vínculos com Cherif Kouachi, um dos autores do ataque contra a revista francesa Charlie Hebdo, anunciou o Ministério Público búlgaro nesta terça-feira.

A ordem de detenção emitida pela França contra Fritz-Joly Joachin menciona a acusação de “participação com um grupo criminoso armado cujo objetivo era organizar atos terroristas”, declarou Darina Slavova, procurador-geral de Haskovo (sul).

“Antes de partir no dia 30 de dezembro à Turquia, esteve várias vezes em contato com um dos dois irmãos, Cherif Kouachi”, afirma a ordem de detenção. Joachin, de 29 anos, de origem haitiana, foi detido com seu filho no dia 1º de janeiro, quando tentava cruzar a fronteira búlgaro-turca em um ônibus.

O Ministério Público de Haskovo havia afirmado inicialmente que era alvo de uma ordem de detenção europeia, depois que sua esposa o acusou de sequestrar seu filho de 3 anos para levá-lo à Síria e educá-lo nos princípios do Islã radical. O menino foi entregue à mãe.

O suspeito disse que viajava com seu filho e sua companheira para passar férias em Istambul. Na segunda-feira aceitou ser extraditado.

“Espero que toda a rede, se é que existe uma, venha à tona e que possamos contribuir para o trabalho das autoridades francesas”, declarou o ministro do Interior, Veselin Vuchkov, à rádio BNR. Segundo o ministro, “detectar e deter as pessoas que cruzam a Bulgária não é um problema”, desde que as autoridades sejam informadas.

“Centenas de cidadãos da UE, que carregam documentação perfeitamente válida, podem cruzar facilmente o território búlgaro para combater o grupo Estado Islâmico ou outras organizações terroristas, antes de retornar aos seus países sem problemas. Se não formos informados, é muito difícil fazer algo contra eles”.

A Bulgária possui uma fronteira com a Turquia de 275 km de comprimento.

 

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Em visita ao Sri Lanka, papa pede respeito aos direitos humanos

Da Agência Brasil

Papa destacou que a reconstrução passa pelo respeito aos direitos humanos, uma questão sensível no Sri Lanka / Foto: AFPPapa destacou que a reconstrução passa pelo respeito aos direitos humanos, uma questão sensível no Sri LankaFoto: AFP

O papa Francisco pediu nesta terça-feira (13) “respeito aos direitos do homem” e à “procura da verdade” no Sri Lanka, país devastado por décadas de guerra civil. Ele chegou ao país para visita de dois dias.

“O processo de recuperação precisa incluir a busca da verdade”, disse ao desembarcar no aeroporto de Colombo, a capital do Sri Lanka, que ainda luta para curar as feridas do conflito entre o Exército e a rebelião separatista Tamil derrotada em 2009.
“Todos os membros da sociedade devem trabalhar em conjunto, todos devem ter uma voz. Todos devem ser livres para expressar as suas preocupações, necessidades, aspirações e os seus medos”, acrescentou o papa.
Ele destacou que a reconstrução passa pelo respeito aos direitos humanos, uma questão sensível no Sri Lanka, uma vez que dirigentes do país se recusaram a cooperar com o inquérito da Organização das Nações Unidas sobre as denúncias de crimes de guerra cometidos contra civis no fim do conflito.
“A grande obra de reconciliação deve incluir a melhoria da infraestrutura e prover as necessidades materiais, mas também, e ainda mais importante, promover a dignidade humana, o respeito aos direitos do homem e a plena integração de todos os membros da sociedade”, declarou.
O papa foi recebido no aeroporto de Colombo pelo presidente Maithripala Sirisena, que acaba de assumir o governo e prometeu um inquérito independente sobre as acusações de crimes de guerra cometidos no governo do antecessor Mahinda Rajapakse.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

John Kerry anuncia encontros na capital francesa no fim de semana

Da Agência Brasil

Kerry anunciou ida à Paris após ataques da semana passada / Foto: AFPKerry anunciou ida à Paris após ataques da semana passadaFoto: AFP

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, anunciou nesta segunda-feira (12) que irá a Paris na quinta-feira (15) para encontros com as autoridades, depois dos ataques na semana passada.

“Vou viajar na quinta-feira e estarei lá parte do dia de sexta-feira”, disse aos jornalistas, durante visita à Índia.

Pelo menos 3,7 milhões de pessoas manifestaram-se nesse domingo (11), na França, contra o terrorismo, na sequência dos atentados ocorridos em Paris, segundo o Ministério do Interior francês.

Desde quarta-feira (14), foram registrados três incidentes violentos na capital francesa – incluindo um sequestro – que, no total, deixaram 20 mortos e começaram com o ataque ao jornal Charlie Hebdo.

Depois de dois dias em fuga, os dois suspeitos do atentado, os irmãos Said Kouachi e Cherif Kouachi, de 32 e 34 anos, foram mortos na sexta-feira, na sequência do ataque de forças de elite francesas a uma gráfica em Dammartin-en-Goële, nos arredores da cidade, onde eles se encontravam.

Na quinta-feira, foi morta uma agente de polícia municipal, ao sul de Paris. A polícia estabeleceu uma ligação entre os dois jihadistas autores do atentado ao Charlie Hebdo e o suspeito do assassinato.

Na sexta-feira, no fim da manhã, cinco pessoas foram mortas em um supermercado kosher (judaico) a leste de Paris, durante tomada de reféns, incluindo o autor do sequestro, em uma operação policial.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Nova York lança carteira de identidade para imigrantes ilegais

Da AFP

Nova York abriu nesta segunda-feira (12)um processo de inscrição para a retirada de documento de identidade por parte de imigrantes ilegais, uma iniciativa lançada pelo prefeito democrata, Bill de Blasio, para melhorar a situação de meio milhão de estrangeiros que vivem na cidade.

Todos os residentes com mais de 14 anos podem obter este documento municipal de identidade, que será aceito pela polícia de Nova York como prova de identificação, permitirá o acesso a todos os prédios públicos e dará outros benefícios, destacou a prefeitura.

Logo após assumir a prefeitura, em fevereiro de 2014, De Blasio garantiu que não deixaria “qualquer novaiorquino vivendo nas sombras” devido a sua “situação migratória”.

“O documento de identidade de Nova York não é apenas um carteira para todos os novaiorquinos; é uma porta aberta para os serviços da cidade, a chave para se abrir uma conta bancária ou obter um cartão de biblioteca…”, afirmou De Blasio.

“Esta identidade representa quem somos: novaiorquinos que valorizam a igualdade, a oportunidade e a diversidade”.

Em uma primeira etapa, a prefeitura abriu 17 centros de inscrição, nos distritos de Manhattan, Bronx, Queens, Brooklyn e Staten Island.

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Argentina proíbe banco de transferir dinheiro para o exterior

Da Folharess

O Banco Central da Argentina proibiu, por 30 dias, o banco HSBC de enviar dinheiro ou títulos a outros países. A medida foi tomada como represália a “irregularidades” que o governo encontrou em inspeções no banco, principalmente referentes a registro de operações de transferência.

Se o banco entregar os registros, volta a ser autorizado a enviar dinheiro ao exterior antes do prazo de 30 dias. A nota que o Banco Central argentino divulgou afirma que “concretamente, a entidade apresenta sérias irregularidades em matéria de integridade em registro e processamento de dados referentes a operações de transferência ao exterior”.

No fim do ano passado, a receita federal argentina fez uma denúncia contra o HSBC por supostamente ter feito manobras para esconder contas de clientes do fisco. A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, já acusou bancos de atuar no mercado do dólar paralelo, usando uma triangulação financeira com empresas no estrangeiro.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Recuperada segunda caixa-preta do avião da AirAsia

Da Agência Brasil

Caixa com os registros de voz foi encontrada e retirada do mar / Foto: AFPCaixa com os registros de voz foi encontrada e retirada do marFoto: AFP

As autoridades indonésias anunciaram nesta terça-feira (13) ter recuperado a caixa-preta com os registros de voz da cabine do avião da AirAsia, que caiu no Mar de Java há duas semanas com 162 pessoas a bordo.

“A caixa com os registros de voz foi encontrada e retirada do mar”, disse um responsável envolvido nas buscas, que pediu anonimato.

A caixa-preta com os registros do voo foi recuperada pelos mergulhadores nessa segunda-feira (12).

O Airbus A320-200 da companhia malaia de baixo custo decolou, em 28 de dezembro, da cidade indonésia de Surabaia com destino a Cingapura, onde deveria ter chegado cerca de duas horas depois, mas caiu no Mar de Java, com 162 pessoas a bordo, cerca de 40 minutos após a decolagem.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Anulada pena de três anos de prisão por corrupção a ex-presidente egípcio

Da Agência Brasil

Mubarak tinha sido condenado à prisão em maio do ano passado, depois de ter sido considerado culpado do desvio de mais de 100 mil libras egípcias / Foto: AFP 

Mubarak tinha sido condenado à prisão em maio do ano passado, depois de ter sido considerado culpado do desvio de mais de 100 mil libras egípciasFoto: AFP

Um tribunal egípcio aceitou nesta terça-feira (13) recurso apresentado pelo ex-presidente Hosni Mubarak e anulou a pena de três anos de prisão a que ele tinha sido condenado por corrupção. O tribunal determinou novo julgamento.

Mubarak tinha sido condenado à prisão em maio do ano passado, depois de ter sido considerado culpado do desvio de mais de 100 mil libras egípcias (cerca de 10 milhões de euros) destinadas à manutenção dos palácios presidenciais.

À época, foram também condenados a quatro anos de prisão os filhos do líder deposto, Alaa e Gamal.

Em novembro passado, o Tribunal Penal do Cairo retirou a acusação ao ex-presidente egípcio por cumplicidade na morte de manifestantes na revolução que o derrotou em 2011, sendo também absolvido de acusações de corrupção em um processo separado.

O regime de Mubarak, derrubado há quatro anos, vem sendo reabilitado pela opinião pública e a mídia.

O ex-presidente está em prisão domiciliar em um hospital do Cairo, cumprindo prisão preventiva desde que foi detido, em abril de 2011.

Mais de 846 pessoas foram mortas durante os 18 dias do levantamento popular em 2011.

Após a queda de Mubarak, o Egito viveu cerca de quatro anos de violência e instabilidade política. O Exército destituiu, em julho de 2013, o primeiro dirigente democraticamente eleito do país, o presidente islamita Mohamed Morsi.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.