EUA têm quase 2 mil mortos por coronavírus em 24 horas

Foram 1.939 mortes, o número mais elevado já registrado por qualquer país desde início da pandemia. EUA possuem mais de um quarto dos casos confirmados de Covid-19 em todo o mundo.

Por France Presse

Funcionários de saúde se preparam para receber pacientes no Maimonides Medical Center, em Nova York, na terça-feira (7) — Foto: Spencer Platt/Getty Images/AFP

Funcionários de saúde se preparam para receber pacientes no Maimonides Medical Center, em Nova York, na terça-feira (7) — Foto: Spencer Platt/Getty Images/AFP

Os Estados Unidos registraram 1.939 mortes pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo boletim da Universidade Johns Hopkins divulgado na noite desta terça-feira (7).

Este número diário de óbitos é o mais elevado para um país em todo o planeta desde o início da pandemia, e coloca os EUA com 12.844 mortes no total.

Os EUA respondem ainda por mais de um quarto dos casos declarados oficialmente de COVID-19 em todo o mundo: 398.185, sendo 29.609 apenas no último dia, segundo números atualizados da Johns Hopkins.

“Os Estados Unidos continuam fazendo mais testes do que qualquer outro país e acredito que isto contribui para que tenhamos mais casos” registrados, disse nesta terça-feira o presidente Donald Trump em sua coletiva diária sobre a crise, detalhando que foram feitos 1,8 milhão de testes no país.

“Sei muito bem que países muito povoados têm mais casos do que nós, mas não declaram isto”.

Desde meados da semana passada, os Estados Unidos registram mais de mil mortes por dia por Covid-19, apesar de medidas de isolamento para conter a epidemia.

O estado de Nova York é o principal foco da epidemia nos EUA, com quase 5.500 mortes e 140 mil casos, principalmente na cidade de Nova York, a capital econômica do país e que hoje está praticamente paralisada.

As autoridades estimam que 100 mil e 240 mil pessoas poderão morrer de Covid-19 nos Estados Unidos, mesmo se observados os protocolos de distanciamento social.

Segundo a Johns Hopkins, 82.020 pessoas já morreram de Covid-19 em todo o mundo. Os países com mais mortes são Itália (17.127), Espanha (14.045) e EUA.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Trump diz que suspenderá contribuição financeira dos EUA à OMS

Presidente reclamou que Organização Mundial da Saúde ‘estava errada’ e deu muita atenção à China. Ele também disse que seu país pode estar chegando ao topo da curva de contaminações e que 110 mil novos respiradores artificiais serão entregues em breve.

Por G1

O presidente dos Estados UnidosDonald Trump, disse nesta terça-feira (7) que vai suspender a contribuição de seu país à Organização Mundial da Saúde (OMS), acusando a instituição de mal desempenho na pandemia do novo coronavírus.

“Vamos suspender (o repasse) das quantias destinadas à OMS”, disse Trump, sem dar mais detalhes, durante entrevista coletiva, após escrever no Twitter uma mensagem contra a agência.

“A OMS estava realmente errada”, escreveu. “Por alguma razão, é amplamente financiada pelos Estados Unidos, mas muito focada na China. Vamos dar uma olhada mais de perto….Felizmente, rejeitei o conselho de manter nossas fronteiras abertas para a China desde o início. Por que nos deram uma recomendação tão errada?”, acrescentou.

Na coletiva, ele voltou a acusar a OMS de ter errado na forma de lidar com a pandemia. Segundo Trump, eles “perderam a oportunidade. Eles poderiam ter alertado meses antes”.

Logo após a entrevista, porém, o presidente baixou o tom, e negou que tivesse dito que vai retirar a ajuda financeira – apesar de ter feito a declaração na presença de jornalistas minutos antes. “Eu disse que vou dar uma olhada nisso”, desconversou.

Quando questionado, no entanto, sobre memorandos enviados por seu conselheiro comercial Peter Navarro em janeiro – nos quais este mencionava que o coronavírus poderia se tornar uma pandemia de grandes proporções e colocar em risco trilhões de dólares na economia e a saúde de milhões de pessoas – Trump disse que “não viu” os documentos até um ou dois dias atrás.

“Não os vi. Não procurei por eles também”, afirmou.

Respiradores

Ainda durante a coletiva desta terça, Trump disse que os Estados Unidos podem estar chegando ao topo da curva de contaminações, o que significaria que o número de casos começaria a diminuir em breve.

Ele disse que espera poder reabrir o país logo, concedendo autorizações para que estabelecimentos possam voltar a funcionar, mas ressaltou a importância da quarentena. Questionado sobre o que aprendeu com a experiência – já que no início parecia subestimar a seriedade da pandemia – Trump respondeu que “quase todos os países estão fechados, como nós” e que “se não fizessemos isso, teríamos perdido centenas de milhares de pessoas”.

Atualmente, os EUA são o país com mais casos no mundo – 386.800, segundo a universidade Johns Hopkins – muito à frente do segundo, a Espanha, que tem 140.511. Em número de mortes, porém, o país ocupa o terceiro lugar na lista (atrás de Itália e Espanha), com 12.291.

O presidente norte-americano disse ainda que o governo federal tem 8.675 respiradores artificiais em estoque para distribuir a estados que precisem, e que outros 110 mil serão entregues por fabricantes nas próximas semanas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Prefeito boliviano é preso por permitir festa que propagou coronavírus

Tiburcio Choque, de Patacamaya, foi acusado de ataque à saúde pública, perigo de destruição e quebra de deveres. Festa religiosa reuniu 600 convidados em março, quando eventos públicos com mais de 100 já estavam proibidos; uma pessoa morreu e seis ficaram doentes.

Por France Presse

O prefeito de uma cidade na Bolívia foi preso nesta terça-feira (7) por permitir uma festa religiosa no mês passado que se tornou o foco de contágio da Covid-19, com seis infectados e um morto.

O chefe da polícia de investigações de La Paz, Iván Rojas, informou que o prefeito Tiburcio Choque, da cidade de Patacamaya (sul de La Paz), foi acusado “pelos crimes de ataque à saúde pública, perigo de destruição e quebra de deveres “.

Tiburcio foi denunciado pelo Ministério Público por permitir uma festa religiosa de cinco dias (de 12 a 16 de março), na qual participaram cerca de 600 convidados de outras partes do país.

Na época da festividade, o governo boliviano havia determinado a suspensão de eventos públicos que reunissem mais de cem pessoas.

Patacamaya, com cerca de 23.000 habitantes, foi completamente isolada nesta terça-feira para evitar a disseminação do vírus.

Após o festival, uma pessoa morreu (o fotógrafo do evento) e outras seis foram infectadas pelo novo coronavírus, incluindo quatro paramédicos, que foram os primeiros a ter contato com os doentes.

A Bolívia registra 194 casos da COVID-19, entre os quais 14 mortos, e está há mais de duas semanas em quarentena, sem acesso terrestre ou aéreo.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Guiné Equatorial expulsará pastores brasileiros em meio a contenção da Covid-19

Evangélicos são acusados de celebrarem cultos não autorizados nos dias 3 e 4 de abril, em pleno alerta contra o coronavírus. Decreto dissolveu congregações e determinou que pastores serão expulsos sem possibilidade de retorno.

Por France Presse

Dois pastores evangélicos brasileiros serão expulsos da Guiné Equatorial, acusados de terem celebrado cultos não autorizados em suas congregações de fiéis, que serão dissolvidas, em pleno alerta pelo novo coronavírus no país, informou nesta terça-feira (7) o ministério da Justiça guinéu-equatoriano à AFP.

Os dois pastores “serão expulsos do território nacional quando as circunstâncias o permitirem, sem possibilidade de retorno”, havia anunciado no domingo um decreto presidencial.

A Igreja Universal do Reino de Deus e o Ministério da Libertação, da Saúde e da Profecia, duas congregações, que têm milhares de fiéis na Guiné Equatorial, celebraram cultos em 3 e 4 de abril, informou a Presidência.

“Com seus atos, eles (os pastores) se mostraram insensíveis com o destino de todos os cidadãos”, acrescenta o decreto, que determinou “a dissolução das duas igrejas”.

A Guiné Equatorial adotou medidas estritas para tentar impedir a propagação do novo coronavírus: fechamento de fronteiras e proibição de deslocamentos entre províncias.

Todas as escolas, assim como áreas de lazer permanecem fechadas.

A Guinea Equatorial registrou oficialmente 16 casos do novo coronavírus.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Robôs substituem estudantes japoneses em cerimônia de formatura afetada pelo coronavírus

Cada robô tinha o rosto de um aluno exibido em um tablet, com o formando conectado à máquina a partir de casa. Cerimônia foi realizada pela universidade de administração Business Breakthrough University, em Tóquio.

Por Reuters

O presidente da Business Breakthrough (BBT), Kenichi Ohmae, posa ao lado de robôs com Ipads, que ocupam os lugares de alunos em cerimônia de formatura, em Tóquio, no Japão, em 28 de março — Foto: BBT University/Handout via Reuters

O presidente da Business Breakthrough (BBT), Kenichi Ohmae, posa ao lado de robôs com Ipads, que ocupam os lugares de alunos em cerimônia de formatura, em Tóquio, no Japão, em 28 de março — Foto: BBT University/Handout via Reuters

Cerimônias de formatura no Japão têm sido canceladas por causa da pandemia de coronavírus, mas estudantes de uma das escolas do país conseguiram participar de uma festa remotamente, por meio de robôs e avatares.

Os robôs, chamados de “Newme” pela criadora ANA Holdings, foram vestidos em trajes de formandos e enviados para a cerimônia da universidade de administração Business Breakthrough University, em Tóquio.

Cada robô tinha o rosto de cada aluno exibido em um tablet, com o formando conectado à máquina a partir de casa. Um a um, os robôs controlados pelos estudantes se dirigiram para o palco para receberem seus diplomas.

“Eu acho que isso é realmente uma experiência nova, receber um diploma em uma área pública enquanto estou em um espaço privado”, disse Kazuki Tamura por meio de seu avatar ao receber o certificado.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

China tem primeiro dia sem mortes por novo coronavírus

Número diário de novas mortes vem caindo há semanas no país onde surgiu a epidemia de Covid-19.

Por France Presse

Voluntária utiliza spray desinfetante em bagagem um aluno em Bozhou, na província de Anhui, no leste da China, nesta terça-feira (7)  — Foto: AFP

Voluntária utiliza spray desinfetante em bagagem um aluno em Bozhou, na província de Anhui, no leste da China, nesta terça-feira (7) — Foto: AFP

China não registrou morte por Covid-19 nas últimas 24 horas, algo inédito desde o início da publicação de estatísticas sobre a epidemia do coronavírus em janeiro, informaram as autoridades de saúde nesta terça-feira (7).

O país asiático, onde o novo coronavírus, o Sars-Cov-2, surgiu no fim de 2019, informou sua primeira morte por Covid-19 no dia 11 de janeiro. Desde então, registrou 3.331 óbitos.

Porém, o número diário de mortes está caindo há semanas e na segunda-feira (6) ocorreu apenas uma morte.

Os novos casos de contágio na China continental também têm caído desde março, mas o país enfrenta uma segunda onda de infecções provocada por viajantes que chegam do exterior. Apenas nesta terça foram confirmados 32 novos casos de contágio desse tipo. A Comissão Nacional de Saúde afirma que o país registra mil ‘casos importados’.

Foram registrados 30 novos pacientes assintomáticos, o que eleva o total de infectados no país a 1.033.

O levantamento da universidade americana Johns Hopkins aponta que o novo vírus já atingiu 1,3 milhão de pessoas e já deixa 74,8 mil mortos.

Coronavírus: como são a febre, a tosse e a falta de ar

A maior parte dos casos de infeção e mortes na China ocorreu em Wuhan, capital da província de Hubei, no centro do país, onde surgiu a epidemia. Desde 23 de janeiro, a região de 11 milhões de habitantes enfrenta restritas regras de isolamento, o que, segundo pesquisadores, foi determinante para conseguir evitar 700 mil novos casos.

Pouco a pouco, regras que impõem restrições na circulação estão sendo flexibilizadas, mas, ainda assim, as autoridades recomendam que os moradores evitem deixar suas casas no intuito de conter uma nova onda de contaminação.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Japão declara estado de emergência em sete regiões por causa do coronavírus

Medida atingirá cerca de 44% da população japonesa. Governo também anunciou um pacote financeiro que prevê o investimento de 108 trilhões de ienes (cerca de R$ 5 trilhões).

Por G1

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, declarou nesta terça-feira (7) estado de emergência com duração inicial de um mês para Tóquio e outras seis regiões do país, como forma de combater a aceleração do número de casos de Covid-19. As medidas atingem quase 50 milhões de pessoas, o que equivale a 44% da população japonesa.

“Por considerar que existe o temor de que a situação afete gravemente a vida das pessoas e a economia (…) declaro o estado de emergência. Vamos suspender a medida quando tivermos certeza de que não é mais necessária”, afirmou Abe diante de um comitê parlamentar.

O estado de emergência não permite às autoridades japonesas impor um confinamento estrito como em outros países, mas oferece aos governadores regionais a possibilidade de insistir para que a população permaneça em casa e determinar o fechamento temporário dos estabelecimentos comerciais não essenciais.

“O mais importante agora é que cada cidadão mude nossas ações. Se cada um de nós puder reduzir o contato com outras pessoas em ao menos 70%, e idealmente 80%, deveremos ser capazes de ver o pico no número de infecções em duas semanas”, disse Abe em declarações televisionadas em reunião de uma força-tarefa do governo.

Além de Tóquio, são atingidas pelas medidas: a metrópole Osaka (oeste), Kanagawa, Saitama, Chiba, Hyogo e Fukuoka.

O Japão registra quase 4.000 casos confirmados e 80 mortes. Apesar de ser vizinho de China, berço do novo coronavírus, o país foi muito menos afetado até o momento pela pandemia de Covid-19 que a Europa ou Estados Unidos.

Porém, a contagem diária de novos casos aumentou consideravelmente na semana passada, principalmente em Tóquio e Osaka, pressionando o governo a tomar medidas mais duras.

Pacote financeiro

O governo japonês também anunciou um pacote financeiro que prevê o investimento de 108 trilhões de ienes (cerca de R$ 5 trilhões), o equivalente a cerca de 20% da produção econômica do país. O pacote é um dos maiores do mundo para aplacar a crise econômica deflagrada pela pandemia, superando os 11% do desempenho econômico dos Estados Unidos previstos para conter a crise, e os 5% da Alemanha.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Espanha tem alta no número de mortes por coronavírus após quatro dias em queda

Foram 743 óbitos por Covid-19 anunciados; país está em confinamento até o dia 25 de abril.

Por France Presse

Funcionários de um asilo em Guernica, na Espanha, em 2 de abril de 2020 — Foto: Vincent West/Reuters

Funcionários de um asilo em Guernica, na Espanha, em 2 de abril de 2020 — Foto: Vincent West/Reuters

A Espanha registrou 743 mortes em 24 horas por Covid-19, uma alta após quatro dias de redução do número, o que elevou a cifra global de vítimas fatais no país desde o início da pandemia a 13.798, de acordo com o balanço divulgado pelo ministério da Saúde nesta terça-feira (7).

O número de casos notificados também registrou uma leve alta e alcançou 140,5 mil. O país é o segundo mais afetado no planeta pela Covid-19 em número de mortos.

A evolução dos óbitos dos últimos dias é a seguinte:

  • Quinta-feira (2): 950
  • Sexta-feira (3): 932
  • Sábado (4): 809
  • Domingo (5): 674
  • Segunda (6): 637
  • Terça (7): 743

Ao falar sobre a queda de mortes no domingo, o ministro da Saúde, Salvador Illa, disse em entrevista coletiva que “os dados da semana confirmam que o confinamento está funcionando.

Desde a entrada em vigor do estado de emergência, os quase 47 milhões de espanhóis vivem confinados em suas casas. Estão autorizados apenas a irem trabalhar, na impossibilidade de fazê-lo de forma remota, ou sair para realizar atividades básicas, como comprar comida, ou remédios.

As medidas obrigatórias de confinamento foram prorrogadas, e os espanhóis precisam ficar em casa até o dia 25 de abril.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Pastor que chamou epidemia de ‘histeria’ morre após participar de carnaval

Landon Spradlin, de 66 anos, viajara para pregar no carnaval de Nova Orleans; pouco após compartilhar postagens criticando a mídia e comparando Covid-19 a gripe suína, era levado a hospital.

Por BBC

O pastor Spradlin (no meio, de boné) e Jean (no teclado) tocando durante o mardi gras — Foto: Arquivo pessoal

O pastor Spradlin (no meio, de boné) e Jean (no teclado) tocando durante o mardi gras — Foto: Arquivo pessoal

O pastor Landon Spradlin não estava preocupado com o coronavírus quando viajou a Nova Orleans, nos Estados Unidos, para pregar durante o mardi gras — o festival de carnaval celebrado em março na cidade americana. Um mês depois, Landon, de 66 anos, estava morto.

Após o festival, quando já tinha sintomas da doença, o pastor postou nas redes sociais sobre a “histeria” em relação à Covid-19. Em 13 de março, compartilhou no Facebook uma postagem em que as mortes por Covid-19 eram comparadas às da gripe suína e que trazia números falsos.

A postagem também sugeria que o presidente Donald Trump fora tratado de forma “desigual” pela mídia, na comparação com o ex-presidente Barack Obama, e que as notícias sobre a doença eram um complô para prejudicar a imagem de Trump. No mesmo dia, mais cedo, em uma coletiva de imprensa, o próprio presidente americano tinha dito algo parecido.

Agora, a família de Landon — mulher e cinco filhos — esperam que a pandemia causada pela covid-19 passe, para poderem realizar um velório em memória ao ente falecido.

Por enquanto, houve apenas um enterro no qual poucas pessoas compareceram, incluindo um guitarrista de blues que tocou ao lado do caixão.

“Ele amava rir, amava tocar guitarra”, lembra uma das filhas de Ladon, Jesse Spradlin. “Era o melhor homem do mundo.”

Pregação no festival

Há pouco mais de um mês, Landon, que tinha 66 anos, foi de carro com sua esposa Jean da casa deles na Virgínia para o Estado da Louisiana, a 1,5 mil km de distância.

Morto por covid-19, Landon deixou esposa, quatro filhas e um filho — Foto: Arquivo pessoal

Morto por covid-19, Landon deixou esposa, quatro filhas e um filho — Foto: Arquivo pessoal

Ele viu o mardi gras como uma oportunidade de, através da música, “salvar as almas de algumas das centenas de milhares de pessoas” que estariam nas ruas.

Duas de suas filhas, que vieram do Texas, também o acompanharam.

“Sua missão era ir a pubs, clubes noturnos e bares para tocar blues e se conectar com os músicos, falando do amor de Jesus”, conta a filha Jesse, de 28 anos.

“O mardi gras em Nova Orleans é como a Times Square em Nova York durante o ano novo”, diz ela. “É um mar de gente bebendo e festejando. Ele falou muito, riu. Estava à vontade.”

Spradlin tocava guitarra desde os quatro anos de idade e, em 2016, foi incluído no Hall da Fama do Blues de Virgínia. A religião, diz a família, o salvou o alcoolismo e do vício em drogas que o acometeram aos 20 e poucos anos.

Nos anos mais recentes, o pastor estava realizando o sonho de pregar através da música — e sua experiência difícil com drogas o tornava mais próximo de pessoas que se sentem tristes e excluídas, algo com o qual ele conseguia se identificar.

No mardi gras, a banda da família tocou em uma praça movimentada, sem perceber a ameaça à qual estavam expostos.

Eles não foram os únicos. Ainda que já tivesse passado um mês desde o primeiro caso confirmado de coronavírus nos Estados Unidos, o mardi gras foi adiante normalmente.

As autoridades locais agora acusam o governo americano de negligência e da falta de esforços coordenados para evitar novas contaminações.

Entre os casos suspeitos na Lousiania, estava Spradlin, mas exames apontaram resultado negativo para a covid-19. Foi quando postou nas redes sociais sobre a “histeria” em torno do vírus.

‘Eu apenas disse: você precisa chegar em casa. Mas ele não conseguiu’

Funeral do pastor foi bastante restrito e família pretende fazer um velório maior quando crise do coronavírus passar — Foto: Arquivo pessoal

Funeral do pastor foi bastante restrito e família pretende fazer um velório maior quando crise do coronavírus passar — Foto: Arquivo pessoal

Landon Isaac, 32, filho do pastor, me contou que ele e o pai haviam conversado e concordado sobre o que consideravam ser um frenesi irracional e um medo do vírus motivado, talvez, pelo ano eleitoral nos Estados Unidos.

“Quero destacar que papai não achava que era uma farsa, ele sabia que era um vírus real”, diz Landon Isaac.

“Mas ele publicou aquela postagem porque estava frustrado com mídia propagando o medo como principal forma de comunicação.”

Em meados de março, porém, a saúde do pastor Spradlin subitamente piorou. Ele e sua esposa decidiram fazer, mesmo assim, a longa viagem de volta para casa, de Nova Orleans à Virgínia.

“Falei com meu pai cinco minutos antes de ele desmaiar, na Carolina do Norte”, lembra o filho do pastor. “Posso dizer que percebi a respiração dele ficando ruim. Eu apenas disse: você precisa chegar em casa. Mas ele não conseguiu.”

Spradlin foi levado a um hospital na Carolina do Norte, onde descobriram que seus dois pulmões tinham sido fortemente afetados por uma pneumonia. Neste momento, seu teste para coronavírus também deu positivo.

Após oito dias em uma unidade de terapia intensiva (UTI), o pastor morreu.

“É como se papai fosse nossa coluna de apoio e alguém a derrubasse. Parece que o teto está caindo sobre todas as nossas cabeças agora”, lamenta Landon Isaac.

Por dias, Isaac e suas quatro irmãs tiveram que se comunicar com a mãe pela porta de vidro da casa dela. O pequeno funeral veio depois do fim da quarentena da esposa do pastor, Jean.

“Nunca pensamos que nosso pai fosse morrer por causa disso. Mas ele não era o tipo de pessoa a viver apenas de medo, deixando que sua alegria de vida fosse roubada”, diz Jesse Spradlin.

Polarização política e coronavírus

Ela diz que o pai desconfiava da mídia, o que contribui para o pouco caso que fazia dos perigos do coronavírus.

“Fiquei frustrada pela mídia ser muito pautada por uma agenda política — de todos os lados. Sinto que a questão do coronavírus se transformou em algo de ‘partido contra partido’, em vez de uma nação sob Deus”, diz ela.

Para Jesse, a polarização política, que atingiu também a mídia americana, torna difícil saber em que acreditar.

De fato, é impressionante como a opinião de cada americanos sobre a pandemia praticamente varia conforme sua posição política. Pesquisas mostram que os republicanos estão mais inclinados a pensar que há uma reação exagerada ao coronavírus; já os democratas, que a situação não está sendo levada a sério o suficiente.

Jesse sente que a magnitude da crise que tirou a vida de seu pai indica que estas disputas não podem mais continuar assim.

“Ainda há muitas notícias pautadas por uma agenda política, mesmo que as pessoas estejam morrendo”, diz ela.

“Isso está afetando nosso país e, a menos que comecemos a agir como uma nação, não encontraremos realmente uma solução. Mas, para que isso aconteça, é necessária uma certa humildade.”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Tigre tem teste positivo para coronavírus em zoológico de Nova York

De acordo com o ‘The New York Times’, esta pode ser a primeira infecção do vírus em um animal nos EUA e também a primeira em um tigre no mundo.

Por G1

Nadia, uma tigresa malaia de 4 anos, no Zoológico do Bronx, em Nova York, em imagem se data; a instituição informou, em 5 de abril de 2020, que o animal testou positivo para o novo coronavírus (Sars-CoV-2) — Foto: Reuters

Nadia, uma tigresa malaia de 4 anos, no Zoológico do Bronx, em Nova York, em imagem se data; a instituição informou, em 5 de abril de 2020, que o animal testou positivo para o novo coronavírus (Sars-CoV-2) — Foto: Reuters

Um tigre de 4 anos testou positivo para o coronavírus Sars-CoV-2 no zoológico do Bronx, em Nova York. Esse pode ser o primeiro caso de infecção pelo vírus em um animal nos Estados Unidos e também o primeiro em um tigre no mundo, de acordo com o “The New York Times”.

A fêmea Nádia passou a apresentar alguns sintomas em 27 de março. De acordo com o zoológico, o animal está em recuperação e estável. O local está fechado para visitantes desde 16 de março.

Segundo o Laboratório Nacional de Serviços Veterinários dos Estados Unidos, outros leões e tigres também apresentaram sintomas respiratórios no zoológico.

“Embora eles tenham tido uma diminuição do apetite, os felinos no zoológico do Bronx estão se saindo bem sob os cuidados veterinários e estão sendo brilhantes, em alerta e interativos com seus criadores. Não sabemos como a doença se desenvolverá em grandes felinos, já que espécies diferentes podem reagir de forma diferente às novas infecções, mas continuaremos o monitoramento de perto”, disse um comunicado do zoológico.

Infecção em cachorro

Em 28 de fevereiro, exames em um cão em Hong Kong também detectaram a presença de coronavírus, de acordo com um porta-voz do Departamento de Agricultura, Pesca e Conservação do território semiautônomo da China.

Os níveis detectados no cachorro eram baixos, e o animal não apresentou sintomas. Ainda não está claro se o vírus do animal pode infectar humanos.

Além disso, novos exames adicionais serão feitos para comprovar se o cão está realmente infectado pelo vírus ou se o resultado do exame se deve à contaminação ambiental do nariz e boca do animal.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.