Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Náutico: Elicarlos esquece derrota e foca no Avaí

19uuureueuuwerwertg5hb6y65yhj_05-26-2014Neste momento é o melhor mesmo a se fazer. O Náutico não tem muito tempo para ficar lamentando a derrota por 2×0 sofrida neste sábado para o Paraná, em Curitiba, pois a Série B está nas últimas rodadas antes da parada para a Copa do Mundo.

Diante dos catarinenses na próxima terça-feira, o Timbu voltará ao estádios dos Aflitos, sua antiga casa até a mudança para a Arena PE. O volante Elicarlos conhece bem o estádio, afinal, defendeu as cores alvirrubras também na época que o Eládio de Barros Carvalho recebia os jogos do alvirrubro.

“Temos que pensar no jogo contra o Avaí nos Aflitos. Vamos ter o apoio da nossa torcida que vai lotar a nossa casa”, falou. Sobre o revés sofrido para o Tricolor da Vila, o meio campista disse que era uma boa oportunidade de somar pontos em casa já que o Paraná não tem uma grande equipe.

“Tínhamos que somar pontos aqui mas infelizmente não deu. o árbitro nos prejudicou, foi muito mal, não teve critério. Mas a Série B está muito equilibrada e vamos ver aonde erramos para vencer no próximo jogo”, comentou.

 

 

 

Blog do Torcedor

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Carcará fatura precioso ponto

O Salgueiro voltou com um importante resultado, neste domingo, do Estádio Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso. Se o Carcará não conseguiu a segunda vitória na competição, conquistou um importante ponto no empate sem gols contra o Cuiabá-MT, em jogo válido quinta rodada da Série C do Campeonato Brasileiro.

Não bastasse o bom resultado fora de casa, o Salgueiro, em oitavo lugar, com cinco pontos, foi beneficiado pela derrota do Águia-PA por 3×1 para a ASA-AL. O tropeço deixou os paraenses na vice-lanterna, com quatro pontos. O último colocado do Grupo A é o CRB-AL, que foi no 0x0 contra o Fortaleza, no sábado.

Ontem, com importantes defesas, o goleiro Luciano foi o grande destaque do Carcará. Do início ao fim, foi ele quem salvou o Carcará de um novo tropeço na Série C. “Essa semana foi muito boa. Trabalhamos bem e agora conseguimos levar o ponto para Salgueiro. O time está em crescente na competição. Agora, diante da ASA, vamos buscar os três pontos para ficarmos no G4 durante essa parada da Copa”, destacou o camisa 1 sertanejo.

JOGO

O primeiro tempo foi marcado pela superioridade do Cuiabá. Sem deixar o Salgueiro jogar, o time da casa ditou o ritmo da partida.

Para não dizer que o Dourado foi perfeito, faltou mais calma na hora da finalização para ter feito o gol. Aos 17, a bola só não entrou porque o goleiro Luciano fez uma bela defesa na cabeçada de Elionar Bombinha.

No segundo tempo, o Salgueiro voltou melhor, chegou a assustar o adversário, mas também falhou na hora de finalizar. As entradas de Kássio e Kyros contribuíram para a melhora do futebol salgueirense.

No finzinho, aos 40, Luciano salvou novamente, mostrando que era o dono do jogo e grande responsável pelo importante ponto conquistado.

 

 

Do JC Online

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Torcidas organizadas do Corinthians proibidas na Ilha do Retiro

O presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF) baixou ato proibindo a presença de torcidas organizadas do Corinthians no jogo contra o Sport, marcado para domingo (25), na Ilha do Retiro, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. De acordo com o documento, o dirigente atendeu a uma solicitação da Polícia Militar. Lembrando que o veto à Torcida Jovem do Sport continua valendo.

No ato, o veto vale para integrantes que apareçam no estádio caracterizados como integrantes de facções, como faixas e bandeiras. A decisão será encaminhada à CBF, Federação Paulista de Futebol e órgãos de Segurança do Estado e Ministério Público de Pernambuco para que auxiliem na fiscalização.

Torcidas organizadas do Corinthians proibidas na Ilha do Retiro from Portal NE10
Do Blog do Torcedor

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Santa tenta dar um fim aos empates diante do líder

19uuuuwduewufweufwufwufwuwftt767kApenas dois quilômetros e duzentos metros separam o estádio do Arruda do Eládio de Barros Carvalho, que pertence ao Náutico e será palco de Santa Cruz x América Mineiro, pela 7ª rodada da Série B. Na prática, bem próximos, mas o agravante de não ter a tão apaixonada torcida vai fazer falta ao time que tentará acabar com a síndrome dos empates que o acomete desde o começo da competição. E num jogo emblemático, afinal quem está do outro lado é o atual líder da Segundona, com 16 pontos. O tricolor, com os seis pontos dos seis empates nos seis jogos, ocupa a 14ª colocação.

O jogo será de portões fechados por causa da punição de cinco partidas sem torcida, imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O time pernambucano foi responsabilizado pela morte do torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva, atingido por um vaso sanitário atirado por três torcedores corais depois do jogo contra o Paraná, no dia 2 de maio. Os acusados estão presos e o castigo do Santa ainda terá mais três jogos.

O técnico Sérgio Guedes, que elogiou a atitude dos comandados no jogo com o Oeste, em Itápolis, não divulgou a escalação, mas a tendência é que aqueles 11 jogadores sejam mantidos. A única dúvida fica para o atacante Pingo. Com um desgaste acima da média, foi poupado no último treino. “A tendência é manter a mesma escalação. Mas ainda vou esperar uma revisão por parte dos fisiologistas, pois a minha preocupação é em relação ao desgaste físico de alguns jogadores. O que podemos ter é uma mudança tática, uma variação para confundir o adversário”, destacou Guedes.

NATAN – O reforço de Natan para o grupo de relacionados a grande expectativa para esse jogo, mas o jogador voltou a reclamar de dores na coxa esquerda durante o recreativo e fará um exame de imagem para avaliar a lesão. O atleta voltara aos trabalhos com o grupo na segunda-feira depois de dois meses recuperando-se de uma lesão na coxa direita. Os constantes problemas musculares atrapalham a carreira do jogador desde 2012. O último jogo dele na atual temporada foi no dia 27 de março, no empate por 1×1 com o Sport, no Arruda.

AMÉRICA – O técnico Moacir Júnior também faz segredo sobre o time que jogar no Recife. Ele ganha duas opções: Andrey Girotoo (volante) e Ricardinho (atacante).

Ficha do jogo:

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Nininho, Everton Sena, Renan Fonseca e Renatinho; Sandro Manoel, Memo, Danilo Pires e Carlos Alberto; Pingo e Leo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

América-MG: Matheus; Elsinho, André, Vitor Hugo e Gílson; Leandro Guerreiro, Pablo (Mancini), Andrey Girotto e Willians; Ricardinho e Obina. Técnico: Moacir Júnior.

Local:Aflitos. Horário: 19h30. Árbitro: Rodolpho Marques (PR). Assistentes: Ivan Bohn e Adair Mondini (ambos do PR). Ingressos: jogo de portões fechados.

 

 

 

Blog do Torcedor

 Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Desperdício do bom primeiro tempo custa caro ao Sport diante do Cruzeiro

19uuuuwerfuewuvuweuwugburreibieibie_05-22-2014O Sport perdeu uma grande chance de proporcionar uma bela homenagem ao goleiro Magrão no seu jogo 500. Contra o Cruzeiro, na noite desta quarta-feira, no Mineirão, pela sexta rodada do Brasileirão, o Leão fez um grande primeiro tempo e ficou muito próximo de abrir o placar – na verdade chegou até a marcar, mas o árbitro anulou de maneira equivocada por considerar falta no lance. O Rubro-negro, porém, desperdiçou o bom momento e pagou o preço de jogar uma Série A. Nem chegou a ceder tantos espaços para Raposa, mas vacilou o suficiente para perder por 2×0. Ricardo Goulart e Marcelo Moreno marcaram os gols dos mineiros.

A derrota, por mais dolorida que seja, não simboliza o fim do mundo para os leoninos. É aquele típico jogo em que se espera uma derrota. Importante lembrar que o Sport enfrentou o atual campeão brasileiro fora de casa. Resta aos rubro-negros juntarem os pontos positivos desta partida e focarem o próximo adversário, o Corinthians, na Ilha do Retiro. Este jogo sim dá para pensar em vitória e sair da 12ª posição com sete pontos. A Raposa comemora não só a vitória como a liderança com 13.

O JOGO – O grande trunfo do Sport para fazer o bom primeiro foi a boa marcação. Os leoninos conseguiram adiantar bem a linha de desarme e dificultar as principais jogadas do Cruzeiro, que pouco agrediu não só na primeira etapa como durante todo os 90 minutos. Além disso, o Rubro-negro teve tranquilidade para tocar bem a bola até o ataque, mesmo quando estava em desvantagem no placar. Por conta disso, teve mais posse de bola e surpreendeu a Raposa, que foi vaiada no intervalo.

Apesar da boa apresentação, faltou maior poder de finalização ao Sport. Os atacantes dos visitantes exigiram pouco do goleiro Fábio, salvo alguns chutes de longa distância – a melhor chance foi de Neto Baiano após giro na entrada da área. A maioria das conclusões foram travadas pelos cruzeirenses, que conseguiram chegar mais à meta de Magrão.

O gol do Cruzeiro, marcado por Ricardo Goulart, aos cinco minutos do segundo tempo, desequilibrou o Leão, que afrouxou a marcação. Isso não significa que os mineiros fizeram um bombardeio, pelo contrário. Todavia, como possuem maior competência, chegaram ao segundo gol com Marcelo Moreno, aos 20. Esse é o grande diferencial da Série A. Não basta fazer uma boa apresentação durante parte do jogo. É preciso estabilidade durante todos os 90 minutos para sair vencedor de uma partida do Brasileirão. Caso contrário, o adversário aproveita os vacilos e sai com a vitória. Foi assim nesta noite, infelizmente para os leoninos.

FICHA DA PARTIDA – CRUZEIRO 2X0 SPORT

Cruzeiro: Fábio; Mayke, Léo, Bruno Rodrigo e Egídio; Henrique, William Farias e Ricardo Goulart (Souza); Everton Ribeiro (William), Dagoberto (Luan) e Marcelo Moreno. Técnico: Marcelo Oliveira.

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê; Rithely, Mancha e Augusto (Mike); Renan Oliveira (Felipe Azevedo), Leonardo (Aílton) e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Brasileirão (6ª rodada). Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG). Árbitro: Felipe Gomes da Silva (PR). Assistentes: Bruno Boschilia (PR) e Rafael Trombeta (PR). Gols: Ricardo Goulart (C) aos 5 e Marcelo Moreno (C) aos 31 minutos do segundo tempo. Amarelos: não houve. Público: 15.067 Renda: R$ 403.720.

 

 

 

Blog do Torcedor

Foto: Site oficial do Cruzeiro

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Náutico arranca vitória de virada nos minutos finais

19iiiwiwfiwifwifwiefiewfweftyjmiokçuk_05-21-2014O Náutico sofreu com a retranca da Portuguesa mas arrancou a vitória no final do jogo desta terça-feira (20), na Arena Pernambuco, pela sexta rodada da Série B. Os três pontos foram conquistados com um gol de Vinícius aos 42 do segundo tempo, que alçaram o timbu para o sétimo lugar com oito pontos. Para se ter uma ideia do quanto foi importante vencer, quando a partida estava 1×0 para a Lusa, o Náutico chegou a ser o 16º colocado.

Parecia que era a Portuguesa quem estava de técnico novo. O time visitante foi ousado para quem estava tão baixo na classificação. Quando o Náutico trocava passes laterais à exaustão em seu campo defensivo, os rubro-verdes partiam para tentar tomar a bola. Numa dessas, Rudnei conseguiu ganhar de Flávio e entrou na área. Alessandro saiu atabalhoado para afastar com os pés. E como os pés não são seu forte ele deixou a bola passar e acertou o pé do adversário. Não tinha como o árbitro Cláudio Francisco não marcar pênalti.

O prejuízo não foi maior porque o grandalhão não estava na direção do gol. Romão foi para a cobrança e mandou alto, sem chance de defesa para o goleiro timbu. O gol precoce deixou os pernambucanos baratinados. Acertar três passes seguidos era difícil e o Náutico custou para sair de seu campo de defesa. Também seria injusto não citar a forte marcação da Lusa no meio de campo.

Pode-se dizer que os alvirrubros só conseguiram entrar em campo depois dos 20 minutos, muito por conta das jogadas individuais de Leleu. Sempre partindo da lateral direita para o meio, o camisa 11 era o único a confundir a defesa adversária. Como não teve seu companheiro Marcelinho no mesmo ritmo, transformou-se num exército de um homem só.

Para se ter ideia da aversão a Marcelinho, o camisa 9 tentou atirou-se ao chão numa tentativa de cavar pênalti aos 33 minutos. Pela atitude antidesportiva tomou o cartão amarelo. A torcida aplaudiu a atitude do juiz. Para piorar a situação do desafeto das cadeiras – já que não existem arquibancadas na Arena Pernambuco – a melhor chance de gol saiu dos pés de um zagueiro fazendo o papel de camisa 9. Aos 28, Vinícius cruzou da direita e Flávio, sozinho, mandou para fora. Pudera, a bola tocou em sua canela. Um pouco antes, Leleu mandara no canto esquerdo e Gledson desviou.

A essa altura, a Portuguesa já jogava como vice-lanterna. Alinhou nove jogadores de linha à frente da área e passou a espanar bola para frente. Romão que se virasse no meio da zaga timbu. Diante desse impasse, ninguém conseguiu sobrepujar ninguém e o palcar dos seis minutos ficou até o apito inicial.

A maneira que o timbu voltou para o segundo tempo mostrou o tamanho da insatisfação do técnico Sidney Moraes com o que vira nos 45 minutos anteriores. Saíram Flávio por contusão, Yuri e Marcelinho por não renderem o esperado e entraram, respectivamente, William Alves, Paulo Júnior e Rodrigo Careca. Mais do que a troca por atacado, contribuiu decisivamente para a pressão imposta pelo Náutico a postura passiva da Portuguesa.

A equipe de São Paulo não teve nenhuma vergonha de ficar lá atrás rifando a bola até que o tempo se esgotasse. O Náutico dominava o território amplamente. Mas isso estava longe de traduzir-se em chances de gols. Faltava mesmo ao time a velocidade tão pedida por Sidney. E sua ausência era sentida nas duas formas: velocidade do jogo e da condução da bola.

O que precisa ser entendido é que isso não aconteceu por deficiência, mas sim pelas características dos jogadores disponíveis. O trio de volantes que começou como titular pouco saem verticalmente. São atletas de destruição e entrega para quem estiver mais próximo iniciar a jogada. Vinícius, que conduz a bola, não tem a explosão de um Zé Mário, por exemplo. Quem corre bem com a bola é Leleu, mas sem alguém que faça correr rápdio por perto o efeito é quase inócuo. O que sobraria? Bola parada. E numa delas, William Alves empatou o jogo aos 12 minutos ao subir no terceiro andar e escorar a cobrança de escanteio de Vinícius.

Apesar do jogo voltar à igualdade, os dois times não conseguiram fazer algo diferente até os minutos finais. Quando conseguiu impor velocidade, o timbu conseguiu a virada. Leleu voltou para a frente da área e Careca projetou-se no espaço vaizo. Recebeu a bola dentro da área, passou por Gledson e cruzou para a pequena área. Vinícius subiu bem e cabeceou para fazer 2×1. A Portuguesa, que já sofria para manter o 1×1 não encontrou forças para tentar igualar.

Ficha do jogo:

Náutico: Alessandro; Rafael Cruz, Leonardo, Flávio (William Alves) e Raí; Dê, Elicarlos, Yuri (Paulo Júnior) e Vinícius; Leleu e Marcelinho (Rodrigo Careca). Técnico: Sidney Moraes.

Portuguesa: Gledson; Arnaldo, Wagner, Luciano Castán e Eduardo; Renan, Rudnei, Gabriel Xavier (Régis) e Allan Dias (Maicon); Romão (Caion) e Serginho. Técnico: Gérson Sodré (interino).

Série B (6ª rodada). Local: Arena Pernambuco. Árbitro: Claudio Francisco Lima E Silva (SE). Auxiliares: Ricardo Aragão Lima de Melo (SE) e Victor Oliveira Cruz (SE). Gols: Romão, aos seis do primeiro. William Alves, aos 12; e Vinícius, aos 42 do segundo tempo. Cartões amarelos: Marcelinho, William Alves, Eduardo, Serginho e Gledson.

 

 

 

Blog do Torcedor

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Não é replay: Santa Cruz empata em Itápolis

19iiiiifiwefiweifwieifbiwbigibthr_05-21-2014Pela sexta vez na Série B o torcedor do Santa Cruz vai ler uma matéria sobre empate. O tricolor fez 1×0, tomou um gol dois minutos depois e ninguém mais conseguiu vencer os goleiros. O resultado deixou o time com seis pontos, um pouco mais distante da zona de rebaixamento mas sem superar a síndrome da igualdade, que o acomete desde a primeira rodada, diante do ABC.

Sérgio Guedes optou por um concentrado de meio de campo. A Sandro Manoel e Danilo Pires adicionou Memo. O Santa criou uma muralha vermelha, preta e branca. O Oeste tocava para um lado, tocava para o outro e nada. Tricolores chegavam junto, não davam espaço e Tiago Cardoso era um mero espectador em seu jogo 150. Quando tinha a bola o Santa queria ser rápido. Tão rápido que ‘queimava’ o setor de criação. A bola saía direto da defesa para o ataque. Quando chegava aos pés do único meio-campista, Carlos Alberto aconteciam duas situações diferentes. Se a jogada fosse pelo meio ele era desarmado pelo abuso de drible. Pelos lados a situação melhorava.

Não se pode ser tão duro com o técnico porque é a característica do time, principalmente do homem-chave, Leo Gamalho. Ele não tem a explosão de um Caça Rato, por exemplo. Mas sabe jogar de costas para o gol, é bom no jogo aéreo e sabe servir. As três características uniram forças aos 18 minutos. Renatinho levantou na área e o camisa nove estava de costas para o gol, saltou para o usar a cabeça e servir o companheiro que estava ao seu lado. Era o zagueiro Everton Sena, que ficara na área após o escanteio, cobrado segundos antes. Talvez por ser de defesa, Sena não ganhou a companhia de nenhum adversário, bem diferente de Gamalho, que tinha logo dois.

Foi um erro fatal. Everton recebeu de Leo e chutou forte, no canto direito de Paes. Usando sua melhor arma, o time pernambucano saía na frente. Mas a felicidade não durou muito. O Oeste bateu o centro – ou reiniciou o jogo para quem gosta de uma linguagem mais pomposa – e foi logo para cima. Serginho sofreu falta. Dênis foi para a cobrança e mandou tão no ângulo que a bola ainda resvalou na trave antes de entrar. Computando toda demora pós-falta foram dois minutos de hiato entre um gol e outro.

Parecia que estava no roteiro, os gols quase gêmeos. Depois da igualdade, voltou tudo a ser como antes: O Santa marcando ferozmente e os rubro-negros paulistas esbarrando nessa marcação. Quando tomavam a iniciativa, os pernambucanos procuravam Leo Gamalho nos lançamentos longos. Num deles, através de cobrança de escanteio, César Gaúcho puxou a bola da camisa de Leo Gamalho. O camisa nove ainda conseguiu concluir a cabeçada, mas completamente torta. Os donos da casa responderam com chutes rasteiros de Diego Acosta e Nando. O primeiro parou nas mãos de Tiago Cardoso. O segundo encontrou o desvio de Renan antes de passar raspando a trave.

Apenas duas diferenças foram notadas na volta para o segundo tempo. O Oeste veio com Fernandinho no lugar de Nando e os dois times inverteram o campo que defendiam. De resto, tudo como antes. O Oeste fazendo de tudo para transpor a boa marcação coral e o Santa alugando as laterais do campo para cruzar bolas na cabeça de seu principal atacante.

Como tinha um pouco mais de posse de bola no campo de ataque, o tricolor deixou a retaguarda um pouco descoberta e passou a correr riscos de contra-ataque. No primeiro deles, Lelê, que deve defender os corais dentro em breve, perdeu uma chance incrível, aos 16. Recebeu cruzamento da direita, dominou e quase na marca do pênalti chutou forte. Só que do outro lado Tiago Cardoso esticou a perna esquerda para defender.

O goleiro sesquicentenário voltou a trabalhar aos 28, com o gradual aumento de liberdade no meio de campo coral. Sabem por que? Sérgio Guedes quis mais ofensividade e sacrificou o terceiro volante, Danilo Pires, para ter um terceiro atacante, Flávio Caça Rato. O ganho em em ofensvidade não compensou a perda defensiva. Lelê recebeu lançamento e ajeitou para Serginho soltar a bomba.

O jogo ganhou aquele ar de ‘tudo pode acontecer’. Mas faltou qualidade para o Santa Cruz acertar o passe final e competência para o Oeste superar Tiago Carodoso.

Ficha do jogo:

Oeste: Paes; Alex Silva, César Gaúcho, Henrique Matos e Dênis (Élton Luís); Leandro Melo, Nando (Fernandinho), João Denone e Serginho; Diogo Acosta (Borebi) e Lelê. Técnico: José Macena.

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Nininho, Everton Sena, Renan Fonseca e Renatinho; Sandro Manoel, Memo, Danilo Pires (Flávio Caça Rato) e Carlos Alberto; Pingo e Leo Gamalho (Betinho). Técnico: Sérgio Guedes.

Local: Estádio dos Amaros, em Itápolis (SP). Árbitro: Bráulio Machado (SC). Assistentes: José Larroyd e Josué Lamim (ambos de SC). Gols: Everton Sena, aos 18 e Dênis, aos 20 do primeiro tempo. Cartões amarelos: Henrique Matos, Lelê, Dênis, João Denone e Flávio Caça Rato.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Vencer é importante, mas jogo 500 de Magrão pelo Sport é o atrativo do duelo contra o Cruzeiro

19iiiiifwiwifiwiefgwifibifbfwÉ claro que o resultado da partida entre Cruzeiro e Sport, nesta quarta-feira, no Mineirão, pela sexta rodada do Brasileirão, tem a sua importância. Afinal, o Leão, que está em décimo com tem sete pontos, pode ficar mais perto do G4 da competição se vencer a Raposa – vice-líder com dez. No entanto, existe outro foco em particular neste jogo: os 500 jogos do goleiro Magrão pelo Rubro-negro. São aproximados 45 mil minutos de serviço ao Sport para serem comemorados. Logo, existe um personagem que chamará a atenção durante todo o jogo. É dia de celebrar Magrão. Se a vitória vier, melhor ainda para o arqueiro que renovou o seu contrato até o fim de 2015.

Para conseguir a festa completa para um dos principais ídolos rubro-negros, o técnico Eduardo Baptista optou por não apostar em grandes surpresas. Em relação ao time que venceu o Coritiba, a única mudança é a entrada de Ewerton Páscoa no lugar de Rithely. O restante da equipe é o mesmo. Eis o time: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê; Rodrigo Mancha, Ewerton Páscoa, Augusto César e Renan Oliveira; Leonardo e Neto Baiano.

Com a manutenção dessa formação, espera-se que o Sport tenha mais equilíbrio como time e possa atacar e se defender com competência. A escalação pode indicar um time com três volantes e mais recuado, mas é provável que o Leão mantenha o 4-3-3 da temporada com Augusto na armação e Renan Oliveira aberto pelos lados do campo junto com Leonardo.

“O time do Cruzeiro é de extrema qualidade. Eles têm vários pontos de desequilíbrio e temos que tentar anulá-los. Não podemos ficar só na marcação e ficarmos muito expostos. Temos que tentar agredir um pouco, marcar no campo deles e ter mais posse bola”, disse Baptista que com certeza está preocupado de enfrentar o melhor ataque do Brasileirão, com dez gols.

CRUZEIRO – Vinda de vitória na última rodada, a Raposa quer emplacar sua segunda vitória seguida e assumir a ponta da competição nacional. O técnico Marcelo Oliveira promoverá mudanças em relação ao último confronto. Com lesão no joelho direito, Dedé dá lugar a Léo, já por opção do comandante, Mayke entra na lateral direita no lugar de Ceará e Marcelo Moreno fica com a titularidade ao invés de Borges que anotou um dos gols da vitória contra o Coxa.

FICHA DA PARTIDA – CRUZEIRO X SPORT

Cruzeiro: Fábio; Mayke, Léo, Bruno Rodrigo e Egídio; Henrique e Nilton, Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart e Dagoberto; Marcelo Moreno. Técnico: Marcelo Oliveira

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê; Rodrigo Mancha, Ewerton Páscoa, Augusto César e Renan Oliveira; Leonardo e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Brasileirão (6ª rodada). Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG). Horário: quarta-feira, às 21h. Árbitro: Felipe Gomes da Silva (PR). Assistentes: Bruno Boschilia (PR) e Rafael Trombeta (PR).

 

 

Blog do Torcedor

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport só vai jogar as duas partidas do TCN na Arena Pernambuco no segundo semestre, diz diretoria

Tendo que cumprir o contrato com o Todos com a Nota, o Sport só vai jogar na Arena Pernambuco no segundo semestre deste ano. É o que garante o o vice-presidente jurídico do clube, Arnaldo Barros. “A gente não tem nada definido ainda. A nossa definição depende de como vamos terminar esta primeira parte do Brasileirão”, disse.

Segundo Barros, existem correntes no Leão que defendem que o Sport faça na arena os jogos mais importantes da Série A e outros grupos que querem partidas de menos apelo de público. Todavia, nem essa definição existe.

O Sport tem que fazer no mínimo dois jogos desta temporada na Arena Pernambuco por conta de contrato que existe com o TCN. No ano passado, o Rubro-negro encarou o Libertad, do Paraguai, pela Sul-Americana, e o ASA, pela Série B.

 

 

 

Blog do Torcedor

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Além da vitória contra a Lusa, Náutico busca tranquilidade para o começo do trabalho de Sidney

Claro que uma vitória não apaga todos os problemas de um time de futebol. No entanto, no caso do Náutico, ela poderia trazer muita tranquilidade para um grupo que viveu dias turbulentos recentemente com a troca de comando técnico (saiu Lisca para a chegada de Sidney Moraes) e a saída do volante Zé Mário, considerado um dos melhores jogadores do time até então. Logo, bater a Portuguesa, nesta terça-feira, na Arena Pernambuco, pela sexta rodada da Série B, vale muito mais do que os simples três pontos. O Alvirrubro é o novo com cinco pontos e um jogo a menos.

Com a vitória, Sidney poderia ter um ambiente mais adequado no seu início de trabalho no Timbu. Além disso, teria tempo, e moral, para arrumar o time, pelo menos até a parada para a Copa do Mundo. Para conseguir isso, procurou não fazer tantas mudanças no time titular. A única novidade é a entrada de Rafael Cruz na lateral direita. O restante do time é a base que Lisca vinha utilizando. Eis a escalação: Alessandro; Rafael Cruz, Leonardo Luiz, Flávio e Rai; Dê, Elicarlos, Yuri, Vinícius e Leleu; Marcelinho.

Um trunfo que Sidney pode ter a seu favor no primeiro jogo no comando do Náutico é o tempo extra que teve para trabalhar devido ao adiamento do jogo contra o Vasco, que deveria ocorrer no último sábado. Com esses dias a mais, o treinador pôde conhecer um pouco o elenco alvirrubro, o que já facilitará em muito o seu trabalho no banco de reservas na partida contra a Lusa.

Apesar disso, é muito provável que o Timbu de Sidney ainda tenha muito do time montado por Lisca. É algo até natural devido ao tempo de trabalho do técnico anterior. Ainda assim, é esperada algum tipo de mudança na nova fase do Náutico. Espera-se pelo menos que os jogadores estejam mais empolgados com o novo comandante e demonstrem maior empenho no gramado.

PORTUGUESA – Se o Náutico ainda passa por ajustes por causa do novo treinador, a situação é ainda pior no lado da Portuguesa, que vem para esta partida com um técnico interino, Gérson Sodré. Na penúltima posição da Segundona com apenas dois pontos, a Lusa vem com time indefinido para este duelo. Um desfalque certo é o atacante Caio, vetado pelo departamento médico.

FICHA DA PARTIDA – NÁUTICO X PORTUGUESA

Náutico: Alessandro; Rafael Cruz, Leonardo, William Alves e Raí; Dê, Elicarlos, Yuri e Vinícius; Leleu e Marcelinho. Técnico: Sidney Moraes.

Portuguesa: Gledson; Arnaldo, Wagner, Luciano Castán e Eduardo; Renan, Rudnei, Gabriel Xavier (Rondinelly) e Allan Dias; Caion e Serginho. Técnico: Gérson Sodré (Interino).

Série B (6ª rodada). Local: Arena Pernambuco, São Lourenço da Mata (PE). Horário: terça-feira, às 21h50. Árbitro: Claudio Francisco Lima E Silva (SE). Auxiliares: Ricardo Aragão Lima de Melo (SE) e Victor Oliveira Cruz (SE).

 

 

 

Blog do Torcedor

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.