Em momento delicado, Santa Cruz recebe visita de presidente e ex-dirigentes em treino

Por Daniel Gomes — Recife

Globo Esporte

22/07/2019 19h05  Atualizado há 14 horas

Em momento delicado, Santa Cruz recebe visita de presidente e ex-dirigentes em treino

Daniel Gomes

Um dos principais favoritos ao acesso à Série B, o Santa Cruz vive um momento difícil na Série C. Está há quatro jogos sem vencer – são três derrotas – e a quatro pontos do G-4 do Grupo A. Restam apenas cinco partidas para a primeira fase terminar. E, nesta segunda-feira, o treinamento recebeu uma visita incomum. O presidente Constantino Júnior apareceu ao lado dos ex-presidentes Antônio Luiz Neto e Rodolfo Aguiar. Jomar Rocha, que contribui no departamento de futebol, também esteve presente.

– (A visita) Significa a força da união. Na hora das dificuldades o Santa sempre esteve unido e a nossa presença representa, simbolicamente, a união. Acreditamos no clube, na torcida e temos certeza que, unidos, vamos fazer o presidente Constantino ficar forte, a torcida ficar forte e o elenco também – disse Antônio Luiz Neto, que foi presidente do clube entre 2011 e 2014.

Depois do treinamento, o técnico Milton Mendes foi conversar com a cúpula. Durante mais de 20 minutos teve um papo em tom descontraído – era possível ouvir as risadas. Milton ainda ganhou um presente. Mas, guardado em uma caixa branca, não era possível ver o que era.

– Evidentemente que estamos em um momento de ansiedade em relação ao restante da nossa participação para nos classificarmos. Mas estamos dentro do grupo que acredita e que vai se empenhar para chegar – disse Rodolfo Aguiar, presidente do Santa em 1979 e 1980 e que batiza o centro de treinamento do clube.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Vice-presidente do Náutico descarta contratações; única pendência de inscrição é Maylson

Por Rômulo Alcoforado — Recife

Globo Esporte

O grupo do Náutico está fechado. Não haverá mais contratações para a Série C. Quem garante isso é o vice-presidente Diógenes Braga. A única adição possível entre os inscritos já está no grupo: o volante Maylson, que ainda tenta ficar à disposição até o dia 2 de agosto, fim do prazo de inscrição na competição.

Diógenes afirma que o Timbu vai esperar por Maylson, mas só o inscreverá se tiver certeza de que ele está livre dos problemas musculares que o impedem de entrar em campo desde abril.

“O grupo é esse. Fica só a questão de Maylson, que é mais uma questão médica. Vamos esperar para ver se podemos inscrevê-lo. Se não puder, fecharemos as inscrições com alguém aqui do grupo”.

O vice-presidente descartou, inclusive, a contratação de um zagueiro, mesmo com a negociação de Sueliton para o futebol boliviano. O Timbu tem, neste momento, quatro jogadores para a posição: Camutanga, Fernando Lombardi, Rafael Ribeiro e Diego Silva.

– Estamos muito seguros com os zagueiros que nós temos. Para o jogo contra Ferroviário, a princípio Diego Silva não seria relacionado. Fernando Lombardi se machucou e não viajou. No início do jogo, Rafael teve um problema e saiu. Diego entrou e foi muito bem. Confiamos nos quatro.É importante lembrar que, na final contra o Sport, na Ilha, Sueliton foi expulso, Josa foi recuado para jogar na zaga. Temos jogadores multifuncionais.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Paulinho lembra “Bonde da Stella”, admite excessos no Fla e mira recomeço no Náutico

Por Rômulo Alcoforado — Recife

Globo Esporte

O atacante Paulinho foi apresentado no Náutico nesta quinta-feira. Perto de estrear pelo clube na Série C, ele garante que traz consigo as qualidades que o notabilizaram na época do Flamengo – sem, no entanto, as falhas que encurtaram sua passagem no clube carioca. Ele admite que, no Rio de Janeiro, o sucesso subiu à cabeça e levou a exageros na noite. Agora, com 31 anos, se diz mais maduro e pronto para dar a volta por cima no futebol.

Paulinho afirma que não soube lidar com o sucesso repentino que teve em 2013.

“Fiz um Campeonato Paulista pelo XV de Piracicaba, que é um dos melhores estaduais do Brasil. No Flamengo, tudo aconteceu muito rápido. Ganhei espaço, virei uma das peças mais importantes do time. Você se ilude.”

O caso mais emblemático foi o do “Bonde da Stella”. Vazou uma foto com alguns jogadores de cerveja na mão (da marca belga que “batizou o grupo”). Comemoravam exatamente o aniversário de Paulinho, um dos personagens da imagem. Além dele, estavam atletas como Marcelo Cirino, Everton e Pará.

A polêmica que surgiu por conta da foto precipitou a saída de Paulinho do Flamengo, em 2015.

– Saiu muito no Rio de Janeiro que eu ia pra noite. Gerou essa polêmica toda por conta de uma foto que saiu no meu aniversário. A gente estava de folga, no meu condomínio, uma festa surpresa… Começaram a especular muito sobre eu ter saído na noite. Não tem prova. Eu estava no condomínio onde eu morava, festa surpresa. De lá para cá não saiu nada meu.

Apesar de se defender desse episódio, Paulinho assume erros no Flamengo. Bem como admite que, a partir da saída do clube carioca, não teve mais aquele nível de atuação.

“Errei muito no Flamengo. A gente fica com excesso de confiança. De lá fui para o Santos, onde fui campeão paulista. No Brasileiro não fui tão bem. No Vitória joguei pouco, no Guarani cheguei no fim do campeonato e também não tive muita oportunidade.”

De acordo com Paulinho, a chave começou a ser virada na Coreia do Sul, onde jogou na última temporada.

– Fui bem lá. Joguei vários jogos, não tive nenhuma lesão.

Mas é no Náutico em que ele espera reaparecer no futebol brasileiro. Paulinho esbanja confiança no acesso à Série A e até já “canta” a diretoria para ficar mais tempo além do seu contrato, cujo término é ao fim da Série C.

– Meu desejo é o acesso neste ano. E, se puder permanecer para o ano que vem também, fica a cargo da diretoria.

A expectativa é que Paulinho estreia no próximo domingo, nos Aflitos, contra o Treze, pela Série C.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sem Ezequiel, Guto testa Sport com Yan e Hyuri no ataque e Guilherme no meio

Por Lucas Liausu — Recife

Globo Esporte

O primeiro esboço do time titular do Sport para o jogo da próxima segunda-feira, contra o Brasil-RS, foi com muitas mudanças em relação ao time que entrou em campo contra o Cuiabá. A grande novidade foi a ausência do atacante Ezequiel, que não participou da atividade por conta de um calo no pé. Ele é esperado na atividade da sexta, mas enquanto isso vai sendo substituído por Yan, que também tem a velocidade como principal característica.

Além de Ezequiel, também não treinaram o lateral-esquerdo Sander e o volante Charles, que estão machucados. Guilherme Lazaroni foi o escolhido para entrar na lateral, enquanto Ronaldo entrou no meio. Sander não terá condições de jogo na segunda, mas Charles é esperado de volta aos treinos nesta sexta-feira.

A quarta mudança foi a saída de Leandrinho, que está suspenso. Sem um meia de origem no elenco, já que Sammir e Pedro Carmona estão machucados – e Pardal ainda não é visto como pronto para entrar como titular -, Guto Ferreira deslocou Guilherme do ataque para o meio e promoveu a entrada de Hyuri na ponta esquerda.

O time reserva começou a atividade com Luan Polli; Raul Prata; Cleberson, Eder e Chico; Alison, Kaio e Leandrinho; Pedro Maranhão, Pardal e Juninho. O atacante Elton, que é o reserva imediato do ataque, não treinou por dores musculares.

Mudanças

Com o decorrer da atividade, Guto Ferreira aproveitou para fazer algumas mudanças nos dois times. A primeira foi a entrada de Juninho na equipe titular. Yan saiu e Hyuri foi deslocado para a direita, deixando Juninho na esquerda.

No time reserva, o zagueiro Eder foi testado como volante. Com isso, Renato Oliveira entrou na zaga para atuar ao lado de Cleberson, e o volante Alison foi deslocado para a lateral esquerda, deixando o zagueiro Chico de fora. Chico e Alison ainda se alternaram mais uma vez na lateral esquerda.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport corrige prazo para volta de Charles e espera jogador contra o Brasil-RS

Por Lucas Liausu — Recife

Globo Esporte

O dia do Sport começou com duas notícias negativas vindas do departamento médico sobre as situações do volante Charles e do lateral-esquerdo Sander, que se machucaram no jogo contra o Cuiabá. Mas acabou com uma reviravolta no caso de Charles. O médico do Sport, Raul Lins, concedeu uma entrevista coletiva no Centro de Treinamento José de Andrade Médicis para explicar que o jogador, inclusive, tem condições de entrar em campo na segunda-feira, contra o Brasil-RS. Inicialmente, o prazo era de duas semanas afastado.

“Ele saiu do jogo e pelas queixas a suspeita era de estiramento muscular (no adutor da coxa esquerda). Mesmo que fosse grau 1, geraria 15 dias fora. Agora de tarde recebemos o exame de imagem e fizemos uma ultrassonografia no clube e não constatou alterações. Ele não tem lesão de fibra muscular”, falou Raul Lins, médico rubro-negro.

Ainda de acordo com o médico, existe sim a expectativa de que ele seja utilizado no jogo.

– Pode ser que dê para segunda-feira. Vai depender da evolução da dor durante a semana.

Charles é o único dos cinco jogadores no departamento médico que tem chances de jogar na segunda-feira. João Igor (tornozelo direito) iniciou a transição, mas não terá tempo suficiente para jogar. Os meias Sammir (coxa esquerda) e Pedro Carmona (tendão de aquiles) só devem iniciar a transição no final de semana, enquanto o lateral-esquerdo Sander (cotovelo direito) fica fora por um mês.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Entenda motivo que fez Lucas Gonçalves reaparecer no Santa Cruz após dois meses

Por Daniel Gomes — Recife

Globo Esporte

Lucas Gonçalves não é das figuras mais conhecidas do elenco do Santa Cruz. Ele chegou em dezembro do ano passado ao lado do meia Luiz Felipe e, até então, jogou bem pouco pelo Tricolor. Foram apenas seis partidas na equipe profissional (três pelo Pernambucano, uma pela Copa do Nordeste, uma pela Copa do Brasil e uma na Série C). Então qual o motivo que o faz brigar pela titularidade na partida desta quinta-feira, às 20h, contra o Sampaio Corrêa, pela Série C?

A comissão técnica do Santa Cruz entende que ele é o único primeiro volante disponível, já que Charles está suspenso. Jogadores como Italo Henrique e Marcelo Mattos são segundos volantes, com mais qualidade de saída para o jogo do que de marcação forte. E essa posição atualmente é de Kadu.

Lucas treinou como titular durante toda a atividade que o técnico Milton Mendes promoveu na última terça-feira, no Recife. E isso é um indício forte de que ele deve ser mesmo escolhido para ser titular do time contra o Sampaio Corrêa.

Durante a temporada, nomes como Eduardo e Diego Lorenzi integraram o elenco do Santa Cruz e eram primeiros volantes. Mas eles deixaram o clube e nem chegaram a trabalhar direito com o técnico Milton Mendes. Quando o comandante chegou, a saída dos atletas – assim como o atacante Jô – estavam encaminhadas.

Dos seis jogos que Lucas Gonçalves fez pelo Santa Cruz, em três (Petrolina e Salgueiro, pelo Estadual, e Confiança, pela Copa do Nordeste) o Tricolor usou uma equipe totalmente reserva. A última partida dele foi justamente contra o Sampaio Corrêa, adversário desta quinta-feira, no primeiro turno da primeira fase da Série C. O jogo terminou empatado em 3 a 3 no Arruda.

Lucas Gonçalves, que tem 22 anos, normalmente era titular da equipe que vinha jogando o Campeonato Brasileiro de Aspirantes. Na competição, ele disputou cinco partidas.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Em transição, Odilávio e Rafael Assis se aproximam de volta no Náutico

Por Rômulo Alcoforado — Recife

Globo Esporte

Náutico está perto de ter o retorno de dois atletas. Os atacantes Odilávio e Rafael Assis estão em trabalho de transição para voltar aos gramados e, em breve, devem ser liberados para as movimentações com bola.

Nesta quarta, os dois já apareceram no gramado de chuteiras. Não participaram do rachão com o restante do grupo. Fizeram trabalho físico na beira do gramado, mas já em ritmo mais intenso: deram vários “tiros” até a metade do campo. Piques em alta velocidade – não o trote dos primeiros dias de trabalho.

O Náutico não se pronuncia sobre o prazo para a volta de cada um deles, mas ambos estão próximos do tempo estimado de volta médio dos tipos de lesões que tiveram.

Odilávio já passou por cirurgia há cerca de um mês e meio. Trata-se de uma artroscopia (seu problema foi no menisco do joelho direito. O Timbu não divulgou o prazo médio de recuperação, mas o atacante Robinho teve o mesmo tipo de lesão no início do ano – e o Náutico acreditava que ele voltaria em 45 dias.

Já Rafael Assis teve lesão muscular de grau três na coxa esquerda. Já está há quase dois meses fora de combate.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Suspensão de Leandrinho faz Guto Ferreira pensar em soluções no Sport

Por GloboEsporte.com — Recife

Principal novidade na escalação do Sport no empate de 1 a 1 contra o Cuiabá, Leandrinho já se tornou desfalque. Isto porque ele tomou o terceiro cartão amarelo na partida da última segunda-feira e não enfrenta o Brasil-RS, fora de casa. E isso evidencia um problema no meio de campo do Leão, que tem de ser resolvido pelo técnico Guto Ferreira.

O titular da posição, que é Sammir, está machucado e só deve voltar a jogar no próximo mês. Sem Leandrinho, existem duas opções. A primeira delas é fazer Guilherme, que joga na ponta esquerda do ataque, para a posição de meia armador. Foi assim que Guto o utilizou na maioria dos jogos do Campeonato Pernambucano.

A outra é utilizar Pedro Carmona e mexer o menos possível nas características dos jogadores do setor ofensivo. Carmona ainda se recupera de uma lesão no tendão de Aquiles e Guto Ferreira vai esperar para saber se há tempo hábil dele contar com todas as opções. Carmona não vem tendo muito espaço com o treinador. Só jogou 15 minutos no empate sem gols contra o Figueirense e nada mais.

– Vamos trabalhar. Temos uma semana e vamos tomar a decisão. Carmona está no departamento médico, vamos ver o que vai acontecer. E Guilherme pode jogar por dentro também, vamos ver o que vai ser feito para a gente ganhar do Brasil lá

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Jogadora do Sport faz desabafo sobre falta de estrutura do futebol feminino: “É humilhante”

Por Elton de Castro — Recife

Globo Esporte

Negra, nordestina e com olhar determinado. Aos 25 anos, Sofia Sena carrega uma história quase que unânime entre as meninas que se arriscam no futebol brasileiro. A diferença? Ela resolveu falar. Não por ser a única com vontade expressar as dificuldades, mas por ter tido algo raro: oportunidade. O peso nas palavras, que foram notadas após o Rubro-negro perder por 9 a 0 do Santos, no último domingo, tem um objetivo: melhorar, mesmo que minimamente, a vida das companheiras de clube. Em um pequeno quarto da casa onde mora, no bairro do Jordão, zona sul do Recife, a armadora do Sport mostra toda a frustração pelo momento do clube no Brasileiro feminino e pela forma como a categoria é tratada no Brasil.

– Eu sei que posso ser punida. Não é que isso não me importe, mas eu preciso falar. Eu preciso falar não só por mim, mas por todas as mulheres que estão no clube, por todas que estão jogando a competição. Não foi um desabafo, é a realidade. Eu sei que o clube está em crise, que acontecem coisas internas, mas é que falta o mínimo. Eu só queria um pouco de cuidado, sabe? Cuidar do nosso campo, que não tem como correr em um campo cheio de buracos, um preparador, que possa trabalhar com a gente. É o mínimo de cuidado, não estou pedindo muito, é só um apelo para que a gente tenha o mínimo.

A revolta da atleta vai além da pífia campanha do Sport no Brasileiro Feminino. Afinal, zero pontos conquistados em 11 jogos era algo esperado pela diretoria, que dissolveu o departamento inteiro no início do ano. Evidente que sofrer 46 gols e marcar apenas um não é algo fácil de digerir. Dói. Mas Sofia fala mais sobre respeito.

– Dá raiva, dá vergonha, a nossa campanha. Mas como a gente vai competir? A gente não tem sem sequer preparador físico. A gente treina três vezes por semana, quando dá. Eu só queria que a gente tivesse um pouco mais de consideração.

Natural da cidade de Feliz Deserto, Alagoas, Sofia carrega desde que criança o sonho de ser jogadora de futebol. A alerdada evolução da modalidade, em decorrência da repercussão da Copa do Mundo, deu esperanças. A fez aceitar o convite do Sport em junho deste ano. Era o início do que ela idealizava: jogar competições nacionais. A realidade, porém, machuca.

– Não falo só do clube, a logística da CBF, também. A gente tem que sair dos jogos correndo para ir para o hotel. Às vezes, gente tem que deixar as atletas lá no antidoping e ir para o hotel, se não não dá tempo. É humilhante. Parece que estamos pedindo um favor. Parece que aquilo ali é um favor. Tudo isso é muito humilhante. Ninguém, nem homem e nem mulher, queria passar por essa situação. É uma humilhação. Isso acontecer no Brasil, que se diz o país do futebol… não é assim que a CBF propaga?

Sem salários, fruto da política adotada pelo clube, que passa por graves problemas financeiros e optou por demitir as 23 atletas que tinham carteira assinada, ainda em fevereiro, Sofia sabe das condições do clube. Se não contar com incentivo financeiro incomoda, a falta de apoio frustra.

 Às vezes, você tem um sonho e, quando vê ele de perto, vira pesadelo. É triste você lutar tanto, buscar tanto e sempre ser tratada dessa forma. Jogo desde pequena, nunca tive um salário, mas eu só queria mais respeito com a gente.

No Sport, o desabafo da atleta é visto com naturalidade. Ciente da fala de Sofia e dos problemas estruturais do clube, o presidente, Milton Bivar, não deu esperanças de dias melhores, nesta temporada.

– O Sport está passando por gravíssimos problemas financeiros. Não temos condições de investir mais. Sobre o campo, nós estamos fazendo um trabalho para melhorar e vamos ajustar. Sobre a preparação física, a treinadora faz essa função.

A fala do clube carrega o cenário bem conhecido por Sofia. No dia em que faz 25 anos, ela tem a consciência de que o caminho para a melhora é longo e, principalmente, demorado. Nada que, segundo ela, tire a vontade que nasceu ainda nas ruas de terra de Feliz Deserto.

– Não tem presente maior do que eles respeitarem a gente. Não de salários, não. É na forma que somos tratadas. Os clubes grandes, tudo bem, mas a gente não tem o Sport como um clube pequeno, jamais. Eu vejo o Sport como um clube grande e não quero perder essa visão, mas é o que está acontecendo. Eu só queria igualdade e que os outros clubes também fizessem isso. Mas independentemente de qualquer coisa, desistir eu não vou. Desistir é uma palavra que não tenho na minha vida. Não vou desistir de forma alguma.

Através da assessoria de imprensa, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), disse que o procedimento adotado com o futebol feminino é o mesmo estabelecido em todas as competições da entidade.

– A saída do estádio, diretamente, para o aeroporto é um procedimento adotado, sempre que possível e os horários permitem, em todas as competições organizadas pela CBF para adequar a programações dos clubes aos voos disponíveis.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Joelinton fica fora de amistoso do Hoffenheim e aumenta chance de mudança para o Newcastle

Por Lucas Liausu — Recife

Globo Esporte

O atacante Joelinton está muito próximo de deixar a Alemanha e se transferir para a Inglaterra. Desde o início da janela de transferências, o nome do jogador vem sendo falado no Newcastle. E nesta quarta-feira, segundo o jornal alemão Kicker, ele saiu da concentração e não entrará em campo no amistoso contra o Jahn Regensburg, equipe da segunda divisão alemã.

A informação foi confirmada pelo clube alemão, em resposta a um torcedor, nas redes sociais.

championsleague@CRonald76288341 · 57mReplying to @tsghoffenheim

Wo ist Joelinton?

TSG Hoffenheim@tsghoffenheim

Joe ist nicht da, er steht in konkreten Verhandlungen mit einem Premiere League Klub. Kann sein, dass er uns verlässt.17310:22 AM – Jul 17, 2019Twitter Ads info and privacy106 people are talking about this

O Hoffenheim renovou o contrato com o Joelinton até o fim de 2022 e tinha o desejo de ficar com ele, mas o valor oferecido pelos ingleses abriu a chance da negociação. A informação é que os ingleses pagarão cerca de 40 milhões Euros (R$ 168 mi) pelo brasileiro.

+ Newcastle prepara nova proposta por Joelinton e montante anima o Sport

A reportagem do GloboEsporte.com apurou com pessoas próximas ao jogador no Recife de que a negociação está de fato próximo de se concretizar. Os detalhes finais estão sendo discutidos entre staff do atleta e os dois clubes.

Caso a transferência de fato se concretize, o Sport lucra com isso. O clube pernambucano formou o jogador e pelo mecanismo de solidariedade tem direito a 2,25% do valor, que daria em torno de R$ 3.798.000,00. A taxa poderia chegar até 5%, mas o cálculo é feito pela quantidade de temporadas que o jogador passou no clube a partir dos 12 anos.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.