Yan é liberado e Sport tem força máxima em duelo contra Paraná

Globo Esporte

Por Lucas Liausu

Sport entra em campo nesta quarta-feira, contra o Paraná, na Ilha do Retiro, com força máxima. O técnico Guto Ferreira não tem nenhum problema de ordem física ou médica para escalar a equipe, além de não ter nenhum jogador suspenso. A grande novidade no treino desta terça foi o atacante Yan, que treinou normalmente.

+ Veja mais notícias do Sport

A movimentação foi fechada à imprensa, mas de acordo com a assessoria de imprensa, Yan foi completamente liberado pelo departamento médico. Ele está à disposição para pelo menos compor o banco de reservas.

Yan perdeu os últimos três jogos do Sport por conta de uma lesão na coxa direita. Ele ficou fora das vitórias por 2 a 0 contra São Bento e Cuiabá e do empate em 0 a 0 com o Brasil-RS.

+ Guto faz convocação ao torcedor do Sport para jogo contra o Paraná: “Vai lotar quando?”
+ Veja como e onde comprar ingressos para Sport x Paraná

Treino leve

O treino desta terça foi leve para os jogadores que atuaram contra o Brasil de Pelotas no último domingo. O zagueiro Rafael Thyere, por exemplo, nem apareceu no campo. O lateral-direito Norberto e o atacante Hernane Brocador participaram do aquecimento, mas complementaram o trabalho na academia, ao lado de Thyere.

Apesar do pouco tempo para trabalhar, o Sport deve entrar em campo com a mesma base que empatou com o Brasil-RS no último domingo. A única mudança pode ser a entrada de Hyuri na vaga de Marquinho. Guto deve escalar o Leão com Luan Polli; Norberto, Rafael Thyere, Adryelson e Sander; Willian Farias, Charles e Leandrinho; Hyuri, Guilherme e Hernane Brocador.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

No grupo de prioridades do Náutico, Jhonnatan está próximo de renovação

Globo Esporte

Por Rômulo Alcoforado — Recife

O volante Jhonnatan é tido como uma das prioridades para renovar com o Náutico para 2020. O acerto está próximo, os valores já foram combinados, mas ainda falta uma etapa a ser superada. É que o jogador tem contrato com o Santa Cruz-RN, clube de seu empresário. As partes estão negociando a melhor forma para a extensão do contrato.

+ VEJA mais notícias do Náutico

-Neste e no ano passado, fui para o Náutico emprestado. Eu ainda tenho um ano de contrato lá com o Santa Cruz-RN, aí estamos conversando para poder ver como vai ser a forma de renovação.

Segundo Jhonnatan, há três possibilidades: ele pode ser novamente emprestado para o Náutico por um ano, até o fim de seu contrato com o Santa Cruz-RN, pode renovar o contrato com o time potiguar e ser emprestado por mais tempo ao Náutico (um ano e meio ou dois anos) ou até ir em definitivo para o Timbu.

Essa última possibilidade, no entanto, é remota – segundo o jogador.

– Posso ser emprestado, posso ir em definitivo. Falta essa questãozinha a ser decidida. Em termos de valores, já acertei com a diretoria. Só falta ver como será feito. Acredito que devo ser emprestado novamente para o Náutico. Creio que até o final da semana deve estar tudo se acertando.

+ Orgulho da cidade e campeão no Náutico: conheça a história de Camutanga

O jogador avaliou positivamente seu retorno ao Náutico. Ele havia jogado na Série C de 2018, saiu para o CSA e retornou ao Timbu novamente no Brasileiro, em 2019. Começou no banco, mas fechou a temporada como titular – sob o comando de Gilmar Dal Pozzo, com quem tinha trabalhado no Paysandu.

– Não joguei tanto no CSA por conta de lesão. Tive quatro lesões musculares em quatro meses. Na minha volta, no primeiro jogo, atuei o jogo todo e me machuquei, perdi mais 20, 30 dias. Foi aí que tive sequência, fui entrando, na reta final pude estar bem, ajudar. Desde o jogo contra o Botafogo-PB, penúltimo da fase de grupos. Joguei contra Botafogo, Santa Cruz, os dois contra o Paysandu, voltei a ser titular na semifinal e fiquei até o fim.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

No Santa Cruz, Italo Henrique quer usar Copa PE para começar 2020 em vantagem

Por GloboEsporte.com — Recife

Ao todo, seis jogadores que estavam no elenco profissional do Santa Cruz neste ano estão jogando a Copa Pernambuco, última competição que o Tricolor disputa em 2019 – desta vez, o intuito é revelar atletas. Entre eles, um dos mais experientes, apesar da pouca idade, é Italo Henrique. O volante de 21 anos disputou 17 partidas em 2019 e viveu seus momentos de titular. A meta para o ano que vem é retomar o espaço.

“Eles (jogadores mais jovens) sempre falam comigo. Eu sou amigo de todos. Estava na base com muitos e a gente se dá muito bem. Representa muita coisa para a gente (a Copa Pernambuco). Até para não estarmos parados e permanecer com ritmo de jogo para o ano que vem. “

Enquanto a maioria dos jogadores que estarão no elenco profissional em 2020 ainda nem chegaram ao clube – o time principal não tem nem treinador definido -, Italo já se vê em ritmo de pré-temporada e acha que pode levar vantagem por estar em ritmo de jogo.

– A gente ganha um ritmo melhor do que os caras e a gente tem que saber aproveitar.

No jogo do último sábado, a goleada de 6 a 0 sobre a Cabense, pela segunda rodada da Copa Pernambuco, o volante marcou um golaço de falta.

Na Copa do Nordeste, na Copa do Brasil e no início da Série C ele sempre figurava entre os 11 principais, mas, na reta final da temporada do Tricolor, perdeu espaço. O contrato dele com o Santa Cruz vai até o final de 2021.

O último jogo de Italo pelo time profissional neste ano foi a vitória por 1 a 0 sobre o Náutico, no Arruda, na primeira fase da Série C. Depois, não jogou mais e ficou de fora até de listas de relacionados.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport se prepara para pegar o Paraná na Ilha, mas sem treino em campo

Por GloboEsporte.com — Recife

A preparação do Sport para o jogo da próxima quarta-feira, contra o Paraná, na Ilha do Retiro, será novamente mais na conversa do que com o trabalho dentro de campo. O Sport jogou no último domingo, em Pelotas, e nesta segunda-feira tem o dia apenas de deslocamento do Rio Grande do Sul para Pernambuco. O técnico Guto Ferreira deve comandar uma atividade na terça-feira, mas sem os jogadores que atuaram em Pelotas.

+ Veja mais notícias do Sport

– Quem vai entrar em campo (contra o Paraná) não vai treinar. Amanhã (segunda) descansa e viaja. Chegamos na terça-feira e eles com certeza ainda com o jogo nas costas e a viagem. Tem que se superar na quarta-feira.

Sem tempo para treinar, a tendência é que Guto Ferreira mexa pouco na equipe titular para o jogo contra o Paraná. A expectativa é que o atacante Hyuri volte a ser titular. Ele entrou 20 minutos contra o Cuiabá e depois foi acionado por 45 contra o Cuiabá.

Caso não tenha nenhum problema de ordem médica ou física, o Sport deve entrar em campo na quarta-feira com Luan Polli; Norberto, Rafael Thyere, Adryelson e Sander; Willian Farias, Charles e Leandrinho; Hyuri (Marquinho), Guilherme e Hernane Brocador.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Inter anuncia a contratação do técnico Zé Ricardo até o final de 2019

Por GloboEsporte.com — Porto Alegre e Rio de Janeiro

Após vasculhar o mercado e sondar uma série de possibilidades, o Inter anunciou nesta segunda-feira a contratação do técnico Zé Ricardo para substituir Odair Hellmann. O treinador será apresentado pelo clube já na terça-feira, após o treino, com contrato até o final de 2019.

O interino Ricardo Colbachini também muda de função. Ele deixa o comando do time B para integrar definitivamente a comissão técnica da equipe profissional.

Zé Ricardo já deve estrear pelo Colorado no próximo sábado, às 19h, contra o Bahia na Fonte Nova, em partida pela 28ª rodada do Brasileirão. Ele tem a missão de comandar a equipe a uma vaga na Libertadores de 2020.

O acordo com o treinador foi costurado pela diretoria em uma reunião na tarde desta segunda-feira. O nome de Zé Ricardo está em pauta no Inter desde a demissão do técnico Odair Hellmann, há pouco menos de duas semanas.

Inicialmente, ele ficou em segundo plano. A diretoria colorada pretendia contratar um nome para assumir de imediato e seguir no comando para 2020 e sondou Roger Machado, do Bahia, e Tiago Nunes, no Athletico-PR. Sem sucesso.

Após as negativas, os esforços se dirigiram à Argentina. Em Buenos Aires, uma comitiva do clube tentou a contratação imediata de Eduardo Coudet, do Racing. O técnico gostou do projeto apresentado pelo Inter, mas disse que não deixaria a equipe de Avellaneda neste momento.

Sem acerto por Coudet, a diretoria bancou a permanência do interino Ricardo Colbachini até este domingo, na derrota por 1 a 0 para o Vasco. A possibilidade de contratar um técnico “tampão”, para comandar a equipe até o final da temporada, passou a ganhar força desde então.

A diretoria colorada divergiu em duas correntes, com dois nomes em vista. Além de Zé Ricardo, Lisca também esteve em pauta. Ao que tudo indica, o primeiro deve comandar a equipe ao menos até o final do ano.

No começo da tarde desta segunda-feira, o comentarista da RBS TV Maurício Saraiva noticiou a negociação do clube gaúcho com Vanderlei Luxemburgo, do Vasco da Gama. Em contato com a reportagem, a diretoria colorada negou ter feito uma proposta pelo treinador, que também foi taxativo: fica no Cruz-Maltino até o final do ano.

O último clube de Zé Ricardo foi o Fortaleza. O técnico assumiu o Tricolor de Pici com a missão de substituir Rogério Ceni, mas durou pouco no cargo. Foram apenas sete partidas, com quatro derrotas, dois empates e uma vitória.

Antes do Fortaleza, Zé abriu o ano no comando do Botafogo. O técnico acabou demitido após a eliminação para o Juventude na Copa do Brasil. Ao todo, foram 41 jogos, com 17 vitórias, 11 empates e 13 derrotas e 55,2% de aproveitamento em oito meses.

O carioca de 48 anos iniciou a carreira como treinador como interino do Flamengo em 2016. Na Gávea, ele trabalhou com Rodrigo Caetano. Ele acabou efetivado pelo Rubro-Negro após uma boa campanha no Brasileirão. No ano seguinte, foi campeão carioca pelo clube, mas acabou demitido em agosto.

Dias mais tarde, Zé Ricardo assinou contrato com o Vasco da Gama e levou o Gigante da Colina à Libertadores do ano passado.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Luan Polli aprova estreia pelo Sport e recebe elogios do técnico Guto Ferreira

Por GloboEsporte.com — Recife

Luan Polli aprova estreia pelo Sport e recebe elogios do técnico Guto Ferreira

Reprodução/TV Globo

Grande novidade no time do Sport na tarde deste domingo, em Pelotas, o goleiro Luan Polli deixou o gramado do Estádio Bento Freitas depois do empate em 0 a 0 com o Brasil-RS satisfeito pelo que fez em campo. Se o sentimento coletivo não era bom pelo fato de o Sport não ter somado três pontos, individualmente o camisa 27 teve muitos motivo para comemorar.

+ Veja mais notícias do Sport+ Veja como foi o jogo no Tempo Real

– Gostei da minha atuação. Estava há muito tempo parado e goleiro precisa de ritmo. Fui bem e gostei da minha estreia. Agora é seguir trabalhando para buscar o Bragantino nesse título e o acesso – disse ele em entrevista à Rádio Jornal.

Luan Polli não foi muito exigido no primeiro tempo e trabalhou mais cortando cruzamentos. Na segunda etapa, no entanto, apareceu muito bem em um lance aos cinco minutos, quando parou um chute de Juba.

Guto elogia

Na entrevista coletiva depois do jogo, Guto Ferreira elogiou a atuação do goleiro e se mostrou feliz com o produzido por ele em campo.

– Talvez (errou) na primeira bola, que é normal porque estava tomando pé da partida, mas depois foi se encontrando no jogo. No final foi impecável. Reposições boas, que foi o que ele mais trabalhou. No único lance mais grave da equipe deles, teve uma saída perfeita fechando o ângulo. Isso mostra o arrojo dele e a qualidade dele.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Márcio Rezende de Freitas vê três erros da arbitragem contra o Sport em empate com Brasil-RS

Por GloboEsporte.com — Recife

Márcio Rezende de Freitas vê três erros da arbitragem contra o Sport em empate com Brasil-RS

Reprodução/TV Globo

Na visão do ex-árbitro e hoje comentarista de arbitragem do Grupo Globo, Márcio Rezende de Freitas, o Sport foi prejudicado na partida deste domingo, contra o Brasil-RS, com três decisões erradas do árbitro Willian Machado, da Federação Catarinense de Futebol. Responsável por analisar os lances, Márcio Rezende viu um erro em cada tempo do do árbitro da partida. Na primeira etapa, ele discordou de um impedimento marcado num lance de ataque do Sport e achou que o lateral-direito Ednei, do Brasil-RS, deveria ter sido expulso. E na segunda, viu um pênalti em Hernane Brocador que não foi marcado.

Márcio Rezende de Freitas na transmissão de Brasil-RS x Sport ao lado de Rembrandt Júnior e Cabral Neto — Foto: Reprodução/TV Globo

Márcio Rezende de Freitas na transmissão de Brasil-RS x Sport ao lado de Rembrandt Júnior e Cabral Neto — Foto: Reprodução/TV Globo

Os lances do primeiro tempo foram bem no final. No primeiro, a arbitragem parou uma jogada de ataque do Sport alegando impedimento do atacante Marquinho. Já com a jogada parada, o Sport chegou ao gol. Para Márcio Rezende de Freitas, o impedimento foi mal marcado. Ele ponderou que foi um lance difícil e que necessitaria do VAR, que não existe na Série B.

O segundo lance foi polêmico e rendeu até uma confusão entre os jogadores dentro de campo. O lateral-direito Ednei deu um carrinho em Sander, do Sport, e foi punido com o cartão amarelo. Para ele, a cor do cartão deveria ser vermelha. Márcio, no entanto, ponderou que Sander cometeu uma falta no início da jogada que não foi marcada.

No segundo tempo, um lance que quase passa despercebido e foi pouco reclamado pelos jogadores do Sport. Em uma disputa de bola na área, Hernane Brocador foi puxado pelo zagueiro Heverton e de acordo com Rezende, a penalidade deveria ter sido marcada.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Guto comemora ponto do Sport em Pelotas e reclama de faltas e postura da arbitragem

Por GloboEsporte.com — Recife

O técnico Guto Ferreira não deixou o Estádio Bento Freitas, em Pelotas, apenas lamentando mais um empate do Sport na Série B do Campeonato Brasileiro, contra o Brasil de Pelotas. Muito pelo contrário. O treinador teve uma visão mais otimista e comemorou mais um ponto somado pelo Sport na tabela. O Leão agora tem 53 pontos e de acordo com as contas do matemático Tristão Garcia, faltam 10 pontos para atingir o objetivo de voltar para a Série A.

– É importante levar um ponto, que nos coloca um pouco mais perto (do acesso). Tira um pouco a diferença, mas outros virão aqui e enfrentarão o que enfrentamos e espero que o Brasil possa ir tão bem quanto foi hoje.

A única chateação de Guto Ferreira depois do jogo contra o Brasil-RS foi o fato de a equipe gaúcha ter feito muitas faltas durante os 90 minutos e não ter sido punida pelo árbitro Willian Machado, de Santa Catarina.

– Foi um jogo de muito contato e os critérios de arbitragem fogem um pouco do futebol. Acho particularmente que a falta do Ednei foi para expulsão. Ele foi com os dois pés na canela do Sander. Jogar aqui é sempre difícil. Os times do Brasil são de muito contato. Acho que passou do ponto. Muita cotovelada e várias agressões no rosto na frente do árbitro, que seguia conversando. O futebol ficou em segundo plano.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Figueirense, Fla, Boa e Malta… Conheça Luan Polli, novo titular do Sport

Por Lucas Liausu — Recife

Globo Esporte

Figueirense, Fla, Boa e Malta… Conheça Luan Polli, novo titular do SportFigueirense, Fla, Boa e Malta… Conheça Luan Polli, novo titular do Sport
Marlon Costa / Pernambuco Press

O goleiro Luan Polli, novo titular do gol do Sport, na vaga de Mailson, pode não ter grandes jogos na carreira e não ser muito conhecido, mas, aos 26 anos, pode-se dizer que viveu experiências diversas como jogador de futebol. Natural do interior de Santa Catarina, começou a carreira na base do Figueirense e foi contratado pelo Flamengo, onde teve a sua primeira experiência como profissional. Voltou a jogar no Figueira e passou, ainda, por Boa Esporte-MG e pelo Naxxar Lions, de Malta.

Luan Polli assume a titularidade do gol do Sport com uma bagagem pequena de partidas oficiais. Ao todo, ele só atuou 33 vezes, em equipes profissionais.

Os jogos de Luan Polli

Luan Polli foi contratado pelo Flamengo, em 2012. A princípio, foi para o Rio de Janeiro para compor a equipe Sub-20, mas, aos poucos, teve chances de treinar com o elenco profissional. Em 2013, ganhou as primeiras oportunidades de ficar no banco de reservas, mas sem entrar em campo. Luan ficou como opção dos técnicos Jayme de Almeida e Mano Menezes em sete jogos. Quatro pela Série A, dois pela Copa do Brasil e um pelo Campeonato Carioca.

No ano seguinte, seguiu na reserva e, em março, teve a primeira e única chance como titular do time profissional do Fla. Ele jogou os 90 minutos no empate em 2 a 2 com o Bangu, sob o comando de Jayme de Almeida. A partida foi válida pela 14ª rodada da primeira fase do Campeonato Carioca – veja os melhores momentos abaixo.

Melhores momentos: Flamengo 2 x 2 Bangu pela 14ª rodada do Cariocão 2014

A passagem pelo Flamengo deu a Luan Polli a condição de voltar ao Figueirense com outro status. No primeiro ano, ainda em 2014, ficou no banco de reservas de Tiago Volpi, hoje titular do São Paulo. Fez um jogo e foi elogiado pelo técnico Argel Fucks, na época. Foi o 1 a 1, contra o Fluminense, no Orlando Scarpelli.

Figueirense empata com o Fluminense, mas torcedor fica emocionado

Luan Polli começou 2015 na expectativa de ser titular do Figueirense, com a saída de Tiago Volpi. Ele teve a chance de começar o Campeonato Catarinense, mas depois perdeu a posição para Alex Muralha. Ao todo, foram seis jogos na temporada, cinco pelo Catarinense e um pela Série A, justamente contra o Sport, numa vitória por 4 a 1 do Leão.

Melhores momentos: Sport 4 x 1 Figueirense pela 1ª rodada do Brasileirão 2015

Em 2016, Luan Polli seguiu no Figueirense, mas na reserva. Ficou no clube catarinense até julho, quando aceitou uma proposta do Boa Esporte, para defender a equipe mineira na Série C do Brasileiro.

Novo goleiro do Figueira, Luan Polli, terá a missão de substituir Volpi

No Boa Esporte, Luan Polli esteve no elenco que conquistou o título, mas só contribuiu com uma partida. Ele jogou os 90 minutos na vitória por 4 a 0 contra o Guarantinguetá, mas o dono da posição era Daniel, que agora em 2019 defendeu o São Bernardo-SP e o América-RN.

O ano de 2017 foi o que Luan Polli mais atuou. Ele foi titular na segunda divisão do Campeonato Mineiro, onde fez 15 jogos, mas na sequência atuou pouco. Foram dois jogos pela Copa do Brasil e mais cinco pela Série B do Campeonato Brasileiro. Em um deles, teve destaque contra o Figueirense, clube que o revelou (veja no vídeo abaixo).

Luan deixou o Boa em junho, depois de perder espaço na equipe. Ele foi para o banco de reservas depois que os mineiros contrataram o goleiro Bruno, ex-Flamengo, e que estava preso pelo assassinato da modelo Eliza Samúdio. Na ocasião, ele foi liberado para responder o processo em liberdade.

Na cobrança, Henan cabeceia firme, no canto esquerdo de Luan Polli, e o goleiro salva

Em 2018, Luan Polli abriu novos mercados. Ele aceitou uma proposta do Naxxar Lions, de Malta. Ele fez três jogos pela equipe no campeonato nacional (duas derrotas e uma vitória) e teve uma fratura no maxilar, que o tirou do restante dos jogos da temporada.

Luan foi contratado pelo Sport no final de julho do ano passado. Inicialmente, chegou para ser o terceiro goleiro da equipe, já que Magrão era o titular absoluto e Mailson o reserva imediato. No final de 2018, subiu uma casa com a lesão de Magrão e a titularidade de Mailson. Voltou a ser o terceiro goleiro no início desta temporada, mas, na Série B, passou a revezar com Magrão o banco de reserva, nos jogos longe da Ilha do Retiro.

Com a saída de Magrão, passou a ser o reserva imediato de Mailson no gol do Sport. Ao todo, são 32 jogos no banco de reservas – 26 nesta temporada e seis no ano passado – e uma aparição como titular. Ele jogou 45 minutos do amistoso, contra o CSA em julho deste ano.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Augusto põe Santa Cruz na Justiça e rasga verbo: “É me tirar de palhaço”

Por Daniel Gomes — Recife

Globo Esporte

Desde o fim da Série C, Augusto é dado como carta fora do baralho, no Santa Cruz. Pouco tempo depois da eliminação, na primeira fase, o então executivo de futebol Luciano Sorriso – hoje fora do clube – disse que o Santa tinha chegado a um acordo com o atacante. Mas as coisas não funcionaram bem assim. Em entrevista ao GloboEsporte.com, o jogador, que tem contrato até junho de 2020, rasgou o verbo.

– Já entrei na Justiça. A gente tinha dois meses atrasados, neste ano, de salário. A gente jogou com o Náutico, no dia 25, e no dia 30 (de agosto) fecharia dois meses de salário atrasados. A gente cobrava e eles não davam resposta. Isso é uma falta de respeito muito grande, porque o que a gente conquistou na Copa do Brasil, de cota, não era para eles terem atrasado nenhum dia.

Segundo Augusto, houve uma reunião entre ele e Roberto Freire, coordenador do Núcleo de Gestão do clube. E que, então, eles chegaram a um acordo.

– Quando a gente saiu para o Náutico, que foi num domingo, na segunda ou na terça eu me encontrei com Roberto Freire e disse que não queria ficar. E ele disse que a gente ia entrar em um acordo para fechar esses dois meses que tinha deste ano. E o restante que tinha para trás.

– Só de 2017 e 2018, são R$ 176 mil para receber. Sem contar 2019. Este ano, eu fiz um acordo com eles e baixei meu salário pela metade. Eu que dei a ideia para eles que se eu fosse negociado, esse valor de 2017 e 2018 seria descontado. Fiquei com o salário pela metade. Quando eu conversei com ele e ele me ofereceu 30% dos dois salários desse ano. É querer me tirar de palhaço, né? Vários jogadores saíram chateados, mas aceitaram porque não queriam sair sem dinheiro. E eu pedi a ele pelo menos para ele me dar um mês. Que não tinha condições de aceitar 30% dos dois meses. E a gente acertou que ele ia me pagar um mês de salário. Só que dividido em três vezes – completou o atacante.

Augusto enviou à reportagem uma reprodução de conversa por WhatsApp com Roberto Freire. Na imagem, as mensagens não são respondidas pelo gestor.

Santa Cruz se defende…

Procurado pela reportagem, Roberto Freire disse que não queria se pronunciar antes que a assessoria de imprensa do clube o procurasse com o pedido de entrevista. Mas, em entrevista à Rádio Jornal, na última quarta-feira, o dirigente falou.

– Eu negociei pessoalmente com todos os atletas, ele fez o acordo comigo. Foi um gesto de confiança, eu paguei a primeira parcela, depois que ele acertou comigo aqui. Depois houve uma decisão dele, uma mudança, que ele tem o direito de fazer isso, e decidiu que não ia mais aceitar o acordo que a gente propôs, fez uma proposta completamente diferente daquilo que a gente tinha combinado e a gente decidiu que não ia aceitar. E ele foi buscar os direitos dele na Justiça. Eu fiquei extremamente chateado.

A assessoria de imprensa do clube disse que o Santa Cruz vai esperar a Justiça.

…e Augusto rebate

O atacante, no entanto, não deixou barato e comentou as declarações de Roberto Freire, dirigente do Santa Cruz.

– A primeira parcela que ele fala que me deu foi a entrada. Eu recebi a entrada. Só que quando eu fui embora, esse acordo que a gente fez foi referente a 2019, os dois meses que faltava ele pagar. O restante a gente ia ver como fazia para assinar a rescisão. Eles queriam que eu abrisse mão de tudo para me deixar seguir minha vida. Eu não assinei documento nenhum sobre o acordo de 2019 até porque não sou moleque como ele. Eu sou um homem.

Augusto disse que só procurou a Justiça porque percebeu, ao passar dos dias, que nada iria ser pago.

– Quando chegou o dia 30, o dia de pagar a segunda parcela, ele não me pagou. Eu entrei em contato, mandei mensagem e ele não me atendeu. No dia 1º eu mandei mensagem, ele leu e não me respondeu. No outro dia, dia 2, eu mandei mensagem de novo e ele não me respondeu. Liguei várias vezes e ele não me pagou. E aí eu pensei: “Ele não vai me pagar”.

O atacante chegou ao Santa Cruz durante a Série B de 2017, comprado pelo Tricolor ao Campinense e assinou um contrato de três anos. Augusto viveu momentos de altos e baixos com a torcida coral. Ao todo, foram 67 partidas disputadas e oito gols marcados. Neste ano, ele quase deixou o Santa, mas a negociação com o Botafogo-SP “melou”. Ele ainda acertou as bases salariais com o Vila Nova para este ano, mas, com o contrato preso ao Santa, não conseguiu se transferir.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.