Neymar pede paciência à torcida depois de início ruim

O Brasil não fez um bom primeiro tempo na goleada por 4 a 0 sobre o Panamá, nesta terça-feira à tarde, em Goiânia. Foram necessários 25 minutos de partida até que saísse o primeiro chute a gol da seleção, com Neymar. A cobrança de falta, perfeita, entrou no ângulo, abriu o placar para a seleção, e acabou com a inquietude da torcida, que até esboçava vaias ao time de Luiz Felipe Scolari no Serra Dourada.

Em entrevista pós-jogo, Neymar, o melhor em campo na partida, questionou a atitude dos torcedores. “Vou pedir um pouco mais de paciência para nossa torcida. A gente tomou uma vaiazinha no começo”, disse ele.

Na avaliação do craque brasileiro, o início ruim da seleção está relacionado ao estado do gramado do Serra Dourada, que não deixava a bola correr. “A gente não está acostumado com esse campo. Depois, (o time) foi pegando o ritmo, acostumando com o campo. E a gente melhorou”, comentou.

Quando se adaptou ao gramado, Neymar foi decisivo. Marcou um golaço de falta, deu assistência de calcanhar para Hulk fazer o terceiro e criou o lance que propiciou o gol de Willian, o quarto. Ainda deu um gol para Jô e outro para Fred, mas os centroavantes desperdiçaram.

Mesmo brigando pela bola até o apito final, Neymar garante que ainda pode render mais fisicamente. “Não estou pronto ainda, falta um pouco de ritmo de jogo para mim. Cansei um pouco no final. Estou buscando isso nos treinos. Faltam nove dias ainda. Aos poucos, a gente vai conseguindo a forma física ideal.”

Além de um gol e uma assistência, Neymar saiu do gramado do Serra Dourada com um cartão amarelo. Afinal, entrou de cabeça no jogo, a ponto de aceitar provocação. Cometeu e sofreu faltas duras, jogou uma bola em um adversário, levou o troco, apanhou, mas depois do apito final tudo foi esquecido. O craque virou alvo de abraços e fotos dos panamenhos.

“Os caras chegam junto. Mas faz parte do futebol, tem que chegar junto. “Depois dei um abraço no cara com quem eu discuti”, ponderou Neymar, que teve seu nome gritado pela torcida diversas vezes.

 

Da Agência Estado

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Santa Cruz vence a terceira seguida com direito a gol de letra

19yyyyyyywyer0vw47834785634O Santa Cruz voltou a repetir um placar. Mas para felicidade da nação tricolor agora é tudo positivo. Pela terceira vez seguida os corais venceram, agora por 2×1 e terminam essa primeira parte da Série B antes da Copa do Mundo ainda sem conhecer derrota. Melhor ainda, a pontuação subiu para 16 pontos, deixando boas perspectivas para o retorno da competição, em julho. A vítima foi a Ponte Preta, em jogo que marcou o reencontro do time com o estádio do Arruda após dois jogos nos Aflitos.

A Ponte Preta jogou e o Santa fez gol. Assim desenrolaram-se os primeiros dez minutos de jogo. O time de Campinas avançou os laterais, impediu que os donos da casa saíssem de seu campo de defesa e chegaram a assustar o capitão Tiago Cardoso. Foi preciso que até o pequenino Renatinho se desdobrasse para afastar uma bola de cabeça.

A respiração presa alivou-se aos nove minutos na primeira blitz tricolor. Com a participação de todos os meio-campistas e atacantes, saiu o gol. A obra foi fechada com um chute cruzado de Danilo Pires que Renatinho desviou de letra sem qualquer chande de defesa para Roberto, aos nove minutos. O gol teve um reflexo direto no sistema defensivo. A marcação encaixou nos laterais da Macaca, que viu-se obrigada a afunilar o jogo.

Com isso, o Santa passou a levar perigo nos contra-ataques, já que a recomposição defensiva dos paulistas era feita em marcha lenta. Foi assim que saiu o segundo gol, aos 32. Leo Gamalho saiu da área para servir ao invés de ser servido. E mandou bem na nova função. Fez um lançamento preciso para Pingo, que entrou na área, driblou o goleiro e empurrou para o gol vazio.

Virou um jogo de paciência para atrair a presa e velocidade para atacá-la. A Ponte, mesmo com dois de prejuízo não abriu mão de atacar, mostrando que essa deve ser sua vocação enquanto estiver sob o comando de Dado Cavalcanti. A cobra coral ficava à espreita, bem acomodada defensivamente e saía em velocidade. Destaque para as saídas pela direita do volante Danilo Pires. O que era dois poderia ser quatro.

Para o segundo tempo retornaram os mesmos 22 que acabaram a etapa anterior. E as duas propostas de jogo também não se alteraram. E nem poderiam porque era o melhor para cada um fazer. A Ponte, no prejuízo, não podia fazer outra coisa que não fosse buscar o ataque. E o Santa, com boa vantagem não precisava se expor.

A única diferença foi um pouco menos de paciência dos alvinegros. No segundo tempo queriam ver a bola chegar na área o mais rápido possível. E tentaram pela via mais fácil, a aérea. Os corais não acharam nada ruim. Bem posicionados, Everton Sena e Renan Fonseca sempre. Parecia tão fácil que o tricolor se acomodou mais do que deveria.

Ao invés de aproveitar o espaço com uma transição mais vertical, os jogadores optaram pelas bolas longas. O problema é que Leo Gamalho ficava sozinho entre os zagueiros. Até para trabalhar como pivô não dava porque os meias não chegavam. Isso não mudou nem com a expulsão de Gilvan aos 19 minutos. Ele tomou o segundo amarelo após fazer falta em Pingo.

O técnico Sérgio Guedes optou por reforçar o setor de criação para aumentar um pouco o tempo com a bola. Por isso tirou Carlos Alberto, visivelmente cansado, para acionar Betinho. Pingo, que ficou praticamente sem função com a rifa de bolas adotada pelo time, também saiu mais cedo. Emerson Santos entrou em seu lugar.

A Macaca pouquíssimo assustava mesmo com o Santa cedendo mais a bola. Depois das substituições, os corais livraram-se menos do jogo. Ficou faltando apenas mais precisão na hora de atacar. No apagar das luzes, Cafu contou com um dos poucos cochilos da defesa para receber de Juninho e mandar uma bomba no ângulo direito.

Ficha de jogo:

Santa Cruz:Tiago Cardoso; Nininho (Tony), Everton Sena, Renan Fonseca e Renatinho; Sandro Manoel, Memo, Danilo Pires e Carlos Alberto (Betinho); Pingo (Emerson Santos) e Léo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

Ponte Preta: Roberto; Daniel Borges, César, Gilvan e Bryan; Juninho, Elton e Adrianinho (Rodolfo); Edno, Cafu e Alexandro (Luan). Técnico: Dado Cavalcanti.

Local: Estádio do Arruda. Árbitro: Cleisson Veloso Pereira (MG). Assistentes: Marconi Helbert Vieira e Celso Luiz da Silva (ambos de MG). Gols: Renatinho aos nove; e Pingo, aos 32 do primeiro; Cafu, aos 46 do segundo. Cartões amarelos: Danilo Pires e Daniel Borges. Expulsão: César. Público: 15.759.

 

 

Blog do Torcedor

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Pouca presença ofensiva faz o Náutico empatar com ABC

Pelo visto o técnico Sidney Morais vai ter muito trabalho para arrumar o Náutico durante a inter-temporada provocada pela Copa do Mundo. Para começar, o treinador terá que ajeitar o poder de fogo da equipe, que foi praticamente nulo nesta terça-feira, diante do ABC, no Iberezão, no Rio Grande do Norte, em confronto da décima rodada da Série B. Ainda assim, o Timbu conseguiu arrancar o empate de 1×1 fora de casa. Lúcio Flávio anotou para os donos da casa, enquanto Paulinho igualou para os alvirrubros em chute de fora da área, porque dentro dela foi difícil.

Com o resultado, o Timbu fica na 12ª posição provisória podendo ser ultrapassado com a finalização da rodada, na próxima sexta-feira. O time do Rio Grande do Norte fica em terceiro com 17 e também pode ser ultrapassado. As duas equipes agora pensam na parada da Copa do Mundo. É tempo de se ajustarem, principalmente o Náutico.

LEIA MAIS:
> Técnico do Náutico quer melhorar físico do time durante pausa

O JOGO – Sem um centroavante nato, o Náutico sofreu para segurar a bola no campo de ataque. Em muitos momentos, a redonda circulou pela área dos potiguares sem que tivesse ninguém dentro da área para empurrar para o fundo das redes. Além disso, não havia alguém que fizesse o pivô para variações de jogadas ofensivas do Timbu, que até teve relativa posse de bola no confronto, mas não soube aproveitá-la.

Outro problema do Alvirrubro foi o espaço dado para o adversário no gramado. O Náutico deixou a linha defensiva muito atrás e deu liberdade para a criação do ABC, que teve maior agressividade principalmente nos primeiros minutos do jogo. Foi justamente nesse momento que Dênis Marques arriscou de longe e obrigou o goleiro Alessandro a espalmar a bola. O lance sobrou para Lúcio Flávio, que mandou para as redes abrindo o  placar. Detalhe que Alessandro poderia ter mandado a bola para o lado da área e não para a frente. Além disso, Dênis teve muita tranquilidade para finalizar de longe.

Com a vantagem, o ABC recuou até de uma maneira natural. O Náutico, porém, se limitou a rodar a bola pela área do adversário sem muita presença ofensiva de fato. A situação só foi melhorar de cenário quando o técnico Sidney Morais colocou o centroavante Tadeu no jogo durante o intervalo. Com ele em campo, o Náutico chegou mais ao gol e despertou maior preocupação dos alvinegro do Rio Grande do Norte. O goleiro Gilvan passou a ser mais exigido.

O gol alvirrubro, porém, veio de uma chute de fora da área. Paulinho aproveitou bola sobrada no meio de campo e chutou de longe. A bola bateu no chão e enganou o goleiro do ABC indo para o fundo das redes, aos 16 minutos do segundo tempo.

Após a igualdade, os donos da casa até tentaram pressionar e buscar o desempate, mas já não tinham o mesmo ímpeto do primeiro tempo. Dênis Marques, que foi um dos melhores da primeira etapa, parecia não ter mais fôlego. Por outro lado, o Timbu estava conformado com o placar e recuou. Fez apenas cozinhar os potiguares até o minuto final.

FICHA DA PARTIDA – ABC 1X1 NÁUTICO

ABC: Gilvan; Madson, Marlon, Diego e Luciano Amaral; Michel Smuller (Xuxa), Liel, Michel e Rogerinho (Gilmar); Lúcio Flávio (João Henrique) e Dênis Marques. Técnico: Zé Teodoro.

Náutico:  Alessandro; Rafael Cruz, Edvânio, William Alves e Roberto; Gilmak, Paulinho (Marcos Vinícius), Elicarlos, Vinícius e Rai (Tadeu); Leleu (Zé Augusto). Técnico: Sidney Morais.

Série B (décima rodada). Local: estádio Iberezão, Rio Grande do Norte. Árbitro: Devarly Lira do Rosario (ES). Assistentes: Marcio Gleidson Correia Dias (PA) e Helcio Araujo Neves (PA). Gols: Lúcio Flávio (ABC) aos 9 minutos do primeiro tempo; Paulinho (N) aos 16 do segundo.  Amarelos: Michel Schuller (ABC), Leleu (N), Paulinho (N) e Marcos Vinícius (N).

 

 

 

Blog do Torcedor

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport de olho nos 14 pontos para cumprir meta

No embalo de uma vitória que trouxe confiança à equipe e à torcida, o Sport enfrenta o Bahia amanhã, às 21h, na Ilha do Retiro. O jogo é válido pela quinta rodada do Brasileirão e aconteceria no último dia 18, mas foi suspenso devido à greve dos militares em Pernambuco. Sem vencer em casa há dois jogos, o Leão quer garantir os três pontos da vitória para cumprir a meta estipulada pela equipe de chegar à parada da Copa com 14 pontos, o que o deixaria entre os dez primeiros na tabela.

Para o atacante Ananias, os jogadores estão focados nos três pontos e contam com a Ilha do Retiro lotada na noite desta quarta. “É o nosso último jogo antes da Copa. Queremos terminar essa primeira fase bem na tabela. Uma vitória vai nos deixar numa posição boa, a apenas dois pontos do vice-líder”, disse o jogador.

A escalação ainda não foi definida e só deve ser divulgada pelo técnico Eduardo Baptista momentos antes do jogo. Quem já está de fora da lista de titulares é Rodrigo Mancha. O volante levou o terceiro cartão amarelo no jogo contra o Vitória e não enfrenta o Bahia. O mais provável é que Wendell entre em seu lugar.

Mancha levou o terceiro amarelo e está de fora da partida.Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Zé Mario também pode ser uma opção para o técnico. O meia já está regularizado e já treinou com a equipe nesta semana. Ainda assim, é mais provável que fique no banco, pois não está bem fisicamente. A previsão é que aproveite o período sem jogos para aprimorar o condicionamento físico e entre em campo só depois da Copa do Mundo.

Quem está de volta é Patric. O jogador foi poupado pelo departamento médico do Sport no último jogo por apresentar um desgaste físico acima do normal. Recuperado desde o começo da semana, já voltou aos treinos normais e reforça a equipe contra o Bahia.

Foto: Ricardo Borba Labastier/JC Imagem

Na tarde desta terça-feira, o time treinou na Ilha do Retiro e assistiu a um vídeo que trazia detalhes sobre o adversário. Após a partida de quarta-feira, o Sport entra em recesso e só volta às atividades no próximo dia 18.

BAHIA – O tricolor vem de cinco jogos sem vencer, sendo três deles derrotas seguidas. A um ponto da zona de rebaixamento, o time conta com dois retornos importantes à equipe titular. O zagueiro Titi e o volante Fahel, que cumpriam suspensão pelo terceiro amarelo no Campeonato, também estão no Recife e à disposição do técnico Marquinhos Santos.

Jogadores treinam para partida contra o Sport. Foto: Site Oficial do Bahia.

Na tarde desta terça-feira, a equipe realizou seu último treino antes da partida contra o Sport. Sob a supervisão de Marquinhos Santos os jogadores focaram nos passes rápidos seguidos por finalizações.

FICHA DA PARTIDA – SPORT x BAHIA

Sport: Magrão; Patric, Ewerton Páscoa, Durval e Renê; Wendel, Rithely e Augusto César; Ananias, Érico Júnior e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Bahia: Marcelo Lomba; Roniery, Demerson, Titi, Pará e Fahel; Rafael Miranda, Pittoni (Emanuel Biancucchi), Anderson Talisca e Branquinho (William Barbio); Maxi Biancucchi.

Série A (quinta rodada). Local: Ilha do Retiro Data: Quarta-feira, às 21h. Árbitro: Marcelo Aparecido R. de Souza (SP). Assistentes: Daniel Paulo Ziolli e Bruno Salgado Rizo (ambos de SP).

 

 

 

Blog do Torcedor

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Felipão escala Ramires em amistoso contra Panamá

A insatisfação de Luiz Felipe Scolari com o desempenho da seleção brasileira no treino de domingo, na Granja Comary, fará o técnico testar outra formação no penúltimo amistoso antes da estreia na Copa do Mundo. Diante do Panamá, nesta terça-feira, no Estádio Serra Dourada, o volante Ramires ocupará a vaga do titular Paulinho, que nem viajou a Goiânia por causa de incômodo no tornozelo esquerdo.

Hernanes, possível substituto de Paulinho, não agradou Felipão no último treino antes do embarque para a capital goiana. “Todo mundo briga por posição na seleção. São todos muito amigos, mas todo mundo quer jogar”, disse o técnico, na entrevista coletiva desta segunda-feira, após comandar uma atividade no Serra Dourada.

Fernandinho, outro jogador para a posição de Paulinho, também ficou em Teresópolis – foi poupado, assim como o zagueiro Thiago Silva, por causa do desgaste físico. Felipão ressaltou que Ramires pode atuar em até três posições da equipe, mas vai desempenhar a função de segundo volante pelo lado direito neste amistoso.

Nos trabalhos realizados na manhã de domingo, Felipão não poupou críticas à atuação do time titular. Segundo ele, a seleção deu muita liberdade e espaço para o contra-ataque durante o coletivo e não fez aquilo que apresentou na Copa das Confederações e nos amistosos. “Não vi isso no treino, o time treinou perdendo a identidade”, explicou.

O técnico da seleção também confirmou nesta segunda-feira o zagueiro Dante no lugar de Thiago Silva, o que já era esperado. Dessa forma, a seleção entrará em campo diante do Panamá com Julio Cesar; Daniel Alves, Dante, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Ramires e Oscar; Hulk, Neymar e Fred.

Na coletiva, Felipão também ressaltou a importância do amistoso contra a seleção panamenha. Ele lembrou que o adversário desta terça-feira quase conseguiu a classificação para a Copa, ao disputar as Eliminatórias da Concacaf com, por exemplo, o México que será rival do Brasil na primeira fase do Mundial. “Não será fácil”, alertou o treinador.

A seleção brasileira ainda terá mais um teste após a partida diante do Panamá. O time fará amistoso com a Sérvia, na sexta-feira, no Morumbi, em São Paulo – um adversário, segundo Felipão, que é bem parecido com a Croácia, contra quem o Brasil fará a estreia na Copa, dia 12 de junho, no Itaquerão.

 

Da Agência Estado

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Para Felipão, nada de tirar o pé!

Amistoso? Adversário sem muita tradição? Elementos que não mexem tanto com a cabeça do técnico Felipão. E as consequências disso sobram para os jogadores, que ouvem e recebem uma cobrança maior do treinador.

“Tem que jogar todo jogo como se fosse o último. Não tem isso de tirar o pé, de botar o pé. Tem que jogar com seriedade, com a mesma seriedade que sempre exigi das equipes que dirigi”, avisou.

O adversário do amistoso desta terça foi elogiado pelo técnico.

“O Panamá é uma equipe que tinha 98% de chances de se classificar a Copa e acabou ficando fora por um ou dois gols.Temos que ter seriedade. É um jogo que vai dar ideias e detalhes parecidos com a Seleção do México”

Felipão deu detalhes de como está a cabeça dele, faltando poucos dias para a Copa do Mundo.

“Tem dias que tô super tranquilo, que não me preocupo com jogo nenhum. Aí tem dia que algo dá errado e você não dorme, remói, vai procurar soluções. Queria pelo menos mais uma semana de treino,ao mesmo tempo penso que já deveria começar. Tá na hora de começar isso”.

Depois do amistoso desta terça, a Seleção enfrenta a Sérvia na sexta feira em São Paulo. No dia 12, tem a estréia no Mundial contra a Croácia.

 

 

Do NE10

 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

De volta ao Arruda, Santa Cruz recebe a Ponte Preta pela Série B

19vvvvvvwero4u3756366456h45A decisão da CBF em desinterditar o estádio do Arruda aconteceu pouco mais de 24 horas do jogo desta terça-feira contra a Ponte Preta pela 10° rodada da Série B. Com isso o Tricolor deixa os Aflitos para retornar a sua casa, que foi interditada após o assassinato do torcedor Paulo Ricardo, morto com uma privada na cabeça, no jogo contra o Paraná no dia dois de maio.

O STJD julgou o caso e puniu o Santa com a perda de cinco mandos de campo, mas os advogados do clube conseguiram a liberação do estádio nesta esta terça-feira. O presidente Antonio Luiz Neto disse que o clube foi vítima dos marginais e que não poderia ser responsabilizado pelo ocorrido.

“Eles conseguiram mostrar que o Santa Cruz foi vítima daquela ocorrência e que os bandidos já estão presos”, comentou. “Quero ver os torcedores enchendo o Arruda e mostrando que sabem fazer espetáculos. Todos estão convidados para se dirigir ao Arruda”, afirmou. Inocente no caso ou não, o certo é que o time volta a jogar em seu gramado após três partidas nos Aflitos, sendo duas pela Série B (Joinville e América-MG) e uma pela Copa do Brasil (Lagarto-Se).

Em boa fase, Carlos Alberto pode desequilibrar para o SantaFoto: Ricardo Labastier

Depois de muitas reclamações na antiga casa alvirrubra, principalmente sobre as condições do gramado, o Tricolor vai voltar a disputar um jogo onde conhece bem os atalhos do campo. Contra a equipe de Campinas-SP será o último jogo antes da Copa do Mundo, e uma vitória é de fundamental importância para terminar nas primeiras posições.

“Sabemos da nossa posição na tabela e esperamos sair com o triunfo para terminar numa boa colocação antes da parada para a Copa do Mundo”, disse Betinho. Aliás, o atacante é uma das dúvidas do técnico Sérgio Guedes para a partida. Léo Gamalho está de volta depois de cumprir suspensão, mas após as boas atuações de Betinho, o ataque poderá ter uma nova dupla.

“Fizemos vários revezamentos durante o treino para aprimorar algumas jogadas. Guedes posicionou a equipe, mas ainda não definiu quem irá ser titular”, comentou Betinho. Mas, o técnico garantiu não ter dúvidas, ou seja, já tem em mente quem será o titular nesta terça-feira. “Na verdade não é dúvida.

Trabalhei situações táticas na equipe apenas. Estou satisfeito com o Léo e o Betinho”, falou. Atualmente na oitava posição com 13 pontos, o Santa pode chegar ao G-4 se passar pela Macaca.

O adversário

A Ponte Preta vem embalada na competição após as duas vitórias consecutivas sobre o Paraná e o Boa Esporte respectivamente. Agora o objetivo dos alvinegros é terminar a rodada  na zona de classificação para a Série A. Após um começo irregular, com vários empates, a Ponte começa a pensar grande na competição.

O atacante Edno está confirmado para o jogo assim como o experiente Adrianinho. O jogo também marcará o reencontro entre o técnico Dado Cavalcante com o Santa Cruz, um de seus primeiros clubes como treinador.

Ficha de jogo

Santa Cruz:Tiago Cardoso; Nininho, Everton Sena, Renan Fonseca e Renatinho; Sandro Manoel, Memo, Danilo Pires e Carlos Alberto; Pingo e Léo Gamalho (Betinho). Técnico: Sérgio Guedes.

Ponte Preta: Roberto; Daniel Borges, César, Gilvan e Bryan; Juninho, Elton e Adrianinho; Edno, Cafu e Alexandro. Técnico: Dado Cavalcante

Campeonato Brasileiro da Série B (10° rodada)
Local: Estádio do Arruda
Horário: 19h30
Árbitro: Cleisson Veloso Pereira – MG
Assistentes: Marconi Helbert Vieira  e  Celso Luiz da Silva (ambos de MG)
Ingressos: Anel Superior R$15; Anel InferiorR$ 25; Sócio em dia  R$15; Estudante R$20

 

 

 

 

Blog do Torcedor

Foto: Clemilson Campos / JC Imagem

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Náutico busca consolidação de bom momento diante do ABC

19vvvvvwvewr4756349785435tgSe a vitória contra o América-MG, no último sábado, serviu para trazer tranquilidade, um bom resultado contra o ABC, nesta terça-feira, às 21h50, no Iberezão, no Rio Grande do Norte, pela décima rodada da Série B, serve para o Náutico garantir não só uma sequência positiva na competição como também uma implementação de trabalho do técnico Sidney Moraes. Se vencer os potiguares, o comandante alvirrubro ganha moral de vez para encaixar sua filosofia no Timbu, atual décimo colocado com 11 pontos. Além disso, impede que um adversário direto na luta pelo acesso dispare. O ABC é o quarto com 16. Lembrando que o Náutico tem um jogo a menos.

Para buscar tal resultado, Sidney deve repetir o time que bateu os mineiros. Alessandro; Rafael Cruz, Edvânio, William Alves e Roberto; Gilmak, Elicarlos, Paulinho, Raí e Vinícius; Leleu é a escalação alvirubrra que tem a tarefa de garantir mais paz para a pausa da Copa do Mundo. A intenção é garantir o entrosamento e mais uma boa atuação fora de casa.

“Até pelo transtorno que foi posto nesta semana, os jogadores deram uma resposta muito boa. Eles se dedicaram ao máximo e entenderam a filosofia. Os atletas fizeram boas partidas, apesar do resultado final”, avaliou Sidney.

Um possível problema do Timbu é o pouco tempo que teve para descansar. O time se reapresentou nessa segunda-feira e já viajou para o Rio Grande do Norte. Por outro lado, poderá contar com o atacante Tadeu, contratado recentemente pelo clube e já regularizado. Tadeu é uma alternativa de jogo para o Timbu, que não conta com um jogador de referência. Rodrigo Careca está lesionado e fora do jogo.

ABC – Novo integrante do G-4 da Série B do Campeonato Brasileiro após vitória fora de casa, o técnico Zé Teodoro afirmou que a equipe não pode perder o foco apenas porque entrou entre os quatro melhores: “O grupo é obediente, tem feito aquilo que a gente pede e todos estão de parabéns. Estamos no caminho certo”, disse.

FICHA DA PARTIDA – ABC x NÁUTICO

ABC: Gilvan; Madson, Diego Jussani, Marlon e Luciano Amaral; Michel Schmöller, Michel Benhami e RogerinhoJoão Henrique (Xuxa), Gilmar e Dênis Marques. Técnico: Zé Teodoro

Náutico: Alessandro; Rafael Cruz, Edvânio, William Alves e Roberto; Gilmak, Elicarlos, Paulinho, Raí e Vinícius; Leleu. Técnico: Sidney Moraes.

Série B (décima rodada). Local: estádio Iberezão, Rio Grande do Norte. Data: terça-feira, às 21h50. Árbitro: Devarly Lira do Rosario (ES). Assistentes: Marcio Gleidson Correia Dias (PA) e Helcio Araujo Neves (PA).

 

 

Blog do Tordo

Foto: Alexandre Gondim/ JC Imagem

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport espera que Neto Baiano continue carrasco do Bahia

19vvvvvvvwefigwiefwvbeftO Brasileirão entrou na pausa da Copa do Mundo, mas o Sport ainda tem compromisso pela competição. O Leão encara o Bahia, nesta quarta-feira, na Ilha do Retiro, às 21h, em jogo atrasado da quinta rodada da Série A. O confronto foi adiado por conta da greve da Polícia Militar. Para esse duelo, os rubro-negros esperam que Neto Baiano não só mantenha a dedicação que tem dentro de campo como também a fama de carrasco do Bahia. Na época de Vitória, Neto deixou a marca dele nas redes do Tricolor de Aço em seis oportunidades.

Todos os gols do atacante com a camisa do Vitória diante do Bahia foram marcados pelo Campeonato Baiano.  A fama rendeu até polêmicas de Neto com o adversário. Tanto que o jogador diz que nunca jogaria pelo Tricolor de Aço pelos problemas que teve com o rival.

A brincadeira mais marcante de Neto Baiano com os baianos foi um vídeo produzido por uma televisão da Bahia. Na ocasião aparece atropelando um torcedor fictício do Bahia e tenta ajudá-lo. O adversário reconhece o jogador e sai correndo. No final, Neto faz a piada que atropelou o Bahia mais uma vez.

Curiosamente, o último gol de Neto Baiano foi justamente contra o clube em que ele fez mais sucesso, o Vitória. Por conta dessa identificação, não comemorou o gol. Contra o Bahia, porém, não deve se conter. Bom para o torcedor rubro-negro, que também não se deixará de comemorar com Neto bem ao estilo ‘frescador’.

 

 

 

Blog do Torcedor

Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Ricardo Teixeira sofre investigação por Copa no Catar

Ricardo Teixeira está entre os cartolas investigados por conta de seu apoio ao Catar para sediar a Copa de 2022. O Estado obteve confirmações de que o ex-presidente da CBF é um dos alvos por conta de sua relação de amizade com Mohammed Bin Hammam, ex-presidente da Confederação Asiática de Futebol e um dos principais agentes do futebol do Catar, e também por causa de suspeitas de transações financeiras entre o Catar e a CBF logo antes da votação, em dezembro de 2010.

Teixeira, que era na época membro do Comitê Executivo da Fifa, não escondeu de ninguém que votou pelo Catar. Um ano depois, ele apoiaria Bin Hammam para a presidência da Fifa, contra Joseph Blatter. Agora, pelo menos três suspeitas pairam sobre ele. A primeira se refere ao fato de que a CBF recebeu um cachê fora dos padrões para realizar um amistoso da seleção brasileira, justamente no Catar. Em novembro de 2010, semanas antes do voto, o Brasil jogou em Doha contra a Argentina.

Pessoas envolvidas na partida relataram que dois contratos foram assinados. Um, com a empresa que de fato organizou a partida. Outro teria sido fechado diretamente com a CBF, valendo cerca de US$ 14 milhões, para ser dividido entre as duas federações envolvidas.

Outro foco é o envolvimento de Bin Hammam com a empresa ISE, que detém todos os direitos sobre os amistosos da seleção brasileira até 2022. Teixeira e a ISE assinaram o acordo no Catar. A ISE ainda teria dado à Confederação Asiática de Futebol outros US$ 14 milhões para o “uso pessoal” de Mohamed Bin Hammam.

Os investigadores ainda querem saber se há alguma relação entre a votação do Catar na Fifa e o fato de que um amigo próximo de Teixeira, Sandro Rosell, fechou com o emirado um acordo histórico para patrocinar o Barcelona, dias antes da eleição em 2010. Rosell, ex-presidente do Barcelona, mantinha diversos acordos comerciais com a CBF e com a ISE.

Fonte: Agência Estado

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.