Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Náutico tem mudança no gol e volta de sistema com centroavante; veja provável time

Anderson começa jogando na meta e, no ataque, Hélio dos Anjos adiantou que time voltará a ter homem de referência; Álvaro é favorito para ocupar função

Por Redação do ge — Recife

Diante do Operário-PR, na sexta-feira, em Ponta Grossa, pela 28ª rodada da Série B, o Náutico terá ao uma mudança no gol, uma no ataque e uma no meio-campo. Dessas alterações, duas já foram confirmadas pelo técnico Hélio dos Anjos: Anderson começa como titular na meta e o time voltará a ter um centroavante (provavelmente Álvaro). A grande dúvida é no meio: quem será o substituto do suspenso Jean Carlos?

Veja, abaixo, setor por setor as possibilidades do Timbu:

Gol

O recém-contratado Anderson, como Hélio admitiu, será o titular e fará sua estreia. Jefferson, assim, fica no banco, já que o antigo titular, Alex Alves, ainda está lesionado (com dores no joelho direito).

Zaga

Camutanga permanece no time e deve ter, como parceiro, Rafael Ribeiro – uma vez que Yago, que ganhou a preferência do treinador na última partida, não foi bem contra o CRB, marcando até gol contra (o último do adversário, que venceu por 3 a 1).

Laterais

Na esquerda, há uma tendência forte de mudança. Júnior Tavares deve ser puxado do meio-campo para o setor. Breno Lorran, em mau momento, deve sair do time. Na direita, Hereda disputa com Thássio.

Meio-campo

A dupla de voltantes tende a permanecer a mesma: Rhaldney e Matheus Trindade. A dúvida fica na posição mais avançada do trio, já que Jean Carlos – o dono da camisa 10 – está suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

O treinador tem várias opções para substituir Jean, nenhuma delas, porém, com a mesma característica do meia – artilheiro e maior garçom do time na competição.

Hélio pode fechar o time com mais um volante de pegada, como Djavan, colocar um volante de mais mobilidade, como Luiz Henrique, ou apostar num atleta de estilo mais próximo ao do titular – como Matheus Carvalho ou Vargas – que não vem atuando com frequência.

Na volta da torcida, Náutico perde a quinta seguida na Série B

Ataque

As pontas têm dono: Vinícius, na esquerda, e Jaílson, na direita, jogam. O “9” deve ser Álvaro, autor do gol do Timbu na derrota contra o CRB. Já Caio Dantas, voltando de lesão, deve ser resguardado para o segundo tempo.

Escalação provável

Assim, a escalação provável do Náutico, com as dúvidas entre parênteses, é a seguinte: Anderson; Hereda (Thássio), Camutanga, Rafael Ribeiro e Júnior Tavares; Rhaldney, Matheus Trindade e Luiz Henrique (Vargas); Jaílson, Vinícius e Álvaro.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport planeja composição de nova diretoria de futebol e quer definir executivo nesta semana

Após destituir dirigentes e mudar cargos no staff do departamento, Rubro-negro busca chegada de pelo menos dois diretores para gestão do futebol

Por Camila Alves — Recife

Globo Esporte

Após anunciar mudanças no departamento de futebol, o Sport estuda a composição da nova diretoria – para assumir os cargos destituídos no início da semana. Com o Brasileiro em andamento, o Rubro-negro deve montar o setor com número reduzido e quer definir o responsável pelo cargo de executivo ainda nesta semana.

– Não teremos mais saídas no staff. Teremos a contratação do executivo de futebol. Devemos e queremos finalizar até sexta-feira – afirma o vice-presidente do clube, Yuri Romão.

O Rubro-negro chegou a colocar o nome de Klauss Câmara na mira – que tem passagem pela Ilha do Retiro. Mas o atual cenário de instabilidade pesa contra a contratação.

O clube está sem executivo desde sexta-feira – quando Felipe Albuquerque pediu demissão – e fez outras alterações no departamento, por conta de uma sequência de erros administrativos no futebol.

Crise no Sport: Tiago Neves ataca diretoria e executivo fala sobre erros

O Sport não registrou o lateral-direito Jeferson – que terminou sendo emprestado ao Náutico – e ainda deixou de inscrever outros três reforços na Série A. Casos de Vander Vieira, Saulo e Aguirre. Ao mesmo tempo, o clube corre o risco de perder pontos por conta da alegada irregularidade do zagueiro Pedro Henrique.

Diante deste cenário, o Sport destituiu a diretoria de futebol e mudou os responsáveis pelos cargos de Gerente e Supervisor no departamento.

Agora, depois de contar com cinco membros na primeira formação, o Leão deve ter uma equipe reduzida para completar a temporada. O nome de Augusto Caldas, inclusive, está entre os especulados.

– Está havendo várias conversas, alguns foram consultados. Não temos aceite ainda. Infelizmente a política ainda atrapalha a atração de pessoas para compor esse departamento. Mas a gente está tentando viabilizar a chegada de pelo menos dois dirigentes – explica Yuri Romão.

Neste cenário, o clube trabalha com duas possibilidades: manter a condição de diretores abnegados ou partir para nomes remunerados. A segunda alternativa ganha força devido ao panorama conturbado do Sport.

– Se a política não permitir, vamos partir para remunerados. Mas a opção ainda é termos composição com pessoas que possam nos ajudar.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Presidente do Santa Cruz afasta chance de renúncia e busca “harmonia” política no clube

Em primeiro ano de mandato, Joaquim Bezerra viu outros cabeças de sua gestão saírem antecipadamente do clube, e pede união para Tricolor se recuperar de queda à Série D

Por Alexandre Ricardo — Recife

Globo Esporte

O primeiro ano de mandato do presidente Joaquim Bezerra no Santa Cruz, que culminou no rebaixamento à Série D, tem sido marcado por bastante pressão. Em uma temporada que teve saídas antecipadas do vice-presidente, André Frutuoso, e do presidente do Conselho Deliberativo, Mário Godoy, além de outros integrantes da alta cúpula do clube, o mandatário coral afasta, da parte dele, qualquer possibilidade de renúncia.

– Não existe essa condição de renunciar. Andei procurando alguns tradicionais tricolores para que a gente pudesse unir o clube. O Santa Cruz é um clube grandioso, mas se ele ficar dividido não vai conseguir sustentabilidade para os próximos anos. O Santa Cruz passa por dificuldades há décadas, e elas vêm aumentando a cada ano. Se uma eleição é feita e os grupos permanecem divididos, o Santa Cruz é quem sofre no final. Estou buscando um consenso de harmonia.

Durante a semana, o Tricolor anunciou uma reformulação no departamento de futebol, com as saídas do técnico Roberto Fernandes, do coordenador Givanildo Oliveira e do executivo Fabiano Melo. Após anunciar Leston Júnior como substituto de Roberto, o clube agora mira a contratação de um novo executivo e avalia os nomes disponíveis do mercado.

Desde a Série C, Joaquim Bezerra vem contando com a ajuda direta de ex-presidentes do Santa, como Romerito Jatobá e Alexandre Mirinda. Até a chegada de um novo executivo, o próprio mandatário vai chefiar as ações relacionadas ao futebol profissional. Ao mesmo tempo, tem a missão de minimizar a turbulência nos bastidores do clube.

“Estou buscando essa harmonia entre os tricolores tradicionais, que sempre deram sustentação ao clube, para que a gente possa, dentro de um programa profissional, fazer com que várias pessoas venham contribuir na gestão. E a renúncia não é algo que passa por esse processo.”

– O que passa é a gente abdicar de questões menores, em prol de algo maior que é o Santa Cruz. Os grupos políticos precisam ser desarmados após as eleições, com todo mundo pensando no clube.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Em meio a crise na diretoria, Sport amarga pior campanha do clube na Série A de pontos corridos

Com 17 pontos em 22 jogos, Leão tem mesmo rendimento de 2009, quando acabou rebaixado como lanterna

Por Redação do ge — Recife

Globo Esporte

Fora de campo, o Sport vive crise com sua diretoria após erro na inscrição dos últimos reforços para a Série A. Dentro dele, o Leão não vence há oito jogos, é o penúltimo colocado e vê a porta de saída do Z-4 a sete pontos. A campanha, passadas 22 rodadas, se iguala à de 2009 do Rubro-negro como a pior da equipe na história do Brasileiro em pontos corridos. Naquele ano, acabou rebaixado como lanterna.

A campanha de 2009 é ainda levemente superior à atual, já que, naquela competição, o Sport chegou a 17 pontos com quatro vitórias, cinco empates e 13 derrotas (nesta edição, são três vitórias, oito empates e 11 derrotas).

Como o primeiro critério de desempate da Série A é a quantidade de triunfos, o elenco daquela temporada estaria à frente do time de 2021.

Em 2009, o Leão também era, como hoje, o 19º colocado. Sua distância para o lanterna, no entanto, era menor do que a de agora – o último era o Flu, com 16, e hoje é a Chape, com 10.

Em relação à saída do Z-4, o abismo era o mesmo: sete pontos. Em 2009, o 16º era o Santo André, com 24. Hoje, é o Santos, também com 24.

Confira, abaixo, as campanhas do Sport em cada temporada da Série A em pontos corridos após 22 jogos:

  • 2007 – 31 pontos (9V, 4E e 9D; 9º lugar)
  • 2008 – 29 pontos (8V, 5E e 9D; 10º lugar)
  • 2009 – 17 pontos (4V, 5E e 13D; 19º lugar)*
  • 2012 – 19 pontos (4V, 7E e 11D; 18º lugar)*
  • 2014 – 32 pontos (9V, 5E e 8D; 8º lugar)
  • 2015 – 32 pontos (7V, 11E e 4D; 10º lugar)
  • 2016 – 27 pontos (7V, 6E e 9D; 13º lugar)
  • 2017 – 29 pontos (8V, 5E e 9D; 11º lugar)
  • 2018 – 23 pontos (6V, 5E e 11D; 18º lugar)*
  • 2020 – 25 pontos (7V, 4E e 11D; 16º lugar)
  • 2021 – 17 pontos (3V, 8E e 11D; 19º lugar)
    *Campanhas que terminaram em rebaixamento

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Executivo de futebol do Santa Cruz tem reunião para definir futuro de William Alves

Com contrato até o final da temporada, jogador não tem presença garantida para a disputa da fase preliminar da Copa do Nordeste

Por Alexandre Ricardo — Recife

Globo Esporte

Após a despedida na Série C do Campeonato Brasileiro, a diretoria do Santa Cruz agora volta as atenções para a disputa da fase preliminar da Copa do Nordeste de 2022, marcada para outubro. A prioridade é de ajustar o elenco e definir os nomes que continuam à disposição do técnico Roberto Fernandes. Entre os jogadores que terão futuro sendo definido nos próximos dias, está o zagueiro e capitão William Alves.

Com contrato até o final da temporada, o defensor não tem presença assegurada para o compromisso coral no torneio regional. Em contato com a reportagem do ge, o executivo de futebol do Tricolor, Fabiano Melo, informou que uma conversa será promovida com William Alves para saber se há interesse em continuar ou o atleta planeja negociar com outro clube.

Desde 2019 no Arruda, William Alves está em sua segunda passagem pelo Santa. Em 2012 e 2013, foi bicampeão pernambucano e acumula quase 130 partidas com a camisa do clube. Nesta temporada, alternou a braçadeira de capitão com o atacante Pipico.

Titular durante boa parte da Série C, o zagueiro ficou no banco e não foi acionado durante a última rodada, quando o Santa Cruz empatou em 1 a 1 com o Botafogo-PB.

Na última semana, a direção coral acertou as saídas de diversos jogadores do plantel que acabou sendo rebaixado para a Série D com uma rodada de antecedência. Foram eles: lateral-direito Weriton, o zagueiro Victor Oliveira, os volantes Vitinho e Augusto César, os meias Rondinelly e Jailson, além dos atacantes Bruno Moraes, Levi e Wallace Pernambucano.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Com 19 atletas para o Pré-Nordestão, Santa Cruz sobe pratas da casa e não descarta reforços

Destaque do time sub-20 no Pernambucano da categoria, meio-campo Marcelinho foi a primeira promessa alçada ao time principal e estreou no empate em 1 a 1 com o Botafogo-PB

Por Alexandre Ricardo — Recife

Globo Esporte

Com o fim da Série C do Campeonato Brasileiro após o rebaixamento decretado para a quarta divisão, o Santa Cruz agora vive um momento de reformulação no elenco para a disputa das eliminatórias da Copa do Nordeste, marcadas para o mês de outubro. Com as diversas saídas promovidas durante a semana passada, o elenco comandado pelo técnico Roberto Fernandes agora conta com 19 atletas e deve receber jogadores da base – além de possíveis reforços.

Ao todo, nove jogadores acertaram suas respectivas rescisões e não fazem mais parte do plantel: Weriton, Victor Oliveira, Vitinho, Augusto César, Rondinelly, Jailson, Bruno Moraes, Levi e Wallace Pernambucano. Outros nomes, como o do zagueiro William Alves, ainda vão ter contato com o departamento de futebol do clube para tratar de uma possível permanência.

A direção ainda tenta estender os vínculos de alguns atletas avaliados como destaques durante a disputa da Série C, a exemplo do lateral-direito Lucas Rodrigues e do meia Tarcísio. Porém, como a maioria dos contratos foram assinados vislumbrando as etapas decisivas da Série C, esses jogadores não devem ser problema para o Pré-Nordestão.

Elenco do Santa Cruz para as eliminatórias da Copa do Nordeste

GoleirosJordan, Marcão e Geaze
LateraisLucas Rodrigues, Leonan, Gilmar e Eduardo
ZagueirosWilliam Alves, Júnior Sergipano, Rafael Castro, Breno Calixto
VolantesCaetano, Maycon Lucas
MeiasJoão Cardoso, Lelê, Tarcísio
AtacantesPipico, Léo Gaúcho, Frank

Fonte: ge

Para cumprir a expectativa de ter aproximadamente 26 jogadores à disposição, a direção não descarta a chegada de reforços pontuais. Além disso, jovens promessas das categorias de base estão sendo monitoradas para compor o elenco principal. No grupo que disputou a última rodada da Terceirona, diante do Botafogo-PB, o goleiro Jaime e o meio-campo Marcelinho estiveram como opções no banco de reservas.

Meia-atacante de 19 anos de idade, Marcelinho realizou inclusive sua estreia entre os profissionais do Tricolor. Filho do meia Marcelinho Barros, que defendeu o Santa entre 1998 e 2000, ele é um dos destaques do sub-20 que participa atualmente do Campeonato Pernambucano da categoria. Além dele, o lateral-esquerdo Anthony, de 16 anos, também vem sendo observado pela comissão técnica.

– O torcedor que conhece meu trabalho sabe que tenho como característica a valorização da prata da casa. Quando fui campeão pernambucano com o Náutico, foram promovidos cerca de 16 atletas que dão resultados até hoje. E no Santa Cruz não é diferente. Quando você está numa situação como essa do Santa, você deve ter um trabalho consistente na base, porque sou absolutamente contra subir por subir o garoto. Tem que subir por meritocracia. E o Marcelinho vem se destacando, é óbvio que não está pronto, tem muita coisa a ser melhorada, mas também tem potencial para melhorar – avaliou Roberto Fernandes.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Para atingir margem de acesso na Série B, Náutico precisa ter desempenho superior ao do líder

Hoje com 35 pontos e 12 jogos pela frente, Timbu tem que ter 75% de aproveitamento para chegar a 62 pontos, marca que o coloca com boa chance de subir

Por Rômulo Alcoforado — Recife

Globo Esporte

Para levar o Náutico à Série A, o técnico Hélio dos Anjos, em seu retorno ao clube, precisará operar um pequeno milagre. É que, em mau momento, o time despencou na tabela e está a nove pontos do G-4. Com 12 jogos a fazer, o Timbu precisa ter aproveitamento de 75% dos pontos para alcançar uma pontuação forte na briga pelo acesso.

Para efeito de comparação, nem o líder da competição, o Coritiba, tem desempenho tão bom. O Coxa somou 66% dos pontos que jogou.

Neste momento, o Náutico tem 35 pontos. Para chegar a 62 – um número que lhe permitiria sonhar com o acesso, embora não seja garantido – o time precisa fazer 27 em 36. Seria como ganhar 9 em 12. Ou vencer oito e empatar três.

A margem é estreita porque, com uma vitória em 12 jogos, a equipe que liderou a competição por 14 rodadas e teve o melhor início da história da Série B em pontos corridos ficou muito longe do pelotão de cima.

Neste momento, na 11ª posição, o Náutico está à mesma distância do G-4 e do Z-4: nove pontos o separam do CRB, o quarto colocado (com 44), e do Brusque, o 17º, com 26.

Para se afastar do rebaixamento e alcançar o número mágico de 45, a tarefa é mais fácil. O Timbu precisa somar mais 10 pontos nos jogos que faltam, ou seja, 27% dos pontos disputados. É um aproveitamento só um pouco melhor do que o do Confiança, penúltimo, que tem 26,9% dos pontos.

Náutico sofre gol no fim, perde do Remo e chega à quarta derrota seguida na Série B

Acesso quase descartado por sites de estatística

Os principais sites de estatísticas do Brasil praticamente descartam o acesso do Náutico neste momento. Nos três maiores, o percentual de chance do Timbu varia de 1,2 a 2%.

O Infobola, do matemático Tristão Garcia, é o mais “otimista”. Aponta 2% de chance do Timbu sair. O site da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) calcula a possibilidade em 1,5%, enquanto o Chance de Gol dá 1,2% de chance de acesso ao Náutico.

Em todos os sites, a chance de queda para a Série C (ainda que estatisticamente muito improvável) é um pouco maior do que de acesso para a Série A. A UFMG vê a probabilidade do Timbu de cair como 2,8%.O Chance de Gol calcula 1,6%. O Infobola dá 3% de risco de descenso.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport está há quase 800 minutos sem marcar e vive maior jejum de gols dos pontos corridos

Último gol do Leão na competição foi na 14ª rodada, contra o Bahia, no dia primeiro de agosto; time completa dois meses de seca na próxima sexta-feira

Por Redação do ge — Recife

Globo Esporte

Os números ruins do ataque do Sport fazem a equipe alcançar marcas históricas negativas rodada após rodada. Com mais uma partida em branco, contra o Fortaleza, no domingo, pela 22ª rodada do Brasileiro, o Leão chegou a oito jogos consecutivos sem marcar. Agora, são exatos 787 minutos na seca.

Segundo o jornalista e pesquisador do futebol pernambucano Cassio Zirpoli, esse é o maior jejum dos pontos corridos. O último gol anotado pelo Sport foi aos 43 do segundo tempo do jogo contra o Bahia, na 14ª rodada, no dia primeiro de agosto. O Leão completará dois meses de seca na próxima sexta-feira, já que só joga no domingo, contra o Grêmio.

Ainda sobre os números, o time rubro-negro passou na ingrata lista quatro times que tiveram sete partidas de jejum em uma mesma edição, de acordo com levantamento do jornalista Thiago Minhoca, do jornal O Povo, do Ceará: o próprio Sport de 2012, Criciúma de 2014, Vasco de 2015 e Fluminense de 2018.

Os minutos sem gol do Sport (com acréscimos):

  • 6 minutos no jogo contra o Bahia
  • 96 contra o Bragantino
  • 96 contra o Flamengo
  • 99 contra o São Paulo
  • 98 contra a Chapecoense
  • 97 contra o Athletico-PR
  • 97 contra o Internacional
  • 101 contra o Atlético-MG
  • 97 contra o Fortaleza

Melhores momentos de Sport 0 x 1 Fortaleza pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro

Pior ataque

Essa seca também faz o Sport ser o pior ataque desta edição e de toda a história da Série A em pontos corridos (empatado com o Vasco de 2015). Após 22 jogos, o Leão tem apenas oito gols anotados – menos, por exemplo, do que o artilheiro da competição, o volante Edenilson, do Internacional.

O Sport é o ataque menos positivo com larga vantagem sobre os times mais próximos – Grêmio, Atlético-GO e Chapecoense, que têm 17 gols anotados (mais do que o dobro do Leão).

Sob o comando do técnico Gustavo Florentín, após quatro jogos, a equipe ainda não marcou gols e, consequentemente, não venceu.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Náutico vive dependência de Jean Carlos e Vinícius, autores de mais de 80% dos gols desde lesão de Kieza

Desde que K9 se lesionou, na 14ª rodada, contra o Brusque, meia e atacante marcaram cinco dos seis gols que o Timbu fez (em 12 jogos)

Por Rômulo Alcoforado — Recife

Globo Esporte

A baixa produção do ataque tem sido fator determinante no mau momento do Náutico na Série B. Coincidência ou não, a dificuldade em marcar gols aumentou quando o centroavante Kieza se machucou (na 14ª rodada da competição). Desde então, o Timbu marcou apenas seis gols em 12 partidas. Números que seriam ainda piores se o meia Jean Carlos e o atacante Vinícius não estivessem no time.

As estatísticas apontam que, neste momento, o Alvirrubro vive uma dependência desses dois jogadores. Dos seis gols marcados nas últimas 12 partidas – uma média baixa de 0,5 por jogo -, Vinícius e Jean anotaram cinco. Ou seja, 83% do total.

Melhores momentos: Remo 1 x 0 Náutico, pela 26ª rodada do Brasileirão Série B

O único dos gols que não teve participação direta da dupla foi diante do Coritiba, na 15ª rodada – a primeira após a saída de Kieza do time. Naquela partida, Matheus Carvalho anotou com assistência de Paiva. Dali em diante, todos os gols do Náutico foram feitos por Jean ou por Vinícius (alguns com assistência de um para outro).

JogoAutor do golAssistência
Coritiba 3 x 1 NáuticoMatheus CarvalhoPaiva
CSA 0 x 1 NáuticoViníciusJean Carlos
Náutico 1 x 1 Vitória-BAViníciusJean Carlos
Náutico 1 x 1 GuaraniJean CarlosGiovanny
Botafogo 3 x 1 NáuticoJean CarlosVinícius
Náutico 1 x 2 LondrinaJean CarlosVinícius

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport corre contra prazo por reposição para Thiago Neves e outros dois reforços para Série A

Leão tem até esta sexta-feira para inscrever novos atletas no Brasileiro e monitora nomes para setor de meio de campo, além de zagueiro e lateral-esquerdo

Por Redação do ge — Recife

Globo Esporte

A saída de Thiago Neves – confirmada na última segunda-feira – abriu uma vaga no meio de campo do Sport nesta temporada. Ativo no mercado de transferências, o Rubro-negro estuda uma reposição do meia-atacante e, após a contratação anunciada do lateral-direito Jeferson, também mira outros dois reforços. Mas corre contra o tempo por conta do limite de inscrições na Série A.

Os clubes têm até esta sexta-feira – dia 24 de setembro – para inscrever novos atletas aptos a atuar no Brasileirão.

Aém da posição de Thiago Neves, o Rubro-negro ainda tem na mira a chegada de um zagueiro e um lateral-esquerdo. Mas mantém o discurso de cautela.

– Estamos no mercado. Se aparecer oportunidade, sim. Mas sem desespero, nada que tenha desespero. Se tiver oportunidade de reposição para o meia (contratamos). Se não, não tem necessidade – afirma o vice-presidente de futebol do Sport, Nelo Campos.

A preparação do Sport para o duelo contra o Fortaleza no domingo

Ao longo dos últimos dias, o meia-atacante Alesson chegou a ser procurado pela diretoria. Mas ele tem contrato com o Vila Nova e a negociação não caminhou, segundo Nelo Campos.

– A gente tinha conversado com o empresário, mas não fechamos – explica.

Os últimos a integrar o elenco do Leão foram o atacante Vander Vieira e o volante Nicolás Aguirre, além do próprio lateral-direito Jeferson. Todos contratados sob o aval do novo técnico, Gustavo Florentín.

Antes do trio, a atual diretoria havia confirmado quatro contratações: os meias Hernanes e Everton Felipe, o zagueiro Pedro Henrique e o goleiro Saulo. Só o último ainda não estreou pelo Sport.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.