Luxemburgo não vê Sport mal e credita derrota a “erros individuais”

Por GloboEsporte.com, Recife

A avaliação do técnico Vanderlei Luxemburgo é que o Sport não jogou mal, na derrota por 2 a 1, para o Atlético-PR, neste domingo, na 30ª rodada da Série A. Segundo ele, o Leão equilibrou a partida e poderia ter saído da Arena da Baixada ao menos com o empate – não fossem “erros individuais” dos atletas rubro-negros.

O treinador estava especialmente insatisfeito com o lance que originou o pênalti do segundo gol do Atlético-PR, convertido aos 42 do segundo tempo. Ele viu falha de Patrick e Rithely no lance – sem citar diretamente o nome dos jogadores. O primeiro por ter perdido a bola ao puxar contra-ataque, o segundo por ter feito a penalidade.

– Tomamos o gol porque perdemos uma bola na saída, e, depois, com três jogadores nossos marcando um deles, fizemos o pênalti. (vídeo abaixo)

Segundo Luxemburgo, essas falhas que comprometem o resultado são recorrentes no Sport.

– Acabamos levando um gol por uma falha de marcação, saída de bola. Não é a primeira vez que acontece. Tem que ter mais tranquilidade e discernimento para saber o momento do jogo. Fizemos um grande jogo, poderíamos ter saído com o empate – afirmou.

Com a derrota, o Sport caiu para a 15ª posição e vê a zona de rebaixamento cada vez mais próxima. O próximo jogo na Série A é domingo que vem, contra o Coritiba, na Ilha do Retiro. Antes, na quinta, recebe o Junior de Barranquilla-COL, pela primeira partida das quartas de final da Sul-Americana.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sem vencer há sete jogos em casa, Sport tem baixo aproveitamento na Ilha

Por Rômulo Alcoforado, Recife

Globo Esporte

Ainda em suas primeiras entrevistas como técnico do Sport, Vanderlei Luxemburgo exaltou o papel da Ilha do Retiro para o clube. Ele conhecia o estádio como rival e sabia da força que ele emana para o time. Por isso, afirmou que o estádio precisava ser, de fato, a casa do Sport na Série A. E que adversário nenhum poderia “chegar e abrir a porta da geladeira”. Na reta final da competição, porém, a ideia não foi concretizada.

O Leão não vence há sete jogos na Ilha do Retiro, pelo Brasileirão. O último triunfo como mandante na competição foi no dia 20 de julho, em um confronto com o Atlético-GO, que aconteceu há mais de três meses. Desde então, foram sete duelos consecutivos sem saber o que é vitória em casa (a não ser por um jogo da Sul-Americana, contra a Ponte Preta).

Tais resultados fizeram o time despencar na tabela – tanto a normal quanto a que só leva em consideração o desempenho como mandante.

O Sport é o 13º melhor mandante da Série A. Ou o sétimo pior. Somou menos de 50% dos pontos que disputou em casa. Em 15 jogos, venceu cinco, empatou sete e perdeu três. Alcançou 22 pontos de 45 possíveis.

Em 2016, quando brigou para não cair até a última rodada, o desempenho em casa era melhor. Na mesma altura, a 30ª rodada, o Leão tinha 26 pontos em casa. Cerca de 57% de aproveitamento.

Quando se recua até 2015, aí a distância é abissal. Na campanha em que o Sport acabou em sexto e quase foi à Libertadores do ano seguinte, a Ilha do Retiro foi, de fato, uma fortaleza. Na 30ª rodada, o Leão era o quinto melhor dono de casa. Só havia sofrido uma derrota, na Arena de Pernambuco, contra o Flamengo. Além disso, eram 10 vitórias e um empate. Aproveitamento de mais de 75%.

O que coloca o Sport em uma condição ruim na tabela neste ano, além do baixo desempenho em casa, é o pouco perigo que representa como visitante. Ele tem o quinto pior aproveitamento fora de casa. Em 14 jogos, conseguiu 13 pontos só. Ganhou quatro confrontos, empatou um e perdeu nove.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

De volta ao Sport, Samuel Xavier garante estar pronto para ficar de vez

Por Rômulo Alcoforado, Recife

Globo Esporte

O lateral-direito Samuel Xavier voltará ao time titular do Sport. Depois de sete jogos como reserva, começará o próximo duelo do Leão, diante do Atlético-PR, pela 30ª rodada da Série A. Ele garante estar em condições para não largar mais a posição, ocupada por Raul Prata, até o jogo contra o Santos.

– A equipe tem muitos jogadores, caras que têm totais condições de jogar como titular. Raul entrou, jogou bem. Isso acontece na carreira do jogador. Você tem altos e baixos, professor optou por eu sair. Trabalhei forte, procurei melhorar algumas coisas e buscar meu melhor para, quando tiver oportunidade, voltar a ficar no time – disse.

Samuel nega que tenha se abatido. Afinal, a condição de reserva era nova para ele no Sport: desde 2015, quando chegou, o lateral-direito foi titular continuamente.

– Eu sempre falo com os meninos aqui, principalmente quando não estão jogando. Eu falo: “Cara, trabalha forte porque o futebol muda muito rápido. Quando você está preparado, a oportunidade aparece, e você tem que agarrar”. Foi isso que procurei fazer nesse período fora – afirmou.

Contra o Furacão, é certo que Samuel Xavier será titular. Seu colega e concorrente, Raul Prata, nem viajou por conta de problemas físicos.

A última vez que Samuel foi titular foi na 23ª rodada da Série A, na derrota do Leão, por 1 a 0, contra o Avaí, na Ilha do Retiro. Nesta temporada, o lateral-direito fez 49 partidas e marcou um gol.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Invasões de campo podem render punições do STJD ao Náutico

Por Daniel Gomes, Recife

Globo Esporte

O saldo da derrota de 2 a 1 para o ABC pode ser pior do que o Náutico imagina. Isto porque as invasões de dois torcedores aos 40 minutos do segundo tempo da partida podem render punições. Primeiro, um torcedor chegou a bater boca com o atacante William. O segundo entrou logo depois. Apesar de terem sido detidos pela Polícia Militar, o Timbu deve ser enquadrado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

O artigo em questão é o 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que trata de prevenção e repressão de invasão de campo. Além da pena de perdas de mando de campo, que pode ser de até 10 partidas, o artigo também prevê uma multa que varia entre R$100 e R$100 mil reais.

O que prejudica ainda mais o Timbu é o fato de, recentemente, o clube ter sido punido também por invasão de campo. Na derrota de 2 a 0 para o Oeste-SP, no final da Série B de 2016, vários torcedores invadiram o gramado da Arena de Pernambuco. Por causa daquelas invasões, o Náutico foi punido com a perda de um mando de campo e uma multa de R$ 10 mil.

O Timbu ainda conseguiu reverter a perda de mando de campo por atuar de portões fechados. O clube cumpriu a suspensão na Arena de Pernambuco, no empate sem gols contra o América-MG, na rodada de abertura da Série B deste ano.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Martelotte vê Santa Cruz mais perto da vitória e aponta erro de arbitragem

Por GloboEsporte.com, Recife

O principal alvo do Santa Cruz, após o 1 a 1, com o Brasil de Pelotas, no Estádio Bento de Freitas, pela 31ª rodada da Série B, foi o árbitro Marcos Mateus Pereira (MS). Segundo o técnico Marcelo Martelotte, neste sábado, o juiz foi decisivo para que o Santa não saísse do Sul com uma vitória. O treinador contesta a marcação de um pênalti do lateral-esquerdo Yuri em cima do atacante Juninho, que o juiz marcou a favor do Brasil e resultou no gol de empate dos donos da casa.

– Não fizemos um bom primeiro tempo no sentido de reter a bola e criar chances. Nesse aspecto, foi um dos piores jogos nossos. Mas, na marcação, fomos bem. No segundo tempo, controlamos melhor. O Brasil veio para cima, e a gente sabia que sofreria essa pressão. Nosso comportamento defensivo foi muito bom. Eles mudaram bastante, mexeram na características, e nós conseguimos manter a postura e poderíamos ter saído com a vitória, mas o jogo foi decidido por um erro de arbitragem – disse o treinador.

Segundo Martelotte, é duro para o Santa Cruz, em busca de sair da zona de rebaixamento, enfrentar erros de arbitragem. Para ele, as falhas tem se repetido contra o Tricolor.

– Desagrada muito, no sentido de que a gente se sente numa situação que não pode fazer nada. Lógico que minha conversa com os atletas é que se mantenha a postura de acreditar sempre, de buscar o resultado sempre. Mas é desmotivamente – declarou.

O técnico repetiu o discurso de que acredita na permanência do Santa Cruz. Mesmo estando a cinco pontos do primeiro time fora da zona de rebaixamento.

– Temos confiança no grupo. O jogo deste sábado é prova. Tivemos jogador estreando, Jeremias, João Ananias voltando ao time, Derley e Wellington atuando bem. Não é uma arbitragem ruim que vai nos tirar a confiança – afirmou.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Após derrota pro ABC, Roberto Fernandes usa reação do adversário como exemplo

Por GloboEsporte.com, Recife

Globo Esporte

A derrota diante do ABC-RN, lanterna da Série B, foi inesperada. O próprio técnico Roberto Fernandes assumiu que o placar de 2 a 1 sofrido pelo Náutico nesta sexta-feira, no Estádio Lacerdão, na cidade de Caruaru, não estava na conta. Mas para resgatar a autoestima do seu elenco, ele usou o próprio adversário como exemplo. Diante do Timbu, o Alvinegro chegou ao sétimo ponto conquistado nos últimos nove disputados.

– O futebol é uma caixa de surpresas. Quem apostaria que o ABC faria sete pontos nos últimos nove? E fez. Temos jogos e pontos. Temos de acreditar e buscar. Essa derrota não estava nos nossos planos e eu credito ela ao peso e à obrigação estupenda de ter de vencer esse jogo. Dentro de uma situação lógica, esse, na teoria, era o mais fácil.

Na visão de Roberto Fernandes, o fato do ABC já estar praticamente rebaixado – é o lanterna com 25 pontos, a dez pontos do primeiro time fora da zona do rebaixamento – os ajuda de alguma forma, porque o time atua mais solto. E ainda reclamou de um pênalti não marcado sobre William, no segundo tempo.

– O ABC já absorveu a situação dele no campeonato e joga próximo de ser um franco atirador. Não quero tirar o mérito deles, claro. Mas começamos o jogo nervosos, querendo atropelar etapas e sofremos o gol. Só quando sofremos o gol que demos uma despertada. Eu odeio isso de resultado injusto. Mas colocamos duas bolas na trave e tivemos outro pênalti não marcado.

Roberto Fernandes explicou a opção de colocar o atacante Dico no banco de reservas (Foto: Reprodução)

Roberto Fernandes explicou a opção de colocar o atacante Dico no banco de reservas (Foto: Reprodução)

Para a partida contra o ABC, Roberto Fernandes mudou a forma do Náutico jogar. Normalmente, ele atua com três atacantes, mas desta vez colocou só Rafinha e William na frente. Alguns torcedores contestaram a ausência do atacante Dico no time titular – ele só entrou no segundo tempo – e o treinador explicou o motivo.

– No futebol se busca muito o bode expiatório. Pode até existir treinador imbecil, o que não é meu caso. Se Dico não entrou, é porque houve algo. Ele não estava 100% e ele só veio para o banco para entrar em caso de desespero. Em uma situação lógica, ele estaria vetado para o jogo. Fora Dico, só podíamos contar com William, Gerônimo ou Leilson. Qual deles seria o bode expiatório? Óbvio que Dico era titular. Eu coloquei o campeonato inteiro com três atacantes, sendo dois abertos. E ele ajudou. Vamos ser práticos? Dico deu uma incendiada, mas estamos tranquilos e cientes do trabalho que vai sendo feito. Todo dia é um problema de lesão.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Sport tem dois desfalques para duelo contra Atlético-PR: Raul Prata e Wesley

Por Rômulo Alcoforado, Recife

Globo Esporte

Para a partida do próximo domingo, pela 30ª rodada da Série A, o técnico Vanderlei Luxemburgo, do Sport, tem duas baixas confirmadas. Titulares no jogo passado do Leão, o volante Wesley e o lateral-direito Raul Prata não viajam para enfrentar o Atlético-PR.

De acordo com o clube, as ausências são justificadas por problemas físicos, apresentados após o duelo diante do Santos, na última quinta-feira.

– Raul sentiu a coxa esquerda no jogo de ontem e irá realizar exames para saber se há lesão. Já Wesley será poupado do jogo com dores musculares na coxa direita – explica o médico do Sport Leonardo Monteiro.

Não há muita dúvida em relação aos substitutos. Samuel Xavier ocupa a posição de Raul Prata, enquanto Anselmo deve voltar após cumprir suspensão. Se for assim, Rithely é deslocado para atuar mais à frente, na posição de Wesley.

Além de Prata e Wesley, outros dois atletas estão descartados da partida contra o Furacão: o atacante colombiano Lenis, liberado para acompanhar o sepultamento de sua avó, e o zagueiro Ronaldo Alves, que cumpre suspensão de dois jogos imposta pelo STJD, por ato de indisciplina no jogo contra o Vasco (25ª rodada).

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Por conta de entorse, João Paulo desfalca Santa contra Brasil-RS

Por Eryck Gomes, Recife

Globo Esporte

O Santa Cruz teve mais uma baixa para a partida das 16h30 deste sábado, contra o Brasil de Pelotas, no estádio Bento de Freitas. João Paulo sofreu uma entorse no pé direito e está fora da 31ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O meia se junta a Thiago Primão e Bruno Paulo – estes por terceiro amarelo -, e Natan, machucado, que também estão fora do confronto. O atacante Augusto, mais uma vez, não viajou.

João Paulo sofreu a lesão na partida contra o Oeste, na última terça. O pé direito do atleta estava bastante inchado e foi feito um raio-x, que não detectou fratura. O departamento médico do Tricolor achou melhor vetar a viagem do atleta ao Rio Grande do Sul.

Desta forma, o técnico Marcelo Martelotte terá dor de cabeça para montar a equipe que vai a campo neste sábado. O comandante não vai contar com os meias que mais utiliza. Os únicos do setor são Williams Luz, Lucas Gomes e Jeremias. Destes, só Williams jogou – 16 minutos contra o Criciúma, na 20ª rodada.

Assim, umas das alternativas é montar o time com três volantes – João Ananias, Derley e Wellington Cézar – e três atacantes – Ricardo Bueno, Grafite e André Luís (William Barbio). Nesse desenho, um dos atletas mais à frente teriam o posicionamento recuado, podendo ser André, Barbio ou até Ricardo Bueno.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Para complicar rival, Roberto Fernandes esconde escalação do Náutico

Por Daniel Gomes, Recife

Globo Esporte

O Náutico que se apresenta às 20h30 (de Brasília) desta sexta-feira, contra o ABC-RN, está definido. Mas o técnico Roberto Fernandes manteve o segredo, escopndendo a formação escolhida por ele. Se perdeu o lateral-direito Sueliton, lesionado, tem de volta o zagueiro Breno, o lateral-esquerdo Henrique Ávila e o atacante William – todos recuperados de lesão -, além do meia Diego Miranda e do zagueiro Feliphe Gabriel, que cumpriram suspensão.

Roberto Fernandes lembrou que o Náutico conseguiu a primeira vitória na Série B, contra o ABC, na 12ª rodada, fora de casa. Por isso, do mesmo jeito que o Timbu aprontou, o adversário pode repetir o feito, agora no domínio alvirrubro.

– A equipe está definida, só não vou adiantar. É jogo decisivo. Se acabei de passar para os atletas que temos de respeitar o ABC, como todos os outros adversários, não posso dar uma de fanfarrão e adiantar escalação. O Náutico não tinha ganho um jogo sequer no campeonato, foi lá em Natal e venceu o ABC. Do outro lado existem profissionais que sabem o que um rebaixamento significa na carreira.

O preparador físico Ranielle Ribeiro, técnico interino do ABC até o final da Série B – Itamar Schülle pediu demissão, após o empate por 1 a 1, contra o Guarani -, foi elogiado por Roberto Fernandes. Os dois trabalharam juntos no time alvinegro, entre 2013 e 2014. É a terceira vez que Ranielle assume o ABC, nesta Série B. Antes, substituiu Geninho e Márcio Fernandes, ambos demitidos do cargo.

– Eles vêm em uma situação de desespero. Estão abaixo do Náutico e qualquer resultado negativo pode selar o descenso deles. Vêm com um treinador que conheço bastante e que é identificado com o ABC, tem o elenco na mão. É Ranielle (Ribeiro). Para esse momento, é o cara ideal para assumir. Ninguém que fosse assumir teria tanto conhecimento desse grupo, tanta dedicação e tanta esperança em conseguir alguma coisa.

O provável time do Náutico é Jefferson; David, Breno, Aislan e Henrique Ávila; Amaral, Diego Miranda e Giovanni; Rafinha, Dico e William (Bruno Mota). Roberto Fernandes pediu o apoio da torcida para o jogo contra o ABC.

– É um jogo tenso e o apoio é fundamental porque cada jogo para nós é uma decisão. Não adianta ficar no discurso do “eu acredito” e termos públicos tão baixos. Tem de acreditar e vir apoiar. O Náutico depende dele. Não dependemos de outras matemáticas. São quatro jogos em casa e, se nós ganharmos os quatro, e pontuarmos fora, vamos até o final com a esperança de escapar.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Mesmo “na seca” como mandante, Luxemburgo elogia Sport e valoriza empate

Por Rômulo Alcoforado, Recife

Globo Esporte

O Sport acumula sete jogos sem vencer dentro de casa. Mas o técnico Vanderlei Luxemburgo não vê motivos para reclamar do mais recente mau resultado desta série: o empate em 1 a 1, contra o Santos, pela 29ª rodada da Série A. Para ele, o Leão jogou bem, na Ilha do Retiro, esta quinta-feira, e poderia ter saído com a vitória. Não fosse um personagem do Peixe.

– Poderíamos ter tido melhor sorte, mas não vencemos em função de Vanderlei, que é um excelente goleiro. (O empate) Acaba sendo um resultado bom em função do prejuízo que tivemos no primeiro tempo (o Sport saiu atrás logo aos três minutos de jogo) – avaliou.

Para ele, o empate pode ser importante para o Sport na luta contra o rebaixamento. Hoje, o Leão é o 14º colocado, a três do Z-4.

– Falei isso para os jogadores. Nas circunstâncias do jogo, é valorizar o empate. Porque é melhor empatar do que ir para casa com uma derrota. Lá na frente, na somatória dos pontos, isso pode ser muito importante para nós.

Luxemburgo acredita que, apesar de ter feito dois pontos em dois jogos consecutivos em casa, o momento não é de preocupação. Ele usa as atuações do time como justificativa.

– Pessoal está falando do empate de hoje e contra o Atlético-MG. Mas temos que lamentar é perder para o Vitória em casa, para o Avaí, para quem perdemos as duas partidas. Esses últimos resultados não me preocupam. Porque o time está dando confiança de que vamos conseguir os resultados.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.