Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Morre menina indígena que estava internada em tratamento contra a raiva humana em BH

Dos três casos confirmados, nenhum paciente sobreviveu; Secretaria de Saúde investiga mais um caso, em adolescente de 11 anos.

Por Guilherme Pimenta, g1 Minas — Belo Horizonte

A menina indígena, de 12 anos, diagnosticada com a raiva humana, não resistiu à doença. Ela estava internada em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital João Paulo II, no Centro de Belo Horizonte, desde o início do mês de abril, mas morreu na última sexta-feira (29).

O caso da adolescente foi notificado à Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) no dia 5 de abril, quando ela fez os exames para diagnóstico da raiva. O resultado foi divulgado no dia 19 de abril, confirmando a doença.

A menina foi a segunda paciente em Minas Gerais diagnosticada com a raiva humana nos últimos 10 anos.

Ela e Zelilton Maxacali, também com 12 anos, viviam em uma aldeia indígena, em uma comunidade rural na cidade de Bertópolis, no Vale do Mucuri. O menino morreu no dia 4 de abril. Segundo a SES-MG, ambos os casos estão relacionados à mordedura pelo mesmo morcego.

Uma criança de 5 anos, que também morava na aldeia, morreu no dia 17 de abril. A SES-MG passou a investigar o caso, ainda que a vítima não tivesse apresentado os sintomas.

O resultado saiu na terça-feira (26) e foi divulgado na quinta-feira (28), confirmando a terceira morte por raiva humana. O caso segue sob investigação epidemiológica para identificar as circunstâncias do contágio, já que a criança não apresentava sinais de mordedura ou arranhadura por morcego.

Mais um caso

Um caso suspeito permanece em investigação, também na área rural de Bertópolis. Este foi notificado no dia 21 de abril.

A paciente é uma menina de 11 anos, que apresentou sintomas como febre e dor de cabeça. Devido ao parentesco com o segundo caso confirmado, ela foi encaminhada para o hospital e passou por exames. A criança segue internada em leito clínico, estável e em observação.

Cuidados

De acordo com a SES-MG, no último domingo (24), foram enviadas mais doses de vacina antirrábica humana para completar o esquema vacinal da comunidade rural de Bertópolis. Até o dia 28 de abril, 982 pessoas das 1.037 que vivem na comunidade já haviam sido vacinadas coma primeira dose. Outras 802, já tomaram a segunda dose. O intervalo entre as aplicações é de sete dias.

A pasta disse também que já forneceu vacina e soro antirrábico humano para a população exposta e vacina antirrábica animal para cães e gatos da região.

O último caso de óbito por raiva humana em Minas Gerais tinha sido registrado em 2012, em Rio Casca, na Zona da Mata.

Segundo a SES-MG, em caso de qualquer incidente com mamíferos silvestres ou domésticos, sobretudo morcegos, cães e gatos, é importante procurar a unidade de saúde mais próxima para avaliação da necessidade de adoção de medidas profiláticas, como administração de vacina e soro.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Cabral deve ser transferido de volta para Bangu nesta segunda depois de indícios de regalias em Unidade Prisional da PM

Uma fiscalização encontrou no presídio celulares, anabolizantes, cigarros eletrônicos e listas de encomendas a restaurantes.

Por g1 Rio

Sérgio Cabral deve ser transferido para presídio de segurança máxima nesta segunda (2)

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral deve ser transferido de volta para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste, nesta segunda-feira (2), depois que uma fiscalização encontrou indícios de regalias na Unidade Prisional da PM, onde ele é mantido. Outros presos da mesma ala do batalhão também serão transferidos.

As denúncias foram reveladas com exclusividade pelo Fantástico neste domingo (1º).

Uma fiscalização encontrou no presídio celulares, anabolizantes, cigarros eletrônicos e listas de encomendas a restaurantes.

Fantástico teve acesso a vídeos que mostram algumas dessas irregularidades.

Em uma das imagens, obtidas com exclusividade, mostram a equipe da Vara de Execuções Penais entrando no presídio. O ex-governador estava em uma área externa com um outro preso, o tenente-coronel Claudio Luiz de Oliveira, condenado a 36 anos de prisão pela morte da juíza Patricia Acioli, assassinada em 2011.

“Nesse momento que os fiscais entraram na galeria, eu vi que havia uma porta ao lado e, antes de eu entrar, eu vi esse policial que é preso recebendo uma sacola verde. Quando ele me viu, ele ficou sem ação e jogou a sacola por cima da cerca. Mas acho que ele se assustou e não jogou com tanta força. Ela caiu dentro da unidade. E ao lado dessa área onde se encontrava esse policial, nós vimos, nas filmagens, que só se encontravam o senhor Sergio Cabral e o coronel Claudio. Então há um indício de que esse material fosse deles”, afirma o juiz Marcelo Rubioli, que determinou a realização da transferência de Cabral nesta segunda para uma unidade de segurança máxima.

Dentro da sacola, além dos dois celulares, estavam mais de R$ 4 mil em dinheiro e vários cigarros de maconha. Em uma das mesas, na área onde Cabral e o coronel estavam, os agentes encontraram um caderno com registros de pagamentos em dinheiro, crédito, débito e até para um aplicativo de comida. Um dos recibos era relativo a um verdadeiro banquete árabe, pedido na semana passada: esfihas, kafta, lentilha – um pedido com o valor total de R$ 1.508.

Nas celas de vários detentos foram encontradas outros itens irregulares.

Enxoval personalizado

Cabral está no Batalhão Especial Prisional da PM, em Niterói, na região Metropolitana do Rio, desde setembro do ano passado. Antes, ele cumpria pena em Bangu 8. A transferência foi autorizada pelo juiz federal Marcelo Bretas, cumprindo uma decisão do ministro do STF, Edson Fachin. O ministro entendeu que procedia um pedido da defesa do ex-governador para que ele se mantenha afastado de pessoas mencionadas em depoimentos de seu acordo de delação premiada.

A Unidade Prisional da PM, também conhecida como BEP, mantém presos policiais militares e também detentos com direito à prisão especial.

Os mais conhecido é Cabral, condenado por vinte e dois (22) processos criminais na Lava Jato, como corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. As penas somadas chegam a quatrocentos e sete (407) anos.

Na cela de Cabral, além do material apreendido, a fiscalização encontrou outros itens suspeitos, como toalhas bordadas com o nome do ex-governador.

“Achamos condições diferentes do que se espera para uma pessoa que está presa, não é?”, diz Rubioli.

A Vara de Execuções penais, o MP e a corregedoria da PM, também participaram de uma fiscalização na ala dos oficiais, onde estão oito presos. Lá, encontraram sete celulares e cigarro eletrônico.

Os agentes identificaram que o teto de todas as celas é revestido com isopor, usado para diminuir o calor.

Esse revestimento já tinha sido encontrado numa fiscalização anterior, como mostrou o RJTV no dia 11 de abril.

Defesa nega irregularidades

Em nota, a defesa do ex-governador Sérgio Cabral alegou que não foi encontrada qualquer irregularidade na cela dele e diz que nenhum dos objetos apreendidos nas áreas comuns foi relacionado a ele e desconhece objetos encontrados fora da galeria dos oficiais.

Em relação ao tenente-coronel Claudio Luiz de Oliveira, a defesa afirma que nenhum dos materiais informados pela reportagem estavam na cela dele.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Peixe natural da Ásia ataca pescadores e preocupa cientistas brasileiros

O peixe-leão é um predador voraz em águas brasileiras e vem provocando acidentes com pescadores.

Por Fantástico

Um predador voraz em águas brasileiras. Quais os riscos do peixe-leão?

O peixe-leão vem de longe, do Oceano Índico. É um animal bonito, disputado por aquaristas. As nadadeiras são longas. O perigo está nas pontas, que têm uma toxina. Uma defesa para o peixe-leão, um sofrimento para quem se espeta. No Índico, uma espécie de tubarão come o peixe-leão e garante o equilíbrio do ecossistema. O problema é que, desde a década de 1980, começaram a aparecer exemplares de peixe-leão no Caribe. A tese é que eles tenham sido descartados de aquários e jogados no mar.

Em 2015, dois exemplares foram encontrados em Arraial do Cabo, na costa do Rio de Janeiro. Ano passado, vários surgiram em Fernando de Noronha, a 400 quilômetros da costa. E, de um mês para cá, o peixe-leão parece ter encontrado um novo lar no litoral do Nordeste. Normalmente, ele prefere morar em recifes e áreas rochosas.

Na divisa do Ceará com o Piauí, o peixe-leão é apanhado em currais. A vítima mais recente foi o Chico, 24 anos. Ele pisou num peixe-leão, e sete espinhos encravaram na sola do pé. “Desmaiei só de dor”, diz Chico. Além da dor, o veneno do peixe leão pode provocar febre e convulsões. Um mês atrás, Valdeci também teve um acidente com um peixe-leão, sem sequer saber do que se tratava.

Na Universidade Federal do Ceará, cientistas estão fazendo o sequenciamento genético dos peixes. “O nosso objetivo no momento é verificar o grau de similaridade genética dela com as demais que já foram encontradas na região, principalmente da América Central”, explica Rafael dos Santos Rocha, técnico em engenharia de pesca Labomar.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

USP reintegra aluna indígena que foi morar na rua após passar por problemas de saúde e ser desligada do curso

Estudante de Letras foi jubilada por ter ficado dois semestres seguidos sem obter créditos após ter um surto psicótico e ser vítima de um acidente de carro. Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP pediu reintegração da estudante, que foi aprovada pela Congregação da USP nesta quinta (28).

Por Patrícia Figueiredo, g1 SP — São Paulo

A Universidade de São Paulo (USP) anulou nesta quinta-feira (28) o desligamento de uma estudante indígena que havia sido jubilada após ficar dois semestres sem concluir matérias.

A reintegração da aluna ao curso de Letras da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) atendeu a um pedido da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP, que elaborou um parecer sobre a situação da estudante.

De acordo com a OAB-SP, por ter sido desligada da USP, a aluna não só ficou impedida de se formar no curso, mas também perdeu o direito à moradia estudantil no Conjunto Residencial da USP (Crusp) e à alimentação subsidiada oferecida na universidade, o que pode ter contribuído para que acabasse morando na rua.

Segundo o parecer, a estudante é portadora de esquizofrenia e teve um surto psicótico em 2014, seguido de um acidente de carro em 2016, que provocou uma fratura exposta em sua perna direita e outra em seu cotovelo. Depois do acidente, que deixou sequelas, a aluna passou a ser considerada uma pessoa com deficiência física. Em 2017, ocorreu seu primeiro desligamento, por não ter obtido créditos por dois semestres consecutivos.

Ao g1, a jovem disse que considera histórica a decisão favorável da Congregação da FFLCH para seu caso.

“É histórico que uma paciente de saúde mental, como é meu caso, que tenho surtos, tenha conseguido essa vitória por meio dos advogados e desses professores queridos que foram pedir por mim”, disse a aluna.

“O mais importante é que a Congregação conseguiu se libertar de uma herança jurídica e institucional de apagamento e realmente olhou para o pedido, julgando com apoio de advogados e pareceres atuais e qualificados, de uma maneira inédita na história da universidade”, completou.

Cronologia do caso

Após o desligamento, a estudante fez, ainda em 2017, um pedido de reingresso, que foi aceito, e no segundo semestre do ano teve uma professora indicada para ser sua tutora. Em um despacho oficial, a docente demonstrou estar ciente dos graves problemas de ordem psiquiátrica da aluna.

No entanto, no despacho seguinte, uma outra professora foi indicada como tutora pela comissão de graduação e pediu o desligamento da aluna por reprovar matérias.

“Indico o desligamento da aluna, uma vez que ela não cumpriu o plano de conclusão e reprovou por nota e por frequência em mais de uma disciplina”, disse a docente, no despacho. A OAB, no entanto, destacou que “não há qualquer menção pela tutora da condição de saúde mental ou de pessoa com deficiência” da estudante.

Em 2019, no mesmo dia em que foi informada do seu desligamento do curso de Letras, a aluna registrou um novo pedido de reingresso, no qual afirma:

“Além dos problemas de saúde, como acidente de carro e esquizofrenia, eu também tentei via JupiterWeb [sistema virtual de matrícula da USP] a vaga para terminar [a disciplina de] Libras e não consegui porque não tinha vaga”.

“Foram momentos muito sérios os que eu passei, por isso gostaria e peço uma nova chance”, disse a estudante, no pedido.

A solicitação, que incluiu a declaração da psicóloga descrevendo o tratamento da aluna desde julho de 2016, foi indeferido porque o regimento geral da USP permite o reingresso apenas uma vez.

Comissão da OAB

Depois de ter o segundo pedido de reingresso recusado, a estudante obteve o auxílio da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP, além da Comissão de Direitos Humanos da FFLCH. As entidades, que fizeram sua defesa, conseguiram reverter o desligamento da aluna.

Em seu parecer, a OAB pediu a anulação do jubilamento, com base nos laudos médicos apresentados e a reintegração imediata da aluna ao sistema e à USP.

A comissão argumentou que, em 2017, outro estudante não foi capaz de cumprir seu plano de estudos no segundo reingresso por conta de uma deficiência adquirida após um acidente de carro e teve seu recurso aceito pela Congregação.

O pedido foi acatado pela Congregação da FFLCH em uma reunião virtual do grupo na última quinta-feira (28).

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Saiba quem são as vítimas do acidente após festa de aniversário em Conceição do Mato Dentro

Elas tinham entre 21 e 34 anos. Segundo o Corpo de Bombeiros, uma delas era o aniversariante.

Por Thaís Leocádio e Jordânia Andrade, g1 Minas e TV Globo — Belo Horizonte

Prefeitura de Conceição do Mato Dentro emitiu nota de pesar pelas vítimas do acidente  — Foto: Prefeitura de Conceição do Mato Dentro/Reprodução

Prefeitura de Conceição do Mato Dentro emitiu nota de pesar pelas vítimas do acidente — Foto: Prefeitura de Conceição do Mato Dentro/Reprodução

Os quatro mortos no acidente em Conceição do Mato Dentro, na Região Central de Minas, tinham entre 21 e 34 anos. O carro em que eles estavam caiu dentro de um córrego, quando voltavam de uma festa de aniversário. Segundo o Corpo de Bombeiros, uma das vítimas era o aniversariante.

A prefeitura da cidade, que tem pouco mais de 17 mil habitantes, emitiu uma nota de pesar e informou a identidade dos jovens (veja acima).

José Ferreira da Silva Neto havia acabado de completar 21 anos. Itamara Lima da Silva tinha 24 anos. Cassimiro Pires de Souza Neto, 27. E Carla de Fátima Silva, 34 –faria aniversário ainda neste mês.

“A Prefeitura de Conceição do Mato Dentro se solidariza com os familiares e amigos e expressa as mais sinceras condolências pela perda”, diz o texto.

O acidente

Veículo sendo retirado do córrego pelos militares — Foto: Corpo de Bombeiros de Minas Gerais/Divulgação

Veículo sendo retirado do córrego pelos militares — Foto: Corpo de Bombeiros de Minas Gerais/Divulgação

O motorista que conduzia o carro perdeu o controle da direção e caiu em um córrego, que fica às margens da MG-010.

Uma das vítimas, que já estava fora do carro, foi socorrida e disse que ainda havia outras quatro pessoas presas dentro do veículo.

O Corpo de Bombeiros atendeu a ocorrência e informou que os viajantes do veículo estavam voltando de uma festa de aniversário.

Aniversariante entre vítimas

Os militares retiraram o veículo da água, onde foram encontrados os quatro corpos. Segundo os bombeiros, entre as vítimas fatais está o próprio aniversariante.

Testemunhas disseram que o condutor do carro fugiudo local. No veículo foram encontradas embalagens de bebidas alcóolicas.

A dinâmica do acidente ainda será apurada. A vítima que foi socorrida com vida foi levada para a Policlínica Municipal de Conceição de Mato Dentro.

TV Globo perguntou à prefeitura qual o estado de saúde da sobrevivente, mas não havia obtido retorno até a última atualização desta reportagem.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Jornalista Gabriel Luiz, da Globo Brasília, posta foto em recuperação no hospital; ele foi vítima de tentativa de latrocínio

Imagem, no jardim do hospital onde está internado, foi publicada durante a tarde deste domingo (1º). Repórter levou 10 facadas no feriado de Páscoa e, após passar por cirurgias se recupera, porém sem previsão de alta.

Por G1 DF

Jornalista Gabriel Luiz, da Globo Brasília, posta foto no jardim do hospital onde se recupera após levar 10 facadas durante assalto — Foto: Arquivo pessoal

Jornalista Gabriel Luiz, da Globo Brasília, posta foto no jardim do hospital onde se recupera após levar 10 facadas durante assalto — Foto: Arquivo pessoal

O jornalista Gabriel Luiz, da TV Globo Brasíliavítima de uma tentativa de latrocínio no feriado de Páscoa divulgou sua primeira foto, em recuperação, neste domingo (1º). Gabriel, que levou 10 facadas, passou por cirurgias e ficou na UTI, se recupera agora no quarto do hospital, mas sem previsão de alta.

Durante a tarde, a equipe médica autorizou que o jornalista fizesse um passeio pelo jardim do hospital Brasília, que fica no Lago Sul. Na foto (veja acima), Gabriel – que veste uma camiseta do seu super-herói preferido, o Batman – sorri.

Na postagem, ele agradeceu a todos que o ajudaram – vizinhos, equipes de socorro, de saúde, parentes, amigos e até desconhecidos que estão torcendo pela sua recuperação.

“Meu destino colocou pessoas de luz perto de mim: os vizinhos que me socorreram, os bombeiros que chegaram em minutos, e principalmente as equipes do Base e do Hospital Brasília, que me atenderam com precisão, experiência e sabedoria”, disse Gabriel Luiz.

Gabriel, de 29 anos, foi esfaqueado na noite de quinta-feira, 14 de abril, em um estacionamento perto da casa dele no Sudoeste, no Distrito Federal. Ele foi atingido no pescoço, no abdômen, no tórax, na perna, no estômago, no pulmão, no pâncreas e no diafragma, além do braço e do pulso .

Segundo as investigações da Polícia Civil, o crime foi cometido por José Felipe Leite Tunholi, de 19 anos, e por um adolescente de 17 anos (veja vídeo abaixo). Eles roubaram o celular e a carteira de Gabriel, que foram encontrados momentos depois, perto do local do assalto.

Na terça-feira (25), o Ministério Público do DF (MPDFT) apresentou denúncia contra o maior de idade, que está preso na Papuda, pelos crimes de tentativa de latrocínio e corrupção de menor. Já o adolescente está em uma unidade de internação da capital.

Quem é Gabriel Luiz?

Formado em Jornalismo na Universidade de Brasília (UnB), Gabriel Luiz entrou na Globo como estagiário, em 2014.

Em 2017, foi contratado como repórter do g1 DF, portal no qual ficou por dois anos, até 2019, quando migrou para a equipe do DF1, como editor do jornal local da capital

Conhecido pelo estilo irreverente e bem-humorado, Gabriel produz reportagens investigativas, que apuram irregularidades nos mais variados setores do poder.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Turista de Pernambuco morre na Praia de Jericoacoara, no Ceará

Um amigo da vítima confirmou a identidade; empresário foi retirado do mar por banhistas e pode ter sofrido mal súbito seguido de afogamento.

Por Paulo Martins, G1 CE

Um turista de Pernambuco morreu enquanto tomava banho no mar em Jericoacoara, litoral oeste do Ceará, na manhã este domingo (1º). Uma médica que estava no local chegou a dar os primeiros socorros a Rafael Antônio de Oliveira, 30 anos, mas ele não resistiu.

Os bombeiros chegaram a relatar que Rafael sofreu mal súbito seguido de afogamento, no entanto, a Secretaria da Segurança informou, em nota, que um laudo pericial ainda vai ser emitido informando as circunstâncias da morte. O caso é tratado como “possível afogamento” e está sendo apurado pela Delegacia Municipal de Jericoacoara.

Segundo Jonathan Sandres, amigo da vítima, Rafael era empresário e veio para o Ceará para aproveitar uma festa em Jericoacoara e também para comprar mercadorias para a sua loja no Recife.

Ainda de acordo com Jonathan, a família vai viajar do Recife para o Ceará para fazer reconhecimento do corpo.

A secretaria disse que o homem foi retirado do mar por banhistas. Equipes do Corpo de Bombeiros, do Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur) da Polícia Militar do Ceará, da Polícia Civil e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) foram acionadas para a ocorrência.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Durante sessão do STF, Cármen Lúcia cobra apuração de estupro e morte de menina ianomâmi

Procuradoria-Geral da República diz que investiga e vê fato como ‘chocante’. Vítima era de comunidade atingida pelo garimpo ilegal na Terra Yanomami, em Roraima.

Por Márcio Falcão e Fernanda Vivas, TV Globo — Brasília

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), cobrou nesta quinta-feira (28) a investigação e o esclarecimento das circunstâncias da morte de uma menina ianomâmi de 12 anos, numa comunidade na região de Waikás, em Roraima.

Há relatos de que a menina foi morta depois de ser estuprada por garimpeiros.

Em discurso na abertura de sessão do STF, Cármen Lúcia afirmou que as mulheres brasileiras, entre elas as indígenas, são vítimas de “descalabro de desumanidades”. O presidente o STF, Luiz Fux, classificou o caso como “gravíssimo”.

O Ministério Público Federal informou que investiga o caso.

A morte da menina foi divulgada na noite de segunda (25) pelo presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kwana (Condisi-YY), Júnior Hekurari Yanomami, que também é uma das lideranças desse povo.

Em um vídeo divulgado nas redes sociais ele afirma que, além da morte da menina, uma outra criança ianomâmi, de cerca de 3 anos, desapareceu após cair no rio Uraricoera.

Cármen Lúcia cobra investigação sobre morte de menina yanomami; Luiz Fux diz que caso é gravíssimo

‘Ferocidade desumana’

Cármen Lúcia disse que mulheres têm sido alvo de “crueldade letal” e que esses crimes não podem virar apenas estatísticas.

“Essa perversidade, acho, senhor presidente, é a minha palavra, não pode permanecer como dados estatísticos, como fatos normais da vida. Não são. Nem podem permanecer como notícias”, disse a ministra.

“Não é possível calar ou se omitir diante do descalabro de desumanidades criminosamente impostas às mulheres brasileiras, dentre as quais mais ainda as indígenas, que estão sendo mortas pela ferocidade desumana e incontida de alguns”, completou ela.

A vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, afirmou que o Ministério Público investiga o caso e que todas as medidas estão sendo tomadas para garantir os esclarecimentos dos fatos. Lindôra afirmou que se solidariza com as palavras da ministra e que ficou sensibilizada.

“Foi assustador. Ainda mais se tratando de uma criança, o que nos deixa mais chocados”, disse.

A procuradora ressaltou a crescente violência e degradação contra mulheres. “Parece que virou um hábito”.

O presidente do STF, Luiz Fux, classificou de gravíssimo o caso.

“Gostaria de me solidarizar. Caso gravíssimo, representativo daquilo que tem sido muito combativo”, disse.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Peixes-leão são coletados em Jericoacoara, outras cinco praias do Ceará e duas do Piauí: veja quais são e as orientações em caso de encontro com o animal

A espécie foi avistada, pelo menos, 40 vezes no litoral cearense. Em abril, um pescador cearense sofreu um acidente com um peixe-leão, considerado o primeiro do país em ambiente aberto.

Por g1 CE

Os peixes-leão já foram coletados em seis praias do Ceará, incluindo em Jijoca de Jericoacoara, e duas do Piauí, conforme divulgado pela Secretaria da Saúde (Sesa), nesta quinta-feira (28). Até o momento, 28 animais da espécie já foram retirados do mar. Além disso, 40 notificações já foram contabilizadas no litoral cearense. No último dia 18, um pescador sofreu um acidente com um peixe-leão e precisou ser hospitalizado.

Confira as praias no Ceará e no Piauí onde o peixe-leão já foi coletado:

  • Bitupitá, no município de Barroquinha
  • Camocim
  • Jijoca de Jericoacoara
  • Preá, no município de Cruz
  • Acaraú
  • Itarema
  • Além das praias de Luís Correia e de Cajueiro da Praia, no Piauí.

Conforme a Sesa, cerca de 80% dos registros são em currais de pesca e marambaias (estruturas artificiais lançadas ao mar para servir como nicho e atrair peixes). Os especialistas explicam que o animal não costuma se estabelecer em terrenos arenosos, como a areia da praia, preferindo superfícies duras e rochosas.

Por ser um cenário novo e uma espécie ainda rara na costa brasileira, os órgãos envolvidos na investigação do acidente no litoral cearense e os especialistas que estão acompanhando os registros do animal no Brasil recomendam, inicialmente, que pescadores e trabalhadores de áreas notificadas usem equipamentos de proteção individual (EPIs), sobretudo calçados.

Cuidados ao encontrar com o peixe-leão

A Sesa informa que, para banhistas nessas áreas, não há motivos para pânico. O peixe-leão não atacou o pescador, segundo o órgão. O animal foi pisado acidentalmente. Quem encontrar a espécie, deve evitar tocá-la. O ideal é que a pessoa se afaste e faça anotação da hora e do local do aparecimento do bicho, informando à Sema pelo e-mail [email protected]

Em caso de ferimento com os espinhos do peixe-leão, a orientação é manter a área do corpo afetada em água quente por 30 a 90 minutos e, se houver febre, dor muito intensa e vestígio de infecção, buscar uma unidade de saúde para medicação adequada.

Acidente com pescador

O peixe-leão é uma ameça ao equilíbrio da vida marinha em Fernando de Noronha — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

O peixe-leão é uma ameça ao equilíbrio da vida marinha em Fernando de Noronha — Foto: Globo Repórter/ Reprodução

A Sesa contesta a informação repassada pela mulher do pescador que pisou num peixe-leão na praia de Bitupitá, no município de Barroquinha, e diz que ele não sofreu paradas cardíacas.

Segundo a secretaria, por ter tido sete perfurações no pé causadas pelos espinhos do animal peçonhento, considerado invasor no litoral brasileiro, o jovem de 24 anos apresentou dores intensas no local, febre e convulsões.

Após uma semana e três passagens por unidades de saúde de Barroquinha e Camocim, município vizinho, o paciente está em casa, desde o último domingo (24), com quadro clínico estável, consciente e sem febre. A pasta estadual segue monitorando o caso. No entanto, o pai do jovem disse que ele precisou de novo atendimento médico nesta terça-feira (26).

Na manhã desta quinta, foi realizada reunião para discutir o cenário com representantes da Sesa e de suas células de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e da Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora; da Secretaria do Meio Ambiente do Ceará (Sema); do Instituto de Ciências do Mar (Labomar) da Universidade Federal do Ceará (UFC) e dos órgãos de vigilância e das unidades de saúde dos municípios de Barroquinha e Camocim e da Superintendência de Saúde da Região Norte.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Enem 2022: edital é publicado; veja datas de inscrição e de aplicação das provas

Versões impressa e digital serão aplicadas em 13 e 20 de novembro. Taxa de inscrição é de R$ 85 para quem não conseguiu isenção.

Por g1 — São Paulo

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022, nas versões impressa e digital, será aplicado em 13 e 20 de novembro. A informação foi publicada nesta sexta-feira (29) no Diário Oficial da União.

As inscrições devem ser feitas na página do participante entre 10 e 21 de maio, mediante o pagamento de uma taxa de R$ 85 (a ser efetuado até 27 de maio).

Atenção: os estudantes que obtiveram o direito à isenção desse valor (como os alunos da rede pública) também devem se inscrever. Caso contrário, não poderão prestar o Enem.

Inglês ou espanhol? Prova impressa ou digital?

O candidato deve escolher, no ato da inscrição, se deseja que as cinco questões de língua estrangeira sejam em inglês ou em espanhol.

Também precisa sinalizar se quer fazer o Enem impresso (tradicional) ou o digital.

É importante lembrar que a versão informatizada:

  • também é aplicada nos locais de prova — não existe a opção de prestar o exame em casa;
  • traz 180 questões a serem respondidas digitalmente, mas com redação manuscrita.

Confira o cronograma

  • Inscrições: 10 a 21 de maio
  • Pagamento da inscrição: 10 a 27 de maio
  • Pedido de atendimento especializado: 10 a 21 de maio
  • Pedido de tratamento pelo nome social: 23 a 28 de junho
  • Provas: 13 e 20 de novembro

Disciplinas e horários

Como nos últimos anos, o Enem será aplicado em dois domingos.

13 de novembro

O candidato deverá fazer:

  • 45 questões de linguagens (40 de língua portuguesa e 5 de inglês ou espanhol);
  • 45 questões de ciências humanas
  • e redação.

20 de novembro

A prova trará:

  • 45 questões de matemática
  • e 45 questões de ciências da natureza.

Veja os horários de aplicação (no fuso de Brasília):

  • Abertura dos portões: 12h
  • Fechamento dos portões: 13h
  • Início das provas: 13h30
  • Término das provas no 1º dia: 19h
  • Término das provas no 2º dia: 18h30

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.