Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Segurados do INSS relatam dificuldade para remarcar perícia mesmo após a volta dos atendimentos

Instituto disse que está tentando resolver o problema. No RJ, nove agências já retomaram o serviço.

Por Bom Dia Rio

Dois segurados do INSS que precisam de perícia médica relataram ao Bom Dia Rio dificuldades para remarcar o atendimento mesmo após a volta do serviço.

As agências do instituto reabriram no dia 14, mas os peritos só voltaram aos consultórios a partir da semana seguinte, após uma vistoria independente. Nove postos no RJ estão periciando.

Fabricio Cesar da Cruz de Oliveira é recém-operado e contou que agendou sua perícia médica para a agência de Nova Iguaçu no dia 14, mas os peritos ainda não haviam retornado.

“Ao ligar para o 135 para fazer uma nova marcação, marcaram para 30 de setembro em Paracambi”, lembrou Fabricio.

“Cheguei lá e tinha perito, porém não havia internet”, continuou. Segundo ele, os funcionários mandaram todos que estavam na fila para casa e reagendar uma nova data — no caso dele, pela terceira vez.

“Liguei de novo para o 135, mas não há data para fazer novo agendamento. Como é que eu faço?”, emendou.

Agência do INSS fechada no Rio — Foto: Reprodução/TV Globo

Agência do INSS fechada no Rio — Foto: Reprodução/TV Globo

A técnica de enfermagem Ana Paula Rodrigues dos Santos de Azevedo trabalha na linha de frente da Covid-19 e foi atropelada há quatro meses, mas nem sequer deu entrada para pedir o benefício.

Assim como Fabrício, Ana Paula tinha um agendamento de perícia médica para o dia 14, em Duque de Caxias — mas a agência, apesar de reaberta, ainda não retomou o serviço.

“Eu fiz um agendamento para primeira perícia no dia 14. Não consegui ser atendida porque as agências estavam fechadas”, contou.

“Tentei reagendar, mas não consigo. Ligo para o 135, tento pelo aplicativo. A última informação que eu tive foi para aguardar as agências de Duque de Caxias abrirem”, continuou.

“No sistema consta que foi cumprido o agendamento do dia 14. Já vai para quatro meses que eu me acidentei e não consigo receber nada!”, destacou.

O que diz o INSS

No caso da agência de Paracambi, o INSS reconheceu que houve uma “interrupção do fornecimento de internet devido a uma falha apresentada pela operadora Oi, o que impossibilitou o acesso aos sistemas do INSS”.

Em nota, a assessoria de comunicação disse que o reparo já foi realizado pela operadora.

Mas, sobre os problemas de Fabrício e Ana Paula, o INSS disse apenas que “está buscando solucionar a questão e reagendar sem prejuízo para os segurados”.

Agências com perícia médica

  1. Praça da Bandeira;
  2. Irajá;
  3. Copacabana;
  4. Niterói (Bairro de Fátima);
  5. São Gonçalo (Paraíso);
  6. Itaboraí;
  7. Macaé;
  8. Paracambi;
  9. São Pedro da Aldeia.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Contas públicas têm rombo de R$ 87,5 bilhões em agosto; dívida sobe para 88,8% do PIB

Déficit fiscal do setor público foi o maior da história para o mês de agosto. Resultado é reflexo das despesas extraordinárias com a pandemia.

Por Alexandro Martello, G1 — Brasília

As contas do setor público consolidado registraram um déficit primário de R$ 87,594 bilhões em agosto. O valor foi informado pelo Banco Central nesta quarta-feira (30) e abrange governo federal, estados, municípios e empresas estatais.

O déficit ocorre quando as receitas de impostos e contribuições do governo são menores do que as despesas. A conta não inclui os gastos com o pagamento dos juros da dívida pública.

De acordo com a série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2001, esse também foi o pior resultado para o mês. Ou seja, foi o pior mês de agosto em 19 anos. No mesmo mês de 2019, o déficit fiscal foi de R$ 13,448 bilhões.

O rombo recorde está relacionado ao aumento de despesas diante da pandemia do novo coronavírus e à queda na arrecadação fruto do tombo na atividade econômica e do adiamento no prazo de pagamento de impostos.

Parcial do ano

No acumulado dos oito primeiros meses deste ano, as contas do setor público apresentaram déficit primário (receitas maiores do que despesas, sem contar juros da dívida) de R$ 571,367 bilhões. O resultado também foi o pior já registrado para o período na série histórica do BC.

Para este ano, havia uma meta de déficit para o setor público de até R$ 118,9 bilhões. Entretanto, com o decreto de calamidade pública, proposto pelo governo e aprovado pelo Congresso Nacional por conta da pandemia, não será mais necessário atingir esse valor.

Em todo ano de 2019, as contas do setor público tiveram um déficit primário de R$ 61,87 bilhões, ou 0,85% do Produto Interno Bruto (PIB). Foi o sexto seguido com as contas no vermelho, mas também foi o melhor resultado desde 2014, ou seja, em cinco anos.

Gastos com juros

Quando se incorporam os juros da dívida pública na conta – no conceito conhecido no mercado como resultado nominal, utilizado para comparação internacional – houve déficit de R$ 121,879 bilhões nas contas do setor público em agosto.

Em 12 meses até agosto deste ano, o resultado ficou negativo (déficit nominal) em R$ 933,498 bilhões, o equivalente a 12,98% do PIB – valor alto para padrões internacionais e economias emergentes.

Esse número é acompanhado com atenção pelas agências de classificação de risco para a definição da nota de crédito dos países, indicador levado em consideração por investidores.

O resultado nominal das contas do setor público sofre impacto do déficit primário elevado, das atuações do BC no câmbio, e dos juros básicos da economia (Selic) fixados pela instituição para conter a inflação. Atualmente, a Selic está em 2% ao ano, na mínima histórica.

Dívida bruta

A dívida bruta do setor público, uma das principais formas de comparação internacional (que não considera os ativos dos países, como as reservas cambiais), subiu novamente em agosto. O indicador é acompanhado mais atentamente pelas agências de classificação de risco.

Em dezembro, a dívida estava em 75,8% do PIB, somando R$ 5,5 trilhões. Em julho deste ano, já tinha avançado para 86,5% do PIB (R$ 6,21 trilhões) e em agosto bateu novo recorde atingindo 88,8% do PIB (R$ 6,38 trilhões), informou o Banco Central.

Nesta semana, o Ministério da Economia estimou que a dívida bruta do setor público pode encerrar este ano em 94% do PIB por conta dos gastos para combater a pandemia do novo coronavírus, e pelo tombo esperado na economia.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Carros retirados de lago em pedreira desativada são desempilhados para retomada de perícia

Treze carros e uma moto foram achados depois que o nível da água baixou, em Salto de Pirapora; três veículos que estavam empilhados serão periciados na quinta-feira (1º). Polícia apura possível golpe em seguradoras.

Por Carlos Dias, G1 Sorocaba e Jundiaí

Carros serão reorganizados para nova perícia em Salto de Pirapora — Foto: Reprodução/TV TEM

Carros serão reorganizados para nova perícia em Salto de Pirapora — Foto: Reprodução/TV TEM

Uma nova perícia será feita na quinta-feira (1º) nos últimos três carros dos 13 que foram retirados de uma pedreira desativada, em Salto de Pirapora (SP). Além dos automóveis, uma motocicleta foi encontrada pelos policiais.

Segundo apurado pelo G1, como os veículos foram empilhados após a retirada, eles vão precisar ser levados ao solo para facilitar o trabalho dos peritos para que possam verificar os números do motor e chassi. Por isso, a equipe realizará uma segunda perícia no local.

Polícia remove veículos encontrados em lago de pedreira em Salto de Pirapora

Dos carros encontrados, ao menos oito estão em nome de seguradoras e com queixa de roubo ou furto.

Retirada

trabalho para remover os carros e a moto achados na pedreira foi realizado na sexta-feira e contou com o apoio da Defesa Civil e de peritos da Polícia Científica.

Para a força-tarefa de retirada, foram usados um barco e uma retroescavadeira, responsável por içar os veículos até a margem, que fica a 50 metros de altura. Segundo a delegada Fernanda Ueda, a polícia acredita que outros veículos ainda estejam na região.

Encontro

Os carros apareceram quando o nível da água da antiga pedreira baixou devido à estiagem e também ao trabalho de captação para abastecimento de três cidades. Entre eles, alguns tinham placas de Sorocaba (SP), de Votorantim (SP), também de Itaporanga (SP), São Paulo (SP) e Santa Bárbara d’Oeste (SP).

Polícia Civil retira carros de lago em antiga pedreira de Salto de Pirapora — Foto: TV TEM/Reprodução

Uma das linhas de investigação tomada pela corporação é a de que os veículos estejam envolvidos em um esquema de golpe em seguradoras.

Conforme apurado pelo G1, há denúncias de que o local era usado para desovar esses veículos usados nos golpes.

A quem pertence a área do lago?

A área é particular e pertence a uma fábrica de cimentos da região. A Prefeitura de Salto de Pirapora informou que a Justiça determinou à fábrica dona da área o bloqueio e a proibição do acesso.

A determinação veio depois que dois mergulhadores foram encontrados mortos dentro do lago em 2012.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Câmara do Rio marca para esta quarta a instalação das CPIs dos ‘Guardiões do Crivella’ e do ‘QG da Propina’

Cada comissão tem cinco vereadores. Está prevista a escolha do presidente e do relator de cada grupo.

Por G1 Rio

A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro marcou para esta quarta-feira (30) as reuniões de instalação de duas comissões parlamentares de inquérito (CPIs) sobre a gestão do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) — a do ‘QG da Propina’ e a dos ‘Guardiões do Crivella’.

Nessas sessões deverão ser eleitos o presidente e o relator das CPIs.

‘O QG da Propina’

Às 10h, está prevista a instalação da CPI do QG da Propina, sobre um suposto esquema de corrupção na prefeitura, a partir da Riotur.

A comissão vai analisar as denúncias da operação do Ministério Público do RJ e da Polícia Civil que, no último dia 10, cumpriu 22 mandados de apreensão – um deles contra Crivella, que teve o celular apreendido.

As investigações, iniciadas no ano passado, partiram da colaboração premiada do doleiro Sérgio Mizrahypreso pela Operação Câmbio, Desligo.

No depoimento, Mizrahy chama um escritório da prefeitura de “QG da Propina”.

Segundo a delação, o operador do esquema era Rafael Alves. Rafael não possui cargo na prefeitura, mas tornou-se um dos homens de confiança de Crivella por ajudá-lo a viabilizar a doação de recursos na campanha de 2016.

Depois da eleição, Rafael emplacou o irmão, Marcelo, na Riotur e, segundo o doleiro, montou um “QG da Propina”.

Mizrahy afirma que empresas que tinham interesse em fechar contratos ou tinham dinheiro para receber do município procuravam Rafael, com quem deixavam cheques. Em troca, ele intermediaria o fechamento de contratos ou o pagamento de valores que o poder municipal devia a elas.

Marcelo Alves foi exonerado da Riotur em 25 de março.

Na ocasião, Crivella disse que considerou a ação “injustificada, já que sequer existe denúncia formal e eu não sou réu nesta ou em qualquer outra ação”.

Membros da CPI:

  1. Átila A. Nunes (DEM);
  2. Dr. Jairinho (Solidariedade), líder do governo;
  3. Dr. Jorge Manaia (Progressistas);
  4. João Mendes de Jesus (Republicanos);
  5. Prof. Célio Lupparelli (DEM).

Os ‘Guardiões do Crivella’

Às 13h, está marcado o início dos trabalhos da CPI dos Guardiões do Crivella.

Funcionários da Prefeitura do Rio, pagos com dinheiro público, faziam plantão na porta de hospitais municipais para atrapalhar reportagens e impedir denúncias de problemas na Saúde. O esquema era combinado em grupos de aplicativo de mensagens. Um deles foi denominado “Guardiões do Crivella”.

A cúpula do governo municipal fazia parte de um dos grupos. O telefone do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, constava na relação.

O prefeito assumiu que estava no grupo, mas que nunca participou. Uma testemunha disse que Crivella enviava mensagens parabenizando as ações.

A Prefeitura do Rio mandou uma nota conjunta em que afirma que “funcionários ficam nas portas dos hospitais para esclarecer a população”.

Membros da CPI:

  1. Átila A. Nunes (DEM)
  2. Dr. Jorge Manaia (Progressistas);
  3. Felipe Michel (Progressistas);
  4. Inaldo Silva (Republicanos);
  5. Teresa Bergher (Cidadania).

MP pede impugnação de candidatura

O Ministério Público Eleitoral (MPE) apresentou no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), no último domingo (27), o pedido de impugnação da candidatura de Crivella à Prefeitura do Rio. O atual prefeito busca a reeleição no pleito de 2020.

O pedido tem como base a decisão do TRE-RJ da última quinta-feira (24), que tornou Crivella inelegível por seis anos por abuso de poder político e conduta vedada a agente público.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Tiroteio na Avenida das Américas deixa três pessoas feridas

Policial militar levou um tiro na cabeça e está internado no Hospital Lourenço Jorge em estado grave.

Por Natália Castro, RJ1

Um tiroteio na Avenida das Américas, na altura do número 16.355, no Recreio dos Bandeirantes, deixou três pessoas feridas, entre elas um policial militar.

O cabo Cleiton Rodrigues Teixeira, lotado na 1ª UPP do 23ºBPM (Rocinha), foi atingido por um tiro na cabeça e, segundo a direção do Hospital Lourenço Jorge, o estado de saúde dele é grave.

Segundo a polícia, entre os feridos está um bandido. Ainda não há identificação da terceira vítima.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

IGP-M: índice que corrige o aluguel dispara para 4,34% em setembro

Com este resultado, alta acumulada é de 14,4% no ano e de 17,94% em 12 meses, aponta FGV.

Por G1

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) teve alta de 4,34% em setembro, contra um avanço de 2,74% em agosto, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira (29)

Com este resultado, o índice já acumula alta de 14,4% no ano e de 17,94% em 12 meses, bem acima do índice de inflação oficial do país.

Em setembro de 2019, o índice havia caído 0,01% e acumulava alta de 3,37% em 12 meses.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis. Ele sofre uma influência considerável das oscilações do dólar, além das cotações internacionais de produtos primários, como as commodities e metais.

“Os três índices componentes do IGP-M registraram aceleração. O índice de preços ao produtor segue influenciado pela alta de grandes commodities, como a soja em grão que subiu 14,32% em setembro. No IPC, o destaque coube ao subgrupo recreação cuja a variação foi de 4,77%, sob influência de passagens aéreas que avançaram 23,74% nesta apuração. Por fim, no INCC destacam-se materiais e equipamentos, cujos os preços avançaram em média 2,97% no mês e 9,67% em 12 meses”, afirma André Braz, Coordenador dos Índices de Preços.

Preço do aluguel volta a subir no Rio

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, acelerou a alta a 5,92% no mês, depois de subir 3,74% em agosto. A principal contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 2,98% para 5,99%, no mesmo período. A alta das Matérias-Primas Brutas chegou a 10,23% em setembro, de 6,93% no mês anterior.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) avançou 0,64% em setembro contra 0,48% em agosto.

Já o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 1,15% em setembro, ante 0,82% no mês anterior.

Os economistas do mercado financeiro voltaram a estimar inflação acima de 2% para 2020 — algo que não acontecia desde o final de abril, segundo boletim Focus do Banco Central divulgado nesta segunda-feira. Para o IPCA, a estimativa agora é de uma alta de 2,05% no ano. A expectativa, porém, segue abaixo da meta central, de 4%, e também do piso do sistema de metas, que é de 2,5% em 2020.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia cumpre mandados de busca na secretaria estadual da Saúde e na Câmara de SP em investigação sobre suposto desvio de verbas

No legislativo paulista, segundo os investigadores, alvo é um funcionário do gabinete do vereador Eliseu Gabriel (PSB). Na secretaria, médica e advogada são os alvos. Ao todo, no estado, são 260 mandados de busca e 57 mandados de prisão temporária.

Por TV Globo e G1 SP — São Paulo

A Polícia Civil de São Paulo cumpre, na manhã desta terça-feira (29), mandados de busca na secretaria estadual da Saúde de São Paulo e da Câmara Municipal da capital paulista, na operação Raio X, que apura desvios de dinheiro público na área da saúde.

Na Câmara, segundo os investigadores, o alvo é um funcionário do gabinete do vereador Eliseu Gabriel (PSB). O vereador não é investigado. À TV Globo, o parlamentar disse que o funcionário foi exonerado e que será readmitido se for inocentado ao fim da investigação.

Já na secretaria estadual de Saúde, os alvos são uma médica e uma advogada, funcionárias da pasta.

A ação é coordenada pela Polícia Civil de Araçatuba por meio da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) e faz parte de uma operação realizada em conjunto com o Ministério Público de São Paulo e a Polícia Federal do Pará.

Ao todo, são quatro mandados de prisão temporária e 237 mandados de busca, sendo 180 no estado de São Paulo e 57 nos demais estados, além do sequestro de bens e valores.

Os policiais também fazem buscas no Hospital Geral de Carapicuíba e no Hospital Municipal Antônio Giglio, um dos maiores de Osasco. Na região de Araçatuba, são cumpridos mandados nas Santas Casas de Birigui e na de Penápolis.

De acordo com o Ministério Público de São Paulo, a investigação durou aproximadamente dois anos, período em que foram levantadas informações que indicam a existência de um sofisticado esquema de corrupção envolvendo agentes públicos, empresários e profissionais liberais, bem como de desvio de milhões de reais que deveriam ser aplicados na saúde.

O esquema envolve uma Organização Social (OS) que administra hospitais e clínicas em várias cidades do país.

Os donos são suspeitos de pagar propina a agentes públicos para conseguir os contratos que, em geral, são superfaturados.

Os crimes investigados são fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

34% dos alunos de 15 anos no Brasil repetiram de série ao menos uma vez na escola, diz pesquisa da OCDE

País tem o quarto maior percentual da lista, enquanto a média entre os 79 países e territórios analisados é de 11,9%. Além disso, 74% dos diretores afirmam que a conectividade da escola não é adequada. Cenário é desafio na pandemia, para combater o abandono escolar e programar a reabertura das salas de aula.

Por Elida Oliveira, G1

No Brasil, 34% dos estudantes de 15 anos repetiram de série ao menos uma vez durante toda a sua vida escolar. Este é o 4º maior percentual entre 79 países e territórios analisados, acima da média de 11,9%, de acordo com um relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgado nesta terça-feira (29).

Acima do Brasil, os territórios e nações com maiores percentuais de reprovação são Marrocos (49,3%), Colômbia (40,8%), e Líbano (34,5%) (veja gráfico abaixo).10 países com mais alunos que reprovaram ao menos 1 vez na escolaEm relatório da OCDE com 79 países e territórios, índice do Brasil é o 4º pior, atrás de Marrocos, Colômbia e Líbano.

Na outra ponta da lista, os países e territórios que menos reprovam são Taipai (China) e Islândia, ambos com 0,9% de estudantes até 15 anos que já repetiram de série; seguidos por Sérvia e Belarus, cada um com 1,4%. No Reino Unido, o índice é de 2,5%; no Canadá, 5,4%; e nos EUA, 9,1%.

O estudo “Políticas Eficazes, Escolas de Sucesso” é o 5º relatório da OCDE feito a partir de dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês).

Ele aponta que os países com menores índices de repetência têm resultados melhores em leitura, a área de conhecimento aprofundada no Pisa mais recente. No Brasil, o primeiro volume de dados da avaliação apontou que o país havia ficado estagnado em leitura, e caído na avaliação em matemática e ciências.

Além disso, repetir de ano pode levar ao desinteresse pelas aulas, podendo causar abandono e evasão, uma das preocupações com a interrupção das aulas na pandemia. No ensino médio, os jovens estão deixando as aulas para trabalhar e ajudar nas contas em casa devido à crise econômica provocada pela pandemia. No ensino superior, o impacto é dos alunos que não conseguem pagar a mensalidade ou nem ingressam na faculdade por falta de perspectiva.

Os dados indicam que, em geral, alunos de baixa renda têm três vezes mais chance de repetir de série ao menos uma vez na vida, se comparado a estudantes de maior renda, mas com o mesmo desempenho no Pisa. No Brasil, 51,8% dos que repetiram de ano ao menos 1 vez estavam na parcela mais pobre da população. A maioria dos repetentes (58,6%) eram de áreas rurais ou vilas.

Perfil das escolas e possível impacto na pandemia

Os dados do relatório apontam um cenário escolar com problemas que poderão impactar na reabertura das escolas, fechadas por causa da pandemia.

O Brasil é o segundo país com a menor quantidade de computadores por estudante na escola. Antes da pandemia, apenas 16,3% dos alunos do Brasil tiveram aulas para navegar em segurança na internet. Os dados apontam um possível despreparo dos alunos para as aulas on-line.

Já a volta às aulas poderá encontrar obstáculos. A conectividade das escolas não é uma realidade para todas. De acordo com o relatório 74% afirmam que a velocidade da internet não é adequada e 50,6% dos professores tinham as habilidades necessárias para integrar o uso da tecnologia à aprendizagem. O Brasil é o 52º colocado no ranking de computadores ligados à internet nas escolas.

Além disso, há diferença na distribuição desta tecnologia. No Brasil, 68% das escolas ricas e 10% das escolas pobres têm equipamentos digitais, segundo o relatório da OCDE.

Embora os dados apontem uma melhora na oferta de professores, ainda assim há uma lacuna a se preencher. Em 2015, 26% dos diretores do Brasil afirmaram ter falta de professores no quadro. Em 2018, o índice caiu para 17,6%. Aliado à falta de professores, será preciso organizar o quadro docente para afastar aqueles que são de grupo de risco.

Com a possibilidade de manter as aulas híbridas na reabertura das escolas, com parte dos alunos estudando em casa e parte indo para os colégios, será preciso incrementar a estrutura.

Em relação aos recursos da escola, como equipamentos tecnológicos, biblioteca, e livros didáticos, os dados do relatório indicam piora no Brasil. Em 2015, 29,3% dos diretores relataram a falta de algum tipo de recurso relativo à aprendizagem. Em 2018, eram 31,9%, aumento de 2,7 pontos percentuais.

“Esta crise expôs muitas inadequações e desigualdades nos sistemas educacionais em todo o mundo”, disse Andreas Schleicher, Diretor de Educação e Competências da OCDE. “Os jovens desfavorecidos foram particularmente afetados e cada país deve fazer mais para garantir que todas as escolas tenham os recursos de que precisam para que todos os alunos tenham oportunidades iguais de aprender e ter sucesso.”

Desempenho dos alunos e perfil das escolas

O desempenho dos alunos se mostrou maior em escolas privadas, segundo a OCDE. No Brasil, a diferença chegou a 102 pontos, se comparado ao desempenho de alunos de escolas públicas.

Estudantes da educação profissional tiveram um desempenho, em média, 30 pontos abaixo dos alunos da educação regular, considerando todos os 79 países analisados. Escolas que agrupam os alunos conforme a habilidade e desempenho dos grupos tiveram oito pontos a menos em leitura, em média, se comparado a escolas que não segregam os estudantes.

Outro fator que interfere no desempenho dos alunos é o contato precoce com a escola. Na educação infantil do Brasil, 9,9% dos alunos pesquisados não tiveram acesso à pré-escola. O relatório aponta que alunos que não frequentaram esta primeira etapa de ensino tiveram desempenho pior em leitura se comparado a estudantes que tiveram de um a três anos de aulas na primeira infância.

Como é feito o Pisa?

  • O Pisa é uma avaliação mundial feita em dezenas de países, com provas de leitura, matemática e ciência, além de educação financeira e um questionário com estudantes, professores, diretores e escolas e pais;
  • O resultado é divulgado a cada três anos – a edição mais recente foi aplicada em 2018 com uma amostra de 600 mil estudantes de 15 anos de 80 países diferentes. Juntos, eles representam cerca de 32 milhões de pessoas nessa idade;
  • Cada edição apresenta mais de um volume de informações. Os dados deste texto se referem ao 5º volume do Pisa mais recente, de 2018.
  • Apesar de fazer referência a 79 países e economias como integrantes desse ranking, alguns sistemas de ensino não são países independentes. Por exemplo: Macau, Hong Kong e quatro províncias agrupadas da China continental (Pequim, Xangai, Jiangsu e Zhejiang) recebem três notas diferentes. Além disso, a média dos países da OCDE também aparece no ranking.
  • No Brasil, 10.691 alunos de 638 escolas fizeram a prova em 2018. São 2.036.861 de estudantes, o que representa 65% da população brasileira que tinha 15 anos na data do exame;
  • O mínimo de escolas exigido pela OCDE é 150;
  • A prova é aplicada em um único dia, é feita em computadores e tem duas horas de duração. As questões são objetivas e discursivas;
  • A cada edição, uma das três disciplinas principais é o foco da avaliação – na edição de 2018, o foco é na leitura;
  • O Brasil participou de todas as edições do Pisa desde sua criação, em 2000, mas continua muito abaixo da pontuação de países desenvolvidos e da média de países da OCDE, considerada uma referência na qualidade de educação.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

PF deflagra operação contra garimpo ilegal na Terra Yanomami, em RR

Um suspeito foi identificado como responsável pelo trabalho de dezenas de pessoas dentro da terra indígena. Estima-se que cerca de 20 mil garimpeiros estejam infiltrados no território.

Por G1 RR — Boa Vista

PF cumpriu mandados nesta terça-feira (29) — Foto: Divulgação/Polícia Federal

PF cumpriu mandados nesta terça-feira (29) — Foto: Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal cumpre cinco mandados de busca e apreensão na manhã desta terça-feira (29) em Boa Vista. A ação faz parte da Operação Dominus, que investiga um grupo que estaria envolvido em garimpos ilegais na Terra Yanomami.

De acordo com a PF, um suspeito foi identificado como o responsável por dezenas de pessoas que operam máquinas de forma irregular na região. Os mandados têm como alvo outros integrantes que seriam responsáveis pelo depósito e transporte de insumos para manter o garimpo na terra indígena.

Uma arma de fogo foi encontrada na casa de um dos suspeitos durante as buscas. A PF afirma que estava em posse ilegal e “pronta condição de envio à região de garimpo”.

Estima-se que cerca de 20 mil garimpeiros estejam infiltrados no território. Roraima não possui garimpos legalizados.

A Terra Yanomami é a maior do Brasil, com mais de 9 mil hectares distribuídos entre Roraima e Amazonas, e abriga 26.780 indígenas.

Os mandados foram expedidos pela 4ª Vara da Justiça Federal em Roraima, atendendo pedido da PF e a manifestação favorável do Ministério Público Federal (MPF). O grupo é investigado por crimes de garimpo ilegal, usurpação de bens da União, transporte ilegal de combustível e associação criminosa.

Ainda segundo a PF, o nome da operação vem do termo em latim “Dominus”, que significa “dono” ou “senhor” em português. Sendo, uma referência ao principal investigado.

Policiais em operação contra garimpo ilegal na Terra Yanomami — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Policiais em operação contra garimpo ilegal na Terra Yanomami — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Coronavírus na Terra Yanomami

coronavírus já infectou 709 indígenas da etnia Yanomami, conforme o último boletim divulgado pelo Distrito Sanitário Especial Indígena Yanomami (Dsei-Y) no último dia 22.

Em junho, Edson Damas, procurador do Ministério Público de Roraima, alertava para o risco de genocídio caso o vírus fosse levado à terra indígena. Ele já apontava que a invasão de garimpeiros poderia ser responsável por levar o coronavírus à região.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Educadora constrói casa com garrafas de vidro, em Foz do Iguaçu: ‘Além de tirar do meio ambiente, vou ter meu cantinho’

Com doações da comunidade e reciclagem, casa de 70 metros quadrados tem mais de 10 mil garrafas; campanha online busca arrecadar fundos para finalizar a obra.

Por Mari Kateivas, G1 PR — Foz do Iguaçu

Dóris teve a ideia de construir uma casa com garrafas de vidro para economizar com tijolos, em Foz do Iguaçu — Foto: Arquivo pessoal

Dóris teve a ideia de construir uma casa com garrafas de vidro para economizar com tijolos, em Foz do Iguaçu — Foto: Arquivo pessoal

O que podia ir para o lixo ou parar no meio ambiente, tornou-se a principal matéria-prima para Dóris Dias realizar o sonho da casa própria, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. Com mais de 10 mil garrafas recicladas, a “casa de vidro” da educadora social tomou forma e está na reta final da construção, na Vila C.

“A maioria dos brasileiros não tem condição de ter a casa própria. É muito difícil conseguir uma casinha. Esse é um sonho meu. Antes eu pensava que de jeito nenhum ia conseguir, mas agora vejo que está cada vez mais perto. Além de tirar as garrafas do meio ambiente, ainda vou ter meu cantinho. Não vejo a hora”, contou.

Depois de casar e ganhar parte do terreno dos pais, Dóris fez orçamentos para construir uma casa convencional. Os materiais tradicionais, como madeira e tijolos, afastaram o sonho da iguaçuense, que não tinha condições de arcar com a obra.

Tudo mudou quando a educadora conheceu projetos sustentáveis com casas de garrafas PET e de vidro, em diferentes lugares do mundo, inclusive, no Brasil.

'Casa de vidro' começou a ser construída em abril de 2020, na Vila C, em Foz do Iguaçu — Foto: Arquivo pessoal

‘Casa de vidro’ começou a ser construída em abril de 2020, na Vila C, em Foz do Iguaçu — Foto: Arquivo pessoal

De acordo com Dóris, a ideia da casa de garrafas surgiu depois de fazer a festa de casamento dela, em setembro de 2019, usando materiais recicláveis.

Com doações da comunidade e buscando a matéria-prima pelas ruas de Foz do Iguaçu, ela e o marido, Robson Lopes, juntaram milhares de garrafas e começaram a construção em abril deste ano.

“Procurei as garrafas em bueiros, nas ruas e fiquei impressionada com o tanto que encontrei. As pessoas não pensam em aproveitar nada. No Brasil não se pensa muito na sustentabilidade. Vi casas com garrafas na Bolívia, Tailândia e outros lugares”, afirmou.

Doações

Por enquanto, o casal mora com os pais de Dóris. Por isso, o novo lugar é tão importante. A educadora está afastada do trabalho por problemas de saúde e ainda não está recebendo do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O marido, que trabalhava como repositor em um supermercado, está desempregado.

Para conseguir terminar a casa, eles estão com uma campanha online para arrecadação de fundos. Além disso, pedem doações de materiais como como janelas, portas e fios elétricos.

Moradores de Foz do Iguaçu ajudaram na doação de garrafas para a construção da 'Casa de vidro' — Foto: Arquivo pessoal

Moradores de Foz do Iguaçu ajudaram na doação de garrafas para a construção da ‘Casa de vidro’ — Foto: Arquivo pessoal

O espaço tem cerca de 70 metros quadrados e está sendo construído pelo marido. A sustentação da estrutura foi feita com ferro, as paredes com garrafas de 600 ml e cimento, segundo a educadora. Até o momento, o casal gastou pouco mais de R$ 3 mil.

Enquanto a casa não fica pronta, as roupas e os objetos do casal ficam em um contêiner alugado, do lado de fora da casa dos pais dela.

Os dois deixaram a residência onde moravam por não ter mais condições de pagar aluguel. Os móveis que tinham lá, foram levados para o terreno dos pais de Dóris, mas com a exposição na chuva e sol, acabaram perdendo tudo, segundo ela.

Casal espera terminar a obra para sair da casa dos pais da Dóris, em Foz do Iguaçu — Foto: Arquivo pessoal

Casal espera terminar a obra para sair da casa dos pais da Dóris, em Foz do Iguaçu — Foto: Arquivo pessoal

Construção

Dóris explicou que a construção não está regularizada, pois não teve recursos para contratar profissionais. Entretanto, destacou que buscará regularizar a casa assim que for possível financeiramente.

De acordo com a Secretaria de Planejamento e Captação de Recursos, a obra pode ser regularizada pela prefeitura até dois anos após a conclusão.

Nos casos de imóveis irregulares, segundo a secretaria, o proprietário deve providenciar o projeto da obra, a documentação de posse do imóvel, os documentos pessoais e protocolar o pedido de regularização na prefeitura.

Se houver dúvidas sobre reformas e construções, o município ressalta que o morador deve buscar orientações na secretaria para evitar transtornos futuros com a regularização.

Conforme o secretário de Planejamento, Edinardo Aguiar, o material utilizado para a construção, como as garrafas de vidro, não é analisado no momento de regularização de um projeto, mas o proprietário deve avaliar se esse tipo de material não oferece nenhum risco aos moradores.

“A segurança vem acima de tudo. Além disso, as regras urbanísticas servem para estabelecer um padrão construtivo, para que a cidade seja bem ordenada. Quando as construções seguem os padrões, como respeitar a largura da via e da calçada, evitamos transtornos depois em toda a rede de infraestrutura”, explicou.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.