Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Tutora de cão com hidrocefalia tenta conseguir na Justiça remédio à base de maconha para tratar o animal, em Fortaleza

O pedido é para que a União e o Estado do Ceará forneçam o medicamento à base de canabidiol. Remédio é feito com substâncias extraídas da maconha (cannabis) e foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o tratamento em pessoas.

Por Isayane Sampaio, g1 CE

Cão Valentim foi diagnosticado com hidrocefalia hipoplasia cerebral e sofre com convulsões.  — Foto: Arquivo pessoal

Cão Valentim foi diagnosticado com hidrocefalia hipoplasia cerebral e sofre com convulsões. — Foto: Arquivo pessoal

Uma advogada entrou com uma ação na Justiça nesta quarta-feira (22) para que a União e o Estado do Ceará forneçam um medicamento à base de canabidiol para o tratamento de um cachorro que sofre de hidrocefalia em Fortaleza. A tutora do animal não pode pagar pela substância. O remédio é feito com substâncias extraídas da maconha (cannabis) e foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o tratamento em pessoas.

A importação de medicamentos à base de canabidiol está liberada no Brasil desde 2015. Os remédios são usados em pessoas no tratamento de dezenas de doenças, como artrite, epilepsia, esclerose múltipla e mal de parkinson, além de ser utilizado para aliviar dores crônicas causada por cânceres. O medicamento, no entanto, só pode ser fornecido com receita médica.

Diagnosticado com hidrocefalia hipoplasia cerebral, o cão Valentim, da raça golden, sofre quase que diariamente com convulsões. A advogada animalista Cinthia Belino, que entrou na Justiça com o pedido do medicamento, disse em entrevista ao g1 que acompanhava a tutora de Valentim pelas redes sociais quando decidiu ajudar, já que ela não conseguia obter o medicamento em razão do preço caro e por não conseguir autorização para obter o remédio.

“Acompanho o Valentin nas redes sociais e vi que o médico tinha oferecido esse tratamento para ele e a tutora estava com dificuldades não só de comprar o remédio, como de ter acesso a esses cadastros. Então eu ofereci os meus serviços para ela para que a gente entrasse na Justiça e fizesse essa tentativa de conseguir esse medicamento e esse cadastro por via judicial”, disse a advogada.

O uso de medicamento à base de canabidiol para o tratamento em Valentim foi prescrito pelo médico veterinário Felipe Pereira, que acompanha o animal desde agosto de 2021. Na prescrição, ele recomenda o tratamento canábico para que Valentim tenha qualidade de vida, “tendo em vista que o quadro clínico do paciente não teve resultados satisfatórios com a utilização de terapias convencionais.”

Advogada entrou na Justiça para que a União e o estado do Ceará forneçam canabidiol para tratamento de cão com hidrocefalite. — Foto: Arquivo pessoal

Advogada entrou na Justiça para que a União e o estado do Ceará forneçam canabidiol para tratamento de cão com hidrocefalite. — Foto: Arquivo pessoal

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Atriz Marilu Bueno morre no Rio

Artista de 82 anos participou de várias novelas e programas de sucesso, como ‘Alto Astral’, ‘Guerra dos Sexos’, ‘Escolinha do Professor Raimundo’ e ‘Caça Talentos’. Ela estava internada no Hospital Municipal Miguel Couto, onde passou por uma cirurgia no abdômen e teve complicações.

Por g1 Rio e TV Globo

A atriz Marilu Bueno, de 82 anos, morreu nesta quarta-feira (22) no Rio. Ela estava internada em estado grave no Hospital Miguel Couto, na Zona Sul do Rio de Janeiro, desde o fim de maio, onde fez uma cirurgia no abdômen.

Por causa de complicações no pós-operatório, precisou ser levada para a UTI, onde acabou morrendo.

Marilu Bueno trabalhou 50 anos na televisão e participou de várias novelas e programas de sucesso.

Entre os trabalhos da atriz na TV Globo estão as novelas “Alto Astral” (2014), “Eta Mundo Bom” (2016), “Guerra dos Sexos” e “Kubanacan”, além dos programas “Escolinha do Professor Raimundo” , “Sítio do Picapau Amarelo”, “A Grande Família” e “Caça Talentos”.

A atriz não casou e nem teve filhos.

Marilu Bueno em 'Caça Talentos' — Foto: Divulgação/TV Globo

Marilu Bueno em ‘Caça Talentos’ — Foto: Divulgação/TV Globo

Trajetória artística

A trajetória da carioca Maria Luiza David Bueno de Lima no caminho das artes começou em 1960, com a estreia no cinema. O filme era “O Cupim” e a atriz já se apresentava como Marilu Bueno, o nome que ganharia o Brasil inteiro.

Em 1972, teve início uma lista de papéis inesquecíveis na televisão. O primeiro foi na novela “O Bofe”.

Depois, vieram outros que marcaram a teledramaturgia brasileira. Ela foi a governanta Olívia nas duas versões da novela “A Guerra dos Sexos”. Em “Corpo de Alma”, interpretou a mãe de Yasmin, na novela marcada por uma tragédia. A atriz Daniella Perez foi assassinada durante as gravações.

Na sua última interpretação, em “Salve-se quem puder”, de 2020, ela foi Dulce, parte de um triângulo amoroso.

Marilu em 'Estúpido cupido' — Foto: Divulgação/TV Globo

Marilu em ‘Estúpido cupido’ — Foto: Divulgação/TV Globo

Com um grande talento para o humor, participou de vários programas de comédia. A habilidade de fazer rir também chegou aos palcos. Em uma montagem ao lado de Drica de Moraes encenou “O Crime do Dr. Alvarenga”, um grande sucesso, com texto de Mauro Rasi.

Na vida dedicada à arte de atuar, viveu cercada pelo carinho do público. A cômica Tetê, de “A Gata Comeu” (1985), foi uma das preferidas dos fãs. Ela fazia par romântico com Cláudio Corrêa e Castro.

A Sulamita, da novela “Partido Alto” (1984), também deixou saudade. Era uma costureira do subúrbio carioca que chegava exausta em casa. Por causa da novela, a Prefeitura do Rio criou uma linha de ônibus para o bairro Encantado, na Zona Norte.

O último capítulo da novela foi gravado na Avenida Rio Branco, no Centro da cidade, num desfile de carnaval. O grande destaque foi o sorriso de Marilu, uma marca na ficção e na vida real.

Marilu Bueno como Rosa da novela "O Noviço", da Globo (1975) — Foto: Divulgação/TV Globo

Marilu Bueno como Rosa da novela “O Noviço”, da Globo (1975) — Foto: Divulgação/TV Globo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil cai para 10ª posição em ranking de combate à corrupção na América Latina

O levantamento do fórum Americas Society, em parceria com a Control Risks, avalia a capacidade de 15 países latino-americanos de identificar, punir e prevenir casos de corrupção. É terceira queda seguida do Brasil no ranking.

Por Jornal da Globo

Brasil cai para 10ª posição ranking de combate à corrupção na América Latina

Segundo um levantamento do fórum Americas Society, em parceria com a Control Risks, o Brasil caiu quatro posições no Índice de Capacidade de Combate à Corrupção (CCC). Em 2021, o país era o  colocado, e agora passou para o 10º lugar. É terceira queda seguida.

Esse índice avalia a capacidade de 15 países latino-americanos de identificar, punir e prevenir casos de corrupção.

O levantamento é dividido em três categorias: capacidade legal; democracia e instituições políticas; e sociedade civil e mídia. São analisadas 14 variáveis, incluindo a independência das instituições jurídicas e a quantidade de recursos disponíveis para combater crimes de colarinho branco.

Veja a colocação de cada país:

  1. Uruguai
  2. Costa Rica
  3. Chile
  4. Peru
  5. República Dominicana
  6. Argentina
  7. Panamá
  8. Colômbia
  9. Equador
  10. Brasil
  11. Paraguai
  12. México
  13. Guatemala
  14. Bolívia
  15. Venezuela

Segundo a pesquisa, um dos itens em que o Brasil mais retrocedeu foi na independência e eficiência das agências anticorrupção. A queda na pontuação nesse quesito foi de 19%.

Dos cinco itens em que o Brasil ficou abaixo da média, dois tem relação com a política e com o Congresso.

O presidente do Instituto ‘Não Aceito Corrupção’, Roberto Livianu, disse que esse resultado demonstra o enfraquecimento das instituições e também da legislação.

“Nós vivemos um momento muito complicado, muito crítico. Temos tido retrocessos no ano passado. Tivemos um esmagamento da lei de improbidade administrativa, a lei mais importante do país em matéria de combate à corrupção, a lei da ficha limpa também”, conta.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

MPF recomenda que hospital de SC faça aborto em menina estuprada

Criança de 11 anos está com 30 semanas de gestação e aguarda decisão judicial do Tribunal de Justiça de Santa Catarina para realizar procedimento.

Por Caroline Borges e Clarìssa Batìstela, g1 SC

MPF recomenda interrupção da gravidez da criança de 11 anos vítima de estupro em SC

O Ministério Público Federal (MPF) recomentou ao Hospital Universitário (HU) de Florianópolis que realize o aborto para a menina de 11 anos, grávida após estupro, independente de tempo gestacional ou autorização judicial.

unidade negou o procedimento, quando procurada, porque a criança estava com 22 semanas e 2 dias de gestação.

g1 SC procurou o hospital para saber se vai atender à recomendação. A unidade não se manifestou até a última atualização desta matéria.

O MPF deu prazo até as 12h de quinta-feira (23), para que a unidade hospitalar encaminhe à Procuradoria da República informações sobre o acatamento da recomendação, “excepcionalmente. em razão da urgência que o caso requer”.

No documento, assinado pela procuradora Daniele Cardoso Escobar, o MPF recomenda “a realização de procedimentos de interrupção da gestação nas hipóteses de aborto legal [termo usado no meio médico para definir o procedimento nos casos autorizados por lei], a serem praticados por médico, independentemente da idade gestacional e peso fetal, sendo desnecessária qualquer autorização judicial ou comunicação policial”.

O caso

Vítima de estupro, a menina descobriu que estava na 22ª semana de gravidez ao ser encaminhada a um hospital de Florianópolis. Na unidade em que teve o procedimento negado, à época, a interrupção é realizada quando a gravidez está em até 20 semanas, apesar da legislação não estipular prazos ou solicitar autorização judicial para o procedimento.

Segundo a lei, o aborto é permitido nos casos em que a gravidez é decorre de estupro ou quando há risco à vida da gestante.

Depois que o caso foi parar na Justiça, a decisão e trechos da audiência em que a vítima, mãe dela, a juíza e a promotora Mirela Dutra Alberton aparecem, foram revelados em uma reportagem dos sites Portal Catarinas e The Intercept na segunda-feira (20).

Em um momento do vídeo, a Justiça e Promotoria pedem para a menina manter a gestação por mais “uma ou duas semanas”, para aumentar a sobrevida do feto.

“Você suportaria ficar mais um pouquinho?”, perguntou a juíza.

Após ser impedida de fazer aborto, Justiça autoriza criança a sair do abrigo em Santa Catarina

Desde a data da decisão da juíza, a criança estava sendo mantida em um abrigo para evitar que fizesse um aborto autorizado. Só na terça-feira (21), que ela foi liberada para voltar à casa da mãe.

Após a decisão, a defesa da família da menina entrou com um habeas corpus no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) para realizar o procedimento de interrupção da gravidez. “Apesar de ser um direito, a gente quer cumprir todos os requisitos”, comentou Daniela Felix.

Até a última atualização desta matéria, o pedido não tinha sido julgado pelos juristas.

Conduta do hospital é investigada

Após a divulgação do caso, o Ministério Público Federal (MPF) informou que está investigando o atendimento feito pelo Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago. O inquérito civil, instaurado na segunda-feira (20), prioriza a apuração dos “fluxos e trâmites do HU” em relação ao caso.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Assaltantes armados atacam agência da Caixa Econômica Federal no Centro de Itajubá, MG; 5 ficam feridos

Moradores registraram pelas redes sociais forte tiroteio e criminosos armados pela cidade; prefeitura confirmou que pelo menos uma pessoa ficou ferida.

Por Lucas Soares e Maria Natália Selvatti, g1 Sul de Minas e EPTV — Itajubá, MG

Assaltantes armados atacam agência da Caixa Econômica Federal no Centro de Itajubá, MG; 5 ficam feridos

Reprodução Redes Sociais

Criminosos armados atacaram uma agência da Caixa Econômica Federal na noite desta quarta-feira (22) em Itajubá (MG). Segundo informação confirmada pela prefeitura e pela Polícia Militar (PM), um morador que passava pelo local no momento do ataque foi baleado na perna esquerda. Ele foi socorrido para o hospital da cidade. Além dele, segundo a PM, quatro policiais ficaram feridos, um deles precisou passar por uma cirurgia. O estado de saúde deles não foi informado.

Pelas redes sociais, moradores publicaram vídeos que mostram homens armados e barulhos de tiros em um intenso tiroteio pela cidade. Em outros vídeos, aparecem o que seriam reféns.

Segundo as primeiras informações, os criminosos não teriam conseguido abrir o cofre da agência. Eles teriam sitiado policiais militares atirando contra o quartel da PM na cidade e ainda atearam fogo em veículos.

Por volta de 0h30 desta quinta-feira (23), a Polícia Militar confirmou que o cofre de penhor da agência da Caixa Econômica Federal foi atacado. A polícia informou ainda que os criminosos teriam se dividido em dois comboios que seguiram sentido a Pouso Alegre pela BR-459 e outro sentido a São Lourenço, por Maria da Fé.

Tiroteio no Sul de MG

Segundo te-nente-coronel Flávio Santiago, há registro de tiroteio na região de Brasópolis e Paraisópolis, no Sul de Minas Gerais, e também a prisão de um suspeito no local. Outro tiroteio foi registrado perto da cidade de São Bento, em São Paulo, que fica da divisa com Minas Gerais.

Em nota oficial (veja ao final da reportagem), a Prefeitura de Itajubá confirmou que uma pessoa ficou ferida e se encontrava em atendimento no hospital. A prefeitura também pediu para que a população se mantivesse calma e em local seguro, evitando circular pela cidade. Segundo a Polícia Militar, o ferido é um morador que passava pelo local no momento do ataque. Ele foi atingido na perna esquerda.

Além dele, segundo a PM, quatro militares também ficaram feridos. O estado de saúde deles não foi informado.

Prefeitura de Itajubá confirma que uma pessoa ficou ferida em ataque a banco — Foto: Reprodução

Prefeitura de Itajubá confirma que uma pessoa ficou ferida em ataque a banco — Foto: Reprodução

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Mais de 17 mil garotas de até 14 anos foram mães em 2021, mostram dados do SUS

Número preliminar, de 2021, é menor que nos anos anteriores, mas ainda é significativo. De acordo com a legislação vigente, sexo com menores de 14 anos é considerado estupro de vulnerável. Vítimas têm direito a aborto legal, caso engravidem.

Por Victor Farias, g1

O que é aborto legal

O caso da garota de 11 anos que engravidou após ser vítima de um estupro em Santa Catarina não é exceção no Brasil. Dados preliminares do Ministério da Saúde coletados pelo g1apontam que, no ano passado, 17.316 garotas de até 14 anos foram mães no país. O número tem diminuído nos últimos anos.

De acordo com a legislação vigente, sexo com menores de 14 anos é considerado estupro de vulnerável. Caso a violência leve à gestação, a criança tem direito ao aborto legal. Como o número inclui garotas que engravidaram após completar 14 anos, não é possível dizer que todas são vítimas de estupro.

A especialista em direito das crianças e adolescentes e coordenadora na Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Perla Ribeiro, afirma que as notificações de gravidez são a parte mais visível do problema de estupro de vulnerável no Brasil, que ainda sofre com subnotificação.

“A gente tem, nos casos de violência sexual contra criança e adolescente, uma subnotificação muito grande. Quando essa criança chega a engravidar, é quando você confronta isso com o Estado, porque ela precisa passar pelo processo de ir ao hospital e aí se descobre a questão do abuso e da violência sexual”, conta.

Especialista em violência sexual e aborto previsto em lei, a psicóloga Daniela Pedroso afirma que manutenção da gravidez em crianças vítimas de violência sexual traz uma série de problemas psicológicos para a criança, além de malefícios físicos, sociais e financeiros.

Ela diz que essa situação pode ser ainda pior, caso seja negado a essa vítima o direito de interromper a gravidez legalmente, como ocorreu com a menina de Santa Catarina, mantida pela Justiça em um abrigo no estado para evitar que faça um aborto autorizado.

Vítima de estupro, a menina de SC descobriu estar com 22 semanas de gravidez ao ser encaminhada a um hospital de Florianópolis, onde teve o procedimento para interromper a gestação negado pela juíza Joana Ribeiro Zimmer.

Depois que o caso foi parar na Justiça, a decisão e trechos de uma audiência sobre o caso foram revelados em uma reportagem dos sites Portal Catarinas e The Intercept. O material foi publicado na segunda-feira (20). No vídeo, Zimmer tenta convencer a menina a manter a gravidez e chegou a questionar a criança se ela “suportaria ficar mais um pouquinho”.

Na manhã de terça-feira (21), a Justiça determinou que a menina voltasse a morar com a mãe. A advogada de defesa da família não deu detalhes sobre qual será decisão em relação ao aborto. Já a juíza do caso foi transferida para outra comarca, após receber uma promoção. Segundo ela, o convite foi feito antes da repercussão do caso.

Pedroso, que atende meninas e mulheres vítimas de violência sexual há 25 anos, conta que muitas vezes essas garotas não têm ideia do que está ocorrendo com elas ou com os seus corpos.

“O caso dessa menina impacta porque me faz lembrar de todas as situações parecidas de meninas de 10, 11 anos que já atendi. Me evoca a lembrança dessas meninas que eram crianças, que não tinham às vezes entendimento sobre o próprio corpo, que não sabiam o que estava acontecendo”, afirma.

“Eu lembro sempre de um caso de uma menina, de como ela descobriu. Ela tinha 10 anos, estava no banho e estava saindo leite do seio dela e ela chamou a mãe, e ela conseguiu contar para essa mãe que estava grávida de um estupro do padrasto. E como era o atendimento [psicológico] dela? Era sentar no chão com ela, que era uma criança.”

Norte e Nordeste têm mais casos proporcionalmente

A maior parte dos casos de meninas de até 14 anos que tiveram filhos foi registrada no Nordeste (6.855). O Norte aparece em seguida, com quase 4 mil registros, seguido pelo Sudeste (3,8 mil), Centro-Oeste (1,4 mil) e Sul (1,3 mil).

Quando olhamos os números totais de nascimentos nas regiões, por outro lado, o Nordeste (833 mil) tem menos registros de nascidos vivos que o Sudeste (1,2 milhões). Já o Norte (322 mil) notificou menos nascimentos que o Sul (396 mil).

Ou seja, proporcionalmente, Norte e Nordeste, regiões com maiores índices de pobreza, têm mais casos de meninas grávidas que as demais regiões.

g1 questionou o Ministério da Saúde sobre os dados completos de 2021, mas não recebeu a informação até a publicação deste texto.

Coordenadora de Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública Estadual do Rio de Janeiro, Flávia Nascimento lembra que a previsão legal para a interrupção de gravidez em meninas menores de 14 anos está na legislação brasileira desde 1940.

A defensora acredita que a lei, por não definir um período específico em que pode ocorrer o procedimento, permite a interrupção em qualquer momento da gravidez, mas ressalta que este não é um consenso no mundo jurídico.

Nascimento afirma ainda que tem notado uma maior dúvida entre médicos em relação a esse tema, principalmente após posicionamentos recentes do Ministério da Saúde. No começo deste mês, a pasta publicou documento em que diz que “não existe aborto ‘legal’” e defende que os casos em que há “excludente de ilicitude” sejam comprovados após “investigação policial”.

“A gente tem percebido um aumento desses casos, dessa dúvida dos profissionais de saúde, principalmente desde que o Ministério da Saúde começou a querer impor uma limitação a um direito que é amplo, que não é limitado. O MS, que deveria orientar, traz uma orientação contrária a lei e acaba provocando muita dúvida nos profissionais de saúde”, comenta.

Número está em queda

Os dados históricos de nascidos vivos apontam uma diminuição da gravidez na infância no país desde 2014, quando 28.245 meninas tiveram filhos. Dois anos depois, em 2016, foram 24.139 garotas. Em 2019, antes da pandemia, foram registrados 19,3 mil nascimentos de mães de até 14 anos.

Apesar da queda, as duas regiões com maiores taxas proporcionais de meninas gravidas — Norte e Nordeste — registraram aumento nos casos em 2021, segundo os dados preliminares do MS. O Norte passou de 3.740 em 2020 para 3.975 em 2021, enquanto o Nordeste foi de 6.822 a 6.855.

Apesar da redução, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) ressaltou, em artigo publicado no fim de 2021, que a taxa de fecundidade de adolescentes brasileiras é maior que a média global: são 53 adolescentes grávidas a cada mil, enquanto no mundo são 41. No texto, o órgão da ONU fez um alerta para a importância da informação e da educação integral em sexualidade como ferramentas de prevenção à gravidez precoce, e para a necessidade de discutir as violências e abusos que vitimizam adolescentes e meninas.

Aborto legal

O g1 publicou uma série de reportagens que explicam o que é o aborto legal, após o Ministério da Saúde publicar uma cartilha na qual afirmava que “não existe aborto legal” e defender que os casos permitidos no Brasil sejam submetidos a “investigação policial”.

Nas matérias, há detalhes sobre o procedimento de interrupção de gestação autorizado pela legislação brasileira. Ele deve ser oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e é permitido nos casos em que a gravidez é decorrente de estupro, quando há risco à vida da gestante ou quando há um diagnóstico de anencefalia do feto.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Imagens mostram carcaças de animais descartadas irregularmente em terreno no interior de SP

Polícia Militar Ambiental recebeu denúncia anônima e constatou irregularidade. Investigação será feita para identificar os responsáveis pelo descarte.

Por g1 Rio Preto e Araçatuba

A Polícia Militar Ambiental encontrou carcaças de animais às margens da Rodovia BR-153, em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. Um inquérito será aberto para investigar o descarte irregular.

Segundo o tenente Fábio Leme, foram identificados ossos de cachorros, gatos, carneiros, bois, cavalos e macacos. Sacos plásticos, coleiras e itens hospitalares também estavam no terreno.

“O perigo é as bactérias e vírus dos animais atingirem o lençol freático. Vamos fazer uma investigação com a Polícia Civil, Polícia Científica e Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Ela é para descobrir quem descartou os animais e responsabilizá-lo criminalmente e administrativamente”, disse.

Confira abaixo fotos das carcaças e itens encontrados no terreno:

Cordas também foram encontradas perto de ossos de animais em Rio Preto  — Foto: Reprodução/TV TEM

Cordas também foram encontradas perto de ossos de animais em Rio Preto — Foto: Reprodução/TV TEM

Ossos de animais e materiais hospitalares foram encontrados em terreno de Rio Preto  — Foto: Arquivo pessoal

Ossos de animais e materiais hospitalares foram encontrados em terreno de Rio Preto — Foto: Arquivo pessoal

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Moradores de Grande SP e Baixada Santista são os que mais comprometem renda com aluguel no país, diz pesquisa do Datafolha

Famílias da Grande SP gastam cerca de 38% da renda familiar com pagamento do aluguel. Na Baixada Santista, gasto compromete 45% dos salários, segundo pesquisa.

Por g1 SP — São Paulo

Os moradores da região metropolitana de São Paulo e da Baixada Santista são os que mais comprometem a renda familiar com o pagamento de aluguel, segundo uma pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta quarta (22).

As famílias da Grande SP gastam cerca de 38% da renda familiar com o pagamento do aluguel, que custa, em média, R$ 1.078. Já na Baixada Santista, este gasto compromete 45% da renda familiar, e o aluguel médio é de R$ 951.

O percentual nas duas regiões fica acima do indicado por especialistas em gestão financeira, que aconselham que uma família gaste, no máximo, 30% do seu orçamento com esta despesa.

Além disso, os dados são superiores à média nacional, que é de 31% da renda do brasileiro comprometida com o aluguel da casa. O custo médio da locação residencial, no país, é de R$ 686.

A pesquisa, realizada em parceria com a plataforma Quinto Andar, foi feita por meio de entrevistas pessoais em locais de grande movimento, entre os dias 11 e 21 de outubro de 2021. O levantamento tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos para o total da amostra.

Já a margem de erro para o macropolo da Baixada Santista é maior, de 10 pontos percentuais para mais ou para menos, segundo Thiago Reis, gerente de Dados do QuintoAndar.

Financiamento de imóveis

A pesquisa também avaliou o comprometimento da renda com o financiamento de imóveis. Embora esta despesa tenha um valor médio mais alto, ele compromete um percentual menor do orçamento das famílias, o que indica que a renda média de quem tem a casa própria é superior à daqueles que moram de aluguel.

Na média nacional, o financiamento residencial compromete 27% da renda de uma família, e custa R$ 715 mensais. Já na Grande SP, o percentual médio é de 25%, e o valor do financiamento é, em média, de R$ 1.206 por mês.

A região metropolitana da capital paulista tem o maior percentual de pessoas que pretendem comprar a casa própria na próxima mudança. A pesquisa aponta que 3 em cada 5 moradores que pretendem se mudar na Grande SP querem comprar, e não alugar – o maior percentual entre as regiões metropolitanas, na comparação com Rio e Belo Horizonte.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Vídeo mostra momento em que suspeito se rende após esfaquear passageiros em ônibus de Piracicaba

Três pessoas morreram e outras três foram socorridas com vida. Crime ocorreu em cruzamento do centro da cidade e o trecho foi interditado.

Por Rodrigo Pereira, g1 Piracicaba e Região

Vídeos registrados por testemunhas mostram o momento em que o suspeito de matar três pessoas esfaqueadas e deixar outras três feridas dentro de um ônibus se rendeu após negociar com policiais militares, em Piracicaba (SP), na tarde desta terça-feira (21).

Na série de vídeos, é possível ver quando dois policiais chegaram no local e começaram a conversar com o suspeito, que ainda estava dentro do ônibus.

“O cara está com uma faca gigante esfaqueando as pessoas dentro do ônibus. Chama reforço, pelo amor de Deus”, diz uma das testemunhas, enquanto ligava para as forças de segurança.

Do lado de fora do coletivo, uma policial mulher, com arma em punho, mantém contato com o rapaz, que joga parte dos pertences para fora do veículo.

Em outra gravação, mais policiais chegam para dar reforço e, em seguida, o suspeito desce do coletivo e se rende. Ele é algemado e levado pelos policiais.

O ataque

O homem esfaqueou e matou três pessoas dentro de um ônibus do transporte coletivo no Centro. Outras três pessoas feridas foram socorridas com vida.

O suspeito foi preso e, de acordo com a Polícia Civil, ele escolheu as vítimas aleatoriamente, apresentava falas desconexas e não tinha uma motivação para o crime.

O ataque ocorreu quando o coletivo estava na Avenida Armando de Salles de Oliveira, no cruzamento com a Rua Regente Feijó, nas proximidades do Terminal Urbano da cidade.

Imagens que circulam em redes sociais mostram o homem realizando os ataques e PMs chegando ao local para tentar impedir o ataque.

O trecho foi interditado e as vítimas foram atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Polícias militar e civil e Guarda Civil Municipal foram para o local, que também foi sobrevoado pelo helicóptero Águia, da PM.

Segundo a prefeitura, morreram no ataque duas mulheres, de 42 e 55 anos, e um homem de 68 anos. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) e não havia informações sobre velório e enterro até a última atualização desta reportagem.

Outras duas vítimas foram conduzidas para o Hospital dos Fornecedores de Cana de Piracicaba (HFC). Uma delas é um rapaz de 28 anos que está em estado grave e a outra é uma idosa de 60 anos que está em estado estável, segundo o último boletim médico da unidade de saúde.

Já uma idosa foi socorrida com crise nervosa para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da rede municipal.

Em nota, a concessionária TUPi Transporte, responsável pelo transporte público na cidade manifestou apoio e solidariedade às vítimas e seus familiares.

“Informações indicam que uma pessoa atacou deliberadamente quem estava em sua frente com uma faca vitimando pessoas e ferindo outras causando pânico generalizado. O homem foi preso e a TUPi está acompanhando o caso e em contato com as autoridades locais e a prefeitura municipal”, acrescentou.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Piloto morre em queda de paraplano, em Aparecida de Goiânia

Com a queda, Marcelo Nunes Rodrigues, de 52 anos, teve parte do corpo queimado. Gravação mostra o momento em que ele cai em uma região de mata.

Por Danielle Oliveira e Filipe Costa, g1 Goiás e TV Anhanguera

O piloto Marcelo Nunes Rodrigues, de 52 anos, morreu e teve parte do corpo queimado após um acidente com um paraplano, que é semelhante a um parapente, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Um vídeo mostra o momento em que a aeronave cai em uma região de mata (assista acima).

O acidente aconteceu nesta terça-feira (21), por volta das 18h, na Avenida das Amendoeiras, no Setor Jardim Mont Serrat. O Corpo de Bombeiros foi acionado às 18h15, mas, quando a equipe chegou ao local, a vítima já tinha morrido.

Piloto Marcelo Nunes Rodrigues   — Foto: Reprodução/Facebook

Piloto Marcelo Nunes Rodrigues — Foto: Reprodução/Facebook

Pessoas que estavam no local e viram a queda contam que Marcelo fazia manobras enquanto pilotava na região e, depois de algum tempo, ouviram um barulho e perceberam que o paraplano havia caído próximo a um parque.

Um vídeo registrou os últimos momentos de Marcelo. Na gravação é possível ver que o piloto sobrevoava quando a aeronave foi descendo e caiu no chão.

Piloto morre e tem parte do corpo queimado após queda de paraplano, em Aparecida de Goiânia, Goiás — Foto: Montagem/Globo

Piloto morre e tem parte do corpo queimado após queda de paraplano, em Aparecida de Goiânia, Goiás — Foto: Montagem/Globo

O instrutor e piloto profissional Itiel Lima, amigo de Marcelo, que também estava no local do acidente, conta que a suspeita é que linhas de pipa com cerol tenham causado a queda do paraplano.

“Infelizmente, uma pipa com linha de cerol cortou todas as linhas do paraplano. Com isso, ele caiu na vertical, o tanque de combustível estourou e, como o motor estava quente, ele teve o corpo parcialmente carbonizado”, disse.

Piloto morre e tem parte do corpo queimado após queda de paraplano, em Aparecida de Goiânia; vídeo  — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Piloto morre e tem parte do corpo queimado após queda de paraplano, em Aparecida de Goiânia; vídeo — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Segundo amigos, Marcelo Nunes Rodrigues era conhecido no mundo das aeronaves ultraleves, em Aparecida de Goiânia, Goiás — Foto: Reprodução/Facebook

Segundo amigos, Marcelo Nunes Rodrigues era conhecido no mundo das aeronaves ultraleves, em Aparecida de Goiânia, Goiás — Foto: Reprodução/Facebook

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.