Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Sobem taxas de entrada em Fernando de Noronha, Foz do Iguaçu, Abrolhos e outros sete parques nacionais

Por Lucas Rezende, G1

Vai ficar mais caro entrar em parques nacionais como o de Fernando de Noronha, do Iguaçu, de Abrolhos, da Serra da Capivara e das Chapadas dos Veadeiros.

É que o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, alterou o valor das cobranças para acesso às unidades de conservação federais.

Os novos valores passam a valer em 1º de novembro deste ano. As determinações foram assinadas pelo coronel da Polícia Militar de São Paulo Homero de Giorge Cerqueira, presidente do órgão.

Veja as principais mudanças:

Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha

  • Quanto era: R$ 212 (ingresso para o público em geral válido por 10 dias)
  • Quanto vai ficar: R$ 222 (ingresso para o público em geral válido por 10 dias)

Parque Nacional do Iguaçu

  • Quanto era: R$ 57 (para o público em geral)
  • Quanto vai ficar: R$ 59 (para o público em geral)
O Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, recebeu 40.553 visitantes nos quatro dias de fim de semana prolongado de carnaval — Foto: Zig Koch/Divulgação

O Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, recebeu 40.553 visitantes nos quatro dias de fim de semana prolongado de carnaval — Foto: Zig Koch/Divulgação

Parque Nacional do Caparaó, Parque Nacional da Serra da Capivara, Parque Nacional de Itatiaia, Parque Nacional do Pau Brasil, Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

  • Quanto era: R$ 34 (para o público em geral)
  • Quanto vai ficar: R$ 36 (para o público em geral)

Parque Nacional Marinho dos Abrolhos

  • Quanto era: R$ 89 (para o público em geral)
  • Quanto vai ficar: R$ 93 (para o público em geral)

Parque Nacional da Tijuca

  • Quanto era: R$ 28 (ingresso Setor Corcovado, para público em geral)
  • Quanto vai ficar: R$ 30 (ingresso Setor Corcovado, para público em geral)

Parque Nacional Serra dos Órgãos

  • Quanto era: R$ 35 (para o público em geral)
  • Quanto vai ficar: R$ 37 (para o público em geral)

Alguns preços congelam

Apesar das mudanças, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade congelou alguns preços.

É o caso do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, que mantém o preço em R$ 40 para o público em geral.

O Parque Nacional da Serra da Bodoquena, em Mato Grosso do Sul, também tem preço fixado em R$ 60 para o público em geral.

O mesmo para o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso: R$ 40 para o público em geral.

G1 perguntou ao ICMBio qual o critério para a mudança dos valores, como foi a análise para alterar o preço de acordo com cada parque e como o dinheiro arrecadado é aplicado. Até o fechamento deste texto, no entanto, não houve reposta.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia apreende mais de R$ 1 milhão em dinheiro escondido em caminhão

Por G1 Itapetininga e Região

Polícia Rodoviária apreendeu mais de R$ 1 milhão com caminhoneiro em Porangaba — Foto: Polícia Rodoviária/Divulgação

Polícia Rodoviária apreendeu mais de R$ 1 milhão com caminhoneiro em Porangaba — Foto: Polícia Rodoviária/Divulgação

A Polícia Rodoviária apreendeu mais de R$ 1 milhão em dinheiro escondido em um caminhão na Rodovia Castello Branco, em Porangaba (SP), na noite de segunda-feira (30).

O dinheiro estava em um caminhão com placas de Toledo (PR) que foi parado durante uma fiscalização de rotina, na altura do quilômetro 158. Como o caminhoneiro demonstrou nervosismo, os policiais decidiram revistar o veículo.

Mais de R$ 1 milhão e duzentos mil são apreendidos pela Polícia Rodoviária

Segundo a Polícia Rodoviária, o motorista do caminhão disse que entregou uma carga de cigarros do Paraguai em Araçariguama (SP).

Outro caminhoneiro pegou o veículo e o devolveu vazio oito horas depois. Os pacotes com o dinheiro para o pagamento dos cigarros foram entregues ao homem abordado e deveriam ser levados até Perobal (PR), de onde saiu a carga de cigarros, conforme contou à polícia.

Dinheiro apreendido com caminhoneiro em Porangaba é da venda de cigarros contrabandeados — Foto: Polícia Rodoviária/Divulgação

Dinheiro apreendido com caminhoneiro em Porangaba é da venda de cigarros contrabandeados — Foto: Polícia Rodoviária/Divulgação

Ainda segundo a Polícia Rodoviária, o dinheiro estava na cabine, embaixo do sofá-cama do caminhão, distribuído em 24 pacotes enrolados em sacos pretos. O caminhoneiro confessou que levava o dinheiro, mas não sabia o valor exato.

O caminhão foi apreendido e o dinheiro foi encaminhado à delegacia da Polícia Federal em Bauru. O caminhoneiro será investigado por lavagem de dinheiro. Ele foi ouvido e liberado.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Empresários são presos em MG por suspeita de facilitar migração ilegal aos EUA

Por Zana Ferreira, G1 Vales de Minas

Dois irmãos, donos de uma agência de turismo, foram presos preventivamente em uma operação da Polícia Federal em Governador Valadares (MG) na manhã desta terça-feira (1º). Eles são suspeitos de falsificar documentos de identidade para facilitar a entrada de brasileiros ilegalmente nos Estados Unidos.

As investigações da PF começaram em fevereiro deste ano, depois que duas mulheres foram presas tentando tirar passaportes em Belo Horizonte. Uma delas apresentou uma identidade falsa para simular ser menor de idade. O delegado da PF Cristiano Campidelli disse que a digital de um dos empresários foi encontrada no documento falsificado.


Campidelli afirmou que os irmãos cobravam US$ 22 mil quando o processo de migração ilegal era feito para clientes maiores de idade. Se eles fossem acompanhados de menores, o custo era reduzido a US$ 6 mil por pessoa. A diferença de valores ocorre porque, quando menores de idade são flagrados entrando ilegalmente nos EUA, não há deportação imediata; os envolvidos permanecem no país aguardando o trâmite do processo.

A PF informou que os empresários foram presos preventivamente e permaneceram em silêncio durante todo o depoimento. A polícia também cumpriu quatro mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos irmãos.

A defesa deles informou que ambos irão se pronunciar apenas em juízo. Os suspeitos foram indiciados pelos crimes de falsificação de documento público e promoção de migração ilegal, podendo cumprir até 11 anos de reclusão, caso sejam condenados.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Homem apedreja loja de carros de luxo em Brasília e atinge Ferrari avaliada em R$ 1,5 milhão

Por Carolina Cruz e Gustavo Schuabb, G1 DF e TV Globo

Uma loja que revende carros de luxo no Aeroporto de Brasília foi apedrejada na manhã desta terça-feira (1º). Segundo funcionários do estabelecimento, um homem arremessou uma pedra contra a vidraça, e os estilhaços atingiram uma Ferrari avaliada em R$ 1,5 milhão.

Imagens gravadas no local, por volta das 7h, mostram o veículo coberto de cacos de vidro. O suspeito, um homem de 34 anos de idade, foi preso em flagrante.

Segundo testemunhas, o homem detido “estava transtornado” e gritava que o carro era dele. Outra loja, na mesma região, também foi alvo do agressor. A Polícia Civil investiga o caso.

A reportagem entrou em contato com a direção da revendedora, que negou ter prejuízos significativos com o ataque. Um funcionário – que preferiu não se identificar – contou ao G1 que a empresa acionou o seguro e disse ainda que o agressor não era cliente da loja.

Ferrari avaliada em R$ 1,5 milhão é atingida por estilhaços em loja apedrejada no DF — Foto: Reprodução

Ferrari avaliada em R$ 1,5 milhão é atingida por estilhaços em loja apedrejada no DF — Foto: Reprodução

Agressão

Outra loja da região também foi alvo do agressor, nesta terça-feira (1º). De acordo com os relatos, enquanto o homem tentava quebrar um dos veículos, um vendedor reagiu na tentativa de conter a ação e acabou sendo agredido.

A reportagem tenta contato com os proprietários do estabelecimento. A Polícia Civil informou que o caso foi registrado como agressão e dano material.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Ceará tem primeira madrugada sem ataques após onda de violência, diz secretário

Por Gioras Xerez, G1 CE

O Ceará teve a sua primeira madrugada sem ataques contra prédios públicos ou privados desde o último dia 20 de setembro. Segundo o secretário de segurança pública, André Costa, nenhum atentado foi registrado entre 0h e 6h desta terça-feira (1º). Desde sexta-feira (20), quando começou a onda de violência, foram registrados 113 ataques de uma facção criminosa em 28 cidades do Ceará.

Os mais recentes ataques registrados ocorreram na madrugada e noite de segunda-feira (30). Quatro no total. O primeiro alvo foi um caminhão no Bairro Passaré, em Fortaleza. De acordo com moradores, criminosos atiraram garrafas com gasolina contra o caminhão. O Corpo de Bombeiros conseguiu apagar as chamas antes de o fogo atingir parte da fiação elétrica. O veículo ficou destruído.

Na noite desta segunda-feira (30), a segunda ocorrência foi uma tentativa de incêndio contra uma motocicleta, estacionada na Rua Vila Lobos, no Bairro Itaoca. Testemunhas afirmaram que um homem derrubou o veículo e, em seguida, jogou combustível. No entanto, não iniciou o incêndio.

Ainda na noite de segunda, houve um incêndio na vegetação na Avenida Ministro José Américo, no Bairro Cambeba. O G1 apurou que dois homens jogaram coquetel molotov na vegetação. As chamas aconteceram próximo a um posto de combustível. O fogo foi controlado por uma equipe do Corpo de Bombeiros. Não houve feridos.

E a quarta ocorrência foi um incêndio em um caminhão, na Comunidade Rosalina, no Bairro Itaperi. Moradores afirmaram que um homem começou o incêndio com coquetel molotov. A Polícia Militar e Corpo de Bombeiros foram até o local e controlaram as chamas. Nos três casos não há informações de prisões.

Transferência de chefes de facção

Ceará tem ônibus e carros incendiados em onda de ataque que ocorre desde o fim de semana — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

Ceará tem ônibus e carros incendiados em onda de ataque que ocorre desde o fim de semana — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

André Costa afirmou que o grupo que coordena os ataques aos poucos está se desarticulando. O secretário de segurança destaca o trabalho da polícia como também a ajuda da população.

“Esses grupos estão se desarticulando e a população vem participando muito com as denúncias. Isso tem resultado em várias prisões e vimos nesta redução já na madrugada onde tem concentrado um número maior de ocorrências. Nesta última madrugada não ocorreu nada. Mas, a gente continua em alerta. Não vamos reduzir a intensidade das ações de segurança”, afirmou o secretário de segurança, André Costa.

André Costa lembrou ainda que mais de 500 transferências foram realizadas no sistema carcerário do Estado e que dos presos considerados chefes das facções e mandantes dos ataques serão transferidos em breve para fora do Ceará.

“Aqui dentro do nosso sistema nós fizemos mais de 500 transferências. Isso causa uma desarticulação também interna entre eles. Confirmadas já são duas pessoas transferidas. E temos, mais, creio que nove já com decisões favoráveis e estamos aguardando a manifestação do Departamento Penitenciário Nacional em relação a oferta de vagas, mas no total em torno de 13 pessoas, já bem adiantados entre os dois transferidos.”

147 presos

A Secretaria da Segurança Pública totaliza o número 147 pessoas capturadas por suspeita de envolvimento nas ações, sendo 114 adultos e 33 adolescentes.

Segundo o secretário da Segurança do Ceará, André Costa, a onda de violência é uma reação de detentos que querem a volta de “regalias” nos presídios do estado. Um dos suspeitos de comandar ataques estava em presídio de Pernambuco e também foi transferido para unidade federal.

Entre terça e quinta-feira, quando os ataques eram mais frequentes, a frota de ônibus de Fortaleza foi reduzida e circulou com policiais no interior dos veículos. O itinerário foi alterado para evitar circular em bairros onde os crimes são mais frequentes.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Adolescente morre ao perder a perna durante ‘surfe ferroviário’ em SP

Por G1 Santos

Renan Diego Oliveira, de 16 anos, praticava 'surfe ferroviário' quando caiu do trem em Vicente de Carvalho, em Guarujá (SP) — Foto: Reprodução/Facebook

Renan Diego Oliveira, de 16 anos, praticava ‘surfe ferroviário’ quando caiu do trem em Vicente de Carvalho, em Guarujá (SP) — Foto: Reprodução/Facebook

Um jovem de 16 anos morreu após “pegar carona” no teto do vagão de um trem que passava pelo Distrito de Vicente de Carvalho, em Guarujá, no litoral de São Paulo. Após cair do vagão, Renan Diego Oliveira de Araújo chegou a ser socorrido, teve a perna amputada, mas não resistiu aos ferimentos. A Polícia Civil apura as circunstâncias do acidente.

De acordo com familiares, o estudante praticava ‘surfe ferroviário’ – prática de viajar em cima do teto dos vagões de trem por necessidade ou diversão – na linha férrea, próxima ao bairro Paecará, quando sofreu o acidente no fim semana. A hipótese é que o jovem tenha se desequilibrado e caído do vagão. A morte foi confirmada ao G1 nesta terça-feira (1).

Após o acidente, Renan foi socorrido em estado grave pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Santo Amaro. O adolescente teve a perna esquerda amputada e, nesta segunda-feira (30), ele não resistiu aos ferimentos e morreu. O velório e sepultamento devem ocorrer nesta terça-feira, mas ainda não há local e horário de início. A Polícia Civil está investigando as circunstâncias do acidente.

Renan Diego Oliveira, de 16 anos, praticava 'surfe ferroviário' quando caiu do trem em Vicente de Carvalho, em Guarujá (SP) — Foto: Reprodução/Facebook

Renan Diego Oliveira, de 16 anos, praticava ‘surfe ferroviário’ quando caiu do trem em Vicente de Carvalho, em Guarujá (SP) — Foto: Reprodução/Facebook

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

4ª fase da Operação Carne Fraca cumpre 68 mandados de busca e apreensão em nove estados

Por José Vianna, Thais Kaniak e Patrícia Marques, RPC Curitiba, G1 PR e TV Globo

Polícia Federal cumpre 68 mandados em nove estados — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Polícia Federal cumpre 68 mandados em nove estados — Foto: Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal (PF) cumpre 68 mandados de busca e apreensão, na manhã desta terça-feira (1º), na deflagração da 4ª fase da Operação Carne Fraca em nove estados do país.

De acordo com a PF, esta nova etapa da Carne Fraca apura crimes de corrupção passiva praticados por auditores fiscais agropecuários federais em diversos estados. O G1 apurou que as irregularidades eram realizadas para beneficiar a BRF.

1ª fase da Operação Carne Fraca foi deflagrada em 2017 para apurar o envolvimento de fiscais do Ministério da Agricultura em um esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos.

BRF colaborou com as investigações da fase deflagrada nesta terça-feira (1º). O grupo empresarial, segundo a PF, passou a atuar de maneira espontânea com as autoridades públicas e apontou 60 auditores fiscais agropecuários como favorecidos com as vantagens indevidas.

Há buscas na União Avícola, no Mato Grosso, que era usada pela BRF para repassar propina para fiscais agropecuários federais, segundo uma fonte da PF.

A União Avícola pertence ao ex-senador Cidinho Santos e, conforme apurou o G1, os mandados são cumpridos no endereço da empresa, em Nova Marilândia, e no escritório, que fica em Cuiabá.

G1 tenta localizar a defesa dos citados.

R$ 19 milhões para pagamentos indevidos

Aproximadamente R$ 19 milhões foram destinados a pagamentos indevidos, conforme a PF. Os valores eram pagos em espécie, por meio do custeio de planos de saúde e por contratos fictícios firmados com pessoas jurídicas que representavam o interesse dos fiscais.

De acordo com a PF, as práticas ilegais ocorreram até 2017. Elas pararam depois de uma reestruturação internada realizada no grupo, como informou a PF.

Veja onde as buscas são cumpridas

  • Paraná: Carambeí, Castro, Ponta Grossa e Curitiba
  • São Paulo: São Paulo
  • Santa Catarina: Balneário Camboriú, Blumenau, Itajaí, Navegantes, Capinzal, Chapecó, Herval d’Oeste, Joaçaba, Luzerna, Florianópolis e Videira
  • Goiás: Mineiros, Jataí, Rio Verde, Paranaiguará e Goiânia
  • Mato Grosso: Nova Mutum, Cuiabá, Nova Marilândia e Mirassol d’Oeste
  • Pará: Xinguara
  • Rio Grande do Sul: Lajeado, Nova Prata, São Jorge, Serafina Correa, Maraú, Montenegro e Santa Cruz do Sul
  • Minas Gerais: Belo Horizonte
  • Rio de Janeiro: Rio de Janeiro

‘Romanos’

Cerca de 280 policiais estão nas ruas para cumprir os mandados expedidos pela 1ª Vara Federal de Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná.

A 4ª fase da operação foi batizada de “Romanos”, em referência a passagens bíblicas do livro de Romanos que abordam temas como confissão e justiça.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

80% das pessoas já viram discriminação no trabalho, mas só 1 em cada 3 relatou à empresa, diz pesquisa

Por G1

Uma pesquisa feita com mais de 18 mil pessoas revela que, se presenciar situações de discriminação não é algo incomum no ambiente de trabalho, o mesmo não se pode dizer em relação a relatar esse tipo de caso à empresa. Segundo o levantamento, a proporção de pessoas que dizem já ter visto ou vivenciado discriminação no trabalho é de 80%. Ao mesmo tempo, 1 em cada 3 pessoas dizem se sentir encorajados a levar o assunto ao departamento de Recursos Humanos (RH).

O levantamento foi feito pela Kantar com trabalhadores de 24 setores diferentes em 14 países – incluindo o Brasil. Entre os entrevistados, 25% responderam que se sentiram assediados ou intimidados no ambiente de trabalho nos últimos 12 meses, mas a maioria (67%) aponta que não se sente confortável para reportar comportamentos negativos para a liderança ou aos gestores de RH.

O estudo também apresenta os dados divididos por gênero, orientação sexual e etnia. Entre as mulheres, 27% apontam que foram induzidas a sentir que não pertenciam ao seu local de trabalho. Já a proporção das que acreditam que ganham menos que colegas homens em posições semelhantes é de 20%.

Entre os trabalhadores LGBTQ+ ouvidos pela pesquisa, 24% dizem ter sofrido bullying no trabalho no ano passado. Além disso, 36% acreditam ter enfrentado obstáculos em termos de ascensão profissional devido à sua orientação sexual. A pesquisa mostra ainda que as pessoas LGBTQ+ ocupam apenas 2% das posições dentro do conselho de administração das empresas, contra 9% da força de trabalho global estimada.

Já na divisão por etnia, os dados mostram que 11% que se identificam como minoria acreditam que são tratados de forma muito diferente no trabalho por causa de sua etnia. Já 13% se sentem excluídos e 28% se sentem ansiosos com frequência.

No Brasil

Considerando apenas os entrevistados brasileiros, o levantamento aponta que 35% observaram discriminação negativa em relação a outras pessoas dentro da empresa. Já a proporção dos que dizem enfrentar obstáculos em suas carreiras relacionados ao gênero, idade, etnia, orientação sexual etc é de 34%.

Com base nos relatos dos trabalhadores, a pesquisa fez ainda um ranking com os 14 países de acordo com o índice de inclusividade no trabalho. O Brasil ficou em 7º lugar. O primeiro colocado foi o Canadá e o último, o México.

“Empresas com equipes de gerenciamento mais plurais têm performance superior à média, o que resulta em crescimento e inovação. Fato comprovado no índice quando olhamos os resultados dos primeiros colocados como Canadá e EUA”, disse em nota Mandy Rico, diretor global do Kantar Inclusion Index.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia Federal faz operação para combater envio ilegal ao exterior de ovos de peixes em extinção

Por G1 Minas — Belo Horizonte

01/10/2019 07h54  Atualizado há uma hora


Contrabando de peixes — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Contrabando de peixes — Foto: Polícia Federal/Divulgação

A Polícia Federal (PF) cumpriu, na manhã desta terça-feira (1º), cinco mandados de busca e apreensão em Belo Horizonte e Contagem, na Grande BH; São Paulo e São Vicente (SP) e Duque de Caxias (RJ), durante a “Operação Killifish” para combater crimes contra o meio ambiente, contrabando e peculato.

De acordo com a corporação, um biólogo — servidor público lotado no Aquário da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica de Belo Horizonte — é suspeito de enviar ilegalmente, para o exterior, ovos de peixes da família Rivulidae (Rivulídeos), popularmente conhecidas por “killifish” ou peixes-anuais, de diversas espécies, algumas ameaçadas de extinção.

Sobre ele, segundo a PF, recai a suspeita do crime de peculato, razão pela qual a Justiça determinou que o suspeito seja afastado de suas funções por um ano. Dentre os destinatários, havia pesquisadores desse tipo de peixe e colecionadores.

Além dos cinco mandados cumpridos nesta terça-feira (1º), outras apreensões foram realizadas pela PF entre janeiro de 2018 a abril de 2019. As postagens foram remetidas de agências situadas em Contagem e Belo Horizonte e tinham como destino diversos países da Europa, América do Norte e Ásia.

O esquema

A ação policial contou com o apoio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Guarda Civil Municipal de Belo Horizonte, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e da Fish and Wildlife Service (FWS) — polícia ambiental norte-americana.

A pedido da PF, a FWS realizou entrevistas nos Estados Unidos com quatro destinatários de ovos de peixes que residem naquele país.

A Unidade Técnica do Ibama, no Aeroporto de Guarulhos, em fiscalizações ambientais de exportações de encomendas pelos Correios, apreendeu 32 objetos postais, contendo ovos de peixes sem a devida licença de exportação expedida pelo Ibama.

No mesmo período, e em fiscalizações semelhantes, o Ibama apreendeu mais cinco objetos postados em agência situadas em São Vicente e dois objetos postados em agências de Duque de Caxias, sem licença de exportação expedida pelo Ibama.

Da mesma forma, tratava-se de ovos de killifish, de diversas espécies, algumas ameaçadas de extinção, destinados à Escócia, aos Estados Unidos e a países da Europa. Apesar de as encomendas postais conterem dados de remetente falsos, a fiscalização do Ibama conseguiu qualificar os remetentes de fato e os reais destinatários, que residem no exterior.

'Operação Killifish' — Foto: Polícia Federal/Divulgação

‘Operação Killifish’ — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Inicialmente, foi instaurado um inquérito policial para apurar as condutas dos remetentes das citadas encomendas postais. A PF vai instaurar 12 inquéritos policiais distintos, separados por país de destino das postagens (EUA, Alemanha, Bulgária, Malásia, Hungria, Rússia, Equador, República Tcheca, China, Grã-Bretanha, Argentina e Escócia) para apurar a suposta prática do crime de contrabando e contra o meio ambiente em razão dessas remessas.

Durante o cumprimento dos mandados judiciais, foram encontrados diversos aquários nas residências de alguns envolvidos, contendo centenas de peixes; além de ovos acondicionados para futura remessa.

Foram lavrados dois Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) em razão da guarda de ovos e peixes ameaçados de extinção sem autorização do Ibama.

Ovos que seriam enviados ao exterior foram apreendidos — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Ovos que seriam enviados ao exterior foram apreendidos — Foto: Polícia Federal/Divulgação

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Criminosos invadem galpão das Lojas Americanas no RJ e levam caminhão com eletrônicos e eletrodomésticos

Por TV Globo, Elza Gimenez

Criminosos roubaram o centro de distribuição das Lojas Americanas na Rodovia Presidente Dutra, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na madrugada desta terça-feira (1°).

Os bandidos chegaram no local em um caminhão com placa clonada e entraram atirando. Eles obrigaram funcionários do local a abastecer esse veículo e também o caminhão de uma transportadora que estava no pátio., mas conseguiram fugir apenas com o veículo da empresa.

O caminhão roubado estava carregado com celulares, TVs, ventiladores e outros eletrodomésticos. Eles chegaram a trocar tiros com seguranças, mas conseguiram escapar.

A PM foi acionada, pois havia informação que um dos criminosos teria permanecido escondido no local. Os policiais fizeram uma varredura no galpão.

O centro de distribuição das Lojas Americanas funciona 24 horas, por isso os criminosos chegaram lá por volta das 3h.

Funcionários da empresa reconheceram o ex-funcionário de uma empresa terceirizada, que trabalhava como ajudante, como sendo um dos bandidos.

Devido ao assalto, a saída dos carros que estavam programados para sair do centro distribuição às 4h e às 5h permanecem no local.

O caminhão roubado que eles utilizaram para chegar no centro de distribuição foi recuperado e levado para a delegacia de Nova Iguaçu.

G1 entrou em contato com a assessoria das Lojas Americanas, mas ainda não obteve retorno.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.