Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Caminhão tomba, derruba parte de muro e interdita trecho da Marginal Pinheiros

Por G1 SP

Caminhão tomba na Marginal Pinheiros — Foto: Reprodução/TV Globo

Caminhão tomba na Marginal Pinheiros — Foto: Reprodução/TV Globo

Um caminhão que carregava 23 toneladas de café tombou, na manhã desta terça-feira (22) e derrubou parte do muro do Jockey Club de São Paulo, na Marginal Pinheiros, sentido Interlagos. Ninguém se feriu.

Segundo informações iniciais, um caminhão teve uma pane elétrica e parou no meio da pista. Um segundo caminhão que vinha atrás tentou desviar do veículo, mas perdeu o controle e tombou sobre o muro do Jockey Club de São Paulo.

O caminhão que teve a pane elétrica foi retirado da pista. Já a carreta que tombou continua no local e só deve ser retirada com a ajuda de um guindaste.

Segundo os agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o veículo pesa mais de 20 toneladas e levava uma carga de 23 toneladas de café.

Por volta das 6h15, o trânsito era lento no local do acidente, acima da média para o horário.

Trecho da Marginal Pinheiros ficou interditado — Foto: Reprodução/TV Globo

Trecho da Marginal Pinheiros ficou interditado — Foto: Reprodução/TV Globo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Prédio condenado em Fortaleza ameaça desabar sobre imóveis vizinhos, denunciam moradores

Do G1 CE

Vizinhos do Edifício Saint Patrick, em Fortaleza, denunciam risco de desabamento do imóvel — Foto: Agência Diário

Vizinhos do Edifício Saint Patrick, em Fortaleza, denunciam risco de desabamento do imóvel — Foto: Agência Diário

Há seis anos, o Edifício Saint Patrick, no Parque do Cocó, em Fortaleza, está vazio. Os ocupantes buscaram outra moradia após o prédio apresentar falhas estruturais. Um laudo técnico emitido em 2014, quando o imóvel já estava evacuado, apontou a necessidade de reparo nos pilares. Desde então, o condomínio é motivo de preocupação para residentes do entorno, que temem a queda dos apartamentos, a exemplo do Edifício Andrea, no Dionísio Torres, que deixou nove pessoas mortas e sete feridas, no último dia 15.

Conforme o síndico do Edifício Casa Branca, Ednilson Andrade, o prédio vizinho continua sem reforma. “Observando as imagens de forma externa, nós percebemos que ele está bem deteriorado e as condições precárias”. O gestor condominial teme que o possível desabamento da estrutura possa atingir imóveis do entorno. “Está colocando em risco a vida do povo, dos moradores”, denuncia.

Também nas proximidades, moradores do Edifício Monte Thabor se mostram preocupados com a situação de abandono do Saint Patrick. Segundo afirma a síndica, Elizabeth Santiago, o prédio já foi invadido por suspeitos que levaram pias, cerâmicas e outros materiais de acabamento. Porém, o maior temor está justamente na condição física.

“Esse prédio é uma tragédia iminente, a qualquer momento, nós vamos ter um problema muito sério. Já acionamos a Defesa Civil, a Vigilância Sanitária por causa de doenças. Eles vêm aqui, e não tem como entrar, precisam de ordem judicial”, lamenta Elizabeth, reforçando também que o temor aumentou depois que o Andrea ruiu deixando nove mortos. “Com o infortúnio do prédio, nós resolvemos reforçar a denúncia pela nossa segurança”.

A Defesa Civil viu aumentar em 86% o número de pedidos de inspeção predial em apenas quatro dias. De 15 a 18 de outubro, o órgão contabilizou 307 vistorias. No dia da tragédia, 49 requisições foram feitas via Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops). Apenas na sexta-feira (18), a quantidade saltou para 91, sendo 88 por riscos de desabamento.

Demolição

Com 13 andares e 20 apartamentos, o Edifício Saint Patrick será demolido em função dos altos custos para a recuperação estrutural. A informação é do síndico, Luciano de Paula. De acordo com ele, na próxima terça-feira (28), uma assembleia com os ex-moradores deverá discutir um orçamento para a contratação de um engenheiro civil. O profissional fará uma avaliação técnica para elaborar o projeto de demolição.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Casal separado precisa manter guarda compartilhada de cadela, decide Justiça do DF

Por G1 DF

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) manteve decisão de primeira instância e determinou o compartilhamento da guarda de uma cachorra por um casal que se separou. As duas mulheres discordavam sobre o tratamentos veterinário do animal da raça greyhound, que tem saúde frágil.

Segundo a decisão judicia “as diferenças de opiniões não impedem a guarda compartilhada”. Cabe recurso aos tribunais superiores.

Entenda o caso

De acordo com o processo, o casal morou junto entre abril de 2013 e julho de 2017. Em fevereiro de 2015, as duas compraram uma cadela da raça Italian Greyhound Mini Galgo.

Após a separação, as mulheres concordaram em dividir a guarda da cachorra. Inicialmente, o animal ficaria com cada uma por 15 dias. Algum tempo depois, esse prazo foi estendido para 30 dias.

Em maio deste ano, no entanto, uma das tutoras da cadela acionou a Justiça alegando que a ex-companheira não queria permitir que ela ficasse com a cachorra pelo tempo combinado.

Guarda compartilhada

A juíza Marilza Neves Gebrim determinou a guarda compartilhada a cada 15 dias. Além disso, ambas deveriam dividir custos com alimentação, remédios e transporte da cachorra.

Segundo a magistrada, era “evidente que ambas as partes têm pelo animal especial apego” e que “ambas podem sofrer com a separação, bem como o próprio animal”.

A autora da ação recorreu da decisão, alegando que a ex não tratava a cadela da maneira adequada. À Justiça, ela disse que “não se questiona o fato de a autora possuir afeto em relação ao animal de estimação em questão, mas sim debate-se a discórdia havida no tocante à forma de cuidar da cadela, que, segundo a recorrente, é de raça frágil e requer cuidados especiais”.

De acordo com a mulher, a ex-companheira tentou evitar a realização de procedimentos de saúde no animal e se recusou a dividir as despesas da cachorra.

Quanto à necessidade de castração, por exemplo, a mulher disse que a autora da ação mandou “deixar a natureza dela ser como for”. Já em outras ocasiões, a ex-companheira teria dito que “qualquer procedimento que seja feito sem a minha autorização vai custar caro”.

Recurso

Ao analisar o caso, a desembargadora Gislene Pinheiro de Oliveira afirmou não perceber “conduta grave o bastante por parte da autora que a impeça de ter consigo o animal de estimação em questão, em relação ao qual, segundo a própria recorrente, criou e desenvolveu sentimento de afeto”.

Por isso, a magistrada manteve a decisão que determinou a guarda compartilhada a cada 15 dias, com divisão de custos.

“[O processo] aponta para uma dificuldade de as partes, em comum acordo, decidirem a respeito dos melhores cuidados a serem dispensados ao animal de estimação, o que, por si só, […] não justifica, por ora, a proibição total e irrestrita de contato e convivência entre a autora/agravada e o referido animal.”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Avião de pequeno porte cai em bairro residencial de BH; três morrem

Por G1 Minas — Belo Horizonte

Pelo menos três pessoas morreram em acidente com aeronave em Belo Horizonte  — Foto: Reprodução/TV Globo

Pelo menos três pessoas morreram em acidente com aeronave em Belo Horizonte — Foto: Reprodução/TV Globo

Um avião de pequeno porte, prefixo PR-ETJ, caiu, na manhã desta segunda-feira (21), na esquina das ruas Minerva com Belmiro Braga, no bairro Caiçara, na Região Noroeste de Belo Horizonte, mesma região onde um avião caiu em abril deste ano. Segundo o Corpo de Bombeiros, o acidente deixou três mortos e três feridos.

O acidente aconteceu no Caiçara, um bairro residencial na Região Noroeste de BH, a 1,3 km da cabeceira do Aeroporto Carlos Prates, de onde a aeronave tinha acabado de decolar com destino a Ilhéus. Muita fumaça preta tomou conta da região e podia ser vista de vários pontos da cidade. O local é o mesmo onde, em 13 de abril, caiu um avião e deixou um morto. Três carros foram atingidos e pegaram fogo.

Segundo o Corpo de Bombeiros, entre os mortos está um ocupante do avião, um pedestre e outra pessoa que estava em um dos carros atingido pela aeronave. Os feridos entre eles o piloto, foram levados para o Hospital João XXIII. Segundo o coronel Erlon Dias do Nascimento Botelho, subcomandante do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, os três estão com grande parte dos corpos queimados.

O acidente aconteceu próximo a uma academia. Foram ouvidas pelo menos duas explosões. O local está isolado.

Fabricada em 2007, a aeronave é da marca Cirrus, tinha capacidade para 3 passageiros e estava autorizada a voar, mas não poderia ser usada para prestar serviços de táxi aéreo. A próxima inspeção anual de manutenção estava prevista para agosto de 2020.

‘Muita explosão’

Morador da rua onde o avião caiu, o servidor público Carlos Henrique Pacheco Diniz, de 37 anos, ouviu o momento da explosão. “A gente tentou a apagar o fogo, teve muita explosão e não deu para ajudar mais”. Segundo ele, dois ocupantes entraram andando em uma casa.

“Eu estava em casa e ouvi um estrondo. Eu sai e vi o primeiro minuto”

Outro acidente no mesmo local

No dia 13 de abril deste ano, um avião caiu na mesma rua. Na ocasião, o piloto Francisco Fabiano Gontijo morreu carbonizado. A aeronave pegou fogo e bateu no portão de uma casa. A fiação da rede de energia elétrica foi atingida e deixou moradores do entorno sem luz.

De acordo com Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o avião havia decolado do Aeroporto Carlos Prates, também na Região Noroeste. Pelo registro de voo, o pouso seria feito no mesmo local.

Queda de avião em BH — Foto: Arte/G1

Queda de avião em BH — Foto: Arte/G1

Avião acidentado em Belo Horizonte nesta manhã — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Avião acidentado em Belo Horizonte nesta manhã — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Família de menino com medula exposta busca 1 milhão de tampinhas

Por Liliane Souza, G1 Santos

21/10/2019 05h20  Atualizado há 5 horas


Família arrecada 1 milhão de tampinhas para comprar cadeira de rodas a criança com medula exposta — Foto: Arquivo Pessoal

Família arrecada 1 milhão de tampinhas para comprar cadeira de rodas a criança com medula exposta — Foto: Arquivo Pessoal

Tampinhas de plástico são a esperança de uma família que precisa de ajuda para adquirir uma cadeira de rodas para um garoto de seis anos, morador de Santos, no litoral de São Paulo. A família iniciou uma campanha na web e o objetivo é arrecadar um milhão de tampinhas.

Miguel Romay Canoilas tem mielomeningocele, uma malformação congênita na coluna vertebral, e também desenvolveu hidrocefalia, que se caracteriza pelo acúmulo de líquido dentro da cabeça. A pedagoga Daniele Romay Canoilas, de 37 anos, conta que recebeu o diagnóstico da doença do filho quando estava grávida de sete meses.

“Cada um falava uma coisa. Diziam que ele se alimentaria por sonda, que poderia ficar cego. Acabei me apegando a Deus e esperando. Quando nasceu, a gente viu que não era tão grave quanto sugeriram”, conta Daniele.

Uma das tias de Miguel começou a vender lacres de alumínio para fazer uma poupança para a criança e, a partir daí, a família decidiu fazer uma campanha para arrecadar tampinhas. A divulgação em uma página no Facebook começou no dia 29 de julho e a família já conseguiu aproximadamente duas toneladas.

Daniele conta que Miguel já tem uma cadeira de rodas, mas ele utiliza o equipamento desde os dois anos e agora precisa de uma cadeira maior. Ela explica que está em contato com uma Organização Não Governamental (ONG) para ganhar a cadeira, que custa R$ 7 mil. Se conseguir, o dinheiro arrecado com a venda das tampinhas será destinado a outra criança que precise.

Família arrecada 1 milhão de tampinhas para comprar cadeira de rodas a criança com medula exposta — Foto: Arquivo Pessoal

Família arrecada 1 milhão de tampinhas para comprar cadeira de rodas a criança com medula exposta — Foto: Arquivo Pessoal

Mielomeningocele

A mielomeningocele, também conhecida como espinha bífida aberta, deixa expostas as meninges (membranas da espinha), a medula óssea e as raízes nervosas.

Miguel ficou internado durante 22 dias logo após o nascimento. Com apenas duas horas de vida, os médicos fizeram um procedimento para corrigir a mielomeningocele e com uma semana foi colocada uma válvula de derivação na cabeça devido à hidrocefalia.

Ele começou a fazer fisioterapia aos quatro meses e órtese aos cinco. Atualmente, ele faz apenas acompanhamento fisioterapêutico quatro vezes na semana.

Miguel ficou internado durante 22 dias logo após o nascimento — Foto: Arquivo Pessoal

Miguel ficou internado durante 22 dias logo após o nascimento — Foto: Arquivo Pessoal

A mãe conta que ele frequenta a escola pela manhã, vai para a fisioterapia à tarde e também faz aulas de ciclismo. Segundo ela, o objetivo é incentivar ao máximo a independência da criança.

“Eu procuro ensinar que ele pode tudo, dentro das limitações. E ele faz tudo. Sobe na cadeira, desce. É bem independente. Procuro fazer com que ele aprenda”, conta.

Mãe afirma que procura incentivar a independência de Miguel — Foto: Arquivo Pessoal

Mãe afirma que procura incentivar a independência de Miguel — Foto: Arquivo Pessoal

Doações

Podem ser doadas tampas de qualquer cor e tamanho, de produtos como refrigerante, água, amaciante, desinfetante, detergente, shampoo, condicionador, pasta de dentes, achocolatados e leite.

O contato com a família pode ser feito pela página no Facebook ‘1 Milhão Miguel Romay’. Os pontos de coleta estão distribuídos entre as cidades de Santos, São Vicente, Praia Grande, Cubatão, Guarujá e Bertioga.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Turista desaparece após entrar no mar com a namorada no litoral de SP

Por G1 Santos

Um turista de Suzano (SP) desapareceu após entrar no mar em Praia Grande, no litoral de São Paulo, na tarde deste domingo (20). De acordo com testemunhas, o rapaz estava acompanhado pela namorada e por familiares no momento em que se afogou. O Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar) realiza buscas no local.

Conforme apurado pelo G1, o caso aconteceu na orla do bairro Cidade Ocian, por volta das 14h. Segundo o GBMar, a vítima não sabia nadar e foi surpreendida por uma corrente de retorno e pelo mar agitado, fazendo com que ele fosse puxado para longe da faixa de areia.

Uma banhista, que prefere não se identificar, testemunhou o acidente e conta que ele estava junto dos familiares no momento em que desapareceu. “Ajudei a socorrer os familiares, que estavam passando mal. A cunhada dele começou a correr pela praia, pedindo socorro e chamando pelo salva-vidas”.

A testemunha relata, ainda, que presenciou o momento em que a cunhada da vítima se aproximou da banhista e afirmou que o jovem ainda estava na água. “Os salva-vidas deram uma procurada, mas não encontraram o menino”, contou ao G1.

“Até cogitamos que ele poderia estar perdido pela praia, mas ela disse que tinha certeza que ele estava na água. Senti muito pela família, como se tivesse acontecido com a minha”, desabafa a testemunha. Ainda segundo o GBMar, os bombeiros passaram a realizar buscas pelo jovem assim que o desaparecimento foi notificado. Até o momento, ele não foi localizado.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Motorista de aplicativo morre atingida por bala perdida em Guadalupe, Zona Norte do Rio

Por TV Globo

Uma motorista de aplicativo morreu ao ser atingida por uma bala perdida na tarde de sábado (19) em Guadalupe, na Zona Norte do Rio. Caso aconteceu na Estrada do Camboatá, mesmo local onde o músico Evaldo Rosa morreu ao ter o carro alvejado por 80 tiros em abril de 2019.

Danúbia Lima dos Santos Batista, de 38 anos, transportava duas passageiras, quando começou o tiroteio. Segundo informações da família, o enterro dela está marcado para a terça-feira (22), às 10h, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap.

Motorista de aplicativo morreu atingida por bala perdida em Guadalupe — Foto: Reprodução

Motorista de aplicativo morreu atingida por bala perdida em Guadalupe — Foto: Reprodução

Investigação

O delegado Rodrigo Brand informou que as passageiras irão prestar depoimento na sede da Delegacia de Homicídios (DH).

Ainda de acordo com o delegado, dois suspeitos foram presos no confronto, Um deles foi levado para a 35ª DP (Campo Grande). O segundo estava ferido e foi socorrido para o Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, na Zona Norte. Um terceiro suspeito conseguiu fugir para o interior da Favela do Muquiço, perto do local.

A Polícia Militar informou neste domingo (20) que policiais militares do 9º BPM (Rocha Miranda) estavam em patrulhamento na Estrada do Camboatá e identificaram um roubo de veículo. Houve confronto no local com os criminosos.

Um revólver calibre 38 foi apreendido na ação. A motorista do carro chegou a ser levada para o Hospital Estadual Carlos Chagas, mas não resistiu ao ferimento.

Evaldo Rosa era músico e morreu após ter carro fuzilado — Foto: Reprodução/Facebook

Evaldo Rosa era músico e morreu após ter carro fuzilado — Foto: Reprodução/Facebook

Carro fuzilado por militares

O carro do músico Evaldo dos Santos Rosa foi alvejado por um grupamento militar por mais de 80 tiros em abril de 2019. Evaldo morreu no fuzilamento, mas familiares dele que também estavam no veículo conseguiram escapar. O delegado responsável pelo caso afirmou que “tudo indica” que os militares confundiram o carro do músico com o de assaltantes.

O caso ocorreu em Guadalupe, na Zona Norte do Rio, em 7 de abril. Na ocasião, o sogro de Evaldo foi baleado nos glúteos, mas a viúva do músico, o filho de 7 anos e uma amiga do casal não se feriram.

O catador de materiais recicláveis, que passava no local e tentou ajudar a família, também foi atingido e morreu dias depois.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

‘Sonhou esta noite que estava caindo, acordou assustada’, disse o pai da menina que sofreu queda de 25 metros em BH

Por Thais Pimentel, G1 Minas — Belo Horizonte

Clara Pereira, de 10 anos, sobreviveu a uma queda do 9º andar de um prédio em Belo Horizonte — Foto: Wallace Paes/Arquivo pessoal

Clara Pereira, de 10 anos, sobreviveu a uma queda do 9º andar de um prédio em Belo Horizonte — Foto: Wallace Paes/Arquivo pessoal

Clara Pereira, de dez anos, não se lembra de como caiu do 9º andar de um prédio no bairro Heliópolis, na Região Norte, em Belo Horizonte, há uma semana. “Ela está nos perguntando todos os dias como foi e de onde”, disse o pai dela, Wallace Paes.

A criança passava o feriado no apartamento de um casal de primos. No início da madrugada, ela foi encontrada caída dentro da área privativa do 1º andar do edifício, após bater em telhas.

A menina quebrou a perna e o braço esquerdos, e teve ainda uma fratura no rosto, do mesmo lado. Ela foi submetida a duas cirurgias no domingo mesmo, a última para reconstruir o braço e o queixo. Este procedimento durou cerca de 12 horas.

Pai de menina que caiu do 9º andar de um prédio em BH recebe familiares no hospital — Foto: Reprodução/TV Globo

Pai de menina que caiu do 9º andar de um prédio em BH recebe familiares no hospital — Foto: Reprodução/TV Globo

“Sonhou está noite que estava caindo. Acordou assustada e chorando”, disse Wallace.

Ela segue respirando por aparelhos e sente dores por causa das fraturas. Mas o quadro clínico dela segue evoluindo bem. “Foi uma milagre mesmo”, falou o pai.

Há a suspeita de que a menina teve um episódio de sonambulismo. A Polícia Civil instaurou investigação para apurar o fato. O laudo deve ficar pronto em menos de 30 dias.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Assalto em Viracopos: PF divulga lista com fuzis, arma de guerra e munições apreendidos em fundo falso de caminhão e residências de reféns

Por G1 Campinas e Região

Malotes de dinheiro e armas apreendidas pela Polícia Militar em um caminhão de lixo utilizado pelos criminosos que assaltaram Viracopos nesta quinta (17) — Foto: Polícia Militar/Baep/Divulgação

Malotes de dinheiro e armas apreendidas pela Polícia Militar em um caminhão de lixo utilizado pelos criminosos que assaltaram Viracopos nesta quinta (17) — Foto: Polícia Militar/Baep/Divulgação

A Polícia Federal divulgou nesta sexta-feira (18) a lista de nove armas de fogo – entre elas três fuzis -, munições e outros materiais apreendidos que estavam de posse da quadrilha de cerca de 20 pessoas envolvida no assalto ao Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). Ao todo, três suspeitos morreram e cinco pessoas ficaram feridas.

Criminosos invadiram o terminal de cargas nesta quinta (17), queimaram caminhões na rodovia e fizeram reféns, entre eles um bebê, no residencial Campina Verde, região do bairro Vida Nova. Para isso, estavam fortemente armados.

A Polícia Federal de Campinas já ouviu cerca de 30 pessoas no primeiro dia de investigações e ainda não deu detalhes de como agia a quadrilha e do envolvimento dela em outros crimes. Nenhum suspeito foi preso até agora. Os dois malotes de dinheiro roubados foram recuperados.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) disse que pedirá à concessionária responsável por administrar o aeroporto informações sobre a segurança do local. Na manhã desta sexta, o movimento no aeroporto de Viracopos era tranquilo,

Fundo falso do caminhão de lixo

O caminhão de lixo, preparado para ser usado pelos ladrões após deixarem o aeroporto com dois malotes de dinheiro que embarcariam para Londres, tinha um fundo falso.

Caminhão de lixo usado pelos criminosos na fuga após o assalto em Viracopos, em Campinas. — Foto: Reprodução/EPTV

Caminhão de lixo usado pelos criminosos na fuga após o assalto em Viracopos, em Campinas. — Foto: Reprodução/EPTV

Dentro do espaço havia um total de seis armas de fogo, sendo três fuzis, uma espingarda e duas pistolas. Também havia uma faca. Veja a lista completa abaixo:

  • 1 capacete balístico;
  • 2 fuzis AK 47 com 4 carregadores de munição calibre 7.62 x 39mm;
  • 1 fuzil, calibre 5.56 x 45mm, com mira red dot e 2 carregadores com um total de 24 munições;
  • 1 (uma) pistola Glock, mod. 22, calibre .40 mm com 01 carregador com 13 munições;
  • 1 rifle artesanal calibre .50, com mira telescópica;
  • 7 munições de calibre .50;
  • 110 munições de calibre .308 Winchester;
  • 1 munição de calibre 5.56x45mm;
  • 5 carregadores de munição calibre .308 Winchester;
  • 1 (uma) pistola Glock, mod. 22, calibre .40 mm com 1 carregador com 15 munições;
  • 108 munições de calibre 7.62x39mm;
  • 17 munições de calibre .40mm;
  • 1 carregador de munição calibre .40;
  • 1 faca com acabamento inoxidado;
  • 15 estojos de munição 5.56x45mm;
  • 1 estojo de munição .308 Winchester;
  • 2 malotes numerários lacrados com os lacres originais;
  • 1 rádio;
  • 1 mochila com roupas;
  • 1 celular com chip;
Veículo utilizado pelos criminosos no assalto a Viracopos é levado até a sede da Polícia Federal em Campinas (SP) — Foto: Marcello Carvalho/G1 Campinas

Veículo utilizado pelos criminosos no assalto a Viracopos é levado até a sede da Polícia Federal em Campinas (SP) — Foto: Marcello Carvalho/G1 Campinas

Bairro onde criminosos fizeram reféns

Policiais aprenderam duas pistolas, um revólver e muita munição na região do Vida Nova, nas duas residências usadas na fuga dos ladrões. Veja lista abaixo.

Em uma delas, um serralheiro fazia um trabalho no portão e foi rendido pelos criminosos. Dois membros da quadrilha entraram na residência em que ele trabalhava e acabaram sendo mortos pela Polícia Militar. O serralheiro chegou a ser levado como refém no caminhão da serralheria e foi deixado em um cemitério sem ferimentos.

Sniper, atirador de elite, que disparou contra homem que fez reféns; ele faz parte da quadrilha que assaltou aeroporto de Viracopos. — Foto: Reprodução/EPTV

Sniper, atirador de elite, que disparou contra homem que fez reféns; ele faz parte da quadrilha que assaltou aeroporto de Viracopos. — Foto: Reprodução/EPTV

Na outra residência, um criminoso invadiu e fez, por duas horas, mãe e bebê reféns. O sequestrador foi morto por um disparo feito por sniper, atirador de elite.

  • 1 pistola Glock, mod 22, calibre .40mm com 1 carregador com 13 munições;
  • 1 Revolver Taurus, calibre .38mm, com 6 cartuchos, sendo 1 deflagrado;
  • 26 munições de calibre .50mm;
  • 9 carregadores de munição, calibre 7.62x39mm;
  • 1 carregador de munição, calibre 5.56x45mm;
  • 2 coldres de perna com cintos;
  • 1 colete preto com zíper;
  • 4 estojos de munição, calibre .40mm;
  • 3 estojos de munição, calibre 5.56x45mm;
  • 280 cartuchos de munição, calibre 7.62x39mm;
  • 1 cartucho de munição, calibre 5.56x45mm;
  • 1 par de joelheiras;
  • 2 pares de luvas táticas;
  • 1 camisa manga longa preta
  • 1 parte anterior do colete balístico preto;
  • 2 calças;
  • 1 par de joelheiras;
  • 1 par de botas;
  • 1 pistola five seven, calibre 5.27×28 com 1 carregador com 12 munições.
Como foi o assalto em Viracopos — Foto: Betta Jaworski/G1

Como foi o assalto em Viracopos — Foto: Betta Jaworski/G1

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Empresas têm dificuldade para achar profissionais qualificados, mas não contratam pessoas com mais de 50, diz pesquisa

Por Marta Cavallini, G1

Pesquisa da Robert Half, empresa de recrutamento e seleção de cargos de média e alta gerência, mostra que quase 60% dos recrutadores têm enfrentado algum nível de dificuldade para encontrar profissionais qualificados. Destes, 46% avaliam a tarefa como difícil e 13% a classificam como muito difícil. E, nos próximos seis meses, 69% dos entrevistados acham que a situação estará igual.

A pesquisa, que traz um recorte com perguntas sugeridas pelo G1, mostra ainda que 69% dos entrevistados não contrataram profissionais com mais de 50 anos em 2019. O principal fator são os altos salários.

A pesquisa foi realizada entre 2 de julho e 2 de agosto.

Os dados fazem parte da 9ª edição do Índice de Confiança Robert Half, estudo trimestral que mapeia o sentimento dos profissionais qualificados com relação ao mercado de trabalho atual e futuro.

Veja abaixo os resultados da pesquisa:

Contratar profissionais qualificados hoje está:

  • Difícil: 46%
  • Normal: 20%
  • Muito difícil: 13%
  • Fácil: 17%
  • Muito fácil: 4%

Nos próximos 6 meses, você acredita que contratar profissionais qualificados estará:

  • Igual: 69%
  • Um pouco mais difícil: 18%
  • Um pouco mais fácil: 7%
  • Muito mais difícil: 4%
  • Muito mais fácil: 2%

Quais são as três habilidades mais observadas ao recrutar para funções plenas e sêniores?

  • Trabalho em equipe/relacionamento interpessoal: 50%
  • Experiência: 48%
  • Pró-atividade: 40%
  • Boa comunicação: 32%
  • Olhar estratégico: 32%
  • Postura de dono: 28%
  • Flexibilidade: 22%
  • Habilidade de negociação: 19%
  • Perfil empreendedor: 13%
  • Estabilidade: 7%
  • Inglês: 6%
  • Outro: 2%

Você contratou um profissional sênior (+50 anos) em 2019?

  • Não: 69%
  • Sim: 31%

Quais os principais benefícios de contratar um profissional sênior (+50 anos)? Pode marcar mais de uma opção.

  • Experiência/bagagem corporativa: 86%
  • Conhecimento: 66%
  • Resiliência/inteligência emocional: 43%
  • Contribuição para a diversidade da organização: 30%
  • Outro: 2%

Quais os receios de contratar um profissional sênior (+50 anos)? Pode marcar mais de uma opção.

  • Alto salário: 31%
  • Não há receio: 21%
  • Pouca flexibilidade: 18%
  • Profissional desatualizado: 12%
  • Ampliar o conflito de gerações no ambiente de trabalho: 7%
  • Outro: 13%

Excesso de mão de obra sem qualificação

De acordo com Leonardo Berto, gerente de recrutamento da Robert Half, existe um excesso de mão de obra sem qualificação e ao mesmo tempo falta de mão de obra especializada. “Profissionais que trabalham em funções operacionais, como aqueles ligados à construção civil, setor automotivo, indústria e infraestrutura, foram os mais impactados pelo momento econômico ruim”, analisa.

Por outro lado, segundo ele, as empresas sentem falta de profissionais especializados, principalmente quando se trata do domínio de novas tecnologias e de educação continuada, ou seja, o aprofundamento em determinada área, fluência em outro idioma, certificações e desenvolvimento técnico e pessoal dentro da carreira.

Questionado sobre como os recrutadores lidam com o excesso de mão de obra causado pelo alto índice de desemprego atual e ao mesmo tempo com a falta de mão de obra especializada, ele afirma que uma saída utilizada pelas empresas é identificar profissionais com um perfil aproximado ao da vaga aberta e trabalhar no desenvolvimento das competências que faltam.

“É claro que isso demanda tempo e investimento da organização, que deve estar disposta a treinar o profissional. Além disso, existem posições nas quais não é aplicável, pois determinadas competências específicas são essenciais”, explica.

Apesar de a pesquisa mostrar o alto índice de recrutadores que não contrataram profissionais com mais de 50 anos neste ano, Berto afirma que o aproveitamento de profissionais sêniores tem sido sim uma das alternativas encontradas pelas empresas para suprir a lacuna de mão de obra especializada.

“Já vemos essa tendência aplicada nas empresas, que estão abrindo espaço para profissionais com 50 anos ou mais. Existem muitas pessoas altamente qualificadas nessa faixa etária, e as empresas estão aproveitando sua maturidade e resiliência. O receio das empresas fica por conta dos altos salários, a possível falta de atualização ou adaptação ao modelo e cultura da companhia”, diz.

Berto afirma que, para ajudar na sua reinserção no mercado, muitos profissionais sêniores estão optando por trabalhar por projeto. “Assim, a empresa utiliza o conhecimento técnico e comportamental desse profissional e eles podem aproveitar a oportunidade como uma porta de entrada para reingresso no mercado de trabalho.”

Questionado se as empresas estão adequando o orçamento, com redução nas remunerações, por causa do cenário econômico incerto, Berto diz que esse cenário já passou. “O momento de cortes e redução de salários e cargos aconteceu em 2014, 2015 e 2016. Hoje, o cenário das empresas é de estabilidade de cargos, com tendência de crescimento em setores e carreiras específicos, como posições ligadas à área de tecnologia, engenharia, marketing digital e supply chain, por exemplo”, afirma.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.