Anvisa deve votar nesta terça novo marco regulatório para classificação de agrotóxicos

Por TV Globo e G1

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve votar nesta terça-feira (23) um novo marco regulatório para avaliação e classificação toxicológica de agrotóxicos. O tema está na pauta de uma reunião com a diretoria da Anvisa que começa às 10h, em Brasília.

O documento da proposta que será colocada em votação não foi divulgado pela agência, mas, entre 2011 e 2018, quatro consultas públicas já foram realizadas sobre o tema. Nessas discussões, segundo o site da Anvisa, houve pedidos para que haja maior clareza nas obrigações da agência a respeito dos agrotóxicos, assim como já é feito com outras substâncias químicas, e para que o Brasil altere sua regulação para se aproximar do que acontece hoje em outros países.

Avanço dos agrotóxicos

Ministério da Agricultura aprovou nesta segunda-feira (22) o registro de mais 51 agrotóxicos, totalizando 262 neste ano. O ritmo de liberação de novos pesticidas é o mais alto já visto para o período.

Do total aprovado nesta segunda, sete são produtos formulados, ou seja, aqueles que os agricultores podem comprar em lojas de insumos agrícolas. O princípio ativo sulfoxaflor, que controla insetos que atacam frutas e grãos, como a mosca branca e o psilídeo, está em seis desses produtos.

Maior consumidor de agrotóxicos

agricultura brasileira usou 539,9 mil toneladas de pesticidas em 2017, segundo os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama). Isso representou um gasto de US$ 8,8 bilhões (cerca de R$ 35 bilhões no câmbio atual), de acordo com a associação que representa os fabricantes, a Andef.

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo em números absolutos. Mas perde para Japão, União Europeia e Estados Unidos em quantidade de alimento produzida por área plantada, pois nesse caso, a aplicação de veneno pelo país é proporcionalmente menor.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Julgamento no STF deverá definir limites para compartilhamento de informações sigilosas

Por Rosanne D’Agostino e Mariana Oliveira, G1 e TV Globo — Brasília

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve definir ainda neste ano até que ponto órgãos de controle – como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), a Receita Federal e o Banco Central – podem compartilhar dados fiscais e bancários de cidadãos com o Ministério Público para embasar investigações criminais.

Esse assunto é o tema de um recurso que deve ser analisado em 21 de novembro pelo plenário da Suprema Corte. Como o recurso terá repercussão geral, a decisão valerá para todos os casos semelhantes nas demais instâncias do Judiciário.

Na semana passada, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, decidiu, por meio de uma liminar (decisão provisória), suspender em todo o território nacional processos que tiveram origem em dados fiscais e bancários sigilosos de contribuintes compartilhados sem autorização judicial.

O pedido foi feito pelo senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), um dos cinco filhos do presidente Jair Bolsonaro, em um recurso que já estava na Corte, apresentado pelo Ministério Público Federal em 21 de junho de 2017 contra uma decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3).

Toffoli é o relator deste recurso contra autuação da Receita a dois sócios de um posto de gasolina de Americana, município do interior de São Paulo, que foram multados por auditores fiscais por sonegação em 2003. Os empresários foram condenados por sonegação após investigação do MP.

Flávio Bolsonaro alegou que o caso dele era idêntico e pediu que a investigação fosse suspensa. A decisão de Toffoli foi tomada após esse pedido, mas não abarcou somente a investigação de Flávio Bolsonaro. A liminar suspendeu todos os processos e investigações no país.

No fim de 2018, relatório do Coaf apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O documento do conselho revelou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Fabrício Queiroz, que havia atuado como motorista e assessor de Flávio Bolsonaro à época em que o parlamentar do PSL era deputado estadual.

A investigação que envolve o filho de Jair Bolsonaro faz parte da Operação Furna da Onça, desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro que prendeu dez deputados estaduais.

Na decisão, Toffoli também determinou a suspensão de inquéritos e procedimentos de investigação criminal (PIC) tanto do Ministério Público Federal (MPF) quando dos estaduais que foram instaurados sem a supervisão do Judiciário e sem autorização prévia de um magistrado com base em dados compartilhados pelos órgãos de fiscalização e controle (Fisco, Coaf e Banco Central).

A suspensão liminar dos inquéritos terá validade até que a Suprema Corte se pronuncie definitivamente sobre o recurso, com o voto de todos os 11 ministros.

O que o STF pode decidir

No julgamento marcado para novembro, o plenário do STF deve analisar se é possível dados bancários e fiscais de contribuintes, obtidos pelo Fisco, serem compartilhados com o Ministério Público para fins penais sem a intermediação do Judiciário.

Os ministros do Supremo podem manter a decisão de Toffoli e considerar que apenas dados gerais podem ser repassados pelos órgãos de controle ao Ministério Público sem autorização judicial. Neste caso, se quiserem complementar a apuração com mais informações, promotores ou procuradores terão que requerer aval da Justiça.

Neste caso, é possível que ocorra um debate entre os ministros do Supremo para modular o alcance da decisão, ou seja, decidir a partir de quando vale a decisão para evitar nulidades de atos que já aconteceram.

Em outro cenário, os ministros podem considerar que o repasse de dados detalhados não é quebra de sigilo porque o MP mantém o segredo das informações. Nesta hipótese, seria necessária autorização judicial somente para obter extratos bancários ou declaração de imposto de renda.

Investigadores defendem que o compartilhamento detalhado facilita as investigações e advertem que, se houver limitações, o papel do Coaf será esvaziado.

Repercussão geral

Até a semana passada, havia, pelo menos, 50 processos no país dependendo desta decisão. No entanto, o fato de a liminar concedida pelo presidente do STF ter incluído inquéritos e procedimentos do Ministério Público no mesmo escopo, a estimativa é de que, neste momento, milhares de investigações estejam suspensas à espera de um entendimento da Suprema Corte.

Em 13 de abril de 2018, os ministros do Supremo reconheceram a repercussão geral para o caso, ou seja, entenderam que se tratava de uma questão constitucional que deveria ser tratada pelo tribunal.

No julgamento de novembro, o STF também deve definir se relatórios como os que o Coaf vinha elaborando podem continuar sendo feitos sem autorização de um magistrado.

Após a decisão de Toffoli, o órgão decidiu alterar o formato para os casos em que não houver autorização da Justiça. Desde então, o Coaf passou a gerar planilhas com o nome do suspeito e valores globais da movimentação atípica.

Até então, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras compartilhava com os órgãos de fiscalização outras informações, como origem e destino do dinheiro, nome do banco, local e valores detalhados. Agora, caso o MP tenha interesse de aprofundar a apuração, terá que pedir autorização judicial para obter informações complementares do órgão de controle.

Interpretação equivocada

O compartilhamento de dados sigilosos por parte de órgãos de controle, na visão de alguns especialistas, tem sido fruto de uma má interpretação da Lei 105, de 2001, que trata de sigilo de operações financeiras.

Em 2016, ao julgar três ações diretas de inconstitucionalidade, a Suprema Corte entendeu que o compartilhamento de dados bancários com a Receita não se tratava de quebra de sigilo, portanto, não haveria necessidade de supervisão de um juiz.

Inclusive, a Primeira Turma do STF – colegiado formado por cinco dos 11 ministros do tribunal – já proferiu duas decisões a favor do compartilhamento das informações. Entretanto, o plenário da Corte, que reúne os 11 magistrados, ainda não tomou uma posição definitiva sobre o tema.

Ao tratar da repercussão geral, Toffoli defendeu a necessidade de o Supremo definir limites objetivos para os órgãos administrativos de fiscalização fazendária seguirem ao transferirem automaticamente para o MP informações sobre movimentação bancária e fiscal dos contribuintes.

Na avaliação do ministro aposentado e ex-presidente do STF Carlos Ayres Britto, a decisão de Dias Toffoli de suspender os processos em andamento visa impedir decisões divergentes sobre o tema. Para Ayres Britto, a liminar não irá gerar, de imediato, nulidades de investigações ou soltura de acusados.

“Eu entendo que cada juiz vai analisar no caso do concreto. O dito popular de ‘cada caso é um caso’. Há de se entender que suspende os processos com a garantia de que não haverá prescrições”, opinou o ex-presidente do STF.

Segundo Ayres Britto, a oportunidade é excelente para os envolvidos no processo exporem suas posições. “Serão 11 pares de olhos de olho no tema”, enfatizou.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Assaltantes roubam carro com três crianças em Fortaleza e as abandonam em rua

Por G1 CE

Três crianças, que estavam dentro de um carro, foram levadas, na manhã desta segunda-feira (22), por um criminoso em fuga que roubou o veículo no Bairro José Walter, em Fortaleza. O caso aconteceu após dois homens assaltarem uma casa no mesmo bairro e manterem refém a família de um empresário, dono da residência.

No momento do assalto à casa, a polícia foi acionada e, ao chegar ao local, foi recebida a tiros pelos criminosos, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS). Durante a fuga, o suspeito que fugiu no carro assaltado abandonou as crianças em rua da capital cearense. (Assista no vídeo acima.). Os dois criminosos foram atingidos e presos.

Sequência das ações criminosas

  • Grupo assalta a casa de um empresário no Bairro José Walter, em Fortaleza;
  • Família do empresário é mantida refém pelos criminosos;
  • A polícia chega ao local e há troca de tiros entre os agentes e os criminosos;
  • Um dos suspeitos é capturado no local do assalto;
  • Na fuga, o outro suspeito aborda e rouba um carro que estava passando perto da residência assaltada. Três crianças, que estavam no veículo, foram levadas pelo assaltante;
  • O suspeito abandona as três crianças em uma rua de Fortaleza;
  • Por meio de videomonitoramento da polícia, o automóvel roubado pelo segundo envolvido no crime é localizado no Bairro Pajuçara, em Maracanaú, na Grande Fortaleza. O suspeito é atingido em troca de tiros e é preso.

Família refém em assalto

Os criminosos chegaram em um veículo e renderam um morador para entrar na casa do empresário localizada no Bairro José Walter, segundo nota da Secretaria da Segurança Pública (SSPDS). Outras duas pessoas que estavam na casa conseguiram avisar a outro familiar que acionou a polícia.

Todos os moradores foram mantidos em um dos cômodos do imóvel. Quando os agentes chegaram ao local foram recebidos a tiros pelos criminosos.

A família registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.). Procurada pelo G1, a família não quis se manifestar sobre o assalto.

Crianças levadas após assalto

Crianças são abandonadas na rua após serem levadas em carro por assaltantes — Foto: Reprodução

Crianças são abandonadas na rua após serem levadas em carro por assaltantes — Foto: Reprodução

De acordo com a SSPDS, durante a fuga um dos criminosos roubou um carro de um morador da região. No veículo, estavam três irmãos de 4, 6 e 8 anos, que foram levados pelo suspeito.

O tio das crianças, Antonio Sérgio, conversou com o G1 e disse que a ação foi muito rápida. A família estava indo para a cidade de Itapajé, interior do Ceará, quando foi abordada pelo criminoso.

“Não deu para ver quem era, ele pegou o carro e já saiu com as crianças dentro. Em pouco tempo ficamos sabendo que as crianças tinham sido abandonadas. Têm duas que estão bem, mas tem outra que está só chorando”, disse Antônio Sérgio.

O carro foi localizado por meio dos sensores do Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia) por equipes da polícia militar, no Bairro Pajuçara, em Maracanaú, e as crianças foram encontradas sem nenhum ferimento.

Dois criminosos feridos

O criminoso que fugiu no veículo foi identificado como José Matheus Mendonça Nascimento, 19 anos, e já possuía passagens pela polícia por extorsão e associação criminosa. José foi atingido na mão e na perna durante a troca de tiros com os agentes. O homem foi levado para o Hospital Instituto Dr. José Frota (IJF) e, após atendimento médico, foi conduzido para delegacia.

O outro suspeito preso foi abordado pelos policiais, atingido e encaminhado sob escolta policial para uma unidade hospitalar. De acordo com a SSPDS, o homem foi identificado como Paulo Henrique Lopes da Costa, 25 anos, e já tinha antecedentes por roubo e porte ilegal de arma de fogo.

Material apreendido

Na ação foram apreendidos dois revólveres, 10 munições, uma caixa de som, uma mochila contendo peças de roupas usadas, dois aparelhos celulares, um par de alianças e o veículo roubado após a ação.

O caso está sendo investigado pelo 8º Distrito Policial, delegacia do Bairro José Walter. A polícia segue à procura de outros possíveis participantes do crime.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Corpo de surfista que sumiu no mar é encontrado em São Sebastião, SP

Por G1 Vale do Paraíba e Região

Surfista que sumiu no mar em São Sebastião é empresário em SP — Foto: Arquivo pessoal

Surfista que sumiu no mar em São Sebastião é empresário em SP — Foto: Arquivo pessoal

O corpo do surfista Antonio Otsuzi, que havia sumido na Praia de Juquehy, foi encontrado na manhã deste domingo (21) na região da Ilha do Montão de Trigo em São Sebastião (SP).

(Correção: o G1 errou ao informar que o corpo foi encontrado em Ilhabela. A Ilha do Montão de Trigo fica em São Sebastião. A informação foi corrigida às 9h)

Segundo o Grupamento de Bombeiros Marítimo, o corpo do surfista foi encontrado a cerca de 38 km do local onde ele havia desaparecido. A vítima era procurada desde quarta-feira (17), quando foi levada pelas ondas na Praia de Juquehy em São Sebastião.

O corpo de Antonio Otsuzi foi encontrado por volta das 9h deste domingo pelo tripulante de uma lancha particular, que passava pelo local. Os bombeiros foram até a região e fizeram o resgate do corpo, que foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de São Sebastião.

Por volta das 18h, a família fez o reconhecimento do corpo da vítima. Ele será velado e sepultado em São Paulo.

O surfista atuava como empresário na área de transporte de cargas na capital paulista. Ele passava alguns dias na casa que a família tem próximo à Praia de Juquehy, na costa sul da cidade.

Surfista Antonio Otsuzi, que sumiu no mar em São Sebastião, é empresário em SP — Foto: Arquivo pessoal

Surfista Antonio Otsuzi, que sumiu no mar em São Sebastião, é empresário em SP — Foto: Arquivo pessoal

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Marido de mulher baleada na Zona Norte do Rio pediu para família não ser assaltada

Por Bom Dia Rio

O marido de Alícia Attiê, de 48 anos, baleada em uma tentativa de assalto a um quiosque na Tijuca, na Zona Norte do Rio, pediu aos criminosos para que a família fosse poupada, segundo testemunhas.

A mulher levou um tiro na noite de domingo (21), quando lanchava em um quiosque, na esquina da Rua Carmela Dutra com a Avenida Heitor Beltrão. Ela foi socorrida pelos bombeiros para o Hospital Souza Aguiar, no Centro.

Ela foi atendida e liberada no começo da madrugada de segunda (22). O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

Mulher foi baleada na noite de domingo (21), quando lanchava em um quiosque, na esquina da Rua Carmela Dutra com a Avenida Heitor Beltrão — Foto: Reprodução/ TV Globo

Mulher foi baleada na noite de domingo (21), quando lanchava em um quiosque, na esquina da Rua Carmela Dutra com a Avenida Heitor Beltrão — Foto: Reprodução/ TV Globo

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Empresa que aluga patinetes no Rio limita velocidade para ‘novatos’

Por Ana Paula Santos e Danilo Vieira, Bom Dia Rio

Usuários de primeira viagem dos patinetes elétricos do Rio só poderão andar a, no máximo, 12 km/h. A Grow, empresa que aluga os veículos da Grin e da Yellow, já está aplicando o redutor para novatos – como determinou a prefeitura. A velocidade máxima de 20 km/h será liberada depois.

“Até a nona corrida, a gente vai limitar a velocidade do patinete, justamente porque o índice de acidentes é muito maior nessas primeiras corridas”, afirmou Victor Bolonha, gerente de operações da Grow. “Para ser um pouco mais seguro para o usuário se acostumar”, emendou.

Patinetes elétricos na orla de Copacabana — Foto: Reprodução/TV Globo

Patinetes elétricos na orla de Copacabana — Foto: Reprodução/TV Globo

Bolonha disse ainda que a empresa estuda aplicar punições a quem desrespeita as regras.

“A gente tenta sempre educar o usuário a guiar da melhor forma. É claro que a gente sempre acaba vendo algumas situações que não são ideais”, ponderou.

“Estamos pensando em aplicar punições para quando a gente pega alguém fazendo algo que ponha em risco não só a saúde dele, como também a dos outros”, afirmou.

Na semana passada, um homem foi flagrado transportando um fogão nas costas, a bordo de um patinete. O “frete” é proibido.

Multas em agosto

As multas por infrações cometidas no uso e na operação dos veículos começam a ser aplicadas no mês que vem, conforme definido por decreto da prefeitura. A fiscalização ficará a cargo da Secretaria Municipal de Transportes, da CET-Rio e da Guarda Municipal.

Infrações leves, como abandonar o patinete em local proibido, custam R$ 100.

Veja as principais regras para andar de patinete no Rio depois da regulamentação da Prefeitura. — Foto: Wagner Magalhaes - Arte/G1 Rio

Veja as principais regras para andar de patinete no Rio depois da regulamentação da Prefeitura. — Foto: Wagner Magalhaes – Arte/G1 Rio

Regras para usuários

  • O patinete só pode ser usado por maiores de dezoito anos;
  • Os patinetes estão liberados para rodarem em ruas com velocidade máxima inferior a 40 km/h, vias fechadas ao lazer, ciclovias, ciclofaixas, faixas compartilhadas, parques e praças;
  • Está proibida a utilização de patinetes elétricos nas calçadas;
  • Os equipamentos ainda podem ficar estacionados nos locais de circulação de pedestres, desde que não impeçam a passagem das pessoas;
  • Está proibido o uso por mais de uma pessoa por veículo;
  • Está proibida a condução de animais ou qualquer tipo de carga nos patinetes;
  • Os condutores nunca poderão ultrapassar os 20 km/h;
  • Nas faixas compartilhadas com calçadas, o limite será de 6 km/h;
  • Os usuários considerados iniciantes não poderão passar de 12 km/h;
  • Caso desrespeitem a lei e façam mau uso dos meios de transporte, os usuários poderão ser processados civil, penal e administrativamente.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Caminhão invade casa no Complexo do Chapadão

Por G1 Rio

Um caminhão invadiu uma casa no Complexo do Chapadão, na Zona Norte, na manhã desta segunda-feira (22). O veículo estaria transportando equipamentos de som.

Imagens feitas por moradores mostram a destruição provocada pelo veículo, que atingiu um poste, derrubou o muro e invadiu uma casa na Rua Lenir Liberato da Silva, na altura do número 488, na Pavuna.

De acordo com a assessoria do Corpo de Bombeiros, os agentes foram acionados às 7h44 para socorrer uma pessoa ferida no local, mas ainda não há onfirmação sobre o estado de saúde da vítima.

A assessoria da Polícia Militar informou que desde o início da manhã, policiais do 41º BPM (Irajá) fazem uma operação na região do Chapadão. No entanto, a PM ainda não tem informações sobre o acidente com o caminhão.

Veículo subiu calçada em rua do Complexo do Chapadão e destruiu frente de casa — Foto: Reprodução

Veículo subiu calçada em rua do Complexo do Chapadão e destruiu frente de casa — Foto: Reprodução

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Idosa de 67 anos recolhe livros doados em terminal de ônibus de Fortaleza para estudar para o Enem

Por G1 CE

Das riquezas naturais da Amazônia às atrocidades do nazismo alemão: o conhecimento sobre o mundo todo pode estar em uma estante de livros pública, no Terminal de Integração do Antônio Bezerra, em Fortaleza. É lá que, rotineiramente, Raimunda do Carmo, 67, busca livros didáticos e de literatura, para exercitar a interpretação textual e estudar para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019, que fará pelo terceiro ano seguido.

“As pessoas deixam livros no terminal, e alguns que me interessam eu pego, trago, leio direitinho e depois devolvo. Mas livros que eu gosto, eu fico”, declara, às risadas. “A professora disse que a gente tem que ler bastante, e eu me sinto muito bem sabendo das coisas”.

A dedicação exemplar não é em vão: após parar os estudos por 36 anos, de 1980 a 2016, Raimunda matriculou-se no Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA) Professora Maria Eudes Veras, na periferia da cidade, para realizar o sonho de concluir o ensino médio. Depois de driblar todas as deficiências de aprendizagem, a meta foi alcançada em 2018.

“Deixei de estudar bem nova, quando casei. Com meu filho no braço, ainda voltei, e desisti. Mas me incomodava… Eu queria porque queria terminar meus estudos. Tive muita dificuldade nas aulas, no começo, porque tava com a mentalidade muito debilitada, não gravava nada direito, a redação era difícil… Mas disse que ia terminar, e terminei. Ano passado, recebi o certificado”, relembra, orgulhosa, a aposentada – e estudante.

“Meus irmãos tinham 2º grau, e hoje posso dizer que sei mais do que eles. Sempre me chamavam de analfabeta. Me incomodava não ter terminado os estudos, mas por mim – eu queria porque queria terminar. Só sosseguei quando fiz.”

Preparação

Mesmo tendo concluído oficialmente os estudos pelo Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), Raimunda segue frequentando o CEJA – assim como outros 230 cearenses acima de 59 anos, conforme a Secretaria da Educação (Seduc) – para aprimorar redação e português, dois pontos fundamentais para passar no Enem deste ano e cursar Gastronomia ou Nutrição.

“Eu leio falando em uma altura que dê pra eu escutar a minha voz, pra saber que estou lendo correto. Antes eu tinha vergonha de ler, agora não tenho mais. Quando uma coisa incomoda a gente, a gente tem que melhorar.”

Ingressar em uma universidade pública da capital cearense já seria, para ela, uma grande conquista – mas a maior das metas vive mesmo é do outro lado do mundo. “Meu maior sonho é fazer faculdade em Portugal, pra ficar mais perto da minha filha, que mora na Itália”, declara, riscando “impossível” do vocabulário. “A pessoa tem que estudar, porque a coisa mais importante pra um ser humano é o estudo. Com isso, ele consegue tudo.”

Perfis

Raimunda é uma das 363 pessoas de 60 anos ou mais inscritas no Enem no Ceará, o correspondente a 0,1% dos 294.992 candidatos totais no estado. O perfil dos cearenses inscritos foi divulgado na última semana pelo Ministério da Educação (MEC).

A quantidade de idosos cearenses interessados em realizar o principal exame para ingresso no ensino superior tem oscilado, nos últimos 10 anos. Se comparado ao de 2010, quando apenas 193 idosos efetivaram inscrição nas provas em todo o Estado, o número de inscritos da terceira idade na edição do Enem deste ano é 88% maior – por outro lado, é o menor desde 2012, que teve 372 candidatos sexagenários. Os dados são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), levantados pelo G1.

Neste ano, o exame nacional chega à 21ª edição, e será realizado novamente em dois domingos consecutivos, dias 3 e 10 de novembro. Dos 119 municípios cearenses que registraram inscrições, cinco se destacam: Fortaleza, com 95.902; Juazeiro do Norte, 11.564; Caucaia, 10.149; Sobral, 8.712; e Maracanaú, com 7.675 inscritos. A maioria dos candidatos cearenses (45%) já concluiu o ensino médio, e 40% estão cursando a última série. Os chamados “treineiros” somam 14,5% das inscrições neste ano.

A maioria dos cearenses inscritos no Enem 2019 tem de 21 a 30 anos de idade: eles somam 65.783 candidatos. Em seguida, vêm estudantes de 17 anos (60.112). Os inscritos de 18 anos aparecem em terceiro lugar (56.023), e os de 19 (33.911), em quarto. Os idosos, naturalmente, somam o menor contingente.

Entre as autodeclarações de cor ou raça, a “parda” é a mais reconhecida entre os inscritos no Estado: são quase 194 mil (65,7% do total). Os “brancos” somam 60,2 mil, pouco mais de 20% dos candidatos; seguidos pelos “pretos”, com 24,4 mil autodeclarados.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Corpo do pedreiro atropelado durante ato do MST em Valinhos é velado em Hortolândia

Por Bom Dia Cidade

O velório do pedreiro Luís Ferreira da Costa, de 72 anos, teve início nesta sexta-feira (19) em Hortolândia (SP). Ele morreu atropelado na manhã de quinta-feira (18) durante um ato de moradores de uma ocupação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na Estrada do Jequitibá, em Valinhos (SP). O sepultamento acontece às 15h30.

Ele morava na ocupação “Marielle Vive”, que existe no local desde abril do ano passado, e fazia aulas de alfabetização na comunidade. O protesto reivindicava acesso a serviços essenciais oferecidos pela prefeitura.

Luís Ferreira tinha 72 anos e morreu após ser atropelado em ato do MST em Valinhos (SP) nesta quinta-feira (18) — Foto: Marcello Carvalho/G1

Luís Ferreira tinha 72 anos e morreu após ser atropelado em ato do MST em Valinhos (SP) nesta quinta-feira (18) — Foto: Marcello Carvalho/G1

Suspeito preso

O suspeito do atropelamento foi preso no final da tarde de quinta-feira. Leo Luiz Ribeiro, de 60 anos, prestou depoimento e foi levado para a cadeia anexa do 2º Distrito Policial de Campinas (SP).

Em depoimento à Polícia Civil, que durou duas horas, Ribeiro alegou que acelerou a caminhonete por medo. O delegado Júlio César Brugnoli, titular do 1º DP de Valinhos, contou que o suspeito disse não ter percebido que havia matado alguém e que acelerou depois de o carro ser cercado pelos manifestantes.

Ribeiro vai passar por audiência de custódia nesta sexta-feira (19).

Leo Luiz Ribeiro, de 60 anos, foi preso em Atibaia (SP) e confessou ter atropelado moradores na ocupação do MST durante protesto. — Foto: Reprodução/EPTV

Leo Luiz Ribeiro, de 60 anos, foi preso em Atibaia (SP) e confessou ter atropelado moradores na ocupação do MST durante protesto. — Foto: Reprodução/EPTV

O caso

Um motorista avançou com o veículo sobre moradores de uma ocupação do MST em Valinhos (SP) na manhã desta quinta (18), matou um homem de 72 e deixou ao menos outras cinco pessoas feridas, entre elas um jornalista que gravava imagens do ato. O motorista fugiu em seguida.

Momento em que caminhonete atropela moradores de ocupação do MST em Valinhos; um idoso morreu. — Foto: Reprodução/EPTV

Momento em que caminhonete atropela moradores de ocupação do MST em Valinhos; um idoso morreu. — Foto: Reprodução/EPTV

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia faz operação no Complexo da Maré pelo segundo dia consecutivo

Por Bom Dia Rio

A polícia realiza uma nova operação no Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio, na manhã desta sexta-feira (19). Nesta quinta (18), uma operação conjunta dos policiais civis e militares apreendeu 30 armas, sendo 23 fuzis e 2 metralhadores, e oito toneladas de cocaína.

Através de redes sociais, moradores disseram que a manhã começou com troca de tiros intensa na comunidade.

Imagens do Globocop mostraram criminosos em um dos acessos à comunidade com fuzil e utilizando rádio transmissores. Em determinado momento, uma mulher chega a passar correndo ao lado dos criminosos com fuzil.

Em entrevista coletiva após o fim da operação, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), disse que essa foi a maior apreensão de armas e drogas da história do estado e mandou recado para os criminosos.

“O recado está dado: Não enfrente a polícia. Se enfrentar a polícia só tem dois caminhos. Será preso ou será morto. Nós não teremos leniência e não teremos piedade com que não tem respeito com o ser humano alheio, com a sociedade e não tem respeito com os nossos policiais.”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.