Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Mancha redonda e escura aparece em mar na orla de Fortaleza durante as fortes chuvas desta sexta

Por G1 CE

Uma mancha escura apareceu no mar próximo a Rua Tereza Hinko, no Bairro Mucuripe, em Fortaleza, durante a forte chuva desta sexta-feira (31). As precipitações trouxeram transtornos aos moradores da capital: carros ficaram submersos e parte do piso do aeroporto ficou alagado.

De acordo com a Regional II, responsável pela área, a mancha foi causada pela presença de lixo no percurso do Riacho Maceió, que teve um aumento no volume de água por conta das chuvas da manhã.

Um vídeo gravado por uma moradora mostra o momento em que a água escura jorra no mar formando um grande círculo. Segundo a moradora, que não quis se identificar, as imagens foram gravadas por volta de 7h38 desta sexta-feira. Uma moradora acredita que se trata de esgoto saindo para o mar.

Para ela, a mancha é causada por esgoto. “Devido aos esgotos e canais alagarem, amanheceu assim. Nunca tinha visto isso não. Se já não tomava banho [no mar], agora que não tomo mesmo”, disse a mulher.

Uma equipe do G1 foi ao local por volta de 11h desta sexta-feira e contatou que a mancha estava um pouco mais clara.

Obras na foz do Riacho Maceió

A Secretaria Regional II informou ainda que há um projeto e ser executado com o objetivo “de sanar essa situação do Riacho Maceió”. As obras possuem previsão para iniciar até junho deste ano.

O projeto prevê a execução de obras de drenagem, canalização, urbanização e saneamento da foz do riacho. O valor estimado da obra é de R$ 24,2 milhões.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Correios anunciam novo reajuste nas tarifas postais

Por G1

Os Correios anunciaram reajuste das tarifas dos serviços postais prestados em regime de exclusividade. A correção média autorizada para este ano é de 4,3062% para serviços nacionais e internacionais. Em 2019, o reajuste médio havia sido de 0,3893%.

O primeiro porte (até 20 gramas) da carta comercial passou para R$ 2,05. As cartas e cartões postais internacionais na modalidade econômica passaram para R$ 1,65 na primeira faixa.

No caso de telegrama nacional redigido pela internet, a nova tarifa é de R$ 8,54 por página – antes, a tarifa vigente era de R$ 8,19. O telegrama fonado passou de R$ 9,87 para R$ 10,30, e na agência, de R$ 11,85 para R$ 12,36.

As novas tarifas não se aplicam ao segmento de encomendas (PAC e Sedex) e marketing direto.

A portaria com o reajuste foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (31) pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – veja as tabelas completas.

O reajuste médio segue o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do Brasil, que fechou 2019 em 4,31%.

último reajuste foi anunciado em janeiro do ano passado.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Carga de 1,8 tonelada de cocaína apreendida em ilha portuguesa partiu de Fortaleza, diz Polícia Federal

Por Sérgio Ripardo, G1 CE

Operação internacional com apoio da Polícia Federal brasileira apreendeu 1,8 tonelada de cocaína — Foto: PF/Divulgação

Operação internacional com apoio da Polícia Federal brasileira apreendeu 1,8 tonelada de cocaína — Foto: PF/Divulgação

A Polícia Federal no Ceará afirmou nesta quarta-feira (29) que um veleiro apreendido com 1.820 kg de cocaína em uma ilha de Portugal partiu de Fortaleza em novembro de 2019. A droga foi apreendida no arquipélago de Açores, território do país europeu no Atlântico; o destino do material ilícito seria Martinica, no Caribe.

Na denominada “Operação Glória”, realizada pela Polícia de Portugal, foram presos um alemão e um bósnio, de 54 e 52 anos, respectivamente.

“Uma possibilidade é que a droga tenha sido embarcada no veleiro a partir de outra embarcação, já em alto mar. Quanto à fiscalização de embarcações, a Polícia Federal atua tanto no controle migratório quanto apurando notícias de possíveis práticas criminosas, como foi o caso da embarcação”, informou a Polícia Federal cearense ao G1.

Operação internacional

Suspeita é de que a droga tenha sido transportada de navio que partiu de Fortaleza para veleiro quando as embarcações estavam em alto mar — Foto: PF/Divulgação

Suspeita é de que a droga tenha sido transportada de navio que partiu de Fortaleza para veleiro quando as embarcações estavam em alto mar — Foto: PF/Divulgação

Segundo a corporação, a embarcação aportou na capital cearense no final de setembro e virou alvo de monitoramento policial após alerta de organismos internacionais de segurança.

“Não havia informação precisa acerca da presença de droga na embarcação quando de sua chegada a Fortaleza, por isso foi realizado o acompanhamento dos tripulantes durante sua permanência nesta cidade a fim de verificar seus contatos nesta cidade, bem como confirmar a existência de drogas na embarcação”, diz a Polícia Federal.

A apreensão de quase duas toneladas de cocaína ocorreu em uma operação conjunta da Polícia Federal brasileira, a Organização Internacional MAOC-N, a Aduana Francesa, a Agência Americana de Repressão às Drogas e a Polícia Judiciária de Portugal.

A apreensão do veleiro em Açores foi possível, segundo a PF, devido à troca de informações entre os países. “A Polícia portuguesa, que também foi acionada através de mecanismos de cooperação internacional, de posse de mais informações, fez a abordagem que resultou na apreensão”, comunicou a PF do Ceará.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Chuva destrói parte de BH; MG tem 55 mortos em 6 dias

Por G1 Minas — Belo Horizonte

Córregos de Belo Horizonte transbordaram nas regiões Centro-Sul e Oeste — Foto: Arte/G1

Córregos de Belo Horizonte transbordaram nas regiões Centro-Sul e Oeste — Foto: Arte/G1

Repórter Danilo Girundi mostra cratera que se abriu na Avenida Tereza Cristina, na Região Oeste de BH — Foto: Reprodução/TV Globo

Repórter Danilo Girundi mostra cratera que se abriu na Avenida Tereza Cristina, na Região Oeste de BH — Foto: Reprodução/TV Globo

Belo Horizonte amanheceu nesta quarta-feira (29) com estragos em diversos pontos após um temporal atingir a cidade – começou a chover na noite de terça-feira (28). As regiões Barreiro, Centro-Sul e Oeste da cidade foram as mais atingidas. Chove forte em todo o estado de Minas Gerais desde sexta-feira (24).

Com isso, o total de vítimas fatais no estado desde sexta-feira (24) subiu para 55, segundo a Defesa Civil. Três mortes foram registradas no boletim desta quarta-feira (29):

Um homem morreu depois que o muro da casa dele desabou em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte; uma mulher foi levada pela enxurrada em um acidente em Tabuleiro, na Zona da Mata, e uma outra mulher que tinha desaparecido durante a chuva em Sabará, na Grande BH, foi encontrada morta nesta terça-feira.

Cento e uma cidades estão em situação de emergência e outras cinco decretaram estado de calamidade pública.

Parte de casa desmoronou em Nova Lima, na Grande BH, no bairro Cristais  — Foto: Reprodução/TV Globo

Parte de casa desmoronou em Nova Lima, na Grande BH, no bairro Cristais — Foto: Reprodução/TV Globo

BELO HORIZONTE

Janeiro, que termina nesta sexta-feira (31), é o mês mais chuvoso da história da cidade desde o início da medição climatológica há 110 anos, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A capital mineira completou 121 anos em dezembro de 2019. Até agora, o primeiro mês de 2020 acumulou 932,3 milímetros de chuva na cidade, de acordo com o Inmet. O recorde anterior era de janeiro do ano de 1985, quando o acumulado do mês foi de 850,3 milímetros.

Na madrugada desta quarta-feira, uma cratera se abriu em uma das principais vias de Belo Horizonte, a Avenida Tereza Cristina, na Região Oeste. Na região Oeste choveu 101,6 milímetros em três horas.

Na região Centro-Sul, o Córrego do Leitão transbordou desde a Barragem Santa Lúcia até o centro da capital. O maior volume de chuva foi registrado na região: 175,6 milímetros em três horas. São vários pontos com carros arrastados, trechos do asfalto arrancados e garagens alagadas.

Outro córrego que transbordou foi o Acaba Mundo, que começa no Parque JK, no alto do Sion, e desceu provocando enchentes até o Centro. Nesta manhã, uma cratera se abriu no cruzamento da Avenida do Contorno, com a Rua Professor Morais.

Na BR-356, na chamada curva do Ponteio, também na Região Centro-Sul, um barranco desmoronou e a via precisou ser fechada no sentido Centro. Nesta manhã, duas faixas estavam liberadas no sentido BH Shopping. No shopping, parte do teto desabou durante o temporal.

Também foram registrados alagamentos nas Avenidas Barão Homem de Melo, Silva Lobo e Professor Mário Werneck, todas na Região Oeste.

Até as 6h30, não havia registro de mortes na capital. Em Nova Lima, um homem de 45 anos morreu no desabamento de uma casa.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Duas pessoas morrem em acidente na Fernão Dias em SP

Por G1 SP

Um acidente envolvendo dois caminhões e um carro deixou duas pessoas mortas e quatro feridas na noite de quarta-feira (29) na rodovia Fernão Dias, em Mairiporã (SP).

De acordo com a concessionária que administra o corredor, o caminhão que seguia na pista sentido São Paulo capotou e atravessou para a pista oposta, atingindo um outro caminhão e um carro. O acidente foi no Km 68 e os veículos pegaram fogo após o impacto.

Os motoristas do caminhão e do carro morreram no local. Quatro feridos foram encaminhados para o hospital, sendo um deles em estado grave e três em estado moderado.

Durante a madrugada, as pistas ficaram totalmente bloqueadas para o atendimento da ocorrência. Por volta de 5h30, pelo menos uma faixa em casa sentido estava liberada.

Acidente provocou o fechamento da rodovia depois que os veículos pegaram fogo — Foto: PRF/Divulgação

Acidente provocou o fechamento da rodovia depois que os veículos pegaram fogo — Foto: PRF/Divulgação

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Criança é resgatada após subir no parapeito de prédio de três andares em São José, SP

Por G1 Vale do Paraíba e Região

Criança é resgatada após subir no parapeito de prédio de três andares em São José — Foto: Arquivo pesoal

Criança é resgatada após subir no parapeito de prédio de três andares em São José — Foto: Arquivo pesoal

Uma criança foi resgatada na tarde desta quarta-feira (29) após subir no parapeito de um prédio de três andares na região central de São José dos Campos (SP).

De acordo com testemunhas, ela perguntava pelo pai a cerca de 15 metros de altura quando flanelinhas perceberam a cena e começaram a gritar por ajuda.

Segundo relato de uma pessoa que estava no local e preferiu não ser identificada, trabalhadores de um comércio saíram após ouvir os gritos na rua, por volta das 18h. O registro da cena, que aconteceu na avenida Lisboa, viralizou em aplicativos de mensagens.

“A criança perguntava onde estava o pai e dizia que iria pular. Ficamos desesperados”, disse.

A garota, de cerca de quatro anos, mora com o pai no prédio, onde funciona um petshop no andar térreo. Um homem que estava na rua e presenciou a cena conseguiu acionar o pai da menina, que a retirou do parapeito. Procurado pelo G1, o pai da criança não quis comentar o caso.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Após perder a mãe, jovem se dedica aos estudos para processar luto e é aprovado em medicina na USP e na Unesp

Por Luiza Tenente, G1

Matheus Garbelim foi aprovado em medicina na USP e na Unesp — Foto: Arquivo pessoal

Matheus Garbelim foi aprovado em medicina na USP e na Unesp — Foto: Arquivo pessoal

Matheus Garbelim, de 22 anos, aprendeu nas aulas de literatura o que significa “epifania”: a sensação repentina de entender o mundo. “Quando minha mãe foi enterrada, ao ver o rapaz jogar terra sobre o caixão dela, minha vida mudou. Decidi que queria deixar de ser um aluno problemático e passar a estudar”, conta. “Foi o jeito de preencher aquele vazio.”

Cinco anos após a morte da mãe, Matheus foi aprovado em medicina na Universidade de São Paulo (USP), tanto no campus da capital paulista, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), quanto no de Bauru, pela Fuvest; e na Universidade Estadual Paulista (Unesp). Ele ainda aguarda os resultados de outras três instituições de ensino.

Por ser negro e ter cursado o ensino médio em um colégio estadual de Campinas (SP), o jovem pôde concorrer às vagas reservadas para autodeclarados pretos, pardos ou indígenas que, independentemente da renda, tenham cursado integralmente os últimos anos escolares em colégios públicos. Ele escolheu se matricular na USP de São Paulo – pela localização e por ser “a melhor do país”.

Matheus Garbelim e a mãe em foto de arquivo — Foto: Arquivo Pessoal

Matheus Garbelim e a mãe em foto de arquivo — Foto: Arquivo Pessoal

Perder a mãe fez com que Matheus deixasse de ser o aluno relapso, que faltava às aulas com frequência e que não se interessava pelos estudos. “No meu colégio, faltava papel higiênico. Os profissionais eram esforçados, mas não havia estrutura para trabalharem. Eu sabia que, para passar no vestibular, precisaria procurar apoio extra”, conta.

No terceiro ano do ensino médio, vivendo o início do luto, o jovem começou a estudar biotecnologia. Em seguida, matriculou-se em um curso preparatório da Unicamp, no qual os mais bem avaliados durante os dois anos de aulas são premiados com uma vaga na universidade. Seu desempenho, no entanto, foi insuficiente para o curso de medicina. Mais dois anos de cursinho pré-vestibular, com bolsa de estudos, e Matheus viu seu nome na lista de aprovados.

“Não acredito ainda, porque a USP sempre foi meu sonho. São tantas derrotas que a gente fica cético.”

Por que medicina? Pela mãe

A mãe de Matheus foi diagnosticada com melanoma, o tipo mais grave de câncer de pele. Foram quatro anos de tratamento. “Nos últimos seis meses, a situação piorou, porque descobrimos que era um caso terminal, não tinha mais jeito”, diz. “Houve metástase cerebral, afetando os movimentos de coordenação motora fina e as capacidades de respiração e de comunicação.”

Durante um mês de internação, Matheus deu banho na mãe e acompanhou o trabalho da equipe médica do Sistema Único de Saúde (SUS).

“O ambiente hospitalar é tido como o lugar onde você vai viver os piores momentos da sua vida. Mas eu só conseguia pensar na importância do tratamento humanizado e da existência de um serviço público de saúde. Fiquei fascinado. Foi o que me fez escolher medicina”, conta.

Mas a escolha da carreira não foi uma decisão simples. Matheus relata que enfrentou um processo de aceitação: ele mesmo não entendia que um jovem negro poderia ser médico. “Não é a profissão que estruturalmente a sociedade me designaria. Acho que era um preconceito comigo mesmo, talvez pela falta de representatividade. Mesmo no cursinho, eram poucos negros”, diz. “Sofri e sei que vou sofrer no ambiente acadêmico. Mas tentarei tornar uma questão menor.”

Ele defende a política de cotas. Diz que não dá, no Brasil, para dissociar a desigualdade social da racial. “É uma tentativa de diminuir a discrepância nas condições de acesso ao ensino superior”, afirma.

Ansiedade com problemas no Enem

Matheus não foi afetado pelo erro na correção do Enem, mas lamentou a falha e relatou que o atraso na divulgação dos resultados do Sisu o deixou ansioso. “Acredito que o maior exame do país tenha sido posto em xeque. Fico apreensivo, porque não sei se todos os candidatos receberam um tratamento justo. Não dá só para eu ficar feliz com a minha aprovação; todo mundo deve ter as mesmas chances”, diz.

Quando pôde consultar a lista de aprovados, comemorou com o seu pai, mecânico, e com a irmã, de 17 anos. Mas, antes de contar para a família, lembrou-se da mãe. “Não acredito em vida após a morte, mas ela acreditava. Espero que esteja vendo meus resultados. Só ela achava que eu conseguiria me tornar médico um dia.”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Filha de diarista é aprovada em medicina na UFRN, e mãe diz: ‘Contava nos dedos o dinheiro da passagem para o cursinho’

Por Inter TV Cabugi

Desde o resultado do Sistema Unificado de Seleção (Sisu), divulgado na terça-feira (28), a família de Raíssa Nascimento, de 21 anos, vive momentos de um sonho de infância da jovem. Moradora do bairro Guarapes, localidade pobre da Zona Oeste de Natal, e filha de diarista e pai de desempregado, ela foi aprovada no curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o mais concorrido da instituição.

“Eu tive muita ajuda da família, das minhas primas, dos meus professores, muito apoio. Principalmente quando se trata de uma pessoa negra, pobre e da periferia, se você não tiver ajuda de terceiros, você não vai pra frente. Foi difícil, foi. Mas a gente vai tentando e no final consegue”, disse Raíssa, que sempre estudou em escola pública.

O Sisu é a plataforma do governo que seleciona estudantes para vagas em universidades públicas com base nas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A mãe da jovem conta que a dificuldade aparecia também quando a filha precisava ir ao cursinho pré-vestibular.

“Às vezes, eu ficava aqui, contando nos dedos o dinheiro da passagem para o cursinho. Se era ela que ia ou o irmão”, lembra Rosângela do Nascimento.

Raíssa ficou os últimos dois anos apenas estudando para o vestibular. Mas nem mesmo ela acreditava que poderia ser aprovada em medicina na UFRN.

Com a casa em reforma – inclusive com cômodos ainda sem telhado -, ela tentava se concentrar apesar do barulho frequente. Assim, se instalou em uma espécie de beco da residência, local onde são estendidas as roupas no varal.

Raíssa adaptou o espaço para se sentir mais confortável. Fez uma cobertura improvisada em cima sobre a mesa de estudos e se cercou de plantas. Era uma forma de fugir da confusão da reforma. E lá ficava várias horas do dia.

“Eu acordava de 7h e parava só para almoçar. Depois, ia para o cursinho, para as aulas, dava uma revisada e ia dormir. Era isso. Ficava o dia todo estudando”, relata Raíssa.

Raíssa Nascimento acordava às 7h para começar a estudar — Foto: Cleíldo Azevedo/Inter TV Cabugi

Raíssa Nascimento acordava às 7h para começar a estudar — Foto: Cleíldo Azevedo/Inter TV Cabugi

“A Raíssa, eu acho que é a pessoa mais determinada que eu já conheci na vida. Acordava cedo, chegava cedo, ia em todas as aulas e era a mesma cara, o mesmo sorriso, o mesmo jeito, nunca mudava”, disse João Pedro, professor de Raíssa.

“Tudo que ela tinha dificuldade, ela sanava a dúvida, procurava os professores, fazia os exercícios. É um exemplo de determinação que dificilmente a gente encontra de novo.”

O pai da jovem lembra que desde que ela era criança pensava em ser médica. “Sempre foi um sonho dela. Ela pequenininha colecionava alguns DVDs de séries de médico. Eu comentava com a mãe dela, que achava que ela ia ser médica”, diz Moisés Afonso.

Com a aprovação no vestibular, o sonho citado pelo se concretizou. “Conseguimos. E ela vai fazer essa faculdade seja lá quantos anos forem”, reforça Rosângela do Nascimento.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Mais um temporal provoca mortes, enchentes e devastação em BH e na Região Metropolitana

Por G1 Minas — Belo Horizonte

Repórter Danilo Girundi mostra cratera que se abriu na Avenida Tereza Cristina, na Região Oeste de BH — Foto: Reprodução/TV Globo

Repórter Danilo Girundi mostra cratera que se abriu na Avenida Tereza Cristina, na Região Oeste de BH — Foto: Reprodução/TV Globo

Após mais um temporal na noite desta terça-feira (28), Belo Horizonte amanheceu nesta quarta-feira (29) com estragos em diversos pontos da cidade. A chuva mais forte do que o esperado atingiu, principalmente, as regiões Barreiro, Centro-Sul e Oeste da cidade.

Em Nova Lima, Região Metropolitana de BH, um homem morreu no desabamento de uma casa. O interior do Estado também registrou fortes chuvas e uma morte na cidade de Tabuleiro, na Região da Zona da Mata. Com isso, o total de vítimas fatais no Estado desde sexta-feira (24) sobe para 54.

Parte de casa desmoronou em Nova Lima, na Grande BH, no bairro Cristais  — Foto: Reprodução/TV Globo

Parte de casa desmoronou em Nova Lima, na Grande BH, no bairro Cristais — Foto: Reprodução/TV Globo

BELO HORIZONTE

Uma cratera se abriu em uma das principais vias de Belo Horizonte, a Avenida Tereza Cristina, na Região Oeste. Na região Oeste choveu 101,6 milímetros em três horas.

Na região Centro-Sul, o Córrego do Leitão transbordou desde a Barragem Santa Lúcia até o centro da capital. O maior volume de chuva foi registrado na região: 175,6 milímetros em três horas. São vários pontos com carros arrastados, trechos do asfalto arrancados e garagens alagadas.

Região Metropolitana de BH volta a ser atingida por forte chuva

Outro córrego que transbordou foi o Acaba Mundo, que começa no Parque JK, no alto do Sion, e desceu provocando enchentes até o Centro. Nesta manhã, uma cratera se abriu no cruzamento da Avenida do Contorno, com a Rua Professor Morais.

Na BR-356, na chamada curva do Ponteio, também na Região Centro-Sul, um barranco desmoronou e a via precisou ser fechada no sentido Centro. Nesta manhã, duas faixas estavam liberadas no sentido BH Shopping. No shopping, parte do teto desabou durante o temporal.

Também foram registrados alagamentos nas Avenidas Barão Homem de Melo, Silva Lobo e Professor Mário Werneck, todas na Região Oeste.

Até as 6h30, não havia registro de mortes na capital. Em Nova Lima, um homem de 45 anos morreu no desabamento de uma casa.

00:00/00:04

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Vídeo mostra policiais socorrendo recém-nascido engasgado com leite em São Roque

Por G1 Sorocaba e Jundiaí

Policiais militares de São Roque (SP) ajudaram a salvar um bebê recém-nascido de 17 dias de vida que se engasgou com leite na tarde desta terça-feira (28), no bairro Planalto Verde.

Um vídeo enviado ao G1 mostra o momento em que as primeiras manobras são realizadas. Nas imagens, é possível ver que a criança chora por alguns instantes e para. A mãe da criança acompanha toda ação ao lado dos policiais.

Depois de realizar massagem cardíaca, a equipe tenta respiração boca a boca. A bebê volta a chorar e a se mexer. Os policiais, então, repetem as manobras de primeiros socorros diversas vezes.

Policiais ajudam a salvar bebê engasgado em São Roque — Foto: Divulgação/Polícia Militar

Segundo a corporação, a equipe fazia um patrulhamento pelo bairro, quando se depararam com um homem desesperado carregando um bebê desacordado, arroxeado e em parada respiratória.

Após as manobras, a equipe seguiu para a Santa Casa, onde já havia uma equipe médica esperando. Os profissionais, então, realizaram o atendimento e a criança voltou a respirar.

O bebê permanece internado na unidade sob observação.

Vídeo mostra resgate de bebê engasgado em São Roque — Foto: Divulgação/Polícia Militar

Vídeo mostra resgate de bebê engasgado em São Roque — Foto: Divulgação/Polícia Militar

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.