Seu Vídeo Aqui!!!

————————————————————————————-

————————————————————————————

NUVEM DE TAGS

Taxa de abandono escolar no Ensino Médio na rede pública mais que dobra em 2021, aponta Inep

Percentual de estudantes que abandonaram instituições foi de 2,3%, em 2020, para 5%, em 2021. Números integram os resultados finais da segunda etapa do Censo Escolar da Educação Básica.

Por Letícia Carvalho , TV Globo — Brasília

Dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) mostram que a taxa de abandono escolar no Ensino Médio na rede pública mais que dobrou no ano passado. Em 2020, o percentual de estudantes que abandonaram instituições foi de 2,3%, enquanto que, em 2021, a taxa foi de 5%.

Os números foram divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Inep e integram os resultados finais da segunda etapa do Censo Escolar da Educação Básica 2021. A primeira etapa foi divulgada no início deste ano (veja mais abaixo).

No ensino fundamental, a taxa de abandono escolar foi de 1%, em 2020, para 1,2%, em 2021. A única rede que não apresentou elevação foi a privada.

Ainda, segundo o levantamento, a região Norte do país foi a que mais sofreu com o abandono dos alunos. Enquanto o país teve um índice de 5% no ensino médio, juntos, os estados do Norte acumularam uma taxa de 10,1% de abandono. Já na etapa do ensino fundamental, o valor foi de 2,5% nesta região.

Taxas de aprovação e reprovação

A segunda etapa do Censo apontou ainda para uma redução da taxa de aprovação na rede pública em todas as etapas de ensino em comparação com o ano de 2020.

Os dados vem após uma certa estabilidade nas taxas de aprovação e reprovação dos alunos em decorrência da pandemia de covid-19 e das estratégias para o seu enfrentamento — como a adoção do “contínuo curricular”, medida que “juntou” os anos letivos de 2020 e 2021 para evitar o aumento da reprovação.

  • Ensino Fundamental

Em 2020, a taxa de aprovação nos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano), na rede pública, foi de 98,9%. Já em 2021, esse percentual caiu para 97,6%. Essa redução de 1,3 ponto percentual entre um ano e outro foi a primeira nos últimos cinco anos.

Ou seja, com essa queda na aprovação, consequentemente, houve um aumento na reprovação entre 2020 e 2021.

Nos anos finais do ensino fundamental, os índices de aprovação caíram em todas as dependências administrativas da rede pública. Em 2020, essa taxa foi de 97,8%. No ano passado, as aprovações diminuíram para 95,7%.

As taxas de reprovação nessa etapa também aumentaram, passando de 0,8% para 2%.

  • Ensino Médio

Já no ensino médio, a taxa de aprovação caiu de 95% para 90,8% em relação ao ano de 2020.

Esse movimento tem reflexo no índice de reprovação: no ano passado, a taxa nessa etapa de ensino foi de 4,2%, um aumento de 1,5 ponto percentual em comparação com 2020 (2,7%).

Censo Escolar

O Censo Escolar é a principal pesquisa estatística do governo federal sobre a educação básica. O levantamento, coordenado pelo Inep e realizado, em regime de colaboração, entre as secretarias estaduais e municipais de educação, serve de base para o repasse de recursos.

Os dados abrangem as diferentes etapas e modalidades da educação básica: ensino regular, educação especial, educação de jovens e adultos (EJA) e educação profissional.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Homeschooling ataca direito universal das crianças e adolescentes de frequentarem escola, avalia professor

Projeto que permite educação domiciliar das crianças de acordo com a vontade das famílias foi aprovado pela Câmara dos Deputados e vai ao Senado.

Por g1

O projeto que regulamenta a prática do homeschooling no Brasil foi aprovado pela Câmara dos Deputados nesta quinta (19) e agora segue para o Senado.

Atualmente, o ensino domiciliar não é permitido no país por decisão do STF. Com base na Constituição, os ministros argumentam que o dever de educar implica cooperação entre Estado e família, sem exclusividade dos pais.

Este também é o argumento do professor de Direito e Políticas Públicas Salomão Ximenes, da Universidade Federal do ABC. Segundo Ximenes, o projeto vai na contramão dos direitos das crianças e adolescentes à escola pois o transfere aos pais.

“A gente fala em direito intransponível universal de frequentar uma escola como direito próprio da criança e do adolescente, e não um direito de seus pais ou responsáveis”, explica. “Ao aprovar esse projeto se cria uma regra geral em que praticamente qualquer pai que cumpra requisitos bastante amplos pode livremente optar por levar ou não seus filhos à escola. Isso é um ataque do ponto de vista da construção do direito à educação no Brasil.”

Salomão Ximenes é autor do livro “Direito à qualidade na educação básica: teoria e crítica” e compõe a diretoria da Ação Educativa e da Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação. Em entrevista à Renata Lo Prete, o professor ainda avalia que o projeto aprovado pela Câmara dos Deputados modifica toda a estrutura do direito à educação básica para atender às demandas de um número de famílias “bastante limitado” em relação à população brasileira no total.

“Fala-se em 7 a10 mil famílias que praticam esta modalidade – hoje ilegal – de educação domiciliar. Em nome de atender uma demanda de um número limitado, quase irrelevante, ataca-se dois pilares fundamentais do direito à educação.”

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Enem 2022: prazo de inscrição termina no sábado; saiba como se inscrever

Versões impressa e digital serão aplicadas em 13 e 20 de novembro. Taxa é de R$ 85 e pode ser paga via boleto, cartão de crédito ou PIX.

Por Emily Santos, g1

Passo a passo: como fazer a inscrição no Enem 2022

prazo de inscrição para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 termina às 23h59 de sábado (21).

As provas nas versões impressa e digital serão aplicadas em 13 e 20 de novembro, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame.

Quem não obteve isenção da taxa de inscrição deve fazer o pagamento de R$ 85 até 27 de maio.

Veja abaixo detalhes sobre os seguintes pontos:

  1. Inscrição
  2. Passo a passo
  3. Novidade na aplicação
  4. Inglês ou espanhol? Prova impressa ou digital?
  5. Cronograma
  6. Disciplinas e horários

1. Inscrição

O prazo para inscrição para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022, nas versões impressa e digital, teve início nesta terça-feira (10) e vai até 21 de maio.

A inscrição deve ser feita na página do participante do Enem. A taxa para quem não conseguiu isenção é de R$ 85 e deve ser paga até 27 de maio, por boleto, PIX ou cartão de crédito.

Atenção: os estudantes que obtiveram o direito à isenção desse valor (como os alunos da rede pública) também devem se inscrever. Caso contrário, não poderão prestar o Enem.

2. Passo a passo

1. Acesse a página do participante e clique em ‘Inscrição’

Passo 1 - inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 1 – inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

2. Selecione a imagem indicada nas orientações do desafio

Passo 2 - Inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 2 – Inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

3. Informe o CPF, data de nascimento e clique em ‘Iniciar a inscrição’

Passo 3 - inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 3 – inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

4. Leia as orientações e clique em ‘Próximo’

Passo 4 - inscrição do Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 4 – inscrição do Enem 2022 — Foto: Reprodução

5. Informe o nome do pai ou selecione ‘Não quero declarar’

Passo 5 - inscrição Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 5 – inscrição Enem 2022 — Foto: Reprodução

6. Preencha os dados de sexo, raça/cor, estado civil e nacionalidade

7. Informe o município de nascimento

8. Insira o CEP e clique em ‘Próximo’

Passo 8 - inscirção no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 8 – inscirção no Enem 2022 — Foto: Reprodução

9. Confirme o endereço e complemento

10. Informe se precisa de recurso de acessibilidade e diga qual

Passo 10 - inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 10 – inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

11. Escolha o idioma da língua estrangeira (Inglês ou Espanhol)

12. Informe a situação de ensino médio

Passo 12 - inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 12 – inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

13. Responda o questionário socioeconônico

Passo 13 - Inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 13 – Inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

14. Informe telefone e e-mail para contato

15. Escolha o formato da prova (impresso ou digital)

Passo 15 - inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 15 – inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

16. Escolha o município de aplicação da prova

Passo 16 - Inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 16 – Inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

17. Envie uma foto do participante

Passo 17 - Inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 17 – Inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

18. Confirme as informações pessoais e clique em ‘Enviar Inscrição’

19. Confira o comprovante e o número de inscrição

Passo 19 - Inscrição no Enem 2022 — Foto: Repridução

Passo 19 – Inscrição no Enem 2022 — Foto: Repridução

20. Acesse as informações de pagamento da taxa de inscrição na página do participante. Faça login com CPF e senha no gov.br

21. Escolha a forma de pagamento e pague a taxa de inscrição.

Passo 21 - inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

Passo 21 – inscrição no Enem 2022 — Foto: Reprodução

3. Novidade na aplicação

Pela primeira vez, o Inep aceitará documentos digitais de identificação nos locais de prova, como:

  • e-Título,
  • Carteira Nacional de Habilitação (CNH) Digital; e
  • RG Digital.

O candidato deve apresentar o aplicativo oficial ao fiscal — capturas de tela não serão válidas.

Após a entrada na sala de aula, o uso do celular continuará vetado.

4. Inglês ou espanhol? Prova impressa ou digital?

O candidato deve escolher, no ato da inscrição, se deseja que as cinco questões de língua estrangeira sejam em inglês ou em espanhol.

Também precisa sinalizar se quer fazer o Enem impresso (tradicional) ou o digital.

É importante lembrar que a versão informatizada:

  • também é aplicada nos locais de prova — não existe a opção de prestar o exame em casa;
  • traz 180 questões a serem respondidas digitalmente, mas com redação manuscrita.

5. Confira o cronograma

  • Inscrições: 10 a 21 de maio
  • Pagamento da inscrição: 10 a 27 de maio
  • Pedido de atendimento especializado: 10 a 21 de maio
  • Pedido de tratamento pelo nome social: 23 a 28 de junho
  • Provas: 13 e 20 de novembro

6. Disciplinas e horários

Como nos últimos anos, o Enem será aplicado em dois domingos.

13 de novembro

O candidato deverá fazer:

  • 45 questões de linguagens (40 de língua portuguesa e 5 de inglês ou espanhol);
  • 45 questões de ciências humanas; e
  • redação.

20 de novembro

A prova trará:

  • 45 questões de matemática; e
  • 45 questões de ciências da natureza.

Veja os horários de aplicação (no fuso de Brasília):

  • Abertura dos portões: 12h
  • Fechamento dos portões: 13h
  • Início das provas: 13h30
  • Término das provas no 1º dia: 19h
  • Término das provas no 2º dia: 18h30

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Taxista encontra carteira com R$ 5 mil em Blumenau e mobiliza internet para encontrar dona

Edson Schlogl, de 55 anos, afirmou que também havia cartões com as respectivas senhas.

Por Sofia Mayer e Bianca Bertoli, g1 SC e NSC

taxista encontrou carteira na Rua Amazonas, no bairro Garcia — Foto: Arquivo Pessoal/ Divulgação

taxista encontrou carteira na Rua Amazonas, no bairro Garcia — Foto: Arquivo Pessoal/ Divulgação

Um morador de Blumenau, no Vale do Itajaí, chamou a atenção na internet nos últimos dias. O taxista Edson Schlogl, de 55 anos, encontrou uma carteira com R$ 5 mil, além de vários cartões com as respectivas senhas, e decidiu iniciar uma mobilização para encontrar a dona do objeto nas redes sociais. O valor foi devolvido à proprietária no mesmo dia.

Edson disse que trafegava pela Rua Amazonas, no começo da noite de sexta-feira (13) , depois de buscar a esposa no trabalho, quando notou que uma carteira caiu de cima do carro que estava na frente dele. Ele explica que a proprietária havia embarcado no carro, ao sair de um estabelecimento, e deixado o objeto em cima do veículo. A carteira, então, acabou caindo na estrada.

Ele conta que chegou a passar sobre o objeto, mas voltou para recolhê-lo na intenção de devolver. Na corrida para alcançar a dona, um semáforo fechou e ele perdeu de vista a motorista.

O morador começou a procura pela proprietária nas redes sociais. Fez publicações e mandou mensagens para grupos de conversa. Ao mesmo tempo, a filha da mulher publicou na internet o que havia acontecido. Os dois acabaram se encontrando na web e marcaram a entrega.

“Havia R$ 4,9 mil dentro da carteira e 16 cartões, a maioria com as senhas junto. Ela contou que sacou o valor para pagar prestações. Estava muito nervosa quando chegou na minha casa com a filha, mas eu jamais ficaria com o que não é meu”, revela Edson.

Não foi a primeira vez

Taxista há uma década, Edson revela que já encontrou diversos pertences esquecidos pelos clientes dentro do próprio veículo ou nas ruas, mas sempre fez o possível para encontrar os proprietários.

Na sexta-feira, o que impressionou o trabalhador foi a quantia, a mais alta que já achou, além as senhas anotadas nos cartões. Naquela mesma noite, a família foi à residência de Edson, no bairro Velha, e pegou a carteira de volta. “Eu me coloquei no lugar dela”, comenta.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Tratamento inédito com fototerapia realizado no Brasil promete diminuir chance de retorno de câncer cerebral

Conhecido como PDT + 5 ALA, procedimento com luzes ocorre logo após remoção de tumores graves. Tratamento foi feito em Curitiba, na primeira quinzena de maio.

Por Caio Budel, g1 PR — Curitiba

Tratamento foi realizado logo após cirurgia para remoção de câncer cerebral, na segunda quinzena de maio, em Curitiba — Foto: Divulgação

Tratamento foi realizado logo após cirurgia para remoção de câncer cerebral, na segunda quinzena de maio, em Curitiba — Foto: Divulgação

Uma equipe médica do Paraná reportou a realização inédita no Brasil, em caráter de pesquisa, de uma sessão de Terapia Fotodinâmica Intraoperatória, junto à aplicação do corante 5-ALA, para o tratamento de um câncer cerebral grave. Entenda o funcionamento abaixo.

O procedimento promete diminuir as chances do reaparecimento da doença, prolongando a vida de pacientes. Em resumo, o tratamento utiliza uma forte luz vermelha, por meio de um difusor, para causar uma reação fotoquímica onde o tumor estava, afetando células cancerígenas que permanecem no corpo após a cirurgia.

O neurocirurgião Erasmo Barros Júnior foi um dos médicos que participou do primeiro procedimento realizado no Brasil. O tratamento reportado pela equipe dele foi realizado na primeira quinzena de maio, no Instituto de Neurologia (INC), em Curitiba.

A aplicação é feita com a cavidade cerebral do paciente aberta, logo após a cirurgia para a remoção do câncer.

“O objetivo é neutralizar as células cancerosas residuais que ainda existem. Após essa etapa, que aumenta em uma hora o tempo operatório, a cirurgia é finalizada com o fechamento, conforme a rotina”, explica o médico.

Internacionalmente, esta terapia fotodinâmica é conhecida pela sigla PDT. Segundo Barros Júnior, a efetividade do tratamento se dá a partir do PDT, somado ao corante 5-ALA, abreviação da substância chamada Ácido Aminolevulínico.

Segundo o neurocirurgião, atualmente, este tipo de procedimento “casado” é realizado apenas na Alemanha e também na França, onde o PDT foi iniciado, em 2017.

Mundialmente, a comunidade médica estima que 4,7 pessoas a cada 100 mil habitantes são acometidas por câncer cerebral grave. Segundo Barros Júnior, este tipo de tumor costuma atingir mais homens.

Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Paraná, indicam que em 2020, a taxa estimada para diagnósticos de câncer cerebral em 2020 ficou em 6,12 casos para cada 100 mil homens. Para mulheres, foram 4,92 casos a cada 100 mil.

Como funciona

Barros Júnior explica que o procedimento se inicia a partir da ingestão do 5-ALA pelo paciente.

Após algumas horas, a substância faz os gliomas de alto grau “acenderem”, com coloração vermelha. A fluorescência facilita a cirurgia para a remoção da parte doente do cérebro.

Entretanto, a cirurgia, por si só, não diminui de maneira considerável a chance de o tumor reaparecer futuramente no paciente. E justamente para combater este retorno, conhecido como recidiva, é que o PDT é utilizado.

“A melhor comparação que é posso fazer é a de um pão que começa a ficar embolorado. Naquela região principal do cérebro, onde a gente vê o nódulo, para além dali, tem doença. Por isso o comparativo com o mofo. A gente não consegue saber exatamente onde é o limite do câncer […] E com essa ferramenta, quando a gente trabalha no tumor, conseguimos ver os resquícios com mais definição. Isso na cirurgia, faz que a gente foque na parte funcional do paciente, para tentar evitar qualquer problema para ele”.

De acordo com o médico, o tratamento é feito em uma única sessão, uma vez que a cavidade cerebral precisa estar exposta. O procedimento leva cerca de uma hora.

Foto mostra 'prova de função' da técnica em simulação de tratamento — Foto: Divulgação

Foto mostra ‘prova de função’ da técnica em simulação de tratamento — Foto: Divulgação

Por meio de um difusor, luzes vermelhas causam uma reação fotoquímica onde o tumor estava, afetando células cancerígenas que permanecem no corpo após a cirurgia. O médico explica que, durante este procedimento, as luzes aumentam a oxigenação do local.

“O que a gente faz é que, no final da remoção cirúrgica, teoricamente quando a cirurgia acaba, você fecharia o paciente e semanas depois ele vai para a radiação, para a radioterapia. A gente coloca uma etapa a mais. Para tentar tratar aquela cavidade, aquele buraco, a gente tenta colocar mais alguma coisa. E ali é colocado um balãozinho, e por dentro a gente passa uma sonda de laser que vai gerar essa luz vermelha”.

Pequeno balão é inserido na cavidade onde a parte doente é removida. No item, passa a sonda que conduz a luz — Foto: Divulgação

Pequeno balão é inserido na cavidade onde a parte doente é removida. No item, passa a sonda que conduz a luz — Foto: Divulgação

Olhar para o futuro

Até esta sexta-feira (19), apenas um paciente recebeu este tipo de tratamento em Curitiba. Porém, de acordo com o neurocirurgião, até o final de maio, o INC terá realizado três tratamentos com PDT e 5-ALA.

Como este procedimento está sendo feito em caráter de estudo, não há cobrança no INC para o tratamento após a cirurgia.

O médico destaca, entretanto, a eficácia do tratamento apresentada em estudos publicados em outros países, garantindo o prolongamento da vida dos pacientes que passam pelo procedimento.

“Até o momento estamos fazendo apenas em gliomas de alto grau, mas a gente já está encaminhando projetos de pesquisa para outros tipos de tumor. Muitos em breve saberemos, talvez, se este tipo de tratamento funcionará para, por exemplo, metástase cerebral, ou algum outro tipo de tumor […] A gente consegue estender a técnica para outros tipos de doença, mas primeiro precisamos deixar tudo muito bem documentado”.

Sobre uma possível chegada deste tipo de tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), com acesso universal aos brasileiros, Barros Júnior acredita que ainda será necessário tempo.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

STF decide por unanimidade que é legal punição a motorista que recusar bafômetro

Caso tem repercussão geral, isto é, decisão do STF deverá ser seguida pelos demais tribunais do país. Supremo julgou ações que questionavam pontos do Código de Trânsito Brasileiro.

Por Rosanne D’Agostino e Wellington Hanna, g1 e TV Globo — Brasília

STF decide por unanimidade validar punição a motorista que recusar bafômetro

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (19) por unanimidade validar a punição administrativa prevista no Código de Trânsito Brasileiro ao motorista que se recusar a fazer o teste do bafômetro.

A decisão tem repercussão geral, isto é, deverá ser seguida pelos demais tribunais no país. Ao todo, mais de mil processos aguardavam um posicionamento do plenário do STF sobre o tema.

O Código de Trânsito prevê multa administrativa para quem se recusa a fazer “teste, exame clínico, perícia ou outro procedimento que permita certificar influência de álcool ou outra substância psicoativa”. Além de multa, há suspensão do direito de dirigir por 12 meses, recolhimento da habilitação e retenção do veículo.

O Supremo tomou a decisão ao julgar recurso do Departamento de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran-RS), que tentava reverter a anulação — pela Fazenda Pública estadual — de multa aplicada a um motociclista de Cachoeirinha (RS) que se recusou a fazer o teste.

Além da questão do bafômetro, foram julgados em conjunto nesta quinta no STF outras duas ações que questionavam pontos do Código de Trânsito:

  • ação da Confederação Nacional do Comércio (CNC) e Associação Brasileira das Empresas de Gastronomia, Hospedagem e Turismo contestando a proibição da comercialização de bebidas alcoólicas em rodovias federais;
  • ação da Associação Brasileira Restaurantes e Empresas de Entretenimento (Abrasel Nacional) questionando trechos da Lei Seca e pedindo o estabelecimento de um limite de álcool diferente do zero para os motoristas.

Em relação a essas duas ações, os ministros entenderam que

  • a proibição atualmente em vigor da venda de bebidas nas rodovias não é ilegal (neste caso por 10 votos a 1).
  • e que também não são ilegais outros trechos do Código de Trânsito, como o que prevê tolerância zero ao volante (neste, por unanimidade).

STF analisa mudanças na Lei Seca: O que está em jogo?

Voto do relator

O julgamento começou nesta quarta com a manifestação do relator das ações, ministro Luiz Fux, que votou pela constitucionalidade das normas atuais.

“Há um consenso de que o melhor dos mundos é a tolerância zero”, defendeu o ministro durante o julgamento.

Segundo o ministro, o questionamento contra punição igual para os motoristas com diferentes graus de embriaguez “não se sustenta”.

“Não há um nível seguro de alcoolemia na condução dos veículos. Todo condutor tendo ingerido álcool deixa de ser considerado um motorista responsável”, argumentou.

Voto dos demais ministros

Saiba como votaram os ministros na sessão desta quinta-feira:

  • André Mendonça: acompanhou o relator. “A restrição que é trazida pela lei atende um valor importante da nossa Constituição, que é a preservação da vida e a cidadania plena.”
  • Nunes Marques: também entendeu que não há inconstitucionalidade em punir a recusa ao bafômetro, mas discordou em relação à proibição da venda de bebidas nas estradas. “A proibição vai atingir apenas pequenos comércios, como se não houvesse consumo de álcool nas áreas urbanas.”
  • Alexandre de Moraes: acompanhou o relator. “Isso justifica o tratamento mais enérgico por parte do Brasil”, afirmou o ministro, que citou que, apenas no ano passado, foram 360 mil mortes derivadas de acidentes de trânsito atribuídas a álcool.
  • Luiz Edson Fachin: acompanhou o relator. “Foi legítima e constitucional a escolha do legislador, não havendo afronta ao princípio da autoincriminação.”
  • Luís Roberto Barroso: acompanhou o relator. “O melhor resultado que se pode esperar do direito punitivo é fazer com que as pessoas não cometam delitos. E a Lei Seca conseguiu mudar uma cultura e que até glamurizar a direção embriagada.”
  • Cármen Lúcia: acompanhou o relator. Reforçou que a lei foi uma resposta eficiente para as mortes no trânsito, “porque a liberdade foi levada em consideração, mas a vida também”.
  • Rosa Weber: acompanhou o relator.
  • Dias Toffoli: acompanhou o relator. “São políticas que salvam milhares de vidas”, disse.
  • Ricardo Lewandowski: acompanhou o relator.
  • Gilmar Mendes: acompanhou o relator. “Estamos diante de uma sanção de natureza administrativa. Acompanho inteiramente”, afirmou.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Polícia de SP faz operação contra tráfico de drogas em novo ponto de concentração de usuários da Cracolândia; veja imagens

Polícia Civil de SP afirma que ação cumpre 32 mandados de prisão. Usuários de drogas que se concentravam na Rua Doutor Frederico Steidel, entre as avenidas São João e Duque de Caxias, ficaram sentados durante ação.

Por g1 SP, TV Globo e GloboNews — São Paulo

Polícia faz nova ação na Cracolândia, no Centro de SP

A Polícia Civil de São Paulo realizou uma operação contra o tráfico de drogas na região da Rua Doutor Frederico Steidel, no Centro da capital, no final da tarde desta quinta-feira (19).

O alvo da operação foi o trecho da rua entre as avenidas São João e Duque de Caxias, que abriga um grupo de usuários desde a ação policial na Cracolândia da Praça Princesa Isabel, no início de maio. Antes disso, grupos que saíram da praça também já se concentraram na Rua Helvétia, também no Centro.

Segundo a polícia, a operação cumpre 32 mandados de prisão contra traficantes que vendem drogas, principalmente crack, para os usuários da região. A Polícia Civil afirma ainda que, após a ação, a Prefeitura de SP vai promover “uma grande ação social e de saúde pública no SIAT (Serviço Integrado de Acolhida Terapêutica) Emergencial que está instalado em terreno anexo ao 77º Distrito Policial (Santa Cecília)”.

A chegada dos policiais na tarde desta quinta provocou correria entre os usuários, que se dispersaram por outras ruas do Centro. Imagens gravadas por moradores do entorno mostram que os policiais reuniram um grande grupo de usuários em uma calçada. Os vídeos também registraram agentes correndo com cassetetes e escudos nas mãos por vias bloqueadas para o tráfego de veículos.

A ação impactou o trânsito na região, e 16 linhas de ônibus que passam na Avenida São João foram desviadas desde as 17h, informou a SPTrans.

A concentração de dependentes químicos na Rua Doutor Frederico Steidel foi alvo de protestos de moradores e comerciantes da região nesta quarta (18). Na noite desta quinta (19), os moradores voltaram a se manifestar paralelamente à operação policial que ocorria na região.

Protesto de moradores

Moradores de bairros como Santa Cecília e Campos Elíseos, no Centro de São Paulo, fizeram um protesto nas noites desta quinta e da quarta (18) no Minhocão contra as constantes mudanças do chamado “fluxo’’ de dependentes químicos da Cracolândia pelas ruas do bairro.

Após dispersão da Cracolândia, usuários de drogas voltam a se concentrar em rua do bairro Santa Cecília

Desde quando foram retirados da Praça Princesa Isabel pela polícia os usuários de droga já ocuparam diferentes endereços, principalmente a Praça Marechal Deodoro, a Rua Helvétia, entre a rua Barão de Campinas e a Avenida São João, e, agora, na esquina da Avenida São João com a Rua Frederico Steidel.

Essa constante mudança da Cracolândia tem tirado a paz dos moradores da região, que reclamam da falta de segurança e da sujeira causada pelo fluxo na porta de suas casas.

A migração do fluxo também tem impactado o funcionamento do comércio e das empresas que ficam nesses endereços. A estoquista Nicole Fernandes é uma das afetadas pelo problema.

“Eles chegaram e na segunda foi isso, já na terça não conseguimos entrar [na empresa]. Ficou uma coisa com medo, se eles fossem fazer alguma coisa, entrar nas lojas”, disse ela.

Sujeira, cheiro ruim e solução definitiva

Além da insegurança, quem mora no Centro também tem que conviver com o lixo deixado pelos dependentes químicos quando eles mudam de lugar. Mesmo que a prefeitura faça a limpeza do lixo, retirando bastante entulho desses locais, o mau cheiro no local permanece.

“Esse cheiro fica insuportável. Mesmo quando a gente joga água, fica um cheiro insuportável. Precisava ser feita uma bela lavagem, com produto, né? Porque é muita sujeira. Eles fazem as necessidades deles na calçada… fica complicado”, disse o assistente de serviços gerais, Fernando dos Santos, morador da Rua Helvetia.

Anatiana Alves Rosa mora em um prédio nesta rua e explica como a presença do fluxo na porta de casa mudou a rotina de todo mundo.

“A gente fechou uma via do elevado pra chamar atenção do poder publico e sociedade civil do que vivemos aqui que é um caos. A vida das pessoas mudou completamente a rotina, os comerciantes não podem trabalhar, fecharam seus comércios, estão tomando prejuízo”, declarou.

Ela não quer simplesmente empurrar o problema para outra vizinhança. O que Anatiana e outros moradores pedem é a solução definitiva do problema.

“O que a gente não quer pra gente a gente não quer pros outros. Não adianta sair da nossa rua e ir pra outra rua que as pessoas vão passar o que a gente tá passando. Porque a gente sabe o quanto é ruim. E também essas pessoas precisam de tratamento, não precisam de mais violência, força policial porque é uma questão de saúde publica”, declarou.

Ação do MPF

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com uma ação civil pública pedindo que a Justiça Federal obrigue o município e o estado a elaborar um plano de ação para garantir o acondicionamento e a destinação adequados do lixo, de forma a evitar o descarte e a permanência dos resíduos nas ruas.

A ação pede ainda que a Anvisa acompanhe a evolução do risco à saúde dos pacientes, visitantes e funcionários do Hospital Pérola Byington, que será instalado em julho na Avenida Rio Branco, esquina com a Rua Helvétia, em razão do acúmulo de toneladas de lixo no local.

O pedido do MPF abrange toda a região da Cracolândia, incluindo o endereço em que eles estão agora.

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Procuradoria Geral do Município, informou que até a presente data não foi notificada processo, mas que está à disposição para prestar os esclarecimentos necessários.

Segundo a gestão Ricardo Nunes (MDB), a Secretaria Municipal das Subprefeituras, realiza ações diárias de zeladoria e limpeza em toda a cidade, inclusive nos endereços citados na ação, como Helvétia, Gusmões, Praça Princesa Isabel e Avenida Rio Branco.

“A região central conta ainda com 22.018 papeleiras. Além disso, em locais tidos como pontos viciados de descarte de resíduos, além da revitalização, as 32 subprefeituras realizam ações de fiscalização. Entre janeiro e março deste ano, foram recolhidas 17.825,97 toneladas de resíduos nas operações de cata-bagulho realizadas pelas equipes de Limpeza Urbana. No mesmo período, 56.145,05 toneladas de detritos foram recolhidas nos 121 ecopontos em toda a cidade”, disse a nota da pasta.

De acordo com a secretaria, nos três primeiros meses de 2022, foram coletados 52.091,49 toneladas de resíduos descartados irregularmente nas ruas da capital. A gestão Nunes também diz que a atuação permanente de limpeza urbana impacto positivo para a cidade, diminuindo o número de pontos viciados de 4 mil, em 2016, para 1210 pontos atualmente.

Já a gestão Rodrigo Garcia (PSDB), no governo de São Paulo, disse por meio de nota da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente que, em 2020, “o Estado tem prestado também auxílio e capacitação técnica aos consórcios de municípios com relação ao tema”.

“O Estado concluiu a revisão do Plano Estadual de Resíduos Sólidos, instrumento que orienta a gestão destes resíduos nos próximos 15 anos. O trabalho foi realizado em conjunto com técnicos do poder público e recebeu 272 contribuições da sociedade civil, academia e setor empresarial na fase de consulta pública”, disse a nota.

“Com relação à limpeza urbana e o descarte irregular de entulho, a destinação final de resíduos sólidos domiciliares é atribuição das prefeituras de acordo com a Lei Federal nº 11.445/2007, alterada pela Lei Federal nº 14.026/2020”, completou a secretaria.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Brasil registra terceiro dia de alta nas mortes por Covid; média móvel é de 113

São 665.491 óbitos e 30.747.752 casos conhecidos registrados do novo coronavírus desde o início da pandemia, segundo dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa.

Por g1

Média móvel de mortes por Covid indica 113 mortes diárias

O Brasil registrou nesta quinta-feira (19) 115 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 665.491 desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias é de 113. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +20%, indicando tendência dealta nos óbitos decorrentes da doença pelo terceiro dia.

Brasil, 19 de maio

  • Total de mortes: 665.491
  • Registro de mortes em 24 horas: 115
  • Média de mortes nos últimos 7 dias: 116 (variação em 14 dias: +20%)
  • Total de casos conhecidos confirmados: 30.747.752
  • Registro de casos conhecidos confirmados em 24 horas: 10.024
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 15.940 (variação em 14 dias: +1%)
Média móvel de óbitos por Covid no Brasil, a cada dia, nos últimos 14 dias. A variação percentual leva em conta a comparação entre os números das duas pontas do período — Foto: Editoria de Arte/g1

Média móvel de óbitos por Covid no Brasil, a cada dia, nos últimos 14 dias. A variação percentual leva em conta a comparação entre os números das duas pontas do período — Foto: Editoria de Arte/g1

Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima e Sergipe não registraram morte por Covid em 24 horas. No estado de Roraima, também não houve qualquer registro de novo caso conhecido no período.

No estado de Tocantins não foi divulgada atualização dos números de casos e mortes pela doença até o fechamento deste boletim.

O país também registrou 10.024 novos diagnósticos de Covid-19 em 24 horas, completando 30.737.728 casos conhecidos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi de 15.940, variação de +1%em relação a duas semanas atrás.

Curva da média móvel de novos casos conhecidos de Covid nas últimas duas semanas — Foto: Editoria de Arte/g1

Curva da média móvel de novos casos conhecidos de Covid nas últimas duas semanas — Foto: Editoria de Arte/g1

Em seu pior momento, a média móvel superou a marca de 188 mil casos conhecidos diários, no dia 31 de janeiro deste ano.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Curva de mortes nos estados

  • Em alta (6 estados e o DF): SP, DF, PR, RS, BA, SC, MS
  • Em estabilidade (8 estados): AM, ES, AC, MT, SE, PI, RJ, RR
  • Em queda (11 estados): GO, CE, PA, PB, PE, MG, RO, RN, AP, MA, AL
  • Não divulgou (1 estado): TO

Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo g1 para analisar as tendências da pandemia).

Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os números de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados. Já a variação percentual para calcular a tendência (alta, estabilidade ou queda) leva em conta os números não arredondados.

Veja a situação nos estados

g1 exibe abaixo os gráficos de alguns estados na evolução de mortes por Covid e casos conhecidos da doença. Para ver a situação em todos os estados e no DF, além dos números nacionais, visite a página especial com mais detalhes e análises.

Médias móveis de mortes e casos nos estados — Foto: Editoria de Arte/g1

Médias móveis de mortes e casos nos estados — Foto: Editoria de Arte/g1

Consórcio de veículos de imprensa

Os dados sobre casos e mortes de coronavírus no Brasil foram obtidos após uma parceria inédita entre g1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL, que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho de 2020, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal 

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Fiocruz alerta para estagnação de vacinação contra Covid-19 no país

Técnicos da fundação informam que na população acima de 25 anos, a cobertura no território nacional para o esquema vacinal completo é de 80%, mas a terceira dose nos grupos mais jovens segue abaixo da média considerada satisfatória.

Por Valor Online

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alertou, na manhã deste quinta-feira (19), que ocorre, no momento, um movimento de estagnação na vacinação contra Covid-19 no país.

O alerta partiu dos pesquisadores da instituição ao divulgar a mais recente edição do “Boletim Observatório Covid-19”, documento veiculado sistematicamente desde o começo da pandemia em 2020, como forma de acompanhar a evolução da doença no Brasil.

No boletim, cuja coleta de dados abrange período até 14 de maio e disponibilizado pela Fiocruz em seu portal na internet, os técnicos da fundação informam que, atualmente, na população acima de 25 anos, a cobertura no território nacional para o esquema vacinal completo é de 80%.

No entanto, em relação às faixas etárias, os dados mostram que a terceira dose nos grupos mais jovens segue abaixo da média considerada satisfatória pelos pesquisadores da fundação.

Por que a vacinação é uma decisão coletiva, não individual ​

No cenário nacional, a Fiocruz aponta que 14 unidades da Federação apresentam mais de 80% da população vacinada com a primeira dose e 18 apresentam mais de 70% com a segunda dose. Entretanto, esses percentuais não são homogêneos por faixa etária, e mudam conforme a idade do brasileiro, notaram os pesquisadores.

Na análise do boletim realizada pela instituição, os especialistas da Fiocruz detalham que, hoje, há cobertura vacinal contra covid-19 de 63,9% na faixa etária de 55 a 59 anos, 57,9% na de 50 a 54 anos, 52,8% de 45 a 49 anos.

Ainda de acordo com os pesquisadores, conforme a idade vai diminuindo, o nível de vacinação também diminui. De 40 a 44 anos, o percentual é de 49,8% e vai para 44,7% de 35 a 39 anos, 40,3% de 30 a 34 anos, 35,5% de 25 a 29 anos, 30,4% de 20 a 24 anos, e 25,2% de 18 a 19 anos.

Em relação à terceira dose, nas faixas etárias acima de 65 anos, a cobertura está acima de 80%. Mas a quarta dose dos imunizantes foi aplicada em 17% da população com mais de 80 anos. Nas crianças entre 5 e 11 anos, 60% tomaram a primeira dose e 32% estão com esquema vacinal completo, informaram os pesquisadores.

Na prática, os técnicos da Fiocruz destacam, no boletim, que mesmo após mais de um ano de vacinação, a cobertura vacinal em todos os Estados continua bastante heterogênea.

“É importante reconhecer que a ampliação da vacinação, priorizando especialmente regiões com baixa cobertura e doses de reforço em grupos populacionais mais vulneráveis, pode reduzir ainda mais os impactos da pandemia sobre a mortalidade e as internações”, afirmam os técnicos, no boletim.

Para os especialistas, “o cenário atual ainda é motivo de preocupação”, apontam no boletim. “A ocorrência de internações tem sido consistentemente maior entre idosos, quando comparados aos adultos. Além disso, o surgimento de novas variantes, que podem escapar da imunidade produzida pelas vacinas existentes, constitui uma preocupação permanente”, explicam.

Além disso, os pesquisadores alertam que, no momento, ocorre falta de incentivo do uso de máscaras como medida de proteção coletiva; e não obrigatoriedade do uso do passaporte vacinal.

Assim, na prática, a vacinação é o único recurso de proteção efetivo contra a covid-19 no país atualmente.

Em contrapartida, não ocorre, no momento, uma explosão de número de óbitos pela doença — o que só comprova eficácia dos imunizantes.

Os pesquisadores informaram que, nas últimas três semanas, de 24 de abril a 14 de maio, foram registrados cerca de 16 mil casos e 100 óbitos diários, o que corresponde a uma taxa de letalidade de 0,7%, os menores valores estáveis desde o início da pandemia, no começo de 2020.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.

  

Serviço de bordo em voos domésticos está liberado a partir deste domingo

Gol e Azul confirmaram que voltarão a oferecer serviço a partir do primeiro dia. No caso da Latam, ele será disponibilizado em 1º de junho.

Por g1

O serviço de alimentação a bordo de aviões será liberado em voos domésticos neste domingo (22) após uma determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As companhias Gol e Azul informaram que retomarão o serviço já no domingo, enquanto a Latam voltará a oferecê-lo em 1º de junho.

Gol disse que, no domingo, o atendimento ficará disponível em voos com origem nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos. Em 1º de junho, ele será disponibilizado em voos que saem de Brasília e Rio de Janeiro (Santos Dumont e Galeão). A operação estará disponível em todos os voos domésticos da empresa a partir de 16 de junho.

“Seguindo as determinações da Anvisa por conta da pandemia da Covid-19, a Gol oferecia, desde dezembro de 2020, apenas água sob demanda nos voos nacionais”, informou. Em voos internacionais, o serviço de bordo da companhia já havia sido retomado em novembro de 2021.

Azul anunciou que seu serviço de bordo será retomado no domingo e seguirá sem custo adicional. A empresa também afirmou que, recentemente, voltou a oferecer atividades infantis e a possibilidade do uso de chuveiros na área internacional do aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

Já a Latam informou que voltará a oferecer snacks e bebidas gratuitamente em voos domésticos a partir de 1º de junho. A empresa planeja operar 542 voos domésticos por dia neste mês.

Uso de máscaras segue obrigatório

Apesar da liberação do serviço de bordo, a Anvisa manteve a obrigatoriedade do uso de máscaras em aviões e áreas restritas de aeroportos. A decisão foi tomada pela diretoria da agência na última quinta-feira (12).

Na liberação do serviço de bordo, a Anvisa orientou que o atendimento seja o mais breve possível para não prejudicar significativamente o uso de máscaras de proteção facial pelos passageiros.

“Recomenda, também, que todos os resíduos sólidos gerados pelo serviço de bordo sejam recolhidos o mais breve possível, sendo que especial atenção deve ser dada aos objetos que possam ter tido contato direto ou indireto com a boca do viajante, como copos, pratos, garfos e outros”, disse a Anvisa, em nota.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.