Avaliação negativa das estradas em PE diminui 29% em uma década

Bruno Marinho

Do G1 PE

Placa na BR-408  aponta entrada para Buenos Aires, PE (Foto: Katherine Coutinho / G1)
No quesito sinalização, classificação negativa reduziu 25% na última década. Esta placa na BR-408 aponta entrada para o município de Buenos Aires, na Mata Norte de PE (Foto: Katherine Coutinho / G1)

A situação das rodovias em Pernambuco deu um salto qualitativo na última década. No período compreendido entre 2005 e 2015, o percentual de estradas avaliadas como péssimas, ruins ou regulares no estado caiu de 82% para 53%. É o que revela uma comparação realizada pelo G1a partir dos dados que integram as edições dos anos citados do Anuário CNT do Transporte, elaborado pela Confederação Nacional do Transporte, que avaliou uma extensão de 3.138 km de rodovias em Pernambuco.

A maior parte dessa redução da avaliação negativa das estradas no estado aconteceu recentemente, de 2014 para o ano passado. De acordo com o estudo, o índice negativo era de 71%, há dois anos. “Investimentos tanto do governo federal, por meio do programa BR Legal, e da iniciativa privada atacaram os pontos necessários, sobretudo no que se refere à sinalização das rodovias, foram essenciais para esse salto na qualidade”, pontua Jefferson Cristiano, coordenador de Estatística e Pesquisa da CNT.

Ainda tem muito a avançar nas rodovias brasileiras. A crise tem feito os investimentos caírem, mas, executando bons projetos de forma efetiva, o retorno é possível”
Jefferson Cristiano, coordenador de Estatística e Pesquisa da CNT

Além da sinalização, em que são observadas a presença, visibilidade e legibilidade de placas ao longo das rodovias, a pesquisa leva em consideração outras variáveis para avaliar as estradas. Entre elas, o pavimento — ou seja, as condições da superfície da pista principal e do acostamento — e a geometria, que abrange desde o tipo de rodovia (pista simples ou dupla) até a existência de faixa adicional de subida, pontes, viadutos e curvas perigosas.

Em uma década, as rodovias localizadas em Pernambuco tiveram diminuição da classificação negativa nos quesitos sinalização (de 70% para 55%) e pavimento (de 65% para 35%). Já no que se refere à geometria das vias, as estradas situadas no estado deixam bastante a desejar, segundo o estudo. Da extensão pesquisada, 91% não apresentam condições satisfatórias de geometria. Chama a atenção o fato de a redução desse índice negativo, entre 2005 e o ano passado, ter sido de apenas 2%.

“Ainda tem muito a avançar nas rodovias brasileiras. A crise tem feito os investimentos caírem, mas, executando bons projetos de forma efetiva, o retorno é possível. Pernambuco é um exemplo na evolução na qualidade do estado geral, sobretudo no que se refere à melhoria na sinalização das rodovias pesquisadas”, complementa Jefferson Cristiano.

A extensão avaliada no estado pela CNT abrange as seguintes rodovias: PE-009, PE-024, PE-028, PE-052, PE-060, PE-082/BR-408, PE-090, PE-096, PE-126, PE-130, PE-117, PE-275, PE-280, PE-337/BR-426, PE-360, PE-110/BR-110, BR-101, BR-104, BR-116, BR-122, BR-232, BR-235, BR-316, BR-407, BR-408, BR-423, BR-424 e BR-428.

Deixe aqui sua Mensagem




1 - Os campos marcados com asterico (*) são de preenchimento obrigatório.
2 - Dados pessoais como email e telefone não serão divulgados.